Home Etc Será mesmo que 2014 será um novo tempo para os automóveis brasileiros?

volkswagen pede a matriz que desenvolva abs para a kombi Será mesmo que 2014 será um novo tempo para os automóveis brasileiros?




A partir de 1º de Janeiro de 2.014, todo automóvel vendido no Brasil deverá ter, obrigatoriamente, freios ABS (sistema antitravamento) e Air Bag duplo. Isso deve ser comemorado, já que segurança nunca é demais e estes equipamentos são de comprovada eficácia em acidentes, o primeiro (muitas vezes) consegue evitá-los e o segundo, protegendo os ocupantes do veículo quando ele acontece.

Esta obrigatoriedade gerou uma segunda discussão, esta mais difícil de ter concordância. Afinal de contas, estariam os projetos antigos condenados a saírem de linha em 31 de Dezembro de 2.013? Temos vários veículos em nosso mercado que já são parte de nossa paisagem há muitos anos, muitas vezes décadas. Quando foram lançados estes equipamentos ou não existiam, ou eram quase ficção.

Listando alguns, temos a “velha senhora” Kombi, produzida há 54 anos, o Uno Mille, na ativa desde 1.984 e o Classic (originalmente Corsa Sedã), de 1.995. Eles serão aposentados? Os mais otimistas (e simplistas) são categóricos: Eles acabam em 2.013, já que não teriam condições de receber os equipamentos nem de se adequarem a normas de absorção de impactos a que serão submetidos para a divulgação dos dados, que hoje são guardados a sete chaves pelos seus fabricantes. Será mesmo que eles acabam em 2.013?

Primeiro, vamos à implantação dos itens… em 2.011 8% dos automóveis devem ter os equipamentos (para autos lançados após a lei 10%). Em 2.012, o percentual sobe para 30% (para todos). 2.013, vamos a 100% dos autos lançados após a resolução (e 60% dos anteriores a resolução) chegando a 100% de todos os automóveis comercializados em solo nacional. Espera-se que a implantação não tenha os adiamentos sofridos pela introdução do rastreador (este sim de obrigatoriedade discutível).

Segundo, vamos aos casos mais “difíceis”, dos carros que “deveriam” sair de linha após a obrigatoriedade.

VW Kombi

Como já foi dito, é um carro produzido desde 1.957 e que há muito já deixou de ser moderno… Aliás, virou um ícone, mas com uma diferença de vários ícones da indústria automobilística nacional (como o Opala ou Maverick)… Pode-se comprar este “ícone” novinho em folha, em uma concessionária VW mais perto de você. Ela é motivo de várias discussões… Enquanto uns dizem que vende bem porque “Nada é mais barato que ela para levar 1 ton. Ou 9 pessoas”, outros levantam a bandeira de completo descaso da VW com o consumidor brasileiro, oferecendo um produto defasado por um valor absurdo. Discussões a parte, é o caso mais “bizarro” a ser aqui tratado.

Sabe-se que foram feitos vários projetos para sua substituição, mas que não passaram disso, projetos… O último que se tem notícia, seria um utilitário feito sobre a base do Santana (pra Kombi seria um pulo de quase 30 anos em modernidade de projeto). A VW se defende alegando que não conseguiria vender um utilitário com a capacidade da Kombi pelo valor hoje cobrado por ela. Por outro lado sabemos que a Kombi é uma verdadeira “fazedora” de dinheiro para VW.

É um projeto já pago (aliás já pago há muito tempo), que se vende sozinha (todo mundo conhece) e sem qualquer necessidade de uso da equipe de marketing (qual foi a última vez que viu um anúncio da Kombi?). No final, sabemos que em Janeiro de 2.014 ainda poderemos comprar uma Kombi 0Km… Por que? Quem acompanha as notícias deve se lembrar de ter lido que o diretor de desenvolvimento de veículos comercias da VW, em Wolfsburg, Dietmar Schmitz, recebeu um pedido o qual ele classificou como “um dos pedidos mais estranhos em toda sua longa carreira engenheiro”. Qual o pedido? Desenvolver um sistema de freios ABS para a Kombi produzida no Brasil.

Se a VW do Brasil fez este pedido, podemos associar que o Air Bag duplo e algum reforço de estrutura estão sendo também desenvolvidos. Sabemos que pode sim acontecer um impedimento que algum destes itens não conseguir ser adaptado, mas também sabemos que, no mínimo, existem grandes chances serem (os engenheiros) bem sucedidos.

Fiat Uno Mille

fiat mille economy 2009 duas portas vermelho 2 Será mesmo que 2014 será um novo tempo para os automóveis brasileiros?

Lembro de ter lido uma vez, há muito tempo atrás, em uma revista especializada que “o Uno (Mille) pode sobreviver até mesmo a chegada do sucessor do Palio”. A data da revista: 1.997. Bem… por mais absurdo do que possa parecer, o autor desta frase é acima de tudo, um vidente. Nesta segunda metade do ano teremos o lançamento do sucessor do Palio (os outros não passaram de reestilizações em variados graus) e o Uno Mille (não confundir com o Novo Uno) está aí, firme e forte.

Ele é o Fusca do mercado brasileiro do século XXI, mas com uma diferença… Ele soube se atualizar… Já foi carro moderninho (até 1989 não tínhamos nada mais moderno que ele em termos de estilo), popular (Mille), popular de luxo (Mille ELX), econômico (Economy) entre várias outras atualizações. Como “gatos escaldados” que somos, será que em 2.014 ele será desativado? Ou ele se atualizará mais uma vez?

O carro a ser produzido em Pernambuco será um carro pequeno e barato (dizem), para ser o substituto do Mille… Hum… não sei não… Vi esta história em 1.996, com o Palio… Lembra-se?
O Mille tem ainda um “agravante”… No manual dele (e da Fiorino) já constaram freios ABS e Air Bags. Se existiram, se alguma unidade de um deles saiu da fábrica, não sei. Mas esta opção já existiu para Fiorino sim.

Classic

chevrolet classic argentina Será mesmo que 2014 será um novo tempo para os automóveis brasileiros?

Este é o caso mais fácil… Quando ainda chamava-se Corsa Sedã, ele tinha opção de Air Bags (ainda poderia escolher se só para o motorista ou duplo) e freios ABS. O Sail chinês tinha. Não seria problema algum a GM voltar a colocar tais equipamentos no veículo. Sabe-se que a fábrica quer renovar toda sua linha, com projetos novos e alinhados aos oferecidos no mercado exterior. Mas sabe-se também que a dança no mercado brasileiro tem um ritmo diferente e nem sempre combina com o que toca lá fora.

O Classic já vai sobreviver ao seu sucessor (o Corsa Sedã se despede assim que o Cobalt chegar) e ainda pode não ficar sozinho, com seu irmão Celta ainda existindo (quanto ao Prisma acho mais difícil, já que vende menos). O Celta é um carro que nunca ofereceu Air Bags nem freios ABS em seus opcionais, mas não teria dificuldades de recebe-los uma vez que não passa de um Corsa (lançado aqui em 1.994) com uma carroceria mais “moderna” (e tão sem sal quanto).

Ainda existem muitos outros carros de projetos antigos mas que já tinham previsão para receber os equipamentos. Ford Courier, oferecidos há não muito tempo como equipamento de série na versão XL (com vendas insignificantes perante a versão mais vendida, a L). A VW ainda conta com Parati e Gol G4, ambos também já previstos para uso dos equipamentos. Assim como a Renault com o Clio, que embora não ofereça Air Bags nem como opcionais, já foi o único popular com o item de série.

Por fim, claro que podemos (e devemos) ter esperança de que tenhamos carros mais modernos e seguros. Mas acreditar que no primeiro dia de Janeiro de 2.014 iremos acordar com modelos mais modernos nos pátios da concessionária parece ser irreal. Irreal também seria a Kombi receber Air Bags e ABS. E de série. Quem sabe aconteça…

Por Durval dos Santos Neto





Se você não está vendo os comentários, desabilite extensões do tipo Adblock (que impedem a exibição dos comentários), ou adicione nosso site como exceção.