Home Finanças São Paulo: governo estadual cancela aumento das tarifas de pedágio em 2013

Pedágio-Sem-Parar-Foto-Panorâmio-1

Boa notícia para quem se utiliza das boas, porém caras, rodovias de São Paulo. O governo estadual cancelou o reajuste nas tarifas dos pedágios, programado para o próximo dia 01 de julho. O aumento anual não será contemplado em 2013, ficando o remanejamento de verbas locais para compensação dos concessionários de rodovias.

O governo de SP também avisou que não irá cortar investimentos em rodovias por causa da medida. Esse ano a administração paulista iria aplicar o menor indexador, no caso o IGP/M dos últimos 12 meses, o que daria aumento de 6,2%. Caso aplicado à risca, o reajuste faria a tarifa do SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes) no trecho de serra, pular de R$ 21,20 para R$ 22,50!

Em compensação, o transporte de carga no estado terá um importante acréscimo de peso. Você se lembra das carretas com eixos suspensos quando trafegam sem carga? Aliás, até mesmo ônibus de algumas empresas muito conhecidas se utilizam desse recurso. Apesar de reduzir o consumo, ele também contribui para o pagamento de pedágio apenas do eixo que está no chão.

Pois bem, em breve o governo paulista vai autorizar as concessionárias de rodovias a cobrar também pelo eixo suspenso, assim como ocorre nas rodovias federais. Como as famosas BRs tem tarifas de pedágio em média muito menores que as de SP, o impacto será grande no frete das cargas, pois não são poucos os bi-trens e rodo-trens que circulam pelas rodovias do estado rumo ao Porto de Santos e outras regiões.

[Fonte: Estadão]



  • Sr_Andante

    Curiosamente em São Paulo até agora não houve ninguém protestando contra os valores inaceitáveis cobrados nos pedágios. O Governador, de maneira muito conveniente, evita o aumento por agora para que mais este abuso evidente não seja incluído na pauta dos protestos. Menos mal porém mais cedo ou mais tarde o malfadado pedágio também fará parte das reivindicações.

    • Tosoobservando

      Calma chegaremos la,um protesto de cada vez heeh mas ta na pauta tb, todo tipo de abuso destes governos corruptos.

    • bittcorp
    • JPaulo10

      Em contrapartida, a camarilha dos Tatto (vereador e secretário dos transportes de S. Paulo) não quer que se abram as contas das emporesas de transporte de São Paulo. "Não precisa", diz Arselino (um deles),"porque a tarifa já abaixou".
      Lembrando: a camarilha dos Tatto estava envolvida no sistema de transporte de Santo André, à época do assassinato do Prefeito Celso Daniel, sistema esse alvo de denúncias de caixa 2. E que o atual sistema de transporte foi implantado em 2004, na gestão da sempre amada Marta Suplicy. E mantido por Serra e Kassab.

      Não tem essa de proteger partido, se a pessoa não é filiada, nem tem cabide de emprego ou cargo de confiança, nem ganha seus tostões com o "sabe com quem está falando?".

      Precisa abrir, sim, a caixa preta dos trasnportes, a caixa preta do pedágios, a caixa preta dos estádios. É preciso saber quem está ganhando (muito) com a corrupção.

      Nota: a corrpução no Brasil corresponde a metade do PIB da Bolívia. Daria para fazer muitos hospitais, pagar salário de muitos médicos.

  • pumagtb

    Absurdo! repassaram a cobrança para os eixos suspensos de caminhões, carretas e ônibus, consequentemente irá aumentar o frete e o preço final do produto como diz aquela velha frase não existe almoço grátis, no ano que vem tem eleição vamos dar o que eles merecem e está explicado o porque do não investimento nas ferrovias do país.

    • JPaulo10

      Eu tinha um amigo, dono de uma grande empresa de transporte de carga.
      Ele ficava furioso, porque todo caminhão dele tinha que pagar imposto sobre o frete, enquanto as empresas de ônibus interestaduais utilizavam os porões de seus veículos sem pagar imposto algum, já que a carga era considerada como "do passageiro".
      Por isso, os ônibus tem um porão do tamanho de um andar de prédio.

  • andy_irons

    absurdo cobrar por um eixo que não está no chão. qual vai ser a justificativa? vão falar que o veículo concentra peso em um eixo, o que desgasta mais a rodovia. enquanto isso os motocas que são um dos maiores causadores de acidentes e usam dos serviços das pistas são os que menos. tudo errado

    • FernandoHSE

      Sempre tem que sobrar para motocicletas QUANTA IGNORÂNCIA!

    • DCald

      Na verdade, tem muito "ixperto" que levanta o eixo só no pedagio… já vi uma vez o cara forçando pra levantar e ao passar no pedagio teve que esperar o laço contar pra ver se pegou ou não o eixo suspenso por alguns milimetros…

  • Rafael

    E O Medo ????? Kkkkkkkkkkkkkkk

  • joao

    Quando vocês descobrirem que a maioria das ações da CCR pertencem à família Alckmin vocês entenderão tudo.

    • ZEKINHA71

      Ué não eram da família Covas???

      • DCald

        Na verdade, pertence a grande família Tucana…

  • Andre Dias

    Se cancelar o aumento por 20 anos, eventualmente o valor ficará aceitável.
    O que não dá é cobrar mais de R$ 20 em um pedágio da Imigrantes para andar menos de 150 kilometros.

    • Magno

      São Paulo a Santos pela imigrantes tem cerca de 50 km e não 150 km.

  • Daniel Ramos

    Nossa, e ja queriam aumentar e eu nem sabia, kkk! lamentavel esse governo,
    eles estão se F** agora, mais logo a gente paga o "pato", porque em toda minha vida eu nunca vi o governo sair perdendo em algo sem deixar de ganhar (o dobro) em outro….

  • CharlesAle

    Tá certo que as estradas pedagiadas de SP são de primeiro mundo,mas os pedágios são caros,infelizmente,mas entre estradas ruins e pedágio caro,sou mais pedágio caro,pois ter de arrumar a suspensão devido a buracos sai muito mais caro…

    • Bruno

      Que tal estradas boas e sem pedágios? Esta é a hora para exigirmos!

    • DCald

      As estradas de SP já eram boas antes dos pedagios caros…

  • Henrique

    Parabéns Sr Governador, dessa maneira os caminhões arcam com o custo, seria menos prejuízo se tivesse o aumento na tarifa, é só fazer as contas, ai daqui um mês vem o aumento… #Acorda Brasil

  • kikofar

    Nossa! Quando morei no interior de SP, gastava 13,00 para ir de Pirassununga a SP em 2000. Quando me mudei, em 2006, gastava quase 23,00 reais para o mesmo trajeto. Da forma como é feito, não dá pra aceitar esse tipo de contrato com tal reajuste, até porque são estradas bem construídas, cuja manutenção é a limpeza das laterais, repintura de faixas e remendos na manta asfáltica… Dificilmente há alguma obra maior a ser realizada, tipo pontes, viadutos, ou até mesmo aumento da pista com incremento de faixa de rolagem, então, acho inadmissível se aplicar tal índice, visto que os salários não aumentam nessa proporção.

    Não sou economista nem entendo muito desse riscado, mas usar um índice de inflação para justificar aumento é alimentar mais ainda esse próprio índice. Vou dar uma de Prof. Pardal, podem me criticar (rs), mas acredito que deveria existir um índice para aumento que utilizasse uma média entre inflação e evolução salarial do trabalhador.

  • kikofar

    Nossa! Quando morei no interior de SP, gastava 13,00 para ir de Pirassununga a SP em 2000. Quando me mudei, em 2006, gastava quase 23,00 reais para o mesmo trajeto. Da forma como é feito, não dá pra aceitar esse tipo de contrato com tal reajuste, até porque são estradas bem construídas, cuja manutenção é a limpeza das laterais, repintura de faixas e remendos na manta asfáltica… Dificilmente há alguma obra maior a ser realizada, tipo pontes, viadutos, ou até mesmo aumento da pista com incremento de faixa de rolagem, então, acho inadmissível se aplicar tal índice, visto que os salários não aumentam nessa proporção. No exemplo que emiti logo acima, em 6 anos houve aumento de 76%, ao passo que meu salário aumentou 28% no mesmo período.

    Não sou economista nem entendo muito desse riscado, mas usar um índice de inflação para justificar aumento é alimentar mais ainda esse próprio índice. Vou dar uma de Prof. Pardal, podem me criticar (rs), mas acredito que deveria existir um índice para aumento que utilizasse uma média entre inflação e evolução salarial do trabalhador.

  • kikofar

    Nossa! Quando morei no interior de SP, gastava 13,00 para ir de Pirassununga a SP em 2000. Quando me mudei, em 2006, gastava quase 23,00 reais para o mesmo trajeto. Da forma como é feito, não dá pra aceitar esse tipo de contrato com tal reajuste, até porque são estradas bem construídas, cuja manutenção é a limpeza das laterais, repintura de faixas e remendos na manta asfáltica… Dificilmente há alguma obra maior a ser realizada, tipo pontes, viadutos, ou até mesmo aumento da pista com incremento de faixa de rolagem, então, acho inadmissível se aplicar tal índice, visto que os salários não aumentam nessa proporção. Além do que, não buscam a informatização pra valer do sistema, pois, ao não oferecer um desconto para o uso dos aparelhos (SemParar, por exemplo), não há vantagem financeira para quem o utiliza e, portanto, o usuário não se sente compelido à mudar, principalmente quem viaja pouco, uma vez que além do pedágio, há o custo mensal a ser pago.No exemplo que emiti logo acima, em 6 anos houve aumento de 76% das tarifas dos pedágios da Anhanguera-Bandeirantes, ao passo que meu salário aumentou 28% no mesmo período.

    Não sou economista nem entendo muito desse riscado, mas usar um índice de inflação para justificar aumento é alimentar mais ainda esse próprio índice. Vou dar uma de Prof. Pardal, podem me criticar (rs), mas acredito que deveria existir um índice para aumento que utilizasse uma média entre inflação e evolução salarial do trabalhador.

  • Juliano P. Santos

    Seria absurdo subir mais! Já esta quase impossível pagar! Em trechos curtos em alguns destinos no interior de SP o pedágio chega a custar o dobro do gasto de combustível!!!!!

  • Bruno

    Estou curioso. Encarem isso como uma pesquisa de opinião: quem aqui é a favor de depredar pedágios como foi feito em Vitória – ES?

    • kikofar

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk atualmente essa ideia pega fácil hein!!!

  • rogerrosato

    Lógico que eu gostaria de pagar menos, quem não gostaria?! Mas se tivesse de escolher entre usar rodovias baratas e ruins ou excelentes e caras, ficaria com a segunda opção mil vezes! Não é apenas uma questão de economia, é uma questão de segurança.
    Em SP a situação dos pedágios ainda não é absurda como em outros estados. Depois que me mudei para o PR passei a sentir MUITAS saudades das verdadeiras autoestradas que usava em SP, uma vez que aqui paga-se praticamente o mesmo, porém por estradas que mais parecem trilhas de bode asfaltadas. A única coisa que presta é o pavimento. Sinalização, geometria e assistência são deploráveis! Isolamento?! Nem existe! Usam o acostamento como calçada!
    Certa vez sofri acidente potencialmente grave na Régis Bittencourt por óleo no asfalto de uma curva fechada e com chuva. Sim, o pedágio lá é só R$1,80, mas prefiro pagar os R$7,30 da Bandeirantes ou os R$10,30 da Castelo Branco e chegar VIVO.

    • DCald

      A questão é que para ser boa, não precisa ser cara… só é cara pq enriquece demasiadamente a CCR e os tucanos…
      E, essas estradas só são boas, pq qdo foram construidas foram bem feitas (e, logico, custaram 10 vezes o que deveriam) e pagas com o dinheiro dos nossos impostos.

      Sobre o PR… bom… quem concedeu as rodovias é do mesmo partido de quem concedeu as de SP…. a diferença e que as estradas do PR já não eram boas como as paulistas…

      Sobre as BR do PR… tem que concordar que melhoraram e muito… mesmo com o pedagio de R$1,80…

  • JPaulo10

    Fui usuário frequente do sistema Anhanguera/Bandeirantes/BR-50. Concordo com você: ainda que a pista parecesse um carpete e a assistência ao motorista pontual, o preço e a quantidade de pedágios não se justificam.
    Quanto a atrelar o índice de aumento salarial ao da inflação, já houve essa moda em São Paulo, na gestão Luiza Erundina, daquele partido PT. Ele aumentava o salário de acordo com a inflação, D-E-S-D-E que estivesse em consonância com os gastos e orçamento da Prefeitura.
    Assim, nós pobres funcionários comuns (não filiados ao partido, sem DA e, principalmente, sem cargo comissionado/nomeação/livre de concurso), tínhamos aumento de 0,1%, 0,3% ou mesmo zero de aumento.
    Quando entrei na prefeitura em 1989, ganhava 3 salários mínimos. Quando saí, em 1992, ganhava apenas UM salário mínimo. Literalmente, no sentido exato da frase, eu pagava para trabalhar.

  • Alemão

    Br pedágio barato! Aqui no sul a Br 392 que liga ao porto de Rio Grande num trajeto de 90 Km se paga 9 reais ida e volta por veiculo leve. Barato mesmo só em SC 1,99!!!

    • http://www.noticiasautomotivas.com.br Eber

      Na Fernão Dias, entre SP e MG, o pedágio sai a R$ 1,40.

  • Arrelia & Pimentinha

    Como disse o companheiro André Dias, se mantiver sem aumento por 20 anos talvez o preço cai na realidade. Não sei o que esta mais caro, o custo por Km no consumo de combustível ou de pedágio, mas sei que 100 km nos EUA tem o custo pouco mais de 1 dólar, aqui passa de 15,00 reais ou seja +/- 7,5 dólares. Tem alguma coisa errada.

    • DCald

      100km com 1 dolar? só se for de bicicleta! hehehe

  • DCald

    Bom, sobre o sistema Anhanguera… em 2008 sofri um acidente por conta de um animal morto na pista… capotei o carro, que foi perda total… além dos gastos medicos e outros etc… Até hoje a Intervias não nos ressarciu do prejuizo. (sim, ela é responsavel por qualquer acidente causado por qualquer obstaculo – vivo ou morto – na pista).
    Em tempo: eu não estava acima do limite de velocidade, nem dormindo, nem alcoolizado nem nada…
    Foi feito pericia no carro e tudo mais… foi constatado que a unica causa do acidente foi um cachorro preto de qse 100kg morto na pista, a pouco mais de 1km de uma praça de pedagio.

    • JPaulo10

      Nos Estados Unidos, todo mundo treme de medo do Poder Judiciário, que é muito forte. (E dos advogados, que sabem cobrar $$$$$ pelos serviços prestados).
      Quando existem ações sobre defeitos em produtos automotivos, as montadoras correm feito coelho para consertá-los, porque o estrago é grande. Que o diga a Toyota referente ao pedal do Corolla.
      Assim pode ser também no Brasil.
      Espero muito que você tenha entrado com uma ação contra a Intervias e que tenha uma grande vitória. Não pelo dinheiro. Não porque uma indenização traria uma leve compensação pelo stress sofrido (só quem bate ou quase morre sabe). Mas simplesmente para obrigá-la a assumir com determinação as suas responsabilidades e evitar que outros passem pelo que você passou.

      • DCald

        Sim, entramos com ação no começo de 2009 (o acidente foi no final de novembro/2008)… mas, sabe como é a (in)justiça brasileira, né? Já mudou umas 500 vezes de juiz e nenhum deles encerra de vez o caso, a concessionaria não tem nem argumentos, mas fica enrolando com recursos (que respondem sempre no ultimo dia do prazo – quer prova maior de enrolação?)…
        Estou tbm com outra ação contra a AutoPista Regis Bittencourt, por danos causados ao meu veiculo por conta de uma peça de caminhão no meio da estrada… além do estrago – e quase acidente – ainda demoraram mais de 40minutos para irem me atender! (no acostamento estreito do local não tinha como trocar a roda com segurança…

        agora, cobrar pedagio eles são especialistas! não deixam passar 1 carro! (e, se passar, tome multa por evasão)

      • kikofar

        Exatamente. Mas nos EUA, que é um país sério, a justiça entra para fazer com que a empresa sinta o peso do dinheiro que será usado no ressarcimento e, por conseguinte, a responsabilidade que lhe compete. Já aqui na terra da banana, o judiciário tem por preceito que não se deve enriquecer às custas de um processo judicial.

        É por essas e por outras que estamos vivenciando tantos protestos atualmente no Brasil. Pagamos tanto, impostos, tributos, taxas, produtos e serviços (caros e mal prestados) e não vemos o retorno ou se vamos ver, no caso da INjustiça brasileira com sua indústria dos 'recursos', levará inacreditáveis 6, 8, 10, até 12 anos!!!

  • Marfhus

    Não sou contra o pedagio mas, o governo de SP cobrar eixos suspensos por q outras estrada ja cobram é uma comparação injusta, pois exemplificando SC ( estrada excelente) tem pedagio por eixo de R$1,50, enquanto SP não tem nenhum a este preço, pior possui 02 pedagios a R$10,90 por eixo como do caso da Catelo Branco proximo a Serra de Botucatu…
    Chupa Paulistas kkkkk paguem a conta

  • Marfhus

    Não sou contra o pedagio mas, o governo de SP cobrar eixos suspensos por q outras estrada ja cobram é uma comparação injusta, pois exemplificando SC ( estrada excelente) tem pedagio por eixo de R$1,50, enquanto SP não tem nenhum a este preço, pior possui 02 pedagios a R$10,90 por eixo como do caso da Catelo Branco proximo a Serra de Botucatu…

  • wag_gim

    Em 1998 (isso mesmo, 1998) estive na França, e naquela época pude conferir a malha rodoviária impressionante, além da ferroviária, obviamente. Auto-pistas pedagiadas que não temos semelhantes aqui, não se iludam, e ainda com a possibilidade de realizar qualquer (qualquer mesmo) trajeto com a opção de NÃO PAGAR pedágio. Você pode viajar os quatro cantos da França sem pagar um mísero centavo com pedágio. E falando em malha ferroviária, me dá arrepio lembrar que naquela época, a França tinha os TGV (Train à Grande Vitesse) e que hoje conta com mais de 2.000km de ferrovias (somente para o TGV). Voltando a nossa patética malha rodoviária, por curiosidade fiz uma rápida pesquisa na internet: Procurei saber o custo para se trafegar na Auto-Estrada A6 francesa, por 460km, entre Paris e Lyon, verifiquei que seria em torno de 33 euros, aprox. 96 reais. Temos portanto um custo por km de aprox. 0,21 reais (R$ 0,21) na França. Aqui, tomei por base o pobre PR, com o "legado" das concessões deixado pelo Sr. Jaime Lerner e pelo "latiu mas não mordeu" Roberto Requião. Agora temos o "não sei de nada" Beto Richa (o tucano aprendeu rápido com o molusco). Um percurso de 120km entre Curitiba e Ponta Grossa, por exemplo, sai por módicos 15 reais, acha pouco? Vamos ao cálculo no guardanapo de lanchonete: 15 reais para 120 km……dá 0,13 reais por quilometro! E' mais barato que a França, e isso é bom? Não! As rodovias pedagiadas no Paraná não passam de "trilhas antigas" remendadas, construídas também com o dinheiro de nossos impostos. E não sei quanto à São Paulo, mas aqui você é OBRIGADO a pagar pedágio para circular nessas "trilhas". Lembrando que no país mais sério, França, você tem a opção de NÃO pagar! Sem falar que são estradas bem projetadas, com asfalto de boa qualidade (entre numa auto-estrada francesa pelo google maps e tente encontrar um buraco – se achar, ganha um doce). Este país mais sério tem 100% de rodovias asfaltadas, totalizando quase 1 milhão de quilômetros. O país que não é sério, tem míseros 200 mil quilômetros de estradas "ASFALTADAS" (o número de buracos tem muitos zeros, não coube neste espaço). Essa ineficiência toda só tem uma explicação: SACANAGEM (como diz o Romário); MARACUTAIA; CORRUPÇÃO!! Está na hora de colocar abaixo os pedágios, é uma boa pedida para o change.org, porque aqui, cada vez mais me convenço: Político bom é político morto…..:@. Segue um vídeo: http://www.wat.tv/video/carnet-voyage-sur-a6-2zlx

  • wag_gim

    Em 1998 (isso mesmo, 1998) estive na França, e naquela época pude conferir a malha rodoviária impressionante, além da ferroviária, obviamente. Auto-pistas pedagiadas que não temos semelhantes aqui, não se iludam, e ainda com a possibilidade de realizar qualquer (qualquer mesmo) trajeto com a opção de NÃO PAGAR pedágio. Você pode viajar os quatro cantos da França sem pagar um mísero centavo com pedágio. E falando em malha ferroviária, me dá arrepio lembrar que naquela época, a França tinha os TGV (Train à Grande Vitesse) e que hoje conta com mais de 2.000km de ferrovias (somente para o TGV). Voltando a nossa patética malha rodoviária, por curiosidade fiz uma rápida pesquisa na internet: Procurei saber o custo para se trafegar na Auto-Estrada A6 francesa, por 460km, entre Paris e Lyon, verifiquei que seria em torno de 33 euros, aprox. 96 reais. Temos portanto um custo por km de aprox. 0,21 reais (R$ 0,21) na França. Aqui, tomei por base o pobre PR, com o "legado" das concessões deixado pelo Sr. Jaime Lerner e pelo "latiu mas não mordeu" Roberto Requião. Agora temos o "não sei de nada" Beto Richa (o tucano aprendeu rápido com o molusco). Um percurso de 120km entre Curitiba e Ponta Grossa, por exemplo, sai por módicos 15 reais, acha pouco? Vamos ao cálculo no guardanapo de lanchonete: 15 reais para 120 km……dá 0,13 reais por quilometro! E' mais barato que a França, e isso é bom? Não! As rodovias pedagiadas no Paraná não passam de "trilhas antigas" remendadas, construídas também com o dinheiro de nossos impostos. E não sei quanto à São Paulo, mas aqui você é OBRIGADO a pagar pedágio para circular nessas "trilhas". Lembrando que no país mais sério, França, você tem a opção de NÃO pagar! Sem falar que são estradas bem projetadas, com asfalto de boa qualidade (entre numa auto-estrada francesa pelo google maps e tente encontrar um buraco – se achar, ganha um doce). Este país mais sério tem 100% de rodovias asfaltadas, totalizando quase 1 milhão de quilômetros. O país que não é sério, tem míseros 200 mil quilômetros de estradas "ASFALTADAS" (o número de buracos tem muitos zeros, não coube neste espaço). Essa ineficiência toda só tem uma explicação: SACANAGEM (como diz o Romário); MARACUTAIA; CORRUPÇÃO!! Está na hora de colocar abaixo os pedágios, é uma boa pedida para o change.org, porque aqui, cada vez mais me convenço: Político bom é político morto…..:@. Segue um vídeo: http://www.wat.tv/video/carnet-voyage-sur-a6-2zlx

  • wag_gim

    Em 1998 (isso mesmo, 1998) estive na França, e naquela época pude conferir a malha rodoviária impressionante, além da ferroviária, obviamente. Auto-pistas pedagiadas que não temos semelhantes aqui, não se iludam, e ainda com a possibilidade de realizar qualquer (qualquer mesmo) trajeto com a opção de NÃO PAGAR pedágio. Você pode viajar os quatro cantos da França sem pagar um mísero centavo com pedágio. E falando em malha ferroviária, me dá arrepio lembrar que naquela época, a França tinha os TGV (Train à Grande Vitesse) e que hoje conta com mais de 2.000km de ferrovias (somente para o TGV). Voltando a nossa patética malha rodoviária, por curiosidade fiz uma rápida pesquisa na internet: Procurei saber o custo para se trafegar na Auto-Estrada A6 francesa, por 460km, entre Paris e Lyon, verifiquei que seria em torno de 33 euros, aprox. 96 reais. Temos portanto um custo por km de aprox. 0,21 reais (R$ 0,21) na França. Aqui, tomei por base o pobre PR, com o "legado" das concessões deixado pelo Sr. Jaime Lerner e pelo "latiu mas não mordeu" Roberto Requião. Agora temos o "não sei de nada" Beto Richa (o tucano aprendeu rápido com o molusco). Um percurso de 120km entre Curitiba e Ponta Grossa, por exemplo, sai por módicos 15 reais, acha pouco? Vamos ao cálculo no guardanapo de lanchonete: 15 reais para 120 km……dá 0,13 reais por quilometro! E' mais barato que a França, e isso é bom? Não! As rodovias pedagiadas no Paraná não passam de "trilhas antigas" remendadas, construídas também com o dinheiro de nossos impostos. E não sei quanto à São Paulo, mas aqui você é OBRIGADO a pagar pedágio para circular nessas "trilhas". Lembrando que no país mais sério, França, você tem a opção de NÃO pagar! Sem falar que são estradas bem projetadas, com asfalto de boa qualidade (entre numa auto-estrada francesa pelo google maps e tente encontrar um buraco – se achar, ganha um doce). Este país mais sério tem 100% de rodovias asfaltadas, totalizando quase 1 milhão de quilômetros. O país que não é sério, tem míseros 200 mil quilômetros de estradas "ASFALTADAS" (o número de buracos tem muitos zeros, não coube neste espaço). Essa ineficiência toda só tem uma explicação: SACANAGEM (como diz o Romário); MARACUTAIA; CORRUPÇÃO!! Está na hora de colocar abaixo os pedágios, é uma boa pedida para o change.org, porque aqui, cada vez mais me convenço: Político bom é político morto…..:@. Segue um vídeo: http://www.wat.tv/video/carnet-voyage-sur-a6-2zlx

  • JPaulo10

    Fui usuário frequente do sistema Anhanguera/Bandeirantes/BR-50. Concordo com você: ainda que a pista parecesse um carpete e a assistência ao motorista pontual, o preço e a quantidade de pedágios não se justificam.

    Quanto a atrelar o índice de aumento salarial ao da inflação, já houve essa moda em São Paulo, na gestão Luiza Erundina, daquele partido PT. Ele aumentava o salário de acordo com a inflação, D-E-S-D-E que estivesse em consonância com os gastos e orçamento da Prefeitura.
    Assim, nós pobres funcionários comuns (não filiados ao partido, sem DA e, principalmente, sem cargo comissionado/nomeação/livre de concurso), tínhamos aumento de 0,1%, 0,3% ou mesmo zero de aumento.
    Quando entrei na prefeitura em 1989, ganhava 3 salários mínimos. Quando saí, em 1992, ganhava apenas UM salário mínimo. Literalmente, no sentido exato da frase, eu pagava para trabalhar.