_Destaque Ford Hatches Lançamentos zslider

Ford New Fiesta EcoBoost chega como parte da linha 2017 que começa em R$ 51.990

ford-new-fiesta-ecoboost-NA (63)

O New Fiesta chega em sua linha 2017 com boas novidades, entre elas a chegada do tão esperado motor EcoBoost 1.0. Disponível agora nas versões SE, SEL e Titanium Plus, o compacto premium da Ford chega com preços entre R$ 51.990 e R$ 71.990, conforme já adiantado pelo NA.

Agora, o New Fiesta 2017 passa a dispor de dois motores, sendo o 1.6 Sigma Ti-VCT com até 128 cv e o novo EcoBoost 1.0 de 125 cv a 6.000 rpm e 17,3 kgfm entre 1.400 e 4.500 rpm, oferecido somente na versão Titanium e com transmissão de dupla embreagem com seis marchas. O motor 1.5 não é mais oferecido para o consumidor comum.

ford-new-fiesta-ecoboost-NA (60)

Importado, o propulsor da Ford chega com 275 patentes registradas pela Ford e com turbocompressor com turbina girando a 248.000 rpm e pressão de 1,5 bar, trabalhando com injeção direta de combustível, no caso somente com gasolina.

O pequeno três cilindros têm bloco de ferro fundido com cabeçote e cárter feitos em alumínio, tendo ainda duplo comando de válvulas variável, bomba de óleo variável, intercooler, correia dentada banhada a óleo, coletor de escape integrado e quatro válvulas por cilindro.

ford-new-fiesta-ecoboost-NA (5)

Com ele, o New Fiesta Titanium Plus EcoBoost 1.0 vai de 0 a 100 km/h em 9,6 segundos com consumo urbano de 12,2 km/litro e rodoviário de 15,3 km/litro. A emissão de 99 g/km de CO2. A classificação é “A” no Inmetro.

A retomada de 40 para 80 km/h é feita em 5 segundos, enquanto de 50 a 100 km/h ele precisa de 8,1 segundos. Já de 80 para 120 km/h, o compacto o faz em 6 segundos.

new-fiesta-ecoboost-lançamento-NA-5

A Ford apresentou um novo plano de seguro e manutenção. O seguro, independente do perfil e através da seguradora Mapfre, será de R$ 2.325,00. Além disso, o plano de revisões de R$ 392, R$ 604 e R$ 544, respectivamente para 10.000, 20.000 e 30.000 km.

O total dos custos é de R$ 1.540, pouco acima dos R$ 1.456 da versão 1.6. Outra novidade é o pacote com 3 revisões e um ano a mais de garantia, custando R$ 2.500. Outro pacote inclui 5 revisões (até 50.000 km) por R$ 3.000. Os valores podem ser financiados junto com o veículo. Logo mais traremos mais detalhes e impressões ao dirigir.

Confira abaixo os itens de cada versão do Ford New Fiesta 2017:

SE 1.6 MT – R$ 51.990 – Ar-condicionado, direção elétrica, trio elétrico, alarme, sistema de som MyConnection e computador de bordo.

SEL 1.6 MT/DCT – R$ 58.790/R$ 64.990 – Itens do SE mais controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, rodas de liga leve aro 15 polegadas, sensor de estacionamento, SYNC com AppLink e comandos de voz, Assistente de Emergência, ar-condicionado automático, fechamento dos vidros e travas de forma remota e chave MyKey.

Titanium Plus 1.6/1.0 EcoBoost DCT – R$ 70.690/R$ 71.990 – Itens do SEL, mais sete airbags, entrada/partida sem chave Ford Power, sensor crepuscular, piloto automático, retrovisor eletrocrômico, bancos em couro, rodas de liga leve aro 16 polegadas e sensor de chuva.

Galeria de fotos do Ford New Fiesta EcoBoost 1.0 2017:

Evento a convite da Ford.





  • Emilio

    “correia dentada banhada a óleo”. Como seria isso? Correia lacrada?

    • Louis

      Também queria saber qual a vantagem da correia banhada a óleo.
      Mas prefiro carros com corrente de sincronização, que praticamente não precisam de manutenção.

      • Franco da Silva

        Daqui a pouco vem um dizer que é pq ela NUNCA precisa de manutenção e as outras são porcaria, pq dão manutenção, custam caro, bla bla bla…
        Mas a realidade é que está cada vez mais raro qlq tipo de correia dar problema e, como você falou, quase não precisa de manutenção.

        • Fabio Marquez

          Essa correia deve ser trocada a cada 120000 km, o mesmo tempo do motor TSi da

        • Marcelo Alves

          Depende do caso, carros que rodam em região com muito pó abrasivo têm que encurtar o tempo de troca da correia e as vezes tem que trocar as polias porque o atrito entre o pó e a correia deforma ou afia os dentes das polias.

          • CharlesAle

            Sim.Acredito que esse motor não terá problemas na região de mineradoras de MG..Onde o pó de ferro detona as correias dentadas normais…

      • vicegag

        Segundo a QR deste mês, a correia banhada a óleo tem seu atrito diminuído e contribui para a economia de combustível.

        • CharlesAle

          Além do óleo a mantê-la limpa e mantendo sua durabilidade..

      • Zoran Borut

        A correia banhada em óleo tem vida útil declarada de cerca de 210 mil km, contra 60 a 100 mil km da convencional (edit: e segundo os fabricantes, reduz o consumo – e por tabela as emissões – e aumenta o desempenho – por isso seria usada em motores como o 3 cilindros 1.0 do Ka).

        A corrente tem custo maior para as montadoras, e como estas estão interessadas no consumidor de carros zero quilômetro (e procuram incentivar a compra destes, obviamente), torna-se mais vantajoso para elas o uso de correia dentada.

        • marco

          manual do KA troca a cada 250mil km, mas mesmo assim
          a correia no new fiesta com teflon troca a cada 160mil km

          • Gustavo73

            A do Fiesta é igual a do Up.

        • th!nk.t4nk

          Na verdade a corrente está caindo em desuso pelo peso e atrito elevados, além de ser barulhenta. A tendência é que os motores mais modernos passem a usar apenas correia dentada, mas com atualizaçoes (materiais mais duráveis, banhada em óleo, etc).

      • G.Alonso

        Uma das vantagens é ela durar toda vida útil do motor.

      • Gustavo73

        A correia é mais econômica em carros de baixa cilindrada, já que a corrente exige um esforço maior. As novas correias de Teflon e essas banhadas a óleo temnuma durabilidade 2×3 vezes maior que as comuns.

      • CharlesAle

        Pelo que li, o óleo faz na correia o mesmo processo que faz no motor.Retira impurezas/ contaminação e a mantém limpa. Já que a mesma tem material apropriado para o contato com o óleo, ao contrário das correias dentadas normais..Sem dúvidas, mostra o quanto esse motor Ford é moderno. Pois essa correia é a evolução das correias normais..

    • leandro

      Acho q o 1.0 do ka também é assim

    • marco

      é uma correia interna dentro do motor e a sua troca é a cada 250mil km
      duas vantagens são: menos ruído e menos consumo de combustivel

    • Bruno

      O correto seria “banhada a ouro”.

  • Gian

    Uma bela obra de engenharia esse 1.0T (sem dúvida) mas que, por enquanto, devido aos preços absurdos, vai ser só pra dizer que tem.

    • vicegag

      Linha 2017 com boas novidades, ?!? Sim o Ecoboost é uma ótima novidade, mas na versão mais cara, limita demais o seu uso para o consumidor em geral.
      É uma ironia, na terra dos 1.0, quando aparece um 1.0 bom de verdade o povo dos 1.0 não tem alcance.
      PS sem esquecer do ótimo TSI da Voks.

      • Gian

        Verdade tudo o que você disse.

        Eu gosto tanto do TSI da VW que comecei a gostar do Up! Sério.
        Achava o Up totalmente sem graça (mesmo sendo bem construído).
        A versão 1.0 TSI, depois que dirigi, me fez mudar de opinião sobre o carro.

        Esse da Ford me desperta muita curiosidade, mas por esse preço, vai demorar para ter algum conhecido com um para eu poder experimentar.

        • Raphael Pereira

          Concordo com vc sobre o Up tsi, pequeno grande carro. Motorzao. Depois que dirigi mudei meu conceito sobre ele.

        • Edson Fernandes

          E me chame para qdo tiver um conhecido que tenha e possamos fazer um test drive…rs

        • CharlesAle

          Mas se caso eu estivesse interessado em comprar um Fiesta Titanium, optaria pelo 1.0T ao 1.5 sem dúvidas..Pois seu baixíssimo consumo de gasolina compensa e muito custar pouco mais e ajuda a pagar também suas revisões..

          • Gian

            E tem o Powershift que eu (particularmente) gosto bastante.
            Mecanicamente, o Fiesta 1.0T Powershift me atende 10000%.
            Inclusive por ser apenas gasolina (não uso Etanol).

            Tem desempenho, tem baixo consumo, “automático” e o carro é bonito.
            Pra mim, seria o carro perfeito.

            MENOS O PREÇO.
            Mas, de forma geral, carro zero no Brasil já não faz sentido mais.
            Os preços absurdos não são um problema exclusivo da Ford…

      • CharlesAle

        Mas isso pode ser só no começo..Depois acredito que a Ford a estenderá aos demais carros…Inclusive já Flex..

      • José Antonio

        O 1.2 Puretech me parece mais negócio, está substituindo os 1.5 pelo mesmo preço.

    • Leonel

      Nada muito além do 1.0 TSI e muito melhor do que o 1.0T da Hyundai (este, achei sem graça).

      • Edson Fernandes

        São as opções de mercado. Só acho que a chamada da materia meio ilusoria imaginando existir em consonancia modelos 1.6 e 1.0 para as mesmas versões, sendo que o 1.0 turbo começaria em R$51990.

        • Magnamox

          Com certeza…só entrei na matéria porque pensei que tinha Fiesta 1.0T a partir de R$51990,00… Triste ilusão..

      • Fabio Marquez

        O motor da Hyunday perto do TSi e desse EcoBoost é quase que um motor convencional com um turbo instalado nele, coisa de Gol Turbo no inicio do século…rs

        • Leonel

          Exato. É capaz da Fiat quando lançou o primeiro carro turbo no país (Tempra) ter sido no mesmo nível desse turbo da Hyundai.

          • Mr. On The Road 77

            Puxa, nada a ver. Só não tem injeção direta, que por si só já faria o motor da Hyundai ter números parecidos com o do Ecoboost.

            • Leonel

              rss…ok, exagerei, mas não é só a injeção direta. É só ver a diferença desses 1.0 para os 1.6 e ver que no caso do HB 20 não teve mudanças signifcativas. É só perceber que o 1.6 continua sendo o topo de linha e não o contrário. Não é só o fato de ter AT no 1.6, o motor é tão eficiente (senão mais) que o 1.0T deles.

            • Gustavo73

              Falta a injeção direta e o intercooler mais moderno que existe no 1.0TGDi dela lá fora.

              • Marco Douglas de Paula

                NAo querendo defender a hyundai mas a ideia deles foi essa, manter o 1.6 como topo, pq pensaram como a vw com o golf, que o povo tem preconceito com motor turbo.

                • Gustavo73

                  Isso não justifica, foi economia mesmo. Primeiro que ela cobra 3600 reais a mais que o 1.0 aspirado a VW cobra 4000. E assim como acontece com o Tsi 1.0 que tem potência que vai de 90 cv até 115cv ( no Golf deve passar dos 120) e no Ecoboost de 100cv a 140cv. Seria tranquilo fazer o 1.0t dela com a mesma potência mas teria mais torque e seria mais econômico. Lembrando que no caso do Golf o 1.6 se fir mantido será abaixo do 1.0 Tsi.

              • Mr. On The Road 77

                É o ponto que queria chegar: não é um motor com turbo adaptado como era antigamente, como estavam comparando acima.

                • Gustavo73

                  Não mesmo. É uma versão mais simples do Kappa que é oferecido na Europa. Com todos os ajustes e reforços internos para aguentar o aumento de potência sem problemas. Falta é a injeção direta e outras coisas. Mas nada que torne o motor ruim.

    • Gilberto Silva

      71 mil reais por um Hatch compacto?????? dá vontade de ir embora do Brasil.

      • Rodrigo

        Cada vez mais a designação compacto premium passa a fazer sentido. Só no preço, pelo menos.

      • CharlesAle

        Muito caro..Mas no mercado, não há carro 1.0T do segmento do Fiesta tão completo quanto.

  • leomix leo

    Uma pena terem tirado o acabamento soft…

    • Carlos_Drake

      o brasileiro nunca teve.. uma pena mesmo.

  • vicegag

    Não tinham anunciado que o Ecoboost só viria para que comprasse o Titanium Plus?
    Então a Ford mudou de ideia, melhor para o consumidor.

    • Rafael Henrique Arruda

      Sim, o 1.0T estará disponível somente na T Plus. Olhe no fim da matéria as versões:
      SE 1.6, SEL 1.6 e Titanium com 1.6 ou 1.0T.

      • vicegag

        É que parte do texto informa a versão Titanium.

        • Edson Fernandes

          Na verdade a nomenclatura será Titanium apenas e não titanium plus. O que me dá a ideia de imaginar que não teremos central multimidia sony e nem teto solar nem para esse 1.0 topo de linha.

    • Louis

      O título da matéria induz ao erro.
      Também pensei em primeiro momento que Ecoboost partia de R$ 52 k…

      • Marco Douglas de Paula

        Ta meio ambíguo mesmo.

      • CharlesAle

        Se fosse seria ótimo..Pois esse 1.0T é fantástico..Sem exagero, mas é uma obra-prima da engenharia automotiva..

  • MaCaRyS

    Com certeza um ótimo carro mas “bloco de ferro fundido” !!?? por míseros 70 mangos?

    • Lucas Vilanova

      Já tinha lido sobre isso não sei onde, mas fizeram assim não por conta de custos, mas sim por causa das vibrações, visto que o bloco de ferro é mais pesado que o de alumínio.

      Espero que não tenham feito isso pelos custos, estou olhando apenas na visão de um apaixonado por tecnologia…

      • Louis

        Uma diferença que percebi, e gostei, dos meus carros com bloco em alumínio, é que quase não suja o líquido de arrefecimento.
        Em outros carros anteriores com motor em ferro, o líquido vivia sujando (parecia ferrugem), mesmo com aditivo.

        • Lucas Vilanova

          Também notei isso no meu carro anterior – Celta. Vamos ver agora no Onix. Até agora o líquido está como novo. Só o reservatório que está um pouco escuro, não claro como antes, mas está.

          Isso seria um sinal da contaminação no líquido?

          • Louis

            Creio que, nos casos de motor em ferro, seja ferrugem, oxidação. O aditivo vai perdendo propriedades com o tempo, e permite a oxidação.
            De vez em quando, peço para o mecânico trocar todo líquido de arrefecimento.

            • Lucas Vilanova

              Verdade. O Onix vai fazer 4 anos em dezembro próximo. Até o próximo ano, se eu não vendê-lo, mandarei fazer uma limpeza no sistema.

              • CharlesAle

                Só lembrando que muita sujeira, ou até nem tanto, pode ocasionar travamento da termostática..Esse era o problema dos motores rocam..Se o sistema era mantido limpo pelo proprietário, o rocam não dava problema..

                • Lucas Vilanova

                  Interessante esse relato. Obrigado pelo aviso meu amigo.

          • Edson Fernandes

            As vezes pode ser o recipiente que se sujou externamente não?

            • Lucas Vilanova

              Acredito que não. É com o tempo mesmo, o carro vai fazer 4 anos agora em dezembro. Caso eu fique até o próximo ano com ele, vou fazer uma limpeza geral no sistema. Penso que 5 anos é o tempo ideal para realizar a troca do líquido.

              • Edson Fernandes

                Bem… eu faço essa limpeza anualmente… no meu C3 eu fiz isso desde 0km…

                • Lucas Vilanova

                  Eu acho 1 ano muito pouco. Por que fizeste anualmente?

                  • Edson Fernandes

                    No caso do manual era citado dos meus carros anteriores para olhar o reservatório. E como eu sou “um pouco” chato com a manutenção, se a coloração começasse a ficar mais transparente ou mudar a coloração eu já tratava de fazer a troca de todo liquido arrefecimento.

                    Isso porque não citei que fazia de 6 em 6 meses no Uno que eu tinha…rs

                    Só o atual carro que talvez eu não precise ficar tão atento já que o proprio manual pede um periodo maior para visualização.

                    • Lucas Vilanova

                      Entendo, eu sei também sou meio chato para essa coisas kkkkkkkk

                      Mas o meu líquido está como veio de fábrica, na mesma cor. Só o tanque que escureceu um pouco, como eu falei.

              • 5 anos!? que isso, muito tempo.
                Leia o manual, duvido fortemente que recomende esperar todo esse tempo.

                • Lucas Vilanova

                  Já li e por isso que falei com propriedade. Manual Onix 2013:

                  Líquido de arrefecimento
                  do motor

                  Troca do líquido de
                  arrefecimento

                  O sistema de arrefecimento do motor é abastecido com um aditivo para radiador de longa duração (etilenoglicol), cujas propriedades conferem proteção adequada contra congelamento, ebulição e corrosão. O líquido de arrefecimento deve ser trocado a cada 5 anos ou 150.000 km.

                  • Allysson Santos

                    Nos Etorq a Fiat recomenda a limpeza e substituição do liquido de arrefecimento a cada 2 anos…

                • Fernando S.

                  O manual do meu Fiesta Rocam também não especifica tempo para trocar o arrefecimento, ele só pede para, com o motor frio, colocar aditivo + água respeitando o limite do radiador. Ele só pede a substituição a cada 2 anos do fluído de freio.

            • CharlesAle

              Acredite, mas o melhor produto para limpar o sistema tá na pia da cozinha! Detergente neutro!!. Coloque no expansão, junto ao liquido que já está lá, todo sujo. rRode uma semana(ou até ver pelo expansão que já soltou bastante sujeira) e depois tire: sai uma sujeira absurda, e com a vantagem de não atacar nenhuma peça do sistema de arrefecimento.Ao contrário de outros produtos químicos..

              • Edson Fernandes

                Obrigado!

              • Gustavo73

                Bela dica

          • CharlesAle

            Vai sujar..O aditivo “vence” perde seu poder antiferrugem e o resultado é a sujeira tomando conta..Mas até que não é tão caro trocá-lo..Essa é a vantagem dos blocos de alumínio, não sofrem corrosão no sistema de arrefecimento..

            • Lucas Vilanova

              O manual do carro informa a troca a cada 5 anos ou 150 mil KM. O meu está na cor como veio de fábrica, alaranjada. Mas sempre fico visualizando, sou bem chato quanto a isso.

              Não vejo a hora de ter um motor moderno e eficiente…

              Abraço

        • Marcelo Alves

          Meu Polo 2008/2009 ainda está com o aditivo que saiu de fábrica e está bom ainda, nada de ferrugem e não baixa o nível de água, mas eu rodo pouco, agora que o carro vai completar 50k km.

          Meu pai tem uma Strada 2010 com motor 1.8 GM e somente 35k rodados e a água já está cor de ferrugem, passando da hora de fazer uma limpeza… Aquele aditivo que a Fiat usa (Paraflu) não dura nada, melhor usar de outra marca ou mesmo o G13 da VW que é top.

      • MaCaRyS

        Até tem sentido Lucas mas os motores 3cil 1.2 puretech da PSA possuem bloco de alumínio e são só elogios nas avaliações quanto a vibração.

        • Lucas Vilanova

          Verdade bem lembrado. Mas não quero pensar no corte de custos rsrs

        • Edson Fernandes

          Para não ser só perfeito nesse momento, como qualquer 3 cilindros, ele tem vibração em ponto morto. Mas só do que falam em avaliações (inclusive é bem avaliado se precisar atingir o limite de rotações).

        • th!nk.t4nk

          Na verdade o 1.2 da PSA vibra mais sim que o Ecoboost 1.0. Não chega a ser uma super diferença pro consumidor, mas ela existe.

    • Segundo a Ford, uma questão térmica. Blocos de Ferro fundido esquentam mais depressa, emitindo menos poluição na fase mais crítica do processo (Antes de atingir a temperatura de trabalho).

      • MaCaRyS

        Entendi, a explicação da Ford é sobre emissão de poluentes, um carro mais ecológico com “menos” emissão de poluentes, menos entre aspas pois em blocos de ferro tem realmente a troca do fluído de arrefecimento (que não é nada ecológico) mais cedo do que no bloco de alumínio, aí é que entra a questão do quão ecológico é, se é que é mesmo! Mas valeu não sabia dessa.

        • Quando era metalúrgico eu estudei um pouco sobre materiais (Faz quase duas décadas, então perdoe qualquer imprecisão), vi que o Ferro Fundido tinha mais resistência ao desgaste que o duralumínio, nome correto da liga do derivado da bauxita, Mas sinceramente não sei se resistência ao desgaste (tecnicamente, ao risco) seria tão relevante no projeto do bloco do motor. E ele podia ser tão leve quanto o duralumínio, mas aí seria bem mais caro. E também o duralumínio podia ser tão resistente quanto, mas seria mais caro também. Então eu acredito na questão da termodinâmica, até porque isso não foi uma empobrecida para vender aqui, e sim uma escolha de projeto.

          • th!nk.t4nk

            A razão principal pra usar ferro fundido é a capacidade de absorção de vibraçoes deste material. Tem outras vantagens sim, e a desvantagem de pesar bem mais, porém o 1.0 Ecoboost é super “magro” e aí o ferro fundido acaba tendo mais vantagens do que desvantagens. Cada caso é um caso.

    • Gustavo73

      Questão de escolha da marca. O 2.0 Tsi usa bloco de ferro.

    • CharlesAle

      O Bloco de ferro o torna mais parrudo e mais apto a suportar temperaturas altas sem danificá-lo..Ou seja, não é só desvantagens..

      • th!nk.t4nk

        O principal é absorção de vibraçoes. Todas as outras razoes vêm bem atrás.

  • Carlos_Drake

    Tirando a parte do preço, porque eu esperava algo assim já que o motor é importado…. eu queria ver um teste desse motor 1.0 ecobost.

  • Franco da Silva

    Pq tanta ressalva ao uso da gasolina?! Esse ecoboost não é flex?!

    • Creio ser ‘preguiça” dos engenheiros de mexer na taxa de compressão do motor.

      • Tosca16

        Acho que nem os consumidores no geral ligam pra isso, porque de que adiantar ter um flex e usar somente gasolina em boa parte do país ? Eu gosto do Etanol mas sei que nem todos usam, especialmente em algumas regiões não produtoras de cana de açúcar .

        • Franco da Silva

          Sim! Há mais de 10 anos não vale a pena usar etanol aqui no RS. Pra mim, não faria diferença se acabassem com o flex. Mas sabe como é na hora de vender, usam qlq coisa pra desvalorizar nossos carros.
          “ah, não é fréxis! demora pra vendê. te pago 5000 a menos!”

          • Tosca16

            Eu quero que acabe os flex, e venham de volta os monofuel, e usaria sim um carro somente a Etanol, pois creio que temos tecnologia para ter motores mais eficientes e de bom desempenho, sempre sonhei que um dia poderia ver um modelo nacional turbo etanol, com boa potência aliada a um consumo de combustível mais baixo.

          • Zoran Borut

            A vantagem do flex para quem não pede etanol no posto é que os quase 30% de etanol na gasolina não vão mandar o motor para o brejo.

            Agora, olhando pelo lado do público alvo, se as montadoras focam em quem mais compra carro zero no Brasil (como a megalópole SP – Campinas – Sorocaba), faz sentido olhar para esses aspectos regionais. O povo paulistano por exemplo adora banco de couro, enquanto o povo do interior detesta (por causa do calor excessivo na maior parte do ano), mas como os paulistanos são maior número de consumidores que os interioranos, já sabemos o que acontece. O câmbio automático é outro exemplo.

            • Edson Fernandes

              Olha, eu por uma questão de sujeira mesmo. O banco de tecido acumula mais sujeiras além da maior dificuldade de limpeza. Acho que tem esse fator tbm pela escolha ao couro.

            • Gustavo73

              Todo motor mandado para cá tem que estar habilitado para rodar com a nossa gasolina E27, faz parte da tropicalização.

        • Mas por exemplo, em SP, estado mais rico do Brasil e que deve ser responsável por grande parte das vendas, Etanol quase sempre é vantajoso.

          • MauroRF

            Aqui na região do Grande ABC – SP, o etanol estava 2,04 no último fim de semana, no posto Carrefour.

            • Isso é caro pra você? Aqui no RJ a média é 3,00. Barato aqui é 2,79 no etanol.

              • MauroRF

                Putz, aí no Rio é caro mesmo. O estranho é o preço da gasosa, sendo que aí é região produtora. Vai entender. Uma tia e primos da minha esposa moram aí e quando eles vêm pra cá, ficam estupefatos com os preços “baratos” dos combustíveis por aqui. Então, na verdade, eu acho caro comparando com o que era antes, até no ano passado, achava-se a 1,59, 1,69 o litro, quando subitamente, do nada, aumentou para mais de 2,00. E está acima disso agora permanentemente.

                • RJ é uma piada. Aqui tem mto petróleo, mas tem pouca refinaria. Tem tbm ICMS caro.

                  E a gasolina, custa quanto? média no RJ é 3,89 na normal.

                  • MauroRF

                    Que pena, poderia ser mais barato aí. No Carrefour que abasteci, estava 3,19 a comum, na média, está 3,24, 3,29, 3,39, dependendo do posto. Um Shell bom aqui perto de casa está 3,29. Tem aqueles postos de bandeira branca por aqui que chegam a vender a 3,09, 3,14 (e 1,94 o álcool), mas nem arrisco.

                  • Marco Douglas de Paula

                    Aqui no RS o alcool é 3,70 amigo… huauhahuahuahuah

                    • CharlesAle

                      NOssa. Não será Whisky que vendem nas bombas do RS ..rsrsrs

                  • CharlesAle

                    E me lembro de especialistas defenderem que a refinaria Abreu e Lima seria muito mais correto(ou óbvio) era ser construída no estado do Rio, e não no PE..Mas a política falou mais alto…

                • Gustavo73

                  Esse é o porque …

                  • CharlesAle

                    Os valores de ICMS são um assalto, meu Deus..

                    • Gustavo73

                      “Sorria você está no Rio”.

              • MaCaRyS

                Posto sem bandeira em Curitiba e região R$ 2,39 Etanol Postos com bandeira 2,89

          • Tosca16

            Sim, tem regiões que é vantajoso, outras que não; um carro não pode ter uma adaptação (digo que o sistema flex não passa disso) regional, aqui em minha região tem quem nunca abasteceu o obsoleto tanquinho de partida à frio, primeiro que aqui não haveria necessidade e segundo que muitos nunca abasteceram com 100% etanol . Me recordo quando a Honda trouxe as CG’s 150 Flex, eram mais baratas, muita gente comprou pelo preço, conheço moto-boy, moto-táxi e motociclistas que nunca pensaram em por etanol no tanque; uns porque sabem que o consumo não compensaria vide a continha básica dos 70% do valor da gasolina, e boa parcela por preconceito mesmo, em achar que vai “oxidar”, dá defeito na injeção eletrônica e etc.

        • Edson Fernandes

          Porque? eu te respondo: Essas mudanças malucas que fazem de adição de alcool na gasolina, eu consideraria apenas flex por conta disso.

          Acredito que os componentes a médio ou longo prazo não iria ter problemas em carros já preparados para os dois combustiveis.

          • Tosca16

            Eu lhe digo que ninguém deixa de comprar alguns modelos pelo fato de não serem flex, especialmente os modelos mais caros; entretanto concordo contigo em partes, especialmente nos populares … E mesmo um carro monofuel ao meu ver deveria ter as mudanças para se adequar a mijona brasileira, vc compra um carro sei lá, um BMW e ter problemas com corrosão é osso; será que a fabricante não sabe que tem que fazer as devidas adaptações e mudanças em nosso mercado ? Ou deixe claro que tem que usar a gasolina podium, não me recordo a que tem menor porcentagem de etanol … E voltando aos Flex, sinceramente eu acho que dono de posto é quem mais ama essa tecnologia, pode por a quantidade de etanol que for e seu carro “funciona” normalmente, não duvido ter posto por aí com 40% de etanol na mijona…

            • Edson Fernandes

              Mas imagine o seguinte… vc tem um carro que podia “se dar ao luxo” de pedir um combustivel superior.

              Hoje as fabricantes precisam mudar todos os parametros de aceitação para funcionamento do motor. E a injeção trabalha com parametros bem flexiveis, mas considerando essa batização louca que ocorre em nosso combustivel, como confiar que mesmo a injeção ou peças do motor suportem isso?

              Por isso prefiro um carro flex, pela certeza das peças ali instaladas já estarem voltadas a esse maluco combustivel. Infelizmente é uma realidade que vejo na pratica, porque só sei qtas vezes meu Xsara sofreu com luz de injeção acesa por conta disso. Até o dia que mexi na injeção admitir sem erros um combustivel com mais alcool. E então ele rodou mais liso (considere que mesmo na Podium que usei durante um bom tempo ele já me apontava essa luz).

              Então depois de perceber um aumento de consumo (inclusive com podium) depois do aumento de alcool (que era para ser nos combustiveis comuns), te digo que hoje não gostaria de ficar dependente de um motor não preparado para tal.

              • Tosca16

                Entendo, compreensível seu ponto de vista.

            • Edson Fernandes

              Se eu desejaria isso? Nao. Mas em virtude do que passei, prefiro.

        • Gustavo73

          O Estado do Rio produz cana e petróleo e mesmo assim tem um se não o combustível mais caro (exceto algumas regiões do Norte e fronteiras) e o etanol não compensa há muitos anos.

          • Mr. On The Road 77

            Produz cana e petróleo, mas também produz Cabral, Garotinho, Rosinha, Pezão, Dornelles…

          • Tosca16

            Entendo, eu sinceramente acho que o Brasil poderia ser referência na produção do álcool combustível ; mas tem que melhorar e muito para que ele se torne viável, uma das maiores dificuldades ao meu ver é infraestrutura para o transporte da cana de açúcar.

            • Gustavo73

              Acho que o problema estaria mais na produção. Em quanto de cana vira etanol. Lembro há alguns anos ter lido algo sobre álcool 2.0, eles teriam estudos para aumentar a produtividade tirando mais álcool do bagaço e vom novos tipos de cana que teriam uma uma produção maior. Se não estou enganado seria de 30% ou mais.

      • Gustavo73

        Não é so na taxa de compressão que se mexe. O desenvolvimento da versão flex deve estar a cargo da Ford Brasil.

      • CharlesAle

        Mas eu particularmente achei até bom..

    • Marcos Vinicius Bittencourt

      Não é flex

  • Dona Ford parece que não quer vender esse motor.. colocar só na topo de linha é um tapa na cara do consumidor.
    VW com todos seus defeitos e apesar ter preços absurdos tbm, disponibliza o TSI já na versão intermediária do UP, não só nas topo de linha.

    Tomara que esses Fiesta aprodeçam nas CC.

    72 mil, não, muito obrigado!

    • Eduardo Brito

      A Diferença é que o motor TSI é feito aqui.

      • Ué, então façam o ECOBOOST aqui.
        Quanto tempo esse motor já existe? A Ford Brasil não é capaz de produzir?

        • Eduardo Brito

          A Ford é capaz de produzir, mas não quer. Quer ganhar o máximo com esse motor importado e dps fazer ele aqui.

        • ObservadorCWB

          A FORD Brasil não conseguia colocar nem mapas do Brasil ou voz em Português na Edge e Fusion há alguns poucos anos atrás….

          • Ela não conseguia colocar uma luz amarela na seta! Hehehe
            “Ah, mas vinha do México”. O Jetta também. E tinha a luz amarela.

            • João Martini

              Cara, como isso me irrita. Esses dias quase bati num entra porque não vi a seta.

              • Mas vão dizer que é sua obrigação manter distância do carro da frente, que dá para ver claramente a luz… Aí terei que lembrar as pessoas que você escreveu “quase”… Aliás, provavelmente o quase se deve ao fato de você estar em velocidade compatível com as condições da via, na distância correta do carro da frente… Eu também já fiquei muitas vezes no quase… O celular até já aboli do meu lado porque vi que era muita irresponsabilidade… A questão é que como em um avião, as vezes não é só um fator que o derruba, mas uma conjunção de fatores. E a Ford adicionou um fator desses à possibilidade de acidentes.

                • Gustavo73

                  A questão é o hábito. Na visão periférica fica mais fácil diferenciar a laranja do pisca do vermelho. Fora que o vermelho fica com as 3 funções lanterna, freio e pisca.

          • Gustavo73

            Rsrsrs… o Focus também falava português PT.

    • CharlesAle

      Acredito que a estratégia da Ford é começar aos poucos mesmo..Já que é um motor totalmente inédito em sua linha nacional..

  • Matheus Cavalheiro

    Sou a favor do downsizing. Entretanto, não vi ganhos significativos em relação ao 1.6 Sigma; seja em consumo ou aceleração. Acredito que o 1.6 já casa muito bem com o Fiesta. Poderiam ter melhorado o acabamento e ter incorporado DRL. De qualquer modo, não deixa de ser um bom motor.

    • Tosca16

      Veremos em consumo especialmente.

      • Franco da Silva

        O consumo de cidade do INMETRO tem fechado com o meu uso (o da estrada é que fica bem pessimista, faço muito mais). Se fizer 12 é uma melhora de quase 20% comparado com os conhecidos que quem tem o 1.6

        • Tosca16

          Pode crer que este motor irá fazer no mínimo 20% a mais que isso, quer seja em circuito urbano quer seja em estrada; e não estou dizendo que somente este, mas qualquer um que for avaliado pelo INMETRO pode por no mínimo 20% a mais nos dados, isso sendo eu bem pessimista, se fosse outros já lhe diria uns 40% até .

      • mas é o que eu vi um cara comentando: do que adianta pagar 72 mil num carro pq “só” pq ele é econômico?! melhor pagar 35 mil num beberrão e gastar os outros 37 de gasolina.

        72 mil a Ford surtou.

        • Bem, na verdade ele é muito superior a qualquer carro de 35 mil reais! Heheh… A ponto de valer o dobro? Claro que não! Mas a verdadeira comparação é com esses carros de 35 quando equipados como o Fiesta. Aí receio que eles vão encostar nos 60 e não terão tudo que o Ford terá.

          • A grande questão é: o que justificaria pagar mais no ECOBOOST do que no 1.6?

            • MauroRF

              Pode ser “efeito novidade”. Tentar colar no nome Ecoboost uma aura de modernidade, a última palavra em motor, que esse motor é mundialmente premiado (o que é verdade), essas coisas. E depois esse motor mundialmente premiado, após os testes das “cobaias” (assim como eu o fui para o câmbio PS), passa a ser usado no restante da linha, e aí vamos pensar “nossa, olha como a Ford é boazinha”. O saco é essa versão vir com esse câmbio, não dá para confiar.

            • Acredito que o comportamento do carro no dia a dia. Mas então estamos falando de 1300 reais, não de 35 mil. Não adianta comparar com a versão de 50 ou de 35 dos outros concorrentes sendo que a referência é a versão 1.6 Titanium.

              • MauroRF

                Exatamente. Como eu disse abaixo, acho que é mais pelo efeito novidade. Acredito, sinceramente, no dia a dia, que ele será bem mais econômico que o 1.6 se o motorista andar na manha. Vamos ver, mas eu fico com o pé atrás nesse câmbio, já tive um e foi só problema.

              • A cada lançamento de um novo motor turbo no Brasil, o UP TSI fica mais interessante, creio.

                HB20 não tem injeção direta, esse ECOBOOST tá muito caro ainda.

                Quem será que vai desbancar o UP TSI? Puretech?

                • Talvez, mas lembrando que teoricamente ele equipará carros “do andar de cima” em relação ao up!. Ele ainda será a melhor opção de turbo moderno para quem quer um compacto.

                • Zoran Borut

                  Talvez o futuro Fox TSI quando vier a nova geração baseada na plataforma MQB, hehe.

            • Marcos Vinicius Bittencourt

              Diferença de R$1300. Você economizara muito mais que isso no primeiro ano em combustível. Torque já em 1500 rpm. Menos poluente. Números de desempenho muito melhores
              Jamais economizaria R$1300 para levar o 1.6.

              • Eu acho que eu jamais pagaria 72 mil num Fiesta.

                • Marcos Vinicius Bittencourt

                  pagaria 72mil em qual carro zero?

                  • Um Golf 1.4 TSI nesse preço seria razoavelmente justo.

                    • Marcos Vinicius Bittencourt

                      Errasse por 20mil.

              • Rodrigo Alves Buriti

                eu economizaria, gasto uns 100~120 reais por mês de gasolina no meu N Fiesta 1.6 hahahah
                com o 1.0T acho que economizaria 20 reais mensais no máximo!!! Em 1300 reais seriam 65 meses.

                • Marcos Vinicius Bittencourt

                  Se você andar nesse 1.0T dificilmente você vai querer voltar para o 1.6. Esses motores turbos tem uma droga que te fazem querer aquilo para sempre!

            • Leandro

              Ele tem o torque disponível mais rápido, isso dá aquela “encostada no banco” quando acelramos que os turbos possuem, só isso aí já justifica ficar com o Ecoboost, rs.

              • Mas 72 mil num fiestinha não há encostada que justifique rsrsrs.

                • Leandro

                  Rs, não estou justificando os preços, mas me parece que eles estão se acomodando nessa parte de cima. Daqui a pouco não teremos carro no Brasil por menos de 40 mil reais, anotem aí. Um CrossFox completo custa R$ 81.105,00.

                • Ah, se o banco for Recaro, quem sabe? Heheh
                  Mas aí gasta 8 mil e compra um Kadett Gsi!

            • Gustavo73

              A diferença é de 1300 reais se não me engano. Mas ele anda melhor gastando menos.

            • Marco Douglas de Paula

              óbvio – anda bem mais e gasta menos, sendo pouco a mais vale.

        • MauroRF

          Surtou mesmo. Eu tive um Titanium 14/15 e, pelo que notei, só tem a partida sem chave a mais. Em maio de 2014, eu havia pago 54990 nele (o preço de tabela dele na época era 59990). Vendi por causa da porcaria do PowerShift. Mas o carro no geral eu gostava sim, apesar do acabamento tosco. O principal é que ele era econômico, era comum eu fazer 11,5/l na estrada com álcool andando a 110 km/h e ar ligado (estradas duplicadas do interior de SP sem tantos aclives, certeza que gastaria mais se eu andasse em estradas do sul de Minas, por exemplo, que é uma região bem montanhosa). Gasolina então, fazia sempre mais de 15, cheguei a fazer quase 17 uma vez andando em 100 e 110 e com o ar desligado.

          • Edson Fernandes

            Isso que eu iria dizer pra ti. Parece que esses motores da Ford se dão muito melhor com gasolina. Porque modestia a parte, 11km/l é o que eu faço com o Fluence.

            • MauroRF

              Sim, eu achava o Fiesta bem mais econômico com gasolina, certamente dava mais que esses 30% de diferença de que tanto falam. E você tem razão, estou agora com o Civic 2.0, ainda amaciando, e rodando a 110 por hora na Castello Branco (e com ar desligado, pois era de noite e tava bem frio, rs), ficou variando entre 10,5 e 11, 11,1 km/l com etanol (dependendo do trecho e das condições de tráfego). Eu achei bom demais para um 2.0. Mas é assim, ele convida a pisar, e se ficar dando umas pisadas, a média cai rapidinho, rs.

              • Edson Fernandes

                Opa se cai! Para vc ter ideia, minha primeira rodada com o Fluence, eu testei sequencial, testei o drive, pisei forte…. fiz incriveis 6km/l de alcool na estrada…. e meio tanque embora no primeiro ida e volta de SP para Arujá…rsrs

                • MauroRF

                  Ahahaha, caramba, aí consome mesmo. Vou tentar, se as condições permitirem, fazer uma condução mais “esportiva” com o Civic e vou ver, mas dá até medo de quando vai beber, rs. Se bem que nessa fase de amaciamento, é melhor dar umas aceleradinhas a mais. Não esqueço em 1999, meu pai naquela época comprou um Versailles GL 92 2.0 a álcool de um senhor (tava só com 40 mil km na época, pouco rodado) e disse que eu e meu irmão o usaríamos mais. O carro tava bem amarrado. Meu pai mandou dar uma geral na mecânica para ver se resolvia. Melhorou pouca coisa. Nisso, eu e meu irmão chegamos a uma conclusão: vamos “queimar” esse carro até ele andar bem. Um ano depois, tava outro carro, rs. Não sei se nesses carros modernos de hoje isso procede, mas mesmo assim eu ando devagar no começo e depois dou uma boas puxadas sempre que possível. Nunca tive nenhum problema, e todos os meus carros sempre foram/estiveram bem desamarrados. Claro, sempre fiz manutenção em dia também.

                  • Edson Fernandes

                    Não é o normal nos carros atuais.

                    Mas eles obviamente não precisam de amaciamento, mas ganham rendimento no decorrer da vida dele. O Civic te deixará feliz em consumo, ande no modo Eco na cidade que além de não sentir a perda de potencia economizará.

                    O da minha ex chefe só rodava no modo Eco. Na cidade além de trocar incrivelmente de marcha em rotações baixissimas, era bem suave nesse aspecto. E ela fazia alguns consumos bons qdo combinava cidade com estrada. (que acho que é seu caso)

                    Porque o consumo na cidade com transito pesado… nem o Civic faz milagre…rs

                    E eu ao contrário de muita gente, gostei do comportamento amansado do cambio… faz vc ganhar velocidade com rotaçaõ em baixa…. e mesmo assim o carro se sai mto bem.

                    • MauroRF

                      Opa, Edson, obrigadão pelas dicas!

                      É, notei isso, ele fica um pouco mais lento, mas não é nada demais não, sobretudo aqui no ABC e em Sampa que o trânsito é pesado, raro conseguir andar ou arrancar mais rápido, e também é bobeira. Ando mais rápido apenas em estrada, e quando dá e por um breve período. Mas, no geral, gostei muito do Civic sim, é um carro que já vi que me atenderá bem por um bom tempo.

                      Ah, sim, com o Econ ligado, ele troca as marchas logo em baixa rotação se andar na manha. Quase não se ouve o motor. Agora, quando se pisa fundo em ladeira íngreme, ele responde rápido sim.

                      Em suma, gostei bastante do carro sim: anda bem, muito conforto, não é tão gastão assim se andar na manha, me atende bem, consigo levar bastante coisa no porta-malas quando vamos ao interior, muito estável, faz curvas muito bem (mesmo forçando em algumas curvas em uma estrada bem sinuosa lá na região de Itapetininga, não acendeu a luz do ESP). O engraçado foi o computador de bordo, eu estava lá em Itapetininga quando deu aquele frio forte dia 13/06 passado, e quando atinge 3 graus, aparece uma mensagem “Temperatura externa baixa”. Aliás, fez -3,1 lá oficialmente, até saiu reportagem na TV TEM (Globo) de lá, rs. Abaixo, coloquei a foto do computador de bordo, mas como tirei de celular, não sei se vai aparecer grande a ponto de ver o “-3”.

                    • Edson Fernandes

                      Normal essa mensagem. Baixou de 4 graus todos os carros informam (que tenham um computador de bordo de “gente”…rs).

                      Vc vai curtir bastante ainda…. pisar mais forte e ouvir o ronco do motor 2.0 é sempre um convite…rs

                      O Fluence eu faço o mesmo e te digo, acho muito divertido….srs ainda que eu seja mais certinho na direção.

              • Rafael

                Fala Mauro. Lembro quando você estava comprando o Civic e andava pesquisando sobre ele. Cheguei a comentar que era bem melho que o Civic 1.8 2010 que eu tinha. O qie está achando do carro? Achou uma boa compra?

                • MauroRF

                  Opa, Rafael, lembro que trocamos aqui mensagens sobre o Civic, rs. Sim, estou gostando sim, não tem como negar, é superior ao City, mesmo o Civic em fim de linha. É mais confortável, e na estrada então, tem potência de sobra para retomadas e ultrapassagens. Já está com 1200 km, desde que peguei no comecinho do mês, pois já andei pegando estrada para o interior de SP. Ainda está amaciando, talvez o consumo melhore, mas mesmo com o Econ ligado, se ficar andando só em trânsito local, faz entre 6 e 6,5 com etanol. Sábado eu fui mais longe e peguei mais avenidas, andando mais constantemente a 50 ou 60 km/h, aí chegou a bater 8 km/l. Na última volta do interior, vim a 110 km/h a estrada toda (aprox. 180 km), e fez média entre 10,7 e 11,1, 11,2, isso no computador de bordo, também com etanol. Isso tudo sempre com ar desligado, pois anda frio aqui em SP, vamos ver quando eu começar a andar com o ar ligado e também depois que amaciar. E vou testar com gasolina também. No mais, carro confortável (embora com suspensão meio dura, mas mais mole que a do City), bem silencioso (exceto o rodar dos pneus quando em asfalto grosso), o painel é bem bonito, o porta-malas nos atendeu bem para as “tranqueiras” que levamos nas viagens, faz curvas muito bem, ultrapassagens bem seguras, o câmbio faz trocas suaves, por enquanto, tudo ok. Como está saindo de linha, recomendo a compra se conseguir com bons descontos ou ainda se conseguir um seminovo, tipo um 15/16 (que já tem o ESP, se for do LXR para cima, peguei o LXR). Eu acho que quando lançarem o novo, vai ter muita gente que vai se desfazer do atual, mesmo esses 15/16, e também dos outros anos-modelo, e aí poderá ser uma boa pedida. Do modelo novo eu não faço questão porque será muito caro, embora tenha mais tecnologia embarcada, mas para mim o atual está me atendendo sim muito bem. Grande abraço aí!

                  • Rafael

                    Que bom que esta gostando! Mas sabia que não tinha erro. Para quem sai de um City e vaí pro Civic a sensação que se tem é de que pegou um bom produto e evoluiu ele muito. Desempenho melhor, dirigibilidade mais prazerosa, conforto maior, mais espaço, etc. Só perde na questão financeira mesmo por ser mais caro, beber um pouco mais e provavelmente ter um seguro mais caro. Mas ao meu ver vale sim. Tive um Civic e ao tentar conhecer o City fiquI meio decepcionado por esperar um comportamento mais próximo do irmão mais velho. Eu ando tão indeciso quanto a troca do carro que tô seguindo com meu Bravo. Tem hora que penso em pegar um Golf. Tem hora que penso em ser mais racional e pegar um up tsi ou hb20. As vezes penso num EcoSport ou Renegade usado. É bem difícil as vezes escolher.

                    • MauroRF

                      Ah, estou gostando, sim, Rafael, achei muito bom pelo preço. E do jeito que os carros sobem de preço, daqui a pouco não consigo mais comprar zero, e tudo sobe de preço, e a renda não acompanha, um saco. Olha, o meu seguro ficou a mesma coisa, acredita? Se estiver indeciso, melhor não trocar não, veja com mais calma e veja se é melhor ser racional ou ser mais emotivo e pegar um médio, rs. É que não tem jeito, médio é médio, mas mesmo de up e HB20, dependendo do seu uso, vai atendê-lo bem também. Mas eu já tive esses momentos de indecisão sim, rs, normal.

          • Zoran Borut

            Mauro, você não está caindo no equívoco de comparar sua média de consumo com a divulgada pelo Inmetro, está? Esses 15km/l do Inmetro devem dar uns 20km/l nas condições em que você usava o seu, se nos basearmos no que o up! TSI fez no Inmetro comparando com o obtido nos testes de sites e revistas e relatos de numerosos proprietários.

        • Tosca16

          Não é bem assim também, e pior se fosse caro e ainda por cima beberão; para quem usa muito o veículo qualquer 0,1% de economia a longo prazo pode ser vantajoso… concordo que os preços estão absurdos, mas discordo que o fator economia de combustível não seja uma bom fator de decisão.

    • Rodrigo

      Na arrancada de farol manda bem, muita gente só vê isso!

      • Gustavo73

        E economia de combustível e as retomadas (ultrapassagens também mandam muito bem) e eu vejo isso.

        • Rodrigo

          Muito bem! Não faz parte da maioria!

          • Gustavo73

            A maioria vai é virar a cara para um 1.0 T. A maioria ainda pensa em cilindrada. Aí o cara leva o 1.6 e se assusta como um 1.0 pode andar tanto. Já o preço, tá caro em todas as versões.

            • Mas pra mim um dos atrativos do 1.0 T como o do TSI é vc poder pagar menos para ter a mesma tecnologia de carros mais caros.
              Esse new fiesta pra mim perde um pouco do sentido, o carro tá muito caro, mil vezes comprar um UP TSI se é pelo motor então.

    • Gustavo73

      Tem desempenho melhor, principalmente nas retomadas e faz isso consumindo menos.

      • th!nk.t4nk

        Sim, a maior vantagem está nas retomadas, e não no 0 a 100 km/h. O Ecoboost na vida real faz o Sigma 1.6 parecer fraquíssimo.

    • CharlesAle

      Acredito que não haverá muita diferença em desempenho..Mas em consumo, sim..O que estará ótimo..

      • th!nk.t4nk

        Negativo, a diferença no desempenho é grande, mesmo tendo números semelhantes. Fonte: já tive o 1.6 e já andei no 1.0 Ecoboost. O 1.6 anda bem, mas a potência é crescente com o giro. Já o Ecoboost despeja toda a força a partir de 1500 rpm. Um toquezinho leve no acelerador, mesmo sem baixar marcha, te faz dar uma grudadinha no banco. Surpreende MUITO, recomendo o test drive se estiver de bobeira :)

  • Tosca16

    Se a FORD quisesse ser líder em alguma categoria tacava logo este motor numa versão do KA e de quebra desassociaria a visão de projeto brasileiro de baixo custo no modelo, como também poderia fazer frente ao UP TSI.

    • Edson Fernandes

      E cabe o Ecoboost 1.0 no Ka. Só entrar no lugar do 1.5 e ficar apenas com motores 1.0.

  • Airplane

    Powershit ?
    Não, obrigado !

  • Marco Antônio

    Nem uma única foto do interior.!

    • Por que será!? kkk

      • Marco Antônio

        kkkkkkk sei nao em kkkk

        • Tomtilt

          Péssimo acabamento + PowerShift.

          Só acho que é isso! hahaha

          • Marco Antônio

            kkkkkkkk Tá difícil para a dona ford.!

      • Thales Sobral

        É que esse carro está fadado a ser um clássico, desde 2013 não muda nada! rssssss
        Pra não dizer que nada mudou, no modelo 2016 ganhou partida por botão.

    • José Antonio

      Também estranhei, o acabamento da versão de entrada era bem esquinitinho….

  • Leonel

    Pena estar acoplado a um câmbio problemático. No mais, dá para se considerar que é o primeiro com 1.0 3-cilindros turboalimentado e com câmbio automatizado (apesar de eu preferir um automático, claro).

    Se a PSA trouxer o 1.2 THP e acoplar a um bom AT6, vai por no chinelo esse NF Ecoboost. Bem equipado, é, não há de se negar o óbvio, uma pena é a faixa de preço e não terem substituído por completo a linha 1.6 por esta motorização.

    P.s: poderiam levar esse 1.0 Ecoboost para os modelos de entrada da Ecosport e adicionar o 2.0 de injeção direta (do Focus) nas versões topo.

    • Automatizado de dupla embreagem tem a vantagem de não perder potência com conversor de torque.

      • Leonel

        Quando funciona…prefiro um AT6 ainda.

    • Edson Fernandes

      MAs eu tenho a séria impressão que a Peugeot não ficaria por tão menos que isso. Só para talvez não passar na mente do consumidor um preço “alto”…. R$69990.

      Se ele vier com 1.2 THP, AT6, 6 air bags, ESP… acho que é para se pensar muito seriamente no 208.

      • Leonel

        Exato Edson. Eu acredito que ficaria abaixo dos R$70 mil e provavelmente viria para substituir por completo a linha 1.6, ficando apenas o 1.2 Puratech aspirado e o 1.2 THP. Em particular, no 208, oferecer algo acima dos R$70 mil e muito bem equipado seria um “choque” contra o próprio 208 THP.

        Por fim, espero que venha muito bem equipado e nos ofereça um inédito AT6 (para os modelos em questão, claro).

      • lheu

        Não era no 208 que não cabia um AT sem ser o AT4 atual? Questão de espaço disponível mesmo

        • Edson Fernandes

          Por isso citei o motor 1.2 THP e AT6 que hoje já existe lá fora e cabe no cofre desse modelo.

  • ACELERANDO

    Taí, a Toyota pode aumenta mais uns R$10.000,00 no preço do Corolla.

  • Lucas086

    Apesar do visual bem acertado, a Ford poderia ter dado um tapa no visual, ruim vai ser comprar esse ano e próximo ano com 4 anos de mercado, ela dá um tapa. Sobre a motorização, apesar de muito moderna, não vi esses ganhos todos em relação ao 1.6, sem contar que as revisões ficaram caras. Mas sempre é bom essas inovações, forçando a concorrência, menos a GM com o jurássico SPE.

    • A diferença de preço em TRÊS revisões do EcoBoost em relação ao 1.6 foi de cerca de 90 reais. Não são 90 reais em cada revisão, é o total.
      o aumento não é um aumento substancial

  • The Dark Side Of The Moon

    Uma pena ter 7 airbags apenas na versão Titanium Plus de 72.000 reais…as outras mais acessíveis tem apenas os 2 airbags obrigatórios.
    Uma pena a versão Titanium Plus de 72.000 reais não ter teto solar ou central multimídia, itens presentes na versão sedã top.
    Uma pena o Fiesta 1.0T ter sido lançado apenas com opção do super-problemático câmbio powershift, mico monstruoso no mercado de usados.
    Uma pena estar tão caro.
    Uma pena.

  • Tomtilt

    Incrível a Ford ainda ter a cara de pau de insistir no PowerShift mesmo com tantos problemas, generalizados.

    Quanto ao motor turbo, é uma boa adição no mercado, apesar do preço absurdo do carro com ele e dos problemas inerentes ao Fiesta (aliás, a todos os modelos Ford feitos no Brasil e Argentina) e ao pós-venda da marca que todos já sabemos. Mas não deve vender muito, não é flex e o mercado já deixou claro que não aceita modelos monocombustível nessa faixa de preço.

  • Augusto Brum

    Um dos melhores motores do mundo, pena que no Brasil a evolução custa caro, espero que não demorem muito para a Ford Brasil nacionalizar esse motor.

  • Andre Coelho

    Acredito que a Ford Brasil perdeu, mais uma vez, o momento certo para esse lançamento, uma vez que a Volks já anunciou que lançará o 1.0 TSI no Golf em breve… Porque não lançar logo no Focus de entrada e também no Fiesta, com valores condizentes? A Ford vinha pregando a um tempo atrás que colocaria seus produtos sempre a frente da concorrência no quesito motor e segurança a um preço justo e está demonstrando o contrario.

    • Ford, em primeira? Hehehe
      Faz 30 anos que a Ford é a primeira a testar tudo para os outros lançarem! Só em crossover compactos que chegaram na frente da concorrência por uns 10 anos.

      • Andre Coelho

        Alessandro, vc acredita que o Golf 1.0 ainda chega nesse ano? Mais ou menos o valor? Até me faço esse questionamento pelo motivo de preferir um Golf 1.0 ao Fiesta turbo…

        • Esse ano, já é dado como certo.
          Só resta saber qual mês. Uns falam já em agosto, outros só em novembro.

          • Gustavo73

            Resta saber o preço…

        • Estou com o Guedes. Nesse caso o fato do motor ser nacional ajuda a VW a não ter tantos problemas com a instabilidade do mercado externo.

          • Andre Coelho

            Pois é, também estimo essa mesma época. Agora quem trocaria um Golf por esse Fiesta mesmo com uma diferença de uns 6.000,00 a mais? É algo a se levar em consideração.

            • E sabe o que é pior? Geralmente ao se optar por um compacto top em vez de um médio básico, se ganha em equipamentos. Mas acho que nesse caso a diferença nem seria tão grande assim. Por isso que falei esses dias: Golf encareceu, perdeu muito das vantagens mercadológicas de quando chegou mas ainda assim é um player muito forte a ser considerado nas escolhas.

        • Edson Fernandes

          André, se vier, considere o preço mais alto que o 1.6. Além disso, o 1.6 parte hoje de R$75990 e é encontrado por R$69900 (ficou encalhado por isso esse valor).

          E eu estou falando do modelo MANUAL. O 1.6 automatico é R$80990 e na promoção R$75990. Portanto…. é certeza que o 1.0 chega a preços de Jetta 1.4 TSI… ou seja… R$78990 e R$84990 automatico.

          Considere mais ainda: Até a colocação do motor 1.0 TSI, a VW dará um jeit de aumentar o 1.6 para justificar o 1.0 no lugar. Isso é certeza e pratica da fabricante.

          • Gustavo73

            Tira milzinho fo at e acho que será por aí.

        • Gustavo73

          Pelo que tenho lido chega no Salão do Automóvel.

      • MauroRF

        Alessandro, você lembrou bem. Se não me engano, ela foi a primeira a ter um protótipo de motor flex, mas uma das últimas a lançar.

        • Adivinha a primeira a testar o carro a álcool? A Belina Corcel 2. Quem lançou primeiro? A Fiat!
          Com o Sierra ela teria a primazia do ABS, air bag e injeção. Perdeu para Santana, Vectra/Tipo e Gol.
          Fiesta seria o primeiro carro nacional com motor transversal. Perdeu para o 147.
          A Pampa estava pronta desde a década de 70. Perdeu para City.
          E conforme você disse, o Escort inauguraria a era dos Flex. Perdeu para o Gol de novo.
          Eu até entendo alguns posicionamentos dela. Acho o CHT o melhor motor a álcool que teve, e também acho o Flex dela melhor que dos concorrentes. Mas algumas coisas tem o timing certo. Receio que ela tenha perdido prestígio e grana com isso.

          • MauroRF

            Nossa, você lembrou bem de tudo, caramba, rsrsrs. Só não tenho certeza do ABS entre Santana/Versailles, eu lembro que os dois tinham praticamente as mesmas “versões” (CL 1.8/GL1.8, GL 2.0/GL 2.0, GLS 2.0/Ghia 2.0, GLSi 2.0/Ghia 2.0 i, sendo essas em 1991/1992/1993), sendo ambos feitos na fábrica da VW e sendo praticamente o mesmo carro, só com a roupagem diferente. Só não lembro se a primazia do ABS foi do Versailles ou do Santana. O que eu lembro bem é que meu pai teve uma Royale 2.0 GL 93 a álcool que tinha ABS (era a GL mais completa da época).

            • Heheh… Eu gosto da Ford. NA verdade o ABS acho que ainda veio no Santana quadrado, por isso a vitória alemã são bernardina.

              • MauroRF

                Eu também gosto, antes do City e agora do Civic, eu só tive Ford, mas a questão do PS para mim foi dose. Tive um atendimento péssimo, andava com o carro trepidando, enrolação e mais enrolação. Bom, azar o deles, perderam um cliente fiel. E adorei o Civic, embora lembre com carinho principalmente dos dois Focus que tive. Ah, em tempo, meu primeiro carro foi um Escort GL 1.6 92, aquele primeirão quadradão, não esqueço também, e tinha uma calota bonitinha e discreta. Como o meu era dourado, ele tinha o interior todo em bege, com bancos em tom creme. Era um charme de acabamento. Charme esse que era marca registrada da Ford e que ela perdeu.

                • Edson Fernandes

                  E que era uma maciez absurda de carro. Como eu adorava esse Escort….

                  • MauroRF

                    Nossa, Edson, era mesmo, viu? Ele era muito confortável, e o bom acabamento dele o fazia se sentir em um carro superior. O meu era “completo” para a época, tinha ar quente, limpador-desembaçador, relógio no painel (analógico) e ainda toca-fitas original com código, que dava um som bom. Eu o comprei em 2002, tava impecável, era da nossa dentista, ela cuidou dele muito bem. Eu o vendi em 2004 com 130 mil km e com pouca coisa batendo dentro, e impecável, nem volante tava gasto nada. Mas tava na hora de eu partir para a era da injeção eletrônica, pois o Escort ainda era o velho e bom carburador. Vendi e comprei aquele Fiesta Street zero bala. Esse era outro carro ainda com bom acabamento. Rodei muito com ele e também não me deu uma dor de cabeça. Em relação ao Escort, se eu tivesse grana sobrando na época, teria ficado com ele até dar placa preta, kkkk. Tenho saudade daquele carro

                    • Edson Fernandes

                      Heheheheh

                      Eu tive uma ex que teve um desse só que Ghia. Bancos em veludo, completo como o seu também… me lembro da maciez daquele carro que tirando uma peça tava muito inteiro (se chamava “garfo” que era uma peça de passagem do oleo no motor, sei lá de onde) e era extremamente economico. E no caso dessa minha ex, ele era 1992 e me marcou porque gostei muito.

                      Meu pai sempre falou mal… e eu sempre desejei. Quase comprei um Hobby 1.0 mas ele havia sido vendido qdo fui procura-lo.

                    • MauroRF

                      Olha, o Hobby chegou a ter 1.6 em 93 e 94, mas era bem simples o acabamento, embora bom. Já o 95 e o 96 eram só 1.0 e tinham duas “versões”: básica e “completa”, que tinha, em relação à básica, calota integral (e em alguns 96, saía até com roda de liga, o 96 chegou a ter um azul muito bonito), relógio no teto a la Del Rey (só que era com digital verde, na verdade, era o relógio digital do antigo Escort Ghia), limpador/desembaçador traseiro, ar quente, vidros traseiros basculantes, vidros verdes e toca-fitas com código. Aqui perto de casa, tem um senhor que tem um 95 do “completo” que brilha de novo, é aquele vermelho bordô com o logotipo “Hobby” em branco, qualquer hora pergunto se ele não me vende, rs, e aí espero a placa preta, hehehehe. Só que esse 1.0 era fraco que só, tanto que o câmbio (aliás, bem macio, por sinal) era muito curto.

                    • Edson Fernandes

                      O que eu vi era um verde metalico lindo e “completo” como vc citou… E apesar de ter dividas a loja me venderia a um preço muito bom e o carro em si estava otimo!

          • Edson Fernandes

            O CHT alcool eu concordo, agora dos flex? Acho que a Fiat quando veio com o flex também mandou muito bem. O que eu acho que ferrou os motores flex da Fiat foi enforcar em potencia. Os italianos não costumam ter aumento de potencia em seus motores. É costumeiro. Repare o 1.4 Fire deles, 1.3 diesel deles… (na europa) mesma potencia anunciada desde que se lançaram nos carros.

            Eu já digo dos flex da Ford porque minha irmã teve um ka com tal motor que meu amigo… era um bebum de primeira. E o alongamento do cambio só ajudou a piorar.

            Prefiria qdo era a configuração das versões a gasolina que era mais agil.

            • Sinceramente não sei o que a Ford conseguiu fazer com esse motor no Ka. Ele era econômico no próprio Ka e no Fiesta. Quando mudou para o “Fiesta Grande” era compreensível que ficasse gastão pelo maior peso do carro, mas o Ka era um Frankenstein do primeiro Fiesta e primeiro Ka!
              Mas nada diferente do 1.0 da GM no Corsa B também, e do Palio 1.0 Fire, estranhamente gastão.

              • MauroRF

                Então, eu tive um Fiesta 1.0 2004 (o Street, que era bem mais leve que o Fiesta mais novo) com o Zetec, era só gasolina, e econômico que só. Era muito fácil fazer 12, 13 km/h na cidade com ar desligado (isso no trajeto Santo André – Sampa que eu fazia na época, mas eu saía cedo de casa e mais cedo do escritório, evitando os horários de pico). Bom, com o ar ligado, eu precisava ficar na faixa da direita e ainda torcer para um caminhão não me dar farol, rsrs. Brincadeirinha, não era tanto assim, mas ficava bem mais lerdo. Na estrada, andando a 120, ele fazia 15, e creio que fizesse mais se o câmbio fosse mais longo. Mas se andasse a 80, 90 km/h com ele, fazer 18, 19 era moleza, o que comprova que o que aumentava o consumo era o câmbio curto. E esse consumo bom era num carro de mais de 10 anos atrás.

              • Edson Fernandes

                Ahhhh sim!!! nesses o motor 1.0 era realmente economico e andavam muito!

                Mas o ka de facelift com essa mistura doida realmente ficou ruim mesmo no consumo. Eu que morava em são bernardo, vi o ponteiro mexer em ir para meu tio que até então morava em Sto Amaro em SP…

                E como na epoca eu já tinha um C3, me assustei com tamanho consumo. O que me assustou realmente foi o fato de ter andado com ele super devagar e mesmo assim ver o ponteiro mexer (como exemplo meu proprio C3 sequer mudava o ponteiro na ida e volta para casa).

          • Gustavo73

            Bota mais um na conta o 1.0 Ecoboost chegou a ser cogitado para chegar na EcoSport com facelift em 2015, provavelmente antes do UpTsi. O projeto atrasou e aí…

  • CanalhaRS

    Essa ford é uma vergonha mesmo.
    A 2 anos atrás ela vendia fiesta hatch e sedã completaço (Titanium) por quase 20 mil reais a menos. Agora o carro de 52 mil não tem mais nada.

  • Coffinator

    Ford devia mudar o nome pra Fail, é burrada atrás de burrada.

  • Filipo

    Olha, excelente motor e a Ford está parcialmente de parabéns. Digo parcialmente por disponibilizar apenas a versão topo e atrelada ao câmbio automatizado.
    E este título de 1L turbo mais potente durará cerca de 2 meses apenas, portanto, Ford, aproveite. E aproveite para adptar este motor ao etanol, para render mais e ficar mais resistente à nossa mijolina!

  • Edson Fernandes

    Incrivel como a Ford capou o modelo. Capou foi forçar… mas para que deixar a versão SE com menos itens que antes?

    Ok, quis “aumentar” perante o Ka a versão… mas a SEL para ser um “SEL” é pobre demais.

    Que mantivesse então nomenclaturas S, SE e Titanium (tal como o Focus). Fica muito feio um carro com variante SEL super pobre para essa sigla.

    E mais estranha o fato da SE não ter os itens que haviam antes. Não gostei que a Ford fez dessa forma. Mas sendo muito justo, não seria comprador do Fiesta. É louvavel que há versões com ESP e uma delas com 7 air bags.

    Mas como já disse, não enxergo no produto o valor que eles pedem.

    • Thales Sobral

      Fazendo a correspondência em nível de equipamentos.
      Antigo – Novo
      S = SE
      SE = SEL
      Titanium = Titanium Plus

      • Edson Fernandes

        Infelizmente é a realidade. Eu esperava que ela fosse considerando canibalizações existentes, deixar o Fiesta mais caro deixando claro que ele é mais completo.

        Só ter motorização mais forte não resolve ao meu ver.

    • Gustavo73

      Bem lembrado Edson. O que ela fez foi o seguinte. Pegou o 1.5SE e colocou o motor 1.6 sem mexer nos equipamentos. Criou a SEL que não é nada além da 1.6 SE(anterior) com o L o L depois do E. Poderiam pelo menos ter colocado 4 airbags como na versão intermediária do 208.

      • Edson Fernandes

        Pois é…. achei um belo tiro no pé. Disse ao Thales que talvez me responda novamente que ele não oferece muito mais que o Ka para justificar o preço… isso considerando a versão base que não trará muito interesse.

        Eu mesmo escolheria o ka 1.5 no lugar do Fiesta “SE” numa boa (nesse SE atual né? )

    • Stark

      Poderiam ter chamado essa versão capada de S, mesmo que tivesse acabamento da SE (detalhes prateados no interior, grade frontal prata e padronagem diferente dos bancos).

      Dessa forma, as versões seriam S, SE e Titanium.

      • Edson Fernandes

        Exatamente! Ela forçou siglas que não significam nada para o conteudo ofertado pelo carro.

        Aí fica esquisito citar que a SEL por exemplo tem os itens da antiga SE sem sequer justificar. Enfim… impressões minhas.

  • Eduardo Sad

    O 1.0 Ecoboost e o 1.6 não estão muito próximos, em preço e proposta?
    Não vejo muito sentido de manter o 1.6 (se é igual em preço, semelhante em desempenho e pior em consumo).
    Na Hyundai, percebe-se uma diferença de valores entre as versões 1.0T e 1.6, de uns 4mil, que justificaria em parte a escolha por um ou por outro. Apenas uma opinião…

    • Gustavo73

      O objetivo é ver se o consumidor está disposto a comprar um carro desses 1.0T no lugar do 1.6 aspirado. A Hyundai fez um 1.0T mais simples sem injeção direta por exemplo e.colocou como motor intermediário.

      • Eduardo Sad

        Entendido. Pena disponibilizar este motor apenas na versão top de linha. Creio que será bem raro ver um modelo desses circulando. Geralmente, vemos mais das versões intermediárias. E dentre os promitentes compradores do modelo top, uma parcela ainda irá escolher o conhecido 1.6

        • Gustavo73

          Sem dúvida será um modelo de nicho. Diferente do que VW e Hyundai fizeram. Se tivessem colocado na SEL pelo menos.

  • Diego

    Não vi lógica em oferecer o 1.0 junto ao 1.6. esse 1.0 deveria ser de entrada , e o 1.6 um ecobooster também, ai faria algum sentido.

  • Ric53

    Mas por esse preço o carro inteiro é de Titânio, é isso? Hahahahaha

  • Thiago

    Não sei como o mercado vai reagir, mais está valendo muito a pena a compra do Peugeot 208 e C3 que possuem boa tecnologia embarcada, possuem agora mais economia de combustível e o carro é mais barato.Pelos valores do Nem Fiesta, se o pessoal pensasse só um pouquinho colocaria Peugeot e Citroen nas primeiras posições, já que eles dividem a categoria com Nem Fiesta.

    • Diz que Puretech não é essa maravilha toda.
      Parece que fica devendo no desempenho para o antigo 1.5.

      • Thiago

        Ouvi que realmente deve um pouco, mas alguns que já usaram esse novo motor falam que apesar de diminuir um pouco o desempenho não se sente tanto assim, e além de ser o mais econômico. E pelos relatos de problemas no câmbio Powershift fico surpreso de 208 e C3 não venderem tanto quanto o New Fiesta, apesar de não saber como estão os números, pois até as ccs da rede PSA melhoraram bastante o pós-venda, digo isso poir fui levar o 208 da minha mãe e o atendimento tá muito bom.

        • Sim, eu quase comprei um 208 e fui mto bem atendido, foi o melhor atendimento que tive.
          O pós venda, não sei, mas o que ouço é que Peugeot tem poucas CC, aí em cidade pequena vc fica refém de uma CC só.

          • Thiago

            Isso é verdade, nesse ponto levo vantagem pois moro em São Caetano, e vão reformar a daqui, consegui essa informação com a css de São Bernardo, e em volta do ABC tem um monte também. Se bem que não sei quando vão aumentar o número de css mas vamos aguardar.

            • MauroRF

              É a Mix, né? Comprei praticamente todos os meus Fords nela. Aqui em Santo André, a Sandrecar nunca cobria as ofertas deles. Agora é a Auto Prime (a Sandrecar acho que faliu), não sei se a Auto Prime é boa, mas o atendimento na Mix era zoado, uma correria, carro vai para lá e pra cá, pessoas correndo pra lá e pra cá, demora no atendimento (eu marcava um horário, me atendiam um bom tempo depois). Na Honda André Ribeiro aqui de Santo André não tem nada disso, atendem no horário, sem correria, sem pressa, organização, quando precisei, resolveram meu problema, o atendimento é outro nível.

          • Jurandir Filho

            Tive um Focus 2.0 AT (geração anterior), carro excelente, acabamento meia boca e pós-venda horrível, as css da Ford aqui no DF são péssimas e a revisão ainda era de 6 em 6 meses (parece que mudou), hoje tenho um 408, atendimento bem melhor, nunca tive grandes transtornos e já se vão quase 4 anos…

      • MaCaRyS

        Não entendo esses relatos Guedes, o 1.2 tem mais CV e mais torque (ou mesmo torque se não me engano) e tão falando em menos desempenho?

        • Tem não, cara. tem menos.
          1.2 tem mesmo torque de 13 KGMF do 1.5 mas tem 3 pocotós a menos.

          • MaCaRyS

            Ooops na verdade é praticamente a mesma …
            1.5 Allure 93 cv (A) 89 cv (G) Torque 14,2 kgfm
            1.2 Puretech 90 cv (A) 84 cv (G) Torque 13 kgfm

      • Gustavo73

        A proposta do 1.2 é a economia de combustível.

  • Fernando S.

    A primeira versão do 1.6 perdeu as rodas de liga?

    • Thales Sobral

      Na verdade, a primeira versão ganhou motor 1.6

    • Gustavo73

      Eles colocaram o 1.6 na SE que usava o 1.5 e renomearam a 1.6 de SEL.

      • MauroRF

        É como se antiga S tivesse ganho motor 1.6. Se bem que tinha a 1.5 SE com rodas de liga e um acabamento um pouco melhor. Não sei qual das duas “virou” a 1.6 SE. De qualquer forma, o Fiesta parte de 51990, há três anos, era 38990 (minha cunhada inclusive comprou um e está com ele até hoje e não teve nenhuma dor de cabeça.

        • Guilherme Batista

          O meu adquiri em julho de 2014, na época custava 40000. Ganhei um desconto ainda.
          Até agora, sem dor de cabeça

        • Gustavo73

          Tá uma beleza 13k de aumento mesmo com o novo motor é muito. E exemplos não faltam entre os carros. Médio custando 100k, alguns compactos também (crossover) compacto por 80k sedan. Subcompacto por 40, tá fod@. Mesmo que alguém tenha tido uma promoção por ano o salário não acompanhou isso.

          • MauroRF

            Vamos voltar a ser o que sempre fomos, um mero país subdesenvolvido em que poucos podem pagar, por exemplo, por esses carros, digamos, acima de 100k. Isso era muito comum nos anos 80, quando eu era criança/adolescente, mas já notava isso. A gente (refiro-me aos brasileiros em geral) se iludiu com o oba-oba das commodities e do crédito barato, só que isso não tinha lastro, como crescimento da infraestrutura e aumento da produtividade e também da educação. Foi forçado, artificial, e a conta chegou, e estamos voltando a ser o que éramos antes. Eu acho, por exemplo, que o setor imobiliário raramente terá outro evento desse de escalada abrupta em pouco tempo. Os preços, se não caírem nominalmente, acho que vão “abaixar” porque não vão acompanhar a inflação. Pode notar, é tudo totalmente ao contrário do que era até pouco tempo atrás. Como disse meu tio economista, a festa acabou. E sabe o que eu tenho notado? Muita gente cabisbaixa, triste, sem perspectiva (eu me pego assim às vezes). Elas estão assim porque estavam bem alguns anos atrás quando estava aquele oba-oba econômico, estavam ganhando bem, com bastante trabalho, podendo trocar de carro com mais frequência, viajar, o dinheiro dava para comprar as coisas, e agora? Se o cara não perdeu o emprego, ele não conseguirá mais fazer essas coisas com facilidade. Aqui no prédio mesmo, meu vizinho foi demitido da Mercedes depois de bons anos na empresa. Ele é um que saiu da alegria para a tristeza, tinha Fiesta novo na garagem, Tucson, e agora já vendeu e comprou um March usado. E ele e a família moravam em um bairro mais periférico aqui e conseguiram vir morar na região central quando os negócios da loja da esposa bombaram nos tempos de vacas gordas e ele teve aumentos acima da média. Agora a loja da esposa fechou e ele foi demitido. Não é triste isso? Você provar do bom e do melhor e chegar agora e tudo acabou, não tem mais? Ele disse que vai pagar o INSS até se aposentar porque falta pouco, vai vender aqui e se mudar para uma casa no interior. E o caso dele deve ser muito comum por aí. A tão falada nova classe C está voltando para trás já, infelizmente.

          • MauroRF

            Ah, tá fod@ mesmo, Gustavo. Cara, meu poder de compra vem só caindo, caindo. Tudo sobe, para conseguir aumento com meus clientes é um parto. E as coisas continuam subindo, subindo. Nem quem tem promoção vai acompanhar isso, quiçá que tem apenas aumento pela “inflação” (a inflação real é maior). Pior que a gente começa a cortar, cortar e depois que não der mais pra cortar, como faz?

      • Alexandre Maciel

        Nem isso porque a SE 1.5 tinha Sync e repetidor de seta nos retrovisores. Essa nova SE está mais para um S com motor 1.6.

        • Gustavo73

          Depois que me atentei para isso. A SE mesmo a 1.5 era mais equipada. As rodas com calotas deveriam ter me chamado a atenção.

          • MauroRF

            Isso mesmo, o SE 1.5 tinha rodas de liga, acabamento um pouco melhor e se não me engano vidros elétricos atrás, mas não tinha o Sync como disse o Alexandre acima, mas ele está certo quando diz que tinha repetidor nos retrovisores.

            • Alexandre Maciel

              É verdade… pensei que tinha o Sync. Mais um motivo para essa versão nunca ter se justificado.

              • MauroRF

                Pois é, Alexandre, eu julgava essa versão a de pior custo-benefício. Já a SE 1.6, essa sim tinha um custo-benefício mais interessante.

  • Rodrigo

    Legal a Ford trazer o 1.0 Ecoboost, só errou o timing disso e a não adoção da tecnologia bi-combustível.
    O corajoso que resolver desembolsar R$72 mil nisso já sabe que vai servir de laboratório para quando (e se) a montadora resolver ampliar a oferta desse motor nos outros modelos vendidos aqui. Talvez seja por isso que ela tenha resolvido adotar como opção só na versão topo. Acredito que não vá representar nem 5% do share atual do Fiesta.

  • Sergio

    não vi tanta vantagem em relação ao 1.6

    • Gustavo73

      Desempenho melhor e.mais econômico.

  • Wellington Myph13

    É, sem Central MM e Teto-Solar, pra ao menos amenizar o preço absurdo da versão com Ecoboost, sem chance, muito caro pra pouco conteúdo…

    • Gustavo73

      O tal plus não tem nada de plus…

      • Wellington Myph13

        Não entendo porque isso, o Sedan tem Teto e CMM, porque o Hatch que tem mais “pinta” de esportivo não pode ter?
        E ainda tem o problema do Powershift, que por mais otimista que eu possa ser, esse 1.0T tem vocação pra ser um carro de baixo consumo em cidade, e pra uso diário, esse cambio não aguenta. Pra quem pega bastante estrada, roda pouco e de vez em quando, pode ser que não tenha problema, como tem muitos que não tiveram, mas fazer como eu faço, pra trabalho só dentro da cidade, de 50-80km por dia, não da pra botar fé…
        Defendo os dupla embreagem, gosto demais deles, teria um fácil pra carro de passeio, mas pra serviço não…

        • Gustavo73

          Poderia usar a desculpa de que o sedan v do México (daí a diferença de acabamento). Mas a EcoSport feita aqui e mandada para outros países tem a mesma CMM. E o teto solar não tem nada de tecnologia.

  • matheusguila

    O mais engraçado é a diferença de preço entre a versão manual e a automatizada… Quem vai querer pagar quase 6 mil reais a mais por um câmbio que era vendido por aproximadamente 3 mil e que já coleciona uma lista de reclamações e até intervenção do ministério público?!

    Dona Ford, acorda…

    • Gustavo73

      Ele nunca foi vendido por 3 mil desde o lançamento era 6 mil reais. Assim como o dsg da VW era 7 mil.

      • matheusguila

        Atualmente, a diferença pelo powershift é de 4.600 reais e com o lançamento da linha 2017 passou para 6.200…
        É uma diferença de preço significativa para um câmbio que não sofreu nenhuma alteração e que provavelmente apresenta os mesmos defeitos.

        • Gustavo73

          Retiro o que disse. Ela cobrava 6 mil no Focus . Fui pequisar e a diferença era realmente o que você falou 3k. Dizem que a Ford iria resolver os problemas do PS. Será que esse câmbio apesar do nome é novo?

          • matheusguila

            Ah,sei lá… Acho pouco provável. Se a Ford tivesse feito alguma alteração ou trocado os fornecedores ela iria falar para imprensa e talvez alguma propagando para melhorar a imagem do powershit.

          • Alexandre Maciel

            Eu não confiaria nisso já que lá fora ainda há relatos de problemas.

      • Alexandre Maciel

        A diferença era de 3500 reais em 2013, no lançamento.

    • Alexandre Maciel

      Deve ser para compensar parcialmente a extensão da garantia e os custos com reclamações de quem acreditou nesse câmbio-bomba.

  • Bruno

    Esse preço do 1.0 não tem justificativa, e chega de mimimi…

  • carlos rodrigues

    É impressionante como essas montadoras adoram frustrar as expectativas do consumir. Esse moto EcoBooster já era aguardado desde o lançamento do focus 3, não veio. Veio no Fusion, mas acima dos 100K… agora vem no new fiesta, mas a esse preço é doído…

  • Alexandre Maciel

    Desde a matéria passada eu disse que não fariam outra coisa com o atual SE senão renomear para SEL. Eis a confirmação. No S, para virar SE mudaram o motor. Para completar, motor turbo só no Titanium e, infelizmente, com esse câmbio ignóbil.

    • MauroRF

      Pior que tinha o SE 1.5, que tinha algumas coisas a mais em relação ao S, acho que acabamento melhor, as rodas de liga e, não me lembro, os vidros elétricos atrás. Acho que a SE de hoje é a S antiga com motor 1.6.

      • Alexandre Maciel

        Tinha o Sync também na SE 1.5.

  • Guilherme Batista

    É impressão minha ou os preços das revisões aumentaram bastante também?

  • CharlesAle

    Junta toda essa turma e vamos trocar pelo demônio de nove dedos daqui??Não aceito, sob hipótese nenhuma, devolução da mercadoria rsrsrs

    • Gustavo73

      Dá para colocar em um barco e mandar para Cuba? Leva a Jandira e o Freixo junto. Bom melhor trazer um.barco maior…

      • CharlesAle

        Muuuuito maior..Isso se no meio do caminho não roubarem o barco rsrsrs…

  • ALVIN_1982

    Gostaria de saber qual a vantagem de ser 1.0 se eles não repassam o desconto do IPI menor nos motores até 1.0? Mesmo sendo 3 cil. turbo e 125 cv e menos potente que o 1.6, além da manutenção mais cara e o consumo nem tanto econômico assim, realmente vale a pena?

    • Vitor Barcellos

      maior margem de lucro

    • Gustavo73

      20% mais econômico com desempenho 7% melhor, com motor mais caro de produzir. E tem a mesma potência do 1.6 na gasolina.

  • Ederval Rodrigues

    Palhaçada o título dessa matéria!!! Misturam ecoboost com preço do 1.6 só pra enganar o leitor, comigo isso faz o tiro sair pela culatra, pois já descarto o carro pela falta de honestidade do título.

    • Name

      por conta do titulo de um blog vc descarta um carro? kkkkkkkk

  • Bruno Gomes

    Deus me livre um Fiesta, estou doido pra me desapegar do meu!



Send this to friend