JAC T5: Detalhes e impressões ao dirigir

26/02/2016

jac-t5-test-drive-NA (5)

A JAC Motors está apresentando no Brasil seu primeiro crossover compacto, o T5. O modelo chega com preços entre R$ 59.990 e R$ 68.990, tendo três pacotes de equipamentos e pretensão de mercado de vender entre 250 e 300 unidades, embora a cota seja de 400.

Com 4,32 m de comprimento, 1,76 de largura, 1,62 de altura e 2,56 de entre-eixos, o JAC T5 chega com motor 1.5 16V VVT JetFlex com 125/127 cv e 15,2/15,4 kgfm, respectivamente com gasolina e etanol. A transmissão é manual de seis marchas, mas no segundo semestre, chega a desejada opção CVT. O porta-malas tem 600 litros, de acordo com a JAC Motors.

jac-t5-test-drive-NA (7)

Em termos de equipamentos, os três Packs oferecem um bom número de itens, sendo o Pack 1 de série por R$ 59.990. Este vem com ar condicionado automático, alarme, trio elétrico, direção elétrica, sensor de estacionamento, Isofix, sensores crepuscular e de pressão dos pneus, BOS (impede acionamento de acelerador e freio ao mesmo tempo), BAS (frenagem de emergência), computador de bordo, cintos de três pontos e apoios no banco traseiro bipartido, entre outros.

No Pack 2, o JAC T5 custa R$ 64.990 e recebe a mais rodas de liga leve aro 16 polegadas, controles de tração e estabilidade, barras longitudinais no teto, assistente de partida em rampa e faróis e lanterna de neblina. Por fim, o Pack 3 é o topo de linha, custando R$ 68.990 e adicionando bancos em couro, câmera de ré e multimídia com tela de 8 pol. e MirrorLink.

jac-t5-test-drive-NA (2)

Detalhes e impressões ao dirigir

No test drive promovido pela JAC Motors, viajamos de São Paulo até Bertioga, litoral do estado. Nele, provamos a versão mais completa do JAC T5. Ele tem um porte semelhante ao do Renault Duster.

Seu estilo é agressivo na frente – longa e com baixo ângulo de ataque – e elegante – da coluna A até a traseira. O para-brisa avançado dá um ar de minivan, que logo desaparece quando se nota o restante do veículo.

Por dentro, o painel é longo e baixo, como de minivan, tendo um bom quadro de instrumentos, que agora vem com o necessário computador de bordo. Ao centro, a grande tela de 8 polegadas da multimídia Foxcomm tem boa aparência e vem com várias conexões, incluindo SD Card, HDMI, Bluetooth e USB. O espelhamento MirrorLink para smartphones é outro destaque.

jac-t5-test-drive-NA (3)

A aparência geral é boa. A JAC revelou que não houve mudanças no acabamento interno, cuja tonalidade predominante é preta, tendo ainda detalhes em cinza. Há couro nos bancos, portas, volante e alavanca com costuras vermelhas (exceto portas). Os materiais parecem de boa qualidade e a montagem não apresenta rebarbas. O ar condicionado é automático.

No espaço, a oferta é boa atrás, onde passageiros de estatura alta não terão problemas com pernas e cabeças. Ponto positivo para introdução de série de cinto de três pontos retrátil e apoio de cabeça centrais. O banco traseiro é bipartido, ampliando o porta-malas, que tem bom espaço. Os vidros escurecidos ajudam na discrição.

jac-t5-impressões-NA (136)

Já ao volante, o JAC T5 se mostrou adequado à proposta. A posição de dirigir é alta, apesar do painel baixo e da grande área frontal, que lembra muito uma espaçosa minivan. O banco tem ajuste de altura e é confortável, mas macio demais nas laterais, segurando pouco o corpo. O volante é projetado em direção ao condutor (item peculiar da JAC) e tem ajuste apenas de altura.

A alavanca é bem posicionada e justa, não sendo macia nas trocas, embora haja precisão. O motor 1.5 JetFlex tem 16V e comando VVT, entregando 125/127 cv a 6.000 rpm e 15,2/15,4 kgfm a 4.000 rpm. Ele gosta de trabalhar acima de 3.000 rpm.

jac-t5-impressões-NA (138)

Casado com um câmbio de seis marchas, cujas relações são um pouco mais longas que o desejável, o 1.5 JetFlex responde de forma razoável nas saídas, tendo-se que se recorrer às reduções de marchas com mais frequência nas retomadas. Em cruzeiro, ele trabalha manso, já que a rotação fica bem mais abaixo do que um similar com câmbio mais curto e cinco marchas.

Rodando a 110 km/h, o JAC T5 em quinta marcha aponta 2.800 rpm, um bom regime de trabalho. Com a sexta, a rotação cai para 2.400 rpm, priorizando-se assim o conforto e economia. No entanto, esta posição é apenas para manter um giro baixo e poupar os 45 litros de combustível. Na maioria do percurso, a quinta marcha foi usada quase como definitiva.

jac-t5-impressões-NA (134)

Com peso em torno de 1.210 kg, o propulsor 1.5 sofre um pouco, ainda mais com relação alongada, exigindo-se mais giros altos para manter o ritmo. A JAC Motors divulga aceleração de 0 a 100 km/h em 10,8 segundos e máxima de 194 km/h.

No consumo, o câmbio deve ajudar muito. Em medição do Inmetro, o modelo recebeu nota A em sua categoria, fazendo 6,8/9,6 km/litro na cidade com etanol e gasolina, enquanto na estrada o resultado é de 8,2/12,2 km/litro. A emissão de CO2 fica em 126 g/km.

jac-t5-impressões-NA (133)

A suspensão é ajustada para o conforto, absorvendo muito bem os impactos e imperfeições ao solo. Em nenhum momento, mesmo rodando em ruas de terra esburacadas, o curso final foi atingido. Apesar da frente longa e de baixo ângulo de ataque, o para-choque não raspou em valetas ou canaletas de águas mais profundas, presentes nas ruas.

No entanto, com 1,62 m de altura, a carroceria volumosa do T5 tende a inclinar-se um pouco além do desejável em curvas fechadas ou desvios de trajetória. Nada que preocupe. Para atenuar esse movimento e manter o veículo na linha, a JAC instalou controles de tração e estabilidade a partir do Pack 2.

Frenagem de emergência e o tal BOS (que impede o acionamento acidental de acelerador e freio), também fazem parte do pacote, mas desde a entrada. Falando nos freios, eles atuaram muito bem para o porte do veículo. Já a direção elétrica se mostrou pouco progressiva em velocidade e muito leve em manobras. O nível de ruído geral é adequado.

jac-t5-test-drive-NA (11)

Mercado

De acordo com a JAC Motors, o T5 terá as primeiras unidades feitas em Camaçari/BA ainda este ano, mas para homologação. Reduzida, a planta da empresa – agora 100% SHC – deverá produzir inicialmente apenas a versão CVT, ficando a manual importada da China. O processo será em CKD e as unidades brasileiras chegam ao mercado no primeiro trimestre de 2017.

Seu estilo é moderno e o nível de conteúdo é o mais generoso que a marca chinesa ofereceu até o momento por aqui. O JAC T5 tem ótimo espaço interno e um porta-malas para quem exige mais espaço. Ponto para segurança, reforçada pelos sistemas eletrônicos adicionais e itens básicos, como o cinto traseiro de três pontos para o quinto passageiro.

A proposta de preço fica abaixo dos principais rivais (Duster e EcoSport), além de bater de frente com os conterrâneos (Tiggo e X60). Com ajustes necessários efetuados pela SHC, o JAC T5 ficou mais agradável de dirigir que a versão chinesa. Para quem tem interesse, vale um test drive. Em primeira impressão, agradou. Mais detalhes e o comportamento no dia a dia, teremos apenas na Avaliação NA, mais adiante.

Galeria de fotos do JAC T5:









  • jkpops

    Agora Sim temos um JAC mais competitivo vai disputar diretamente com o Lifan X60 e Com o Ecosport e Duster acho que deve vender pelo menos umas 300 unidades por mês sem dificuldades poderia vender bem mais se já tivesse disponibilidade de câmbio A/T.

    • O que está havendo com os ultimos lançamentos? Uma festa de 0-100 com numeros pra lá de suspeitos. Renegade, Toro, Golf, Gol, e agora T5. Um carro com mais de 1 tonelada e meia, motor 1.5 aspirado e faz 10,8s? Sei………..

      • Rafael

        Acho que as montadoras estão só esquecendo de nos avisar que esse 0-100 é em uma ladeira do nível da serra de Petropolis.

        • Fernando S.

          E com um piloto japonês de 50 kg, sem estepe, 1 litro e meio de etanol no tanque e com o vento a favor.

      • radiobrasil

        Pois é, pelo peso/potencia/torque achei BEEEM generoso esses 10,8. Meu Fusion 2.5 Flex tem 175 cv, 24kg e uns 250 kg a mais no peso e faz 10s.

        • Edson Fernandes

          O meu Fluence com seus corpulentos 1380kg não chega nos 10 (com vigor no D eu já fiz 10,5).

          Tá que um 1.5 anemico faria isso.

          • Edson, bom dia. Como conseguiu avaliar a velocidade do carro?

            • Edson Fernandes

              Na verdade eu acompanho com um cronometro e GPS.

              Não que eu saia acelerando feito um doido, mas um item que tinham me dito no Fluence que eu não tinha visto foi um botão no acelerador (é um avanço para atingir o limite de rotação) que ao pisar até esse limite, reduz a relação do CVT e o joga para 6000rpm imediatamente.

              Se vc faz isso na posição sequencial, ele chega até 6500rpm (e o 0-100 fica mais agil). Obviamente fiz isso numa estrada e sem ninguem que eu pudesse comprometer para testar. Mas foi para efeito de teste. (tanto que eu nunca mais pisei esse tanto no acelerador e mesmo qdo preciso de força não há necessidade de pisar tanto no limite).

              Mas considere como para qualquer equipamento, margem de erro. Eu vi no GPs, isso não quer dizer que esteja literalmente a 100km/h.

      • Rafael Alves

        Não que eu acredite nesse tempo mas ele tem 1210 kg conforme o texto, então, longe das 1,5 toneladas, é um peso razoável para o porte do carro.

        • T1000

          eu também acho, sabendo trocar as marchas no tempo certo, é bem provável que faça neste tempo ou próximo.

    • Bruno

      IX tlinta e cinco…

      • EDUVINHAS

        kkkkkkkkkkk boa

      • Le chat noir

        flango

  • Lucas B

    Não convence como crossover. É uma minivan.

    • Pedro Evandro Montini

      Mas crossover, em tese, já é um cruzamento de formatos. Neste caso, o T5 ficaria entre um SUV e uma minivan, embora puxando mais pra esta última.

    • Antonio Falm

      Se for minivan, tanto melhor. Falo isso pensando nesses SUVs compactos que andam por aí. Caros, desajeitados e improvisados.

      • Então os Crossovers compactos (Não conheço nenhum SUV compacto) são desajeitados e improvisados e as minivans não? E elas são baratas?

        • Antonio Falm

          Adaptações de plataforma. Foi o caso do Ecosport por exemplo, que usando a plataforma do Fiesta ficou um carro perigoso, dentre outros. Na maioria das vezes, os SUV compactos são grandes por fora, altos e com pouco espaço interno, e o mais curioso é que por vezes são chamados “aventureiros urbanos”, uma grande bobagem. Tem também algo que eu chamaria de mais uma deformação de nosso mercado: os SUV estão acabando com as minivans (carros práticos com grande espaço interno), que por sua vez quase acabaram com as peruas (muito espaço com comportamento dinâmico de hatch). Pena que essas duas últimas opções estão saindo do mercado, pois se convivessem, seria melhor. E por fim, vale a pena lembrar: existe algum carro zero barato no Brasil?

          • Antonio, minivans também são adaptações em plataforma! E não, Ecosport não é um carro “perigoso”, assim como Meriva (Corsa), Zafira (Astra) e Idea (Punto) não eram/são.
            E SUV é um carro com chassi de caminhonete. Ecosport é um crossover.

            • Antonio Falm

              O Ecosport tinha um aviso em decalque no parabrisa alertando para o fato que seria sujeito a capotagens no caso de manobras bruscas. Uma adaptação mal feita certamente.
              Na questão de nomenclatura vejo farta publicação chamando SUV compacto a carros como o próprio Eco, Duster e outros. Inclusive aqui mesmo pela redação do NA. Lembro de uma publicação aqui que tratou do assunto, mas no dia a dia, parece que os termos não são tratados de forma tão clara.

              • Sério que sua opinião é baseada nesse adesivo? Você já dirigiu o carro?
                Sempre quando falam esse argumento eu imagino o peso desse adesivo… Deve pesar uns 300 quilos.
                Não, a Eco não é uma adaptação malfeita por causa do aviso. E desculpa dizer isso, mas é um silogismo bem lúdico. Acontece que um carro mais alto tende a ter menos estabilidade que o carro que o deu origem, Hatch ou sedã. O que não significa de forma alguma que é um veículo instável. E isso vale também para Meriva-Corsa, Astra-Zafira… As minivans não são mais estáveis que os carros que deram origem. E isso não significa que são adaptações mal feitas. Ah, e olha só, seu argumento para condenar os crossovers e defender as minivans também se aplicam a elas! O Edge não é tão estável como o Fusion e passa longe de ser um carro instável. O Focus não é tão estável como um 350Z e é um dos carros mais estáveis que se tem. A não ser que você não saiba dirigir… Mas aí o problema não é o carro.

                • Antonio Falm

                  Pelo visto, você gosta muito do Eco. É uma adaptação mal feita devido à uma série de problemas que são relatados por especialistas e proprietários (muitos destes problemas sanados nas últimas gerações, outros não). O adesivo é o atestado de alguns desses problemas, não a causa, e está ali única e exclusivamente para eximir a montadora de qualquer responsabilidade legal, afinal, o motorista foi avisado. Não iriam colocar para relatar um truísmo. Silogismo lúdico foi interessante se é para ironizar, melhor mostrar erudição.

                  • Não gosto do Eco. Gosto de coerência. Você falou que crossovers são carros adaptados (Para mim que trabalhou na área soa como insulto aos engenheiros) e ao mesmo tempo elogiou as minivans… Que também são carros baseados em compactos/hatchs/sedans… Sobre essa seu equívoco…. Nenhuma palavra… Ecosport não é mais instável que qualquer outro veículo da categoria alto, achando ela mais estável que a Meriva e menos que a Idea, que por outro lado é dura demais. Experiência de quem dirigiu os 3 que acho que é algo melhor que formar opinião pelo adesivo no carro não é. E não sei de onde você tirou que esse adesivo livraria a Ford de eventuais processos. Não sei quem é você, mas tenho duas certezas: Não é engenheiro e passa longe do magistrado. Ecosport, Duster, Meriva, Idea, Picasso, HRV, Renegade… Nenhum deles é instável… Se a pessoa sabe dirigir… E aconselho formar sua opinião com quem dirige ou você mesmo dirigir… Formar opinião por adesivo no carro é dose… Abraços.

                    • Antonio Falm

                      Esse seu texto é o discurso de autoridade, uma bobagem argumentar por essa linha. Defender seu ponto de vista desqualificando seu interlocutor pode ser fragilidade de caráter e de fundamentos. Pense sobre isso, deve ser capaz.
                      Se só quem pode dar suas impressões é engenheiro, foi mal aí. Não sabia dessa norma do CREA. Sua experiência pessoal isolada não tem a mínima importância. Só repercute se levada em conta junto às opiniões de outros milhões de usuários, e no geral, as impressões são majoritariamente diversas das suas. E a gente também aprende muito lendo, inclusive adesivos. Experimente uma hora dessas.

                    • Sua impressão vem de um adesivo escrito e você ainda quer se defender? Não precisa ser engenheiro, tem que ser coerente: Onde você leu que os proprietários acham o carro instável? Poste para gente.
                      E pode ofender mas responder sobre a questão de minivan também derivam de carros comuns como crossovers o que invalidaria seu comentário incial não responde, não é? O que falta? Argumento, inteligência, leitura?
                      Sério, pessoas como você me divertem: Escrevem bonito para encobrir a falta de conteúdo: Com certeza percebeu que escreveu besteira no comentário inicial. Depois escreveu capítulos para desviar o foco do assunto como se não tivesse dito. Acredite, eu entendo mais de natureza humana e consequentemente caráter que de engenharia… E não consegui encontrar nenhum em você.
                      Mas como a discussão aqui é a idéia do carro ser instável e não você (Discutiremos idéias não pessoas como você que supôs meu gosto pelo carro na tentativa de diminuir meu comentário e começa esse comentário justamente falando que eu fiz isso), que algum proprietário que é uma autoridade maior que a gente no assunto venha e de desminta ou diga que de fato trata-se de um carro instável ou não. A não ser que ache que a palavra de um proprietário é pior que um adesivo que você leu.

                    • Antonio Falm

                      Do UOL Esporte – Fórum:
                      “Entramos em contato com a Ford, que nos informou que o Ecosport é um veículo utilitário esportivo e algumas pessoas utilizam esse veículo em condições diferenciadas, como uma condução mais ”esportiva”. Como o centro de gravidade do carro é mais elevado, há um risco maior de capotamento em mudanças bruscas de direção.”
                      Sem mais.

                    • Quando será que algumas pessoas irão aprender a ler: Você foi buscar algo que eu escrevi nessa thread, olhe: ” Acontece que um carro mais alto tende a ter menos estabilidade que o carro que o deu origem, Hatch ou sedã”. Claro que o Ecosport não terá a estabilidade de um Fiesta, ou até poderá ter com claro sacrifício do conforto (Mas a 2.0 com suspensão traseira da Ranger Americana em achei com melhor estabilidade que meu Fiesta). Pois bem, você entende que um “risco maior” não significa que ele é instável não é? O Corolla pode ter um “risco maior” de capotagem que um Focus, mas está longe de ser um carro instável. Acho melhor buscar uma melhora na interpretação de texto. E já que depois de tanto tempo foi buscar algo para postar não conseguiu encontrar proprietários reclamando da estabilidade? O canal de carros do portal que citou é o Bestcars não o Esporte. E ele não trata a estabilidade do carro como problema. Já a Meriva eles dão como estabilidade regular. Os proprietários no próprio site dizem que a estabilidade é boa (Uma média de nota 4 quando a maior é 5). Pois bem, os portais não citam a estabilidade como problema, nem os proprietários (Mesmo no canal de reclamação para não dizer que proprietário não fala mal do próprio carro). Bem, temos os portais de carros, os proprietários de um lado e VOCÊ do outro com a experiência de que sabe avaliar melhor que eles por conta de um adesivo. Mas quando irá crescer, virar homem e assumir que o que disse para Crossover seria um argumento válido para minivan também? Vai continuar fingindo que não disse e fugindo da resposta? Sabe o que é engraçado? Donos da razão como você perdem a oportunidade de aprender justamente porque não assumem seus erros. Esses dias tive uma discussão de umas 30 mensagens aqui onde vi no final que a pessoa tinha razão. Você faz um comentário que não encontra nenhum embasamento técnico e em vez de assumir fica tentando mudar o foco. Aí, Idea está para o Punto, Meriva para o Corsa, Zafira para o Astra, Picasso para o C3 assim como Ecosport para Fiesta, HRV para o Fit, Duster para o Sandero… Isso invalida seu comentário de “adaptação” no que tange a Minivan… Mas pode fingir que não leu e continuar buscando reclamações de proprietários da instabilidade da Ecosport. Acho que os leitores aqui já sacaram qual é a sua… Ah, mas busque bastante exemplos porque de cabeça eu daria exemplo de um Porsche que capotou (ator americano), alguns Camaros aqui e uma BMW e um Evoque (Dos Sertanejos João Paulo e Cristiano Araújo) que também capotaram que “provam” que esses carros são instáveis.

    • zeh

      concordo….kkk …com certeza minivan…com penduricalhos plásticos……

  • Gavlan The BeerMaster

    Esse carro pesa mais que um Nissan Sentra?
    Com motor 1.5?
    Melhor andar de jabuti.

    • radiobrasil

      Que nada, faz 0-100 em 10,8s… Só não informam que é numa descida bem ingreme rsss

      • Bruno

        Viu o trajeto? Mediram o 0-100 descendo a imigrantes… kkkkk

    • brasileiro ludibriado

      kkkkkkk….boa!

  • Andre Studart

    Bem equipado, só aparentou não ter uma dinâmica muito boa, mas a proposta é mais familiar mesmo..

    Estou começando a ficar agoniado com esses carros de maior porte com motor de hatch, é o Scross, ecosport, 2008,T5, renegade, até quando o mercado vai insistir nesses motores ao contrario dos 1.0T,1.4T, que são mais eficientes e econômicos?

    • Leonel

      Até os brasileiros começarem a exigir mais qualidade e eficiência no que compram. É só ver o caso da Toro e do Renegade. Tem aquele motor 1.8 Flex manco e vende muito, ou seja, ainda tem demanda.

      Quando o consumidor aprender a exigir algo mais compatível com os preços, passamos a ter opções como estas citadas por você.

      • Raimundo A.

        A questão não é apenas o consumidor avaliar melhor produtos com mais tecnologia, pois os daqui ainda dão leigos. Apaixonado por carro não quer dizer que entende podendo ter apenas o desejo de tê-lo.
        Com maior parte das vendas do Renegade com motor flex, então prova o que digo e você critica essa conduta, mas também há outro ponto de nem todos pensam em maior desempenho.
        Na Europa, há Fusion/Mondeo usando 1.0 Ecoboost. Aqui, essa configuração não seria ofertada e se fosse, venderia pouco com a mania de ter motor mais potente, de litragem maior, segmento exigir mais, etc. Se na Europa há quem o compre e daí ofertaram para o produto de alguma forma obter boa avaliação na emissão de poluentes e autonomia superior em detrimento de um desempenho moderado ou abaixo do esperado, demonstra que tem consumidores que não estão preocupados em veículos possantes como parece ser aqui.
        Questiono isso porque por trás da cobrança de motores mais modernos esconde o desejo por maior desempenho e não eficiência energética.

        Por fim, o governo pode impor a oferta de motores mais modernos e para isso há regras para emissão de poluentes, melhora na autonomia, etc. Assim, pode não ser o consumidor que induz a oferta, nem a concorrência entre os fabricantes ne evolução dos seus produtos, mas os legisladores regulando o segmento e assim, quem quiser autorização para vender que aperfeiçoe o produto.

      • rodrigomalc

        Acho que esse buraco vai muito mais embaixo do que só a questão de motorização… Fui ver esse fds a Toro, e ela básica (a versão de 76,5k) dá um show em muitos carros desse valor.
        Entendo que antes de critiar motor “manco”, deve se olhar pro lado e ver que há SpaceCross batendo 90 mil, Corsa Classic ainda 0km sendo vendido, Gol passando de 50k, Hilux a quase 200 mil, e diversos outros exemplos de absurdos muito maiores e mais discrepantes do que um motor “manco” num carro de boa construção.

        O seu “Exigir algo mais compatível com os preços” precisa ir muito além do motor. Isso é cabeça de apzeiro, que olha tamanho do motor e ignora o resto.

        A própria VW no início dos anos 2000 trouxe o Gol e a Parati 1.0 16v turbo… Deu certo???? Vê se os THP da PSA estão fazendo sucesso…. Audi a3 1.8T virou carro de favelado… Golf 1.4T é ótimo, mas ver video de vendedor se pendurando na porta, e jogando ela com toda força… isso é a mentalidade do consumidor atual. E isso não vai mudar nem na nossa geração, nem nas dos nossos filhos e netos.

        • Leonel

          @rodrigomalc:disqus me chamar de apzeiro por eu falar que o 1.8 Flex é manco para a Toro é absurdo, hein ? Vai me dizer que um carro que pode chegar a quase 100 mil reais não merece um motor melhor ? Eu não falei em motor para tu fazer racha, correr e chegar aos 200 km/h em 10 segundos. Estou te falando um conjunto mecânico que te ofereça mais conforto e segurança. Coloca 4 pessoas e enche a caçamba dela, vai mal se mexer. Aí tu pensa “paguei quase 100 mil nisso?”.

          Não questionei e nem questiono a qualidade do carro, assim como do Renegade, só acho que o defeito deles é o motor, ponto. E para finalizar, SpaceCross, Hilux entre outros estão com estes preços absurdos porque brasileiro adora uma CMM e um carro novo na garagem e não avalia o todo. E se continuar assim, eles vão empurrar os preços cada vez mais para cima, daqui a pouco HB 20, Pailo e cia estão chegando na casa dos 70 mil, aí tu imagina onde vai o preço destes aí.

          • rodrigomalc

            Primeiramente, perdoe se pareceu ofensivo meu post.

            Concordo 100% com você que merecia motor melhor, merecia preço menor. Com certeza!!
            O problema é que no patamar que estamos, 76,5k é um preço altissimo, mas ainda oferece um CxB melhor do que muitos outros. Fui ve-la para conferir se demais itens do carro justificavam o preço tão alto, e tive uma ótima surpresa, pois de fato o carro está bem acabado, confortável, espaçoso, e o tapa que a Fiat deu no motor até que deu certo.. E bem ou mal conta com uma rede de assistência enorme.

            Tento olhar a questão da Fiat usar o 1.8, e a Jeep também, como uma forma de baratear a manutenção, logística de peças de reposição, e mão-de-obra pra mexer nele. Ainda não estamos no estágio de mercado que pode-se abrir mão disso, pois o custo ficaria alto (ainda mais alto que os atuais)…
            Mas obviamente eu prefereria ter outro motor nela, e não tenho condições de pensar na Diesel por conta do preço. (e faço questaõ de AT também, o que faz a Diesel ser mais cara ainda).

            Então o que critiquei (espero que construtivamente) é que nós temos a pré disposição de já criticar tudo que vem das montadoras aqui…
            Claro que tem inúmeros pontos à melhorar, mas há modelos que têm menos e outros mais.
            Dentro da própria Fiat, a Strada top tem o 1.8, ou seja, supre bem a questão de motorização, pois é menor e mais leve; mas é um carro que no geral está anos luz atras da Toro. Essa sim devemos cair em cima matando de crítica.

            • Leonel

              Imagina Rodrigo, a ideia é discutirmos mesmo, expormos nossas opiniões, é assim que crescemos, ao meu ver. Eu concordo com tudo o que disse e sem dúvidas é para baratear os custos. Me deixa triste ver como na Europa e EUA, por exemplo, eles tem acesso à veículos com uma facilidade tão maior que a nossa e com CxB muito mais interessante. É triste ver que nós brasileiros somos tratados desta forma e minha reclamação é porque muitos aceitam isso.

              Sobre o carro, eu te digo que se for para uso familiar, o 1.8 Flex é suficiente, sem sombra de dúvidas. Só é uma pena que muitos veem o motor turbo, por exemplo, com algo para correr mais e não pensando em toda a eficiência e benefícios que os mesmo trazem, aí por consequência aumenta custo de seguro e etc…enfim, é isso.

              Para encerrar, não fico totalmente triste e decepcionado porque, apesar de estar caminhando a passos de tartaruga, nosso mercado está evoluindo. Já estamos entrando carros como HB 20 com AT6, Toro e Orocho com multilink e assim por diante. Espero que só melhore e que os preços deem uma acalmada, senão, vou continuar só de carro usado rsrs.

    • Edson Fernandes

      Só lembrando que o 2008 de todos esses tem a opção 1.6 THP.

      • Leonel

        Em minha opinião, o melhor CxB da categoria. Mas não sei porque raios a Peugeot ainda não colocou um AT6 nele. Na realidade, não sei porque já não veio com um no lançamento…

        • Edson Fernandes

          Porque segundo a fabricante não há espaço no cofre do motor. Aí me vem a cabeça sempre o Fiat 500 com seu motor 1.4 16v e cambio automatico de 6 marchas….. e porque não usar o mesmo cambio? Duvido que o motr 1.6 THP seja tão maior que o motor 1.4 da Fiat.

          • Leonel

            E que tivessem criado espaço para isso então né ? Tenha dó né…olha o porte e nível do carro para me falaram que fizeram um projeto sem espaço para um AT….mais vergonhoso ainda, quem vê pensa que o 2008 é esportivo, por isso só manual..

            • Edson Fernandes

              Isso é bem triste. Tão triste pensar que a fabricante não pensou numa solução como a Fiat fez no 500. Isso que me chama atenção.

  • Peuooo

    Carro bem honesto pelo que promete…

  • duhehe

    Comparando com o J3, houve uma melhora e tanto.

  • Leonel

    Poxa, eu gostei muito dessa cor ! Pelas fotos o design é bem bonito e o interior parece bem acabado (superior ao do Duster, diga-se de passagem). Mesmo no topo de linha, com uma lista farta de equipamentos e tecnologia, ficou abaixo dos R$70 mil. Curioso para saber quanto vão aumentar na versão CVT.

    Se eu estivesse à procura de um carro desta categoria com certeza faria um test-drive, mas somente a partir do segundo semestre, pois esperaria a versão CVT.

    • Edson Fernandes

      Ta aí algo que eu concordo. Ele tem um interior muito melhor resolvido mesmo. Pena que assim como oDuster (ele consegue ser mais completo!) ele em segurança ativa ainda é pobre.

      • Creio que só a falta de airbags, pois a partir da versão intermediária conta com TCS, BAS, BOS e EBD no ABS, assim como isofix, cinto de três pontas em todos os bancos e barras de proteção lateral em todas as versões, bem como ESP e HSA a partir da intermediária.

        • Edson Fernandes

          E eu falei errado, ele tem itens de segurança ativa e falta passiva.

          Eu ainda acho que a JAC perdeu o timing dos momentos de lançamentos. Acho que o produto ainda que competitivo, não apareceu como uma grande novidade ao mercado.

          E em um momento em que CCS fecham, outro ponto ruim para trazer um novo produto.

          Nção que eu considere ser mais equipado o argumento, mas consideraria mostrar a solidez do produto. Além disso, consideraria mostrar a confiabilidade dos produtos como aspecto de melhorar a imagem da fabricnate.

          Como fazer isso? Procurar divulgar testes, procurar divulgar crash test e por aí vai.

  • Filipe Mascarenhas

    O carro pode ser ótimo ter todas as qualidades, com certeza deve ter evoluído em tudo, internamente nos matérias, acabamento e mecânica, mas o problema é a confiança que o consumidor brasileiro não tem pela marca, pós venda ruim, as pouquíssimas concessionarias que tem fechando, ou seja quem vai querer um carro que a assistência autorizada pode deixar de existir após ter sido feita a compra do mesmo? A Jac tem que investir pesado no pós venda se quiser ganhar o mercado!

    • invalid_pilot

      Estava eu aqui pensando num modelo de oficinas credenciadas para assistência técnica, mais ou menos como as seguradoras fazem com funilaria.
      Seria uma boa solução para essas marcas com poucos pontos de venda e para donos de oficinas independentes

      • Filipe Mascarenhas

        Essa ideia seria genial, tambem ja me passou isso na cabeça quando lembro dessas marcas menos conhecidas, como se fosse uma especie de franquia obrigando a loja no caso que vai oferecer o serviço a seguir o padrão de qualidade pré estabelecido com risco de multa e outra punições caso não cumpra o que foi determinado seria bom para o consumidor bom para o empresario e melhor ainda para a fabricante que vai ter uma boa avaliação de pós venda, mas pena que eles não sabem ouvir a opinião do consumidor!

      • MMM

        Não lembro agora se foi Effa ou Lífan que fez isso, mas aparentemente não deu certo.

        • invalid_pilot

          Talvez não tenha sido divulgado decentemente (não sabia) mas convenhamos que Effa era dose… Lifan só esses mais novos prestam.
          JAC talvez desse pra ser assim, bastava anunciar tipo quando eles chegaram por aqui

          • Filipe Mascarenhas

            Os atuais carros da Lifan parecem ser de boa qualidade, pelo menos a unica concessionaria da minha cidade inaugurada a alguns anos ainda continua de pé.

    • Tiago Brito

      aqui na minha cidade uma capital fechou a jac que tinha, quem comprou ficou com a jaca na mão.

      • Filipe Mascarenhas

        Aqui em Salvador foi ainda pior, a Jac começou errado abriu uma concessionaria com uma fachada muito bonita em uma bairro nobre não durou 2 anos e fechou ou seja investiu muito sem saber se ia dar certo, um ano depois abriu outra em um bairro mais periférico dessa vez parecia loja da Shineray não deu outra fechou também, quem comprou ficou com a bomba na mão!

        • leomix leo

          A da Manoel Dias só vi aberta quando inaugurou, pois moro em Fsa e vou pra Ssa finais de semana. Durou muito viu 2 anos, kkkkk

          • Filipe Mascarenhas

            kkkkkkkkkkkkkkkkk agora que você lembrou tinha esquecido essa da pituba me referir apenas a do Caminho das Arvores e a ultima que ficava em São Cristóvão, ou seja foram 3 tinhas esquecido dessa.

      • Fernando S.

        Na região que moro também fechou há 2 anos, agora quem tem o mico na mão tem que andar 60 km para a a concessionária mais próxima para fazer as revisões.

        • Dalys Ancelmo

          60km? Pelo amor de Deus isso é nada! QUALQUER PESSOA, que adquirir carros de marcas que não sejam GM, Ford, Fiat e Vw sempre terão que percorrer distancias bem superiores a esta eu mesmo possuo um peugeot 208 e percorro 180km até a concessionária, se possui-se um Jeep, audi, hyundai e etc seria a mesma coisa, não vejo como problema, problema é quando precisar do serviço ele não ser satisfatório! Obs: qualquer uma destas quatro “grandes” que citei ficam a 90km de distancia de onde moro.

          • Wellington Myph13

            180km?!… 90km?!
            Ninguém mandou se esconder também né? kkkkk
            Só brincando ok? Antes que venham pedras, vai saber, kkkk…

            • Dalys Ancelmo

              kkkk que é isso irmão tá tranquilo! Mas a realidade é essa se vc analisar o monte de pequenos municípios que existem com menos de 100 mil habitantes eles não contemplam concessionarias dessas marcas menos populares que geralmente ficam restritas a capitais ou cidades grandes!

          • Fernando S.

            São 60 km em uma rodovia com dois pedágios até o local, ambos de 8,00 reais, ou seja, só de ida e volta serão 32 reais + combustível para pagar um absurdo numa revisão de carro em qualquer concessionária. Além do mais, na mesma cidade há outras marcas grandes há anos. Eu não sei onde vc mora, mas em SP (capital, grande SP) há bastante concessionárias próximas. Em outros Estados não sei, mas aqui há escolhas em abundância para se arriscar num carro chinês de qualidade duvidosa e ainda ter que rezar para não fechar a concessionária.

            • Dalys Ancelmo

              Entendo seu ponto de vista!

    • Antonio Falm

      Acho que o pós venda deve depender da cidade e da CSS. Na minha cidade é muito bom o atendimento e a garantia tem funcionado.

    • Gustavo

      Entendo, porém se você pensar bem vai ver que a JAC tem fábrica no Brasil já, e que por isso é bem dificil deixar de existir por aqui. Além disso quando a Hyundai começou a vender i30 que nem água, o modelo antigo, ela não tinha boa assistencia e nem fabricação local. Mas a turma confiou nos coreanos né? Resultado, foram melhorando e hoje estão aí. Com os chineses vai ser igual, basta quebrar o paradigma que só as 4 ou 5 marcas lideres de mercado aqui é que prestam.

      • Filipe Mascarenhas

        Essa fabrica da Jac parece que não vai sair nunca, de hoje que começou a construção e até agora nada de sair, infelizmente, pois seria uma boa oportunidade para pessoas como eu que tenho formação no setor industrial e pelo fato de estar localizada próxima a minha cidade que carece de postos de trabalho. Estou torcendo para que ela inicie logo suas operações por aqui.

  • Eduardo Andrade

    1.5 aspirado pra um carro desse porte, isso não esta certo, só lamento, se depender de mim não vende nada.

    • T1000

      Ué, tem mais potência que o Jetta 2.0 da VW, sendo este mais pesado. Não entendo a reclamação.

      • Eduardo Andrade

        Temos um pequeno detalhe ai na sua colocação, aquele 2.0 VW tinha 18 kgfm de torque, coisa que não é muito farta nesse 1.5 que mal ultrapassa os 15 kgfm.

  • arzanette

    Esta mania de trazer carros com o interior todo em preto ….. isso desanima gosto de carros com interior bege,cinza,mas porr. troca este raio de sempre preto,preto,preto. for fuck saque

    • radiobrasil

      A vantagem do preto é que a sujeira não aparece… experiência própria! Meu carro atual é TODO preto praticamente (couro) e tive um Captiva 2010 com interior bege (lindo), mas mesmo com todo cuidado com os anos os bancos encardiram/sujaram. Qualquer bobeira, água derradama, chuva ja manchava o interior. E os “jeans” são os vilões dos bancos… pegue um mais escuro e verá que o banco ficará todo azul.

      • Edson Fernandes

        Discordo. Eu tenho um Fluence com o interiro cinza e ele não suja assim. E minha limpeza com produto especializado é a cada 6 meses. Fiz isso faz 2 semanas. Os bancos e acabamentos claros estão originais sem mancha ou sujeira.

        E chegamos a levar e comer bolacha dentro do carro em viagens longas. Ou seja, mesmo com sujeira, uma limpeza comum resolve. Só vale dizer queo banco é cinza claro e não bege no Fluence.

        • kravmaga

          Cinza ainda vai, assim como o interior marrom ou café, que acho os mais bonitos, mas bege bem clarinho é realmente inviável de usar em carros porque suja muito fácil e encarde.

          O Jetta mesmo tem versões com interior bege bem clarinho (muito bonito) e até o carpete é bege. Só a sola do sapato encostando no carpete ou nos bancos na hora de entrar e sair do carro já suja, sem contar as manchas de calças jeans suadas nos bancos, que acabam encardindo com o tempo.

          • Edson Fernandes

            Mas o cinza claro tambem suja…. com sapatos ou tenis é facil nos plasticos. Mas tenho que ficar limpando com produto. Isso não tem jeito.

            Mas confesso que o visual do interior claro me agrada tanto que é uma coisa que me deixa alegre só de olhar. Desde sempre gostei de interiores claros e hoje tendo um carro assim, nossa eu sempre qdo entro fico olhando perdendo uns 3 minutos admirando…rs

          • Edson Fernandes

            O meu carro veio com um carpete com as duas tonalidades (é original) e eu coloquei um de borracha preto mesmo. Suja MUITO tapete acarpetado.

  • Rodrigo

    Até um JAC oferece ESP + TCS e o Corolla nada…

  • Cleidson

    Um abraço pro Tracker que custa 90 mil e não tem ESP!

    • invalid_pilot

      Tavam vendendo Tracker por 75k mês passado… Não sei se continua nessa oferta.

  • ncg

    O peso da JAC T5 no site é de 1210kg, e não 1585kg como está na matéria. Quem pesa 1500kg é a J6, que mede 4,59M

  • Antonio Falm

    Parece um bom produto, e se o preço se confirmar, vai ter um excelente custo x benefício. Acho que deviam ter colocado o motor 2.0 do J6, mas por outro lado, o câmbio de 6 marchas certamente deve ter sido pensado para compensar a relação peso x potência desfavorável. Tomara que venda muito, pois precisamos de concorrência nesse mercado.

  • Mumm Rá

    Achei seu desenho muito bonito

    Sim é diferente e até ” estranho ” pois ela tem um Q de van

    Talvez siga um conceito utilizado pela GM no passado que usava a base de van para a criação de SUVs

    Espero que faça sucesso e ajude a JAC a se firmar no mercado

    Infelizmente vivemos um período difícil economicamente e para piorar o governo dificulta quem não é das quatro grandes

  • Blessa

    Simplesmente pegaram o volante da Chevrolet e trocaram o simbolo, chinês não muda seus conceitos, copiam na cara dura, barateiam as peças com materiais de péssima qualidade e tentam empurrar goela a baixo dos consumidores, admiro quem tem coragem de comprar.

  • André

    A Jac continua errando no preço. Os poucos potenciais compradores são os da classe C, que está muito em baixa pela crise. Se quiser vender as sonhadas 300 unidades por mês, tem que custar por volta de 50 mil.

  • Guilhe

    “BOS (impede acionamento de acelerador e freio ao mesmo tempo)”.

    Poxa , então não é possível fazer punta taco? Hahaha.

  • Romulo Moreira

    Tá aí, até que curti esse carro. CVT melhor ainda…

  • Jeff_ A_N

    Tem cromado demais, nas fotos da versão cor prata até fica agradável, mas em outras cores fica horrivel.

  • Mak Mak

    Ainda prefiro esperar mais alguns anos.

  • Tosca16

    Enquanto isso a Chery nada, nem reestiliza o Tiggo 3 nem traz o Tiggo 5, sério e ainda é a chinesa que tem fábrica no Brasil… Quer mesmo virar um elefante branco em Jacareí .

  • EDUVINHAS

    Gosto e gosto .
    Eu achei feiaooo.
    Um monte de pedaçoes de carros montados em um so!

  • kravmaga

    O carro até que é bonitinho mas, convenhamos, andar com um motor 1.5 aspirado e, pelo jeito, sem torque em baixas rotações, em um carro de 4,30 m, formato SUV (maior peso e resistência do ar que um hatch) e ainda por cima com câmbio manual de engates duros e carroceria que inclina muito em curvas (e sem ESP para seguirar a onda) deve ser ruim de dirigir.

    O 0-100 real deve deve ser uns 14 s ou mais, e mesmo assim no álcool, que não compensa na maior parte do pais.

  • Peter Bishop

    Melhor que Duster

  • Supernescau

    “Os materiais parecem de boa qualidade e a montagem não apresenta rebarbas”. Dá vontade de parar de ler quando vejo a palavra “rebarbas” nas matérias. É o mesmo que dizer que os faróis não estão queimados na versão testada. Só tem relevância quando realmente estão. Se não estão, não é uma informação útil.

  • rodrigomalc

    A GM ou a VW podiam contratar o cara do design da JAC… pq esses carros estão ficando cada vez mais bonitos!! Pena que não prestam…

  • Le chat noir

    O produto parece bom, se a Jac tivesse uma rede maior de concessionarias ia vender bem mais. Resumindo, coloca um logo de uma das 4 grandes ai que ia vender que nem água…

  • Jaderson

    Gostei. Só que não compro agora. Esperar uns 1 ano ai sim.

  • brasileiro ludibriado

    Agora sim! Temos um carro lindo, equipado, espaçoso, moderno…..com um motor 1.5!!!!!!!!!!!!! Que pena, o carro é lindo, más 1.5 não vai bem com isso. E ainda me colocam uma relação de diferencial longa!!! Aí já é demais! Que pena que a CAOA priorize a linha Hyundai, e não faça a coisa certa com esse mini SUV (motor 1.8 ou 2.0). Seria um EXCELENTE produto.

    • Vinicius

      A CAOA não tem nada a ver com a JAC Motors. A JAC aqui no Brasil era representada pelo Sergio Habib, dono do grupo SHC. Alias dizem anda bem mal das pernas, ano passado entregou o comando da JAC de volta para os chineses e agora anda um zum-zum-zum que os chineses estão pensando em sair do Brasil, a construção da fabrica já parou a um tempo. Ele também era o representante da Citroen, e foi o maior responsável por queimar a marca já que era dono de (quase) todas as CSS e cobrava o quanto queria pelo serviço que queria (uma porcaria) – a Citroen ainda está suando a camisa para jogar ele totalmente para escanteio, mas ele infelizmente ainda tem a maioria das concessionarias, se tiver um Citroen o negocio é fazer manutenção em concessionária que NÃO seja do grupo SHC.

      • A JAC foi entregue pelos chineses ao SHC, devido a crise, o que gerou desinteresse em continuarem com a operação no Brasil, que está diminuta. O SHC está tocando sozinho o projeto da JAC Motors no Brasil e teve que rever sua estratégia por isto. Atualmente possui poucas concessionárias, mas todas próprias e devem começar a montar o T5 em CKD a partir do final deste ano em Camaçari/BA, para depois ir nacionalizando. Os galpões da fábrica estão sendo erguidos.

  • brasileiro ludibriado

    motor 1.5?? Nããããããoooooo…….que pena.

  • Milton Quadros

    Demorou muito e a CVT ainda mais, mantivemos nosso J3 na família, hoje com 75 mil km, 4 anos e a JAC cumprindo a garantia rigorosamente, mas pegamos um HB20 automático. Uma pena pois o T5 parece ser bom quando tiver o automático, mas agora só daqui a três anos.

  • Sandro

    Esse sistema BOS é uma piada né. A pessoa que acelera e freia ao mesmo tempo acidentalmente deve ser alguém com QI “tão alto” que se tiver que andar e bater palma deve babar.