Brasil História Longform Tecnologia

Evolução de potência dos motores 1.0 no Brasil

fiat-fiasa

Fiat Fiasa (Mille 1990)

Em agosto de 1990, o governo brasileiro reduziu as alíquotas de IPI para um novo segmento no mercado de automóveis, o dos veículos com motorização entre 800 e 1.000 cm3. O percentual caiu de 40% para 20%.

A Fiat foi a primeira a reagir diante da novidade e em 60 dias apresentou o Mille, versão 1.0 do Uno com 48 cv e 7,4 kgfm. O modelo foi o primeiro da nova categoria que ainda não havia nascido, a dos chamados carros populares, que tinham como base o motor 1.0.

Até 1992, apenas o Fiat Mille existia com motor 1.0, mas agora surgia o Volkswagen Gol 1000 com seu motor AE (Ford CHT) de 50 cv e 7,3 kgfm. Logo em seguida apareceu a resposta da Fiat com o Mille Electronic em 1992 com seu motor 1.0 de 56,1 cv, o “1.0” mais rápido do mundo na ocasião.

A GM partiu para o Chevrolet Chevette Junior, que teve o vetusto motor 1.6 reduzido para 1.0, entregando 50 cv e 7,2 kgfm. O Ford Escort Hobby só apareceu em 1993, igualmente com 50 cv, pois usava o mesmo propulsor do Gol.

Em fevereiro desse ano, o governo novamente mexe no mercado automotivo ao criar o programa do carro popular, que centrava-se no motor 1.0 e em um pacote básico. O IPI caía para apenas 0,1%.

gm-10-chevette

GM OHV 1.0 (Chevette Junior)

Briga por potência

A Fiat por sua vez, viu a potência do Mille cair para 47 cv e 7,1 kgfm com o uso do catalisador. Em 1994, o Chevrolet Corsa substitui o Chevette e a versão Wind toma conta do lugar da Junior. Ele tinha motor 1.0 8V com 50 cv, 7,7 kgfm e injeção eletrônica monoponto. Os Fiat Fiorino e Fiorino Pickup também passaram a usar o 1.0 de 56 cv.

Em 1995, o Gol 1000 Plus surge na segunda geração do modelo, mas mantendo os 50 cv do modelo “quadrado”. O Mille Electronic é substituído pelo Mille i.e, que vinha com injeção e alcançava 58 cv e 8,2 kgfm. Esse ano também representou o fim do protocolo do popular, mas o motor 1.0 seguiu firme e forte.

O Palio nas versões ED e EDX chegava com motor 1.0 de 61 cv e injeção multiponto em 1996. O Ford Fiesta aparecia com o motor Endura-E 1.0 de 51,5 cv e entrava no páreo, ocupando o lugar que fora do Escort Hobby. Diante do “potente” Palio 1.0, a GM reagiu com o Corsa Wind Super e seu motor 1.0 de 60 cv e injeção multiponto.

Em 1997, o Gol Plus agora adotava o novo motor EA111 1.0 com 54,4 cv, mas a VW divulgou que era 62 cv, sendo essa a potência bruta e não líquida. Nesse ano, o Mille perdeu potência com o catalisador, baixando para 57 cv.

ford-zetec-rocam

Ford Zetec Rocam (Fiesta e Ka)

A VW novamente entra na briga pelo 1.0 mais potente com o EA111 16V, que entregava 69 cv e 9,3 kgfm. Era o primeiro do tipo no segmento. O Plus 16V chegada também à Parati. O Ford Ka surgia com um Endura-E mais potente, entregando 53,5 cv contra 51,5 cv do Fiesta.

O ano de 1998 foi relativamente tranquilo na já estabelecida guerra dos carros 1.0, agora definitivamente chamados de populares. No começo de 1999, a Ford aposenta o Endura-E e bota no lugar o famoso Zetec Rocam 1.0 com 65 cv para o Fiesta e Ka.

Nessa ocasião, Siena e Palio Weekend já faziam uso do motor 1.0 de 61 cv, enquanto a GM apostava no 1.0 de 60 cv para o Corsa Sedan. Mas não demorou a aparecer o motor 1.0 mais potente da Chevrolet, com injeção sequencial, entregando 68 cv e 9,2 kgfm. A americana voltava à briga. Os Corsa hatch, Sedan e Wagon usaram esse motor. O Clio aparecia com motor 1.0 8V na versão RN e tinha 59 cv.

vw-ea111-turbo

Volkswagen EA111 16V Turbo (Gol e Parati)

Primeiro downsizing

Com a geração III, Gol e Parati ganhavam um novo impulso com mais uma redução do IPI para motores até 1.0, uma versão 16V Turbo. Foi o primeiro motor 1.0 turbinado do país, que tinha inclusive comandos de válvulas de admissão variável e intercooler. O “pai do TSI” entregava incríveis 112 cv (o mesmo de um AP 2.0, por exemplo) e 15,8 kgfm a 2.000 rpm. A performance era surpreendente. Até hoje, nenhum 1.0 nacional alcançou essa marca.

Sem ousar tanto, a Fiat lançava o Fire 1.0 com 8 ou 16V, entregando 55 e 70 cv, respectivamente. Mille, Palio e derivados se beneficiaram do propulsor mais moderno. A GM lançava o Celta com motor 1.0 de 60 cv. No ano de 2002, a GM retirou os 1.0 16V, mas o Novo Corsa chegava com um 1.0 8V de 71 cv. O Peugeot 206 chegou a ter motor 1.0 16V nessa época, compartilhado com a Renault e com 70 cv.

A Ford lançava nesse ano o Novo Fiesta e com ele o motor Zetec 1.0 Supercharged, que era equipado com um compressor volumétrico e entregava 95 cv. Na VW, o Polo chega com opção 1.0 16V de 79 cv, mas logo foi retirado de linha por conta da diferença de preço com o 1.6. O Gol Power 1.0 16V passou a entregar 76 cv, ficando o 8V com 65 cv. O Clio 1.0 16V entregava 68 cv.

ford-zetec-supercharger

Ford Zetec Supercharger (Fiesta e EcoSport)

O Clio 1.0 16V passou a entregar 70 cv ante 68 cv anteriormente. Em 2005, a Fiat elevava a potência do Fire 1.0 de 55 (exceto Mille) para 65/66 cv na versão Flex. O Gol Total Flex 1.0 passou a ter 65/68 cv, respectivamente com gasolina e etanol.

O Clio HiPower oferecia 76 cv ante os 70 cv das versões anteriores, mas depois surgiu o HiFlex com 77 cv. Em 2006, o EA111 adota a nomenclatura VHT e entrega 72/76 cv. A GM elevou a potência do 1.0 para 78 cv com etanol, enquanto a Ford mantinha o Ka um pouco mais fraco que o Fiesta, cujos 71/73 cv davam conta do recado.

hyundai-10-12V

Hyundai Kappa (HB20 e Picanto)

Segundo downsizing

A partir da segunda década do século 21, o motor 1.0 começou a evoluir novamente, iniciando um longo processo de evolução em termos de eficiência energética, o que resultou em redução do tamanho e emprego de mais tecnologia. Cabeçotes de 16V e tecnologia Flex eram o que existia de mais moderno nesse segmento até 2012.

A barreira dos 80 cv (com etanol) foi quebrada pelo Renault Clio Campus 1.0 16V, estabelecendo assim uma nova meta de potência para o 1.0. A GM manteve 78 cv no Classic, mas com o Onix, o 1.0 SPE/4 atinge 80 cv. A Fiat não entrou mais na briga por evolução no segmento 1.0, permanecendo com o Fire na faixa intermediária de potência entre 73 e 75 cv. O fim do Mille aposentou a versão de 65/66 cv.

O HB20 da Hyundai chegou com três cilindros, sendo o primeiro nacional com essa configuração e entregando até 80 cv (o mesmo do importado Kia Picanto). A Volkswagen lançou o novo EA211 com três cilindros, alcançando 82 cv. O mesmo foi feito pela Nissan com um 1.0 de três cilindros, mas com até 77 cv.

vw-EA211-R3-TSI-700x613

Volkswagen EA211 R3 TSI (up!)

No entanto, foi o Novo Ka que estabeleceu um nível mais elevado, alcançando 85 cv com etanol em seu novo motor 1.0 de três cilindros. Com 80 cv na gasolina, ele é o mais potente 1.0 aspirado da atualidade. A redução de cilindros se tornou uma missão para as marcas presentes nesse segmento.

Em 2015, o up! – até então com o 1.0 12V de até 82 cv – passa a dispor do novo EA211 1.0 TSI, que entrega 101/105 cv e 16,8 kgfm. O propulsor é o primeiro com injeção direta e turbo com tecnologia Flex. Também tem duplo comando de válvulas variável e intercooler.

Até o momento, GM, Renault, Fiat e, em parte, a Volkswagen ainda mantém motores 1.0 com quatro cilindros, tanto com 8V quanto com 16V. A VW é a única que oferece 1.0 turbo e futuramente aguardamos novos motores 1.0 com esse dispositivo. Dos 47 cv que um dia o Mille entregou no começo de sua carreira aos excelentes 112 cv do 1.0 16V Turbo dos Gol e Parati, o motor 1.0 nasceu humilde no Brasil e hoje dá uma aula de tecnologia com o mais recente TSI.





  • Assuero Queiroz

    Lindo texto.
    Legal ver a evolução dos motores 1.0.

    • Holandês Louco

      Só faltou um gráfico, para deixar a evolução bem visual

    • meneghelli1972

      Pra mim o melhor motor 1.0 8v é o EA111 , parece ter bem mais potência do que o descrito no texto e muito econômico também, agora sem exagero algum, o Endura da Ford era lastimável fraco e barulhento parecia que o motor “”rajava por natureza””.

      • CharlesAle

        Sim.O Endura usava comando no bloco e corrente de comando..E como não teria como usar tucho hidráulico, suas válvulas eram reguladas” na mão” e assim, é normal velo andando com elas desreguladas, vindo aquele barulho de “máquina de costura”..Mas era um motor robusto e durável e muuuuuito econômico, e com o carro leve até que andava bem.. Tive um desses, CLX 1.3 97, verde com interior bege detalhes pretos. Muito bem acabado..O pior motor que eu considero é o fiasa 1.0 dos Palio.Manco ao extremo e ruim de consumo, sem falar que volta e meia “perdia” a marcha lenta e era um saco para arrumar novamente…

        • Lorenzo Frigerio

          O uso de tuchos hidráulicos seria perfeitamente possível. Veja o motor 4 cilindros do Opala. E o de 6, e os V8 do Maverick/Landau e Dodjões.

        • Brenno

          O Fiasa era muito manco. Mas você punha 2ª, 30, 40, 60, 80 corte e nem sentia. Pelo R/L de 0,21 RIDÍCULO ele girava até o infinito, sempre suave.
          tenho um Zetec. Antes tinha um Endura. A diferença é brutal. Chega a ser quase comparar 1.0 com 1.4

      • Matheus_P

        O vht q fundia com 20mil km???

      • Túlio Leal

        Tive um Fiesta 1.0 dos antigos, era realmente sofrível.

    • DougSampaNA

      preferia ver juntamente com isso, inserção dos câmbios CVT para mtores 1.0, aí diríamos que temos carros 1.0 realmente econômicos; o CVT traria rios de ajuda a economia num país de combustível ruim produzido pelo Estado e enfiado a nossa garganta abaixo a preços abusivos! Este é o país MAravilha, onde “o cara” quis dar lição de economia pros EUA…está aí a conta pra pagarmos…quando contabilizarem honestamente, não serão 52 bi não..vi beirar os 100 BI.

  • pgoytaca

    A FIAT demorou só 60 dias após a reducao do imposto pra lançar seu 1.0, a VW demorou quase 2 anos as outras ainda mais….
    Coincidência, a FIAT estava tão a frente ou foi lobby?

    • automotivo

      Até nos EUA, o paraíso aqui na Terra existe lobby. Que digam hoje, o pessoal das MMM´s ou MLMs, a praga que tá quebrando tanta gente pelo mundo afora, aqui no Brasil também CUIDADO! Você, familiar ou seu amigo podem ser os próximos.

      • Filipe Machado

        O que ser MMMs e MLMs ? – desculpa a minha ignorância

        • Holandês Louco

          somos 2, segundo o google.
          MMM = Meu móvel de madeira
          MLM = Marketing Multi Nível (pirâmide disfarçada na maioria dos casos)

          E quem entra e pirâmide é ganancioso e tem que se f* para aprender que $ só se ganha com trabalho (seu ou dos outros, rssss)

          • automotivo

            Perfeito! Se não fosso pelo meu móvel de madeira. Rsrs

        • automotivo

          É uma pirâmide com um produto como perfumes, shakes, cosméticos. Aparece com muito mais frequência no nosso dia a dia mais do que vc imagina. Pois é, o lobby dessas empresas é muito Grande, É vão aprovar o funcionamento por muitos anos mais. Razão pelo qual alguns especialistas lá chamam seu país de banania. Resta-nos ficar atentos.

      • Junoba

        Colega, nada se consegue fácil nessa vida. Está se referindo ao sistema pirâmide, como Herbalife ? Quem entra com a ganância de conseguir essas coisas, tem mais é que arcar com as consequências. Só ganha quem está no topo, através dessa pilantragem.

        • automotivo

          Pois é. Já conhece então.

      • MKB

        “Até nos EUA, o paraíso aqui na Terra(…)”
        Menos, amigo, muuuuuito menos.

        abs

        • automotivo

          Não é o paraíso?

          • Adriano

            Paraiso é no brasil kkkkkkkkkkkkk, 150 pessoas mortas por dia!

          • Olha, não conheço os EUA, mas ontem vi uma reportagem no Globo reporter sobre a Suiça, se for como eles mostraram, me atrevo a dizer que o paraíso é a Suiça…

            • automotivo

              Pois é organizado até demais, beirando a monotonia, talvez não tenha carros tal como nos Eua

            • Zoran Borut

              Suíça é sim um paraíso, fiscalmente falando.

        • Roger Rosato

          Tá çabeno

      • Roger Rosato

        EUA paraíso na Terra?! Aquele país sem férias remuneradas, sem aposentadoria ou linceça maternidade???!!!
        HAHAHHAHAHAHAHHAHAHHAHAHAHAHAHAHA

        • automotivo

          Não conheço os EUA, só falei de um assunto específico( MLMs) que acompanho diariamente no fórum sobre a Nyse, mas para fins didáticos. Não sei se é paraíso só fui irônico

        • Zoran Borut

          O quê??? Como se atreve a falar de direitos trabalhistas, coisa de comunista, esquerdopata, petralha, num blog frequentado somente por cidadãos de bem trabalhadores? [Ironic mode]

        • Matheus_P

          Mas que, por merito e trabalho arduo e serio, com terceiro grau, vc ganha entre 200 a 800mil dolares por ano, assim, caso vc seja o minimo organizado, consegue planejar-se financeiramente para ferias, aposentadoria e licensa maternidade. Ou vc acha q a aposentadoria do inss paga todas as suas contas,ne?

          • Roger Rosato

            200 a 800 mil dólares/ano?! Claro… se vc fizer parte dos fortunados 10% da população que eles propagandeiam como sendo a maioria ou símbolos do país, claro. No entanto, a classe média, a maioria da população, tem uma realidade menos dourada, onde a hipoteca da casa e o dinheiro para a faculdade dos filhos (que eles começam a guardar assim que os mesmos nascem) estão sempre batendo à porta.
            Não estou dizendo que os EUA é pior ou melhor que este ou aquele país, só estou dizendo que é um desatino absurdo achar que aquilo é qualquer que tangencie a palavra “paraíso”.

            • Matheus_P

              O que eu destaquei foi a meritocracia e trabalho duro. Certamente com faculdade e luta pelo trabalho, salarios ate maiores do que descrevi sao usuais. Claro que a massa é classe media (e tb tem muito pobre, sim, pobre, que veste-se mal e nao tem grana pra carne vermelho no supermercado, apenas frango e porco), com sua grana pra poder pagar sua mortgage, troca de carro e alguns mimos. Mas aquele que faz faculdade com seriedade, eh certo q vivera muito bem. Paraíso? Pra mim, paraíso apenas o Reino de Deus.

        • Eduardo

          É você que paga tudo isso, e nao tem escolha… Eu preferiria receber tudo o que o Governo recolhe (inss, fgts, e os carilhoa4) e ficar sem estes “benefícios”. Eu saberia lidar muito melhor com meu dinheiro do que o Governo.

    • ACELERANDO

      Sim, o Lobby foi forte, tanto que quando o IPI foi reduzido a 0,1% incluiram além do motores 1.0 motores até 1.6 refrigerados a ar, beneficiando a VW com o fusca Itamar e a Kombi.

    • Fábio Henrique

      Meu chefe trabalhava no setor na epoca e disse q foi lobby. A fiat jogava sujo. Ele contou que eles compravam carros lancamentos dos concorrentes e simulavam que o mesmo estava quebrado em pontos de grande movimento (tipo a imigrantes em um feriado). Só descobriram pq puxaram a placa e o carro estava no nome da fiat

      • Fabricio Barcelos

        A fiat tirou até retrovisor do Uno

      • Igor

        Que podre, o bom é que a concorrência não precisa fazer isso, os carros da Fiat quebram no Showroom mesmo

      • André Luciano

        Não trabalho no meio, nem conheço alguém, mas lembro de terem me contado uma história parecida com essa, só q a Fiat era a vítima: após o lançamento do 147 (um carro bem mais moderno q seus concorrentes vendidos no Brasil na época – 1976) dizia-se que uma das concorrentes comprara alguns e os deixava como “quebrados” em locais movimentados para indicar uma fragilidade do modelo. Se é verdade ou não…
        Quanto aos 1.0, é possível q tenha havido lobby (como ainda hoje existe não só nesse setor – q se sabe hoje da compra da MP do IPI reduzido – como em outros), pois nenhuma outra (além da Fiat, q tinha experiência em um motor 1050) havia motorização nessa faixa de cilindrada.

    • kravmaga

      A fiat usava um motor 1050 CC nos fiats 147 e daí reduzir para 1000 CC é muito fácil. Acho que até usando uma lima se consegue reduzir apenas 50 cc

      • Filipe Machado

        Só alterar curso dos pistões e tamanho das bielas – simples mesmo

      • Zoran Borut

        Na verdade o motor original tinha menos de 1000 CC e foi aumentado para não pagar imposto maior. Daí para voltar aos 1000cc foi moleza – nenhuma outra montadora tinha algo similar em linha.

        Vale lembrar a fraude do Mille de 56 cv que poluia acima do limite e levoua Fiat a uma multa, fato não citado pelo NA.

    • Eduardo

      Nesta época, o vice-presidente Itamar Franco, mineiro, beneficiou a Fiat de Betim MG. Inicialmente, os carros ditos populares eram assim classificados pelo preço – em dólar – até um teto máximo; não se exigia limite a capacidade cúbica. Itamar deu um empurrãozinho à Fiat, para beneficiar seu Estado, estabelecendo o limite de litragem do motor.

      • Zoran Borut

        US$ 7.200,00 era o teto… O Fusca custava menos, 6.850,00.

    • DougSampaNA

      A Fiat sempre teve motorzinho próximo desta cilindrada, se não me engano pegaram um motor 1.050 cc que tinham e só trocaram o pistão e bola pra frente.
      Dirigi Uno com este motor, era muito econômico na gasolina.

  • Eduardo Ávila

    A diferença de potência do Palio e Mille de mesma época, eram devido a adoção de uma tecnologia superior no Palio ou apenas mapeamento da injeção eletrônica?

    • Paulo_Lustosa

      Mille usava injeção monoponto e o Palio multiponto

  • 1.0 TSI, the champs. Quando todo mundo pensou que seria o ecoboost 1.0, a Volks deu um olé.

    • Filipe Machado

      Porque a Ford demora tanto pra trazer o premiado Ecoboost ?
      O 1.0 Ecoboost ficaria filé no lugar do 1.5

      Até o Focus mereceria o 1.6 Turbo ao invés do 1.6 aspirado

      • ricmoriah

        esse 1.6 já não tem mais, para você ver, já saiu de linha… agora é 1.5 EcoBoost.

    • MarcioMaster

      Ele e o gol 1.0 16v T, uma maquina rsssss

  • Pipo pipo

    Falando em up!, simpatizo com o carrinho. Será que vão disponibilizar ele com câmbio automatizado e motor turbo? Seria uma combinação interessante.

    • automotivo

      Alô! Terra..

    • afonso200

      tem que ter cambio AT de verdade, em gol, fox, voyage e nao i-tranco

      • Pipo pipo

        Talvez seja esse o problema, o câmbio atual não aguenta o turbo.

        • Matheus_P

          Aguenta sim… punto e bravo 1.8 e-torquebosta têm 18,9kgfm

          • Pipo pipo

            Talvez estejam esperando para lançar num futuro próximo então. Para trabalho seria muito bom, desempenho, conforto e consumo espetacular.

    • Filipe Machado

      Acho difícil no Up! pelo espaço do Cofre

      Mas a VW poderia colocar o TSI + Tiptronic no Fox por exemplo

      • Pipo pipo

        Já tive fox 1.0 e era de irritar. A tua ideia é show, certamente não teria vendido ele tão rápido, freio e suspensão me agradavam muito.

    • Junoba

      Mas ele já tem câmbio automatizado e motor Turbo, o TSI… Você nem sequer leu o texto né, ´´normal“ por aqui…..haha…

      • Pipo pipo

        Bonzão, quem não leu o texto nem a minha colocação foi você. Vou esclarecer: câmbio automatizado e motor turbo no mesmo carro, entendeu agora?

  • automotivo

    Passei por todas essas ´´novidades´´, foi quando comecei no ramo de autopeças, nesse tempo lembro só bem, só acompanhava esse movimento se assinasse a Revista 4 Rodas, até pouco dias tinha todas elas.. Belo texto. Voltei aos anos 90.

  • Christian Sant Ana Santos

    Não me lembro de FIAT 1.0 16V com 70 cv, não seria o 1,25 ?

    • Comentarista

      1.3 tinha 80.

      • 4lex5andro

        o 1,0 16v foi apresentado na segunda geraçao (ou reestilizaçao) do palio, em 2001..

        enquanto o 1,3 chegava a 80cv na versao 16v (lançada no final da 1a geraçao do palio, em 2000), e 67cv na versao 8v (presente desde a 1a geraçao do palio)..

        • Fábio Alisson

          O primeiro Fire 1.0 8v tinha 55 cv e não 67 cv

    • Gustavobrtt

      Tinha esse 1.0 16V no pálio. Andava bem, muitoe mais q o 16V da VW e fazia 17km/l na gasolina monofuel. Uma pena q foi descontinuado.

      • marco

        nessa época antes do flex tinha 1.0 1.25 e 1.6 todos 16v

    • ricmoriah

      não teve mesmo. só o 1.25.

      • Christian Sant Ana Santos

        A memória nos traiu…70 cv tinham os 1,25 8v, usados na Fiorino.

    • DougSampaNA

      teve sim , quase comprei um..mas o 1,25 16v deles era um espetáculo, andava como 1.5 fácil, e era muito econômico, punha os1.0 da época no chinelo na economia.

  • DiMais

    a ‘magia’ dos anos 90! lembro da propagada do Escort ‘conforto de carro médio, preço de popular’ e do Mille 0Km por R$9999,00!

    • Renato Duarte

      anos 90,,, época em que o REAL tinha poder de compra.

      • DougSampaNA

        eu vendia um pacote de arroz tipo 1 de 5kgs naquela época a R$2,73, por aí vc vê que hoje vendo por em torno de 10,50 reis(margem média do mercado não passa de 10%) o mesmo produto posto em SP, veja o quanto ser produtor de comida nesta josta de país não vale a pena; por isso desde 2010, a cada ano a SOJA toma ais uma parte da produção de arroz no pais, já não produzimos o suficiente pra 12 meses de consumo nacional, e só exportamos (o Brasil) porque o mercado nacional complementa com o arroz do Mercosul.
        Daqui pra frente, com o El Nino acabando com as lavouras já plantadas com ecesso de chuva, SOMENTE replantar encarece a próxima safra em torno de 13 a 15%; isso se não der até a colheita qualquer praga ou outro tipo de quebras como geadas que partem os grãos dentro da casca, e o preço…ano que vem arroz nos mercados menor que 13,50/14,00 reais esquece,.. é tranqueira.

    • DPSF

      Tive um hobby 95. Volante de xr3, parachoques idem… o acabamento interno era o melhor dos 1.0… deixou saudades aqui na familia.

    • Filipe Machado

      9 mil reais com salário minimo a 116 reais – não se esqueça disso

      Na época 10 reais fazia uma compra de mercado para uns 10 dias

  • Marcelo Nascimento

    O primeiro 1.0 que dirigi foi um Uno Mille Eletrônic. Em tempos de 1.6, foi uma experiência agonizante :-)

    • Louis

      Pior era pegar estrada, se pegasse uma subida sem embalo, caminhão grudava na traseira que dava desespero kkkkkk

      • Em 2007 tive o desprazer de dirigir um Mille desses primeiros de Pindamonhangaba ao Sul de Minas, por aquelas estradas bem sinuosas. O carrinho não aumentava de velocidade, não importa que marcha você colocasse ou o quanto acelerasse. Em subidas, tinha ocasião que andava a 50 km/h irritando os outros motoristas e não tinha o que fazer para acelerar mais. Péssimo.

        • MarcioMaster

          Sim, péssimo, mas foi o carro que deu a fama de economico para Fiat, e de fato era muito economico, depois lançaram esse motor com injeção monoponto, uno IE e uno EP, o rendimento melhorou pouco mas o consumo era astronomico.

        • Iran Borges

          Passava a mesma coisa com meu Fiesta class endura… O bicho ainda tinha ar e direção hidráulica, o que piorava muito o desempenho. Vivia andando na faixa da direita e sendo ultrapassado por caminhões carregados em alguns trechos nas BRs! O carrinho era confortável e econômico mas o motor era fraco demais. Só servia pra cidade mesmo.

          • Brenno

            Assino em baixo. Endura era terrível. Depois que peguei um Zetec, é outro mundo. O meu ainda é da primeira safra, leve, câmbio curto. Anda muito, mas muito bem pra um 1.0

    • Junoba

      Queria saber mesmo é como essas carroças conseguiram conquistar o mercado. Será que ´´era o que tinha“!?…

      • Gustavobrtt

        Sim, era o que a maioria conseguia comprar. Gol, mille, Chevette e escort hobby. Quando a GM lançou o corsa, tinha lista de espera e um bom ágio…

  • AHSOliveira

    Acho que deveriam ter pelo menos citado os motores 2 tempos da DKW. Pois a partir de 1961 eram 1.0

    • ricmoriah

      o foco da matéria é o 1.0 contemporâneo, mesmo porque não havia somente a DKW, o Gordini e derivados tinha motor até menor que 1.0, inclusive dando origem ao 1.6 CHT da Ford. Mas era outra realidade, em um mercado que não era regido por protocolos e normas de interesse de alguns fabricantes.

      • AHSOliveira

        Foi só uma sugestão seguindo o título da matéria “Evolução de Potência dos motores 1.0 no Brasil”, acredito que ficaria interessante seguindo as premissas de Potência e volume específico do motor, independente da tecnologia utilizada, uma vez que foi citado inclusive motores sobre alimentados com esse volume, porque não incluir os antigos e barulhentos 2 tempos, uma vez que fizeram parte de nossa história automotiva, obviamente com as devidas ressalvas na comparação. E realmente não tem para que citar Gordini, Dauphine e outros com motorização menor.

  • Mr. Bola de FOGO!

    Parece que a guerra fria entre as fabricantes esfriou de vez, depois da VW com seu TSI e quem sabe a Ford com Ecoboost acho que ninguém vai mais arriscar nada aqui no mercado.

    • Mauro Schramm

      Honda?

      • Mr. Bola de FOGO!

        Talvez, mas antes tem muita coisa para desovar.

    • Thiago Porto

      Muito pelo contrario.
      Se a Crise demorar muito tempo a tendencia é o mercado de 1.0 voltar a crescer na medida que as pessoas não terão mais condição de substituir seus veículos por equivalentes com motorização maior.

      Aconteceu com muita gente na década de 90 e parece que irá acontecer novamente.

      • Mr. Bola de FOGO!

        Acho que já está havendo um comodismo por parte das fabricantes, depois dos 1.0 3 cil, ninguém tá querendo mexer mais nesse bolo, há até a possibilidade da adoção do diesel nos carros de passeio…
        O que passar disso é lucro.

        • Filipe Machado

          História do Diesel em carro de passeio morreu com o escandalo da VW

          Deveríamos mirar nos híbridos e elétricos – mas como nosso país tem forte lobby da industria petroleira (leia-se Petrobras) será um longo caminho

          • Mr. Bola de FOGO!

            Voltou a tramitar nas comissões do plenário nessa semana, mas ainda está longe de ser uma realidade concreta.

  • V12 for life

    E com a nacionalização dos EcoBoost, Ecotec Turbo, Earth Dream Turbo e outros que ainda devem demorar um pouco mais que esses, essa guerra vai aumentar e muito. O engraçado é que sempre foram os patinhos feios, mas agora são o sonho de consumo.

    • Filipe Machado

      Brasileiro demora pra entender evolução.

      Aposto que se lançassem até os Ford Superchargers hoje – com compressor mais moderno – a recepção do público seria diferente.

      Tempo do Gol Turbo 16v e dos Fivetech (esses a Fiat errou no manual também) negada achava que manutenção era igual a dos velhos motores AP ou Fiasa – coloca-se qualquer óleo mineral que está tudo certo

      • Tive um Fiesta supercharger. Péssimo. Gastava muito não andava proporcionalmente. O motor 1.6 era mais eficiente. Em baixas rotações, o 1.0 SC era horrível. Hoje os turbos e compressores estão anos luz melhores.

        • Filipe Machado

          O compressor do SC era “pesado” e só entrava em alta

          Hoje existem mais baratos compressores eletro mecânicos que diminuem o lag, no caso dos Ford SC ele em baixa era morto demais como qualquer 1.0 por esse lag do compressor

  • Thiago Porto

    Textão.
    Me senti um velho, peguei essa brincadeira desde o começo.

    • dogmarley

      HAHAHAH

  • Dragoniten

    “O propulsor é o primeiro com injeção direta e turbo com tecnologia Flex. ”

    Talvez o primeiro UM PONTO ZERO com injeção direta, turbo e Flex, mas não o primeiro propulsor, porque essas 3 características apareceram na 320i que virou Flex e já possui turbo e sistema de injeção direta desde o ano passado.

    • ricmoriah

      no texto tratamos do segmento 1.0, sem mencionar outros.

      • Dragoniten

        Okay :)

  • Fabricio Barcelos

    Saudade do meu Corsa 1.0 Super 1995
    Com os 50cv dele na estrada rendia 18 km/L e na cidade de 14 a 15 km/L
    Deveria ter ficado com ele e nao trocado pelo Seat Ibiza 2003 1.0 16v bomba haha
    Mas é errando que se aprende!

  • duhehe

    Vou te falar que um Mille Fire 2P pelado anda tão bem quanto um 1.6 com uma carroceria mais pesada.
    Só não ter dó de acelerar …. pé da tabua sempre, vai que vai.
    Carro 1.0 até vai, mas tem que manter a relação peso x potencia em no minimo 10kg/cv, não passa aperto.
    Querem colocar 1500kg + gente em bloco de 60cv… ai não existe milagre.

    • ricmoriah

      nem seis marchas..

  • pedro rt

    depois de tanta evolucao… hj temos a venda na europa o 1.0 ecoboost de 200cv usado em carros parecido com de f1

  • Offline_Mode

    Muito legal. Sugestão de colocar para os outros motores Hehehe. Muito legal mesmo o texto

  • Meu sonho é encontrar um Gol Turbo conservado pra comprar.

    Não sou fã da VW, mas nesse caso eu abriria uma exceção. 😄

  • Ricardo

    Gol 1.0T andava muito.

    • Junoba

      Anda né, deve ter muitos por ai ainda…

  • Gustavo Vasconcelos

    Duas alegrias : quando compra e quando vende

  • Leonardo Lang

    Categoria que não havia nascido? E a Gurgel, que criou a categoria, e foi a grande responsável por essa redução de alíquota? Engraçado como a matéria coloca como se esse benefício tivesse sido criado pelo governo, quando na verdade este foi o grande incompetente da época – que ainda achou uma grande idéia voltar a fabricar o Fusca.

    O artigo foi no mínimo relapso, pois esta é uma importante parte da história da indústria automobilística no Brasil.

    • Zoran Borut

      Qual carro da Gurgel usava motor 1.0? A categoria surgiu mesmo por causa da Fiat.

  • Roger Rosato

    O 1.0 TSi é um motor tão bom que merecia ser empregado numa gama muito maior de veículos da VWB. Gol, Voyage, Fox, Golf Trend… mas optam por limitar a oferta apenas ao up! que, querendo a VW ou não, é um carro que não caiu no gosto do brasileiro (nem do europeu).

  • Christian Sant Ana Santos

    Em 1997 estava trabalhando na montagem de Angra 2, resolvi deixar meu ótimo histórico com os FIAT e resolvi comprar um Gol Mi, básico apenas pintura metálica, R$ 10.800,00, o mais barato que encontrei na época, pense numa dor de cabeça…

  • Fábio Alisson

    Sinceramente nunca achei cilindrada a melhor forma de se definir IPI. Isso fez existir aberrações como Palio weekend 1.0, Polo 1.0, EcoSport 1.0. Já tive uma Palio 1.0 que me serviu por 6 anos, mas depois dele, pra mim 1.0 nunca mais, foi o carro mais beberrão que tive, mesmo na cidade, e olhe que depois dele eu tive 2 1.8 e atualmente um sedan médio 2.0 automático.

    Caso voltasse a comprar populares, Talvez abriria excessão para algum 1.0 turbo de nova geração, o Up. Tsi pareceu interessante.

  • CASSIO

    uma bela evolução destes motores ………..

  • Gurgelando

    Cara que reportagem bacana! Parabéns!

  • Sandro

    Esses motores 1.0 são uma beleza, andam nada e quando passa algum carro subindo morro ao seu lado praticamente te deixa surdo pois se não tiver de primeira a ao menos 4 mil giros não vai a lugar nenhum. Quem mora em cidade montanhosa sabe o que estou falando.