Home Etc Faixas, frisos e vincos

volkswagen gol gt 1.8 700x525 Faixas, frisos e vincos




Muitos carros famosos hoje em dia tiveram uma origem humilde num par de linhas desenhadas num guardanapo de papel. Entre uma conversa e outra durante as refeições não é assim tão incomum entre pessoas criativas que algumas idéias ganhem lugar em espaços inusitados. Curioso notar que já nos primeiros esboços, ainda na fase de pré-projeto, costumam aparecer as linhas mestras que vão pré-definir a inclinação do pára-brisa, sua relação de ângulo com o capô e as bases das janelas laterais. Apesar de importantes, são as chamadas “linhas de caráter” – usualmente vistas acima das caixas de rodas – que usualmente definem a personalidade do design automotivo.

No Brasil de hoje temos, em termos de design, muitos produtos alinhados com as tendências mundiais. São diferentes nomes e designações para identificar variações sobre temas que costumam ser comuns – em maior ou menor grau – a todos os fabricantes. Detalhes como vincos marcantes, frisos cromados e repetidores de pisca – alerta nos retrovisores estão para os dias atuais como estavam as famigeradas faixas laterais para os nossos carros nos anos 1980.

Em tempos de mercado fechado e pouco investimento em novos produtos, eram os frisos cromados acima das caixas de rodas, juntamente dos “borrachões” colados entre os eixos, que materializavam os conceitos de marketing de produto e traziam distinções entre um “S” e um “LS”.

volkswagen gol 1980 lateral 700x525 Faixas, frisos e vincos

Um autêntico produto da época era o VW Gol GTi de primeira geração. Falemos então um pouco sobre as contribuições deste ícone de nossa indústria para o estabelecimento deste ícone automotivo chamado de faixa lateral.

Em 1980 o VW Gol trouxe novos elementos de design para o país, buscando distinção dos então produtos consagrados da época. Embora mantivesse a linha de caráter presente no Brasília – aquela linha reta com relevo rebaixado acima das caixas de rodas que cortava a lateral desde as lanternas até sumir próximo dos faróis – trouxe também elementos novos, como a linha de cintura ascendente abaixo das janelas laterais e um desenho irregular nas caixas de rodas que morriam perto dos pára-choques – como no Passat – mas desciam até a base da carroceria entre as rodas. Estas linhas apareciam em oposição às linhas e ângulos absolutamente retos do Passat e viriam a fazer uma ponte para a transição dos novos princípios de design da marca que seriam vistos aqui quatro anos depois no VW Santana.

Desde sua concepção inicial com motor refrigerado a ar até sua consagração como veículo mais vendido do país por décadas, não estou muito certo de que a própria VW tivesse, no início, a dimensão do fenômeno que ele viria a ser. Com o passar do tempo e o fortalecimento do veículo como referência no mercado, novas versões foram sendo criadas para atender a demanda dentro das limitações de nossa linha de produtos. Foi quando o carro de linhas simples e proposta descomplicada precisou se sofisticar para carregar siglas nobres como GT – seguido anos depois do emblemático GTI – que as limitações do desenho original começaram a dar sinais de que ele poderia ter sido mais bem pensado quando de seus primeiros rascunhos num provável guardanapo de papel.

volkswagen gol 19801 700x525 Faixas, frisos e vincos

Foi nesta altura que o modelo GT apresentou-se com a grossa faixa lateral preta, emprestada do Passat, e não mais com o friso preto e cromado sobre a linha de caráter das versões LS. Para completar o pacote visual o Gol ganhava um aplique na coluna B que emulava uma saída de ar, arrematada com um adesivo preto na porta para criar um bonito efeito de linhas integradas nos vidros laterais. Não restavam dúvidas quanto àquele ser o mais belo VW Gol em linha na época.

Estes novos itens passaram a integrar o rol de acessórios que os fãs da marca colocavam em seus carros em lojas de acessórios. E com isso víamos Gols LS cheios de cromados nas janelas ostentando suas pretas faixas laterais por todo lado. E com isso vinha uma constatação interessante: A linha que servia de base para colar as faixas entre as caixas de rodas era torta! Isso mesmo! Enquanto no Passat esta linha era reta, no Gol de primeira geração era uma barriga! Daí que não era incomum ver carros com faixas colocadas por seus donos por conta própria formarem um quase sorriso na lateral. Talvez na época algum visionário tenha sonhado com a lateral de um Sandero, ou simplesmente tivesse bebido umas a mais quando fez o rascunho do carro no suposto guardanapo de papel. O fato é que a linha era torta. Não de um jeito que soava a exercício de design, mas a desleixo.

saveiro cl lateral 700x525 Faixas, frisos e vincos

Na matéria você vê uma foto da lateral de uma Saveiro CL da época. A tortura do vinco inferior da carroceria da linha BX da Volks aparecia mais nas versões CL, pois estas tinham a faixa lateral mais fina que a GL (e ainda assim mais alta que no Gol 1000, cuja faixa era quase milimétrica). Note que a faixa preta cobre apenas parte do vinco inferior, pois ao ser alinhada com os pára-choques envolventes acaba evidenciando o detalhe da carroceria.

Ainda assim eu precisava ter certeza fática do que via e confirmar que não se tratava de mera ilusão de ótica. Foi daí que, andando pela rua em busca de referências para esta matéria, pedi licença pra um dono de Voyage CL para tirar as medidas do carro dele. Ele achou aquilo tudo muito esquisito, mas não se opôs. Peguei uma trena e fui medir a tal da linha. Usando a linha de caráter como referência e a soleira como base medi a distância de ambas com relação ao vinco lateral da carroceria, o qual deveria, em tese, servir de base para a colocação da faixa lateral.

O resultado das medidas é: 16/27 no início do vinco próximo à caixa de roda dianteira, 15/29 no ponto onde termina a porta e 15/30 próximo á caixa de roda traseira. Utilizando estas medidas com eixos delimitadores, o resultado num gráfico seria uma parábola convexa. Não uma linha ascendente (como no Gol G5) nem descendente (como no Seat Ibiza), mas uma “barriga”. Este defeito na carroceria tirava o sono dos funcionários na linha de montagem para alinhar a faixa nas versões de fábrica e denunciava a falta de preparo das lojas de acessórios que usavam o vinco como referência para colar as faixas no mercado paralelo. Eu tive um Gol “quadrado” e tive de conviver com isso até que a VW lançou aquela faixa mais grossa no modelo 1992 que conseguia cobrir o vinco por completo, embora o efeito visual não fosse necessariamente melhor.

O mesmo valia para o aplique nas janelas do GTi: a finalidade era esconder outra falha de projeto que eram os ângulos divergentes entre as janelas laterais e as portas do carro. Enquanto as janelas fixas tinham quinas arredondadas, as da porta eram em ângulo reto. Lembro-me de ter lido algo a respeito numa revista automotiva da década de 90, quando o projeto BX já estava mais do que cansado e aguardávamos a vinda do que viria a ser conhecida como geração “Bolinha”.

As cantoneiras de fato caiam com freqüência, principalmente quando os carros eram lavados com aqueles escovões de lava – rápido. Eu mesmo precisei comprar estas peças para reposição no nosso carro na época. Essa falta de sincronia entre o design das portas e das janelas laterais pode ser confirmado através da foto de qualquer Gol ou Voyage geração BX. Na Parati e na Saveiro (ambas usavam a mesma coluna central) este defeito era minimizado pelo desenho anguloso da grande janela lateral (ou na sua ausência no caso da Saveiro). A Parati era um projeto dois anos mais novo que o Gol e tiveram tempo de corrigir o deslize detectado no desenho do primeiro.

Com o tempo a VW abusou ainda mais do borrachão e cobriu toda a parte inferior no GTS/GTI para conseguir unir visualmente a lateral aos novos pára-choques plásticos integrados à carroceria. Com isso a “barriga” do friso foi suprimida, mas daí outra falha apareceu: como as cavas desciam até a soleira do carro, ao colar os borrachões estes faziam um calombo no contorno das caixas de roda e prejudicavam a integração visual com os pára-choques como acontecia com o Chevrolet Kadett GSI.

Usei o VW Gol como exemplo por suas particularidades, mas a moda das faixas laterais foi muito além de sua função primária de proteger a lateral do veículo de pequenas batidas e contagiou a maioria dos fabricantes. Este item por vezes mais estético do que prático traz resquícios na forma como buscamos diferenciar nossos carros até hoje.

Alguns dos valores do design automotivo de hoje são as linhas de cintura alta – que resultam em janelas com vidros pequenos, geralmente contornados na base ou no contorno completo por um friso cromado – e os fortes vincos laterais como os vistos em New Fiesta e Hyundai HB20. Por definição estes vincos profundos trazem jogos de luz e sombra que dispensam visualmente a colocação de frisos como complemento estético, pois segundo a filosofia das marcas, estas linhas buscam criar a ilusão de movimento mesmo com o veículo parado.

Você já reparou o que aconteceu com a lateral do HB20 na versão X ao acrescentar o borrachão à moda aventureira? Criou-se uma estática visual pelo excesso de linhas e o carro perdeu a harmonia que fez dele um hit de vendas. Agora, o que dizer para aqueles que colocam o friso cromado do Fiat Siena na lateral do New Fiesta?

Além de não ter sido concebido para o carro, a lateral do carro não tem nenhuma linha horizontal além da soleira. Assim, ao colar o friso cromado as lojas acompanham a linha de caráter e geram uma anomalia desnecessária, uma vez que a função primária do friso que é proteger a lateral fica comprometida, visto que o friso fica fixado na parte mais interna da carroceria em função do desenho esculpido nas chapas das portas entre as caixas de rodas.

Hoje temos no mercado faixas assumidamente genéricas, com algumas delas ostentando o nome do carro com a mesma logotipia adotada na carroceria. Afinal o design dos carros parece mudar na mesma proporção em que as vagas nos edifícios ficam cada vez mais apertadas e difíceis de encontrar.

Para além destes casos ainda fica a pergunta para aqueles que não expõem seus carros a estes riscos: Por que entre tantos vincos e frisos, ainda precisamos colar uma faixa na lateral de nossos carros?

Por Rique Franco


  • Lanpenn

    Conclusão: não é de hoje que temos xuning's e defeitos estéticos nos carros!

    • mgbalbo

      Exato.

  • JCS_2000

    As vagas podem até ser apertadas, mas o que manda mesmo é a educação das pessoas. Infelizmente, tem pessoas que não tem selo nem com as suas próprias coisas e muito menos com as dos outros. Bater a porta no carro de outra pessoas causando dano, para mim é inadimissível, até os meus filhos estão sendo educados para nunca causarem este tipo de prejuizo a outra pessoa.

    • BigKelt

      É verdade JCS_2000.

      Recentemente observei um sujeito em um Monza muito sujo e danificado, que ao abrir a porta do seu carro, o fez com os pés e violentamente, batendo com força no carro ao lado.

      Mas não demonstrou nenhum sinal de preocupação, porque nem teve o trabalho de puxá-la imediatamente de volta. Ainda ficou retirando alguns objetos de seu carro, raspando a lateral do outro em estilo vai-vem.

      • PONCIO PILATOS

        isso é o de menos, mas é o que mais tem…
        e as peruas que compram os jipões gigantes e abrem a porta como se tivesse jogando uma criança num balanço….???

  • Pedro_Rocha

    O Gol refrigerado a ar não chegou a ser um sucesso, tanto que tinha o apelido de "Gol contra" e sofria concorrência do próprio Fusca. Já os Gols quadrados/caixote/bola na trave despontaram a ponto da VW poder enterrar o Fusca em 1986 (defasado até para essa época) com um substituto com vendas à altura.

    • Leandro1978

      Ele foi lançado com um motor muito fraco para ele, o 1300 a ar. Depois a VW "corrigiu" o erro ao adotar o 1600, ainda a ar. Só em 84 ou 85 que veio o refrigerado a água, o 1600 continuou como BX, de entrada, que não tinha nem luz de ré. Quem quisesse, que comprasse uma ou os dois pares nas lojas, ficou até 1986. Coincidência ou não, se tornou líder no ano seguinte e o resto já sabemos. Uma curiosidade, quando a VW relançou o Fusca, havia a opção de voltarem com o Gol 1600 a ar, era até mais simples, mas o presidente da república gostava de Fusquinha… e da Lilian Ramos…rs…

      • _Rafael

        1. Como os orgãos de transito permitiam uma aberração dessa? (Vender carro sem luz de ré, como o motorista de trás saberia se o carro da frente estivesse dando ré?)

        2. O que fez o Gol campeão foi a soma MOTOR A AGUA + FIM DO FUSCA.E pensar que de 84 a 86 o Lider era o Monza (Astra, Vectra e Cruze nunca passaram o Gol).

        3. O Itamar gostava do fusquinha e da Lilian de preferencia sem calcinha.

        • Leandro1978

          1. Não era obrigatório, assim como o retrovisor do lado direito.

          2. Atualmente, seria como o Cruze ser líder. Inimaginável e lamentável que isto não ocorra (não pelo carro, mas pelo que representaria)

          3. Sim sem calcinha. Mas na época, a mata era mais fechada, digamos… rs…

          • Di_Zazzo

            Ele gostava do Fusca principalmente pelo capô…kkk

          • DCald

            2. Na verdade, não seria como o Cruze ser lider, e sim o Malibu ser lider! Monza é médio grande… o médio da Opel/GM na epoca era o Kadett (que na epoca era vendido como chevette e estava algo defasado em relação a europa).

            • Leandro1978

              Sim, bem lembrado. O caso do Cruze seria o do Chevette, líder em 1983. Ou seja, um Malibu líder de mercado, seria ainda mais surpreendente (ou inimaginável), mas como gostaria que pudesse acontecer…

        • BigKelt

          É verdade _Rafael, mas ainda assim o presidente mais ilibado pós ditadura.

          Ele teve essa ideia do Fusca, mas foi o presidente mais aberto e confiável do atual sistema político.

  • rafa_marcao

    Na parede o que bate é apenas a ponta da porta. E as mossas feitas por outros carros dependem da angulação da porta do outro carro, ou seja, acertar o friso é uma questão de sorte.

  • http://gugaaa.deviantart.com/ Gustavo Miranda

    Eu gostava bastante das linhas do Passatão, dentre os carros dos anos 70, foi o mais equilibrado esteticamente, pena, muita pena mesmo não ter existido um sedã também, se o Passat brasileiro tivesse herdado além do design a opção extra de carroceria sedã do Audi 100, certamente teria feito o dobro do sucesso que teve.

    Em relação à versão dos anos 80, em épocas em que quanto mais plástico preto mais invocado o carro ficava, o focinho de Audi 100 e os borrachões da linha Pointer e Village deixaram o Passatão sensacional! A exceção do interior, o Santana até parecia uma versão mais antiga com aquele excesso de dobras e vincos por todo o carro…

    Falando nisso, me irritava o excesso de vincos e frisos do Gol, Voyage, Parati e Santana dos anos 80, se comparados ao Kadett, Escort e Monza, eles pareciam projetos muito mais antigos, fico pensando como foi na Europa, já que lá o Santana tinha rivais com visual bem mais avançado como o Ford Scorpio e o Omega, que lá já rodava desde 1986.

    Quanto ao Gol e Cia. o resfresh de 1987 a 1990 fez um bem danado, como os adereços plásticos melhoraram eles por fora, aliás, acho eles a geração mais carismática de carros dos anos 80 do Brasil, o GTI então, foi um verdadeiro "extreme make over"!

    Em contrapartida, apesar do uso moderado de vincos no design do Monza, era assustador o espaço entre portas e paralamas, sem falar na grosseira construção dos faróis e grades, o surpreendente é que isso aconteceu com ele em todo lugar onde a GM fabricou, do Opel Ascona até o nosso Chevrolet, nem o facelift de 1987 ajudou a tirar o visual de coisa de oficina… Acho que foi o carro com mais irregularidades e desalinhamento de peças estéticas que já existiu… Aqueles faróis eram impossíveis de alinhar com a lataria… Felizmente o Monza "Tubarão" recebeu um tratamento decente no seu projeto…

    Outro carro que ficou bem controverso pela falta de vincos foi o Tempra Turbo e Stile, nossa, o carro viou uma caixa, as portas já excessivamente planas ficaram piores sem friso ou borrachões, deixaram-no com uma aparência frágil… Acho que de esportivo ele só teve o motor…

    E respondendo a última pergunta, uma faixa na lateral, além de proteger a porta de batidas em estacionamentos (quando coincide com a faixa do carro ao lado…), ela quebra um poco o excesso de altura ou de área "vazia" do carro, o que faltava para o Tempra Turbo, por exemplo.

    • _Rafael

      A Honda colocou um vinco nas portas do New Civic 2007, e a Toyota fez mais ou menos o mesmo no Corolla 2009. O friso ficava melhor.

    • Cezar

      Durante a minha infância toda o meu pai só teve Passats, o último era um GTS Pointer, cinza, com todos esses borachões e rodas iguais ao do gol gts da foto. Foi um carro que marcou a minha infância, tanto que até hoje eu estou atrás daquele carro que hoje faria às vezes do passatão.

    • BigKelt

      Gustavo Miranda,

      O sedã do Passat foi o Santana. Lembra?

      • http://gugaaa.deviantart.com/ Gustavo Miranda

        Sim, é que eu me referia ao "Passatão", o qual apenas teve hatch, na Alemanha teve a variant, mas sedã, só na geração II, do Santana.

        Como o Passat I e o Audi 100 eram praticamente o mesmo carro, mas o Audi 100 era sedã, no Brasil a VW fez um híbrido, misturando a carroceria do Passat com o focinho do Audi 100 nas duas últimas reestilizações, então eu estava me referindo a uma suposta versão sedã do nosso Passatão I.

        • BigKelt

          Ok Gustavo!

  • bedotRJ

    Essa Saveiro da foto tá com a lateral muito zoada. Nitidamente já levou uma pancada ali. Nessas condições, é claro que o friso não teria como ficar bem alinhado.

    Como na época, os processos eram menos robotizados do que hoje, não era incomum encontrar carros de mesma versão com alinhamento diferente nos frisos. Quando o proprietário instalava frisos como assessórios, ou mesmo após reparação de acidentes, dificilmente ficava perfeito. Mas nos carros originais, havia situações de alinhamento perfeito, como podemos constatar nesse exemplar muito bem conservado:

    <img src="http://bimg1.mlstatic.com/vw-gol-cl-16-1990_MLB-F-4377955681_052013.jpg"&gt;

    Sobre o borrachão inferior mais grosso, cabe ressaltar que a inauguração do assessório como diferencial estético não coube ao Gol GT, de 1984, mas à belíssima série especial Gol Copa, de 1982:

    <img src="http://flaviogomes.warmup.com.br/wp-content/uploads/2010/04/golcopa.jpg"&gt;

    <img src="http://2.bp.blogspot.com/-lTrKeVunf2Y/UX_0-UB3NrI/AAAAAAABJdY/E2UXrincMgg/s400/Image00002.jpg"&gt;

    <img src="http://www.reginaldodecampinas.com.br/img/fotos-veiculos-montadoras/3458.jpg"&gt;

    • Krozi Kerpasst

      Esse friso depois apareceu nas versões Plus da linha BX, só que sem o baixo relevo com o nome COPA. Note que já neste modelo o vinco inferior aparecia embaixo da faixa de forma irregular.

  • mmcinza

    Tudo tem a sua época e 'moda', para mim já foi a época dos 'borrahões' nas laterais dos carros.

    Aí na hora da compra, o pessoal de acessórios tenta empurrar aquele borrachão que até parece bonito, mas tem o nome do carro ou do fabricante e o comprador cai na conversa e aquela aberração..
    Acabou de matar o que levou dias de discussão entre o time de design do carro, no momento da sua concepção.

    A regra é…."se veio de fábrica, até vai, mas se não, para que inventar"?
    Só para que não amassem a porta?

    tenha dó!

    Pior que isso, são aquelas calhas que colocam nas janelas….

    • Fabio D.

      Não acho borrachão feio, não. Meu carro, um Clio, possui a peça original. É modelo 2011. Vai ver o modelo 2013, que não mais o possui. Ficou muito estranho! E no carro da minha mãe, Cruze, mandei colocar os borrachões na cor do carro e com o nome dele na lateral. Não acho cafona, é discreto e, de certa forma, protege o carro. Afinal, mais fácil arrancar o borrachão estragado por uma pancada forte de um carro vizinho e colocar outra. do que arrumar a porta inteira.

  • MecanicoDigital

    Ao ler a matéria, lembrei de outras coisas semelhantes:

    A Palio Weekend 1997 tem a linha de base do vidro traseiro mais alta que a linha das lanternas, o que acaba destoando toda a traseira, tanto que olhando de lado, parece que a tampa não está totalmente fechada, ou mesmo que o carro foi batido.

    <img src="http://images01.olx.com.br/ui/13/67/40/1351115389_449606740_3-Fiat-Palio-Palio-Weekend-97-15-mpi-4P-GNV-1997-Carros.jpg&quot; scale="0">

    <img src="http://images04.olx.com.br/ui/11/16/70/1339496265_396231670_1-Fiat-Palio-Weekend-Muito-Nova-1997-Engenho-de-Dentro.jpg&quot; scale="0">

    Obviamente a FIAT corrigiu isso no carro de 2001, mas pouca gente percebeu a mancada:
    <img src="http://bimg1.mlstatic.com/palio-weekend-10-16v-2001_MLB-F-4799204504_082013.jpg&quot; scale="0">

    <img src="http://images03.olx.com.br/ui/10/15/73/1371685020_520251273_9-Palio-weekend-2001-gnv-excelente-estado-.jpg&quot; scale="0">

    Tem também a Ford Ranger CS, que ao ser reestilizada, usaram a carroceria da nova com a caçamba da antiga, o que deixou as linhas laterais totalmente desencontradas:
    <img src="http://4.bp.blogspot.com/_OWAbzfVagFo/S4kX9pHW-tI/AAAAAAAAFc0/YU3ul6sxz30/s400/FORD-RANGER-2_3-XLS-4X2.jpg&quot; scale="0">

    <img src="http://4.bp.blogspot.com/_OWAbzfVagFo/S4kX9EcYbyI/AAAAAAAAFck/lMk6fy7gwGE/s400/ranger2_13.jpg&quot; scale="0">
    Daí pra disfarçar, meteram um borrachão na lateral, que ficou pior ainda…..
    <img src="http://bimg1.mlstatic.com/ford-ranger-sport-gasolina-20102011_MLB-F-4794159155_082013.jpg&quot; scale="0">

    E pra fechar, não podemos nos esquecer da Ford Belina, cujas linhas inferiores das laterais não conversavam entre si…
    <img src="http://antigosdofarol.files.wordpress.com/2011/08/1978-ford-belina-ii.jpg&quot; scale="0">

    • http://www.noticiasautomotivas.com.br Roxmmp

      Olhando seus exemplos, lembrei da EcoSport. O modelo incial tinha o mesmo "defeito" dessa última linha igual a da Belina.

      • MecanicoDigital

        Outro que tem linhas desencontradas é o Uno 2 portas original. O modelo brasileiro tem aquela linha do capô que morre quando encontra a porta da frente:
        <img src="http://images03.olx.com.br/ui/19/92/92/1375807705_528249092_4-Fiat-uno-ELX-9495-10-carro-particular-Carros.jpg&quot; scale="0">

        O curioso é que no 4 portas a linha seguia harmonicamente por toda a lateral do carro até chegar na lanterna traseira:
        <img src="http://images02.olx.com.br/ui/13/85/08/1300275418_177967708_1-FIAT-UNO-ELX-10-4-PORTAS-Osasco.jpg&quot; scale="0">

        E o Uno Europeu, nem sequer tinha esse detalhe, já que o capô dele tinha desenho diferente por não precisar levar o estepe junto do motor (gambiarra do nosso Uno herdada do 147, por causa da suspensão traseira diferente do europeu):
        <img src="http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/0e/Fiat_Uno_grey.jpg&quot; scale="0">

        E no Mille reestilizado, afim de aproveitar a estamparia do Uno europeu, a lateral do 4 portas também perdeu a harmonia da linha de cintura mais alta, ficando assim com a linha do capô morrendo ao encontrar a porta dianteira, como no 2 portas.:
        <img src="http://tunados.net/wp-content/uploads/2013/01/novo-mille-2013.jpg&quot; scale="0">

        • CyborgPilot

          Boas observações. Até quando as versões de carros pro mercado brasileiro vão apresentar erros tão primários assim?

        • http://www.noticiasautomotivas.com.br Roxmmp

          Fato! Todos os exemplos citados são toscos, aproveitando que seja tão observador quanto eu: Palio Weekend, primeira geração, na versão Adventure, tem aqueles adesivos "preto fosco" nas colunas, dessa forma dá pra ver como a última janela da lateral não segue a mesma linha de cintura das portas, típicas gambiarras, inclusive visível nas fotos postadas num comentário acima.
          Outro exemplo bizarro são os Fords Fiesta Rocam e Ka atuais… pelo amor a dianteira de um e o teto+ traseira do outro são porcos demais.

          Outra coisa que comento: como é feio a roda com relação ao desenho da caixa de roda na linha Gol, desde o caixa até o G3, a roda meio que fica deslocada pra trás, sobrando um grande espaço da roda "pra frente", e a roda quase encostando no parachoque kkkkkkkk é feio demais.

    • jvc

      que Belina linda!!!!

      • MecanicoDigital

        Bonita mesmo. Eu tinha uma dessas LDO, mas era azul metálica. Tinha aquele conta-gíros minúsculo no meio do painel, e o relógio digital no console, mas eu achava o máximo rsssss….

  • fabioalisson

    Friso: tá aí uma coisa que eu não ponho no carro, caso o mesmo não venha de fábrica.

    • hal_cwb

      Eu sempre coloco quando não vem de fábrica pra não ficar com os "amassados de estacionamento" na porta.

      • fabioalisson

        Pois é, mas não dá para ter certeza qual tipo de carro estacionará ao seu lado, e em que a porta do outro carro vai acertar sua porta. Ou seja, acertar em cima do friso é quase uma "questão de sorte".

        Fora que frisos acabam com a estética de determinados modelos, principalmente os esportivos.

  • CyborgPilot

    Nuca vi atrativo estético nenhum no Gol quadrado, muito pelo contrário, ele e sua família (Voyage, Parati e Saveiro) foram os carros mais feios já fabricados e vendidos por aqui. Na minha opinião a VW devia ter investido mais e continuado com o Passat Fastback trazendo versões mais atuais da Alemanha.

    • BigKelt

      É tudo uma questão de gosto pessoal CyborgPilot.

      Eu sempre gostei dessa linha quadrada e principalmente do Gol mais simples, sem borracha, sem rodas esportivas, calotas ou qualquer outro tipo de enfeite.

  • tonimaroni1

    Comprei esses frisos da cor do veiculo com o nome do carro para o Punto Essense que comprei, realmente ficou horrivel, mas o pessoal não toma cuidado e amassam tudo as portas dos meus carros, minha familia tb abre a porta e nem quer saber de nada e eu tenho que ficar retocando, então para evitar um pouco esses riscos e amassados funciona. Outro item que sempre compro é o protetor de soleira, nos carros que ja tive sem a mulherada com o salto alto risca a soleira toda, resultado tem que repintar para vender.

  • 4lex

    falando de faixas laterais impossivel nao lembrar da linha gm, quanto maiores as faixas melhor equipada era a versao do carro.

  • CAP

    Uma coisa que nunca entendi desde pequeno é o porque a roda traseira no Gol e Voyage quadrado, parece desalinhada lateralmente, para trás.

    Exemplos http://images01.olx.com.br/ui/14/83/17/1346716486
    http://images02.olx.com.br/ui/20/13/23/1338351282
    http://images04.olx.com.br/ui/11/08/72/1341670005
    http://img.bomnegocio.com/images/87/8772759304.jp

    Isso é do design ou é suspensão desalinhada?

    • DCald

      falha de projeto mesmo… hehehe…

      Falando em caixas de roda desalinhadas em relação as rodas, uma vez observei uma coisa num encontro de Gurgeis:
      O BR 800 89 e 90 (o que o BR 800 da lateral é em relevo) tem simetria em ambos os lados. Já os BR sem o relevo na lateral, tem as laterais assimetricas, o espaço entre a roda e a fibra e diferente em relação ao lado oposto…

  • Diens_mg

    Essa matéria veio justamente no momento em que queria comentar sobre a modinha de faixas laterais da cor e com o nome do carro. Aqui em BH está uma febre, já vi Onix, Fiesta, New Fiesta, Punto, I30, HB20 e outros… vcs já viram essas faixas? Sabem de onde vem essa modinha? Em alguns modelos ficou até bom, em outros super estranho, como no Fiesta Rocam que vi, colocaram ela bem no meio da lateral, horrível!

    • http://www.noticiasautomotivas.com.br Roxmmp

      Até onde sei, essas faixinhas se destinam a proteger as portas de pequenos esbarrões, ou seja, nada mais são do que borrachões mais bonitinhos, já que muitos modelos não tem mais isso.
      Outro detalhe, é quando o carro tem borrachão porém o mesmo fica inútil, por causa do design concavo.
      Talvez por isso, deva ter visto a proteção bem no meio da porta do Rocam kkkkkkk

  • mauricar23

    Achei os comentários dos colegas mais interessantes que a matéria em si. Alias, não tive paciência de ler toda. Perdi o interesse no meio. Cansativa.

  • Agenor

    Se um sujeito não se preocupa o seu carro, é um problema dele. Mas deve respeitar "aquele cara chato" que insiste em parar um vagas menos vulneráveis. Em um shopping, por exemplo eu tento deixar o carro bem distante lateralmente de outro. Mas em boa parte dos casos, quando retorno, tem um carro bem colado e parado torto, o que denota total falta de interesse do motorista em se preocupar em não amassar o carro ao lado. Fora as crianças nos bancos traseiros, verdadeiros fabricantes de mossas…

  • lightness RS

    Ideia já perdeu o acento a um tempão hein!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • http://www.noticiasautomotivas.com.br Roxmmp

    Não sei se é defeito, mas assim como foi citado o gol, raparem como a lateral de um Santana antigo era torta igual.
    O carro parecia ter formato de banana, com as pontas curvadas para cima.

    • Kaich Olasc

      Também lembro desse detalhe, principalmente na versão duas portas. Aparecia uma vala na base das janelas laterais…

      • http://www.noticiasautomotivas.com.br Roxmmp

        Exatamente. Por ser um carro com linha de cintura reta (ou quase isso), é bem perceptível, e assim como o Gol mostrado, um vizinho meu tem um sem parachoques, é um corpinho de banana kkkkkkkkk
        Abraços

  • Guhxtls

    Que lindo esse Gol gt !

  • wow

    Hoje em dia vejo Gol quadrado na mão de acéfalos

  • PortoWF

    colocam o friso cromado do Fiat Siena na lateral do New Fiesta? O Cara q faz isso merece apanhar de gato morto!

  • gabriel8520

    E quem ja viu o novo civic com esse borrachão? putss

  • Jason

    Embora não tenha relação com o texto, me lembrei de um Gol 1000 CHT que a gente tinha aqui… Meu, que carro sofrível. Subida tinha que pegar em terceira marcha… Não dava pra ultrapassar nada, o carro não aguentava o tranco. Como eram ruins os primeiros 1.0.

    Agora esses Gol Top, tipo o GT 86, o GTS mais novo, o GTI (Referência de carro esportivo no começo dos anos 90) eram bonitos de ver. Os frisos não acrescentam muita coisa, mas como as versões standard eram realmente sem sal, casava bem esse diferencial com o visual.