Ecologia Europa Minivans Opel

Opel Zafira sofre nova acusação de emissão de NOx acima do limite

opel-zafira-tourer

Em outubro de 2015, o grupo ambientalista alemão Deutsche Umwelthilfe acusou que um dos motores diesel da Opel estava com emissão de óxido de nitrogênio acima do limite permitido. Na época, o modelo em questão seria a Zafira Tourer.

A montadora germânica da GM teria refutado a acusação e realizou testes na minivan, alegando que estes não revelaram alterações e que o modelo cumpria todos os limites de emissão. No entanto, agora eis que surge uma nova acusação pelo mesmo motivo e também relacionada com a Zafira Tourer.

O jornalista belga Luc Pauwels, que trabalha no jornal VRT News, possui na garagem um Opel Astra com cinco anos de uso. Ele decidiu colocar uma câmera escondida em seu carro para gravar o serviço que seria feito em uma concessionária. Durante a gravação, dois técnicos não identificados teriam conversado sobre uma atualização de software da Zafira Tourer 1.6 CDTI.

O diálogo revelou que a Opel autorizou uma atualização no modelo, pois havia a emissão excessiva de vapor de NOx. Diante do caso, Pauwels investigou duas unidades da Zafira Tourer 1.6 diesel e testes de especialistas belgas teriam apontado uma relação direta entre a atualização e a emissão de poluente além do limite.

A Opel novamente rejeitou as alegações do jornalista e disse que o modelo atende as normas de emissão, mas confirmou que houve uma chamada para 309 exemplares da Zafira Tourer na Bélgica que, no entanto, não teria relação com emissão de poluentes.

Após o escândalo envolvendo a Volkswagen, vários governos da Europa decidiram investigar seus fabricantes. Embora nenhum tenha fraudado as emissões através de software, a não conformidade com o limite de emissão de NOx já começou a ser revelado, indicando que os processos de homologação e testes não correspondem exatamente ao mundo real.

[Fonte: Financial Times]





  • O que eu gosto do sistema capitalista é isso. Basta uma grande empresa ser pega cometendo um crime (volkswagem e fornecedores da petrobras como exemplo ) que em seguida para várias outras empresas do mesmo ramo começa a cair a casa. Só digo uma coisa , quando a coisa chegar ao ramo bancário e grandes redes de varejo no que tende desrespeito ao consumidor a coisa vai ficar preta para todas as empresas do ramo.

    • Rodrigo A.

      Você está se referindo à Europa e aos Estados Unidos, né?

      • Na verdade a nível mundial. Pega o caso de pagamento de propina a obras do governo brasileiro. Tem empresa francesa que pagou suborno caso do metro Paulista. Pego o caso da fifa , agora já envolveram o tênis a nível mundial , a Rússia estava envolvida em casos de doping nas olimpíadas. A suspeitas de cidades .terem pago para ganharem votos para sediarem a copa do mundo. Note que começou com um escândalo no esporte , depois foi de esporte em esporte.

    • Minerius Valioso

      Enquanto isso, a Petrobras, continua cagando e aí vivendo às nossas custas.

  • Rodrigo A.

    Olha que sorte a nossa, temos a Spin.

    • Ronaldo Prado

      nossa capivara do tietê

    • Guily

      Eita motor que rende!

  • leitor

    Existe uma guerra por trás disso tudo. Não adianta falar só em ganância das empresas. As estruturas requerem muito custo e bem maiores por serem montadas em últimas tecnologias. Depois de pronto surgem novas reivindicações e exigências para serem atendidas com dados alarmantes, sem provas suficientes e há também quem conteste, mas não se ouve. Sem as devidas considerações de fatos reais, depois a bomba estoura. Não é pra dar razão a ninguém, mas quanto mais se exige menos se atinge, e se o trem estiver andando fica pior. Pra mim, a depender de como são essas exigências existe algo por trás também. Quando a gente entende isso consegue decifrar outras coisas bem mais facilmente.

  • Whering Alberto

    Mais uma. ;)

  • DiMais

    essa novela colocou em cheque não só a confiança das pessoas nas fabricantes, mas também o modelo de certificação europeu que é mais baseado na confiança governos/empresas do que em testes acompanhados de inspetores (o tal software foi encontrado – principalmente – em carros vendidos nos EUA, mais rigoroso para certificação), pois as empresas testam, dizem que atendem às normas e torcem pra nunca serem pegas.

    • Gustavo73

      Só descobriram o problema quando passaram a testar nas ruas e não em laboratórios, o mesmo nos EUA.

      • DiMais

        por isso me refiro aos procedimentos de certificação adotados para cada região.
        Na Europa a própria empresa pode certificar o motor, desde que habilitada para isso, mantendo os registros dos testes feitos para tal certificação. Assim a Renault não precisou do software ‘mágico’, pois suas vendas são direcionadas para o velho continente, mas bastou uma investigação do governo para descobrir o caso.
        Ao passo que nos EUA os carros passam por testes em laboratório independente, assim, a VW teve a ‘necessidade’ de utilizar tal software para identificar quando estaria sendo testado e modificar seus parâmetros para receber a certificação.

        • Gustavo73

          Nos EUA o testes também é feito em laboratório, por isso o software que também está presente no modelo europeu enganou o teste. Só quando um grupo separado testou o carro com equipamentos mas fora do laboratório é que se descobriu o problema.

  • Vinicius Lima Santos

    Parei pra dar uma pesquisada na Zafira la de fora e custa em torno de 20~29 mil Libras.
    Não imaginava que custava tanto.

    • th!nk.t4nk

      Aqui na Alemanha é meio raro ver Zafira. Aliás, os Opel em geral deram uma boa sumida das ruas na última década. Motores beberrões e falta de atualização dos modelos jogaram a imagem da marca pro buraco.

  • Airplane

    Basta procurar que irão encontrar mais fraudes nas emissões diesel em outras montadoras pois a origem do SW de gerenciamento do sistema de injeção diesel é a mesma para a maioria dos motores europeus



Send this to friend