Manutenção: Saiba como reduzir o consumo até pela metade

11/03/2016

vw-manutenção

A falta de manutenção continua sendo um problema grave nos veículos que circulam no Brasil. Muitas pessoas que compram carros novos não executam as revisões de acordo com o manual. No caso de usados, há quem faça tudo ou quase tudo logo que pega o carro, mas com o tempo relaxa e só leva na oficina quando algo grave acontece.

Não respeitar os prazos para substituição de peças simples do veículo, pode acarretar em até o dobro do consumo de combustível especificado para o modelo. Assim, soluções simples e baratas podem não só manter o consumo em ordem, mas também poupar o proprietário de dores de cabeça no futuro.

Quando a manutenção não é feita do jeito correto, os sintomas podem aparecer por volta dos 50.000 km, mas em alguns casos, os danos evidentes da ausência de manutenção podem aparecer logo aos 20.000 km. Itens como velas de ignição, filtro de ar, filtro de óleo, filtro de combustível, catalisador, óleo lubrificante e alinhamento/balanceamento podem dobrar o consumo se não estiverem em ordem.

kit-troca

De todos eles, o caso mais grave é o estado do catalisador, que pode derreter até, por conta da falta de manutenção do motor. Só as velas sujas podem aumentar o consumo em até 25%, além de provocar danos ao processo de combustão, com folga ou obstrução de válvulas. Elas geralmente são trocadas a cada 20 mil km ou 15 mil km em uso severo.

O filtro de ar entupido não pode ser limpo em casa, nem mesmo com ar comprimido. Ele precisa ser trocado a cada 15 mil km em média ou metade desse tempo se o uso for severo, no caso, longo tempo em estrada de terra ou no trânsito pesado. Ele sozinho ajuda o consumo a subir de 10% a 20%.

O mesmo percentual de elevação do consumo é atribuído ao filtro de óleo. Substituir o óleo lubrificante, mas não seu elemento filtragem é uma falta grave, que vai prejudicar não só a média de km/litro, mas também a vida útil do motor, por conta do maior atrito entre as peças móveis do propulsor. Deve-se substitui-lo sempre nas trocas de óleo, que obrigatoriamente devem estar de acordo com o manual.

oleo-troca

Falando nele, o óleo lubrificante, o proprietário de carros novos ou usados tem que ter em mente primeiramente a especificação exata do lubrificante estipulado pelo fabricante do modelo. Não adianta aceitar o que o frentista manda colocar.

O manual do proprietário indica qual o tipo de óleo e o período de sua troca, inclusive em alguns casos, também em uso severo. Geralmente as trocas ocorrem a cada 10 mil km ou metade no uso severo. A carbonização do motor por falta de troca é uma causa mais imediata e o consumo sobe em até 10%.

posto-gasolina-bomba

Já o filtro de combustível é um item que muitos até esquecem que existe. Mas ele está lá para evitar danos ao motor por conta de sujeira no combustível, que empobrece a mistura, assim como força a bomba de combustível (que pode queimar e dar um prejuízo muito maior). Em média, troca-se este filtro a cada 10 mil km. A não substituição gera alta de 20% no consumo.

Ainda falando sobre o combustível, quando este é adulterado, o rendimento do motor cai substancialmente e os itens citados são os primeiros a sofrer, acarretando perda de rendimento e aumento do consumo, já que ao perder força, a reação do motorista é acelerar para compensar e é aí o tanque vai esvaziar mais rapidamente. O percentual de aumento no consumo vai depender do estado de manutenção do motor e do combustível.

catalisador

Como já falado, o catalisador será sempre o saco de pancadas da falta de manutenção, pois todos os danos conferidos ao motor pela não substituição dos itens básicos, serão repassados ao dispositivo, que pode até derreter com o tempo de uso. Nesse caso, além do mau cheiro, ele ajudará a deixar complicar mais a vida do automóvel quanto às emissões. O consumo pode subir entre 5% e 10%.

Sua substituição não é barata e, de acordo com estimativas, 80% dos componentes à venda no mercado são falsos. Nesse caso, o catalisador não original vai emitir mais poluentes na atmosfera. Alguns, no entanto, preferem tira-lo e deixar o carro sem. Aí, além da maior emissão, o motor perderá torque e, em consequência, o consumo se elevará com o esforço do motorista em compensa-lo.

balanceamento-alinhamento

Por fim, mesmo com tudo isso substituído e em ordem, o proprietário precisa lembrar que rodas e pneus devem estar também de acordo com as especificações de fábrica. Assim, balanceamento e alinhamento devem ser feitos, geralmente a cada 10 mil km ou metade se em uso severo.

O consumo aumenta em 10% se não estiverem de acordo. E mais, a vida útil dos pneus pode cair muito. Nesse caso, a substituição dos quatro pneus vai sair muito mais cara que o serviço citado. Isso sem contar o prejuízo no desempenho e na segurança, podendo em caso extremo, ocorrer um acidente.

Em todos os casos citados nesta matéria, verificar o manual do proprietário é muito importante, pois nele há o período exato de cada troca. Se ele não dispor dessas informações, então pode-se consultar o site do fabricante do veículo.

[Fonte: Revista Quatro Rodas]












  • Jessica DOliveira

    Muito boa a matéria. Faço sempre em dia a manutenção do meu carro, mas trocar velas a cada 20 mil km acho desnecessário. Faço a cada 40 mil km a troca de velas e nas duas vezes que fiz elas estavam muito boas ainda podendo ser usadas por mais tempo.

    • Rodrigo

      Não existe isso de trocar velas a cada 20 mil km… Tem que respeitar o que está descrito no manual do carro: verificar na quilometragem X e trocar na quilometragem Y.
      Mesmo porque existem alguns tipos de velas (Iridium) que a troca ocorre com 80 mil km ou mais, dependendo do carro.

      • fschulz84

        Exato, as Iridium ou Platinum, já ouvi recomendações de trocar somente a cada 100000kms

        • João Cagnoni

          Se for Iridium dura 100 mil, mas Platinum é metade disso.

        • Fábio

          No manual do Cruze indica a troca de velas com 100 mil, elas são de Iridium

        • zekinha71

          No manual do March manda trocar com 100k.

      • Vangelis Matos Medina

        O certo é medir a abertura da vela, e verificar se está no limite do fabricante.
        Não importa se for 5 mil km ou 200 mil km.

        • Rodrigo

          O certo é seguir o que está no manual de serviço. Afinal, engenheiros das montadoras dedicaram muitas horas de trabalho para chegar à conclusão de quando e como deve ser feita a manutenção do carro. Se o proprietário não possui mais o manual (por qualquer razão) há formas de obtê-lo, seja pela internet ou ligando no SAC da empresa e solicitando. Às vezes o custo é bem baixo e eles mandam pelo correio.

          • Vangelis Matos Medina

            Ai uma vela que se desgastou antes do tempo vai ser usada só porque o manual disse que duraria mais. Parabéns.

            • Rodrigo

              Se vc não sabe, vou te contar: quando um item de manutenção preventiva tem sua troca recomendada, digamos, aos 60 mil km significa que a durabilidade estimada pelo fabricante daquele item vai um pouco mais além dessa tal km. E na maioria dos casos a montadora recomenda verificação do item na metade do valor indicado.
              Ou seja, a menos que vc utilize seu carro em modo severo ou tenha excesso de preciosismo com a manutenção, não há razão lógica pra trocar as velas em uma km inferior à indicada no manual. Simples assim.
              Agora se vc não concorda, não tenho nada a ver. Afinal o dinheiro é seu e vc sabe bem como deve gasta-lo.

              • Vangelis Matos Medina

                Vc precisa se atualizar, existem ferramentas para medir desgaste do eletrodo da vela.
                Isso que vc fala é achismo.

    • CharlesAle

      O ideal é retirá-las a cada 10 mil KM, limpá-las e regular o gap do eletrodo. E bom também pois evita que ficam presas no cabeçote(sim, as vezes emperra e só retificas consegue retirá-las, ou seja,, tem de desmontar o motor!!)..A troca varia de acordo com o manual do veículo, mas, via de regra, é em torno de 40 mil rodados, caso seja vela comum.Junto com os cabos também!!

      • automotivo

        no caso do gol mi 1.0 97/ os famosos cabos ngk stv25 vendem que é uma beleza aqui na loja.

  • Castle_Bravo

    As velas também acho demais troca-las a cada 20 mil quilômetros, principalmente se for usado combustível aditivado, etanol ou algum detergente para limpeza misturado ao combustível, o mesmo vale para o filtro de combustível. Em tese, pode-se ajustar o software de injeção para enriquecer a mistura e compensar a falta do catalisador para se ganhar um pouco mais de potência. Não é bem o mais ecologicamente correto a se fazer, mas é uma saída.

  • luiz oliveira

    Carro a gasolina troca o filtro de combustivel a 40.000km

    • Marcos Souza

      Acho que isso depende do que o manual fala…certos filtros são menores e tem capacidade filtrante menor do que outros

    • Daniel

      Cara, o filtro de combustivel é tão barato, que não vejo problema nenhum em troca-lo a cada 10mil km…

  • Franco da Silva

    Muito bom começar a informar e incentivar essas práticas. Mesmo o público “apaixonado” se deixa levar por falsas economias e renega a manutenção, tendo que correr atrás depois, quando já é tarde e o carro apresenta problemas crônicos e caros. Aí, a saída é “enrolar um otário” e passar o problema a diante. Por isso o mercado de usados é tão complicado e quem quer garantia precisa pagar caro por um 0 KM.

  • Derek

    Estou meio neurótico com manutenção… Depois de ver tantos vídeos do ADG (Canal High Torque) não confio mais em nenhuma oficina mecânica, muito menos nos mecânicos das concessionárias. Acabei aprendendo algumas coisas e estou tentando usar este conhecimento para, pelo menos, evitar alguns problemas com meu carro.

    Outro dia levei para balancear e me incomodou o faot do mecânico não usar torquímetro para colocar as rodas de volta… Neura? Não sei, rs.

    • DougSampaNA

      Derek, ver videos é bom mas não deve te deixar assim, eu tive uma época de neura de qualidade de óleo; acho que fiz uma pesquisa de umas 30 horas num perido de 2 meses lendo dezenas de boletins tecnicos e etc; até estava começando a sonhar que estava pondo óleo errado; larguei pra lá…hehehe..a gente fissura mesmo se exagera..mas fiquei craque em óleo..

  • zenbudismo.

    na ccs é muito mais caro

    • Jaderson

      muito mais, coloquei uma lista minha de gastos com a ultima revisão feita semana passada, aqui nessa enquite. Se tivesse feito na ccs teria ficado mais de 800 reias

  • Zé Mundico

    Fazendo essa manutenção preventiva (filtros, óleos e eventuais ajustes) e usando o carro dentro da sua capacidade dá para rodar até os 100 mil km tranquilo sem problema. Isso vale até para carro chinês.
    O problema é que devida as más condições financeiras da maioria dos proprietários, o pessoal deixa a peça comer até o osso ou até quebrar. Aí o prejuízo sempre será maior.

    • automotivo

      conhece realmente que andou 100k com um carro chinês?

      • Zé Mundico

        Não estou falando de casos específicos mas sim de manutenção, que deve ser a mesma para carro japonês, chinês, brasileiro ou alemão. Acredito que um carro chinês possa fazer 100 mil km com manutenção e uso adequado. Não vejo nenhum empecilho nisso. Tenho 2 colegas que tem carros chineses, um Chery o outro é JAC. Não sei a quilometragem exata mas já devem ter passado dos 70 mil tranquilo.

        • Daniel

          Já andei de carona num Chery Face com mais de 60mil km. Ainda tá inteiro… mas tinha muito barulho e peças de acabamento parecendo de carros com 20 ou mais anos de uso.
          Talvez com um dono mais cuidadoso estivesse mais inteiro… agora, a questão é: vale a pena investir tanto dinheiro e cuidado num carro chines simples?

      • Daniel

        Acho que foi a Jac que disponibilizou um carro deles com mais de 100mil km para os jornalistas testarem…
        Eles só não falaram que os 100mil km foram puxados por um guincho! :P hehehe

  • Racer

    Controlo estes itens na ponta da caneta…e troco eu mesmo.

    • DougSampaNA

      eu controlo com planilha eletronica ja faz uns 15 anos, sempre tenho uma ideia de quanto vai custar a proxima facada baseado no historico anterior das ultimas, alem de eu saber exatamente quanto gastei com o carro durante a minha posse dele.

  • gustavo

    O problema no brasil e que tem muito mechanico que usam maretas de pedreiro para sacar peças, montam peças sem graxa, colocam porcas e parafusos espanados no seu carro tem a capacidade de esquecer de apertar os parafusos das rodas, depois do serviço, isso quando não ficam com as peças novas e instalam peças velha, que eles nunca jogam fora e ficam escondidas na oficina !! mexer com carro no Brasil e dor de cabeça, ótima matéria NA.

  • Louis

    No texto está escrito que a carbonização é o efeito da falta de troca do óleo, mas acredito que seria a formação de borra.
    Carbonização ocorreria de combustível de má-qualidade, problema em vela, queima incorreta, etc.
    Me corrijam se eu estiver errado, pois não sou mecânico.

    • Zé Mundico

      Na verdade a carbonização é a CONSEQUENCIA da falta da troca de óleo, pois o óleo queimado e velho vai acumular detritos nas partes do motor. A borra é o acúmulo desses detritos e as vezes fica aquela graxa preta que entope tudo.

    • DougSampaNA

      Oi Louis, lembrando da antiga gasolina comum cheia de enxofre, agora segundo o que a Petroroubabras diz, reduziram 90% do enxofre nela…da pra confiar?

      • Louis

        Eu não confio em nada que venha da PTbras. Eu não compraria ação PETR nem sem caísse para R$ 1,00 (US$ 0,5)…

  • Bruno Wendel Marcolino

    Parabéns a 4 Rodas pelo belo texto e muito bom a noticias automotivas divulga-lo.

  • Ricardo

    Faço quase tudo isso, só velas não troco com tanta frequência assim, só se o mecânico falar que está na hora de trocar!
    Acho sacanagem o Catalisador ser tão caro, o governo deveria dar incentivos para ser mais barato e incentivar a troca, já que exige carros menos poluentes!!

  • Gavlan The BeerMaster

    Maneiro, já vou fazer isso…

  • Jaderson

    E tem mais gente, fica a dica. Compre essas peças separadas e peçam desconto em tudo, procurem na internet que a diferença no final pode chegar a 50% que nem foi no meu caso.
    E eu tenho um Fox 1.6

  • Jaderson

    Nunca faça o serviço no local e deixe por conta deles trocarem as peças.
    Na minha ultima compra gastei 100 reais com Kit Filtro (de óleo, de ar motor, de gabine ar-condicionado, de combustivel ) + a granada de Higienização.
    Depois mais 120 reais com óleo 5w40 da castrou.
    Mais 70 reais de alinhamento e balanceamento computadorizado.
    Aproveitei e troquei as fibras de freio por 120 reais (isso eu fiz na oficina, depois achei as mesma pastilhas de freio por 70 reais na net.)

    • Robson Rogerio

      Também costumo comprar as peças por minha conta, após pesquisar e comparar os preços, mas tenho consciência de que se alguma destas peças apresentar problemas e precisar troca-la terei que pagar novamente a mão de obra da oficina.
      Quando a oficina fornece as peças a mão de obra entra na garantia, e além disso tem que dar um lucro para a oficina, devido a compra, estoque, etc., por isso eles tem que cobrar um pouco a mais,

  • Rafael Santos

    É o sonho de todo bom dono de carro fazer a manutenção em dia, o único problema é os preços das peças e a qualidade da mão de obra que a cada dia está caindo…

  • Jens Lachenmeier

    Otimo mate

  • GPE

    Dizer que velas são trocadas a cada 15mil KM em uso severo é, no mínimo, amador. Muitos carros tem velas que são trocadas em situação normal acima de 60mil KM, chegando a 100mil KM em alguns casos. Se reduzisse pela metade no caso de 60mil KM, teríamos a troca aos 30mil km…

  • Anderson Trajano

    Excelente matéria. É uma pena que o Brasileiro não tenha o habito de fazer revisões periódicas nos seus veículos.

    Infelizmente para nós o Carro é um bem caríssimo, o que leva a maioria das pessoas a deixar a manutenção de lado e recorrer ao “jeitinho brasileiro”, comprando peças em desmanches e arrumando o carro num “mexanico”.

    Esse é motivo pelo qual alguns bons modelos acabam sucumbindo a esse sistema, e são mal vistos no mercados de usados.

    Uma vez assisti uma entrevista com um executivo da Honda, e ele disse que o segredo deles no Brasil, é fazer carro para Brasileiro, se referindo ao fato de usarmos o carro sempre no limite e com a mínima manutenção.

    • João Felipe Machado Silvestre

      e depois dizem que somos “fãs de carros” se, de fato, fôssemos, faríamos a manutenção como deve ser…sem o maldito “jeitinho” (que raiva que me dá essa palavra!!!)

  • lgustavomp

    Alguém tem uma explicação do por que o motor perder torque ao rodar sem catalizador?

    • Que eu saiba catalisador é para diminuir emissões, e só.

  • Creio que o que pode mais dar problema em carro usado é quando o antigo dono não usou o óleo correto ou no período certo. E eis algo muito difícil de perceber ao comprar um usado.

  • Pedro Henrique

    só essas velas ai que achei meio cedo de mais pra trocar…
    20 mil km…
    acho que de 40 em 40 mil ou 50 em 50 mil é ideal, claro, fazendo um check up nelas por volta dos 20 mil km pra ver o estado.

  • Rodrigo

    Valeu pela dica. Vou pedir pra revisarem a condição das velas na revisão de 30 mil km do meu Civic (ainda está um tanto longe) para evitar essa dor de cabeça.

  • Trocar velas a cada 15 ou 20 mil km? que carro é esse!?

  • RyanSX

    Um item simples de manutenção que sempre reparo e que ajuda muito, porém muitos motoristas simplesmente ignoram, são o pneus vazios. Até mesmo onde ou vou encher os pneus do meu carro, a bomba do lado do carro da pessoa e ela não enche aquilo, mesmo estando visivelmente mal calibrados.

  • renato dantas

    No caso de velas Iridium vai tranquilamente a 100.000 k.

  • Daniel

    Não falaram de outra coisa basica: Calibrar os pneus!

  • Daniel

    Troca de correia com 30mil km? tá certo isso?