Crossovers India Mercado Renault

Renault: Indianos falam de Captur de sete lugares para o mercado local

renault-grand-captur-1

O projeto HHA da Renault, que deve dar origem ao Grand Captur, será uma variante maior e de baixo custo do crossover francês. O modelo já foi visto em testes e pode oferecer uma versão de sete lugares, de acordo com o site indiano Cartoq. O SUV deve ficar acima do Duster, acirrando ainda mais a disputa da marca francesa pelo mercado local, ainda mais depois da chegada do Hyundai Creta.

Feito sobre a plataforma M0, a mesma dos Dacia Logan e Sandero, o HHA ou Grand Captur seria focado em mercados emergentes, tendo uma base de baixo custo, mas com um visual mais sofisticado. Na Índia, o objetivo seria bater de frente com o Mahindra XUV500.

renault-grand-captur-2

Por lá, comenta-se que o Grand Captur chegará ao mercado em outubro de 2017, sendo feito na fábrica da Renault em Oragadan. Aqui, o modelo poderia chegar na mesma época se fosse vendido apenas com cinco lugares, a fim de não impactar negativamente nas vendas do Duster, que foi recentemente atualizado.

A presença no Duster Oroch não deve influenciar na chegada do crossover, que pode também chegar acima do Duster, mas com um importante diferencial, os sete lugares. Com dois lugares a mais e preço na mesma faixa dos tops de linha de HR-V e Renegade, o Grand Captur poderia chegar na faixa entre R$ 80.000 e R$ 100.000.

[Fonte: Cartoq/Projeção: Auto-Moto]





  • Franco da Silva

    Segunda opção, com certeza.
    100 mangos por um dusterzão maquiado.
    Bom, pagam 120 por uns Honda pequenos…

  • Airplane

    Tomara que venha logo para o Brasil.
    Quanto mais modelos e concorrência melhor.

  • edgar__rj

    “Feito sobre a plataforma M0, a mesma dos Dacia Logan e Sandero”.

    “o Grand Captur poderia chegar na faixa entre R$ 80.000 e R$ 100.000”.

    Triste realidade dos sonhos de um brasileiro.

  • Rodrigo Queiroz.

    Este projeto HHA, chamado Grand Captur, poderia aproveitar para
    reestilizar a traseira do Captur à semelhança do Renault Kadjar, já que a
    traseira atual é muito feia.
    E espero que a plataforma B0, do Logan,
    não venha a comprometer a segurança do monobloco em colisão. Já a
    tração nas 4 rodas é bem vinda, assim como freios à discos traseiros,
    ESP, direção elétrica, motor com comando variável e injeção direta,
    câmbio EDC, etc…

  • Popdogue

    O Duster Oroch já vem esticado, talvez usem a mesma plataforma, substituindo apenas a carcaça.

  • Sam86

    A gente pode escolher?

    Prefiro que aposente a joça do Duster e traga o Captur original vendido na Europa.

    Pelos preços que estão cobrando pelos carros no Brasil (todas as montadoras), deveríamos ter os mesmos carros que são vendidos na Europa, nada menos que isso.

  • Nerino Mariano De Brito Filho

    Isso só reforça minha opinião de que a Fiat deveria lançar uma SUV da Toro com sete lugares. Se para Renault não há problema em ter dois suvs dividindo o showroom, menos ainda para a FCA. A francesa viu que o diferencial dos dois bancos adicionais são um atrativo e tanto. Nem lançaram Lodgy e Dokker. O povo quer jipinho.

    • Raimundo M.

      A FCA alega que o 500X afetaria o investimento do Renegade, pois estão no mesmo patamar. Um suv maior apto a levar sete ocupantes dependeria do posicionamento e do que o fabricante prioriza como interferir em outro produto. É bom lembrar que teremos o sucessor do Compass cujo preço atual parte de R$ 110mil com motor 2.0, câmbio CVT, e bem equipado. O novo Compass feito aqui poderá ter um preço inferior visto que é possível não ser tão equipado por permitir ter mais versões sendo algumas mais acessíveis, mas deverá ter outras bem mais caras que seriam equipadas com o motor a diesel. O novo Compass ao que parece não terá capacidade para levar sete ocupantes.
      Se haveria espaço para um produto que leva sete ocupantes, depende e pode não ser um derivado do Toro. O planejamento prever um C_CUV que seria o sucessor do Freemont, que pode levar sete ocupantes e hoje tem preço pouco abaixo aqui do Compass. Especulam que ele seria derivado do Toro, mas esse derivado pode não ser o design da picape, mas a estrutura criada para ela.
      Todavia, se o Toro tiver preços iguais ou pouco maiores que o Renegade, afinal é um veículo maior, um produto tipo suv com base na Toro seria mais caro com certeza e de alguma forma afetaria o Renegade nas versões mais caras, o que é comum.
      Aí entra o ponto de discordia que é ter ou não ter um produto da mesma categoria embora venha a ser mais simples, de alguma forma interfira no desempenho do Renegade. Uma coisa é o novo Compass poder ter preços iniciais a partir de R$ 100 mil ou um pouco menos, preço cobrado para o Renegade diesel que explora nicho, enquanto o Compass diesel partiria de uns R$ 140mil, que seria o preço do Renegade top com alguns equipamentos. Diferentemente, é um suv maior que Renegade e Compass, com nível de construção e design similar, embora com elementos estruturais mais simples e parte disso envolveria a mecânica, com maior capacidade de usuários, ter preços entre os Renegades mais caros e Compass mais em conta.
      500X e Renegade convivem em outros mercados, mas os preços deles são diferentes. Assim são Captur e Duster, onde o primeiro é mais caro sendo menor. Um Grand Captur seria mais caro que o Duster e não muito mais caro que o Captur. A FCA, em suma, permitiria um produto Fiat influenciando aqui o desempenho de dois da Jeep? O Toro mesmo sendo uma picape poderá conquistar consumidores que antes estariam pensando num suv.