História Montadoras/Fábricas Oriente Médio

Saipa, a outra iraniana

saipa-jyane

Saipa Jyane

A Iran-Khodro é mais conhecida fora do Oriente Médio, mas em 1966, o Irã viu nascer uma outra joint-venture, a SAIPA, que é o acrônimo de French Societé Anonyme Iranienne de Production Automobile. Essa empresa mista tinha 75% de capital local e 25% pertencentes à francesa Citroën, que licenciava a fabricação de seus carros no país.

saipa-jyane-pickup

Saipa Jyane Pickup

O primeiro modelo a ser feito foi o Dyane, chamado localmente de Jyane. Rústico, porém, robusto, o modelo se mostrou adaptado ao ambiente iraniano. O hatch gerou também uma picape e logo depois surgiu o Baby-Brosse, um buggy baseado no 2CV a partir de 1970.

saipa-r5

Saipa R5

Em 1975, a Saipa começou a fabricar o Renault 5 sob licença, tendo mais tarde aparecido o Renault 21. Tanto o Baby-Brosse quanto o Jyane foram feitos até 1979, quando houve a revolução islâmica no país. Em 1980 acabava o acordo com a Citroën.

Nos anos 80, a única mudança significativa foi a inclusão do modelo Z24, que era uma versão licenciada da antiga picape japonesa Nissan Júnior, feita na década de 70. Esta tinha motor 2.4 e foi fabricada até 1998. Nesse mesmo ano, a Saipa compra a marca Zamyad e transfere a fabricação deste utilitário.

saipa-z24

Saipa Zamyad Z24

A partir de 1993, a empresa passou a fabricação o Kia Pride com os nomes Saba (sedã) e Nasim (hatch). Os Renault 5 e 21 foram fabricados pela Saipa até 1994 e 1997, respectivamente. Em 2001, a montadora do Irã lança o modelo 141, uma versão sedã do Pride. O conteúdo local na fabricação desses modelos alcançava 97%.

saipa-111

Saipa 111

No ano 2000, a Saipa adquiriu 51% da Pars Khodro, que fabricava os Citroën C5 de duas gerações. No ano seguinte, um novo acordo com a Citroën permitiu a produção do Xantia até 2010, enquanto outro feito com a Kia, fez o Rio ser montado com peças importadas entre 2005 e 2012.

saipa-assembly

Saipa – Linha de produção do 141

Em 200, os governos de Irã e Venezuela criaram a Venirauto com o objretivo de vender o Turpial (Pride) no mercado local. O projeto também contemplava alcançar a Argentina, mas fracassou. A partir de 2007, a Pars fecha parceria com a Renault para fazer o Logan, chamado Tondar 90.

saipa-151

Saipa 151

No ano de 2009, a Saipa dá um passo importante no desenvolvimento de veículo com o Tiba (sedã e hatch), cuja missão era encerrar a carreira dos Saba/Nasim/141. Os modelos 132 e 11 apareceram ao longo da década, assim como os Renault Megane, Sandero e Nissan Murano.

saipa-232

Saipa 232

A partir de 2012, uma picape Pride foi apresentada. Em 2015, a Saipa fechou parcerias com as chinesas Zotye e Brilliance, além de oferecer também carros da Kia Motors mais atualizados, tais como o Cerato. A gama de picapes é boa, assim como a de caminhões, de origem chinesa e sueca (Volvo).





  • Diego Lip

    Até o Irã tem marca própria de carros e o Brasil não. Chateado.

    • Minha Opinião

      Se o Brasil tiver uma montadora, outros países vão falar, “até o Brasil tem marca própria de carros”.

    • Pedro Rocha

      Agrale mandou lembrança.

      • Diego Lip

        Agrale não produz carros, apenas picapes, vans, tratores, caminhões e chassis para ônibus.

    • Minerius Valioso

      O que é cômico, se tratando de um país que vive sob uma teocracia.

    • Tosoobservando

      Brasil escolheu acolher e financiar multinacionais, por alguma razão que ninguem sabe ate hoje.

      • Diego Lip

        Acho que é por causa da $$$ mais farta.

        • Tosoobservando

          Se fosse mais farta os países mais ricos do mundo nao teriam todos fabricas proprias, Eua, Japao, Alemanha, França etc..

          • Diego Lip

            As marcas brasileiras foram todas desativadas uma a uma e nunca houve qualquer tipo de ajuda por pare do governo, ao contrário, o governo junto com as marcas estrangeiras colocaram uma pá em cima da última, a Gurgel.

            • Tosoobservando

              País que nao se valoriza se ferra.

    • Felipe Santos

      tac e agrale são o que?

      • Diego Lip

        Marca de CARROS…

  • Auto Verdade

    Saipa, parece uma “Sapa” mesmo. (o da primeira foto).

    kkkkkkkkkkkkkkk

  • CignusRJ

    A primeira foto é o Citröen 2CV, nem disfarçaram muito.
    Já o Saipa Zamyad Z24 tirando a dianteira para mim seria o Renault 504 pickup mas procurando na net achei a informação que seria o Nissan Júnior.

    Entrei no site deles saipamerica e eles tem um bom portfólio.

    • Fernando Bento Chaves Santana

      É um Citroën Diane. Foi desenhado originalmente pela Citroën e fabricado na França. O Diane está para o 2cv da mesma maneira que o Brasilia está para o Fusca.

  • Senhora Liberdade

    so de ver esses carros, da pra ter uma noçao de quão fechado é o mercado em si iraniano.

  • sushi man

    Teve Nissan Murano no BR?

    • Mazembe 2X0

      Sim,nas duas gerações.

  • Tosca16

    Acho engraçado dizerem que “até o Irã tem “; sério, qualquer país pode ter indústria automotiva nacional, se a Coreia do Norte quiser hoje mesmo teria sua montadora nacional, quem tem o rabo preso é o Brasil que se sujeita sempre as multinacionais .

    • Alligator

      Depois que acabaram com a FNM, o Brasil acabou com qualquer possibilidade de ter uma industria automotiva nacional!!!

      • Tosca16

        E a Gurgel também, mesmo que para alguns seja insignificante e patética como dizem (discordo completamente, mas vai vir um dizer que o Gurgel era um louco, vendedor de lixo, que mereceu sim falir e bem empregado, lixo de carros, porcarias que davam nojo e etc …).

        • Pedro Rocha

          Resumidamente, a Gurgel morreu de causas naturais, pois se baseava em tecnologias obsoletas até para os padrões da época, tanto que o Fusca desapareceu em 1986 e as picapes Kombi foram fracassos comerciais.
          Se a VW abandonou seus modelos “padrão Wehrmacht”, não seria a Gurgel que sobreviveria com eles.

          • Tosca16

            Entendo, as vezes concordo em partes mas nem sempre, acho o Gurgel muito a frente do seu tempo; e isso vem desde o projeto de carro elétrico nos anos 70. Eu tiro a brincadeira com este aqui, nosso “Cross Up” dos anos 90.

            • Fernando Bento Chaves Santana

              Essas rodas Mangels são lindas? Alguém sabe o nome do modelo?

              • Tosca16

                Sei não …

          • Tosoobservando

            Gurgel poderia ter recebido um aporte do governo pra se modernizar, o line-up era bom, tinha equivocos sim, mas qual marca nao tem? Se o governo ou algum empresario capitaneasse a marca, estava ae ate hoje e seria orgulho nacional.

            • Tosca16

              Num país que preferiu investir para voltarem a fabricar o Fusca ao invés de financiar o BR800 só poderia ter dado nisso mesmo, falência da indústria nacional .

            • Pedro Rocha

              O governo brasileiro só viu dinheiro no ciclo de alta das commodities no final da década passada, por isso não creio que haveria como ajudar alguma indústria nacional no final dos anos 1980, época na qual a própria Petrobras dava justa causa em empregados de forma nebulosa para baixar a folha de pagamento.
              Mas se fosse para fazer um investimento grande de longo prazo, como o projeto Carajás no Pará, o melhor seria criar uma “Auto Union” brasileira unificando todas as empresas automotivas em dificuldades ou não da época: Agrale, Gurgel, ENGESA, CBT, SM e ENVEMO. Como cada uma dessas tinha foco diferente, creio que assim teríamos um grande player hoje gerando divisas para o país.

              • Tosoobservando

                Dinheiro tinha e sempre teve, o que falta é foco e a intenção de se ter uma marca propria, de atuar em todas as areas de tecnologia, afinal quem produz um motor pode colocar ele onde quiser, desde carros ate aviões, barcos, navios, trens etc..

      • Pedro Rocha

        A FNM era estatal, ou seja, não tinha futuro.

        • Tosca16

          Não é bem assim …

          • Pedro Rocha

            Tem alguma estatal que é exemplo de modernidade no Brasil concorrendo abertamente no mercado?

            P.S. -> antes de alguém lembrar da EMBRAPA, ela na prática não tem concorrência no Brasil.

            • Tosca16

              O Brasil não é bom exemplo para nada praticamente, peguemos exemplos no exterior de estatais que deram certo, mesmo abrindo o capital a investidores .

        • Diego Lip

          Equívoco seu.

          • Pedro Rocha

            Mesmo quando FIAT assumiu a FNM ela não teve futuro.

            • Tosoobservando

              Não foi a Fiat que assumiu, e sim a Alfa Romeo, que tambem era estatal na Italia. Ae quando o governo de la resolveu vender a Alfa pra Fiat, fecharm a FNM que dava prejuizos.

        • Alligator

          Essas fabricas Iranianas são estatais que produzem sobre licença veículos de diversas marcas. Assim como a Rússia também possui uma fabrica de joint-venture que produzem desde de veículos da GM até BMW X6

        • Tosoobservando

          Renault ja foi estatal, Alfa Romeo, VW nasceu estatal e 20% ainda pertence a um estado alemão. GM foi feita estatal em 2010 para ser salva, China tem varias estatais (FAW existe desde 1948 e hoje é um conglomerado de varias marcas), e os outros países sempre o governo foi “parceiro” das montadoras nacionais. So aqui que o governo resolveu abençoar as multinacionais em vez de investir em tecnologia propria.

          • Mumm Rá

            Parece que empresa estatal sofre um processo de ” demonização ”

            O problema não é ela ser estatal e sim ela ser usada como cabide de emprego, ser um poço de corrupção ou atrapalhar financeira a população do país do qual ela pertence

            A mesma corrupção que ocorre numa empresa estatal pode ocorrer numa empresa privada pois o problema é a indole daqueles que gerenciam ou dos que governam

            Ainda tem gente que não sacou que em vários países mesmo que haja empresa privada elas são ” monitoradas ” ou sofrem intervenção ( direta ou indireta ) quando necessário

            Além disso existe também muito governo e empresas privadas de ” mãos dadas ” ( que no fim das contas é o sonho de todo capitalista ) pois assim asseguram mercado somente para seus produtos

            • Tosoobservando

              Isso é trauma pq nosso estado é pessimo administrador e acham que em todo lugar é assim. Mas mesmo administrando mal, eu preferiria ter marcas nacionais disputando com as estrangeiras do que nao ter nenhuma.

  • Pedro Cunha

    E eu aqui, inocente, achando que os russos capitaneavam o departamento de bizarrice automotiva mundial. Além das armas nucleares o irã tem essas armas veiculares. #CRENDEUSPAI #XOSATANAS

  • Gustavo Miranda

    Bom, só pelo feito de ter conseguido deixar o pobre Citroën 2VC bonito já ganhou meu respeito.

  • Minha Opinião

    Curti a Zamyad Z24.