Home Marcas Chery Entrevista com dono de um Chery Tiggo

 Entrevista com dono de um Chery Tiggo




Fernando Caldas, decepcionado com o atendimento da CAOA, foi motivado a adquirir um Chery Tiggo pelo bom custo x benefício. Ele procurou adquirir um EcoSport, mas por não ser vantajoso preferiu ficar com o chinês. Satisfeito com o atendimento da concessionária, ele pretende adquirir também o QQ.

Vamos ao relato:

NA: A quanto tempo você possui esse veículo?
FC: Foi comprado em 06/10/2010. Acabamos de fazer 6 meses com ele.

NA: Qual a quilometragem do seu veículo atual?
FC: Hoje fez exatamente 7.000 km

NA: O que o motivou a aquisição?
FC: O custo x benefício e a garantia de 3 anos. Procuramos um zero kilometro por ser o primeiro carro da minha esposa e a garantia de fábrica era uma das primeiras exigências. Consideramos primeiramente para compra o Tucson, que apesar do preço mais alto é um carro mais conhecido no mercado e oferece 5 anos de garantia mas fomos pessimamente atendidos na CAOA do Ceagesp e isso fez com que saíssemos bastante decepcionados, apesar de termos gostado do carro. Consideramos a Ecosport mas de uma forma geral não agradou. Eu já vinha de um tempo atrás acompanhando as notícias das novidades chinesas no mercado e fomos conhecer o Tiggo. De cara o veículo causou muito boa impressão, inclusive o acabamento com couro (que estava em oferta).

NA: Qual o foi fator predominante para a compra desse carro?
FC: O atendimento da concessionária Golden Motors em Osasco foi nota 10 e a quantidade de equipamentos foram decisivos na compra. Apesar do Tiggo ter 3 anos de garantia, 2 a menos que a Tucson o carro tem os mesmos equipamentos e pagamos cerca de R$15.000,00 a menos. Acabamos descartando a Ecosport justamente pelo custo x benefício e motorização (o Tiggo é 2.0 e a Ecosport na mesma faixa de preço oferecia um motor 1.6)

NA: Quais outros veículos que você já teve?
FC: Foi o primeiro carro da minha esposa e o primeiro SUV da família. Anteriormente tivemos hatchs pequenos e médios ( 1 Citroën C4 que eu uso atualmente, 4 Peugeot 206, Ford Fiesta, VW Gol e Fiat Tempra).

NA: Como você enfrentou o preconceito de adquirir um veículo chinês?
FC: Na família e em casa o apoio foi total. Das pessoas de nosso convívio, todos demonstraram muita curiosidade e se tinham algum preconceito antes de comprarmos o carro, ninguém chegou a demonstrar. Os que não conheciam o carro e a marca, depois de vê-lo também demonstraram muita curiosidade e se tinham preconceito, souberam disfarçar. Só na internet percebemos muito preconceito, ao procurar informações sobre o carro. O pior é que sabemos que muita gente que desdenha, nunca chegou a ver o carro de perto. Talves pelo anonimato que a internet proporciona, as pessoas expressam melhor esse tipo de sentimento.

NA: Qual foi a reação das pessoas ao verem seu veículo (familiares, amigos e as pessoas no trânsito)?
FC: Na rua muita gente para e pergunta sobre o carro. Causa bastante curiosidade (semáforos, postos de gasolina e estacionamentos no geral) e percebemos sempre um ou outro passageiro e motorista no trânsito esticando ou virando o pescoço pra tentar dar uma espiadinha dentro. Dos contatos que tivemos nessas ocasiões nunca percebemos nenhuma demonstração de preconceito só curiosidade mesmo, principalmente com o consumo e barulhos.

NA: Qual a imagem que seu carro passa nas ruas?
FC: Tirando a curiosidade dos que sabem que o modelo é um chinês, creio que no geral ele se mistura bem no trânsito.

NA: Qual o principal tipo de uso do seu veículo?
FC: Uso urbano basicamente: casa, trabalho, mercado, lazer de fim de semana.

NA: O que você achou do espaço interno? O porta-malas é suficiente?
FC: O espaço interno é ótimo. Os passageiros do banco de trás contam com bancos reclináveis e rebatíveis assim como os da frente, permitindo uma boa acomodação para duas pessoas atrás. Um terceiro passageiro no meio já não ficaria confortável se os bancos traseiros estiverem regulados de maneira diferente. O porta malas é realmente muito bom, com 827 litros e ainda há a possibilidade da retirada dos bancos traseiros para aumentar a capacidade.

NA: O ar-condicionado gela bem o interior da cabine?
FC: Gela muito bem e rapidamente. Os passageiros do banco de trás sentem o ar gelando instantes depois do acionamento.

NA: O que você achou da ergonomia?
FC: A posição de dirigir é muito boa. O banco conta com regulagem de altura, o volante somente tem a regulangem de altura assim como os cintos, facilitando muito o posicionamento. A chave de seta e de acionamento dos limpadores estão numa posição adequada e é possivel ver as posições apenas com um desvio do olhar. Comandos do rádio estão numa boa posição, assim como os botões de acionamento dos faróis auxiliares dianteiro e traseiro.
Apenas um porém para o controle dos vidros/trava/retrovisores elétricos na porta do motorista. Para a estatura do brasileiro esses comandos ficam um pouco pra trás e se houver a necessidade de se levar o banco um pouco mais pra frente fica difícil encontrar os comandos sem ter que procurar os botões e sem dobrar o braço para trás.

NA: Qual sua opinião em relação ao desempenho do motor?
FC: O motor 2.0 responde muito bem com torque acima de 3000 RPMs. Mesmo abaixo disso ele tem acelerações boas e transmite segurança quando se precisa de uma arrancada mais esperta. O motor sempre teve um nível de ruído um pouco mais alto do que eu estou acostumado mas o isolamento acústico da cabine é satisfatória. Na estrada tivemos a oportunidade de desenvolver velocidades mais altas que a permitida, chegando a 160km/h onde o carro se mostrou “no chão” e ainda tinha um pouco mais pra “queimar”, o volante não trepidou e não dava a sensação do carro ser muito “mole”.

NA: Os engates da alavanca do câmbio são precisos e macios? Podemos comparar com algum outro veículo?
FC: No início o engate da segunda marcha era problemática. Arranhava muito e o engate era bem duro. O problema foi resolvido na revisão dos 2.500 km. Os engates não são macios, pois o câmbio faz sempre um barulhinho de encaixe e desencaixe que se sente no manche, porém, agora estão precisos e não treme, principalmente depois dessa revisão. Não lembro de ter dirigido um carro com um câmbio parecido. Entendo que seja uma característica dos carros chineses pois o novo JAC J3 também parece ser igual, não é nada que atrapalhe, porém não vai agradar muita gente.

NA: Qual a autonomia cidade/estrada?
FC: Na cidade o último tanque fez 9,7km/L com o Ar condicionado ligado pelo menos 50% do tempo. Na estrada ,em sua primeira viagem ainda com o motor amaciando e dando umas aceleradas (até para conhecer o comportamento do carro) e usando o ar condicionado pelo menos 80% do tempo fez 15 km/L.

NA: Destaque os principais pontos positivos.
FC: Custo/benefício, espaço interno, conforto, acabamento do cofre do motor onde encontrei vários guarda-pós entre os paralamas e o cofre e na parede corta-fogo, feltro anti-ruido no capô, vários porta-objetos, tomada 12V no porta-malas, iluminação do painel, consumo e o pós-venda foi 100% até o momento.

NA: O que poderia melhorar no seu veículo?
FC: O ruído do motor poderia ser um pouco mais ameno e o engate das marchas mais silencioso.

NA: Seu veículo já apresentou algum defeito? Destaque.
FC: Como comentei reclamamos do engate da segunda marcha que foi resolvido na revisão dos 2500 km. Fora isso um barulho ao esterçar o volante para a direita apareceu um pouco antes da revisão e também foi resolvido. Não creio que tenha sido um defeito mas com certeza foi uma falha na revisão de entrega que deveria ter notado a falta de regulagem ou aperto de alguma peça.

NA: O que você achou do valor das revisões?
FC: Só fizemos a revisão dos 2.500 km onde é previsto a troca do óleo e filtro. Essa revisão ficou em R$ 168,00. Porém todos os detalhes que passamos para ser visto no carro foram resolvidos em 24horas, inclusive a troca do forro da porta traseira direita na garantia que veio com um arranhão no plástico. A revisão dos 10.000 km está em torno de R$ 300,00 e achei bem adequado pelo porte do veículo.

NA: Como você avalia a pós-venda da concessionária?
FC: Ótimo! A Golden Motors tem feito um ótimo trabalho respondendo todos nossos emails (até de dúvidas), pessoalmente sempre são atenciosos e prestativos. Espero que esse pós venda continue assim pois foi o melhor que já tivemos de todos os zero quilometro que adquirimos até hoje.

NA: Você recomendaria esse veículo?
FC: Sim, com certeza! Ele está no nivel de acabamento dos concorrentes nacionais com a vantagem da quantidade de acessórios oferecida.

NA: Qual é o valor do seguro no seu perfil?
FC: O seguro foi feito em nome da minha esposa, primeira carta, primeiro carro, 27 anos, garagem coberta em casa e no trabalho, sem bônus. Foi salgado: R$3.500,00 (valor cotado em 3 seguradoras: Mapfre, Porto e Sul-america. Fechamos com a sul-america).

NA: Qual é o valor do seu carro no mercado?
FC: Olha, nunca me preocupei em ver pois é uma aquisição recente e pretendemos ficar com ele até o fim da garantia mas uma rápida pesquisa no webmotors trouxe um Tiggo 2009/2010 por R$ 43.000,00 aqui em São Paulo. Dá uma média de 20% de desvalorização num veículo com mais de 1 ano de uso (44000 km). Achei dentro da média.

NA: Você compraria outro carro chinês, mesmo que de outra marca?
FC: Com certeza! Nossa intenção é trocar o 206 que minha mãe usa pelo QQ. Como planejamos a troca pra esse primeiro semestre, esse será a primeira opção pois ainda não está definida a data nem o preço de lançamento do Chana Mini-Benni que seria a primeira opção. Descartamos o Lifan 320 pelo fato dela não ter gostado do design.

NA: Esse modelo enfrenta bem nossas ruas lunares?
FC: Sim. A suspensão é macia e mesmo passando em buracos mais “avantajados” os amortecedores não dão fim de curso e não deixam as vibrações serem sentidas no habitáculo.

NA: O Notícias Automotivas agradece a sua participação. Há algo a mais que você queira relatar sobre o veículo?
FC: O veículo é um carro muito honesto e surpreendeu. Não tem acabamento primoroso porém o couro que ganhamos na concessionária deu um “up” muito bom. Muita gente critica os carros chineses por terem um acabamento “pobre” mas dos carros que pude ver ao vivo, o nível não é diferente dos modelos nacionais que já estão no mercado. Muitos possuem uma padronagem interna diferente, porém nem pior, nem melhor, apenas diferente. Vários componentes são de marcas conhecidas (bosh, johnson eletric, valeo…) assim como nos carros nacionais.

Uma das coisas que mais se fala quando o assunto é “carro chinês” é a segurança. Eu acho engraçado como esse assunto nunca foi (e ainda não é) levado a sério pela maioria dos brasileiros mas no caso dos chineses ele é determinante. Muitos modelos tem sido exaustivamente testados e vem recebendo notas altas em vários testes em diversos institutos pelo mundo, inclusive os vendidos aqui no Brasil. Claro que na internet você vai achar videos dos primeiros crash-tests onde muitos chineses se desmancham na parede porém esses resultados não são perpétuos e muitos carros são re-testados meses depois já com melhorias.

Enfim, assim como os coreanos há um tempo atrás eram vistos com desconfiança e sem razão aparente e hoje tem sua credibilidade, os chineses também estão passando pelo mesmo problema. Engraçado como as marcas chinesas conseguem vender carros com mais equipamentos pagando maiores taxas e frete, mais baratos que seus concorrentes nacionais.
Espero que a vinda dos chineses possa mudar a situação do mercado de automóveis no Brasil onde estamos ficando saturados de “soluções caseiras”, modelos defasados com face-lifts eternos e principalmente caros e pelados.



Se você não está vendo os comentários, desabilite extensões do tipo Adblock (que impedem a exibição dos comentários), ou adicione nosso site como exceção.