Antigos Clássicos História Japão Toyota

Toyopet Crown: o primeiro fracasso nipônico nos EUA

toyopet-crown-rsl-eua

Toyopet Crown RS-L

Na década de 50, a Toyota estava ampliando seu lineup, ainda com produtos de influência americana, dada a ocupação dos EUA após a vitória na Segunda Guerra Mundial. Desde a série SA de 1947, a empresa vinha buscando atender o diminuto mercado local, lançando veículos adaptados para a realidade do país, onde existiam poucas estradas pavimentadas e boa parte da infraestrutura ainda era precária.

Após a série SA, a Toyota lançou o Master, um modelo que era derivado do Chevrolet Master. Mas em 1955, um novo produto apresentava melhores resultados, a primeira geração do Crown, que hoje tem mais de 60 anos de mercado japonês. O estilo era mais europeu e sua estrutura fora construída para ser resistente na dureza do Japão daqueles dias.

toyopet-crown-rsl-jdm

Toyopet Crown RS-L (Japão)

Chamado de RS, o primeiro Crown era vendido, assim como os demais, com a marca Toyopet. Ele media 4,28 m de comprimento, 1,68 de largura, 1,52 de altura e 2,53 de entre-eixos. Pesando em torno de 1.152 kg, o compacto tinha motor 1.5 que lhe conferia um desempenho mediano para no Japão.

Além disso, podia ser adquirido em versões sedã quatro portas e perua, que podia ter duas ou quatro entradas. Inicialmente o sedã tinha portas traseiras tipo suicidas, que foram substituídas na versão Super por conta dos taxistas, que reclamavam do acesso ao interior.

toyopet-crown-sw-eua

Toyopet Crown Station Wagon (EUA)

O Toyopet Crown também foi o primeiro carro diesel do Japão, sendo equipado com um motor 1.5 de 40 cv. Em 1960, recebeu um motor a gasolina mais forte, um 1.9 litro. Mas o modelo também marcou época para a Toyota e foi a primeira lição sobre o que não se podia fazer no mercado americano, fato recentemente lembrando com a morte anunciada da Scion.

Embora raros, os fracassos nipônicos no mercado automotivo dos EUA existiram e o primeiro deles se chamava Toyopet Crown. Em 1958, a Toyota decidiu iniciar as exportações para o país que vencera o Japão 13 anos antes. O modelo escolhido não poderia ser outro, embora este tivesse a companhia do clássico Land Cruiser, que meses antes começara a ser feito no Brasil.

toyopet-crown-eua

Toyota Crown após desembarque nos EUA

Fracasso americano

Ao contrário do país sul-americano, a Toyota demoraria décadas para erguer sua primeira planta de produção nos EUA. Para aprontar o Crown no mercado americano, a empresa introduziu chapas de aço 50% mais espessas que a média americana, além de itens de conforto, tais como rádio AM (US$ 94), pneus de banda branca (US$ 75) e aquecedor.

Na época, foi considerado pela imprensa americana como um “mini Cadillac”. A primeira impressão foi boa, mas o Crown fora feito mesmo para outra realidade. Custando a partir de US$ 2.187, ele estava na mesma faixa de preço de seus principais concorrentes nos EUA. A rede Toyopet rapidamente cresceu de 40 para 90 lojas em três anos.

toyopet-crown-navio

Toyota Crown embarcando no Japão

Mas, o Toyopet Crown logo mostrou que os EUA de fato não era um local para ele, ainda mais nos anos 50, quando o gigantismo americano imperava em tudo e todos. Assim, pequeno, ele começou a sofrer por conta do tamanho e especialmente devido ao baixo desempenho.

O Crown era considerado um carro muito duro para o mercado americano, onde se dizia que ao erguer uma das rodas, a outra do mesmo eixo também saía do chão. Além da rudeza feita para enfrentar estradas de terra, o motor fraco não dava conta de fazê-lo acompanhar os grandes V8 nas lisas e velozes autoestradas dos EUA.

toyopet-crown-1955-1

Toyopet Crown

As vendas começaram fracas e não passaram disso nos três anos em que o Crown permaneceu no mercado americano, onde vendeu apenas em torno de 2.240 unidades. O fracasso do modelo fez a Toyota acabar com a marca Toyopet nos EUA. Mas, como se sabe, ela e outras japonesas trariam muita dor de cabeça para as gigantes de Detroit mais adiante.

A partir de então, ela permaneceu – assim como aqui – com apenas um modelo, o Land Cruiser, embora nos anos seguintes, seu lineup tenha crescido rapidamente. A montadora perdeu US$ 1,42 milhão com o Crown nos EUA. Em 1961, o sedã disse adeus aos EUA. Hoje após 60 anos e 14 gerações, o sedã é um luxuoso e importante modelo no Japão e também na Ásia, sendo comparável ao Lexus GS.

toyopet-crown-1955

Toyota Crown

Brasil

Por estas bandas, o Land Cruiser chegou como Toyota e passou a ser fabricado a partir de 23 de janeiro de 1958, em São Bernardo do Campo. Se nos EUA o Crown foi um fracasso retumbante, aqui ele poderia ter tido um futuro bem melhor, já que a realidade brasileira também impunha estradas ruins.

Somente carros robustos poderiam sobreviver ao panorama do Brasil no final dos anos 50. Possivelmente nas versões sedã e perua, o Crown teria mudado a cara da Toyota ao longo dos anos em nosso mercado, podendo ter se convertido na quinta grande montadora no período de isolamento do Brasil entre 1976 e 1990. Somente em 1998, um segundo produto da marca sairia de uma linha de montagem nacional, o Corolla.





  • Eduardo Brito

    Interessante! Não sabia da história desse carro.

  • Tosoobservando

    Parece que ela ainda nao aprender a entrar em alguns segmentos do mercado, ta ae o Etios que nao me deixa mentir.

    • pedro rt

      e etios e feio mas esta muito longe de ser um produto ruim, ao contrario ele e melhor q os concorrentes em robustez, durabilidade, mecanica, confiabilidade na marca, consumo, desempenho

      • Tosoobservando

        Serio? Com aquele interior e o painel de filizola? E o exterior que parece uma copia mal feita do antigo Logan? kkk Nao, obrigado, passo….

        • Omega

          Sério! Interior e exterior polêmico, mas muito longe de ser ruim, é um carro que tem todas as qualidades e seguranças. É inteligente voce conhecer primeiro o Etios para julgá-lo.

          • Tosoobservando

            Ta bom, paga 50 mil nessa carroça horrorosa e seja feliz, eu vou sofre no meu Hyundai Azera 2011 V6 que custou menos e é um carrão de luxo.

            • Omega

              Seu Hyundai Azera 2011 V6, é um carro muito bom e tem um respeito grande no mundo dos sedans. A diferença é essa amigo, gosto é gosto, é necessário conhecer primeiro o carro para falar bem ou mal dele.

              • Tosoobservando

                Kra nao é questao de gosto, ve se a Toyota vende Etios na Europa, Japao ou Eua? Nao vendem, la é Aygo, Yaris, Matrix etc..

                • Omega

                  Aí cabe ao fabricante por questões estratégicos. Ve se aqui no Brasil a Ford vende a ´serie F-150? Voce não deve criticar o carro por isso.

                  • Tosoobservando

                    Kra tu ta comparando Ford F series com Etios? kkkk Vc tinha de falar pq a Ford vende Ka e Fiesta, o mesmo que vende la fora, na Europa etc.. ae vc pega um modelo especifico e carissimo. Estamos falando de populares.

    • Omega

      caro amigo, tenho um Etios, e não diga ruim algo que voce nunca experimentou. É um carro digno e muito melhor que outros carros.

      • Tosoobservando

        Nao experimentei nem nunca vou, alias Toyota pra mim so se for Lexus, que são carros maravilhosos, agora um remendo indiano lançado pra 3º mundo como o Fetios? kkk passo..

        • Omega

          Se a Toyota não te agrada, fazer o que amigo… há muitos outros consumidores que gostam.

          • Tosoobservando

            Do Etios nao, o carro mal aparece no top 20 mais vendidos.

            • Omega

              Pois é meu caro, então todos os carros que não aparecem no TOP 20 voce não gosta? É questão de gosto

  • Denis

    Engraçado como são os fatos. Os americanos rejeitaram o Crown justamente por ele ser nanico, duro e fraquinho. E não é que eles não estavam errados….. Pois o americano gosta de carros que sejam enormes, macios e potentes. A Toyota cometeu um grande erro em trazer o Crown para EUA. Mas se ela tivesse trazido o seu modelo para o Brasil, hum, com certeza a historia teria tomado um outro rumo. Até quem sabe, um final mais belo, onde o brasileiro da época não era visto como um ser tão exigente a ponto do americano.

  • CignusRJ

    Uma vez, anos 90 acho, vi uma entrevista do presidente da Toyota falando sobre o fracasso do carro.
    Ele disse o seguinte: “é claro que ele não venderia, ele não andava, quem quer um carro que não anda?”
    Pois é, perto dos carros americanos ele não andava mesmo, rastejava.
    .

  • Marcelo SR

    Começaram errando no nome… “Toyopet” é muito estranho… Talvez quisessem que os gringos adotassem como segundo carro da família, ou como um bichinho de estimação… Vai saber,

    • pedro rt

      nesse caso o PET faz lembrar “garrafa plastica, produto descartavel” nao um cachorro ou gato…

      • Redpeak77

        naquela época, não existiam nem garrafas PET, mal existiam coisas feitas de plástico…

  • J_Eduardo

    Mas a pergunta que me veio a cabeça é se algumas das 2240 unidades ainda existem? Se existem, são raros veículos bem colecionáveis, não?
    E outra coisa: este carro pode ter ensinado a TOYOTA, muito do que eles precisavam saber sobre o caminho das pedras no mercado americano e mundial …muitas das conquistas e acertos partem de erros…

    • Denis

      Das 2240, acredito que apenas 1/4 delas ainda estejam vivas para contar…… (Eu que eu diga Etios).

  • Denis

    Ha 50 anos atras, o americano só sabia andar em carros enormes, de motores potentes e de rodar macio. A Toyota foi bastante atrevida em colocar um automóvel que não obedecia a apologia e tradição dos EUA. Tanto atrevimento que fez o Crown ser ironizado por todos, mas encarado como corajoso ianque. Agora em pleno cenário atual, vemos o americano aprende a andar em carros pequenos, de motores oriundos e de rodar duro, como acontece mundo afora. Tamanha quebra de ditadura? Talvez não. Mas a verdade sempre vem a tona quando a Toyota que fazer a sua parte, principalmente em partes em que o Crown se revelou.

    • David

      Entendo seu ponto de vista. Ate porque hoje as familias sao menores. Nos anos 50 e 60 familias tinham 6 ate 10 pessoas. Hoje elas sao no maximo 5 mas o mais comum e mesmo 4. Tanto que essa tendencia segue em quase o mundo inteiro. O Americano e o que e. Isso nao muda. Ele gosta de espaco, gosta das coisas praticas, sao patriotas e estao sempre prontos a ajuda.
      Esse espaco se traduz nas suas picapes vide a F-150 sendo o mais vendido em 39 anos seguida das Silverados, Rams e ate mesmo as Toyota Tundra e Nissan Titan tendo ate a Honda, Mercedes, Hyundai e outros todas lancando picapes que seguem a tendencia americana sem falar nos SUVs que e outro segmento comecado nos EUA. O Americano ele ate compra carros menores para ir e volta do trabalho ou pra quem vai cursa universidade contanto que sejam confortaveis e tenham equipamentos de seguranca. Mas o mais importante e o carro poder anda numa rodovia a 110 por hora sem deixa a imprensao que vai cair aos pedacos. Geralmente isso so acontece em carros maiores o porque de hoje ainda existirem os pony cars, Dodge Challenger, Ford Mustang e o Chevrolet Camaro. Americano gosta de espaco, tanto nos carros, no banheiro e na cozinha onde a familia se reunia no inverno a aproveitava o calor do aquecedor ou do fogao a lenha. Nada contra carros pequenos mas a verdade e que o Americano ele gosta de liberdade, rodovias largas, espacos em shopping pra estaciona sua picape, corredores largos, propriedade com bastante terreno e etc. O Texas tende a representa isso num estado onde eles acreditam que no Texas tudo e maior como o ceu azul, inclusive os pratos de comida.

      • Denis

        Você citou um detalhe que achei fundamental ao estilo americano…..
        “Mas o mais importante é o carro poder anda numa rodovia a 110 quilômetros por hora sem deixa a impressão que vai cair aos pedaços”. Isso não tenha a menor duvida, por que sentir a liberdade em um asfalto que não vai se rachar é um dos fatores mais pregais que o americano nunca vai abrir mão. (E parabéns por seu contexto, achei legal)!!!!!

  • DiMais

    mas esse nome? carrinho de carregar cachorro ou feito de garrafa descartável?

  • Rdassis

    Sabiam que esse 1.5 do Toyopet Crown RS-L hoje em dia equipa o Etios com algumas melhorias… depois falam mal de motores prisma e cobalt.

    • pedro rt

      nao tem nada haver, esse motor do etios e o mesmo do yaris, e sem duvida e muito mais moderno q um motor dos anos 50. nao existe mais a venda motor da toyota dessa epoca no mundo

  • Senhora Liberdade

    Naquela epoca, esse minicar niponico nao vingara devido as grande estradas americanas terem se popularizado nos anos 50, principalmente as famosas interstate.

  • Peter Bishop

    É o mesmo motor do Etios

    • Rdassis

      Sim é o mesmo com algumas gambiarras a mais.

  • José Eduardo Borba

    No Brasil atual, as exigências para os automóveis, são as mesmas do Japão dos anos 50! Duro, de motor pequeno e espartano.

    • pedro rt

      se vc esta se referindo ao etios qubrou a cara pq ele nao e duro nem espartano, ele era sim simples mas a cada ano ta melhorando e ficando mais completo, qto a ser duro ele nao e como um esportivo mas tmb nao e uma barca americana

      • José Eduardo Borba

        Não amigo, me refiro as condições das vias brasileiras, exigem carros aos moldes do pós guerra!

  • Pedro Cunha

    “Somente carros robustos poderiam sobreviver ao panorama do brasil dos anos 50(…)” – Igual como é hoje. A diferença é que hoje mesmo as maiores tranqueiras têm público cativo.