Chery Mercado Montadoras/Fábricas

Chery: Apenas 5 mil carros devem ser feitos no Brasil em 2015, de acordo com jornal

chery-qq-brasileiro

De acordo com o jornal Estadão, a Chery reduziu pela quarta vez a produção de automóveis em Jacareí/SP. A montadora chinesa agora prevê apenas 5 mil unidades fabricadas no país em 2015.

A projeção para 2015 era de 30 mil, que depois foi reduzida para 20 mil, 10 mil e agora 5 mil. A Chery reconhece que começou as operações em um período muito ruim do mercado. O presidente da empresa, Roger Peng, retornou à China.

Assim, Luís Curi fica como principal executivo da Chery no Brasil, marca que vem comandando desde a época da importadora Venko. De acordo com o brasileiro, os chineses não estão arrependidos do investimento, apesar de o momento ser o mais grave para o setor em sua história. A montadora confia que a consolidação no mercado se dará por meio de produção nacional e aguarda melhora das condições.

A redução fez com que a produção do Novo QQ fosse adiada para 2016. Para a Chery, o mercado de populares caiu de 60% para 34%, sendo que a crise atingível de forma mais forte seu público alvo. Até outubro, 4.704 unidades da marca foram vendidas no país, sendo 60% do Celer. A empresa é líder no segmento, onde a JAC está com 4.372 e a Lifan com 4.088 vendidos.

[Fonte: Estadão]

Agradecimentos ao Paulo R Rodrigues.





  • Fanjos

    “A montadora confia que a consolidação no mercado se dará por meio de produção nacional e aguarda melhora das condições.”

    Quanta inocência…. as projeções de queda da fabrica deles mostram como são ingênuos.
    Prevejo fechamento da fabrica em pouco tempo.

    O 13 esta Lacrado, só resta chorar e ver a destruição do país

    • Raul Cotrim de Mattos

      Isso se chama pensamento a longo prazo, algo que infelizmente a maioria das pessoas não tem em relação as finanças pessoais.

      • Fanjos

        Exato, o pensamento do planejamento de longo prazo é o que molda qualquer país desenvolvido.
        Mas falando serio, como que alguém planeja algo a longo prazo nesse país com governo esquizofrênico que “muda de ideia” sobre as leis do dia para noite? Aqui não existe estabilidade legal, cada hora é uma baboseira nova, não tem como uma empresa seria fazer um planejamento certeiro de longo prazo, ela sempre vai estar correndo risco de se ferrar o tempo todo.
        Não existe governo nesse país, só um monte de abutres.

        • Raul Cotrim de Mattos

          A economia vai melhorar, de uma forma ou de outra, e você tem que lembrar que as montadoras também são abutres, então estão em casa… O lucro sobre cada carro é grande e o investimento já foi feito. O problema da Chery é que eu não vi nada de marketing.

          • Deadlock

            As montadoras, como qualquer empresa, precisam de LUCROS. Aqui o lucro é maior, pois há menos competição. Nesse ritmo de produção da Chery, o investimento só terá retorno depois de muito tempo (isso se os 5k/ano cobrirem os custos, fixos e variáveis). Deveria ter aplicado em títulos do governo, assim ganhariam bem mais, sem esforço. Seria uma pena fechar, pois reduz um pouquinho a competição.

            • E gerariam menos empregos. Mas esse é um lado do empresariado que nunca ninguém comenta. Eles só enxergam o lucro como se fosse sinônimo de roubo.

            • Marcus Fenix

              Competição?! A única que conseguiu entrar no bolo e ser competitiva foi a Hyundai! E olha que as gigantes Toyota tentou (Etios), Nissan tentou (March), Citroën tentou (C3), Peugeot tentou (208)…

          • Que é mais dinheiro ainda!

          • Pedro Neto

            as empresas não são imediatista e jamais teriam investido no pais se não tivessem segurança. O momento é ruim porém estes investimentos começaram em 2012. Um mercado que cresceu exponencialmente entre 2003 e 2014

        • Thales Sobral

          Acho que a aposta deles agora é pra 2019, sabendo que a Dilma com certeza sai até lá (na melhor das hipóteses, sai em 2016), e aí as coisas devem começar a engrenar.

          • Fanjos

            >Petralha largando o poder
            >Urna eletrônica com software venezuelano

            Escolha uma

            • Janduir

              Amigo, mas você acha que as urnas foram fraudadas? Já trabalhei em eleições e minha única suspeita seria na hora de lançar no sistema nacional. Mas até aí dá para os fiscais de partido fazerem uma somatória mais ou menos. Quando encerramos a votação nas urnas as 17:00, ela imprime um relatório com todos os votos computados. E tem fiscal de tudo quanto é partido anotando os números, parecem usubus. Depois é feita manualmente uma somatória de toda escola. Por exemplo, os fiscais do PSDB passam os números daquela escola para a regional do partido. E mesmo que tivesse uma mutreta no lançamento para os computadores do TSE, essa contagem manual já desmascararia alguma fraude. E outra, todos os institutos de pesquisa davam praticamente empate técnico. Infelizmente foi burrice do Brasileiro que elegeu essa corja, na minha opinião. Abs

              • duhehe

                De fato, pode existir alguma fraude, pode, mas só se a margem for muito pequena.
                Por ex, fazer o PT ganhar para governador de SP, não tem como.

                • Janduir

                  Exato, e em nenhuma eleição desde que passou-se a usar a urna eletrônica nenhum candidato questionou o resultado. PSDB fez uma auditoria recente e também não deu em nada.

              • Marcus Fenix

                Na sua Zona é assim, porque na que eu trabalhei é uma verdadeira ‘zona’!!! Já vi de tudo, gente votando no lugar do outro, urna que apaga do nada e não tem quem faça voltar a funcionar, idosos que não sabem votar e mesário acaba ajudando, transporte clandestino levando e trazendo os eleitores a custas de ameaça…

                • tjbuenf

                  Mas todas as ações que você citou são crimes. Espero que tenha feito denúncia no cartório eleitoral.

              • Jackson

                Também trabalho em eleição e os fiscais dos partidos fazem aquele “corpo a corpo”. Tenho a mesma opinião que a fraude poderia ocorrer ao lançar no sistema nacional. Entretanto, brasileiro é tão criativo para roubos, falcatruas, desvios que infelizmente, tudo é possível.

        • José Eduardo Borba

          Concordo com tudo! Não sei a solução, mas a causa de tudo é o governo. Burocracia absurdas, corrupção sem limites, falta de planejamento, impostos altíssimos, juros estratosféricos, direitos trabalhistas pesados, eu não sei como o Brasil não quebra! Se os EUA quisessem, podiam nos colonizar, com as leis, juros, burocracia e impostos iguais a eles.

        • DevXav

          Tem se você trabalhar no ramo “”””””””musical””””””””, se é que se pode denominar de musica esses lixos que se tocam por aqui hoje em dia..

          É só saber fazer letra ridicula, engraçada ou melosa das potranquete o suficiente pra HuEzada dançar nos “bar da esquina”.

          Empreendimento de sucesso!

          Ah, não podemos esquecer das pequenas igrejas. grandes negócios!

          • shdn2010

            Por isso me arrependendo de nao ter virado “cantor” de funk, estaria rico com certeza!

      • Pedro Neto

        as empresas não são imediatista e jamais teriam investido no pais se não tivessem segurança. O momento é ruim porém estes investimentos começaram em 2012. Um mercado que cresceu exponencialmente entre 2003 e 2014

    • Fanjos, que você está fazendo aqui? Tem um tópico novinho com aumento da Chevrolet e você gastando seu tempo aqui? Daqui a pouco vai pedir aumento para o Éber alegando que ele está lucrando demais com os posts de aumento, Fora FHC, Fora FMI e tal…

      • Fanjos

        Calma que já corri lá….só me atrasei um pouquinho xD
        Aumento bem saboroso o do Cruze não?

        • Thales Sobral

          Uma concessionária aqui já tava vendendo o Sport6 LT por 79,999,999,999,999,999 há um tempo…

          • Fanjos

            Ta de grátis!!!

        • Deadlock

          Infelizmente os aumentos se tornaram comuns, porque o mercado caiu (e é difícil reduzir custos) e porque abriram a porteira para o dragão da inflação. O problema é que o salário está caindo e o sonho do carro novo fica cada vez mais distante.

          • José Eduardo Borba

            Eu não digo o do carro novo, mas o de subir de categoria, com certeza! Uma Hilux SRV custava 120, faz nem esses tempos todo. A nova, custa 173!

            • Fanjos

              Seu coxinha, opressor!!
              Eu não como aumentos, eu não bebo Hillux!!!Lacra Mais até explodir o confirma!

              • José Eduardo Borba

                Rpz, vc de Hilux, a comida é de graça! Kkkkkk

    • Deadlock

      Não sei o que vai lacrar primeiro, se o 13 ou o país…

  • pedro rt

    cantei essa bola ha muito tempo… fabrica chinesa produzindo e ainda mais vendendo no brasil so poderia dar esse numero mixuruca…

  • Esses 5 mil é modesto. 400 por mes? Já sofre para conseguir vender 200 Celer por mes.

    • Junoba

      Acredito que parte está indo para exportação…

      • Tosca16

        Pelo que sei ainda não, nos países vizinhos até agora tudo vem da matriz chinesa .

        • Gabriel Baltazar

          Não compensa mais usar a capacidade da fabrica para suprir a demanda na america do sul? não é mais barato produzir aqui do que o frete pro outro lado do mundo?

          • Junoba

            Mas a ideia de exportar para toda América estava nos planos da Chery.

          • Não sei agora, mas há alguns anos o Japão pegava minério de ferro no Brasil, levava para o Japão, fazia o aço e vendia para o Brasil mais barato que o aço que era produzido aqui.

            • Pedro Henrique

              e o salário dos japoneses com toda certeza era melhor que o dos funcionários brasileiros. kkkkkk
              o ferro recebia dois impostos de importação (o nosso e o japonês) pagava salário dos japoneses, do transporte naval por 2 vezes( MEIO MUNDO CADA VIAGEM) a ainda saia mais barato que o produzido aqui e com lucro ainda…
              isso da pra fazer o brasileiro imaginar o quão absurda é a carga tributaria no país, o quanto ele ta sendo roubado por nada.

              • Gustavobrtt

                sem falar que a energia para o processamento do aço no Japão usa matriz predominantemente nuclear, supostamente mais cara que a nossa hidrelétrica… tsc tsc tsc..

                • Pedro Henrique

                  nuclear e termelétrica por combustíveis fósseis é a predominante.
                  atualmente só termelétricas por combustíveis fósseis já que todas as centrais nucleares estão paradas desde o acidente de fukushima. (só dois reatores de uma usina foram ligados recentemente)

              • MauroRF

                E tem a questão da produtividade, Henrique. Brasileiro produz muito pouco na média.

                • Você tocou em um ponto importante. Ouvi esse exemplo na aula de administração e recentemente ouvi um contraponto: Além da produtividade, tem outra questão: Esses navios eram “pré-fábricas”: Eles já iam fazendo o processamento do minério de ferro, atuando em águas internacionais onde teoricamente não existe “direitos trabalhistas”. Se o salário de um operário japonês é similar a de nossos executivos, aposto que desses trabalhadores não deveriam ser maiores que de escravos chineses que atuam na África por exemplo.

                  • MauroRF

                    Pois é, Alessandro. Eles têm salário de fome. Eu trabalho com traduções e trabalho para agências de tradução que lidam diretamente com os chineses. Portanto, mesmo trabalhando em casa, eu lido com alguns gerentes de projetos chineses quando recebo e envio trabalhos. Além de os caras serem bem limitados e funcionarem feito robôs (se você tentar explicar a eles algo fora do “script”, eles boiam e custam a entender, fora que fazem besteira adoidado), eles ganham muito pouco. Veja só, 300 dólares mensais com dois com quem conversei (antes que você pergunte, não converso em chinês, kkk, é em inglês, e eles falam um inglês bem macarrônico, rs). Um gerente de projetos em agências de tradução no Brasil, se a agência não for muito pequena, ganha de 5 a 7 mil, isso quando não chega até uns 10 mil. Na média, fica em torno de 7 mil. Isso porque aqui no Brasil os salários são baixos em comparação com os países desenvolvidos.

              • tjbuenf

                Operário no Japão tem salário comparável com de muitos executivos de lá.

            • Gustavobrtt

              num passado pouco distante, o Japão comprava minério de ferro e vendia carros mais baratos que os daqui.

          • Tosca16

            Com o atual dólar creio que sim, bom mas a China tem uma produção muito grande, a matriz chinesa consegue competir com os custos baixos mesmo com o dólar bem valorizado frente a nossa moeda … Agora é questão de acordos, entre a matriz chinesa, a brasileira e sobretudo os importadores locais dos demais países .

  • “A empresa é líder no segmento, onde a JAC está com 4.372 e a Lifan com 4.088 vendidos.”

    Líder em qual seguimento!?

    • Hox

      Segmento dos xing-lings.

      • Arthur Lima

        Entre as chinesas as vendas são tão baixas que a liderança acontece por algumas centenas de carros. Se alguma vender 100 carros a mais é capaz de tomar a posição de outra.

      • Tosca16

        O lado bom, se é que ainda podemos falar assim, é que o Celer nacional detém 60% das vendas hoje da Chery aqui, o que leva a crer que aos poucos o Celer tem crescido e se tornado o carro-chefe da mesma no país .

  • Hox

    Sinceramente, a Chery poderia fechar a fábrica e encerrar as operações no país. Se um dia melhorar, voltariam e reabririam a planta de produção.

    • Junoba

      Fechar a fábrica e encerrar as operações no Brasil… E deixar o consumidor na mão !? Cada coisa que eu leio por aqui !

      • Tosca16

        Mas se fizerem isso, estes mesmos serão os primeiros a descer o sarrafo na empresa …

      • Hox

        E que diferença faz? A Chery já ignora totalmente quem comprou suas PORCARIAS. Triste ver brasileiro defendendo esses lixos quando deveriam clamar por carros compatíveis com a Europa, Japão e EUA, onde as chinesas não vendem um parafuso porque simplesmente não prestam.

        • Junoba

          Cara, tudo que usamos tem insumos da China, esse seu pensamento está bem atrasado. Os EUA por exemplo, é o maior país que recebe produtos/peças/materiais daquela lugar. Não generalize.

          • MauroRF

            Exato, tem casos e casos. Todas as empresas de eletrônicos, a maioria pelo menos, fabricam e importam os componentes, isso quando não montam lá na China mesmo. Garanto que esses televisores que compramos “made in Manaus” são todos com peças chinesas. Nem por isso uma Sony ou Samsung são porcarias. Eu, por exemplo, faz 5 anos que tenho notebooks Lenovo aqui em casa e nunca deram um problema. Pense num notebook de 5 anos e meio funcionando de 12 a 14 horas por dia, inclusive alguns finais de semana, e ainda funcionando? Os notes são montados aqui, mas é 100% de certeza que as peças vêm da China, afinal, a Lenovo é chinesa. E eu não troco por outra marca.

            • Junoba

              Sorte a sua. Tenho uma porcaria de um Notebook Positivo, que estou usando agora mesmo. Ele veio com problema no teclado logo que chegou, quase quebrei ele no chão de tanta raiva. Me deram outro com a garantia. Pouco tempo depois o carregador e a placa estragaram, levei na autorizada. Atualmente ele está com a aquelas listras na tela, que acaba atrapalhando um pouco e o carregador voltou a dar sinais de problemas. Tenho ele a 1 ano por ai.

              Aqui em casa tem um Tablet da Positivo tambem, mandamos consertar na garantia, mas agora está jogado aqui na gaveta. Nunca mais compro dessa marca. Estou cansado de se lesado por empresas. Daqui a pouco vamos é contar a internet aqui de casa. Acredite se quiser, mas o plano que fizemos aqui da Internet, veio uma conta de uns R$600. Ai você perde a tarde inteira tentando negociar com eles. A que eu uso é da operadora OI. Eles são um bando de pilantras, isso sim, chega de ser roubado !

              E quanto ao Notebook, se pifar de novo eu vou é botar fogo nessa jabarica !

              • MauroRF

                Caramba, Junoba! Então, se possível, desaconselhe quem você puder de comprar Positivo. Sei disso porque eu irmão já foi técnico da Positivo quando ela fazia faculdade de computação e ele disse que as peças são da pior qualidade e que parecia CCE dando problema. Ele mesmo sempre disse para comprar Vaio, Dell, Asus e Lenovo (e HP com “cuidados”, porque a HP ora tem modelo que nunca vai dar problema, ora que vai ficar dando). Em 2010, eu tinha um Dell, também sem problemas, e resolvi arriscar no Lenovo por ouvir falar bem de colegas que já tinham. E que, pegando promoções e tal, não custam muito, mas são bons, ou seja, têm bom custo-benefício. E acabei gostando. Em 2012, compramos um Lenovo para minha esposa também, que usa até hoje sem crise. Há mais ou menos 2 meses, comprei um novo, pois o note de 2010, coitado, já está bem lento, porém, funcionando normalmente. E o novo que comprei tem uma configuração boa (Z40-70, 16 GB, tela Full HD, I7 etc.) e paguei um preço bem legal de promoção (2870 na Fast em setembro). Duas semanas atrás, meu irmão comprou um modelo (G40-80, i7 e com placa dedicada, 8 GB por 2100 numa boa promoção do Submarino e está adorando para rodar os jogos dele). É o que eu disse, Lenovo, quando você pega promoção boa assim, tem bom custo-beneficio. Se puder, fique de olho nas promoções da Dell, costumam ter umas malucas até no próprio site deles. Asus também, vi umas boas hoje inclusive nos emails que recebo desse povo dessas lojas online. Sou tradutor e uso a máquina o dia todo para trabalhar, e troco sempre ideias com os colegas de profissão sobre as máquinas que eles possuem para a gente sempre ficar por dentro de qual durou mais, qual deu menos problema, qual deu mais. O que sei é que, do grupo que conheço, os notes HP apresentaram mais problema, Dell e Lenovo menos, e tem um colega só que tem Asus que não tem queixa até agora. No caso de defeitos nos Dells, os que tiveram gostaram do atendimento em casa e disseram que foi rápido até. Um que teve problema com Lenovo disse que arrumaram, mas que a peça demorou para chegar (tem reclamações semelhantes na internet de demora da Lenovo para reparar as máquinas, embora a Dell tenha mais reclamações em números absolutos). Agora, como a gente precisa de máquina confiável e com mais poder de processamento, não arriscamos nas máquinas Positivo, rs. Se puder, taca fogo nisso e compra de outra marca, kkkk.

                • Junoba

                  O problema mesmo é que eu sou pobre, não tenho dinheiro pra comprar outro. Alías, o brasileiro de forma geral não tem nada mesmo, trabalhamos em prol do governo e das grandes empresas, que sugam o dinheiro do povo.

                  • MauroRF

                    PQP, isso é dose, para não falar mais palavrão. O brasileiro honesto paga muito caro (literalmente) por ser honesto e não roubar e fazer tudo dentro da linha. Eu tenho vontade de dar o fora daqui e já estou começando a ver alguns caminhos. Morei no Uruguai um tempo e, acredite, até lá as pessoas se respeitam mais e não tem tanta corrupção quanto aqui. Aqui, os níveis de corrupção são alarmantes. Não dá mais para ficar ser matando para sustentar esse esquema todo. Tudo aqui é nivelado por baixo, todos só querem as boquinhas, todos querem passar a perna e nada muda. Seu notebook não era para dar problema, mas como tudo tudo aqui nessa droga, precisa pagar muito caro para ter acesso a coisas melhores, mais seguras (veja o exemplo dos carros) etc. Se seu note quebrar de vez, você não terá o respaldo de ninguém. A justiça e os órgãos de fiscalização inexistem, existem apenas para sugar e ser cabide de emprego, e não para dar respaldo ao cidadão de bem. Fico triste (e isso me emputece cada vez mais) de ler coisas como as que você escreveu.

                    • Junoba

                      Não adianta ficar puto, isso não vai resolver o problema, eu fico estressadão com essas empresas pilantras, mas isso só me atrapalha. Eu me acho honesto, não dou calote em ninguém e faço o possível para não prejudicar o próximo. Já pensei em me mudar para Portugal no futuro, mas vai saber se vai dar certo.

                      Ano que vem essa nação vai sofrer mais ainda, a crise vai piorar e muita gente vai ficar desempregado, o castigo contra o país vai ficar cada vez pior. Sempre tem a hora de Deus pesar a mão contra as pessoas injustas, e eu espero justiça nele. Só te digo uma coisa: Essa nossa vida é ´´ilusão“, tudo aqui passa, se a gente tem um carro, e depois ele é roubado, você não tem mais ele, ou seja, ja ´´passou“ o que você tinha. Pensamos em ter tanta coisa, mas como na própris bíblia diz: Não ajuente riquezas na terra, onde a traça e a ferrugem consomem, onde os ladrões minam e roubam.

                      Reflita sobre isso. Eclesiastes, é a parte da sabedoria na Bíblia, da pra aprender muita coisa lá, isso faz a gente crescer, fala sobre governos e outras coisa mais como bens pessoais. Você sendo Cristão ou não, vale a pena conferir !

  • O vizinho do prédio ao lado comprou um recentemente com facelift, e no mercadinho aqui perto ele estava com o carro e perguntei sobre como estava sendo: ele elogiou o custo x benefício, e diz que ficou com bastante receio de comprar, mas pelo valor pago, não tinha nada melhor. Até agora o carro não deu nenhum “problema”. Podiam fazer uma opinião do dono aqui no NA.

    • 1945_DE

      Já fizeram do QQ uma vez. Foi desanimador. Mas o Celler é outro carro e deve ter melhorado muito.

  • Marcello Caetano

    E é muito.

  • Tosca16

    Engraçado que no link original da notícia um rapaz veio comentar dizendo que a mesma só veio pegar $$$ do BNDES; bom se fosse esperar recursos do BNDES a Chery não teria levantado sequer uma coluna da fábrica, o BNDES só financia as 4 grandes … Bom, com todo o capital investido pela matriz só resta com o tempo torcer para que tenham sucesso, acreditaram mais no Brasil que muitos de nós brasileiros acreditamos. Bom e de quebra com a moeda bem desvalorizada frente ao dólar só resta começarem a exportar aos países vizinhos, onde a Chery detém bem mais participação de mercado que aqui e tipo será a solução a curto prazo .

    • Tosca16, quer dizer que apenas que VW, Chevrolet, Fiat e Hyundai podem pegar dinheiro do BNDES? De onde tirou isso? Qual a fonte?

      • Tosca16

        Eu não disse literalmente isso só lhe disse que para estas o financiamento é bem menos burocrático, ou vc mesmo não ver como aqui tais empresas tem benefícios monstruosos e são “protegidas” pelo governo ?

        • Não, você não disse literalmente, disse claramente. O que as 4 teriam de diferente de Honda, Renault, Peugeot, Mercedes, Toyota, Nissan e Ford? Tem algum dado claro ou só conjecturas ou algo a mais que “todo mundo sabe” ?

          • Tosca16

            Bom, veja só para onde o cascalho tem ido … esse pessoal não ver que tudo aqui tem um jeitinho ? É só vc ver políticas tipo a redução do IPI e sobretaxação para os importados; coincidência ou não empresas como a JAC foram praticamente tiradas do jogo por tais manobras do governo .

            • Isso não responde a pergunta. Mas que eu saiba Chery teve dinheiro do BNDES não teve. O que foi mais difícil que as outras nesse processo? E Honda, Toyota, Nissan… Que inauguraram/inaugurarão fábricas novas. Tiveram problemas?

              E nada pessoal Tosca… Eu “persigo” todo mundo! Mas tenho que confessar que tenho uma predileção por verdade pré-concebidas, “fatos” que “todo mundo sabe que é verdade” e também uma admiração muito grande por aqueles que julgam o mundo baseados nos que eles enxergam no espelho.

              • Tosca16

                A questão é a burocracia que impede as novas fabricantes de entrarem de fato no jogo; vc mesmo há de saber que uma Chery reclamar de uma cláusula, de um imposto ou algo do tipo terá um peso bem inferior ao mesmo posicionamento se fosse por parte de uma FIAT ou GM da vida… No jogo burocrático a Chery e outras tantas são crianças no meio de gigantes; a JAC foi com sede ao pote e veja o que fizeram, largaram o IPI lá pra cima bem quanto a mesma alcançou 1% de mercado na época, não me recordo o modelo que a mesma lançou e com 15 dias no máximo veio a medida que acabou estrangulando todas as possibilidades de crescimento da mesma. Fora a política do inovar-auto, que só protege quem está já presente no mercado, são dois anos no mínimo de burocracias com documentações fora que a cota da fábrica é insignificante em muitos dos casos; Chery ainda sofreu por que perdeu parte de sua cota ao antigo importador, só para variar o que já era ruim ficou ainda pior .

                • Vamos parar de conjecturas e vamos falar a verdade: Que burocracia a Chery, JAC e BMW enfrentaram que a Fiat não enfrentou em Pernambuco, a Ford em Goiânia? Essa questão das 4 vilãs não encontra respaldo no mundo real Tosca. O benefício era para quem tinha/está construindo fábrica aqui e todas as marcas que citei tem ou estavam construindo. Mesmo discordando da forma que foi feito o Inovar Auto, ele beneficiou quem tinha investido mais no país. Você queria que empresas novas tivessem mais benefícios que as estabelecidas? Beneficiar quem investe menos? Em que lugar do mundo isso acontece? Fusion, Jetta, Freemont, 500… Sofrem com cotas, limitação de nossos portos como CR-V, 3008… E tem mais: Mercedes, Toyota e Renault estavam no país antes da Fiat chegar por aqui. Porque a italiana construiu a segunda maior fábrica de carros do mundo e eles não? Tem que beneficiá-los então? Mas a questão nem é essa, e ainda sem resposta. Qual burocracia que as novas marcas enfrentam que as outras não?

  • zekinha71

    Essa deve ser a única fábrica do mundo que em um ano produziu mais vp e pré série que o produto final.

  • Gio

    Independente da qualidade dos produtos, a tendência das pessoas é buscar segurança em momentos de incertezas, como a crise que estamos vivendo.

    Não se sabe até quando isto vai durar, eu acredito que no mínimo até 2017, e poucas pessoas estarão propensas a “apostar” num chinês nestes tempos.. Principalmente nos mercados de entrada, que a Chery atua, onde estão os consumidores mais afetados pela crise.

    • Tosca16

      Por isso que a Chery poderia muito bem ter elevado o patamar aqui e ido atrás prioritariamente de segmentos acima, onde mesmo com maior concorrência poderia sim ter maiores vendas; digo que se o Tiggo 5 estivesse aqui desde janeiro deste ano as vendas totais poderiam ter um salto de 20/30% sendo eu bastante otimista; hoje com a entrada de vários novos SUV’s o Tiggo 5 será apenas mais um coadjuvante e que já não será nenhuma novidade nesse mercado .

      • Gio

        Eu também acredito que se consolidar no mercado com um produto de segmento superior seria melhor. Na verdade, olhando a tabela de vendas atualmente, acredito que os diretores da Chery Brasil também concordam com você, mas é tarde demais, rs..

        • Tosca16

          A linha Chery aqui ao meu ver deveria ser : Arrizo 3 ( ou o E3) , Arrizo 7 e Tiggo 5 ; podendo ter também a atual restilização do Tiggo 3 com alguns equipamentos a mais e o câmbio CVT .

          • Gio

            Realmente foram por uma estratégia mais arriscada.

            A minha impressão em relação ao mercado automobilistico nacional, é de que o ideal ao chegar aqui é se consolidar trazendo produtos de segmentos superiores (médio para cima) com maior valor agregado e menor quantidade de clientes, assim se estabelecendo aos poucos nos maiores centros comerciais e adquirindo uma imagem mais “premium para a marca”.

            Depois de estabelecido, fica mais fácil expandir para mercados onde ganha-se menos mas em grande quantidade, que é o mercado de compactos. Estes consumidores são mais cautelosos e preocupados com custo x benefício, é onde mil reais fazem a diferença entre comprar ou não, e chegar nele já com uma rede estabelecida, transmitindo confiança e boa imagem no mercado pode fazer a diferença.

            E eu não criei esta estratégia na minha mente. Leio muitas entrevistas com diretores de empresas do ramo, e várias parecer seguir esta linha de raciocínio..

            • Vinicius Luz

              É a estratégia que a Hyundai usou. Depois de uma entrada no Brasil com linhas mais simples e pequenos caminhões, apostou em produtos de nicho, e fez sua imagem em cima do Azzera, i30, Vera Cruz, Santa fé…. Deu certo. Para o Brasileiro esses carros viriam sinônimo de status e objeto de desejo, tanto que colocam os preços que querem nos carros, e mesmo assim compram. Pronto! a porta já estava aberta para lançarem um carro popular (HB20), e é o sucesso que conhecemos!!!

    • CorsarioViajante

      A menos que custasse muito, muito barato. Mas ela não vai conseguir fabricar algo muito, muito barato operando no país do imposto, da greve, da CLT, do transporte precário, do dólar imprevisível, etc e passar por tudo isso para ter um retorno ridículo.

      • Gio

        Exato. A Chery teria que oferecer ao consumidor benefícios que o deixassem disposto a superar esta desconfiança. Poucos estão dispostos a “arriscar” para ter um ganho pequeno agora.

        É dificil quantificar qual teria que ser o tamanho deste desconto no preço dos veículos, mas imagino que seria grande o suficiente para se tornar inviável bancando produção nacional, alta do dólar (pesa para quem importa peças, como é o caso, o carro não é 100% nacional), inflação, etc.
        Mas talvez a matriz decida perder uma boa quantia agora para ganhar mercado, quem sabe..

        • CorsarioViajante

          Exato. Como disse para outro colega acima, é uma conta que só quem está por dentro dos números – e dos planos dela – pode saber.

  • Paulo Rodrigues

    Erros estratégicos graves, não tem nada de planejamento de longo prazo.
    O primeiro erro foi apostar na permanência de um ambiente político-econômico positivo, mas artificialmente criado. Faltou o lobby necessário para efetuar a leitura correta.
    O segundo erro foi adotar uma política de preços similar a de outros fabricantes já consolidados, mesmo considerando alguns diferenciais em relação à concorrência.
    Sem querer ser pessimista, mas já sendo, é questão de tempo para encerrarem as atividades por aqui. Não vão querer sustentar um prejuízo por pelo menos mais três anos.
    Esperta foi a JAC.

    • Tosca16

      Preços similares ? Se o Celer fosse um FIAT da vida começaria logo de 40 mil pra cima; nestes feirões da vida pegar um Celer por menos de 35 mil é um preço assim muito bom, olhando o modelo em si e a categoria do mesmo … O que falta é marketing, aliado a demora de trazer os modelos mais esperados como o já prometido Tiggo 5.

      • Qualquer marca iniciante no mercado tem que apresentar um diferencial em relação às estabelecidas, sejam elas japonesas, ingleses, americanas. Isso vale para carro e outros produtos. O consumidor acha que a diferença de 5 mil reais não pagam o risco de apostar em um produto. E você diz que eles estão errados? Faça isso com seu dinheiro então!

        • Tosca16

          O consumidor aqui não reclama dos preços exorbitantes das digamos tradicionais mas reclama demais das marcas mais novas, sobretudo as chinesas … acho engraçado que ninguém fala que o modelo, falando do Chery Celer, está bem melhor agora. E se fosse mais barato digamos que iam dizer que ainda estava caro, eu conheço bem como é esse pessoal; Se era 38 tava caro, se agora está 34 está caro, se por para 29 tá caro ainda, se derem de graça vão dizer que tá caro do mesmo jeito …

          • “…O consumidor aqui não reclama dos preços exorbitantes das digamos tradicionais mas reclama demais das marcas mais novas, sobretudo as chinesas…”

            Hahaha! Desculpa, confundi você com outro Tosca, comentarista assíduo aqui. Não reclamam do preço das marcas tradicionais? Você tem dificuldades de interpretação de texto, leitura super, super, super seletiva ou é mal intencionado mesmo?

            • Tosca16

              Vc hoje tirou o dia para me perseguir kkkkkk … Mas reafirmo o que eu mesmo disse acima, o consumidor prefere pagar mais caro por uma digamos “confiabilidade” a mais e se nega a investir em marcas novas, ao menos no segmento de entrada .

              • É um direito dele, acontece em todos os países, em qualquer ramo de atividade ou consumo. Paga-se mais por confiabilidade, sendo essa de percepção ou não.
                E não é nada pessoal: Eu “persigo” todo mundo mesmo! Hehehe… Mas confesso que tenho predileção pelos comentários que possuem verdades absolutas que não se confirmam no mundo real, “fatos” inventados por aqueles que desconhecem o que significa a palavra e principalmente aqueles que julgam o mundo pelo prisma limitado que enxergam no espelho.

        • Junoba

          Lagoeiro, é melhor pagar 35k num Celer, ou 48k num Punto 1.4 com o motor mais ultrapassado da categoria !?

          • A resposta direta e reta é: Depende.
            Onde você mora tem revenda do Celler? Quanto tempo irá ficar com o carro? Quão relevante é a cobertura da assistência para você? Quanto a desvalorização é importante?
            Quão relevante é a arquitetura do moderníssimo motor do Celler frente ao antiquado do Punto, tendo em vista consumo, desempenho e manutenção, e principalmente a satisfação de suas necessidades?
            E outros pontos: Acredito que o espaço interno do Paulista de Pequim seja maior. Caso esteja certo, esse espaço é relevante para sua escolha de carro? E o espaço de porta-malas.
            Olha Junoba, eu entendo a sua pergunta e o objetivo dela, mas vou te trazer para o mundo real: A pergunta não é simplesmente “Você prefere gastar 35 mil em um produto ou 48 mil em um similar?”. Se essa fosse a questão, o Deus mercado igualaria os preços, subindo o do Chinês ou baixando o do italiano. Mas eles não são similares. Mas vou tentar expandir seus horizontes: Pense comigo, o Punto custar 48 mil torna o Celer opção melhor que Fox, Palio, Gol, Ônix, Classic, Sandero, Logan, Ka, 208, C3 (ufa… Dá uns minutinhos… Vamos lá)…up!, J3, Uno, March, Étios… ?
            Nenhum dos dois passariam perto de ser minha escolha, mas se estou cogitando um carro de 48 mil imagina-se que eu tivesse uma condição que não tenho hoje de lidar com o carro mas sua manutenção e impostos. Hoje minha escolha seria o Fiat.

            • Junoba

              Talvez ano que vem, vamos ter o primeiro carro aqui de casa ( se Deus quiser ). Desde já estamos cogitando HB20 ou Celer.

              Não teremos como financiar 48k no Punto, mas 35k no Celer, sim. Se a Chery consegue vender muito mais barato, porque a Fiat e a concorrência não fazem !?

              • Putz… Esqueci do HB20…
                Sobre preço, aprende uma coisa Junoba: A empresa não vende pelo menor preço possível, mas pelo maior preço que o cliente está disposto a pagar.

              • Aliás, uma dúvida: Porque apenas Punto, Hb20 e Celer? Qual características desses carros que não encontra nos outros que listei?
                É um costume do NA usar o caso mais extremo de preço para justificar uma compra…

                • Junoba

                  Não, não os preços são praticamente iguais. Tudo acima de 45k.

              • Junoba, um fabricante vende seu produto não pelo menor preço que pode e sim pelo maior preço que o mercado está disposto a pagar.

          • Angelo Lucca

            Junoba, o motor do Punto pode ser ultrapassado e concordo com você, mas me diz como um motor dito “moderno” usa um óleo de especificação 15W40 com trocas de 5 em 5mil kms e com potência específica relativamente baixa. (estava no site da Chery). O motor do Punto embora seja defasado em questão de potência e torque, ainda é um motor muito confiável. Eu tive um e hoje ele está com minha irmã, já passou dos 110mil kms e continua perfeito, não fuma e não baixa óleo. Usa óleo sintético 5w30 trocado a cada 7.500kms e vai somente 3 litros com troca de filtro inclusive, ou seja, a manutenção preventiva do Punto, como de outros Fiat´s, não é alta. E falamos de um motor com quase 8 anos que desde 2008 já usava óleo 100% sintético, isso tb encontramos nos motores do Fiestinha lá de 2003 que usam óleo dessa mesma especificação…. Agora experimente ver o plano de revisões desse Celer no site. Sai bem caro.

            • Junoba

              Eu sei, os preços das revisões são bem caras.

      • Paulo Rodrigues

        Ô Tosca…você não era assim.
        Onde foi que eu escrevi “preços similares” meu amigo ??
        Escrevi “política de preços similar”…
        Há uma grande diferença entre uma coisa e outra…
        Já defendeu melhor os chineses hein…
        Abraço!!

        • Tosca16

          Bom, me desculpe se lhe interpretei mal só acho que ao menos os preços dos modelos estão de acordo com suas respectivas categorias, bom só isso .

    • Ainnem Agon

      Concordo com todos os seus pontos. E ainda acrescento que todas as demais montadoras “novatas” também irão sentir dos mesmos problemas.

      No final o que vende é a imagem de status dos produtos construída junto ao consumidor. Vide HB20 ou o HR-V (Vezel).

  • Mario

    Simples…coloca preço de $23mil que vai vender bastante. Quando chegaram aqui, não fizeram o dunping para vender mais barato que o Mille?? Então, agora faça de verdade!

    • Sinceramente aquela história de dumping com o QQ foi uma balela sem tamanho. O QQ custava na China, na época, US$ 3.500 a unidade para exportação na versão 1.1 Look, o que dava para comercializá-lo no país, na época em que não haviam 35 pontos percentuais, por pouco mais de R$ 17.000, dando lucro folgado, mas foi lançado segundo a cartilha de preços do mercado, inicialmente por R$ 22.900 e foi subindo semanalmente, até o Clio e o Palio Fire começarem a serem vendidos pelos menos R$ 26.900, o que matou o QQ, juntamente com o Inovar Auto, fazendo aquele modelo voltar para os R$ 24.990 e mesmo assim tendo vendas pífias.

      • Junoba

        Mas, perae, apenas US$3.500 ?

        • Sim. Era o preço da época. E atualmente o novo QQ custa apenas US$ 6.000.

          • Junoba

            E hoje ele é vendido por 30k aqui no BR. O preço ta bem inflado !

            • Na verdade está na margem. Com dólar por R$ 3,00 (época em que foram adquiridas as unidades daqui), começa em R$ 18.000 na conversão direta, mais R$ 3.000 de frete intercontinental, e 35% de IPI, eleva o carro para R$ 28.350, somando margem de lucro montadora e margem de lucro concessionária… bate os R$ 33.490,00 pedidos na versão Act do New QQ. O New QQ Look saia da China por US$ 5.000.

              Agora já começaram a pré-montar o QQ por aqui, mas com a inflação e variação cambial daqui, duvido que baixe qualquer centavo, pois o fato de produzir aqui já consome o imposto maior para importados.

              • Junoba

                Mas a Chery reduziu o preço do QQ em 2k. E se tem Celer por 35k, não tem muitos motivos pra ter o subcompacto.

  • DPSF

    A chery precisa urgentemente de uma boa jogada de marketing. Vai lá, joga o preço do Celer igual ao do QQ (30 mil dilmas), cria um plano de revisão com preços fixos ou cria um pacote para ser contratado no momento da compra (as 4 primeiras revisões por 1000 reais), cria um plano para taxistas, trazendo volume de vendas para a planta. Cria tb uma politica de recompra dos carros usados, para quem tem um chery usado de qualquer modelo, na troca por um novo celer, terá uma gorda valorização no usado… vai lá, usa a criatividade, dá seus pulos. Mas ficar assim, do jeito que está, no marasmo e fabricando 5 mil carros por ano, é de lascar. Se a Chery baixar o preço do Celer p 30 mil dilma e criar um plano de financiamento com ótimas taxas, até eu encaro, para ter como terceiro carro de casa e usar para ir ao trabalho.
    Acho que o mais viável, é criar um plano de taxi e fazer com que o carro seja mais visto nas ruas, e querendo ou não, se for aprovado pelos taxistas, com certeza vai aumentar as vendas, tem muita gente que ainda procura saber de durabilidade e qualidade através dos motoristas profissionais.
    Enquanto isso, por mais que falem mal do etios, a toyota está com toda a produção sendo vendida e exportada.

    • Junoba

      Hoje se compra Celer por 35k ou até menos. Pra mim está o preço ideal perante a concorrência. A maioria dos 1.4/1.6 custa de uns 45k pra cima.

    • sepchampions

      Concordo com VC, a Chery tem que despejar dinheiro no Brasil pra alavancar as vendas, Cria um banco pra liberar financiamento pros carros, investe em marketing e diminui o preço dos carros

  • Tenho pena das pessoas que trabalham nessas fábricas chinesas no Brasil, irão perder o emprego em breve, infelizmente.

    • Junoba

      São todas as montadoras do BR que estão passando por isso, caro leitor….

      • Concordo que são todas que estão passando pela recessão, apesar de não parecer pelo estrondoso aumento dos preços que estas vem promovendo, porém, aquelas que já encontram-se consolidadas no mercado (VW, FIAT, HONDA, GM, FORD, ETC.), terão mais condições de retomar o crescimento que pequenas montadoras com apenas 2 ou 3 modelos em seu portfólio.

  • CorsarioViajante

    Muito complicado. Muita gente veio acreditando no papo que o Brasil ia ser um mercado enorme, mas nosso mercado era insustentável.
    Agora a Chery ficou no mata-burro, acho que não tem muito espaço para baixar o preço muito abaixo da concorrência fabricando aqui, mas não consegue ter as qualidades da concorrência como maior presença e tradição. Esta fábrica, a meu ver, virou um elefantão branco. A JAC, mais esperta, nunca vai terminar a terraplenagem e já já vai embora, por exemplo.

    • V12 for life

      Concordo, e como disse em meu comentário mesmo que queiram não tem como a Chery desistir agora.

      • CorsarioViajante

        Isso só quem está por dentro dos dados pode dizer. Porque com certeza ter uma fábrica dessas para fazer 5000 carros por ano com perspectiva de mais um ou dois anos difíceis é de se pensar se vale a pena manter a operação.

      • Paulo Rodrigues

        Amigo, negócio são negócios. O raciocínio empresarial é simples, se não se pode ganhar ou pelo menos empatar, então a prioridade é deixar de perder.
        A matriz certamente não vai bancar por mais de um ano o “período extremamente deficitário” pelo qual estão passando (meu palpite com base no texto do Estadão, 08/11/15).

    • tjbuenf

      Mas os preços dos chineses estão comparáveis aos dos concorrentes mais tradicionais. Olha o Celer a R$ 40 mil.
      Eles não têm intenção de concorrer pelo preço e já não tem o benefício dos equipamentos, que era o carro chefe dos chinas. O próprio Cury disse em entrevista que depois da fábrica em operação a marca já poderia cobrar mais caro pelos seus produtos.
      Considerando o menor custo de fabricação ocasionada pela menor qualidade de seus produtos, acredito que tenha margem sim para abaixar estes preços.

      • CorsarioViajante

        Neste caso,parece havera uma visão de mercado bem distorcida por parte deles!

  • V12 for life

    Meio obvio que os chineses não vão alardear que estão decepcionados, assim como também é obvio que apesar da frustração qualquer empresa faz investimentos a longo prazo, e como a produção se iniciou em época de crise a decepção vem do fato de o retorno demorar mais para vir, e mesmo que a vontade seja fechar as portas e ir embora dificilmente isso ocorra.

  • Fernando Bento Chaves Santana

    A Chery precisa de preços e estratégia de vendas mais agressivos. Poderiam, inicialmente, dar atenção especial aos frotistas, sempre sensíveis à relação custo x benefício. Se os carros da marca passarem no teste de fogo de comporem frota para aluguel e para prestadores de serviços poderão conseguir um bom atestado de resistência junto ao mercado.
    Poderiam, por exemplo, aproveitar a onda do Uber para oferecer boas condições de financiamento para motoristas que prestam serviços por meio deste aplicativo e muitos passageiros poderiam pela primeira vez ter a experiência de andar abordo de um carro da marca.
    Mas para tanto precisam garantir bom pós-venda disponibilizando peças em todas as regiões do país e oferecendo cursos de capacitação para mecânicos para as oficinas ficarem mais familiarizadas com estes novos produtos

    • Tosca16

      O pessoal tá pegando Celer por R$ 25.490,00 para taxistas, é um excelente preço … A questão é que não arriscam, o consumidor é muito conservador aqui .

      • Fernando Bento Chaves Santana

        Informação interessante. Aqui o consumidor é conservador, verdade, mas a fatia do mercado mais sensível a relação custo x benefício, como profissionais que utilizam o carro como ferramenta de trabalho são uma ponta do novelo que fabricantes ingressantes podem pegar para ingressar no mercado, mas para tanto precisam de um produto realmente confiável.

  • Adriano

    Muito ruim? O dona chery, venda produtos bons, hb20 e onix estão vendendo muito(Não que sejam bons, mass), porém pq a chery não veio com uma proposta melhor e menor preço? Nem propaganda fazem, como iremos saber da marca se não for em sites de carro?

  • Felipe

    O planejamento da Chery poderia estar errado (Como estava, ante as 35 mil unidades que não serão produzidas), mas a empresa não está morta pela crise. Tudo é apenas uma questão de tempo… E os chineses sabem esperar pacientemente pela vez deles.

    • A questão é que empresário não espera tomando prejuízo.

      • Felipe

        Então me diz o que a Chery está fazendo, a não ser esperar a crise “passar”…
        Pra trabalhar no azul, às vezes é necessário passar pelo vermelho.

        • Como posso dizer o que ela está fazendo se não trabalho na diretoria de lá? E só porque ela está fazendo significa que está certo? E se ela acabar com as operações da fábrica amanhã? O que irão dizer? “Com certeza ela tem um plano futuro para essa fábrica, eles não iriam investir tanto e abandonar o barco assim!”. Aí eles abandonam toda a operação no Brasil e continuaremos a dizer “Ela deve voltar com outros modelos de melhor qualidade, você acha que eles deixariam o país assim?”.. E em 50 anos ninguém ouve mais falar da Chery e tem gente que vai esperar a volta do Messias. A questão é que se eles soubessem a profundidade da crise, talvez teriam tido outras atitudes. É necessário ver se ela tem capacidade de suportar o vermelho.

          • Felipe

            Ótimo, chegamos num ponto em comum. Não trabalhamos na Chery. Não sabemos quais foram e quais serão suas decisões, atitudes. Não sabemos quais são os planos da montadora.

            • Sim, mas…. Não acredito sinceramente que 5 mil carros nesses meses faça parte de um plano que vislumbre um cenário positivo.

              • Felipe

                É, a princípio não. resta esperar pra ver o que os chineses vão pensar disso.

      • Triton

        Pessoal esquece que a Chery é estatal. E que a China quer dominar as coisas, nem que tenha que pagar no início. Eles não vão embora…

        • Felipe

          #Fato.
          E duvido que a administração dela lá na China seja que nem a administração de uma certa estatal multinacional brasileira…

          • Triton

            Dentro de alguns anos, esse pessoal daqui vai estar voando pra cima e pra baixo em aviões comerciais chineses. Aí o preconceito vai ter que caber na mala. A China tem uma estatal que está finalizando o desenvolvimento de jatos de médio e grande porte e já declararam que querem uma fatia do mercado de Boeing e Airbus. Várias companhias aéreas de todo o mundo já fizeram reservas desses aviões. Mas pra quem manda foguete ao espaço de boa e tem estação espacial, fazer avião não deve ser bicho de 7 cabeças.

        • Muitas marcas de automóveis chinesas fecharam, mesmo sendo estatais. Não vejo essa relação entre ser estatal e manter uma fábrica deficitária… O governo chinês tem dinheiro infinito?

  • Jorge Osório Cortese Magalhães

    Mas também faltou publicidade… Quase ninguém conhece o Celer! Quantos sabem que é produzido no Brasil?!

  • Aldo Raine

    Quem compra uma porcaria dessas ???????

  • Thiago Porto

    Acho que o que falta à Chery são esses Maravilhosos Especialistas de comentários.
    hauahuahuahau..

    • Felipe

      Já pensou se ela gerasse emprego pra toda essa gente nas áreas administrativas, de marketing, de engenharia/desenvolvimento e de estratégia?
      Fico imaginando um escritório na planta da fábrica com essa galera trabalhando nele. Hahahahah… “The Office”.

    • Olha, um comentário!

      • Thiago Porto

        ???

        • 0terceiro

          Acho que ele te chamou de “Maravilhoso Especialista de comentários”
          huahauhauhauaha

          • Thiago Porto

            Não tenho esse poder de adivinhação não! kkkkk

            • Foi mal! Não quis dizer isso não! De fato é divertido chegar aqui e ver que todo mundo tem saída para a crise (Mas ainda é menos pior que nos blogs de futebol. Todo mundo é um técnico melhor que o técnico do seu time). Mas como você não deixou claro se era desses que tem solução para tudo que falava, seu comentário também não seria um dos muitos comentários de especialista?

              • Thiago Porto

                Se eu tivesse, estaria ganhando dinheiro com isso. rs

                Sobre a reportagem, achei normal a Chery reduzir a produção, mas aí fui perder meu tempo lendo os comentários e vi que a sessão mi-mi-mi Eterno já tinha começado.

                Acho engraçado, tem gente aí que tá feliz com a Crise, vejo um monte de gente falando.
                ” Eu avisei, agora vcs que se lasquem “.

                PS: A Heineken tá investindo R$241mi em nova Fabrica de Cerveja, em época de crise, parece que a Galera não deixa e beber. kkkkkkk

                • “..A Heineken tá investindo R$241mi em nova Fabrica de Cerveja, em época de crise, parece que a Galera não deixa e beber..”

                  Ainda bem! hehehe

                • Felipe

                  Tem gente bebendo Heineken enquanto comenta aqui (Talvez explique o excesso de expertise).
                  Já dirigindo…

      • 0terceiro

        hahuahuahuaha

  • Zé Mundico

    Sei não, mas é prejuízo demais para uma simples montadora chinesa de carros populares e pé-duros. Como carro popular caiu de venda e nem tão cedo vai melhorar, a Chery vai terminar arrumando as malas e voltar prá China engolindo um prejuízo do tamanho do Brasil. Na boa, mas 5 mil carros por ano mal dá pra pagar a conta de luz. Resta saber até quando uma montadora pode aguentar pagando do bolso para ter prejuízo. E fica a lição, carro chinês não pega aqui no Brasil, quando muito na China.

    • CorsarioViajante

      Mais ou menos. A JAC “pegou” muito bem quando chegou com uma proposta diferente, oferecendo um carro com preço na média mas muito mais equipado que a concorrência.
      Só que… Parou por aí. A concorrência empatou os equipamentos, e não ficou mais nenhum diferencial positivo em relação às chinesas.

    • kravmaga

      Eu já acho que os chineses da JAC e Chery tiveram a estratégia errada ao tentarem oferecer carros de entrada. É difícil até para montadoras mais tradicionais como Nissan, Peugeot, Renault, etc tentar competir com Fiat, VW, Ford e Chevrolet nesse segmento.

      A Lifan está vendendo relativamente bem o X60 porque conseguiu colocar um SUV médio e bem equipado por um preço até menor do que muito SUV compacto pelado das outras marcas.

      • Antonio

        Entrou mal, entrou no seguimento do Gol, fica ai a lição, pra competir nessa linha tem de ter acima de tudo QUALIDADE, executivos da Chery deveria ter lotado um GOL G5 1.0 com 5 ocupantes e dado um rolé rural, minimo de 20 km, buracos, lombadas, lama, poeira, andar atravessado com pneu truncado, um raly cargo, e depois fazer o mesmo com seu CIELO que era lindo, seu sucessor CELER, que voce não vé uma concessionária da marca em BH.
        Eles tem que ver a politica daqui, não temos prazo de validade de carro aqui, terra de GOLEIROS, com 200 mil km ta amaciando motor, depois de dez anos ai e que começa a cotação do gol, ai e um tal troca, vende, empresta ate cair os pedaços, esses orientais caem na conversa fácil, mas a vitrine continua sendo Gol, e olha que esse pé de boi nunca levei pra minha garagem.

  • Bittencourt

    Que segmento é esse que ela é líder, na frente de JAC e Lifan? Chineses?

    • Ainnem Agon

      Esse segmento chama-se “Hatches compactos chineses que caíram na armadilha do Super-IPI que obriga ter fábrica aqui”.

  • erick

    Muito triste essa crise do desgoverno do PT!
    Todo mundo em Goiania, Anapolis e no DF trocava de carro de 2 em 2 anos, agora ninguem ta trocando de carro mais…

    • 0terceiro

      Um monte de gente troca de carro de 2 em 2 anos, e sinceramente não vejo tanta justificativa pra isso.

      E eu, na contra-mão desse povo, nem carro tenho ainda
      huhauahuahaua

      • erick

        Eu tambem! Kkk Ando no carro do meu velho e querido pai! kkkk

        • 0terceiro

          Você já tá um passo a frente, cara! kkkk

          Eu nem carteira de motorista tenho.
          Mal-mal ando de bike de vez em quando

  • Antonio

    Entrou mal, entrou no seguimento do Gol, fica ai a lição, pra competir nessa linha tem de ter acima de tudo QUALIDADE, executivos da Chery deveria ter lotado um GOL G5 1.0 com 5 ocupantes e dado um rolé rural, minimo de 20 km, buracos, lombadas, lama, poeira, andar atravessado com pneu truncado, um raly cargo, e depois fazer o mesmo com seu CIELO que era lindo, seu sucessor CELER, que voce não vé uma concessionária da marca em BH.
    Eles tem que rever a politica daqui, não temos prazo de validade de carro aqui, terra de GOLEIROS, com 200 mil km ta amaciando motor, depois de dez anos ai e que começa a cotação do gol, ai e um tal troca, vende, empresta ate cair os pedaços, esses orientais caem na conversa fácil, mas a vitrine continua sendo Gol, e olha que esse pé de boi nunca levei pra minha garagem.

    • Olha, o tempo do Gol como referência já passou faz um tempo. Atualmente são referências o Onix e o HB20, tendo o Palio Fire como o carro voltado para uso extremo.

      • Thiago Porto

        tem gente que nunca saiu dos anos 90.

  • Antonio Falm

    Discordo de várias coisas aqui. Uma dela é dizer que a culpa é do governo, ou mais especificamente do PT. Enfrentamos uma crise mundial desde 2008, mas somente agora estamos sentindo os efeitos. O que a imprensa não conta é que o dólar subiu frente a todas as moedas do mundo e isto está criando uma “inflação de custos” que está corroendo nosso poder de compra. Não digo que o governo da Dilma esteja lidando bem com a crise, pelo contrário, é um governo ruim, mas por adotar uma política econômica que é a da direita liberal: aumento de juros, diminuição do investimento social. Enquanto mantiver essa política de superavit primário para tirar do povo e alimentar banqueiro, a gente não sai do buraco. A era Lula foi muito boa para o setor automotivo, ou seja, temos retração do setor mas depois de crescimento histórico. Outro aspecto que discordo é aquele de dizer que as chinesas são só lixo. Na minha opinião, são equivalentes sem tirar nem por a todo o lixo fabricado aqui, com a diferença de terem revolucionado o mercado. Quando a JAC investiu pesado em marketing e trouxe carros de fato completos, as marcas tradicionais tiveram que se virar: deu uma segurada nos preços, as garantias foram aumentadas. Também acho que parte da crise é fabricada pela oposição e pela imprensa que a apoia, que quer ver o Brasil sangrar até 2018. O Brasil sangrar não, o povo. A turma de sempre vai ficar muito bem, obrigado.

    • Pedro Evandro Montini

      Você pode até não ser, mas fez um comentário típico de militante do PT. A culpa da crise econômica nacional é inteiramente exclusiva deste partido. A adoção da chamada Nova Matriz Econômica em substituição ao Tripé Econômico foi a principal causa da situação em que o país se encontra.

      Você sabe o que é superávit primário? Sabe como estão as contas públicas? Sabe qual é a previsão de queda do PIB pra este ano? Lembra qual era o teto da meta da inflação e em quanto ela está? A alta do dólar apenas piora a situação econômica do país, assim como a crise política. Quanto à crise mundial… basta olhar como está o crescimento do PIB global e o dos principais parceiros comerciais do Brasil.

      E ainda vem dar uma de entendido em “direira liberal”. Que sonho se estivéssemos nesse patamar.

      • Thiago Porto

        Não é verdade Pedro.
        O PT é o grande culpado, mas não o único.
        O Legislativo manda muito no País e desde sempre nunca há preocupação popular com o que fazem ou deixam de fazer.
        Para não fazer um texto gigante e chato resumo a cartilha ao seguinte.
        As mudanças necessárias deveriam ter sido feitas enquanto a maré era boa.
        Não foi feito.
        Agora na crise, qualquer remendo ( pois mudança verdadeira não farão) será muito mais dificil e vai doer bem mais.

        PS: PIB é a referencia Econômica mais tosca que existe, é um erro tão grande analisar a situação geral do País pela comparação de PIBs hoje como era em 2010 quando crescemos 7,5% e diziam que o Brasil era o “melhor lugar do mundo”.

      • Antonio Falm

        Não sou militante do PT, mas se fosse não haveria nenhum problema, não é mesmo? Ou é problema ter uma opinião política/econômica diferente da sua? Pelo teor de suas perguntas deve estar ainda acreditando no Consenso de Washington, cujo receituário retrógrado (e garantidor dos lucros das potencias hegemônicas) tem feito o que tem feito com a Grécia. A crise política é mais grave que a econômica e está sendo alimentada pelos mesmos amalucados que elevaram para 72 bilhões em oito anos, uma dívida pública que demorou quinhentos anos para chegar a 36 Bi. E você ainda quer estar nesse patamar? Para querer só se for banqueiro… Como eu não sou, estou fora.

        • Sabe o que tenho achado engraçado? Agora ninguém é PTista! Teoricamente todos estão apenas “defendendo seu ponto de vista” coincidentemente usando os mesmos argumentos do PT”. A questão é que o mundo todo que as pessoas estão dizendo que está em crise está crescendo mais que o Brasil. Será que eles pensam que hoje as pessoas não tem acesso ao que acontece lá fora? Aliás, não disseram que essa crise não ia afetar o Brasil, que seria mais uma marolinha? PTistas apostam na falta de memória das pessoas.

          • Antonio Falm

            Não sou petista mesmo, sou de esquerda, coisa que o PT já foi, (mas está cada vez mais para a direita). O mais é estatística. A questão é que querem nos fazer crer que é um problema partidário, mas não é. É estrutural e responsabilidade de todos. Veja as políticas para o mercado automobilístico, que são quase as mesmas da época da ditadura (atraso, protecionismo). Quem mudou alguma coisa foi o Collor (quem diria) e deu no que deu. Os problemas do Brasil são mais antigos, tem a ver com insegurança jurídica, falta de infra-estrutura, falta de mão de obra especializada, educação, traços culturais (corrupção em todos os níveis), desigualdade na renda, preconceitos sociais e de outros matizes, e por aí vai. Os países que mantém um PIB melhor que o nosso na crise já o tinham melhor na época anterior à crise (consulte os indicadores), mas resistimos bravamente afinal, a crise só chegou agora (ou preferia ter seguido a receita do FMI e estar em crise desde aquela época?).

            • Não falei de PIB, falei de crescimento. Enquanto ficamos com desculpas dizendo não pertencer a um partido mas defendendo as idéias deles, nada mudará. E como alguém se diz de esquerda e critica o protecionismo?

              • Antonio Falm

                Como eu sugeri, procure os indicadores. O PIB é o indicador usado para medir o crescimento, dê uma estudada no assunto. O protecionismo é um fenômeno mundial, e acontece conforme os interesses de cada país. Sabia que os EUA, o grande capitalista, é também um grande protecionista? Querem aumentar a taxa de importação de produtos siderúrgicos brasileiros para 30% para proteger sua indústria. Que coisa hein!?

                • PIB não é indicado para medir crescimento, mas sua variação. Qual o PIB per capita da Somália, do Brasil e da Noruega? São diferentes, não são. Mas analisando os números não dá para saber se o PIB aumentou ou não. E continue tentando dar um exemplo maior que da pátria dos Trabants. Mas a questão não é essa: Como alguém que se diz de esquerda que prega a maior presença estatal critica protecionismo?

                  • Antonio Falm

                    Pátria dos Trabants? Você se refere àqueles carrinhos da extinta Alemanha Oriental (RDA)? Se for isso, não entendi, assim como acho que você não entendeu minha resposta por estar confundindo o conceito de PIB, e presença estatal com protecionismo. PIB é a soma de todas as riquezas produzidas por um país, medido por períodos. Quanto maior o PIB, maior o crescimento da economia, quando negativo, a economia encolheu. PIB igual a zero, não houve crescimento da economia. Qualquer coisa dá uma olhadinha na Wikipedia que tá bem explicadinho. Protecionismo é um conjunto de medidas que visam proteger um determinado setor da economia, de sorte que seja garantida sua sobrevivência. Não é de esquerda nem de direita, mas uma ferramenta usada segundo o conveniência do momento. No Brasil tem sido mal usada. Foi por exemplo o caso do oligopólio das montadoras, que forçaram o governo a aumentar o imposto de importação para frear o avanço das chinesas no Brasil, enquanto tinham o maior lucro da história até então. Ou seja, foi usado para garantir lucro tão somente, e isso não é bom. Presença estatal, o nome já diz tudo, isso sim é de esquerda. A direita liberal não gosta disso, exceto quando é para pedir dinheiro, aí para eles fica bom.

                    • Alemanha Oriental não é aquela que quando quebraram o muro foram todos para o lado capitalista e ninguém foi para o lado socialista? Essa é a coerência esquerdista. E antes pedir dinheiro para o governo do que achar que o dinheiro alheio lhe pertence.

                    • Antonio Falm

                      mas de onde você tirou esses conceitos? Quem se apropria do dinheiro alheio é o capitalismo. Tá danado né Alessandro. Eu aqui gastando o meu latim e você não fala coisa com coisa? Pelo menos se você argumentasse, mas ficar nessa de “coerência esquerdista” sem ter argumentos e sem saber nem o que é de fato ser de esquerda, francamente…

                    • Pedro Evandro Montini

                      “Quem se apropria do dinheiro alheio é o capitalismo”

                      Hahaha!!!

                      O estado toma o dinheiro dos outros via impostos e o capitalismo é quem se apropria do dinheiro alheio. Tem uma criança do outro lado do monitor.

                    • Antonio Falm

                      Experimente então financiar um carro novo, você verá que terá que pagar mais um para o capitalista. Ou invista na poupança, você receberá 6% do valor aplicado e o capitalista receberá 120% sobre o SEU dinheiro. Ou pense no seu trabalho: você, recebe x pelo seu trabalho, seu patrão capitalista recebe 4x pelo que você produziu, sem apertar um parafuso. Ou use seu celular: vão te cobrar 6 vezes o que o serviço vale, e se você não usar os créditos eles ficam com seu dinheiro sem prestar o (péssimo) serviço. E o consumo mínimo da água? Mesmo se não tiver água você tem que pagar, e por aí vai. Tem mesmo certeza de que o capitalismo não se apropria do dinheiro dos outros? Sugiro também não confundir “estado” com regime. E claro, comentar que “tem uma criança do outro lado” é desnecessário. O NA é um local privilegiado para o debate, e precisamos preservar esse lugar usando sempre de respeito e consideração para com os participantes. Você acha que consegue?

  • ngd_10

    Tanto preconceito contra os chineses e ha pouco tempo andavam de MIlle, Gol e CIA sem airbag, sem abs, pelados e com sorriso no rosto e orgulho no peito.

    Engracado como querem evoluir em grandes passos sem ao menos ter nocao (ou fingem nao saber) de como funcionam as coisas no Brasil

    • Carros que se eram simples, provaram ser resistentes durante os anos. Parece que quem não sabe como as coisas funcionam são outras pessoas…

      • ngd_10

        Nunca disse que nao eram resistentes. E obviamente seriam por tratar-se na maioria das vezes de projetos adaptados de origem a engenharia europeia.

        As marcas mais conceituadas obviamente realizaram estudos e pesquisas para efetuar novos lancamentos de veiculos aqui, ao contrario dos chineses que provavelmente pouco tinham observado as nossas pessimas estradas. A montadora nao tem autoria se as nossas ruas assemelham-se ao solo lunar mas tambem nao e desculpa para nao aprimorar a suspensao dos seus respectivos automoveis. Isso obviamente ocorrera com o passar dos anos.

        Aparentemente nao soube interpretar o que escrevi quando disse “como funcionam as coisas no Brasil”.

  • Tosoobservando

    So deviam ter trazido suvs novos e bonitos e vendido por um preço reazoavelmente menor, novos ricos adoram carrões a preços modicos. Faz igual Hyundai e Kia no inicio e ja ja estao com nome forte e vendendo em qualquer segmento.

  • Mauricio Fernandes Penteado

    Caramba, vai pensar a longo prazo assim lá na China… uma reportagem antiga disse que a previsão de investimento total na fábrica de Jacareí era de U$ 700 milhões, outra reportagem dizia que em média a Volkswagen do Brasil tirava líquido U$ 950,00 por carro pequeno vendido no Brasil. Supondo que a Chery tivesse mais que o dobro disso por carro (U$ 2mil) – o que seria incrível – teria de fabricar/vender 350 mil carros só para recuperar o investimento, ou seja, NESSE RITMO DEMORARIAM “APENAS” 70 ANOS!!!! Fato = calcularam muito mal as perspectivas econômicas do Brasil, ou acreditam que vai mudar tudo no futuro próximo…. pessoalmente acho que erraram mesmo!!!! Uma pena…

  • Marquinhos

    Pede pra sair, 02 !!!!

  • Paulo

    O maior problema da Chery não está na falta de marketing, acho que nem no produto em sí, tentei comprar um Celer, é um carro bem bonito e parece bom também…
    Mas é um desrespeito total e gritante com o consumidor… Isto na pré-venda, daí eu fiquei imaginando como seria o pós-venda dos caras…
    Fiz uma pesquisa rápida na internet… é de arrepiar. rsrsrsr
    Ou mudam a política ou vão ter que ir embora, porque quem pesquisar um pouquinho não compra carro deles, é um absurdo.



Send this to friend