Fiat India Sedãs

Novo Grand Siena vai substituir Linea na Índia

linea-tjet-india

De acordo Motor Octane, a Fiat vai substituir o Linea no mercado indiano pelo Novo Grand Siena. Previsto no programa estratégico da FCA para a América Latina, o sedã conhecido como X6S deverá ser fabricado na Argentina, enquanto sua variante hatch (X6H) será feita no Brasil, substituindo o Punto.

Havia uma expectativa de que o Novo Tipo/Aegea fosse fabricado também na Índia, substituindo a já cansada dupla da Fiat. Com lançamento esperado para 2017, o Novo Grand Siena será o primeiro de dois sedãs compactos da marca italiana, sendo que o Novo Siena ficará abaixo e sua chegada deve ocorrer a partir de 2018.

Com entre eixos maior em relação ao Linea, o X6S terá uma plataforma híbrida com elementos do Projeto 326 (Palio), mas com muitas modificações para poder enfrentar a concorrência. O projeto de baixo custo deve contar com motores 1.4 Fire de 100 cv e E.torQ 1.6 ou 1.8, alcançando até 132 cv.

[Fonte: Motor Octane]





  • pedro rt

    o 1.4 GSE tera mais de 100cv e o 1.8 e.torq passara por um aumento de potencia e torque, ainda maior do q acontecera agora com o TORO, portanto podem esperar torque bem acima de 20kgfm e mais de 160cv de potencia “o toro tera 138cv”. e o 1.6 e.torq saira de linha

    • Edson Fernandes

      Olha…. pelo que foi citado em outro site que consegue esse tipo de segredo industrial, não me parece que irá passar de 140cv só que o torque irá aumentar para proximo de 20kgmf.

    • João Martini

      Caramba, qual vai ser a mágica?

      • pedro rt

        a magica sera por VVTI, injecao direta e a mudança de varias peças no motor para ser mais eficiente, com mais potencia e torque. nao se esqueça q em 2009 esse motor mudou 80% das peças daquele antigo motor 1.6 tritec

        • João Martini

          Isso me soa mais a pura especulação do que “fonte quente”. Enfim, quero ver isso aí tudo.

          • Wellington Myph13

            Pura especulação…
            Até presente momento, o que se falam é do novo 1.0 que terá 6 válvulas, e no aumento de potência do 1.4 pra 100cv e Torque de 13,5kgfm.
            Nos 1.8 dizem também que deve chegar a 140cv e ter 20kgfm de torque, mais que isso ele precisa de uma BOA repaginada como o amigo “sugeriu” ali, mas não há indícios em lugar algum que ela fará isso.
            Outra noticia que rola e é quase certa é a adoção na linha 2017 do AT6 nos motores 1.6 e 1.8…

            • pedro rt

              o 1.0 e 1.4 GSE serao completamente novos nao terao nada dos atuais fire evo

            • João Martini

              Graças a Deus esses automatizados estão com data pra morrer. Fox também vai trocar o ASG pelo tiptronic.

              • pedro rt

                a melhor coisa q poderia acontecer em 2016 era esses i-motion e dualogic sairem de linha, alem de problematicos ninguem compra eles no mercado de seminovos, o preço deles e o mesmo de um carro manual. esse tiptronic da vw e uma referencia em qualidade e durabilidade ninguem reclama deles!

        • Raimundo A.

          Rapaz, pessoas da Fiat disseram que o MultiAir seria caro para os motores E-torQ, imaginem então injeção direta. Claro, VVTI mais simples pode ser adotado, adotar turbo não é problema e não exigiria a injeção direta, afinal os THP da Peugeot por enquanto não tem.
          Só não acho que a Fiat iria investir muito no 1.8, pois ela pode usar motores maiores da divisão americana. Exemplo é o 2.0 Tigershark vir a ser flex para equipar o Jeep 551, sucessor do Compass, passando a entregar mais de 160cv com etanol e usaria a transmissão AT9.
          Se estariam investindo num motor que pode desenvolver mais e este pode ser aplicado em outros produtos como Renegade, Toro, poderia ser no Grand Siena, Palio, Punto, etc.
          Outra, seria melhor buscar eficiência via um motor downsizing ou trabalhar mais no 1.6, onde este poderia ter VVTI e turbo. Havia uma especulação que a Fiat estaria desenvolvendo um 1.6 E-torQ Turbo Flex. Se esse é o bloco original, por não aperfeiçoa-lo também?

          • pedro rt

            A FIAT desistiu de aperfeiçoar o 1.6 e.torq, ele saira de linha, preferiu trazer algumas evolucoes agora no 1.8 pra equipar o TORO e outras bem maiores q equiparao o novo palio e grand siena em 2016 e 2017

  • Gavlan The BeerMaster

    Esse Linea era tão zebra assim?

    • Rmx

      Melhor perguntar!!!!!!!
      A que PUNTO chegamos?????????

      • pedro rt

        resposta; PALIO

        • DiMais

          Punto/Linea
          Palio/Siena
          até porque o Palio surgiu originalmente no Brasil como uma versão tupiniquim do Punto, assim como a dupla Uno/Panda.

      • pedro rt

        alias isso me lembra um poema do Drummond q dzia assim; palio q veio pra substituir o uno q veio pra substituir o 147 e q acabou substituindo o punto assim como o grand siena q acabou matando 2 de uma vez so, grand siena atual e linea…

        • Rmx

          PUNTO QUE PARIU me confundi até com essa saga!!!
          O fim vem primeiro do meio que vem antes do começo!!!

          • pedro rt

            kkkkkkkk

          • Junoba

            Minha mente bugou agora…

  • Raimundo A.

    O CEO já havia dito que haveria um novo sedan abaixo do Aegea/Tipo, e aí temos o Grand Siena que atuará em outros mercados ao invés do Tipo, mas com custo de produção menor.
    Dessa forma, essa especulação somada a outras daqui, quem acredita que o Tipo virá é melhor esperar deitado.
    O Grand Siena aqui tem o papel de enfrenter veículos com porte médio sem refinamento vide Logan, Etios sedan, etc. O Tipo assume esse papel onde há concorrentes mais fortes como 301 e C4 Elysee.
    Logo, o Grand Siena deverá de fazer isso aqui, mas receberá um banho de loja e ficará maior para também atuar no espaço do Linea. Sendo assim, não acredito que a Fiat ofertará um produto para brigar com Corolla face-lift, nova geração do Civic, Fluence NG, etc por aqui, mas um produto mais uma vez deslocado – poderá de alguma forma concorrer com os citados, mas não ameaçaria as versões top, e a depender da mecânica, ser melhor opção aos compactos premium e avantajados.
    Nessa tese, não duvidaria que o novo Punto pode aqui é fazer o papel do Tipo hatch. Ele assumiria a vaga do Bravo entregando mais espaço, não menos comodidade, mas não sendo tão caro e, lógico, não ameaçaria veículos médios top. Exceto se a Fiat daqui com a autonomia que tem crie por sua conta Grand Siena e novo Punto com versões esportivas com mais de 160cv por exemplo em substituição as T-Jet.

    • pedro rt

      nao sera abaixo do TIPO, pelo contrario sera do mesmo nivel dele, a diferença e q o tipo ficara a venda somente em alguns países no mundo e o GRAND SIENA 2 sera vendido no mercosul e india por enquanto

      • Hernan Carlos Granda

        un carro derivado de um segmento inferior nunca pode ser de mesmo nivel, Tipo e um carro c mundial e este deriva do palio que é um B . As dimensiones nao importan , caso contrario Citroen Pallas seria um segmento d quando é um c

      • Raimundo A.

        É abaixo a partir do contexto que a base do Tipo é mais cara. Do contrário, o Tipo poderia ser ofertado em outros mercados ao invés dos novos Grand Siena e Punto.
        Agora, se colocar um motor mais potente, medidas forem parecidas é deixar no mesmo nível, então os carros de alguns fabricantes chineses são muito melhores, ou não?

        • DiMais

          mais cara? na Europa ele compete em preço com o Logan, aqui no Brasil qual o Fiat compete com o Logan?

  • dogmarley

    retrocesso.
    Linea é muito mais carro

    • pedro rt

      o carro ainda nem foi lançado e ja esta falando isso? acho melhor vc esperar pra falar alguma coisa sobre isso

      • dogmarley

        pelo o que entendi, esse Grand Siena será igual ao nosso… não tem nem comparação entre GS e Linea…

    • Raimundo A.

      Não é retrocesso se o Linea era um Punto esticado. O Linea era passer o sedan compacto premium do Punto, e assim não precisaria ser tão grande concorrendo com premiuns tipo New Fiesta, Kia Rio sedan quando passou a existir, etc. Todavia, criaram os sedans compactos-grandes tendo na Europa produtos como 301 (entrou no lugar do 207 Passion) e C4 Elysee, além do Logan. Aqui temos Logan, Cobalt, Etios, etc, e o Grand Siena veio nessa balada.

      O Linea não era produto para concorrer lá fora com os médios de fato derivados de Golf, Focus, Civic, etc, e aqui não foi diferente, tanto que o Linea ficou abaixo do Viaggio.

      A FCA segura o Viaggio no seu mercado e recria o Tipo para o EMEA. Nos outros, o Grand Siena está subindo de patamar, pois deverá crescer mais para ofertar o espaço interno que os concorrentes tem, além da atualização mecânica e de equipamentos. É possível que desta vez o Grand Siena se torne um derivado do Punto como foi o Linea.

      Daí, não dá para dizer que o Linea é mais carro, pois parecem que agora o Grand Siena será tão ou melhor que o Linea.
      Por fim, o Linea usa uma plataforma antiga que foi melhorando ao longo do tempo. O avanço dela estaria presente nos novos Palio, Uno, X1H, Grand Siena, que deverá melhor mais para os novos projetos. Não seria uma B-Wide da via, mas quase isso, como a VW numa matéria que li estaria desenvolvendo uma versão simplificada da MQB, se já não a tiver criado, para por exemplo ser adotada no nosso futuro Fox, e poderia ser para a família Gol que não usaria mais a do UP!

      • dogmarley

        cara, não acho q a coisa seja muito pra esse lado, nao.
        mas de qualquer forma é uma linha de raciocínio…

    • DiMais

      É O MESMO CARRO! O Linea surgiu como substituto do Albea (Siena alongado) para o Leste Europeu, veio parar aqui no Brasil por engano. até porque Palio é a versão ‘para mercados emergentes’ do Punto.

      • dogmarley

        GS e Linea ? não mesmo

        • DiMais

          Albea (Siena alongado), substituído pelo Linea (versão sedã alongada do Punto) e agora substituído pelo Tipo, esse é o histórico da Tofas, a fábrica da Fiat na Turquia.
          o atual Grand Siena só é mais curto que o Linea por ele ter essa origem de versões alongadas, feitas ao gosto do consumidor do leste europeu, mas o porte de ambos é o mesmo.
          o Palio é o Punto para brasileiros (emergentes), assim como funciona a dupla Uno/Panda. Com o fim do Punto na Europa fez-se necessário criar um substituto para ele, sendo o 500 4 portas para o bloco europeu civilizado, família Tipo para o leste europeu e outros países onde o baixo custo faz sucesso e o projeto X6(S e H) para emergentes (desenvolvido no Brasil assim como já foi o Palio).

    • Rafael Trindade

      De acordo, é o segundo carro que mais gosto da Fiat.
      Já tivemos uma matéria aqui no NA sobre o uso diário dele não? Eu gosto muito.

  • Hernan Carlos Granda

    un carro derivado da plataforma B do palio onde vai competir ? mesmo error de colocarlo no segmento c como linea onde fracaso?

    • Rodrigo

      Precisamente

  • Rodrigo

    Projeto de baixo custo. Sempre ele. Depois a Fiat não sabe o porque não emplaca nenhum carro que não seja popular.
    Ah e não me venham com a desculpa que o Renegade vende bacarai pq é um Jeep. Mesmo sendo montado pela Fiat…

  • Thiago Maia

    A Fiat terá seu “cobalt” para esses.dois mercados emergentes

    Como o Tipo é um sedã médio barato, seria pouca coisa mais caro que o novo Grand Siena, o que explica a não convivência dos dois num mesmo mercado

  • Murilo Soares de O. Filho

    Na verdade, tudo ainda é especulação, não levo a sério este tipo de notícias, até porque a empresa mantém sigilo, justamente para a concorrência não saber. Quando surgem notícias concretas, é porque está próximo do lançamento.

    • Raimundo A.

      Pode ser especulação, mas tem algum fundamento. O Punto aqui era classificado como médio. Alguns compactos tem entre-eixo de veículos médios vide Logan e Sandero, fora a largura que permite acomodar bem três pessoas atrás. O comprimento não é plenamente de médio, mas o espaço é.
      Cada mercado tem o seu grau de exigência e parte disso envolve custos. O Tipo/Aegea (Compact hatch, sedan e sw) no planejamento está para o EMEA(Europa, Oriente médio e África). Os novos Grand Siena e Punto estarão para a América Latina (LATAM) e APAC (países na região da Asia Pacific onde é ofertado o Viaggio/Ottimo, que está acima do Tipo).
      O CEO relatou que o Tipo não viria para cá, pois nós teríamos um produto similar feito para a região. Por aí é cabível pensar que Punto e Grand Siena poderão ser médios de baixo ou médio custo atuando nos mercados onde o Tipo não será ofertado. Daí, quem irá substituir o Bravo e o Linea aqui serão o novo Punto maior bem como o Grand Siena. Se na Europa o Tipo não foi feito para concorrer com os médios mais caros, por aqui se fosse ofertado seria tendo alguns dos concorrentes europeus presentes?
      Teríamos novamente a situaçao do Linea que está acima dos compactos premium, mas não tem gás para brigar com os médios, ainda mais com as novas gerações e face-lifts que começam a aparecer. A estratégia ruim para o Linea aqui pode com o novo Grand Siena ser interessante, pois o veículo estando melhor preparado poderá não só enfrentar os compactos grandes, mas roubar vendas das versões de entrada e algumas intermediárias do médios. Não seria uma briga totalmente direta, pois com variação de mecânica, um Grand Siena 1.6 AT6 (conjunto ofertado no Tipo) concorreria com New Fiesta, Cobalt, Fit, Etios sedan, etc, enquanto com um 1.8 AT6 atualizado confrontaria com Jetta 1.4 TSI Flex, Cruze Ecotec Turbo ou 1.8 aspirado, 408 2.0 aspirado, etc.

      • Murilo Soares de O. Filho

        A Fiat nunca classificou o Punto como médio. O Linea sim ela classificou como médio.

  • Eduardo Jorge R. A. Silva

    Ou seja, o novo táxi da FIAT.

  • Kaian Reis

    ou seja, esse novo grand siena deve ficar no lugar do linea no Brasil também, e o novo tipo ser lançado aqui como sedã médio

  • Mario

    Resumo da ópera… sai punto, entra novo punto…sai linea, entra novo grand siena…o atual grand siena se transforma em novo siena e o novo palio???? baita salada…

    • DiMais

      Punto e Palio irão virar um só modelo: X6H.
      Na Europa Punto sai de cena para dar lugar ao 500 4 portas (ou 600) nos mercados mais exigentes e o Tipo Hatch em outros mercados onde marcas de baixo custo fazem sucesso (leste europeu).
      Aqui no Brasil será o X1H, Uno e X6H (a Fiat demorou pra entender, mas como esse ano a GM deu aula sobre como ter uma linha enxuta e vender bem, as outras vão seguir o ritmo)

  • Mr. On The Road 77

    “o X6S terá uma plataforma híbrida com elementos do Projeto 326 (Palio), mas com muitas modificações para poder enfrentar a concorrência.”

    #medo

    • Murilo Soares de O. Filho

      Essas modificações pode ser tanta coisa, será evolução, não vejo problema, a grande maioria das montadoras fazem isso, não acredite que a cada lançamento, se faz uma plataforma 100% nova, isso conversa…Mas enfim a Fiat poderia muito dizer, trata-se de uma nova Base denominada por ex: FE326. Isso de falar de plataforma virou modinha. O que define uma boa base, são os materiais empregado e sua flexibilidade. Aí eu afirmo, as plataformas, em sua grande maioria, são evoluções de outras. mas as mudança acabam por ser tão grandes que pode definir com uma nova base.

  • DiMais

    e teve gente batendo o pé comigo falando que não são o mesmo carro! um é para mercados emergentes, outro para exigentes.

  • Marcelo Tavares

    Vai fazer a mesma coisa que GM fez com o astra europeu ,colocado nome de Vectra em 2006

  • Pavomba

    O problema da Fiat é que depois do Marea nunca mais fez um médio em todos os sentidos pro mundo, o Viaggio é o Dart só pra China, o Linea embora tenha tamanho de médio da geração passada, tem um interior de carro menor (Punto), e ainda por cima tá fazendo hora extra, já era pra ter tido uma nova geração aqui.

    Agora, o Tipo vai ficar fora daqui? A Fiat vai matar o Linea aqui e botar o Grand Siena, jogando a toalha de vez no ramo de porte médio ou vai ficar dando hora extra sendo que o carro sequer tem o diferencial da Marea pra fazer hora extra, motores a mais, além do espaço interno.