Governamental/Legal Segurança Trânsito

Posicionamento de placas gera 800 multas por dia na região de Indaiatuba/SP

radar-pedagio-indaiatuba

Um trecho da rodovia Santos Dumont no sentido Indaiatuba, região metropolitana de Campinas/SP, está gerando em torno de 800 multas por dia, todas referentes a excesso de velocidade.

O problema estaria sendo atribuído ao posicionamento das placas de sinalização, que confundiria os motoristas na área, onde a polícia rodoviária monta um radar móvel para aplicação das autuações.

O trecho fica próxima da Helvétia, onde há uma praça de pedágio. Ao sair do local, no afunilamento das faixas da praça para as faixas comuns de rolamento, existe uma placa de 60 km/h. As pistas seguem por um plano levemente em aclive, onde há uma base maior da PMR.

No entanto, logo em seguida, inicia-se a descida da colina e o condutor já avista uma placa de 110 km/h, mas nessa parte fica posicionada uma viatura da polícia rodoviária com radar de pistola. O trecho da praça de pedágio até o KM 89+800 é de 60 km/h.

A polícia rodoviária e a concessionária Colinas dizem que não há irregularidades no local, embora haja reclamação de muitos motoristas, que entendem que a velocidade já seria de 110 km/h.

A acusação de muitos é que há uma “pegadinha” no local, a fim de gerar multas. Alguns motoristas sugerem que se o trecho longo é perigoso, que a concessionária instale um radar fixo no local, devidamente sinalizado.

A Colinas diz que a aplicação das multas e a fiscalização são de responsabilidade da PMR, que alega abuso por parte dos motoristas no trecho e que alguns policiais já quase foram atropelados durante a fiscalização. Assim, quem percorre ou vai percorrer o trecho após o pedágio, a recomendação é de rodar a 60 km/h até a placa de 110 km/h.

[Fonte: Correio Popular]

Agradecimentos ao Lucas Fernando.





  • mariostefa

    Este é o país das safadezas. E daqui a pouco, vem aqui, aqueles que dizem que nunca levam multas.
    Enfim, mais uma vez, industria das multas, funcionando a todo vapor. Já que a arrecadação, atraves de impostos caiu,vamos arrecadar com as multas.

    • leandro

      Agora com essa dos faróis vão montar barraca no anel rodoviário pra pegar os distraídos que estão mudando de bairro

    • Luiz

      Se eu entendi tem placa de 110, mas o policia fica antes dela para multar! que absurdo!

      • invalid_pilot

        Em teoria a velocidade da placa vale dela pra frente, teoricamente nao esta errada a sinalização.
        Mas o bom senso da autoridade policial nao existe e sim, é um baita caça níquel.

        Antes fosse só esse trecho o mal sinalizado

        • Luiz

          Na verdade acho que os policiais tem cotas de multas, por isso usam essa estrategia!

        • CharlesAle

          Para mim, a grande sacanagem é um limite tão baixo assim, mesmo que seja saída de pedágio..Se fosse pista simples, podia até ser, mas não é o caso. Ou seja, mais um caso, dos muitos, que prova que há uma certa má fé das autoridades. E vamos lucrar com multas que é grana fácil na mão dos governantes..

      • Luis_Zo

        Acho absurdo essa demagogia reinante que são sempre “eles” contra “mim”.

        Nessa caso a PMR. Mas a lei até que eu sei é clara, a velocidade vale só após a placa.

        Logo, nada de errado mesmo nas multas, nem pegadinha nem nada, só ansiedade dos motoristas em sair acelerando antes da placa.

        Existe possibilidade me melhoria? Claro que sim, uma reorganização nas placas (responsa do estado/concessionaria até que sei). E ai os PMR podem se postar logo antes da reorganização da “nova” placa de 110km/h e deixar que os motoristas continuem se multando (afinal de contas quem “registra” a multa é o motorista, não a PMR).

        • Luiz, mas a velocidade tem que ser seguida porque é a velocidade mais alta dentro do limite de segurança ou porque a placa indica que é?

          • Luis_Zo

            Não entendi tua pergunta Alessandro.

            • Luis, a velocidade em um determinado trecho foi determinada visando a segurança ou para forçar os motoristas a andarem em um ritmo fora da velocidade natural da via (Que no final é uma questão de segurança) para aumentar a arrecadação? Falar que “não importa, tem a placa tem que respeitar” é falar que a lei tem que ser cumprida pela lei, ou seja, o intuito de uma lei deixa ser proteger o cidadão e promover o bem e a justiça e passa a ser promover a obediência, ferindo o sentido de existência de uma lei (Um exemplo meio extremo para entender: Soldados nazistas que se recusassem a matar crianças judias estavam contrariando a lei). O que estou falando também não é desobediência civil (ainda), mas um passo anterior: Questionar as leis (Que é extremamente válido em regimes que não são totalitários). Vou te dar um exemplo real, que os campinenses talvez conheçam: Descida da Rodovia Dom Pedro em frente ao Galleria. É extremamente comum acidentes um km atrás, em frente a Leroy, mas certa vez colocaram um radar mais a frente, perto do Shopping Galleria, com velocidade de 80 km/h. Um caminhão viu o novo radar e freou com tudo, não lembro agora se alguém entrou na traseira dele, ou alguma coisa se desprendeu da carreta e acertou outro motorista ou se simplesmente ele perdeu o controle. Uma vida se foi. O agente de trânsito veio na TV dizer que sempre teve um radar ali, uma mentira que qualquer um que circule naquele itinerário sabia. Porque ele mentiu? Hoje a velocidade de lá é 110, a mesma do trecho anterior e não me consta que houve outros acidentes nesse trecho específico (Sentido interior). Porque a velocidade foi a 80 km/h quando colocaram o radar? Porque está em 110, sendo que durante muito tempo nenhuma obra significativa foi feito no trecho? Eu e você sabemos as respostas, mas podemos agir como soldados nazistas ou como Schindler.

              • Luis_Zo

                Alessandro, vamos lá:

                Falar que “não importa, tem a placa tem que respeitar” -> acredito que não se pode ser assim. Já li bastante falando sobre a velocidade natural. Sim, eu acredito que devemos sim questionar as leis (isso é politica “de verdade” afinal de contas). Sim, parece no trecho citado a placa esta em uma velocidade abaixo da natural, o que também seria perigoso.
                Não, não podemos ser “pré-conceituosos” e já concluir que foi “de proposito” pra multar. Esse é meu ponto. Sou contra esse ponto de partida do pensamento, pois é cerceador de liberdades.

                Sobre o radar dos campinenses e o agente, eu sou kantiano no ponto de dizer que mentira é algo errado em si mesmo, logo minha meta (olha ela ai hahaha) é não mentir nunca (difícil -:) ). Não posso julgar porque diminuiram pra 80km/h. Podemos SUPOR que foi pra multar, podemos supor que no entendimento de quem mudou teve a melhor das intenções, pois acreditava que a velocidade menor ali ia ser mais segura. Pra quem não conhece o conceito de velocidade natural, existe uma logica (bem linear) nisso.

                Me atrevo a julgar que quem mudou a velocidade cometeu um erro, que infelizmente só foi visto com a morte de uma pessoa.

                • Na verdade Luis, eu tenho o mesmo pensamento que você em relação a isso. Sim, a culpa sempre é do outro aqui (Quantas vezes estamos em um carro com alguém que comete um erro no trânsito e culpa o outro? Eu mesmo esses dias fui vítima disso. Um cara ignorou uma placa “Pare” e quis jogar o carro em cima de mim como se eu fosse culpado dele ter cometido a infração e quase batendo em mim) e isso é uma praga no país. Mas mesmo assim temos que resolver essa situação dentro de um sistema justo, o que não será o caso com agentes de trânsito com metas para cumprir.

    • Louis

      Que existe indústria de multas, isso é certeza! E já vi reportagens com denúncias de que “marronzinhos” têm metas de multas a aplicar, para ganhar bônus no fim do mês.

      • É a meta que desvirtua tudo, e alguns dizem que é irresponsabilidade dos motoristas: Quando se fala em obrigar o profissional a cumprir um objetivo que depende dos deslizes dos outros com possíveis punições ao profissional, o que eles farão caso ninguém desobedeça a lei? Vão inventar problemas, punindo inocentes. “Mas sempre vão descumprir a lei”. Sim, mas não pode ser a prerrogativa de um profissional que vai as ruas. Ele tem que estar lá para anotar todas as infrações que fizerem, estando dentro da meta ou não. Se ele estourar a meta mensal em 15 minutos, ótimo, mas sempre se atentando para a ética. Já imaginou se policial tivesse meta de prisões em determinada região?

        • Luis_Zo

          Mas o cara só atinge a meta se o motorista for irresponsável… ou ele sendo anti-ético. Ai vira um problema de cunho pessoal e não institucional (meta).

          • “..Mas o cara só atinge a meta se o motorista for irresponsável…”
            Sério que você nunca viu ninguém receber uma multa injusta, em uma situação improvável ou impossível.
            Luis, se você tem uma norma que obriga um funcionário a ser anti-ético para continuar trabalhando ou para ter uma boa bonificação é um problema institucional sim. O que acontece quando um determinado funcionário não cumpre as metas? Você pode garantir que ele não cumpriu as metas por dormir no serviço ou se no trecho analisado não cometeram o tanto de infrações previstas?

            • Luis_Zo

              Alessandro, sim tu tem razão, não existe sistema perfeito e podem acontecer casos de motoristas levando multas “injustas”. Mas o que critico é exatamente isso, partimos dos supostos pontos fora da curva pra fazermos nossas leis ou ética. Partir do pressuposto que todo brasileiro vai fazer errado e tentar fazer uma lei que cubra o máximo possivel dos deslizes de todo mundo. Isso é cerceamento de liberdades, é paternalismo vigente, é trancar a filha em casa pra evitar que ela tenha “namorados” ao invés de dar a liberdade e a explicação adequada do uso ou não de um preservativo e principalmente das CONSEQUÊNCIAS do não uso…

              Sobre as metas, não acho que elas em si sejam anti-éticas no teu exemplo, pois o funcionário genérico pode estar sim sujeito a metas (eu estou todo ano :) )

              No caso do agente de transito, poderíamos sim aprofundar o caso pra ter esse entendimento seria ético ou não.

              Mas vamos imaginar que amanhã acabem as metas deles. Resolveria o problema das multas ou da “industria” das multas? Aposto que não. O motorista brasileiro é o principal culpado das multas, não as “metas dos marrozinhos.”

              O brasileiro em geral é criança demais pra enfrentar o problema de frente. O brasileiro é taxista que acha que o inimigo é o uber e não o ELE MESMO que presta um mal serviço. É sempre culpa dos outros.

              Multa é sempre culpa dos outros. ISSO que eu critico e não aguento mais ouvir. Ta na hora de ser adulto e assumir os erros.

              • “… Partir do pressuposto que todo brasileiro vai fazer errado e tentar fazer uma lei que cubra o máximo possivel dos deslizes de todo mundo…”

                Isso é o principal problema das metas. Ela usa esse pressuposto!
                E sim, claro que me refiro a metas de agentes de trânsito, pois em outros ramos elas são completamente compreensíveis (Vendedores por exemplo). Já pensou se um policial tivesse meta de prisões, e disso dependesse a continuidade do seu contrato? Como faria caso ninguém cometesse um crime passível de prisão? Ele teria que inventar crimes ou ser mandado embora? Acho razoável que um juiz ter meta de casos resolvidos por mês por exemplo, mas seria razoável ter metas de condenações? Tipo, “dos processos que chegam para você, você tem que condenar 40% dos acusados”. Não me parece algo justo.

                “..Mas vamos imaginar que amanhã acabem as metas deles. Resolveria o problema das multas ou da “industria” das multas? Aposto que não. O motorista brasileiro é o principal culpado das multas, não as “metas dos marrozinhos.”

                Não acabaria as infrações, mas estaríamos cientes de que estaríamos em um sistema mais justo, onde um agente da lei nos autuou não para cumprir uma cota que lhe garanta o emprego. Estamos em um sistema injusto e não podemos questionar? Até porque é tão difícil acabar com metas? Isso depende de canetada.
                Entenda, não estou questionando a irresponsabilidade do brasileiro, a questão da necessidade de radares nem nada disso. Meus questionamentos são em dois pontos: O que os policiais estão fazendo é legal. É justo? Eu prefiro a justiça que a lei, e você? “Ah, mas se for depender do senso de justiça de cada um estamos ferrados”. Sim, as pessoas tem pontos de vista distintos no que tange à justiça, mas isso não significa que a lei seja melhor que eles (Até 2002 se não me engano ainda constava no código que o homem poderia matar a mulher “em nome da honra”, embora não tivesse sido registrado casos desses nos últimos 20 anos. E acho que poucas pessoas acharão essa lei “justa”). E outro ponto é a questão das metas. Se um agente da lei me autuou tendo metas a cumprir, como saber que isso é justo ou ele estava apenas cumprindo cotas? Um sistema para ser válido tem que ter uma natureza justa. Se dentro de um sistema justo ocorrerem injustiças, aí você corre atrás das correções, dos erros humanos. Mas se a própria natureza do sistema permitir isso, que se questione e mude o sistema. Aqui no NA teve uma matéria de um motorista multado a 4.800 km/h. Como confiar que esse radar de 40 km/h não anotou muita gente com 50 km/h quando elas estavam a 30 km/h? Ah, e a multa foi mantida.

                • Luis_Zo

                  Cara, eu realmente não tenho conhecimento profundo a respeito desse sistema de metas das multas. Eu te digo que pelo o que tu vem me explicando, ele realmente me parece “injusto”. Eu vou procurar me informar mais a respeito, vendo inclusive a opinião de quem o defende, pra ver se eu chego numa conclusão. Por enquanto aceito o que tu me falou e me fez bastante sentido :)

  • moncorongo

    Brasil, país de FDP.

  • Isso acontece muito com placa de proibição para estacionar. O motorista vê a placa e acha que é proibido estacionar , todavia a proibição é da placa para frente , nunca antes da placa. Naturalmente respeitando a pintura do meio fio e se não houver placa antes.

  • Mumm Rá

    Não demora muito vão instalar um Multaddadnomêtro ( medidor de radares/multas by Haddad ) tamanha quantidade de radares e multas em São Paulo ( independente de ser cidade ou estado )

    • DougSampaNA

      50…lembre-se.. 50…50 motivos pra extirpar este cancer que 10% de eleitores ignorantes puseram na prefeitura de SP…qual é o numero do ódio? 50!
      50 = Radhard

  • João Carlos

    Virou um inferno guiar no Brasil. Nenhum país do mundo há estes limites artificialmente baixos, muito menos câmeras em locais sem comprovação de que a velocidade excessiva vinha causando acidentes, coisa que a Resolução do Contran exige, mas ninguém cumpri.

  • Mr. Car

    O nome disto é “indústria das multas”. Simples, verdadeiro, e vergonhoso assim.

  • Rafael Henrique Arruda

    As pessoas que se sentiram lesadas tem que se unirem e cobrar explicações. Uma delas é pedir o estudo de tráfego que justifique a necessidade de tal velocidade nesse local, ainda mais por se tratar de uma via de trânsito rápido. Ou ainda questionar a mudança abrupta do limite de velocidade. O motorista está a 60 km/h, do nada pode ir para 110 km/h, o bom senso diz que a velocidade deve ser elevada gradativamente, apesar da legislação não especificar, uma vez que o possível fato gerador do limite de 60 km/h, não acaba abruptamente. Ou seja, uma falha na sinalização, que apesar de dentro da legislação, induz o motorista ao erro e que é utilizada para arrecadar.

    • Daniel

      Na verdade, vc sai do pedagio e tem que acelerar até a velocidade da pista (que é 110km/h), o radar em questão está DEPOIS do pedagio, e não antes, o que não faz sentido. Você acabou de parar o carro (ou reduzir para 40 km/h na faixa de cobrança automatica) e tem que voltar para 110km/h, dai, ali, na malandragem e sacan agem, colocam uma plaquinha simples, (meio fora do campo de visão), com um limite ridiculo e um radar mais ridiculo ainda!

      Industria da multa simples e pura… mas tem quem jure que ela não existe…

      • CharlesAle

        Exato.É também meu ponto de vista..

  • DougSampaNA

    só uma palavra pra isso…CANALHICE!!!

  • Matheus_P

    Nascemos aprendendo que a maior parte das multas eh arrecadatoria, ou seja, de origem CORRUPTA. Como ensinar nossos filhos a nao fazerem m*rda por aih?

  • Mario

    Realmente este trecho é ridículo! E a saída do pedágio, para quem tem o sem parar, é simplesmente lamentável.

  • Sergio

    Qdo algum caga-regra dizer que é só cumprir as regras, vou colar o link desta notícia.

  • Sandro

    Motorista jumento é isso aí, não sabe nem ler placa, Se você avista uma placa ao longe não quer dizer que o pedaço onde você está já é 110, somente é depois que você passar pela placa. Acho incrível como as pessoas estão perdendo a inteligência com o passar do tempo, parecem que ficam dormindo nas aulas de legislação de trânsito ou então compram suas carteiras.