_Destaque Carros Conceito Esportivos Lançamentos Nissan

Nissan revela conceito radical BladeGlider no Rio de Janeiro

Nissan BladeGlider Concept 1

A Nissan revelou nesta quinta-feira (4) no Rio de Janeiro o novo conceito radical BladeGlider. Trata-se de uma evolução do modelo apresentado pela montadora japonesa durante o Salão de Tóquio, em 2013, que combina zero emissões de poluentes com alta performance em um veículo esportivo de design diferenciado, além de antecipar tecnologias que serão empregadas futuramente nos carros da fabricante.

De acordo com a empresa, o novo BladeGlider é fruto de dois anos de trabalho em design, engenharia e desenvolvimento e “resume a Mobilidade Inteligente, uma filosofia criada para tornar os automóveis mais interessantes, redefinindo a forma como são conduzidos, abastecidos e integrados à sociedade”.

“Estes protótipos sintetizam a expansão da Nissan rumo à filosofia da Mobilidade Inteligente, na qual o prazer de dirigir se combina a responsabilidade ambiental. A Nissan acredita que os entusiastas devem prestar atenção ao futuro de zero emissões e o Nissan BladeGlider é a demonstração perfeita disto. É o veículo elétrico para os amantes de carros”, disse o CEO e presidente mundial da Nissan, Carlos Ghosn.

Nissan BladeGlider Concept 5

O modelo mostrado no Brasil conta com uma configuração de chassi avançada, com uma bitola dianteira mais estreita e uma bitola traseira mais larga, aumentando a eficiência aerodinâmica e a estabilidade de condução.

 

Na motorização, há um sistema elétrico de 268 cavalos de potência e 72 kgfm de torque, capaz de fazer o conceito de 1.300 kg acelerar de 0 a 100 km/h em menos de cinco segundos e alcançar velocidade máxima superior a 190 km/h. O veículo tem tração traseira, proporcionada por dois motores elétricos de 130 kW, sendo um para cada roda. A bateria é de íon de lítio de 5 módulos, de 220 kW, com sistemas customizados de resfriamento.

O conjunto dispõe ainda de sistema de vetorização de torque com três opções de configuração: desligado (off), ágil (agile) e modo derrapagem (drift).

Nissan BladeGlider Concept 15

O visual do novo Nissan BladeGlider conceitual se sobressai pela linha de cintura elevada, portas com abertura invertida e teto aberto reforçado por uma estrutura integrada de proteção anticapotagem.

No interior, há displays no painel capazes de mostrar a velocidade, status da carga da bateria, modo de regeneração e mapeamento do torque. No meio dos mostradores digitais, há duas telas, que apresentam imagens das câmeras de ré (instaladas atrás das rodas traseiras), oferecidas como uma alternativa aos retrovisores externos convencionais. O motorista se posiciona na parte frontal da cabine, enquanto os dois passageiros viajam logo atrás, e segundo a marca todos têm uma visão panorâmica, devido ao para-brisa continuo.

Além disso, o esportivo elétrico traz cintos de segurança com quatro pontos de ancoragem, bancos com suporte lateral e revestidos com um tecido misto (combinação de epóxi e material de revestimento) e duas opções de cores para o acabamento: Cyber Green e Stealth Orange.

A Nissan vai mostrar dois exemplares do BladeGlider durante os Jogos Olímpicos Rio 2016.

Galeria de fotos do Nissan BladeGlider Concept





  • Mr. Car

    Era melhor não ter revelado, he, he!

  • Fernando Bento Chaves Santana

    “conceito radical”… Pelo visto o cara que escreve as vinhetas da seção da tarde ta fazendo um Freela aqui no N.A.

  • CanalhaRS

    Espero que seja um futuro que nunca chegue! Dois anos de trabalho para fazer esse desenho xexelento…se me pagarem um xis burguer e um refri eu faço melhor.

  • Franco da Silva

    Coisinha estranha… um esportivo meio sedã…
    Mas sei qual era a intenção, é um carro meio delta wing.
    Gosto desse conceito de três lugares, é muito prático. Até a McLaren está pensando em voltar com ele. Além dos esportivos, os super compactos também podem entrar nessa tendência, é uma boa solução para carros mais curtos.

  • Edson Fernandes

    Pra mim está bem longe de ser radical também.

    E quando leio “zero emissão” acho tão forçado… pq qualquer desgaste é forma de emissão em um carro.