Uber cobra mais caro no Réveillon e gera reclamação de usuários

05/01/2016

uberrr

Quem procurou o serviço do Uber no último dia de 2015, em Belo Horizonte, se decepcionou com os preços praticados. As corridas na capital mineira ficaram até cinco vezes mais caras horas antes do réveillon.

Uma viagem dentro da cidade sairia por R$ 30 no Uber, mas no dia 31 de dezembro, a tarifa praticada era a dinâmica, por conta da grande demanda e pouca oferta de carros. Assim, a mesma viagem saía por R$ 150. Um usuário ao saber disso, trocou o serviço pelo táxi, pagando R$ 50.

De acordo com o Uber, a tarifa dinâmica é uma forma de incentivar mais motoristas a entrarem no serviço, ampliando a oferta de carros para atender uma demanda maior. Os usuários também são informados antecipadamente de alterações na tarifação do serviço.

Ainda assim, nem todos os usuários compreenderam a política da empresa e houve quem pagasse uma pequena fortuna por uma viagem no dia 31. Uma usuária de Brasília (Setor de Clubes Sul) imaginou que pagaria R$ 37 por uma corrida até Águas Claras. No final, o susto foi de R$ 556.

Nas redes sociais, existem relatos de outras cobranças acima do normalmente estipulado. Um deles fala de uma corrida de R$ 82, que saiu por R$ 268. Em outro caso, um usuário ironizou o serviço, dizendo que foi a viagem mais cara de sua vida, após pagar R$ 325 por um percurso de 20 km.

Por não ser regularizado, o Uber não pode ser acionado pelo Procon, pois não existe uma relação de consumo, tratando-se de um serviço informal. Nem mesmo o Código de Defesa do Consumidor pode ser utilizado nesse caso.

[Fonte: Estado de Minas]









  • Gabriel Torque

    o uber AVISA E ESTIMA antes de o cliente solicitar o carro, de quanto está o multiplicador e a estimativa de preço final

    inclusive o cliente tem que digitar o valor do multiplicador para que a chamada seja efetuada

    aceita quem quer

    agora, se a pessoa é BURRA e nao sabe usar um aplicativo, a culpa não é do uber

    • _William

      É, parece que quem vacilou nessa foi quem contratou o serviço no “modo automático” e não prestou atenção. Se o valor é informado ANTES e a pessoa aceitou, não tem do que reclamar. Mas se aparecia 37 reais e cobraram 556 reais, aí sim seria um problema.

    • Diego

      Não basta avisar, o UBER presta um serviço de transporte com preço definido, isso gera no consumidor uma expectativa frustrada. Não é simplesmente, olha , eu aumentei mais de 300% o valor do serviço, escolha se você quiser. Isso tem que ser investigado pelo procon, do contrário vai virar transporte pirata que cobra o que bem entende,por isso que necessita de regulamentação.

      • A própria matéria fala que o preço não é definido. Depende de demanda e procura.
        Preço definido pelo Estado têm os taxis. Ninguém é obrigado a usar o Uber se o preço está mais caro.

        • Diego

          Isso é ilegal, fere o CDC, não é possível prestação de serviço sem que haja definição de um valor. Por isso que é necessário o quanto antes que o UBER seja regularizado para que não haja como transporte pirata. Ninguém é obrigado a pagar o que o UBER acredita ser o valor correto num dado momento.

          • Existe uma lei básica de economia, que Vsa. parece desconhecer. Ela se chama “demanda x oferta”. É a mesma lei que, por exemplo, faz o preço do bacalhau ficar mais caro na época da páscoa, ou o preço de um apartamento de temporada na praia disparar no verão. O único problema aqui é, estimar uma tarifa de 80 reais e cobrar 500. Agora, se falar que pode sair por 500 quando deveria ser 80… cabe ao consumidor aceitar, ou não. Se todo mundo recusar, novamente por demanda x oferta, o preço baixa. Regulamentar só serve pra criar outro serviço preguiçoso como os taxis e onibus, que ganham sendo bons ou ruins.

            • Diego

              Pesquisa a jusrisprudência meu caro antes de sair postando besteira, isso se você souber o que significa jurisprudência.

              • Sergio

                O direito nao pode ignorar as leis economicas amigo. E as leis economicas nao sao feitas por meia duzia de burocratas encastelados em Brasolia, elas sao feitas num processo dinamico de tentativas e acertos entre milhares de agentes economicos onde ambos agem pra sair de um estado de desconforto em busca de uma situacao onde julga haver ganho. É por isso que nao atrapalhar ajuda muito. Ninguem esta aqui pregando terra sem leis, mas o remedio quando passa da dose vira veneno.

          • Oli

            É mesmo? E por que as companhias aéreas vendem a mesma passagem por preços de mais de 1000% de diferença dependendo do dia que você comprou? Deixa de comer leis arcaicas e vai aprender economia…

            • Diego

              Para alegrar as contas dos Escritórios de Advocacia.

              • Gabriel Torque

                reguladores são os novos marxistas

                procon deveria nem existir

            • Senhora Liberdade

              porque o setor aereo atualmente e regulamentado por agencias governamentais em sua maioria nos principais mercados da aviação.

      • João Flávio Naves

        Óbvio que basta avisar, o preço não é definido, é dinâmico. Não adianta código de defesa do consumidor e nem procon já que o serviço não é regulamentado. Agora vai ficar chorando porque não prestou atenção?
        Qualquer final de evento nos EUA ou na EU os preços aparecem com multiplicadores, se não quiser pagar isso, pega um taxi ou anda algumas quadras e solicite o Uber de novo.

        • Diego

          preço dinâmico ? Já escutou falar em práticas abusivas ? Vão cursar uma universidade antes de postarem pérolas. Sem mais !

          • João Flávio Naves

            Sério que você vai discutir que faculdade cada um fez em um grupo carros? Tenta de novo ai brother, certeza que você é melhor que isso. É por causa de pessoas Cri Cri como você, que dão uma de inadvertido, que todo e qualquer processo no Brasil é mais lento e mais difícil. Até mesmo prestar um serviço.

            • Diego

              “tá serto”

              • mauricio

                Diego vc fala em faculdade, mais faltou na aula de economia

                • Diego

                  E você a aula de Português:

                  “Diego vc fala em faculdade, MAIS faltou na aula de economia”

                  Diego vc fala em faculdade, MAS faltou na aula de economia

          • Gabriel Torque

            essa sua universidade doutrinadora dispenso

    • Rubem

      segunto o procon, aumentar 100% o valor de um produto ja é caracterizado pratica abusiva.

      • edson pinheiro de santana

        Então as companhias aéreas estão ferradas!!!!!

      • Sergio

        Tomate mandou lembrança

      • Senhora Liberdade

        mas na pratica a burocracia que envolve o processo de se obter direito sobre x serviço atraves dessas agenciais governamentais nao esta escrito no gibi

  • Tosca16

    NA o novo layout está de parabéns, gostaria só como sugestão de já poder compartilhar os links das matérias na página inicial, ao passar do ponteiro do mouse pelas imagens das matérias .

    • Rodrigo

      Concordo e endosso

    • Guilherme Batista

      O único problema que encontrei no site foi a questão das fotos. Pelo menos no Chrome, não ta aparecendo os botões de navegação nas fotos

    • oscar.fr

      Eu preferia o anterior. A página inicial apenas com o título era mais rápida de ser percorrida e as propagandas na lateral eram menores. Uma sugestão: um fundo preto para o logo do NA no topo do site, está tudo branco demais ainda.

  • Augusto

    “Por não ser regularizado, o Uber não pode ser acionado pelo Procon, pois não existe uma relação de consumo, tratando-se de um serviço informal. Nem mesmo o Código de Defesa do Consumidor pode ser utilizado nesse caso.”. Quem escreveu isso ai tá precisando mudar de consultoria jurídica… ou contratar uma em primeiro lugar…

    • Waldemir Muniz

      Augusto, quer dizer que se você: autônomo, prestador de serviço (assim como um contador ou advogado), resolve cobrar X pelo seu serviço e o cliente concorda em pagar pelo mesmo, ou não, em pagar por tal serviço, ainda que esse serviço de transporte tenha caráter essencial, diga-se de passagem, não tutelado pelo estado, e sem quaisquer vínculos com a administração pública, sequer o vinculo da legalidade, me diga: De que forma o código de defesa do consumidor atuaria? No aguardo, porque eu de fato não vejo meios, à grosso modo em uma comparação distante, imagino um cliente que após saber do valor cobrado em uma petição vá me processar, não tem cabimento, quem dirá num serviço para-legal.

      • Augusto

        Não vislumbro nada a ser socorrido pelo direito no caso em questão, a princípio. Apenas não vejo como o uber não possa ser categorizado como fornecedor de serviço. A para legalidade do serviço é algo completamente subjetivo, forçada até, por um aparato burocrático que não visa o melhor interesse do cidadão. E, superada tal barreira, o Uber não passa de um fornecedor de serviço de transporte pessoal, ou, em última instância, um fomecedor de serviço de intermediação.

        • Pedro Rocha

          O Uber não emite nenhum tipo de cupom fiscal? Caso negativo, trata-se realmente de transporte pirata, não diferindo das infames “lotações”.

          • Sergio

            Se fosse ilegal nao estaria operando todos os dias. É claro que eles atuam num vacuo legal, só falta uma mera regulacao, e que nao seja draconiana, claro. Em direito privado, vale a regra: O que nao é proibido, é permitido.

        • Waldemir Muniz

          Este tema “Uber” estava sendo debatido com alguns amigos, justamente por se tratar de um serviço sem quaisquer vínculos com a legalidade. Ainda que seja por conta do sistema burocrático, não há como ser visto como um prestador de serviço o qual te caiba expectativa de direitos como uma categoria regulamentada com valores de serviço fielmente tabelados, ora, se nem a advocacia o é. Sabemos que assim como tem colegas que cobram os valores definidos pela ordem, há aqueles que cobram o dobro, triplo… Então não vejo como acionar judicialmente, fora caso de danos, entre outros, que ai não entraria no âmbito do cdc, mas sim do cc.

  • HelderV6

    Lei da oferta e procura….paga quem pode.

  • EuMeSmObYmYsElF

    foi a mesma coisa aqui em Montreal..inclusive gente pagando mais de 500 dólares

    http://montrealgazette.com/news/local-news/montreal-uber-passenger-hit-with-600-cab-fare-new-years-eve

  • Fabio Marquez

    Passei o reveillon em Belo Horizonte/MG e utilizei o serviço de taxi, paguei barato, mas tive que ir dando as instruções para o motorista que não sabia o caminho. Pelo menos paguei barato: R$30,00 por 8km de corrida em pleno horário de rush na Lagoa da Pampulha que ocorreu por volta das 23:00 horas. Todos os créditos aos Waze.

  • Augusto Corleone

    Nem tudo são flores, nem tudo que reluz é ouro. Taxi tem seus pontos fracos e fortes e o Uber também tem os seus. E é por isso que eu acho que ele deve ser livre, pois não atrapalha em nada os serviços preexistentes.

  • Que gente chata!

    Se fosse eles trabalhando no réveillon aceitariam fazer corridas a R$ 30? Não, né. Ficariam em casa com a família.

    E como a própria matéria informou, as pessoas tinham a alternativa (CONCORRÊNCIA) de contratar o serviço de um táxi.

    Infelizmente brasileiro tem o sério problema de querer tudo de graça e não valorizar o trabalho dos outros. Isso é resultado de viver sob um governo que diz que o cidadão tem direito a tudo (saúde, educação, segurança), muitas vezes “de graça”. Porém, na prática o cidadão não recebe quase nada disso e ainda paga caro, por meio dos tributos exorbitantes.

  • oscar.fr

    Ué, cadê os fãs do livre mercado? Está certa a empresa. Pelo jeito os fãs da auto regulação do mercado, só gostam dela quando saem ganhando, na primeira perda já querem o Estado regulador. Piada. É preciso ter um mínimo de coerência e coragem para defender tuas convicções.

    • Sergio

      O Uber aumenta o preço e avisa o motorista, pra ele ter um incentivo de sair de casa em pleno reveillon e ir trabalhar. Se nao tivesse nenhum motorista, o preço seria infinito, pois vc teria que ir a pé.

      • oscar.fr

        O meu comentário não foi no sentido de criticar isso. Acho extremamente normal e aceitável cobrar mais neste período, afinal, quem sairia de casa no ano novo para fazer uma corrida Uber por um preço irrisório? Na verdade, o meu comentário foi no sentido de criticar aqueles que se dizem fãs do livre mercado (e de qualquer outra solução econômica ou ideologia) e em face ao primeiro aspecto negativo dela (toda ideologia tem) já abandona o barco.

        • Sergio

          Desculpe amigo, eu estava de saída e quis levantar este ponto que julgo importante, deveria ter colocado ele como post, e nao reply. Mas ja que o dialogo se iniciou, eu nao julgo o livre mercado como ideologia, porque ninguem a moldou, ele é o que é, mas acho que precisa sim de intervencoes cirurgicas. Como tudo na vida, nem ao ceus nem a terra né :)

          • oscar.fr

            Eu discordo, acho o livre mercado uma ideologia das mais fortes e, assim como o socialismo puro, o livre mercado puro é uma utopia.

            • Sergio

              É que livre mercado nao é anarquia, só funciona com o imperio das leis, que devem ser isonomicas.

              • oscar.fr

                A igualdade de direitos é uma ideologia…

    • Sergio

      Lembrando ainda Oscar, que o livre mercado passou longe do Brasil, aqui vale o capitalismo de compadres (Crony Capitalism). Quando tivermos aqui umas 10 empresas do tipo do Uber operando, e mesmo assim tivermos precos altos, aí sim poderemos criticar o modelo de sociedade de livre mercado.

  • Pafpy2k

    Desculpe, mas o código de defesa do consumidor, pode ser utilizada no UBER sim! Qualquer tipo de relação consumo, seja formal ou informal, está coberta pelo CDC. Você pode utilizar o CDC até mesmo quando compra um produto no camelô. Basta o fornecedor do produto/serviços se utilizar da atividade como forma de renda para que a relação fornecedor e consumidor esteja estabelecida. O CDC só não se aplica nos casos em que, por exemplo, você resolve colocar a venda a sua TV de casa. Assim, todos os casos que você não vive disso, você não é fornecedor.
    Quanto ao fato do UBER cobrar mais caro, desculpe, me parece bem claro a regra do jogo no aplicativo. Se as pessoas não sabem ou não conseguem ler, por estarem embriagadas talvez, é outra história.

    • Rubem

      mas na regra do jogo, segundo o procon, aumentar em 100% o valor de um serviço ou produto, é pratica abusiva.

      • Pafpy2k

        Não sei onde no CDC isso se encontra.
        Não sou especialista no assunto, mas comecei a estudar para concurso público. Assim, o que posso citar do CDC a SEÇÃO IV (das práticas abusivas) Art. 39 item X – “elevar sem justa causa o preço de produtos ou serviço.” é que me parece que o UBER não praticou abuso, pois ele explica como funciona o serviço e justifica o aumento de preço pela diminuição da oferta de carros frente a demanda de clientes.
        Inclusive, é esta mesma relação de demanda que faz com que o preço seja menor do que uma corrida de táxi, quando há mais carros do UBER na rua do que clientes querendo o serviço.
        Em ambos os casos o aplicativo te fornece uma previsão do custo do percurso que você fará, podendo você escolher em utilizar o serviço do UBER ou pedir um Táxi ou utilizar qualquer outro meio de transporte.
        Novamente, não sou especialista no assunto, apenas estou colocando informações de meus entendimentos sobre estudos recentes.

  • Rubem

    o problema é que ja tem motoristas uber ( piratas) ficando off line para forçar o modo dinamico. O uber sabe disso, mas vai regular isso para que né? Uma simples solução seria em, ao ficar em off line, o pirata não poderia ver nenhuma informação a respeito da demanda de passageiro. Mas ai a uber tb vai perder o filé.

  • Rubem

    quanto a gente achar normal uber cobrar 2, 4 ou 5x em cima da tarifa, no procon isso se chama pratica abusiva. Isso é praticamente igual a taxista recusar corrida por conta de interesse do trajeto. Olha, se fosse taxista fazendo isso, quanta gente que defende uber iria falar mal aqui…

    • E por que o taxista deveria trabalhar pra ter prejuízo? Você gostaria de trabalhar pra ter prejuízo ao invés de lucro?

      O mercado se autorregula, não precisa de Estado pra regular nada. O problema é que no Brasil não existe livre mercado justamente porque o Estado mete o bedelho em tudo e não permite que as empresas e trabalhadores individuais concorram de verdade para fornecer o melhor serviço para os consumidores.

  • André Martani

    Tava demorando, até me espantei…rs

  • Christian Balzano

    Cedo ou tarde iriam aparecer os problemas. Acho que será o primeiro de muitos. E ainda de um trampo sem regulamentação sindical ou trabalhista.

  • Felipe Mn.

    Acho que o pessoal está precisando entender o conceito de serviço e o contrato que existe que se chama Termos de Serviço…

    Querer regulamentar tudo e dizer que foi prática abusiva de preços… Estão precisando entender melhor o sistema ao qual estão incluídos, o capitalismo!

  • CanalhaRS

    Pagou mais quem quis, existe concorrência: táxis, ônibus, vans, trem, etc.

  • Aldrovando Castro Junior

    Fico triste pelo comentário do repórter, que o Uber por não ser regulamentado não pode ser acionado, pelo amor de Deus santa ignoância…é claro que pode sim.

  • Lauro Agrizzi

    Entendi. O Procon só fiscaliza quem não precisa ou seja esta regularizado.Quem esta irregular e frauda o consumidor então esta livre de qualquer ação por parte das autoridades. Durma-se com um barulho desses. Só mesmo no Brail. Esse governo do PT é uma avacalhação.

  • Lauro Agrizzi

    Só avisar não basta. Estou de assaltando e tudo bem? Para com isto!

  • Alexandre Maciel

    A meu ver o fato de o serviço não ser regulamentado não torna a relação de consumo inexistente. O CDC existe basicamente para proteger a parte hipossuficiente da relação de consumo, i.e., consumidor, e querer que a mesma seja duplamente penalizada (pela inadequação na prestação do serviço/abusividade dos preços praticados e em face da ausência de regulamentação) soa como miopia de quem acredita que a relação de consumo só pode ser tratada junto a órgãos de defesa do consumidor.

  • Davi Millan

    Esses brasileiros… O Uber avisa o valor estimado antes da contratação do serviço, se a pessoa aceitou, problema dela. Além de mais que isso é questão de mercado, se a pessoa não aceita o preço, vai de taxi e se não gosta do serviço de taxi, vai de Uber e é assim que deve ser.

  • Vattt

    Paga quem quer ou “quem pode”! Brasileiro tem de parar de pagar por impulso ou de se taxar de pobre ao negar pagar um valor alto por produto ou serviço. Na verdade brasileiro é burro o suficiente pra dar uma de ricão pro vizinho, dai leva sem cuspe e com areia por gostar de ser METIDO a rico.

    BRASIL O PAÍS DA OSTENTAÇÃO