Microlino ressuscita Isetta com propulsão elétrica (vídeo)

08/03/2016

microlino-4

O Iso Isetta foi um microcarro italiano lançado em 1953 e que acabou tendo variantes feitas pela BMW, Velam e a brasileira Romi, sendo o primeiro carro fabricado inteiramente no Brasil, feito a partir de 1956.

microlino-2

Desde então, entusiasta procuram manter a memória desse pequeno carrinho, mas uma empresa suíça decidiu traze-lo para o século 21 com o projeto Microlino. O produto é uma releitura desenvolvida pela Micro Mobility Systems, localizada em Küsnacht, Suíça.

microlino-3

Classificado como um quadriciclo na Europa, o Microlino foi feito com base no clássico Isetta, tendo sua carroceria atualizada, mas preservando estilo e proposta do desenho original. Ao invés de um diminuto motor de moto, agora um propulsor elétrico move os 400 kg do veículo, peso que inclui a bateria.

microlino-1

O propulsor entrega 16 cv, suficientes para que o Microlino alcance 90 km/h e tenha autonomia de 130 km. Legítimo rival para o Renault Twizy, o clássico renascido deve chegar ao mercado europeu em 2017 com preço sugerido de € 9.950.












  • Airplane

    Caixão ambulante !

  • Yuri Lima

    Faltou o retrovisor.
    Uma adaptação que transformasse os farois e retrovisores como peça única ficaria excelente!

    • Ken Moromisato

      O protótipo no salão de Genebra tem essa adaptação.

  • Franco da Silva

    EU QUERO!!!
    Mas tá caro isso aí… se bem que elétrico é sempre caro… tá bom, então!

  • Silvowski

    Não sei se vai dar certo. Uma das coisas que fizeram com que a produção do Romi Isetta (aqui no Brasil) fosse abandonada foi a posição da porta. Em colisões frontais, sair do carro seria bem complicado…

    • Airplane

      Caixão ambulante!

    • BlueGopher

      A saída, em caso de emergência, era através do teto de lona.
      Fácil também seria retirar as “grandes” janelas encaixadas.

  • Victor Hugo

    Credo… bater com isso, vira presunto! Nem precisa ser forte… ainda bem que acabaram..

    • 1945_DE

      Bater com isso com certeza é morte certa. Mas o projeto novo já tem espaço para um porta lateral, um painel convencional e airbag. Os projetistas não foram felizes. Esse carro não vai ser produzido nunca. Não vai passar nunca no crash-test na Europa.

      • Claudio Abreu

        Gente, é homologado como quadriciclo, pra uso urbano, <50km/h: tranquilo.

        • DiMais

          enxergo como uma opção melhor que uma moto ao invés de uma pior que um carro, se bater tu fica ali dentro, não esticado no chão.
          o Renault Twizy tem boa aceitação na Europa, não duvido que esse brinquedo também seja (é até melhorzinho, já que o Renault cobra mais caro pra fornecer a carroceria fechada).

          • Claudio Abreu

            Não sei de onde és, DiMais, mas aqui em SP, a coisa tá tão devagar que dá até raiva… É pra esse cenário que veículos como esse vão muto bem.

      • José Eduardo Borba

        Em uma batida, VC prefere está dentro desse novo projeto, ou em cima de uma moto? Segurança é muito importante, mas se fosse ver só isso, não existiria motos.

    • Ken Moromisato

      Bater com isso ainda é mais seguro do que andar de moto.

      • Victor Hugo

        Depende. Eu bati de moto quando vararam um pare e estou aqui…. kkkkkkk

    • Carol Vieira

      Era um micro-carro, focado no baixo-custo total e ainda lançado em 1956. Não podemos exigir segurança.

      • Victor Hugo

        Era um micro carro de 56, com a tecnologia em segurança de hoje em dia, não faz sentindo reviver uma coisa dessa

        • Carol Vieira

          Esse Microlino é apenas um protótipo. Obviamente se o Isetta fosse relançado, seria um carro de nicho assim como o 500, Mini e Beetle. E provavelmente ele usaria base e tecnologias totalmente novas.

  • Marcio Souza

    Agora tá explicado de onde o carro autônomo da Google buscou inspiração.

  • Claudio Abreu

    Muito me interessa.