Home Asiáticos Direto do Japão: O (ex) carro mais barato do Japão – Mitsubishi...

mitsubishi-minica-1

“Japão,terra dos veículos ecológicos e de míticos esportivos com a mais alta tecnologia embarcada, carros com toda a variedade de equipamentos de convniência e segurança ” – Muitos pensam dessa maneira, acham só rodam carros deste tipo e nem imaginam que existem modelos quase tão pelados quanto um carro popular brasileiro. Terra de contrastes automotivos, o mercado japonês também tem os seus “Fiat Mille ” – veículos baratos e depenados que não tem nenhum compromisso com os modismos de hoje em dia.Suas funções são apenas o de transportar pessoas e objetos com economia e um mínimo de conforto e segurança,o restante é supérfluo.

Os Kei van são modelos bastante despojados e usufruem dos benefícios fiscais que os veículos utilitários tem (como o imposto anual mais barato, 77 reais no caso dos kei van). Podem ser monovolumes ou pequenos hatches. Mas hoje vou apresentar o automóvel que mais possuiu semelhanças (pelo menos em conceito)com o carro ítalo-brasileiro e também foi o mais barato (até o último dia 30 de junho, data em que saiu de linha e que coincidentemente este texto estava sendo escrito) comercializado no Japão – 583.000 ienes ou 11.250 reais… O Mitsubishi Minica – abreviação de mini carro em japonês (mini kaa).

Um dos últimos remanescentes da primeira geração de carros que foram lançados com o novo tamanho regulamentar dos kei cars em 1998,o Minica foi comercializado com várias versões de acabamento – inclusive uma minivan com o nome de Toppo,,que morreu em 2003 e voltou ao mercado em 2008.Entretanto, o tempo foi passando, outros modelos da marca foram canibalizando as suas vendas (como o EK Wagon) e seus rivais evoluíram.

mitsubishi-minica-11

Com o dinheiro em caixa curto para realizar grandes modificações em seu carro de entrada – pois como o grande recall de 2001 no Japão e o desenvolvimento de novos modelos para tentar reerguer a marca (Lancer,Colt e i) demandaram bastante investimento,o pequenino Mitsubishi parou no tempo e foi praticamente abandonado pela empresa.

Entrar no Minica é como voltar nos anos 90. Exatamente igual nos 12 anos de produção – a última versão que existiu foi a de carga, o modelo apresenta um acabamento espartano com apenas 1 para-sol, plásticos duros no painel e nos revestimentos das portas. Instrumentos apenas com o essencial – porém com um útil termômetro, algo raro nos keijidousha de hoje em dia.

A alavanca do câmbio é espetada no assoalho e o volante é duro que nem o de um Gol CL 1991. Os bancos dianteiros são de encosto alto e o banco traseiro… Bem, se é que pode se chamar aquilo de banco pois até bebês ficariam espremidos ali… Mas o fato é que no Japão um utilitário obrigatoriamente deve ter este
tipo de assento traseiro (ou não ter nenhum), para uso apenas quando necessário, ocupar um espaço menor quando levantado e permitir um piso plano quando em desuso, para favorecer a acomodação dos objetos. Obviamente, o porta-malas é até generoso.

mitsubishi-minica-22

Na carroceria de 3 portas,esqueça o trio elétrico (R$809),limpador e lavador do vidro traseiro (R$263), som (R$363), ABS e airbag (R$1.820), tudo era opcional – na versão de 5 portas (R$14.480,00) apenas o ABS e o CD player eram pagos a parte. Contudo, ar condicionado e direção com assistência elétrica sempre foram de série em todas as versões. Apesar de ter sido um projeto antigo para os padrões japoneses, o Minica aparentemente foi um carro seguro.

O Toppo, que é basicamente o mesmo veículo mas com o teto mais alto, ganhou 4 estrelas no teste do JNCAP, um
numero muito bom para um projeto do século passado. O baixo peso de 680 kg ajuda o antigo motor de 3 cilindros e 50 cv a ter um desempenho satisfatório (com câmbio manual, pois o automático de 3 marchas é lento), apropriado ao seu uso. Mas os pneus 145/80R12 desencorajam qualquer abuso.

Apesar do preço baixo,suas vendas nos últimos anos tinham sido fracas.Apenas frotistas ou senhores de idade que queriam um carro básico (apenas para não pegar chuva e frio)e barato de manter foram os seus clientes, além disso, o Minica sofreu com a concorrência interna do Minicab (tipo towner), de utilidade muito maior e pouca coisa mais caro.

mitsubishi-minica-33

Ele foi o contraste dentro da marca entre o mais antigo dos kei cars e o mais moderno da categoria, o iMIEV – embora poucos saibam, o Minica também foi um exemplo de economia e ecologia. Querendo mostrar a avançada tecnologia da empresa, no início do ano 2000 a Mitsubishi fabricou 50 unidades do Pistachio, um Minica de
1.100 cm ³ que tinha muitos detalhes que hoje em dia são comuns como sistema start-stop, injeção direta de combustível, componentes em alumínio e vidros mais leves. Atingia 30 km/l, um número revolucionário para a época.

Depois de 49 anos e 8 gerações o Minica vai embora da mesma forma que foi apresentado aos japoneses, simples e racional, mas por causa das vendas escassas acabou sendo esquecido pela marca. É um triste mas necessário fim para um carro que ajudou a motorizar o Japão. Agora o título de carro mais barato do país fica com o bem mais moderno Daihatsu Mira van, que custa 670.000 ienes (R$12.900,00).

Ficha técnica – Mitsubishi Minica Lyra 3 portas

Dimensões e capacidades

carroceria Hachback/3 portas/4 passageiros
comprimento/largura/altura: 3,40/1,48/1,51m
entre-eixos: 2,34m
peso: 680 kg (relação peso/potência 13,6 kg/cv)
tanque de combustível: 30 litros, gasolina comum
velocidade máxima: 140km/h
aceleração de 0 a 100 km/h: 19s
consumo médio: 23,5 km/l (norma 10-15 mode), 21,4 km/l (norma JC08)

Motor:

tipo 3G83, 657 cm ³, dianteiro, transversal, 3 cilindros, OHC 12V
diâmetro e curso: 65,0 x 66,0 mm
taxa de compressão: 10.2
potência: 50 cv a 6.500 rpm (potência específica 76,1 cv/litro)
torque: 6,3 kgfm a 4.000 rpm

Transmissão:

manual de 5 marchas, tração dianteira.
relações de marcha frente 1 ª :3.538,2 ª :2.052,3 ª :1.393,4 ª :0.970,5 ª :0.810/ré 3.500/
diferencial: 5.200
câmbio automático de 3 marchas (R$2.080) e 4WD (R$3.510) também disponíveis.

Direção:

tipo pinhão e cremalheira com assistência elétrica, 4,4 m de diâmetro de curva.

Suspensões:

Mc Pherson (D), braço arrastado (T)

Freios:

disco sólido (D)/tambor (T)

Rodas e pneus:

aço estampado/145/80R12

Notas no crash test JNCAP*–proteção para motorista/passageiro: 4/4 estrelas (de 6 possíveis)
*notas referentes ao Toppo, que usa a mesma plataforma.

Por João Paulo Vizioli.



  • Vin_T

    Os japoneses tb têm seus "Milles" da vida…a diferença é que o preço cobrado é tão ridículo qto o próprio carro.

    • Hodney

      E ainda de série vem: AC e Direção Elétrica Assistida. Enquanto o Mille de maior só no preço em dobro.

      brasil – Aterro Ocidental.

    • W_Santos

      E se analizar bem, é melhor que o mille……Direção eletrica e AR de série, maior preocupação com a segurança, projeto mais recente e não tem lata na porta!

      • http://www.twitter.com/edsonfern Edson Roberto

        E o mais importante: 4 Estrelas no JNCAP!

  • rajkoothra

    Carrinho de golf…..

  • MarcosMV

    Mas mesmo assim ainda é muito melhor que o nosso Mille.

    • http://www.historias-de-minha-vida.blogspot.com/ olhandoalua

      Os "Mille" no Japão tem até ABS e airbag… 4 estrelas de segurança… É um carro feito para ser barato e para trabalhar, mesmo assim é muito superior ao Mille, talvez porque os japoneses cobrem por segurança e qualidade até mesmo dos “Mille”…

    • DougSampaNA

      "no início do ano 2000 a Mitsubishi fabricou 50 unidades do Pistachio, um Minica de
      1.100 cm ³ que tinha muitos detalhes que hoje em dia são comuns como sistema start-stop, injeção direta de combustível, componentes em alumínio e vidros mais leves. Atingia 30 km/l, um número revolucionário para a época."

      Esta parte e' a mais interessante!!! E aqui nem temos carro nacional com injecao direta; que diferenca no nivel do carro brasileiro e o japones!!
      Meu Fit 1.35 cvt faz 12/12,5 km/l gasolina na cidade, nem sombra deste escrito na materia, e eu ja' acho excelente, imagina se o meu carro tivesse injecao direta, faria 15 km/l na cidade? E na estrada uns 22?
      Doce sonho termos economia no brasil…pais ordinario o nosso mesmo!

      • João Paulo Vizioli

        Só mais uma curiosidade (e para aumentar a sua revolta)…

        O Minica foi um dos primeiros (se não for o 1º) carros do mundo a utilizar um cabeçote de 5 válvulas por cilindro, em 1989, usado no motor 3G81 de 550 cm³ (na época esta era a cilndrada padrão, passando a 660 cm³ em 1990), 3 cilindros com turbo da versão Dangan ZZ (64 cv a 7.500 rpm/7,5 kgfm a 4.500 rpm).

        Depois esse artifício foi estendido a praticamente toda a linha kei da marca, inclusive nos motores 4 cilindros (4A30). Porém, por questões de custo este sistema foi abolido dos motores de 660 cm³ da Mitsubishi em 2002.

        • lndnfsu2

          e o detalhe, era carro popular!

          aqui no Brasil é raro ver carros medios com esses items… imagina populares…

  • MattOKiller

    Essas grades da Mitsubishi é linda, mesmo em popular

    • rafa_marcao

      Bem acabado o desenho. Harmônico!

  • italofigueiroa

    Triste de feio, mas melhor que um Nano!

    • Hodney

      E o Mille, alegre de belo.

      • italofigueiroa

        Mais bonito que essa bomba ai, na minha opinião!

        • http://www.twitter.com/edsonfern Edson Roberto

          Porém inferior ao carro da noticia.

          • italofigueiroa

            Pode até ser, mas o carro da notícia não vende aqui, então não dá pra comparar… E continua sendo feio, na minha opinião, claro. Fico com o Mille ainda.

  • PauloFavaro

    Aqui seria vendido por como "Sub-Compacto Premium".

  • tiards

    Melhor que o CHINES QQ e Mille juntos.

    Achei bonitinho!

  • marcio233

    Eu o compraria para o fim a que se propõe. Um carro destes para a cidade e outro para os fins de semana é legal. Sugestão: que estes "segundos-carros" sejam elétricos para nã poluir ainda mais os centros urbanos.

    • Hodney

      Mas para aumentar o custo de manutenção não é? Chega dessa esquizofrenia ambiental no mundo!

      • http://www.twitter.com/edsonfern Edson Roberto

        Desculpe, mas o preço de manutenção de um key car atual e um carro como este não é tão maior assim. Comprar esse carro é ser um brasileiro mesmo. Pois para os japoneses não faz omenor sentido.

        • Hodney

          A questão sobre minha resposta é que a preocupação em ter um carro elétrico é só exclusivamente "pensando" na questão ambiental. Se eu tivesse um carro elétrico pensaria mesmo era no meu bolso mas, a manutenção de tal veículo não deve ser mais barata que um modelo a gasolina.

      • marcio233

        Olha, eu trabalho com máquinas e motores industriais e pelo que sei de veículos elétricos, o maior desgaste é da bateria, a qual os engenheiros já estão atentos e testam vários materiais e conseguiram vários avanços. Um motor elétrico tem a durabilidade bem superior ao de combustão, portanto não precisa se preocupar tanto com este fato.
        Outro motivo para que nã lançaram ainda mais carros elétrios é o Lobby do petróleo – enquanto tiver petróleo e seus derivados no mundo, vai ser a commodite da vez. Até geração de energia depende do petróleo.
        Um bom exemplo de carros elétricos duráveis são os carrinhos multifunção, como os da jacto. Se redimensionarem para uma maior velocidade média e adequá-lo às normas de segurança, seria uma excelente opção para uso urbano, com vantagens como tamanho menor, consumo menor e poluição zero.

      • Tripa-Seca

        Ambiental? Ir trabalhar o mês inteiro gastando cerca de 16 reais? Proteger o mundo fica até secundário nesse contexto!

  • KamatsuKyoto

    Teria uma fácil.

  • GAbRieLGUIMA

    Tive um Daihatsu Charade TS 1994 hatch 3 portas, 1.0 3 clindros, carburado com ignição eletronica. Lembra esse carrinho mas com desenho mais antigo. Só tinha ar condicionado e pintura metálica. Fazia 20km/l, andava muito mais que qualquer 1000 na época e nunca quebrou em mais de 120.000 km quando vendemos. A dirigiblidade, o cambio e a estabilidade eram surpreendentes! Um dos carros que mais tenho saudade.

    • http://www.twitter.com/edsonfern Edson Roberto

      Esse carro alias, tinha um espaço interno interessante. O que matava era apenas o porta malas (mas dai não se pode fazer nada).

  • Y07

    Esse motor é ótimo.

    Ele tem a potência de um GOL Plus 1000i 1995, sendo 0.6 12v.
    Seu desempenho é similar ao de um Palio Fire 2002.

    E seu consumo, bem, este se iguala a uma moto.

    Detalhe, requinte ele não tem nenhum, porém vem com ar-condicionado. E parece estar no mesmo nível do Chery QQ, quando o assunto é plataforma.

    • André/Pira

      Concordo em tudo, menos no consumo. No Brasil o combustível além de ser batizado com 24% de álcool, é um combustível de péssima qualidade, fora os solventes da vida que muitos postos colocam! Na verdade no Brasil os carros fazem milagre de andar com essa água de batata e fazerem 18Km/l, como o Mille Fire 2004 que a empresa onde trabalho teve fazia!

    • http://www.twitter.com/edsonfern Edson Roberto

      Discordo, pegamos exemplos como o Daihatsu Charade e Subaru Vivio. Esses perto dos motores de 2002 sofriam sim. O diferencial dos modelso sempre foi a economia que sempre ocorreu.

      Mas dizer que tinha desempenho de Palio Fire 2002 é mto. Não digo de potencia, mas o desempenho na pratica. Mas quem compra um carro desse porte espera jusamente uma solução da cidade com pouca potencia, mas suficiente para sair e chegar em casa com conforto e economia (infelizmente nao podemos citar baixa manutenção pois aqui eram importados com manutenção bem alta)

  • jerson_naval

    digno de ser um brasileiro disfarçado de japonês…

  • GabrielDavid

    Agora sinto que o antigo Mille que eu andava e luxuoso ao lado do Minica.

  • PauloFavaro

    A diferença é que lá foi feito para ser barato e é…já por aqui…

    • http://www.twitter.com/edsonfern Edson Roberto

      Aqui eles também foram produzidos para serem baratos… para a produção da montadora e não para o consumidor.

  • BolGola

    Por que ele saiu de linha na semana passada? Não entendi. Será que vão lançar um substituto para ele? Parafraseando o zegraça: esse carrinho é miiiiiitico!!!

    Acho que vai ser difícil a Daihatsu fazer um carro tão barato de produzir e de vender heim!!

    • João Paulo Vizioli

      Saiu de linha pq vendia muito pouco, seu nicho de mercado é muito restrito e Kei cars mais espaçosos acabam roubando suas vendas.

      Além disso, seus concorrentes (Daihatsu Mira e Suzuki Alto van) oferecem projetos modernos (2007 e 2009 respectivamente) com mais itens de conveniência por pouca coisa a mais (tanto que se somarmos o preço do Minica com todos os opcionais ele sai mais caro que os rivais, que oferecem quase a mesma coisa de série).

      Acho difícil lançarem algum substituto legitimo da Mitsubishi (apesar da marca ter anunciado esta semana uma nova empresa em conjunto com a Nissan para projetar e produzir Kei cars – a NMKV), o que pode – e é mais fácil de ocorrer é ser lançado o Suzuki Alto com o emblema da marca dos três diamantes. Assim como hoje é feito com o Suzuki Solio, que é vendido pela Mitsubishi como Delica D:2.

      • BolGola

        Desculpa pela confusão da marca. Chemei o Minica de Daihatsu hehehe… é que a Daihatsu está gravada no meu consciente como uma fabricante exclusiva de Kei cars hehehehehe…

        Então, desde há uns 5 anos atrás, quando comecei a ver fotos de Kei cars no Japão, confesso que comecei a me apaixonar por eles. Sei lá, eles tem um jeitinho de gente e não de carro, sabe? Tipo aquele sentimento que no Brasil só o Fusca conseguiu passar.

        Quanto ás marcas, minha favorita sempre foi a Suzuki e desde o Gran Turismo 2 eu tenho um carinho especial pelo Wagon-R : )

        Além disso, odeio esses lances de fabricantes se unirem para fazer um carro. Só o comprador tem a perder pois perde OPÇÃO nesse mar de automóveis que povoa o mundo…

        E obrigado por sua resposta sempre cheia de conteúdo.

        Um abraço, amigo!!

        • João Paulo Vizioli

          Eu sei do que vc está falando… Eles tem um jeitinho especial… Saiba que tbm sou um admirador deles, eles tem uma aparência frágil, mas poucos sabem como eles trabalham e são resistentes… Meu trabalho não é nada sem eles, entrando em ruelas apertadas, me dando espaço para carregar minhas coisas e o melhor de tudo, com baixo custo operacional. Não dou, vendo nem troco meus Kei cars por nada!

          Infelizmente é o custo e o lucro que mandam na industria mundial, e esse também foi um dos motivos do fim do Minica. Os outros modelos kei da Mitsubishi (com exceção do Toppo) são vendidos também pela Nissan, como o Otti (EK Wagon), Kix (Pajero Mini) e Clipper (Town Box/Minicab) além do i/iMIEV, que é comercializado na Europa pela Peugeot/Citroen. Isso ajuda a diminuir o custo de produção e aumentar o lucro. Como apenas o Minica foi e o Toppo ainda é comercializado somente pela Mitsubishi, e as vendas foram fracas, nem compensa manter o carro em produção. É melhor para a empresa comercializar um projeto já pronto e apenas trocar o emblema do que começar do zero. Perde-se a identidade da marca, mas a lucratividade é bem maior. E é isso que move o mundo corporativo não é mesmo? (infelizmente para quem adora a particularidade de cada marca e carro…)

          Obrigado e abraços!

  • MattTr00

    quem é fanático por automóveis vai concordar comigo: esse carrinho é a cara do Eclipse!!

  • ccn1410

    Gostei das rodas. O simples, também é belo.

  • jersaosp

    Agora dá pra ver onde a VW se inspirou pra lançar o painel do fox g1/gol g4/parati g4/saveiro g4… igualzinho!

  • Maxtremus

    Se a Mitsubishi trouxesse ele pra cá seria vendido com "compacto premium" na mesma faixa de preço do Honda Fit

  • FordCorcel

    Mais um exemplo da panacéia que vivemos aqui: consegue ser um projeto ainda mais moderno que o Mille (não chego a classificar como melhor, mas mais recente), preço baixo e IPVA baixo: e isto porque o Japão tem uma mão de obra cara, impensável comparar com a brasileira, e tem impostos, não são tão altos, mas tem, não são também os mais baixos do mundo, e somando-se a cara mão de obra, temos mais uma vez que somos uns bestalhões.

    • http://www.twitter.com/edsonfern Edson Roberto

      Que mille? Vamos ainda piorar a situação? A plataforma é mais segura que os compactos "nacionais" atuais!!! Tem 4 Estrelas!!!

      Ta certo, ele perde em acabamento (não em montagem, mas em ser espartano), mas dá baile até em carros atuais em segurança!!! E principalmente em consumo! imbativel!

  • lucasfs87

    soluções descaradamente despojadas, comobanco traseiro, ar cond. da autolatina, para sól unico, mas o preço dele em momento nenhum sai desta realidade. Um desses aqui no Brasil ia ser usado pra por umas rodas aro 15, pneu 195.. insulfilm G5, e um monte de idiotas andando nele…

    • http://www.twitter.com/edsonfern Edson Roberto

      Se ele viesse seguro com Air Bag e ABS nem ligaria de ver "os manos" por ai. Desde que eu tivesse o meu com preço justo para rodar na cidade.

  • Vateau

    Ele tem muita coisa da nossa L200 Outdoor. Principalmente a semelhança no painel!

  • yuricalmon

    Já que teve sua produção interrompida lá, a Mitisubishi poderia transferir o ferramental da carroceria para o Brasil e montá-la aqui com um motor elétrico, e finalmente teriamos um bom automóvel urbano: sem barulho, sem poluição, ocupando menos espaço no trânsito e nos estacionamentos!!!

  • rafthehay

    Na traseira dá pra ver um típico detalhe de carros de baixo custo: substituir os emblemas do nome do carro por adesivos simples. Só que nesse caso, até mesmo o diamante da Mitsubishi é adesivado. Uma verdadeira viagem aos anos 90, esse carro!

  • evotremex

    muito melhor q aquela lata velha do mille

  • Galvão

    É té estranho ver o Logotipo da Mitsubishi nesse carrinho feio…
    Estamos acostumados a ver os graandes esportivos e utilitários…

  • davi_auto

    Depois de ler essas matérias do Vizioli dá um vontade de quero mais,rs

    Achei bem melhor que o Mille, e como é legal conhecer esses carros do Japão, que muitos acham feios mais acho bonitos alguns!

  • Diggo

    "que custa 670.000 ienes (R$12.900,00)."

    Vai tomar banho…

  • yuricalmon

    Logo logo ele reaparece na China, maquiado,mais equipado e mais barato !!!!! Alguém duvida ???

  • RafaelPimenta

    aposto que no japao tem algum desse Xunado. kkkkkk imagina se trocar a roda desse carro? ele vai ficar bem bonitinho. e é bem melhor que os nossos carros. eu ainda achei ele mais bonitinho que o Fiesta daqui. kkkk

  • http://www.noticiasautomotivas.com.br Roxmmp

    Carrinho muito legal, esse é o verdadeiro meio de transporte.