Home Manutenção Correia dentada: a briga entre mecânicos e jornalistas automotivos

correia dentada Correia dentada: a briga entre mecânicos e jornalistas automotivos




Nas últimas semanas, um assunto muito discutido em toda a comunidade automotiva brasileira é o procedimento da troca da correia dentada dos veículos. De um lado, mecânicos defendem um ponto de vista, amparados pela Associação Brasileira de Normas Técnicas, a ABNT, e por outro lado, engenheiros jornalistas e alguns proprietários defendendo outro.

O ponto crucial da discussão é a necessidade, via de regra, da substituição do rolamento tensionador da correia dentada a cada procedimento de substituição da mesma. Os mecânicos recomendam a troca considerando duas hipóteses:

a) O tensionador pode não suportar o trabalho até a próxima troca da correia;

b) A ABNT editou a Norma 15.759 onde a substituição é recomendada.

Os Mecânicos

Conheço vários mecânicos e tenho apenas um no qual confio meus carros. Deixar seu carro nas mãos desse profissional é algo delicado, uma vez que em nossos carros estamos nos deslocando diariamente pelo trânsito. Quem está encarregado de prestar o serviço de manutenção em um veículo deve ter qualificação e experiência, muitas vidas são perdidas no trânsito anualmente por falhas mecânicas, então o tema é bastante sério.

Sério também é o prejuízo que uma manutenção realizada de forma incorreta ou incompleta pode trazer ao proprietário. Especificamente a respeito de correia dentada, o rompimento poderá ocasionar, na maioria dos casos, prejuízos de valores superiores a R$ 1.000,00. Falando ainda sobre casos mais específicos como o do Marea e seu motor Fivetech de cinco cilindros e 20 válvulas, ou um General Motors de 16 válvulas, a coisa fica ainda muito pior.

Para o profissional que realiza a substituição da correia dentada, fica o dever de alertar ao cliente sobre a conveniência da substituição do rolamento tensionador. Assim, o profissional está fazendo o seu papel de informar ao cliente que, ainda que o componente esteja, supostamente, em bom estado, evitar manutenções corretivas sempre é mais barato.

A ABNT

A Associação Brasileira de Normas Técnicas, segundo o Wikipédia:

“A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o órgão responsável pela normalização técnica no Brasil, fornecendo a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro. Trata-se de uma entidade privada e sem fins lucrativos e de utilidade pública, fundada em 1940.”

Este é o órgão responsável pela Norma Técnica em questão que em determinado item recomenda a substituição de todos os componentes, independente da condição, como rolamentos esticadores, a cada substituição de correia dentada.

Muitos poderão dizer da participação indireta de empresas interessadas em aumentar vendas com a substituição como regra, é uma possibilidade, mas o meu foco é outro: Será que a ABNT só tem um viés? Acho que não.

Em mecânica de automóveis, vários componentes podem ser submetidos a testes próprios, outros possuem parâmetros que permitem uma análise técnica para se afirmar se um componente possui ou não condições de cumprir seu papel mecânico. Não é o caso de um rolamento de correia.

Tudo o que vi até hoje, é retirar o rolamento do veículo e analisá-lo na mão, girando-o em velocidade muito inferior à realidade do componente, para verificar ruídos ou vibrações. É muito subjetivo e impreciso, não há como confiar nesse teste, principalmente se levamos em consideração a importância do bom funcionamento da peça.

Alguns engenheiros e jornalistas

Boris Feldman e Bob Sharp, dois caras que admiro muito, principalmente o Bob, são contra a substituição do rolamento, e classificam a prática como picaretagem ou “empurraterapia”. Eu simplesmente acho difícil generalizar.

Argumentam, principalmente, sobre a venda casada de componentes e má conduta dos mecânicos. No entanto, me parece ser mais sensato ouvir a opinião de mecânicos que estão diariamente trabalhando “com a mão na massa”, presenciando diversas situações que vão além da teoria. É triste quando pessoas com grande conhecimento teórico ignoram a experiência de quem possui prática e vivência e vice-versa.

Conclusões

a) Acredito que o fato de a ABNT recomendar a troca de rolamentos a cada substituição de correia se deve à inexistência de um método eficaz, capaz de garantir a durabilidade de um rolamento até que a correia seja substituída novamente. Portanto, a Norma é genérica.

b) Sabemos que muitos mecânicos hoje em dia atuam como vendedores de peças, já que recebem comissões das casas de peças ou mesmo conseguem comprar diretamente de distribuidores, mesmo comprando no varejo. Em que a prática se diferencia de médicos que fornecem doses de amostra grátis e insistem em receitar remédios “de marca”?

c) A prática de tirar lucro indiretamente como fazem os mecânicos é, em parte, culpa também dos proprietários dos veículos. O mecânico é o último a receber e o também recebe a menor fatia do bolo, é uma profissão pouco valorizada onde o que decide a escolha, quase sempre, é o menor preço.

d) Generalizar é sempre perigoso.

Texto de Raphael Hagi





Se você não está vendo os comentários, desabilite extensões do tipo Adblock (que impedem a exibição dos comentários), ou adicione nosso site como exceção.