Antigos Clássicos Europa Fiat História Lada Peruas Seat Sedãs

Fiat 124 foi o mais “camarada” dos carros italianos

fiat-124-sedan

Fiat 124 Sedan

Em 1966, a Fiat apresentou um novo sedã de porte médio e foco familiar no mercado europeu. Ele foi batizado de Fiat 124, sendo um contemporâneo dos esportivos Fiat 124 Coupé e Fiat 124 Sport Spider (que falaremos mais adiante), este último ressurgindo recentemente como base no Mazda RX5.

fiat-124-familiare

Fiat 124 Familiare

Estes três e mais o maior Fiat 125 nasceram com base no anterior Fiat 1500, que surgiu em 1961. Medindo 4,04 m de comprimento, o Fiat 124 tinha linhas simples e uma proposta bastante funcional. Ele surgiu em versão sedã e também ganhou uma perua de quatro portas, bem como a famosa dupla de cupê e conversível.

fiat-124-sport-coupe

Fiat 124 Sport Coupé

Apesar da simplicidade, o Fiat 124 trazia alguns itens sofisticados para o segmento na época, tais como suspensão traseira com molas integradas aos amortecedores, assim como freios a disco nas quatro rodas. A motorização era composta pelos propulsores OHV herdados do 1500, sendo inicialmente um 1.2 de 60 cv.

fiat-124-sport-spider

Fiat 124 Sport Spider

Em 1968, o Fiat 124 ganhou um motor 1.4 OHV de 70 cv, que mais tarde entregou 75 cv. Ao mesmo tenho, apareceu a versão Twin Cam 1.4 na versão 1400 T Special, que oferecia 80 cv. Em 1972, o Fiat 124 Rally Abarth foi lançado com um Twin Cam 1.6 de nada menos de 128 cv. No ano seguinte, o Twin Cam 1.6 de 95 cv foi adicionado ao 1600 T Special, que substituiu o anterior 1.4.

Lada-1200-VAZ-2101

Lada 1200 (VAZ-2101)

União Soviética e Rússia

A Fiat produziu o 124 entre 1966 e 1974, mas o modelo sobreviveu ao fim na Itália e ganhou notoriedade internacional, visto que foi o carro “diplomático” oferecido pela montadora aos soviéticos em 1966. A parceria com o governo comunista rendeu a construção de uma fábrica na cidade de Togliatti, renomeada pouco antes em homenagem a um político italiano.

fiat-124-x-ray

Fiat 124 em Raio-X

Batizado de VAZ-2101, o Fiat 124 começou a ser produzido no mesmo ano em que estreou na Itália, tendo também recebido uma versão perua nos mesmos moldes da europeia. Este sedã russo ganhou em torno de 800 alterações, tendo inclusive motor OHC, embreagem hidráulica, tambor de freio na traseira, entre outros.

fiat-124-special-1

Fiat 124 Special

O VAZ-2101 acabou originando variantes que chegaram até o 2107. Com mais de 17 milhões produzidos, a versão “camarada” do Fiat 124 finalmente saiu de linha em 2012. Mas não foi apenas a União Soviética e posteriormente a Rússia que produziu o modelo fora da Itália.

seat-124-familiar

Seat 124 Familiar

Europa

Um acordo feito entre a Fiat e a espanhola Seat garantiu a comercialização do 124 como um modelo local entre 1968 e 1975. Por volta da mesma época, a Bulgária passou a montar em CKD o sedã italiano, sendo vendido como Pirin-Fiat 124 entre 1967 e 1971. O Murat 124 foi a versão produzida pela turca Tofas entre 1971 e 1977, tendo gerado outras variantes até 1994.

premier-118ne

Premier 118NE

Índia

Em 1981, a Fiat estabelece um acordo com a montadora indiana Premier, que rendeu a produção local do 124 até 1996, chegando a ter uma versão equipada com motor diesel 1.38 D de origem italiana, mas também teve propulsor da Peugeot nos últimos anos. Ele também foi produzido na Coreia do Sul em parceria com a Kia de 1970 a 1975. No Egito, a Lada produziu o VAZ-2107 entre 2002 e 2012.

Lada-2104-Nova

Lada 2105

Brasil

Embora tenha chegado ao Brasil de forma oficial em 1976, a Fiat nunca comercializou o modelo 124 no país, nem mesmo através de parceria nos anos 60, o que poderia ter acontecido, dada as montadoras de capital nacional existentes naquela época.

Mas, o Brasil acabaria vendo o Fiat 124 somente no início dos anos 90, quando a Lada finalmente chegou ao mercado nacional. O chamado Laika veio tanto em versão sedã quanto perua, sendo os mais baratos da época e atraindo a atenção por serem ex-soviéticos. Mas no meio da década, a marca russa perdeu espaço e o já arcaico modelo saiu de cena.





  • Tosoobservando

    Erro foi o governo ter entregado a FNM para a Alfa Romeo, estatal italiana que depois foi vendida a Fiat em privatização, e a mesma fechar a empresa brasileira de autos e motores criada por Getulio. Quem sabe hoje nao teriamos a nossa VW?

    • CignusRJ

      A Alfa não era estatal italiana.
      Mas concordo contigo quem sabe não teríamos uma marca nacional mas… o histórico me faz acreditar no contrário. Os carros da FNM era difíceis de se encontrar, poucas unidades fabricadas e mais caros que os concorrentes. Faltava gestão mesmo. Ah e faltava interesse do governo.

      • Tosoobservando

        “….Em 1928 Nicola Romeo abandonou a empresa, quando esta foi à falência. Em
        1933 a Alfa Romeo sofreu uma intervenção do Governo italiano, que
        passou a ter o controle da empresa. A Alfa Romeo passou a ser um
        instrumento da Itália de Mussolini, um Emblema Nacional.
        … Na década de 70 a Alfa Romeo novamente entrou em crise financeira. O governo então privatizou a Alfa Romeo, passando o controle para a FIAT em 1986.”

    • th!nk.t4nk

      Os europeus vivem me perguntando que montadora de automóveis o Brasil tem. Quando digo “nenhuma”, ficam pasmos. E sempre emendam: “mas… vocês fazem até aviões, não é mesmo? e por que não carros??”. O duro é tentar explicar como o governo atua contra a própria iniciativa privada nacional. Ninguém entende.

      • Andre

        O Brasil tem sim uma montadora nacional, pois a Agrale é de capital 100% nacional, fabrica picapes, tratores e jipes, mas o seu forte são os caminhões que não perdem nada para os concorrentes e chega ser melhor que muitos importados.

      • pedro rt

        a unica 100% nacional e a AGRALE o resto foi vendido e falido. a troller pra ford e a TAC pra zotye

        • Pedro Rocha

          Não tenho pena de nenhuma dessas empresas, pois se ainda existissem provavelmente estariam arrancando impostos e alimentando o petrolão.
          Entretanto, o melhor para o mercado seria a criação de uma “Auto Union” brasileira no final dos anos 1980, unindo Gurgel (veículos leves), CBT (tratores e o off road Javali), ENGESA (veículos militares, cuja linha de caminhões e utilitários poderia ser disponibilizada mais amplamente ao mercado civil), SM (veículos de luxo) e a Agrale, se estes últimos desejassem.
          Aí sim teríamos um “player” nacional interessante no mercado.

      • Pedro Rocha

        O que não faltou foi ajuda estatal para Gurgel e ENGESA. Muita gente não gosta de admitir, mas nossas empresas automotivas nacionais pereceram por seus próprios erros, tanto que grande parte delas morreu nos anos 1990, depois que Sarney destruiu o país e não havia mais dinheiro para ajudar as empresas.

    • Andre

      O Brasil tem sim uma montadora nacional, pois a Agrale é de capital 100% nacional, fabrica picapes, tratores e jipes, mas o seu forte são os caminhões que não perdem nada para os concorrentes e chega ser melhor que muitos importados.

      Mas no Brasil existe uma cultura de não dar valor a marcas nacionais.

      • Tosoobservando

        Estou falando de automoveis de passeio.

      • Pedro Rocha

        Foi a única sobrevivente entre tantas outras porque teve uma boa gestão, crescendo lenta porém vigorosamente.

      • Redpeak77

        Engraçada essa diferença de culturas. Acho que, se fosse lançada uma marca de veículos de passeio nacional, seria ainda menos valorizada que uma marca chinesa. Acho que temos uma certa desconfiança entre nós. Temos impressão que sempre o nosso próximo quer nos “passar a perna”, usar a “lei de Gerson”.
        No Japão, pelo contrário, eles confiam muito mais nas coisas nacionais… importa-se de tudo, mas sempre o que está destacado “indústria nacional” é o que é mais caro e valorizado.

  • Cleidson

    A matéria fala que ele tinha freio a disco nas quatro rodas. Tem muito carro hoje em dia que não tem isso. E não é só carro de entrada. Tem carro caro que não tem isso.

  • Tosca16

    Pouco vejo falar do Fiat 124 mas dos Ladas 2103/2105/2107 em especial tem demais na web; se o Fiat original for resistente quando a versão soviética dele era sim um bom carro… Sei que vou ser massacrado aqui, mas eu gosto desta receita do Lada Laika; motor dianteiro, tração traseira… e não curto muito por exemplo o Fusca, apesar de ter parentes até do Fã Clube do carro. Acho lindo esta versão do Laika, o 2103, que destoava até da proposta original do carro pois apesar de continuar um projeto simples até tinha um certo ar de requinte, mas sem fugir da proposta de carro barato.

    • Rbs

      Sei que não vou ser massacrado aqui, mas eu gosto desta receita do Lada Laika; motor dianteiro, tração traseira… e não curto muito por exemplo o Fusca.

  • arzanette

    este cupê da terceira foto junto com os aviões esta top ……show

  • gustavo

    Ótima matéria Na, essa Fiat 124 Sport Spider e perfeita !!

  • Zé- Dirty work

    A Fiat catou um modelo da Lada ou foi ao contrário?

    • Tosca16

      A Lada fez um modelo baseando-se no 124.

      • Zé- Dirty work

        Nossa, até a calota é igual

        • Tosca16

          Foi feito com a conivência da Fiat, que cedeu o projeto .

  • Meu pai trabalhava em uma oficina chamada Emercan, aqui em Belo Horizonte. Ele conta que um jogador do Clube Atlético Mineiro tinha um 124 Sedan que fazia revisão na tal oficina.
    Pai tinha um 147 L 1.050cc