Home Etc Brasileiros adquirem visto de residência para poder comprar carros mais baratos no...

Hyundai Santa Fe 2010 Brasileiros adquirem visto de residência para poder comprar carros mais baratos no Paraguai




Um brasileiro ter visto de residência em outro país é uma coisa normal. Desde que a pessoa realmente more no outro país e comprove isso. Pelo menos no Paraguai é assim, mas muitos que moram em Foz do Iguaçu estão conseguindo esse documento de forma ilegal apenas para poder comprar carros de luxo por preços menores no país vizinho.

É muito fácil conseguir a carteira de imigrante no Paraguai. Você paga 450 reais para conseguir o documento diretamente no setor de migrações ou paga em torno de 2.000 reais para que um despachante faça isso por você. Em quatro meses o documento chega, se adquirido de forma legal.

E essas pessoas alegam ter o direito de uso do carro paraguaio em solo brasileiro, como é o caso de um brasileiro contactado pela reportagem do jornal Gazeta do Povo, que recentemente comprou um Hyundai Santa Fe no Paraguai e diz que sua família tem propriedades no Paraguai e todos os bens são declarados à Receita Federal brasileira via Imposto de Renda. Por isso, não vê motivos para ser impedido de usar o carro livremente no território nacional.

Se você usar de meios escusos para conseguir a carteira de imigrante do Paraguai, o documento sai em até 30 minutos, dispensando até mesmo exames médicos que são obrigação para qualquer cidadão estrangeiro.

Aí, com esse documento em mãos, os brasileiros compram carros por preços até 50% inferiores ao que se pagaria no Brasil. A estratégia é adotada para burlar as regras da Receita Federal (RF) porque quem mora no Brasil só pode ter um bem estrangeiro se fizer o trâmite de importação. Para trazer o carro legalmente do Paraguai é preciso pagar uma série de impostos que pode chegar a 123% sobre o valor do veículo.

E a Polícia brasileira ali naquela região admite ser rara a apreensão de carros com placas estrangeiras com motoristas brasileiros porque não há como comprovar a irregularidade.

Fonte Gazeta do Povo via leitor Gabriel Palucoski





Se você não está vendo os comentários, desabilite extensões do tipo Adblock (que impedem a exibição dos comentários), ou adicione nosso site como exceção.