Usado da semana

Carro (moto) da semana, opinião de dono: Yamaha MT-09 2015

yamaha-mt-09-2015

Olá pessoal do NA, sou Bruno Fabrício, e venho aqui para dar uma opinião e dizer como é a Yamaha MT-09 modelo 2015 para o dia a dia e viagens depois de nove meses de uso. A MT-09 é minha primeira moto, a MT foi a que mais me chamou atenção, quando comprei a mesma foi a primeira moto, até então meu costume era com as 150 da auto escola.

Posso dizer que como primeira moto é muito boa, apesar da cultura em nosso país dizer que temos que começar pelas pequenas e depois ir subindo e isso para mim não foi aplicado, já parti logo para uma 850 pelo dinheiro que dei de entrada.

Financiamento foi relativamente fácil, dei R$ 15.000 de entrada e financiei R$ 20.900 em 48 parcelas de R$ 698,54 pelo banco Pan, para alguns é relativamente alta a parcela porém ao comparar a mesma entrada em uma XJ6 na mesma concessionária o valor da parcela cairia apenas R$ 100.

Seguro, esse realmente no Brasil é impraticável, e devido a crise atual do Brasil ficaram ainda mais caro, no mês de janeiro quando peguei a moto fiz a cotação, o valor mínimo era de R$ 4.600, com franquia de mais de 50% desse valor, achei caro e continuei cotando porem os valor sempre são altos chegando a absurdos R$ 14.000 pela Porto Seguro, ou seja, moto x pessoa assalariada x financiamento x gasto mensal da moto = impraticável, decidi por colocar o rastreador da Positron e até o momento me satisfez e não tive nenhum problema.

Manutenção é periódica, você só paga o óleo e o filtro, já fiz três trocas, uma aos 1.000 km, outra em 2.000 km porque não gostei do óleo mineral que vem original e mandei colocar o semi sintético, e agora troquei nos 3.600 km, na moto vai 2,7 litros que ficam em um valor de R$ 92 na concessionária da minha cidade, além do filtro que custa em média R$ 70, atualmente a moto está com 4.200 km rodados e não tive nenhum problema.

A Yamaha MT-09 no dia a dia é muito boa porém muito brava, é preciso ter a mão leve e paciência pois a moto levanta fácil e também pode sair de lado em uma arrancada muito fácil também, no dia a dia e até em viagens uso a moto no modo B, ainda ficam disponíveis o STD e o modo A, depois de acostumar com o modo B você parte para o outro nível, que é o modo STD onde a moto vira outra, respostas mais rápidas e também o consumo aumenta um pouco, o modo A é para poucos e para quem quer voar na estrada, as retomadas são muito ágeis e tem que acostumar com os trancos da aceleração, os freios ABS são outra maravilha na moto, muito bom, freia rápido e eficiente, não trava a roda e ainda você sente a ação do mesmo quando precisa, dentro da cidade você precisa domar ela e ter cautela as vezes é bom evitar alguns corredores pelo tamanho do guidão, outro ponto forte de se usar ela no dia a dia é o peso da moto, muito leve em movimento ela é muito ágil nas curvas e manobras.

Para viagens, fiz poucas viagens porém já dá para ter uma noção, na rodovia não é necessário voltar marcha para fazer uma ultrapassagem se você está de 6° é só puxar o cabo e ser feliz, o modo de pilotagem é confortável mas para o garupa nem tanto, é necessário fazer pelo menos uma parada no percurso para que o garupa estique as pernas e não sofra tanto, devido a suspensão esportiva ser mais dura e o motor ser 3 cilindros as vezes dá um formigamento na mão porem é costume após algumas viagens você já não sofre mais com isso.

Existe uma certa vibração após os 6.000 giros, depois que acostuma você não liga mais, o barulho do escape original você não escuta muito na rodovia e se torna uma viagem agradável sem ruído e apenas o barulho do vento abafando ao fundo o som dos 3 cilindros trabalhando. Por se tratar de uma moto naked é sofrível viajar muito tempo com velocidades acima dos 150 km/h manter uma velocidade média de 120 – 140 km/h é confortável e dá para suportar o vento no peito, a velocidade máxima a que consegui suportar no peito foi de 215 km/h sem bolha e só de jaqueta mas não é possível ficar mais do que 1 a 2 minutos nessa velocidade pois além de cansar muito se torna perigoso perder o controle da direção devido ao atrito do vento com os braços, a moto te leva onde quiser e você vai se sentir feliz em viajar para onde der na cabeça com agilidade.

O consumo é relativo de pessoa para pessoa, na cidade minha média é de no máximo 13 km/l mas as vezes não passa de 11,7 km/l já na estrada o consumo é de 16 km/l usando gasolina aditivada Shell V-Power, a cidade onde moro é pequena e percorro cerca de 11 km por dia, que é do trabalho para casa e casa trabalho, algumas saídas para passear dentro da cidade, o tanque de 14 litros sempre abastecido aos domingos consome cerca de 10 litros por semana apenas andando na cidade na rodovia já fiz uma média de 300 km com um tanque, tudo isso usando o modo de potência B, o consumo aumenta um pouco nos outros modos cerca de 10% a 15%, o modo ECO funciona nos três modos mas se desliga após os 129 km/h e ai o consumo mais alto começa independente do modo.

Pontos positivos: Ágil na cidade e na estrada, dá para usar no dia a dia para ir e voltar do trabalho, três modos de potência que ajudam na economia, peso muito bom para manobrar e pilotar, painel minimalista mas completo com trip 1 e 2 ale de consumo por litro, ou a cada 100 km, pilotagem fácil e confortável, por onde passa chama a atenção muito difícil de enjoar.

Contras: Carter muito baixo e bujão do escape também, nem todo corredor é acessível para ela, tanque só de 14 litros, vibra um pouco após os 6.000 giros, viagens longas o garupa vai sofrer um pouco devido a posição, toda embreagem de Yamaha tem um ruído chato, após os 140km/h se torna desconfortável sem bolha.

Preços:
Relação: em média R$ 1.100 sem mão de obra.
Óleo: R$ 22 o litro
Pastilhas frontais: R$ 150 cada
Pneus: Kit Michelin 180/55 traseiro e 120 frontal média de R$ 1.200 os dois
Até 10.000 km não paga mão de obra nas revisões obrigatórias.

Recomendada trocar o óleo a cada 1.500 km a moto esquenta bastante sendo usada na cidade na média de 40 – 60km/h.

Acessórios: Protetor de moto Yamaha R$ 1.500, protetores laterais radiador original Yamaha R$ 500 o par, protetor de corrente original Yamaha R$ 500, suporte + bolsas originais Yamaha R$ 2.900, escape Akrapovic Titanium importado R$ 4.500, na concessionária o valor é de R$ 8.999.

Por Bruno Fabricio





  • Alvaro Guatura

    Pena não ter motos e histórias anteriores como referência, e ainda andou muito pouco…
    Faltam fotos também e etc
    Essa moto é uma obra prima, assim como a MT07 e a futura MT03.
    Excelente o NA abrir a “opinião do dono” pra motos, espero que se repita muitas vezes

    • T-800

      Amigo, não é tudo isso não… Vá com calma pq, se vc olhar em volta, pode encontrar opções que se adequem melhor a você.
      Claro que pode ser que este seja o melhor caso para você, mas é sempre bom olhar o que tem em volta, talvez até no mesmo estande de vendas…

      • Denis Marceli

        nao e tudo isso? me mostre uma do seguimento no momento melhor que a 07 e a 09 …….

  • Preetinho

    gostei da sinceridade em relatar a real velocidade em viagens.
    eu diria que pelo menos 90% das pessoas dão uma “esticadinha” em viagens e as vezes não comentam aqui por causa dos “politicamente corretos”.
    parabéns pelo o relato

  • Fernando Marques

    Moto monstra! Quase 10 de torque e ainda modos de condução mais agressivo!! Meu camarada tem uma e só falta enrugar o asfalto em uma arrancada! Acho essa moto a melhor do segmento disparado. E ainda tem a MT07 que rasgam elogios e está vindo a MT03, com 300 cc para brigar com a Kawasaki ninja Naked, sendo a MT03 bem mais torcuda!!!

  • Charlis

    Sobre a moto, não tem o que falar, a linha MT é TOP de vendas na Europa.
    Mas o financiamento… eu achei incrivelmente pesado o juros, não !?

  • shdn2010

    Parabens pela moto, atualmente tenho uma ninja 636 4 cilindros, apesar de não ser fã de 2 ou 3 cilindros, essa mt-09 é realmente forte, já tive oportunidades de dar uma boa “enrolada no cabo” e a brincadeira é gostosa. Cuide bem dela cara que vc vai ter muitas alegrias. Abrços.

  • Hugo Henrique Silva Lange

    bacana!!!! depois vou fazer um assim sobre minha motoca…. a incrivel nc700x. :)

  • Eng Turbo

    Parabens pela máquina, porém pelo seu relato, imagino que a moto que mais se enquadraria no seu caso seria a XT660.
    Seguro infinitamente menor, torque de sobra no monocilindro, consumo proximo de 20 km/l, valor MUITO inferior…etc

    A MT-09 é destinada principalmente pra quem gosta de andar “forte”

    De mais, parabens novamente pela moto…e que moto!!

  • ALVIN_1982

    Moto grande é só pra quem go$$$ta mesmo…

    • Eng Turbo

      Não necessáriamente…

      Já mencionei em outro post, existem MUITAS opções de motos grandes com manutenção tão barta quanto uma CB300….porém vc paga um preço por isso…o ANO

      Procure motos com mais de 10 anos…ate 20…com alta cilindrada…as que indicaria são:

      CBR600F3
      GSX750F ou R
      Bandit 600/1200

      Dessas, o melhor C x B é da GSX750F, até 1998
      – 106 cv
      – Pneus com a mesma medida da CB300
      – Óleo 20W50 mineral (mais barato impossivel)
      – Chega a INCRIVEIS 270 km/h (garanto ;)

      O mais importante, o valor…Começa em R$10.000 ;)

  • Lucas Fernando

    Achei legal o relato, a moto é incrível, porém existem alguns pontos que não condizem com a realidade, principalmente em relação ao óleo, não se deve usar óleo com especificações diferentes ao recomendado pela montadora. E também sobre a troca de óleo que é desnecessária a cada 1500 KM, isso é um mito no mundo das motocicletas. A própria Yamaha indica em seu plano de manutenção que a troca de óleo (com exceção da primeira com 1000 KM) deve ocorrer a cada 5000 KM.

    • Lucas Irrthum

      Acho que o proprietário deve decidir quando trocar o óleo, avaliando a sua própria pilotagem. Se o cara acelera muito, só anda com o giro alto e etc, com certeza é melhor trocar antes do recomendado.

      • T-800

        Acho que dificilmente um novato vá fazer isso, amigo.
        Esse tipo de troca só se justifica, se vc só usa a moto em pista, levando o motor o tempo todo ao limite.
        Se não é esse o caso (uso em pista), siga o que a engenharia do fabricante, que fez exaustivos testes, recomenda. Siga rigorosamente o manual do proprietário que vc vai ter economia e um produto pra vida inteira.

        • Ricston

          Mas, e a questão de regiões com muito minério, etc? Já vi (em carros) vários problemas, por conta disso. Algumas marcas consideram rodar nessas situações, como “uso severo”.

        • Lucas Irrthum

          Concordo que as orientações do fabricante devem ser seguidas. No entanto, quanto ao lubrificante, acho que é válido a troca antes do prazo. Quanto mais se trocar o óleo, melhor. Lógico, partindo do pressuposto que o proprietário está seguindo a especificação do óleo recomendado. Afinal, quanto mais novo é o lubrificante, mais ele protegerá o motor.

    • Uso só yamalube com especificações do fabricante, a moto pode ser usada tanto sintético, semi-sintético ou mineral está no manual.
      Troco por questão de tocada mesmo.

  • Pedro Henrique

    amigo, você deu 15 mil quase de brinde pra eles na entrada, jurinhos básicos de 13 mil nesse seu financiamento de 20 mil.
    ta complicado…
    bela moto, :D

    • T-800

      Eu ia falar sobre isso também no meu post, mas é a escolha que ele fez, fazer o que né…
      Eu não teria feito isso, se eu tinha R$15.000 pra dar de entrada, compraria uma 250, que já está de bom tamanho, e ficaria livre de prestações logo de cara.

      • Pedro Henrique

        o importante é ele estar contente com a aquisição, mas não me custa enviar um alerta pra ele tomar cuidado…

      • Luiz

        Totalmente correto esse pensamento até porque a gente tem que ter o que a gente precisa e não o que a gente deseja ne!? 250cc pode estar de bom tamanho para o seu uso e restrito a cidade porque 250cc em estrada a vontade e passar por cima de tão ridículo que chega a ser.

    • Financiar no Brasil é complicado, mais to feliz com minha moto.

      • T-800

        Que ela te traga muitas alegrias, cuida bem dela, que ela cuida bem de vc ;)

      • Luiz

        Aproveite a moto pois realmente ela chego causando e é um bom CxB, e nem perca tempo lendo coments de pessoas que se quer sabem o que é pegar uma moto e andar a velocidade de cruzeiro na estrada sem ficar cansado. So me espantei com o consumo a XJ aqui fazia tranquilos 20

      • Magno

        Eh isso oq importa . se nao tivermos dinheiro pra comprar a vista , juros a gente vai pagar mesmo , fazer o que . mas se for pra pagar , que seja pra pagar juros por algo pelo qual VC olhe na garagem e fique orgulhoso de si mesmo por poder ter a oportunidade de ter oq VC quer . bela moto amigo , ela eh linda … sob acho perigoso andar sem seguro … Ah , faltaram mais fotos no post !

  • T-800

    É uma boa moto, mas pro meu dia-dia não serve. Pra mim, a XJ6 me atende muito melhor, em todos os aspectos. Mas claro, isso é questão de gosto.

    Mais dócil, mais econômica em qualquer situação, mais confortável, mais previsível, menor valor de aquisição e de seguro, anda junto com as MT09, vai até em corredor onde só passa CG e Burgman, motor com respostas bem mais lineares, não formiga nada mesmo depois de horas pilotando, garupa tem mais conforto, e, pra finalizar, 4 cilindros de verdade.

    Comprei a minha zero km em junho, e estava na dúvida entre ela, a MT07 e a MT09.
    A MT07 é simples demais pelo que custa, a MT09 é muito arisca, sem que isso se reverta em desepenho, e isso cansa principalmente na cidade, assim, a XJ6 reúne o melhor dos mundos, sendo uma moto incrivelmente equilibrada, dentro dessas opções.

    Já rodei mais de 7.000km com a minha moto em 3 meses, e até agora, só despesa com óleo (que, conforme o manual indica, a primeira troca é aos 1.000km, as demais a cada 5.000km, ou seja, até agora, só duas trocas). Rodo em São Paulo capital, e uso a moto todo dia em um percurso diário de 26km, contando ida e volta, e quase todo final de semana, uma estrada pra relaxar….

    Vamos aos números:
    Consumo médio (sempre com gasolina aditivada, de postos com bandeira, normalmente BR Pódium ou Grid):
    Cidade 15~16km/l;
    Estrada 18~23km/l
    Lembrando que, os maiores consumos, são andando forte, os menores, com uma tocada tranquila, respeitando os limites de velocidade e evitando saídas fortes do pedágio, hehehe

    Seguro: R$3.200,00 (Porto Seguro, perfil 37 anos, divorciado, garagem em casa e no trabalho)

    Em todas as motos que eu tive, sempre fiz a troca de óleo rigorosamente de acordo com as especificações contidas no manual do proprietário, e isso jamais me deu qualquer tipo de problema.

    Reforço que, efetuar trocas desnecessariamente antes do prazo, além de desperdício de dinheiro (jogando fora óleo ainda bom), e ruim para o meio ambiente, devido a má utilização deste recurso.

    Me ative nesse detalhe, pois é comum no meio motociclístico essa cultura, de trocar óleo de moto sem se preocupar com as recomendações (e em alguns casos, até com as especificações) do fabricante do veículo. Não sei de onde saiu isso, mas até em concessionária eu já ouvi o técnico recomendar a troca de óleo a cada 2.500km (contrariando as recomendações da própria fabricante do veículo).

    Talvez seja uma forma de aumentar o faturamento mensal….

    • Lucas Irrthum

      Eu acho muito válido trocar o óleo antes do recomendado. Por mais que o fabricante tenha feito uma série de testes, para recomendar o prazo de substituição do lubrificante, considero uma manutenção muito barata. E, além do que, se você utilizar o óleo recomendado, e trocar antes do prazo, é ainda mais proteção para o motor. Dependendo do uso que a pessoa faz, o óleo perde as suas propriedades químicas antes do prazo de troca, o que pode acarretar em formação de borra, má lubrificação e etc.

      • T-800

        Bom, vou dar um CtrlC + CtrlV no que eu postei acima:

        “Esse tipo de troca só se justifica, se vc só usa a moto em pista, levando o motor o tempo todo ao limite.

        Se não é esse o caso (uso em pista), siga o que a engenharia do fabricante, que fez exaustivos testes, recomenda. Siga rigorosamente o manual do proprietário que vc vai ter economia e um produto pra vida inteira.”

        E é claro, não custa lembrar, formação de borra também pode ser ocasionada por combustível de má qualidade, então, é sempre válido ter atenção especial onde a gente abastece ;)

        • Lucas Irrthum

          Eu li o que você comentou acima. Mas acho que dependendo do uso urbano que a pessoa faz, a troca preventiva também é válida. Todos os dias vejo motoqueiros andando feito loucos, esticando as marchas até o limite, cortando giro e etc. Isto que motivou o meu comentário. E, quanto a formação de borra, com certeza a qualidade do combustível também interfere, porque se o mesmo for adulterado, a combustão ocorrerá de forma incompleta, causando depósitos de carvão em válvulas, pistões e etc.

  • Lucas Irrthum

    Bom relato, mas acho que você podia ter colocado mais fotos. A moto é uma obra de arte, com um design bem agressivo.

    • 0terceiro

      Muito obrigado por falar design e não DESIGNER, como alguns fazem aqui por acidente.
      Se não, a gente tem que zoar ;-)

      • Lucas Irrthum

        Designer é pesado kkkkkkkkkk

  • Muito obrigado NA por postar minha opinião.

  • Zazula

    Parabéns….Bela Moto….

  • Gian

    Parabéns pela avaliação. Muito boa mesmo.
    E parabéns pela moto. A Mt-09 é sensacional.

  • Coffinator

    Podia ter feito consórcio, dado um lance com os R$15k e pagaria o resto sem essa enormidade de juros.

  • DINEIROO

    Como bebe…

    • Fanjos

      Minha antiga DT200R bebia mais que isso, fora o óleo xD

  • Fanjos

    Queria tanto poder andar de moto tranquilo aqui em SP sem ficar com medo de tomar um tiro em cada esquina, acho que o jeito é comprar uma Moto chopper ou custom, pelo menos os vagabundos visam menos.

    • Marcos Souza

      Faz uma café racer…rs

  • André Maia

    Aqui em Cuiaba tinha MT-03 pra venda em 2006, hoje em dia não se vê mais. No meu tempo de assinante de Duas Rodas a MT-01 Era uma das minhas favoriras junto com Brutale da MV Agusta, Mosnter da Ducati e Suzuki B-king (umas das motos mais lindas já feita)

  • LoganVB

    Eu nunca fui fã de moto com alta cilindrada Naked. MT07 seria o máximo de potência que compraria de uma moto Naked para utilizar 90% na cidade. Não faz sentido pra mim tirar toda a aerodinâmica de uma foto tão potente, a não ser pela questão urbana mesmo.

  • Michel Soares Pintor

    Já pilotei motos esportivas por 12 anos mas em SP/Capital está impossível de ter, devido a violência, infelizmente… O custo para manter uma moto é alto, então somente recomendável para quem é apaixonado e tem uma quantia razoável para gastar mensalmente, senão vai querer comprar peças em desmanches alimentando assim ainda mais os roubos!

    Motos esportivas você roda 300~800km por fim de semana, considerando que se troca óleo a cada 2000km ( R$200˜300 óleo sintético ) e pneu até 10000km ( R$1000~1100 cada pneu ), da para se ter uma idéia do custo que é pra manter rsrs

  • Eduardo

    Aê, obrigado por atender ao pedido (se é q vc pensou em postar depois do meu comentário) hehe. De qualquer forma agradeço imensamente. Vou salvar nos favoritos pra poder ler com mais calma depois. Vlw…

  • Ednaldo Silva

    Comentei sobre o que percebi sobre a moto no youtube de um fulano e o tal interpretou como se eu tivesse chingando a mãe dele. Inicialmente falei sobre coisas que pareciam ser de segurança como a buzina e o mesmo disse que eu só falei sobre coisas irrelevantes…Bom, do jeito que o dito cujo pilotava sua moto no transito, realmente, pra ele segurança não deve ter relevância.

    Acho que certas coisas que ninguém cita em sites ou revistas especializadas pode ser util para futuros compradores, como eu que só fui saber depois de já ter comprado a moto.

    Que a moto é um canhão, tem duas rodas e guidão todo mundo sabe, portado cito alguns detalhes:

    Contras
    Chave de luz: comando foram re-alojados e voce em uma emergencia aperta tudo ali menos a buzina. fiz uma gambiarra temporária e quando pude troquei os comandos pelos da fazer 250, mais funcionais e bem mais bonitos. A buzininha original é baixinha, com som comigo e troquei também.
    Não tem trava de capacete, daí em qualquer situação terá de levar o capacete na mão
    banco duro…mas aí é detalhe, a moto não foi concebida pra viagens.
    Bujão do oleo é a parte mais baixa…se tomar cuidado tudo bem, o problema será na hora do susto e não ver o quebra-mola. O dano mínimo é o espano do bujão e o maior é a rachar a base do carter, como já ocorrido com muitos.Já tem gente tentando na justiça reparação alegando erro de fábrica. Alem de não condizer, a moto é lançamento e vai demorar até alguém inventar um protetor e comercializar. A sugestão minha seria trocar o escape original por um que não possua o vão do original que acaba expondo o parafuso do óleo.
    Não tem vareta de óleo, tem visor do oleo muito em baixo da moto…tem de se abaixar e se contorcer e puxando a moto pro seu lado pra ver o nível pra ver o nível. não me pareceu prático.
    Modos de pilotagem tem de ser trocados com a moto parada. Alem disso ele volta a posição standard quando desliga a moto. Poderia ser em movimento ou manter-se após parar…fica chato ter de parar na entrada de uma cidade com os amigos só pra mudar o modo. Voce acaba entrando no engarrafamento com a moto no modo que estiver.
    Chave pra retirar o banco fica embaixo do banco na mira de barro do pneu traseiro. Vc se suja muito se precisar retira o banco se tiver passado por lama.

    Prós
    A moto nao chama a atenção na rua. Não tem porte de moto potente, dai fica menos visível pro amigo do alheio.
    Moto grande para o dia-a-dia. É muito prazeirosa pra dirigir o dia todo, mas o banco é duro e incomoda fácil.
    Muito economica. Entre 80km e 90km faz em média 30 km/l
    Achei bonita sem aquela bolha acessória que não protege nada…pra proteger não seria só a bolha e sim toda a carenagem superior.
    posição de pilotagem é a mesma da XT. Na verdade vc fica tentado a fazer trilha com ela. Não não faça! Arrebenta os linkes e lembrando que a moto é muito baixa mesmo sem dar essa impressão.

    Detalhes
    Corrente apertada na concessionária. Dizem lá que é normal pra evitar que a corrente bata na balança. Porém li em um site especializado que testou a moto que mesmo com folgas maiores não há esse contato. alem do mais a folga descrita no manual deixa a corrente sem folga alguma e não imagino como não gastaria rapidamente toda relação em um curto espaço de tempo…por conta própria deixei uma folga maior na minha assim como aconselhado nesse outro site.
    posição ereta acentua a força do torque pois vc fica ereto na moto.

  • Samuel Correia Guimarães

    Tenho uma MT-09 que comprei no final de Abril/2015 e uso ela diariamente para ir ao serviço e voltar, o que dá mais ou menos 65km por dia. Antes eu tinha uma CG 150 que foi minha primeira moto e fiquei com ela por 1 ano, como o amigo comenta as pessoas também me falaram para comprar uma 300 depois 500 e ir subindo aos poucos, mas o valor das motos não me animava muito e eu não queria ficar comprando e vendendo moto (perdendo dinheiro) e tendo que esperar vários anos até chegar em uma moto de maior cilindrada que era o meu sonho, no fim das contas fui de MT-09 e não me arrependo.

    Achei interessante ler esse relato pq a gente vê como a mesma moto mas com pessoas, situações e cidades diferentes podem variar em vários pontos, por exemplo:

    1 – Como já falei uso ela no dia-a-dia e a média geral é de 20km/l, neste exato momento eu já andei 120km depois do último abastecimento (tanque completo) e o computador de bordo está informando uma média de 25km/l (eu costumo diminuir um 1km/l para ter uma margem melhor do consumo). Então nesse ponto ela está fazendo bem mais do que eu imaginei antes de comprar, o meu percurso até o serviço é praticamente todo em “rodovias” por isso do consumo ser bom pois se eu precisasse pegar trânsito, parar em sinal, reduzir marcha com frequência com toda certeza o consumo seria bem menor.

    2 – Sobre a troca de olho eu só troco a cada 5.000 km que é o indicado no manual da moto, assim como só abasteço com gasolina aditivada que também é o que o manual da moto instrui. Já rodei com ela 13.600 km e acabei de trocar o pneu traseiro original por um “Michelin 180-55-17 Pilot Road 4”, já tinha passado muito da hora de trocar mas eu sempre ia enrolando, o pneu já estava com quatro remendos (macarrão) e estava beeem careca, paguei R$ 1.000,00 no pneu mas achei mais barato na internet, principalmente pagando a vista que achei por uns 850 reais mas não dava para esperar chegar já tinha que trocar mesmo (demorei a comprar e quando fui ver perdi a chance de comprar pela internet, paciência).

    3 – Nunca viajei nela com garupa mas dentro da cidade minha namorada não reclama muito (ela é pequena e acho que isso ajuda rsrs), até mesmo por quê a distância é curta, mas dá para ver e sentir que o assento do garupa é bem “durinho” o banco Selim Conforto deve ser bem melhor mas o preço é salgado R$ 1.688,69 na concessionária que eu comprei a moto (alias eu não comprei nenhum acessório, é tudo bem caro). Mas da vez que viajei sozinho, que foi na semana seguinte que eu adquiri a moto (comprei ela já para ir viajar), eu coloquei 226 km/h e percebi que ela do nada simplesmente parou de “desenvolver”, alguns dias depois na primeira revisão o funcionário me falou que ela tem um bloqueio eletrônico e que só irá desenvolver mais caso eu o remova, mas é claro que irei perder a garantia da Yamaha, até mesmo pq eles não fazem esse serviço (óbvio). Na viagem eu não estava muito ligando para o consumo então não tenho dados concretos mas como referência eu enchi o tanque e fui de uma cidade a outra do interior de Goiás (fui de Jaraguá até Barro Alto) andando praticamente quase todo percurso acima de 180 km/h e em muitos momentos topado nos 226km/h, e eu andei 125km e a moto estava na reserva (quando andava a 160~180 km/h ela fazia um consumo até bom mas ao girar um pouco mais o manete do acelerador e passar dos 200km/h caia bastante o consumo em 226km/h o computador de bordo apontava uns 3.5km/l ou menos.

    A moto é ótima e muito bruta (ainda mais para eu que vim de uma CG 150) nos primeiros dias eu empinava várias vezes sem querer ao acelerar demais em retomadas, na primeira marcha principalmente.

    Obs.: O consumo médio de 20km/l nos dias de hoje que falei acima é medido fazendo cálculos e não pelo computador de bordo (que sempre mente um pouquinho para cima no meu caso), eu utilizo o app “Carrorama” para gerenciar os gastos e consumo da minha moto.

  • Luciano Moro

    Comprei pra curtir com minha esposa. Nao presta pra andar com garupa. A moto arrasta no chão agarra em qqer desnível e a tampa do carter é o primeiro que quebra. E pior ainda é o atendimento da ymb que acha q o cliente é troxa. A moto é excelente pra pilotar sozinho! . A propósito a descarga nova RS 4000,00 pra ficar ralando no chão.

  • Anderson Dos Santos Procurado

    kkkk cara em relaçao a oleo nao sei onde vc troca mas o oleo original é o semi sintetico com trocas a cada 5.000 km o mineral tambem deve ser trocado a cada 5.000 mil km.
    em relaçao a moto posso dizer que é boa forte bastante instavel tenho uma tinha antes uma xt 660 e depois a xj6n e agora peguei a mt.
    a moto depende muito para o que se quer se procura moto com baixa manutençao e confortavel sem duvida ficaria com a xj6 a xt é muito boa so que temque colocar bolha e banco ere para fazer uma viajem longa.
    a xj6 é uma moto mais mansa sendo super docil para andar tanto na cidade como na auto estradas e bem rapida quando se precisa uma mt 09 é muito mais brava mais arisca aconselhavel ter uma certa esperiencia pois uma puxada amais e vc vai pro chao



Send this to friend