Dodge México Sedãs

Dodge Neon: Fiat Tipo Sedan é confirmado no México

dodge neon mexico

A FCA confirmou que o Fiat Tipo Sedan será vendido no México como Dodge Neon, nome de um modelo anterior da marca americana, que chegou a ser importado para o Brasil nos anos 90. O sedã será feito na Turquia, de onde estão saindo as demais versões do modelo.

Por enquanto, apenas o sedã foi confirmado para o México, enquanto as versões hatch e perua do Fiat Tipo continuam sendo exclusivas da Europa. Da Turquia para o México já segue o Doblò europeu sob o nome de RAM ProMaster City. A motorização deve ser centrada no motor 1.6 E.torQ de 110 cv com opção automática.





  • automotivo

    E-torq 1. 6 110cv, não é só no Brasil, para os de complexo de vira-latas de plantão.

    • V12 for life

      O Renegade tem esse motor na Europa.

      • automotivo

        Pois é. Tá ficando até chato ler os comentários nos vários blogues/sites automotivos. Parece que todo mundo anda de Ferrari ou só são hatets mesmo e não trazem nenhuma Boa informação.

        • th!nk.t4nk

          O BMW Mini usava esse motor. É ultrapassado, mas longe de ser ruim como alguns pintam. Pra mim o problema dele é o consumo.

    • pedro rt

      esse motor e.torq 1.6 vai sair de linha no brasil e vamos ter somente o 1.8 e.torq evo de 139cv ano q vem

      • Artur

        Sim, o 1.4 GSE vai tomar o seu lugar.

    • Artur

      E aqui ainda tem um pouco mais de potência e torque. Rsrs

    • Blessa

      Só tem milionário no Brasil, todos andam de Mercedes, BMW, Audi, Porsche e por ai vai, todos precisam de carros com motores de no mínimo 150cv menos que isso não tem como andar em nosso asfalto perfeito e outra não temos limites de velocidade ridículos as ruas são todas liberadas para andar sem limites, por isso o povo acha ruim um E-torq 1.6 ou 1.8, ” AQUI É BRASIL MANO “

  • HiperBrasill

    Tendo em vista a atual realidade de preços dos sedans médios, está aí uma boa oportunidade de a Fiat colocar o Tipo para brigar em preços com o Cobalt, City e New Fiesta sedan, numa tentativa de ter um carro bem equipado e mais barato que os novos e maiores sedans médios.

    • pedro rt

      o Tipo nao vem mas o santana chega ano q vem

    • Matthew

      Mas a estratégia é justamente essa. Focar nos segmentos onde ela é forte e deixar de lado nos que ela só leva pau, como o de sedãs médios. Desde o Tempra que nenhum sedã da marca emplaca. Já nesses nichos de carros utilitários e aventureiros a Fiat sempre se deu bem. A Strada é líder de vendas e foi ela quem inaugurou a moda dos pseudo aventureiros aqui no país. O Renegade briga de igual pra igual com o HR-V, enquanto o lançamento da Toro teve muito mais repercussão que o da Oroch. Já o Linea não faz nem cócegas no City, que é outro carro fraco que custa os olhos da cara.

      • Canal do Rugani

        “Tempra que nenhum sedã da marca emplaca”. Marea

      • Canal do Rugani

        “Tempra que nenhum sedã da marca emplaca” Ela faz sucesso onde investe (e olhe lá). Não da pra falar que ela não emplaca, oq pode-se se dizer é que ela não quer emplacar, visto que, colocar o Línea por tanto tempo pra brigar com os médios é jogo sujo.

      • Ric53

        Até onde sei o Tipo não é sedã médio e sim do segmento do City, Cobalt..

        • Matthew

          Em que momento do texto eu falo que o Tipo é do segmento de médios? Disse que o Linea não consegue competir com o Honda City, que ao meu ver é tão abaixo dos médios quanto o carro da Fiat, além de custar os olhos da cara. Mas como é Honda, tudo bem, ninguém fala nada. Aliás, na última edição dos “Eleitos” da Quatro Rodas ela mesma colocou o City na categoria dos médios.

          • Ric53

            Tem razão Matthew, interpretei mal. E a Quatro Rodas pra variar prestando um ótimo serviço para as montadoras, é tudo pauta paga!!

    • Airplane

      Concordo. Este sedã não tem chance alguma contra Corolla, Civic, Cruze e Jetta.
      Se vier para o BRhue deve concorrer contra City, Cobalt e companhia.
      O sedã não deveria usar a denomonação Tipo, que remete ao hatch que micou por aqui devido aos incêndios.
      Uma boa opção seria importá-lo de início do México para avaliar sus receptividade aqui.

  • Silvio Valentim

    Se ele viesse como um jeep seria algo surpreendente,interessante e inovador da marca , afinal.. qualquer coisa q leve o nome fiat é sinônimo de baixo custo e fragilidade. E no final das contas o brasileiro leva mais em consideração a marca do que o próprio carro em si, já que o próprio renegade usa motor da Fiat mas ainda é um jeep.

    • Romualdo Vieira

      Jeep é uma segmentação da FCA que produz utilitarios esportivos. Logo poderia vir como dodge e não Jeep.

      • Silvio Valentim

        Sim, eu pensei de forma hipotética, entendo sua segmentação. Mas hoje o mercado sobrevive de novidades, o brasileiro gosta de coisa nova, a imagem da Fiat está muito desgastada e atrelada a produtos que não convencem. O bravo e o linea estão aí pra comprovar, mesmo sendo produtos razoáveis nunca foram unanimidade. Se eles quiserem trazer um sedan médio, infelizmente não terão sucesso, não por causa do produto e sim da logo que carrega.

        • Pedro Rocha

          Razoáveis se comparados apenas aos concorrentes com câmbio manual, já que nunca tiveram câmbio automático de verdade e por isso praticamente desapareceram.

    • Paulo Albuquerque

      Acho que a Fiat TORO não concorda com vc não eim,acho que esse lance de Fiat ser taxado como baixo custo e muito relativo e só a empresa trabalhar direito no carro que consegue vender.

      • th!nk.t4nk

        Freemont só caiu nas vendas porque a FIAT aumentou demais o preço. Por um tempo teve vendas bem fortes, provando que o povo não é tão preconceituoso com a marca como se imaginava. O problema da FIAT é a falta de visão em lançarem produtos mais caros com melhor mira no mercado, mas aparentemente isso está mudando com a Toro. Lembrem-se do caso da GM, que tentou forçar o Astra hatch (Vectra GT) e foi um fracasso, por causa da faixa de preço/segmento em que tentaram encaixá-lo. É exatamente o que aconteceu com o FIAT Linea também. Uma mera questão de má inserção no mercado, e não de falta de qualidade dos carros em si.

        • Paulo Albuquerque

          Pois é cara eu mesmo ate acho o freemont uma opção se analisarmos uns demônios que estão no mercado(é de vcs que eu falo ASX/IX35)mas ela parece que não tem perspectiva de mercado,o linea não e um produto ruim mas pera la,concorrer no seguimento mais cobiçado,não rola neh,o próprio bravo tem um ótimo acabamento e um belo carro,mas nao parece que ela quer vender ele,vc não vê ela trabalhando em cima das qualidades do produto,fica difícil,no mais acho que ela vai mudar as estratégias pra frente.

      • Silvio Valentim

        Amigo, Fiat Toro foi lançado agora e ainda não podemos analisar suas vendas depois de 2 meses. Mas acredito e torço que seja um sucesso. Mas é um produto que pegou muitas das qualidades do renegade, e isso é um ponto muito positivo. Agora a questão é que a própria Fiat se especializou em vender carros populares e parece não ter muita ideia dos consumidores mais exigentes que estão a procura de um sedan médio.

        • Paulo Albuquerque

          Não entendi o seu ponto de vista,pq se analisarmos o próprio Renegade iniciou as vendas bem mornas,ja ate começaram o burburinho de que seria mico,e depois deslanchou,o rival dele Hr-V iniciou-se como lider e briga ate hoje pela liderança,esse lance de primeiro mês não e algo a ser levado a serio.mas se analisarmos a critica positiva que o mercado teve sobre a Toro eu diria que vai ser sim um grande sucesso.

          • Silvio Valentim

            Sinceramente eu procurei mas por falta de tempo não achei os valores do início das vendas do renegade, mas realmente ele foi massacrado por muitas pessoas, inclusive daqui. Mas é justamente por esse motivo eu não levo em consideração os primeiros meses para saber se um produto vai vingar. O consumidor brasileiro é levado a modismo e não é fiel a um segmento. Aonde estiver bombando, pode ter certeza que o brasileiro vai estar lá.

        • Sabatino

          Qualidades da Jeep? O Renegate è un Fiat 500X.

    • Andres Francisco

      “qualquer coisa q leve o nome fiat é sinônimo de baixo custo e fragilidade”…….. Há controvérsias. A Fiat Toro tá aí pra comprovar que a Fiat pode oferecer produtos de qualidade se ela realmente quiser investir nisso.

      • Andres Francisco

        Aliás, a Fiat oferece alguns bons produtos aqui. O Fiat Bravo, por exemplo, é um carro bonito e com excelente acabamento interno. O problema dele está no motor 1.8, subdimensionado pro peso dele, e no câmbio Dualogic (Ironicamente, a Fiat tem um AT6 convencional disponível, porém o deixa exclusivo para 500 e Toro).

        • Pedro Rocha

          Linea e Bravo estão em fim de vida, por isso a FIAT não vai investir em câmbio AT6 para eles.

          • Andres Francisco

            Pois é. Poderia ter feito isso antes. A vergonha alheia de ambos nos seus segmentos seria bem menor.

        • Silvio Valentim

          Olha, eu compartilho da sua ideia em relação ao Toro. Foi uma boa jogada pegar as qualidades do renegade e inseri-lo na pick-up. Isso foi um ponto positivo que nos mostra que a Fiat quer mudar. Agora falando do Linea ou Bravo que são bons produtos, qual a diferença do Liena para o Cobalt ? Talvez só espaço interno, porque em motorização os dois são bem antigos.
          Já o Bravo sofreu porque quando foi lançado, o segmento de hatches médios já estava começando a cair.

          • Andres Francisco

            Mas é justamente nesses 2 pontos (motor e câmbio), que eu cito no meu comentário como o grande problema deles não engrenarem no mercado. Um motor 1.8 subdimensionado em relação aos concorrentes e um câmbio pro qual muita gente “olha atravessado” e rejeita de cara. Em termos de conforto e acabamento interno, eles são muito bons, mas qd vc vai pra parte mecânica que o bicho pega.

      • Matthew

        Com exceção do Bravo e da Toro, realmente o resto da linha Fiat é só carro compacto de baixo custo e de qualidade duvidosa. Meu amigo tem um Uno Vivace que com menos de um ano de uso já teve de trocar peça da suspensão, a correia de acessórios faz aquele barulho crônico dos Fiats Fire e por aí vai… mas é claro que ela tem capacidade de fazer coisa melhor, como a Toro que você citou, pra não falar dos Marea fivetech do final dos anos 1990.

        • th!nk.t4nk

          Sim, mas você pode dizer o mesmo a respeito de qualquer outra das grandes montadoras nacionais. Só substitua “FIAT” por “GM” ou “VW” no discurso e vai ter o mesmo resultado.

          • Silvio Valentim

            É verdade o que você disse, mas a Fiat não é inovadora, ela somente espera o mercado se ajustar para então tomar atitudes. Ex.: VW trouxe o 1.0 tsi, ford trouxe 1.0 com 3 cilindros e já está por vir o ecoboost, a GM demora a trazer novidades mas tem o sistema onstar que me parece muito interessante, enquanto a Fiat vai lançar o tal de mobi com o mesmo motor 1.0 fire. A Fiat infelizmente é boa em vender carros ‘baratos’ e ‘depenados’ do que vender carros que tenham um valor agregado maior.

            • Andres Francisco

              A Fiat já foi inovadora: Trouxe os 16v pra cá em 1992, lançou um compacto turbinado com o Uno Turbo em 1994, “inventou” a picape compacta em 1978, em 1979 lançou o primeiro carro a alcool.
              O fato é que a Fiat estava numa ‘sonolência crônica’ de uns tempos pra cá, não trazendo nada de novo e só ‘requentando’ modelo antigo com reestilizações, mas já fez muita revolução por aqui.

    • Murilo Soares de O. Filho

      Muitos falam mal da Fiat e nem ao menos tiveram um…Tipo, ou seja lá o nome que tiver aqui, se vier, tem que ter preço bom, o consumidor precisa recuperar a confiança neste segmento…a verdade que a Fiat nunca se empenhou no segmento médio, como ela se empenha em outros segmentos.

      • Silvio Valentim

        Amigo, eu tenho um Fiat Siena. E não é por isso que eu vou ficar falando bem da Fiat, até porque eu não ganho nada com isso. Eu só estou mostrando a minha opinião e é isso que eu pude constatar. Já andei muito em Fiat uno que é um carro frágil, acabamento e mecânica simples e tinha o que o brasileiro gosta, peças baratas, manutenção barata e essa era a sua proposta. Já andei no novo Palio 1.4 ( do meu cunhado ) é uma carro mais arrumadinho e com a mesma manutenção e acabamento simples que permeia toda a linha da Fiat e essa também é a proposta dele. Que por acaso desde que ele comprou 0km vem apresentando barulho no amortecedor onde a própria concessionária diz que é característica do carro ( nem o meu siena que é de 09 faz esse barulho ). Desculpe se eu usei alguma palavra de forma errada, mas a verdade é que a Fiat não inova, só espera a concorrência ditar as regras.

    • Marcello Caetano

      Típico comentário de hater. Próximo!

      • Silvio Valentim

        Amigão, ao invés de você gastar seu tempo com uma resposta tão boba, exponha sua opinião para que possamos dialogar de forma saudável. Aqui ninguém é dono da verdade. Se eu disse algo que você não gostou, eu prefiro que você me fale o seu ponto de vista do que perder meu tempo com essa resposta que não me atinge e não acrescenta em nada.

        • Marcello Caetano

          Hater e insistente…

          • Silvio Valentim

            Meu mundo acabou depois disso.. tenho pena de você.

    • Sabatino

      Mentalidade ridícula de brasileiros. Por isso as montadoras só leva lixo no Brasil.
      Tem o que merecem

      • Silvio Valentim

        Amigo, se você ta com ódio no coração.. não desconte em mim. O que eu escrevi em relação a esse carro vir como jeep, foi apenas suposição. Me desculpe se não fui muito claro. Se você tem a solução para mudar o nosso país, eu estou a disposição para ouvir o que você tem a dizer. E com certeza não vou levar a minha opinião como verdade absoluta.

  • DiMais

    a única possibilidade que vejo pra esse carro chegar no Brasil seria como Dodge ou Chrysler, Fiat não.. e nem com produção local.. aqui vai ser Mobi, Uno, X6H/S, utilitários e derivados.

  • Andres Francisco

    Sinceramente, achei esse Tipo “normal”, não vi nada de tão relevante assim nele, esteticamente falando. Então pra tentar ‘um lugar ao sol’ pro lado de cá, deveria investir em bons motores e um nível de equipamentos acima da concorrência. Se resolver trazê-lo concorrendo no segmento médio, acho mais sensato a FCA lançá-lo como Dodge do que como Fiat.

    • Fernando Bento Chaves Santana

      A proposta do carro é ser um arroz com feijão com bom preço. Na Itália custa 900 euros a mais do que o 500 básico e 500 euros mais caro que o Punto básico. Uma proposta que jamais teremos aqui.

      • th!nk.t4nk

        No Brasil o Tipo começaria em uns 60 mil. Ainda assim seria competitivo. Mas concordo que a FIAT teria de apelar pra algum diferencial pra chamar a atençao, pois o brasileiro é mais emoção do que razão pra escolher carro.

        • Andres Francisco

          E uma marca, digamos assim “queimada” no segmento médio como a Fiat, deveria trazer algo pra impressionar. A Toro, por exemplo, tá fazendo bastante sucesso e tal, mas se ao invés dela a Fiat resolvesse trazer a Fullback, seu “clone” da L200, pra competir diretamente com Hilux e S-10? Pra mim, iria “tomar pau” de ambas.

  • Rafael Trindade

    Lula, Tipo, Santana, Voyage…. Estamos voltando aos anos 80…

    • Pedro Rocha

      “No Brasil é assim: quando um pobre rouba, vai para a cadeia, mas quando um rico rouba, ele vira ministro” (Lula, em 1988)

    • Artur

      Mas o Tipo é dos anos 90! Rsrs

      • Rafael Trindade

        Poutz… ahh… deixa entrar na conta vai :)

  • Augusto Brum

    Gostei muito desse carro, tomara que venha para o Brasil, pois a Fiat agora está em um novo patamar, também por causa da Chrysler/Dodge/Jeep.

  • Augusto Brum

    Esse motor é muito usado porque é de origem Chrysler e BMW, brasileiro só sabe reclamar, alguns reclamam mais do que entendem.

  • Canal do Rugani

    O complicado é que o carro perde a identidade, Neon em um, tipo em outro, sem contar o aegea, parece que a Fiat não quer ser Global mesmo!

    • Artur

      Não deixa de ser global só por mudar o nome. Não vejo mal nenhum nisso.
      Só acho estranho mudar a marca (de Fiat para Dodge). Parece que a Dodge no México tem maior reputação que a Fiat ou algo do gênero.

      • Airplane

        Sem dúvida, a reputação da Dodge é melhor do que a da Fiat no México e também nos EUA, que tem grande influência no mercado mexicano.

      • Canal do Rugani

        Não deixa de ser global pq é vendido em todos os continentes, ok! Más o que eu quero dizer é que perde a referencia, por exemplo. Imagina se o Golf, Corolla e Civic tivessem nomes e marcas diferentes nos mercados que eles são vendidos, será que seriam tão conhecidos como hoje? O Global que me refiro é isso, a Marca ser conhecida em todos os mercados por um produto bom cujo o nome é…

        • Artur

          Entendo sua colocação, mas é relativamente comum um carro ser vendido em outros países com nome diferente. Vide March e Micra, por exemplo.

        • Sabatino

          Corolla praticamente não é vendida na Europa.
          E o Civic só vende o hatch

    • Felipe

      Relaxa! GM, VW, Hyundai, Honda… Várias montadoras fazem isso.

  • The Monster Man

    Dodge Neon x Fiat Tipo, os dois micaram no Brasil, a Fiat poderia trazê-lo com o nome de Italian sob a bandeira Maserati, iria vender aos pobre pelo carro e aos ricos pela marca.

    • th!nk.t4nk

      Tá brincando né? O Tipo foi o carro mais vendido do Brasil, superando o Gol. E mesmo o Neon vendeu bem em sua época sim! Sumiram logo das ruas porque o povo nao fazia manutençao e logo os carros se acabaram.

      • The Monster Man

        O Tipo micou depois que começou a pegar fogo, já o Neon pelo despreparo da rede e pela Chrysler ter abandonado o mercado.

  • Airplane

    Aqui no BRhue é melhor que também não se chame Tipo para não remeter aos incêndios espontâneos que ocorriam com estes veículos da Fiat.

  • Vattt

    Belo carro que poderia ser uma boa oportunidade pra Fiat que vai deixar o consumidor cansado de ver esse carro por fotos assim como o Bravo, e o problema desse carro vir pro Brasil como Fiat, é que o preço vai subir de acordo com a procura, e logo logo vai chegar a ter preço de Honda ou Toyota, dai o comprador vai preferir a tradição dos Japoneses as incertezas dos sedans Fiat.

  • Astolfo

    Esse carro parece ter um perfil de Grand Siena

  • Lorenzo Frigerio

    Affffff!!!! Os Irmãos Dodge estão se revirando na tumba.

    • Felipe

      Relaxa… O antigo Dodge Attittude era vendido no Mexico com os logos da Hyundai e tudo, hahah…



Send this to friend