Home Elétricos Eletrobrás quer produzir baterias de sódio para veículos no Brasil

palio weekend eletrico 620x391 Eletrobrás quer produzir baterias de sódio para veículos no Brasil




A Eletrobrás – holding com capital estatal que controla várias concessionárias de energia estaduais – quer produzir baterias para carros elétricos no país. A empresa quer aproveitar a experiência da Itaipu Binacional para produzir no País baterias de cloreto de sódio (sal), utilizadas nos protótipos da Fiat.

A bateria de sódio é 100% reciclável e tem desempenho semelhante ao dispositivo de lítio, apesar de necessitar de sistema de refrigeração por causa da alta temperatura dos núcleos. A fábrica da Eletrobrás ainda não tem local divulgado e a empresa deve obter a licença de produção da Fiamm, que detém os direitos da fabricante européia Zebra no Brasil.

O programa de carro elétrico da Itaipu continua em 2013 com a produção de 73 exemplares da Fiat Palio Weekend Elétrica. A intenção da Eletrobrás é atender às frotas públicas e privadas, especialmente aos concessionários de energia elétrica.

[Fonte: AB]


  • Tripa-Seca

    O Palio feito pela própria fabricante, 3 vezes mais caro que o feito pelos engenheiros autônomos de Minas Gerais, com bem menos recursos, tema de um post do NA? ok, ok…

    • Edson Roberto

      Tripa, a bem da verdade, é uma resposta ao governo cedendo a vez para os "cana".

      O pessoal até vai criticar dizendo que é parceria com a Fiat e blablabla…. mas na verdade é uma resposta ao governo que ainda está rabo preso com os "interesses" alheios.

  • mottervictor

    Ao invéz de procurarem cabelo em ovo . Deviam isentar os eletricos de impostos , e nao criar mais um (só por ser eletrico ) .
    Os carros eletricos /hibridos são o futuro !
    Em uma exposicao aqui em curitiba , tive o prazer de guiar o renault twizy , que me deixou espantado tamanha forca / aceleracao para um "carrinho" . Sem contar que o custo para rodar com ele é beeeem mais barato

    • JokerCrow

      Essa força/aceleração é por conta do torque que vem instantaneamente. Não é gradual como em um motor à combustão. Até o Nissan Leaf "assusta" pelo tamanho já mostrando a força na primeira pisada.

      Novas tecnologias virão e melhorarão os carros elétricos. Por enquanto são carros de nicho, saberemos como eles se comportarão (os atuais) daqui a 20 ou mais anos. Já que o investimento é bem maior do que em outros anos. O petróleo dominará por um bom tempo (sobretudo a nossa geração), quem saiba daqui há 80 anos seja nem preciso tantos carros (elétrico) rodando nas cidades.

      • Dragoniten

        Acho que não seria "Até" o Nissan Leaf, e sim, PRINCIPALMENTE o Nissan Leaf, rs.
        São 28kgfm, torque de V6.

  • AlexMa

    O setor de desenvolvimento de veículos que utilizem energia alternativa ao petróleo merece investimentos.
    É importante haver várias possibilidades além do petróleo.

  • pablobh2002

    Quero ver o senhor Carlos Gosh falar agora que os carros eletricos ainda estão a 20 anos de serem viáveis no Brasil. Temos potêncial hidroeletrico abundante, no nordeste se instalou o projeto piloto de energia de ondas, agora vamos produzir baterias de sódio (abundante na natureza). Se o Governo der uma ajudinha e cortar ou simplificar os impostos…. não há razão para não termos ao menos hibridos rodando por aqui.

    • AutoIng

      Alumínio também é abundante na natureza (bauxita), no entanto… Tenho dúvidas de que estas baterias de sódio sejam o futuro. O custo aparentemente continua elevado, e imagina você sentado sobre componentes a 300 graus. Agora imagina isso num carro nacional, de baixa qualidade. Pra dar um desastre não precisa muito não.

      • pablobh2002

        Vc quer comparar abundância de bauxita com sódio (água do mar)? Processo de extração da bauxita é N vezes mais caro que obtenção de sal de cozinha.
        Quanto a temperatura elevada….. isso é o de menos. Radiador e ventuinha tira esse calor fácil.
        Se vc imaginar que no motor tradicional a temperatura deve passar dos seus 300 °C….. não acho dificil resolver esse problema nas bateria usando as paredes corta-fogo igual no cofre do motor.

        • blindzector

          cara, eu entendo seu ponto de vista, mas ressalto o q o Autolng falou….

          Nao temos tecnologias para sustentarmos num pais tropical baterias q mais se parecem sois debaixo de nossas bundas ( desculpe o palavriado ) … o Volt q tem bateria de Lithio vira e meche um pega fogo! e tantos outros casos de baterias qe simplesmente pegaram fogo em seus veiculos! como falei, entendo o q vc falou mas aki no Brasil temos temperaturas altissimas, imagine uma bateria dessas no rio a 40º … se por exemplo esqentar demais, o qe acontece? Tem muitos principios q ainda devem ser estudados! Nao sou contra, sou totalmente a favor! Porem, devemos entender q novas tecnologias tedem a ter riscos, e ainda mais se um destes ocorrer em nossa familia? Nunca ninguem para pra pensar assim, imagine vc em SEU carro ELETRICO e acontece algo assim?! Sei la, concordo qe e algo q podemos testar!

          • pablobh2002

            Olha, eu tb intendo seu ponto de vista…. mas acho alegar temperatura ambiente meio duvidoso pra problema de bateria pegar fogo. Se realmente elas trabalharem a 300°C no núcleo….. 40°C ambiente vai tá refrigerando quase tanto quanto 20 ou 25°C ambiente…. se fosse assim, era pros motores de carros no RJ tb derreterem, pois trabalham a temperaturas tão elevadas quanto as baterias vão trabalhar. Porém o uso de radiador e ventoinhas resolvem isso.
            E não precisa imaginar que EUA e Europa possuem temperaturas menores que a nossa….. lá só ocorre maior amplitude! no inverno atinge temperaturas negativas….mas no verão, alcançam os mesmos 35 a 40°C no verão.

            • AutoIng

              Não é pegar qualquer sódio e colocar na bateria. Se fosse simples assim, o custo das baterias de sódio seria absurdamente menor, e não é o que se vê até o momento. Segundo, temperatura é crítico sim, pois se você depende de radiadores e outros sistemas para retirar calor, está adicionando componentes sujeitos a mais problemas. Como o blindzector citou, se até o Volt se mostrou problemático lá nos EUA, com todos os cuidados, imagina num carro brasileiro e operando a temperaturas ainda mais altas. Existe razão pra ficar cético sim, convenhamos.

              • Edson Roberto

                Eu acho que esse estudo precisa ser aprofundado. Pois esse tipo de bateria pelo menos no teste desse mesmo Palio Weekend dura apenas 80km. Considero muito pouco.

                Ainda precisa mostrar para que veio apesar de estarem avançando nessa tecnologia.

  • erickluuh

    Quando a nova geração chegar, SE CHEGAR, a Fiat se junta com uma empresa Brasileira e abrem uma montadora local de carros elétricos, By: UM SONHADOR !!!

  • kohlsgreen

    Não sei como funciona este sistema, mas não seria mais interessante partir logo para o litio?
    Esta história de super aquecer as bateria não soa bem, 600 grau não é pouco.

    O certo era dar incentivos as montadoras e começar dar infraestrutura para a utilização desses autos pela população.
    O que adianta gastar milhões para ter alguns Palios Electricos andando pelas usinas.
    Era só pegar exemplo de outros países e ver o que esta dando certo e aplicar aqui.

  • Diggo

    O interessante dessas basterias é que são completamente recicláveis…

    • AutoIng

      As baterias de lítio também são recicláveis. O custo pra reciclá-las é alto, mas isso é feito já há quase uma década em escala industrial.

  • harfangdneiges

    Bateria de sódio no Brasil? Tem tudo para ter os preços salgados…

    <img src="http://profile.ak.fbcdn.net/hprofile-ak-snc4/373341_186230208141812_705446653_n.jpg&quot; />

    • bigedu1988

      KKKKK! Carro não recomendado para hipertensos

  • http://www.antoniodejulio.com.br Antonio De Julio

    Sal demais faz mal pra saúde… Acabei de voltar do meu cardiologista e levei bronca

  • crm

    Interessante mesmo é ver que o Toyota Prius vai custar "míseros" 150 mil aqui no BR!
    É assim que o governo quer ser um país verde, ou melhor, azulado, com o bolso cheio de notas de 100 – ABSURDO!
    Insenção fiscal era o mínimo que o desenvolvimento e comercialização de "verdes" deveria ter nesse lixo de país sangue-suga!

    • pablobh2002

      pelo site da Toyota EUA, o Prius mais caro (Prius plug-in hybrid) custa US$32.000. x R$2 = R$64.000 Importadores diretos (independentes) alegam que o preço do carro dobra quando entra no Brasil….. então daria R$128.000. É….chegaria nos 130 que a materia fala….. mas não nos 150 (sem lucro). Isso claro trazendo de forma independente…..pagando o lucro da Toyota EUA….os impostos nos EUA…..mais os impostos do Brasil…..

      Agora, se falarmos do Prius C (o mais barato) que custa US$19.000 x R$2 = 38000….. mais 120% de imposto = 83.600 REAIS. Ai sim o lucro do Prius vai ter uma margem muito boa!
      Tá na hora do Brasileiro aprender a fazer importação direta desses carros….

  • BlueGopher

    Será que esta é a função desta empresa estatal?
    Por que ela não se dedica melhor aos objetivos para os quais foi criada, ao invés de inventar outras atividades paralelas?
    Existem inúmeras empresas muito mais capacitadas tecnica e financeiramente para produzir baterias, a um custo muito menor que o de uma estatal.
    Se ela realmente desenvolveu uma tecnologia avançada neste setor (o que duvido muito), que a repasse ou venda para universidades ou empresas do ramo.

    • Castle_Bravo

      É quem tem dinheiro sobrando, a fonte de recursos beira o infinito, então pode dar-se ao luxo de ficar queimando dinheiro público à toa.

  • andre_0102

    Acho que toda a pesquisa é bem vinda, mas vamos combinar que não passa disso, já passou da hora o governo incentivar a produção…
    Infelizmente não temos e não acho que teremos capacidade de propor uma nova tecnologia, então temos que baixar os impostos p/ trazer os fabricantes p/ cá. Tributação Zero pelo menos p/ um tempo é o caminho….