Usado da semana

Carro da semana, opinião de dono: Fiat Palio ELX 1.3 2004/2005

fiat-palio-elx-1.3-2004 (1)

Fala aí galera! Meu nome é Luiz Cláudio, tenho 25 anos, sou Analista de Sistemas e vou falar um pouco sobre o meu Fiat Palio ELX 1.3 8v Fire Flex 2004/2005 que possuo a 5 anos e que está com pouco mais de 120 mil km. Em meia década acredito que consegui identificar bem os pontos fortes e fracos do veículo, que até hoje me atende extremamente bem. Atualmente ele está segurado pela Azul, no valor total de R$1.550, sendo a franquia de salgados R$2.857.

Ele foi adquirido em fevereiro de 2011 por R$22.500 com pouco mais de 79 mil km, com o IPVA e as demais taxas “grátis”, sendo o valor de tabela na época de R$22.656, acredito que foi um bom preço. Pensei em adquirir a versão HLX, que é um pouco mais requintada e possui o motor 1.8 8v de origem GM (não cheguei a fazer test drive mas sei que é bem mais esperto), a diferença de preço não era tão significativa, porém o elevado consumo e alguns problemas crônicos deste motor (como o potenciômetro do corpo de borboleta), além de peças de manutenção um pouco mais caras, me fizeram ficar com o ELX Fire 1.3 8v mesmo.

Na época eu havia pesquisado bastante por uns meses e estava decidindo se pegava este Palio ou outros três modelos: Corsa Hatch 1.0, Gol G3 1.0 8v, Fox 1.0 e 206 Feline 1.4, no fim das contas considerei o Palio o melhor para o que eu queria.

fiat-palio-elx-1.3-2004 (2)

CONSUMO

Antes dos números, vou relatar o meu tipo de percurso: 95% do tempo em trânsito de cidade, engarrafamentos, ruas urbanas com postes caídos ao chão (que os moradores chamam de quebra-molas, ou lombadas), etc. A velocidade média sempre fica em cerca de 20~25km/h.

Seguem os números obtidos por mim (todos em cidade):
-Etanol: 9km/l sem ar; pouco mais de 7km/l com ar
-Gasolina:12km/l sem ar; 10km/l com ar

Como ando pouquíssimo na estrada, replico números encontrados em uma análise jornalística:
-Etanol: 12,8km/l
-Gasolina: 17,2km/l

Acredito que o consumo é bom, visto que é um motor pequeno de concepção antiga que não possui tecnologias que ajudem a reduzir o consumo (turbo, injeção direta, comando de válvulas variável etc.).

fiat-palio-elx-1.3-2004 (3)

DESEMPENHO

Primeiramente os dados do motor: 71cv a 5500rpm e 11,6kgfm a 2250, ambos com etanol. Para o meu tipo de uso, praticamente 100% do tempo urbano, o desempenho do carro é mais do que suficiente. A aceleração 0~100km/h é feita em cerca de 14 segundos e a velocidade máxima é pouco mais de 160km/h (180 no velocímetro), ambos medidos por mim com etanol. É um veículo urbano, bem esperto na cidade devido ao torque máximo em baixo giro, mas que deixa um pouco a desejar na estrada pela baixa potência. Já fiz viagens com o veículo carregado de bagagens, eu mais quatro adultos e com o ar ligado, passando inclusive por um trecho de subida de serra, sem problemas.

Com o ar condicionado ligado a perda de desempenho é bem perceptível em giros mais elevados (próximo dos 4000rpm), em giro baixo a perda não é tão significativa.

Em relação ao câmbio, tem engates precisos, mas um pouco duros, além do curso da alavanca ser um pouco exagerado (se o passageiro for um pouco gordinho, ao passar a quinta costuma acontecer uma situação desagradável hahaha). A 100 km/h o motor está a 3.000 RPM, o que eu considero uma rotação já um pouco elevada, porém necessária em virtude da pouca potência do motor. Veículos mais novos e mais potentes, nos mesmos 100 km/h, ficam em rotações ainda mais elevadas, como o Onix 1.0 e up! que ficam na casa de 3.300 RPM.

Com o tempo o trambulador começa a ficar com folga e fazer barulho (desgaste normal), porém há um detalhe ruim: não há reparos, todo o sistema tem que ser trocado inteiro, algo que definitivamente não compensa financeiramente, a menos que a situação esteja muito severa.

fiat-palio-elx-1.3-2004 (4)

EQUIPAMENTOS

Se não me engano os únicos itens que são de série na versão ELX são o computador de bordo, limpador e lavador traseiro e a abertura interna do bocal de combustível e porta malas, o resto todo é opcional (ruim, pois o valor de tabela não contempla opcionais).

O meu tem os seguintes opcionais: ar condicionado com aquecedor, desembaçador traseiro, vidros elétricos nas portas dianteiras, travas elétricas, direção hidráulica e faróis de neblina (muito úteis no Brasil né). Há outros opcionais que o meu não possui como retrovisores elétricos, retrovisor central fotocrômico, airbag duplo, freios ABS, sensor de chuva e crepuscular e regulagem de altura da coluna de direção. Instalei por fora itens como alarme, vidros elétricos traseiros (com kit de acabamento original), sensor de estacionamento, central multimídia, câmera frontal de monitoramento, rodas de liga leve aro 14.

O computador de bordo tem funções bem interessantes, como aviso de lâmpadas queimadas e portas abertas, consumo instantâneo e de viagem, alerta sonoro e visual de limite de velocidade excedido, velocidade média, função Follow Me Home (deixa os faróis acesos por um período programável de tempo). Tem travamento automático das portas a 20km/h, ativação automática do limpador traseiro caso se engate a ré com o limpador dianteiro ligado.

fiat-palio-elx-1.3-2004 (5)

MANUTENÇÃO

Com mecânica simples, tanto as peças quanto a mão de obra são muito baratas, por isso digo com convicção: quem tem um veículo desse e não faz a manutenção corretamente ou é muito mão de vaca ou é completamente desleixado. Uma troca de óleo sai por menos de R$100 utilizando o óleo recomendado (2,7 litros de Selenia K 15w40) e filtro, já contando com a mão de obra.

Não vou especificar detalhadamente todas as peças que troquei porque isso é algo muito subjetivo, existem pessoas (me incluo aqui) que trocam um radiador inteiro por um simples gotejamento, outros já deixam a situação se arrastar enquanto der para andar com uma garrafa d’água na mala. Sem falar que o texto ficaria (ainda mais) volumoso. O que posso dizer é que sigo à risca as quilometragens e prazos de manutenção, e em qualquer sinal de problemas eu já fico atento. Durante estes cinco anos, esse carro me deixou na mão uma única vez: quando a bateria (na época uma Zetta de 60Ah) morreu. Cito abaixo os problemas menos comuns que tive:

-A válvula da tampa do reservatório de expansão travou fechada e causou vazamento no radiador + trinca no reservatório;
-Um dos bicos injetores morreu repentinamente com cerca de 90 mil km;
-Defeito nos atuadores da embreagem estragou o rolamento desta e causou chiados;

De resto, apenas a troca de peças de desgaste natural.

Aproveito e deixo umas dicas:
– Os selos d’água com o tempo apresentam vazamentos, um deles fica próximo ao volante do motor e é interessante trocá-lo quando se troca a embreagem para aproveitar a mão de obra.
– É interessante verificar em cada troca de óleo o estado da peneira anti-chama (blow-by), pois caso ela fique entupida o prejuízo pode ser grande, a troca é fácil e a peça custa cerca de R$10.
– O ideal é que a troca do filtro de combustível seja feita em um local especializado, pois a conexão é feita por um tal de engate rápido que com o tempo e sujeira fica emperrado e, caso seja quebrado (é bem frágil), não é facilmente encontrado e talvez exija alguma adaptação.
– Ao trocar a correia dentada é bom trocar também a guarnição que fica no suporte das bobinas, assim se aproveita a mão de obra e evita-se vazamento de óleo.

Mecanicamente ele está em bom estado, apenas está deixando a desejar na parte estética pois a pintura está com muitos riscos, mossas (muito visíveis nessa cor vermelha) e o capô apresenta pequenas marcas de queimadura, além de os para choques serem originais e com isso já não apresentarem mais perfeito alinhamento (em virtude de pequenos impactos e exposição ao sol). Particularmente me atento mais na parte mecânica do que na estética, até gostaria de efetuar um banho de tinta, trocar os para choques e dar um trato nos faróis/rodas, porém sou servidor do RJ e a crise econômica afetou drasticamente o pagamento de salários, o que me obriga a liberar verba apenas em caso de problemas mecânicos, mas isso é assunto para outra conversa.

fiat-palio-elx-1.3-2004 (6)

SUSPENSÃO

Muita gente reclama que a suspensão do Palio é molenga demais, inclina muito e etc. De fato ela é bem macia, filtra muito bem as imperfeições do asfalto e é muito confortável, o que eu acho muito positivo no contexto (leia-se estradas) em que vivemos. Apesar de não ser instável, como muitos acreditam, ele acaba inclinando um pouco em curvas mais fechadas ou de maior velocidade, transmitindo insegurança. Muitos acreditam que suspensão dura = estabilidade, como se aquele Gol quadrado socado no chão que “desfila” quicando fosse tão estável quanto um Golf TSI alemão.

Em relação à manutenção, a suspensão é muito resistente, há pouco tempo troquei o último pivô (que ainda era original), pois estava fazendo ruído. As bandejas ainda são originais. Já caí em alguns buracos grandes (quem nunca) e jamais tive grandes problemas, apenas alinhamento mesmo, em oficinas confiáveis nunca tive problemas com câmber/cáster.

CONFORTO

Para um veículo popular de dez anos atrás, esse Palio até que é bem confortável. Os painéis de porta são feitos de uma espécie de MDF totalmente cobertos de tecido (um tanto áspero), com uma parte macia ao toque no topo, e a parte de apoio/puxador é feita de um plástico de boa qualidade. Há bons porta-objetos na parte dianteira, na parte traseira há apenas um meio porta-copo e um pequeno compartimento, ambos no túnel central. O painel de instrumentos é de fácil leitura e conta com iluminação indireta de cor laranja, bem interessante. Os comandos tem boa ergonomia, sendo de fácil acesso, o único contra vai para os ajustes do ar condicionado que, para manipulação, exige deslocamento do tronco. Apenas os cintos dianteiros tem regulagem de altura. Os bancos não possuem ajuste de altura, porém a posição de dirigir é decente.

Apesar do entre eixos curto, quatro adultos viajam com certo conforto, desde que não tenham ligação genética com o Tropeço, claro. Na traseira existem apenas dois apoios de cabeça e somente os cintos dos cantos são de três pontos.

O ar condicionado gela bem, porém nota-se que sua eficiência é nitidamente superior em giros mais altos. O compressor do modelo 1.3 (acredito que do 1.0 e 1.4 também) é do tipo tudo ou nada, ligado ou desligado, o que acaba gerando um comportamento peculiar: quando você regula a temperatura para um frio não tão frio, o compressor continua funcionando no máximo e o aquecimento é aberto, ficando os dois em briga. O compressor do HLX 1.8 tem o funcionamento mais moderno e não possui este comportamento

Uma fonte comum de ruídos é o tampão do porta-malas, pois ele é feito de uma espécie de fibra de madeira (tipo MDF), que com o tempo acaba quebrando onde há impacto com o batente, mas nada que uma solução do tipo DIY bem-feita não resolva. Os porta objetos também causam ruídos, pois estes não são acolchoados, então aquele chaveiro ou óculos colocado lá irá fazer barulho.

Na parte superior do painel há um ótimo espaço para a instalação de CMM 2Din (usando moldura), ficando em um ótimo local de visualização pois é no mesmo nível de altura do painel de instrumentos. Por falar nesta parte do painel, todo o acabamento da parte central (de cor preta ou prata) é feita de um plástico de baixa qualidade, do tipo casca de ovo, que faz ruído quando pressionado, risca e quebra facilmente. O restante do painel (de cor mais clara) é de melhor qualidade e somente costuma fazer ruídos quando há objetos batendo nele, além de não quebrar (ele rasga, pois é maleável).

O capô possui forração térmica (que também ajuda a abafar o ruído do motor), coisa que alguns carros mais modernos ficam devendo. Também há forração semelhante na parede corta fogo (por dentro e por fora) e no assoalho.

CONCLUSÃO

Apesar da idade, este Palio é um veículo honesto, possui um certo nível de conforto e agrega todos os itens do chamado “kit dignidade” por um valor de mercado razoável (pouco menos de R$ 17 mil na tabela FIPE), o que faz com que eu o considere um bom veículo no mercado de usados. É verdade que há veículos superiores de mesmo ano e valor próximo, como Golf e Civic, porém devemos lembrar que estamos falando de veículos com mais de uma década de fabricação e que, portanto, poderão ocorrer sustos com eventuais defeitos em peças caras e de manutenção incomum.

Por Luiz Claudio Duarte





  • Bruno Wendel Marcolino

    Como pode, em 2004 quando foi fabricado, seu acabamento nas portas tinha até tecido, hoje em dia é plastico duro só. Os carros de entrada estão cada vez mais involuindo. O Clio atual ocorre o mesmo, eu compraria um Clio 04 e não compraria um 0km só pelo acabamento superior.

    Fora isso, um relato de carros mais antigos é sempre interessante para saber de sua durabilidade. Parabéns Luiz por manter o veiculo saudável, minha mãe tinha um Palio 97/98 1.5 e só vendeu em 2011 pois não queria gastar em fazer todo motor novamente, que sairia uns 4k na época, senão estava até hoje rodando com ele.

    • Caio Alcântara

      Tenho um Clio 04 1.0 8v e não há forração nas portas, acredito que só o 1.6 teria.

      • Bruno Wendel Marcolino

        O do meu colega tem. Talvez fosse alguma opção de acabamento então.

      • Zoran Borut

        O meu Privilége 1.0 16V 2003/2004 tinha, um veludo bem macio.

        • Caio Alcântara

          Então a diferença está nas versões mesmo… o meu é um Authentique.

  • Bruno Silva

    Tivemos um Siena Fire por 3 anos e 60mil km, não deu nenhum problema nesse período, nem troca de lâmpada etc.

    • M. Daniel

      Era 1.0? Que ano? Tô afim de comprar um 1.0 mas a partir do 2009(que já tem evolução no motor e tem 73cv gas e 75cv etanol)… pois até o 2008 ele é 66cv, ou seja, o 2009 em diante é mais econômico e potente segundo a minha pesquisa feita com donos e pela internet, você indica? Fale um pouco cobre potência e consumo… abraço!

      • Bruno Silva

        Era 2008, vermelho barroco. A potência realmente não era boa, mas sabendo usar atendia razoavelmente bem, inclusive já viajamos com 5 pessoas e mala e ele dava 130/140 normal. O consumo era bom, com etanol ficava entre 9-10 na cidade.

  • visanpai

    Ótimo relato. Cinco anos é um tempo bom de convivência para relatar pontos fracos e fortes.

  • Júlio Câmara

    Mudar a posição da temperatura de um ar condicionado automotivo apenas provoca a mistura de ar quente com ar frio. Não há alteração no tempo em que o compressor fica ligado, como ocorre em um ar condicionado doméstico por exemplo. O que define o desligamento do compressor é um sensor que previne o congelamento do evaporador ou um pressostato que desliga o compressor em caso de queda de pressão na entrada do compressor (que também é provocado pelo congelamento do evaporador). Enfim, tirar do frio máximo (azul) não acarreta nenhuma economia de combustível. O mesmo raciocínio vale para ar condicionado com controle eletrônico, sendo que nesse caso a portinhola que mistura o ar quente com o frio é operada por um motor acionado por uma central eletrônica, ao invés do controle manual pelo motorista.

    • Marcos Souza

      Poxa…que pena. Eu achava que dava uma diferença… A partir de agora, vou ficar ligando e desligando ele manualmente

    • Junio Tavares Silva

      Amigo, com relação aos carros com ar condicionado manual, realmente o q ocorre é simplesmente a mistura do ar quente com o frio, mas vc generalizou demais, existem sim, modelos que o controle de temperatura é feita diretamente no compressor, onde uma central eletronica recebe sinais de uma dezena de sensores e escolhe a melhor forma de trabalho do compressor. são sistemas bem mais complexos do que eu expliquei, mas a grosso modo é mais ou menos assim que funciona.

      • Júlio Câmara

        Você deve estar se referindo a compressores com deslocamento variável. Esses modelos modificam o fluxo de refrigerante (o popular gás) para evitar o congelamento do evaporador e para evitar que refrigerante na forma líquida inunde o compressor. De forma semelhante agem as válvulas de expansão variáveis, que são a maioria atualmente. Nenhuma das duas soluções acarreta redução significativa no consumo de combustível, pois o compressor continua com a embreagem acoplada na maior parte do tempo. A atuação do compressor variável também não modifica a temperatura do evaporador, apenas impede que ela caia abaixo dos dois graus e o congele, o que bloquearia a passagem do ar. Enfim, qualquer que seja a solução, modificar a temperatura no botão “azul – vermelho” ou no ajuste eletrônico da temperatura para os digitais não acarretará queda no consumo, diferentemente de um ar condicionado doméstico ou uma geladeira.

      • Edson Fernandes

        S´ó um detalhe: Há carros em que existem ar condicionado automatico porém sem ser digital, talvez seja a esse que vc se refira, mas o funcionamento é igual do sistema em relação ao controle.

    • Retrato do Papai

      eu tirei esta informação de um comparativo da 4 rodas entre as versões elx e hlx… segundo a revista, enquanto o 1.3 funciona como uma geladeira (gela a cabine, depois desarma o compressor) o 1.8 trabalha de forma mais gradual, alterando dinamicamente a atuação do compressor (algo como: não preciso de frio máximo, então pra que o compressor funcionar no máximo?)

    • Edinaldo_Tapica

      Salvo engano, em veículos mais modernos e de categoria superior já existem compressores de duas ou mais fases para gerar economia de combustível. Li há um ano um artigo sobre isso e que era uma solução para as normas ambientais de poluição da Europa. Mas dentre os modelos nacionais populares o que você citou é verdade. Ou é ligado ou desligado, o controle de aquecimento regula apenas a abertura de ar quente advindo do motor que faz a mistura.

  • EDU

    Curto muito mais esses relatos de carros mais antigos com quilometragem avançada que esses que o povo faz com carro de 5 mil km 10mil km que mal da para ter uma noçao maior da durabilidade do veiculo.

  • BillyTheKid

    “faróis de neblina (muito úteis no Brasil né)”

    Se tem uma coisa que eu acho ridícula, é aqueles caras que andam com neblina em qualquer situação, inclusive usam só faroletes/luz de presença e neblina durante a noite!

    No mais, gostei do relato, bem completo!

    • Rodrigo

      Pra mim o mais ridículo é quem coloca xenon “pirata” em qualquer carro e fica atrapalhando a visão de quem vem em sentido oposto ou no mesmo sentido (pelos retrovisores).
      Antes era um pouco mais raro (por causa da proibição), hoje em dia vejo com uma frequencia maior…

    • Eduardo Gregório

      Acho bonito carros com farolete + neblina, costumo viajar assim durante o dia.
      Quando corretamente regulado, o farol de neblina não atrapalha ninguém – muito diferente da lanterna de neblina, essa sim atrapalha muito quem vem atrás.

  • fbl

    bom relato, parabéns.

  • HugoCT

    Parabéns pelo relato. Acho essa geração a mais bonita do Palio, a acreditem eu acho lindo esse painel, me lembro até hoje do lançamento, ainda mais do saudoso 1.8R. Durante sua fabricação, era o que tinha o melhor acabamento interno da época. Se tivesse uma grana sobrando eu teria facil um 1.8R amarelo, uma paixão antiga kkkk, deste mesmo modelo, em 2014 até pensei em pegar um, mas as unidades que testei estavam bem judiadas por dentro. Acabai comprando um 1.0 0km completo.

  • Fábio Henrique

    Foi uma das melhores safras do palio, eu adoro o acabamento das portas

    • FearWRX

      De fato ele não tem aquele barulho de “lata com lata” como muitos populares da época dele. Falo não por ter uma Weekend dessa geração (até a cor, se o dele for, imagino que seja, o Vermelho Barroco Perolizado, cor linda), mas ela tem bastante opcional que muito popular não tem do mesmo porte. E, incrivelmente, o isolamento acústico desses Palio são muito bom, não é padrão de um C4 VTR ou New Fiesta mas é bem mais silencioso que um Fox ou Onix. No questionário beleza, realmente foi o mais bonito dos Palio.

  • Interessante notar a desvalorização pífia de um usado: comprou por 22 mil há cinco anos e hoje vale 17 mil. Cerca 20% em 5 anos. Um zero km perde isso no primeiro ano.

    • Alessandro

      A desvalorização nao foi de 20% foi bem mais, por que um novo palio 1.4 com 5 anos de uso hoje nao custa 22 ele vai desenbolsar mais, voce tem que considerar quanto ele cai e quanto o equivalente a ele hoje sobe tambem.

      • A questão é: quanto um carro desse comprado zero km há 5 anos atrás desvalorizou?? Te garanto que muito mais do que esses 5 mil.

        Não existe mais esse modelo de Palio 1.4, só tem o Fire.

        Fiz uma conta simples, confesso, sem considerar inflação, só para fins de constatação.

        • Fernando S.

          Sim, mas isso não é mistério, Guedes. O carro desvaloriza quase metade do valor da compra nos 3 primeiros anos. Depois ele tende a ter uma desvalorização muito menor mesmo. Por isso acho loucura quem compra zero e vende antes de 2/3 anos de uso.

    • cefaf

      Esqueceu de levar em conta a inflação.

    • Daniel

      Daí é que vc se engana!
      22mil a 5 anos atrás comprava um popular 0km pé de boi… 17mil hj não é nem metade do valor dos carros de entrada!

      Nunca compare dinheiro em tempo diferente sem fazer correções.

      Qual era teu salário a 5 anos atrás? E hj? E o salário mínimo.

      • 22 acho que só comprava um UNO, que não vende mais, ou seja não dá pra comparar.

        O preço de um Ford Ka em 2011, com IPI reduzido era 24 mil, não 22 mil. Sem IPI reduzido, era cerca de 26 mil.

        O fato dos carros terem aumentado é complicado pois no Brasil tudo sempre aumenta, nunca para de aumentar.

        Minha conta foi ‘burra’, de fato, mas o meu ponto foi simples: um usado desvaloriza muito menos do que um zero km.

        • Daniel

          Sim, uno e ka eram populares pé de boi da epoca. Não vendem mais e tal…
          Então vamos fazer a conta pela calculadora de correção monetária do BCB. 22mil em 2011 vira cerca de 30,5mil em 2016… se o Palio vale 17mil hoje, a desvalorização foi de cerca 45% em 5 anos. dentro da média dos populares.

          Sobre o usado desvalorizar menos que o 0km é só ilusão tbm… Se comparar com veiculos do mesmo valor usado, vai ver que desvaloriza praticamente a mesma coisa… (varia um pouco de modelo pra modelo) Já fiz contas varias vezes.
          Claro que tentar vender um carro após 6 meses, 1 ano e meio vai perder bastante… mas, se segurar por 2, 3 anos, vai ver que a desvalorização fica na media do modelo. A impressão do 0km desvalorizar mais é pq o valor inicial é maior… então, 10% de 50mil é mais que 15% de 30mil em termos absolutos… Além disso a maioria não considera a manutenção obrigatoria quando compra o usado como “desvalorização”, dai diz que pagou apenas X, e esquece que precisou gastar mais Y pra deixar em dia…

  • Felipe Rezende

    “Apesar do entre eixos curto, quatro adultos viajam com certo conforto, desde que não tenham ligação genética com o Tropeço..” adorei isso hahaha

    Quanto ao acabamento é muito melhor que carros básicos de hoje em dia… carros da época como corsa, gol e fiesta, mal tinham tecido nas portas por exemplo. Até uns dias atrás possuía um fiat palio 2008 (com aquela mesma frente do siena el), fiz a troca por um new fiesta, optei pelo modelo mexicano devido a qualidade do acabamento muito superior ao new fiesta nacional.
    A qualidade tanto do palio que eu tinha, quanto a este da matéria são claras aos concorrentes de época e até de hoje, uns falam q tem rebarbas (não minto, tem sim..) mas o acabamento do palio 2008 como este eram os melhores…

    Textos assim são muito bons!
    Parabéns pelo relato!!

    • Edson Fernandes

      Outro memoravel era o Corsa de 1994 até 1999, a porta INTEIRA era de tecido.

      • Alexandre Fabian

        Nao apenas as portas, mas a lateral traseira (modelo 2 portas) também tinha tecido… ele também tinha cintos traseiros com regulagem de altura :)

  • Caio Reis

    Parabéns pelo relato bastante interessante sobre sua experiência de 05 anos com o mesmo carro. Eu particularmente também acho esse modelo de Palio, um dos mais bonitos, principalmente com esse painel completo.

    Uma dúvida: E a central multimídia ? Foi fácil de achar / instalar ? Quais os recursos dela ? Você ficou satisfeito ?

    Abraço.

    • Retrato do Papai

      valeu amigo! essa central multimídia é do tipo “xing ling”, mais especificamente é a Multilaser Sense… na época (meados de 2014) eu havia acabado de sair de um som problemático 1din com tela retrátill (h buster) e estava procurando um som 2din, acabei encontrando este modelo com bom preço (cerca de R$700) em uma grande loja de info aqui no RJ (pelo boadica)…

      ela tem funções bem interessantes pelo preço: bluetooth (ligações e músicas), gps (veio com sygic porém mudei para o igo primo), tv digital, usb e micro sd (que reproduzem MP3 e AVI), compatibilidade com comandos de volante, suporte a câmera de ré, entre outros… não há leitor de cd/dvd, porém não faço uso dessas mídias…

      apesar de ser uma cmm simples, fiquei muito satisfeito pela relação custo benefício… o som é limpo e empurra bem os falantes do veículo (2x h buster 6″ 40w e 2x bomber 5″ 50w), não há lentidão na troca de funções, controles simples, liga/desliga rapidamente, a função GPS mantém os sons de fundo (MP3, radio, etc), botão para apagar a tela (útil para não chamar a atenção)… porém nem tudo são flores: a organização dos arquivos MP3/AVI é bem ruim, ficando apenas divididos por pastas, além de não seguir padrão alfabético (arquivos novos ficam no fim da lista)… não há controle de brilho da tela… o equalizador é bem simples (somente subwoofer, graves, agudos e a função Loud)… configurações sistêmicas minimalistas, apenas o básico… tela touch resistiva (necessitando mais força para acionamento)… controle de volume ruim de manipular…

      em relação à instalação, eu mesmo fiz, não é complicado porém é bem trabalhoso, acabei levando dois dias (trabalhando umas 3h por dia), pois fiz tudo bem caprichado, com direito a chicote soldado (não curto emenda simples de fita isolante), isolação da fiação com espuma para evitar ruídos e até a instalação de uma fiação ausente no chicote do palio: o fio de iluminação, que reduz o brilho da tela e acende os botões ao ligar a iluminação do veículo… a única parte da instalação que não gostei foi a moldura 2din do painel, pois a que comprei é de baixa qualidade e ficou desalinhada na parte superior (na última foto do relato dá para notar)…

      abraço!

      • Caio Reis

        Entendi amigo… legal e parabéns por toda a disposição e capricho para a instalação!! eu não teria essa paciência toda hehehehehe
        Abraço!

  • celso

    Pontuar as qualidades de um Palio 2004, é o mesmo que pegar mulher feia e vir com a desculpa de que ela é boa de cama.

    (Antes que alguém me critique, eu sei que nem sempre é possível ter aquilo que se quer, tanto carro quanto mulher, hehe).

    • Alexandre

      Entre parênteses, você responde a si mesmo. Já que é consciente das limitações financeiras de muitas pessoas, então seu comentário soa como depreciativo e desnecessário.

  • João Cagnoni

    O único ponto positivo desse carro é a baixa manutenção. É seguro? Não. Confortável? Não. Potente? Não. Boa estabilidade? Não. (no relato o cara tem a cara de pau de dizer que a suspensão transmite estabilidade!!). Vale a pena ter um carro seguro (que FREIA bem, faz curva, e não que tem somente air bag + ABS) ou um carro barato de manter?

    • Retrato do Papai

      falae! no relato eu não disse que a suspensão transmite a sensação de estabilidade, pelo contrário, veja o trecho: “(…) ele acaba inclinando um pouco em curvas mais fechadas ou de maior velocidade, transmitindo insegurança.”… deixei claro apenas que o carro não é instável como se pensa (como se fosse perder o controle em uma curva de 45 graus a 60km/h…

      sempre dirijo nos limites de velocidade e nunca tive sustos, penso que um condutor prudente e defensivo é muito mais relevante que qualquer item de segurança ativa (obviamente existem situações excepcionais, por isso itens de segurança são sempre bem vindos)… tem gente que pega um golf highline alemão e se envolve em acidentes fácil, enquanto eu aqui já rodei mais de 40 mil km nesse palio sossegado…

      • João Cagnoni

        Isso é uma falácia!! Nunca mais coloque Palio e Golf na mesma frase! Eu já tive um Palio 0km. Pra quem é de SP, sabe aquela curvinha na marginal pinheiros, em baixo da ponte Eusébio Matoso? Pois é, eu estava no limite, a 90km/h, com o piso um pouco molhado, eu virei o volante pra acompanhar a curva leve e o carro foi reto. Isso é um carro seguro? Por favor, vai… Já bati o Palio umas 3 vezes a 40km/h pq o carro não parava. Hoje meu carro tem o dobro do peso e freia na metade da distância.

    • Bruno@BRN.CS

      Condizente com o que se oferecia na época, não dá para comparar com um 5 estrelas no LatinNCap de hoje. O que era oferecido? Gol G4, Corsa C, Fiesta Kinect. Achava ele um pouco alto mas nunca senti o carro rolando a ponto de me passar insegurança, e olha que gosto de contornar acelerando.

    • Paulo

      Velho voçê tem carro? Trabalha para mante-lo? O carro do nosso colega, como o próprio enfatizou está com as manutenções em dias. Não são todos que despõem de dinheiro e porque não de vontade de ter super carros, modernos e tal. Ele mantem o bem dele em condições seguras de uso e oferecendo sim, no limite da concepção do produto segura ao seu dono.

  • Alexandre

    Infelizmente o preço do seguro salgado assusta. Talvez valesse a pena o risco de só fazer para terceiros. Sei q isto depende da análise de risco e região tbem, mas tenho um sedã 14 na faixa de 80k e pago bem menos que isto..

    • invalid_pilot

      Se voce morar no interior do interior e ele em Sao Paulo Capital, so por isso ja vai dar diferença.

      O valor que ele paga esta na media dos populares em cidade grande

    • Paulo

      Acho que o mais pesa no carro dele é a idade. Só pra medida de referencia. Tem dois vizinhos que tem um mesmo carro (GM Cobalt) um tem 33 anos e 01 filho. O outro 22 anos, sem filho e solteiro. O seguro de um é mais que o doblo do outro.

    • Retrato do Papai

      rapaz, te digo que achei o valor do seguro “barato”… explico: antes de fechar com a Azul neste valor, eu havia feito pesquisas com várias outras seguradoras e também através de diversos corretores, porém o valor sempre ficava na casa dos 2.500~3.000 reais (a tokio marine teve a coragem de me cobrar 7 mil reais hahaha)… um belo dia acessei o site da minutoseguros, fiz uma cotação (já sem esperanças) e me ligaram ofertando a Azul por 1.550, não pensei duas vezes e fechei na hora!

      infelizmente o seguro automotivo aqui na região metropolitana do RJ é bem salgado, a instalação das UPPs na capital favoreceu muito a migração de criminosos, de modo que locais que não sabiam o teor da expressão “arrastão” hoje convivem diariamente com fuzis e metralhadoras (proteção veicular de cooperativa e seguros que cobrem apenas roubo/furto fazem a festa)… sem falar que o meu perfil não ajuda muito…

  • Trebor Avlis

    o que vc misturou na gasolina para seu palio fazer 160 km/h???? eu tenho um do mesmo e nem de morro abaixo ele dá 140 km

    • Danilo Melo

      Algo errado com o seu então amigo, eu já tive um palio 98, motor fiasa 1.0 se não me engano era 61 cv e chegava a 175 NO PAINEL, claro que naquela bela descida, mas chegava.

    • Bruno@BRN.CS

      O meu era um ELX 1.0 Gasolina, 65 pocotós, já fiz 155km/h no ponteiro, com a margem de erro poderia estar a 150km/h ou cravado em um poste.

      • Retrato do Papai

        no meu a margem de erro é sempre de exatos 10% para baixo (a 155 no painel eu estaria a 140 reais), comprovados por GPS de smartphone, central multimídia e radares com visor de velocidade…

  • Lucas086

    Bom relato, tomara que tenhamos mais relatos assim. Sobre o carro, o melhor popular da época, carrinho muito bom mesmo.

  • Lucas Oliveira

    Bom relato amigo!

    Engraçado que sempre tem uma galera para criticar e encontrar pontos negativos.

    • Retrato do Papai

      obrigado amigo! críticas construtivas são sempre válidas, ainda mais quando estamos falando de carros com projeto antiquado e desenvolvidos para os ditos mercados “emergentes”, já que sobram pontos negativos… mas dá para diferenciar isso de puro haterismo

  • Murilo Rodrigues

    Entendo sua situação por um veículo mais racional e de manutenção barata, mas mesmo assim eu teria sido um pouco mais ousado e ter comprado um Golf mesmo que um pouco com mais idade um 2003 por exemplo com motor 1.6 8v que tem uma manutenção pouca coisa mais cara.

    Mas acho que você iria esbarrar na cotação do seguro que com aquela idade sua de 2011 ia ser uma fortuna pra quem ta começando agora porém você ia andar em um carro muito superior ao Palio e não ia ter a maioria desses probleminhas chatos de acabamento e mecânica. O Golf é muito confiável.

    Mas tem aquela frase ”quem melhor pra conhecer nossa vida do que nós mesmos” e cada um tem um gosto e prioridade. Parabéns pelo relato!

    • Retrato do Papai

      valeu amigo! quando eu peguei esse palio eu até pensei em pegar um carro superior, porém, no caso do golf, na época os valores estavam completamente fora do meu orçamento (lembro de ter visto um de mesmo ano bem conservado por cerca de R$ 30 mil)… também pensei em no focus, mas os custos de manutenção de algumas peças me deixavam assustado, e no polo, mas não encontrei um modelo bem conservado…

      mas agora os tempos são outros… na época eu estava no início da faculdade e ganhava uma fração do que ganho hoje, já dá para arriscar a compra de um modelo com desempenho e segurança superior

  • Bruno@BRN.CS

    Em 2005 compramos um Palio 1.0 ELX 2004/04 gasolina com 29mil Km, rodamos com ele até os 72mil Km, era nosso terceiro Palio. Só alegria com o carro, ele não tinha ar nem direção (opcionais no ELX 1.0) mas tinha muita coisa que os concorrentes 1.0 não tinham conforme relato, entre eles: Alerta de velocidade (muito útil quando fizeram a redução de velocidade aqui em SP), Follow me home, computador de bordo, abertura interna no porta malas e tanque, luz no porta luvas, portas totalmente revestidas em tecido. Aos 72 mil km e seis anos de uso não tinha um grilo. Despesas somente com troca do jogo de pneus, bateria, óleo e filtros e um jogo de velas. Hoje eu olho para o interior do Fire e me dá uma dó, pesaram a mão na hora de simplificar o carro.

  • Yuri Lima

    Linda garagem! Parabéns!
    Muito bem organizada e com muitas plantas.

  • Mayck Colares

    Muito bom o relato, bem específico. Pra mim esta foi a melhor época do palio.

  • Claudio Abreu

    Ótimas dicas mecânicas / de manutenção. Um 2007 da família acusou os mesmos problemas. Da mesma forma, as virtudes, principalmente a durabilidade da suspensão.

  • Lessandro Herzog

    Olá amigo! Parabéns pelo relato, gostei muito…

    Tenho um Pálio igual ao seu, peguei ele também há 5 anos e rodei aproximadamente 100.000km, sempre viajando para trabalhar e também usando na cidade (normal).
    Vi alguns comentários bestas criticando, e segue minha opinião, para complementar seu relato, que condiz com o carro… Não manjo muito da mecânica, mas teu relato ficou mais que entendido… Vou falar da minha experiência com o carro…

    Já dirigi vários tipos de carros, entre VW/Gol 2005, Golf (2006), Kombi antiga (rs), Parati Surf (2006), Fiat Pálio 1.0 2010 (seco, horrível), Pálio 2004/05 1.3 (meu carro particular), Pálio Weekend (das últimas), Pálio Adventure (das últimas lançadas), Pálio EDX 1.0 (1997/98), Doblô (2014 acho), Uno (velho, 1994), Renault Logan (2008 e 2012), Duster 4×4 e 4×2 (dirigi as duas), Ford Fiesta hatch mod. novo 1.6 (2012), Fiesta hatch e sedan (dirigi os dois, 2010), Ká (2009), GM S10 4×2 diesel (2012/13), Cruze manual (2012 acho), MMC L200 Triton 4×4 diesel (2014, seca, cabrita), Nissan Versa (2012 acho), Hyunday HB20 hatch (2015), Honda Civic automático (2015/16; TOP), Peugeot 206 Sedan (2012), Kia Cerato (2010), etc.

    Não sou muito técnico, a dizer sobre cada peça dele, mas, pelo preço, não deixa nada a desejar. É ótimo, com a manutenção barata e muita estabilidade (diferente do modelo 2010, da qual dirigi e nem se compara), obviamente que um condutor ruim vai bater, sendo o carro bom ou não; nunca bati o meu, nem seguro fiz, mesmo estando sempre na estrada… Sou policial militar, motorista da viatura (quase sempre um Pálio Weekend), medo já passei, claro, mas não deixo de pisar em dias de chuva, teve um comentário que li que o cara bateu a 90km/h (desculpa, mas ele deve ser muito ruim no volante)…

    Quanto ao consumo, atesto que o carro faz sim de 16 a 18km por litro, dependendo do pé, na estrada/rodovia, o que o torna muito econômico, por se tratar de um fire 1.3. No álcool o desempenho é notavelmente aumentado, ganha muita força (e bebe muito em compensação, rs), chegando aos 150km/h, 160km/h brincando. Assim como você mencionou, já coloquei 180km/h na gasolina (no álcool iria mais, ‘marcaria’ 190km/h, creio), mas ando a uma média de 100 a 130km/h. Enfim… Como dito antes, o rodei uns 100.000km e não apresentou nenhum problema mecânico, EXCETO: A bateria já deixou na mão também, ela descarrega fácil no ar condicionado e faróis se ligados com o carro desligado (tem que cuidar, comigo aconteceram 2 vezes, mas espero que não aconteça mais, rs). Na elétrica, o único problema foi que queimou 1 farol baixo e 1 luz traseira), em 5 anos (só isso mesmo). Na mecânica, apenas a suspensão, caixa de direção e revisão normal (pelo tanto que já rodei, muito em conta)…

    Se alguém pensa em comprar este modelo de Pálio (ELX FIRE FLEX 1.3 COMPLETO 8V 2004/2005), vale muito a pena, sem comparações com carros mais TOP e caros, é lógico.
    Pelo preço não se acha um carro tão bom (se achar vai pegar bucha, vai se virar pra comprar peça, diferente dele, que é um popular produzido há mais de uma década, com peças baratas e que se encontra em qualquer esquina ou ferro-velho, rs).

    P.s. Eu ia trocar pra pegar um melhor (mais novo), mas decidi ficar com ele mais um tempo (talvez 1 ou 2 anos ainda). Meu sonho é ter um Subaru/Impreza hatch 4×4, mas enquanto isso vou ficar com o Pálio… Talvez no começo de 2018 eu troque hehehe.

    Valeu! Abraços! Qualquer coisa é só dar um toque!



Send this to friend