Etc Longform

Uma questão de acabamento

renault-sandero-2012-avaliacao-auto-press-3

Em dezembro de 2013 escrevi para o Notícias Automotivas um artigo sobre garantia (Garantia: quanto custa?) e, devido a uma situação vivenciada recentemente, resolvi escrever sobre outro aspecto que pode auxiliar na escolha de um veículo: acabamento. Para isso, vou citar dois veículos: um considerado pelas revistas automotivas como detentor de um acabamento simplório e outro considerado com um bom acabamento.

O primeiro veículo é um Renault Sandero, ano 2012, com mais de sessenta mil quilômetros rodados, pertencente ao meu irmão. Tenho andando constantemente no veículo, no qual notei algumas características. Basta olhar com um pouco de atenção para perceber desalinhamentos e rebarbas nos encaixes de algumas peças, bem como parafusos aparentes e uma “esponja” entre o painel e o para brisa, como se o painel fosse curto e a tivessem colocado no local para não ficar um vão. Até aí, características negativas, facilmente encontradas/citadas em fontes especializadas.

Notei, porém, outras duas características. A primeira é que todas as peças, bem como as partes de tecido, estão como novas, sem folgas ou riscos, com excelente aspecto de conservação. Não há uma peça quebrada ou com aspecto de desgaste. A segunda é que, mesmo rodando em diferentes vias, com e sem pavimentação, existem pouquíssimos ruídos no acabamento. Não notei nenhum que possa ser considerado persistente ou de um local específico, como “grilos” no banco do motorista, por exemplo.

O segundo é um Ford Ka, ano 2015, com aproximadamente seis meses de uso e pouco mais de nove mil quilômetros rodados, pertencente a um colega de trabalho. Semana passada, peguei uma carona e fiquei observando o veículo, pois era a primeira vez que estava andando no modelo novo.

Pude notar que, conforme constante nas fontes especializadas, o veículo não possui peças desalinhadas ou com rebarbas aparentes, trazendo um aspecto de bom acabamento geral. Porém, ao olhar para a porta, a primeira decepção: o acabamento em tecido estava solto. Perguntei ao meu colega sobre a situação. Ele respondeu que o do seu lado também estava assim, e que não era por mau uso. Ou seja, o tecido estava soltando somente pelo rodar, segundo ele.

Como o banco do passageiro estava muito para frente, fui ajustá-lo e, para minha surpresa, a alavanca estava “presa”, não funcionando. Ele relatou que um outro colega foi ajustar o banco e ele correu todo para frente, trancando a alavanca. Notei também que, ao passar sobre paralelepípedos, alguns ruídos oriundos do painel faziam-se presentes. Para completar, algo que é apontando como uma característica do veículo, mas que, para mim, não causou boa impressão: o fato dos acabamentos das portas dianteiras (das traseiras não verifiquei) serem “sugados” ao fechar os vidros do carro.

Com base nesses dois exemplos, manifesto a minha opinião de que, para que um veículo possua um bom acabamento, deve-se considerar não somente o cuidado na finalização e nos encaixes das peças, mas também a durabilidade do conjunto.

E existem no mercado opções (considerando a categoria dos carros citados e o ano do Sandero, que pertence a versão antiga) que conseguem unir essas duas características de melhor forma. Pesquisar a respeito do veículo e conhecer as principais reclamações podem evitar decepções futuras. Concluo como terminei o outro artigo, esperando que o exposto sirva como mais um entre tantos fatores que levam a escolha do próximo automóvel.

Guilherme Stoffel Messerschmidt





  • Mauro Schramm

    Percebi algo nesse sentido com os carros aqui de casa:

    -Fiesta Titanium com pouco mais de um ano e 20.000Km rodados com acabamento em perfeito estado, sem barulhos, apesar da aparência tosca dos plásticos.

    -City EXL com cerca de 3 meses de uso e já apresentando ruídos no painel, apesar dos materiais possuírem aparência bem melhor.

    • Bruno Wendel Marcolino

      Fiesta nacional ou mexicano? Pois o pessoal comenta que o nacional piorou bastante em relação ao mexicano.

      • THE GUNSLINGER

        Pouco mais de um ano tem que ser o nacional.

        • Bruno Wendel Marcolino

          também acho que seja, só queria confirmar.

        • Foxtrot

          O sedan ainda é importado do México, não?

          • Junoba

            O Sedan ainda vem do México.

          • THE GUNSLINGER

            Mas no caso não é o sedan.

      • Alexandre Maciel

        Ambos usam plástico do mesmo tipo. O interior do Fiesta agrada mas não surpreende; e isso já era nítido desde as versões com a frente antiga. O Honda tem interior com aparência bem melhor e eu já percebia isso quando tive o Fit da geração passada.

        Porém, tal situação não quer dizer que o Ford não agrade. Seja nacional ou mexicano, o Fiesta é apenas razoável. Outro detalhe é que o mexicano tem o interior do que é vendido nos EUA e o nacional segue o interior do que é vendido na Europa. Essa é a maior diferença.

        • André Palmeira

          Na verdade creio que ambos os Fiestas ( americano e europeu ) tem o mesmo interior e o brasileiro seguiu o estilo de interior do modelo sem facelift de 2013, como se só tivessem mudado o carro por fora

          O com interior bege é o europeu, o da terceira foto é o sedan vendido no Brasil (americano) e segunda foto o nacional, dá pra perceber que o próprio painel é diferente pelo encaixa da tampa do porta-luvas com o resto do painel e pelo volante

          • matheusguila

            Cara, tem certeza que a segunda foto é do modelo brasileiro?! O som parece bem diferente…

          • Stark

            O primeiro e o terceiro são mexicanos, sendo o terceiro vendido no Brasil (Fiesta Sedan Titanium Plus). O segundo parece ser o europeu, pois conta com um sistema de som diferente.

            O Fiesta vendido na Europa tem o mesmo design do painel que o brasileiro (provavelmente com materiais de qualidade superior), enquanto o mexicano tem painel e volante diferente.

            Nenhum deles teve o painel alterado por conta do facelift. O do Fiesta hatch vendido aqui mudou pois passou do painel mexicano para o mesmo estilo do europeu, relacionado a produção local, e não ao facelift.

            • Rodrigo Alves Buriti

              Na verdade tá mais ou menos assim, não sendo 100% brasileiro.
              -O primeiro é o europeu antes do face-lift,

              -O segundo é europeu/brasileiro, porém muda o som Sony (que sou doido por ele) e base do câmbio em piano black (vi um Fiesta sport e não era Piano Black, pena, por isso não considero a foto como brasileiro), fora a posição do USB/12v diferente.

              -O terceiro é o americano.

              • Stark

                O primeiro é mexicano (vendido também nos EUA). O mexicano continua com o mesmo interior pré-facelift.

                O segundo é mesmo o europeu, com pequenas diferenças para o brasileiro (incluindo o som). O europeu sempre teve esse painel, seja antes ou depois do facelift, parece que muda só o acabamento nas portas.

                O terceiro é mexicano (vendido também no Brasil), na versão Sedan Titanium Plus, que conta com central Sony, teto solar e outras coisas. Esse ainda é vendido aqui.

                Pesquise por fotos e vídeos da época, e poderá comprovar o que eu disse.

          • FocusMan

            Não. Este painel ai é pode ser encontrado a venda aqui no Fiesta Titanium Plus Sedan.

            O Painel do Fiesta Hatch nacional segue o acabamento do Fiesta Europeu, sem plático macio injetado.

            O Fiesta Americano tem essas características por não ser um carro utilitário como chamam os Europeus e sim um carro de nicho, onde geralmente andam adolescente acostumados com carros de melhor acabamento.

            Todos os outros detalhes são semelhantes, sendo que o Fiesta Brasileiro tem o motor aspirado mais potente da linha em todo o mundo.

            • Marcio Santos

              Eu já vi em reviews que o painel do fiesta europeu tem sim material macio, assim como o mexicano.
              No link abaixo tu pode ler na seção “ford fiesta dashboard” que o painel é feito sim com superfície macia.

              • FocusMan

                Somente nos Titanium.

      • Dyhalto-BR

        Tive um hatch nacional tbm, rodei muito. N tinha o que reclamar de acabamento e nem barulhos (e tbm n tive problema com o “powerSHIT” como muitos andam tendo).

      • Mauro Schramm

        Nacional.

      • pedro rt

        o melhor carro pequeno da ford no acabamento e o new fiesta sedan q continua sendo importado do mexico

        • th!nk.t4nk

          New Fiesta brasileiro também tem um interior bem robusto. Pode não ser emborrachado e perder outros detalhes, mas é bastante sólido e silencioso, coisa que o Fit nunca foi em geração nenhuma. Não sei o que a Honda fez naquele carro pra virar sempre uma escola de samba com poucos km rodados. É o “bonitinho, mas ordinário”.

          • Gustavobrtt

            A Honda não fez nada, o consumidor é que ainda não entendeu que o FIT é um projeto de baixo custo.

    • Rodrigo Alves Buriti

      Em relação a matéria, já tivemos um sandero (após facelift) e não percebemos rebarbas nem mal encaixe, embora o plastico duro e não muito agradável ao olhar, não fazia barulho nem forçando por estradas irregulares, terra e etc. Já um fox 2011 parecia uma batedeira (até um dia eu mesmo colocar uma fita na tampa do airbag que estava solta, pois a concessionária negou verificar o barulho).

      Já ao New Fiesta, comprei esse ano um 2013, ainda mexicano. Fui ver um zero na loja e após isso ver um mexicano seminovo, estranhei e olhei novamente o brasileiro. Acabei por sorte encontrando um Hatch mexicano, com 18mil km, versão top (equivalente a titanium com 7 AB e etc). Não tive dúvidas, peguei a mexicana, painel emborrachado, arremates bem feitos, plástico de bom tato e agradável. O brasileiro só me deixa com a vontade de ter as luzes internas azuis, fora isso não troco o meu pelo brasileiro (o sedan titanium, quando importado, tinha o interior igual ao pré-facelift).

      Para mim a ford cagou nos arremates do Fiesta, mesmo sendo bem encaixados (os 2013 eram um terror) creio que ficou devendo para o modelo pré-facelift.

      • Guilherme Gaúcho

        Meu sedan 2014 fechou 60000 km impecável. Sem grilos, sem panelas batendo, funcionando muito bem. Tive o traumático problema no powershit, trocado na garantia, voltou a rodar suave e agradável.

        • Rodrigo Alves Buriti

          Meu hatch mexicano mesmo com Rodas 16 ele não faz barulhos. E olha que rodo em Manaus, pior que os desertos de Mad Max. kkkkkkkk
          Só tenho pena da frente bicuda e baixa que já dei umas raladas :(

          • Guilherme Gaúcho

            O meu é o titanium, tb tem roda 16, coloca pneu 195/55 em vez do 50 original, melhorou demais a “baixeza” da frente

            • Rodrigo Alves Buriti

              Só no próximo jogo, estou com um novinho.
              Dá muita diferença no velocímetro?

              • Marcio Santos

                Tenho um sedan mexicano com aproximadamente 20.000km, parece novo, sem nenhum grilo interno, construção impecável.

      • Stark

        O sedan continua sendo importado, seja nas versões SE, Titanium e Titanium Plus, e continua com o mesmo interior pré-facelift.

      • afonso200

        fox é só grilos, ta lokooo

    • Fábio Dantas

      Camarada, tenho um Fiesta 2015 comprado em janeiro e com 16.000 km rodados. O nível de ruído dele, hoje, está equivalente ao do meu antigo carro, um Clio 2011 vendido com 90.000 km. Sinceramente, amo o carro, mas esse desleixo da Ford me irrita. Nem o consumo pouco moderado me incomoda tanto.

      • Marcio Santos

        Tenho um mexicano sedan com frente aston martin e o consumo é excelente, na estrada não faço menos de 16km/l e na cidade faço quase 3km/l a mais do que fazia com um focus.

  • Felipe Padilha Braga

    Tinha um Astra 1999 do qual não tinha nem um barulho interno(Painel emborrachado). Após o Astra, tive um Crossfox 2006(Acabamento interno HORRIVEL que me dá um gelo na espinha só de recordar do barulho interno), e atualmente estou com uma Ecosport 2010(Só o porta luvas que é barulhento). De todos, o Astra com seus 276mil kms rodado, era o menos barulhento.

    • ALVIN_1982

      Qualquer Chevy antes de 2005 são excelentes em acabamento… já os de hoje, talvez do Cobalt pra cima sejam mais dignos um pouco…

      • Ricardo

        Carros hoje em dia com bom acabamento só mais de 60 mil reais.

        • Alexandre Maciel

          Alguns acima desse preço pecam também. É complicado.

          Mas isso se deve principalmente às nossas ruas horríveis. Se temos péssimo pavimento, não temos como escapar dessa desgraça, salvo algumas exceções. Como exemplo, um primo tem um Fusion Titanium AWD, passados quase 2 anos, o carro permanece sem um ruído interno sequer.

        • Se comparar com os carros da década de 90 para trás, nem os de mais de 60 mil. Antes você notava explicitamente a diferença de um Gol e um Vectra, por exemplo. O segundo era abarrotado de superfícies aveludadas, acabamentos emborrachados até nos puxadores de porta, cuidados extremos na escolha de materiais.
          Hoje em dia você entra em um Fox e depois em um Jetta e… não se vê tanta diferença assim. Tirando o painel emborrachado no sedã médio, há uma forte sensação de que o cluster é muito semelhante, de que os forros de porta têm qualidade de material empregado ali muito parecida… a diferença entre carros de classes distintas ficou bem menos perceptível no visual, isso é um fato.

          • Alvaro Guatura

            Exato.. nossos carros por fora parecem os europeus, mas economizam em tudo, não só no acabamento como em coisas mais importantes, como as soldas.
            Parece mas não é.

          • Edson Fernandes

            Além do que nos arremates hoje não existe um esmero superior em um sedan médio perante um compacto. Antes o cuidado para ter a percepção de qualidade era muito maior.

            • Um bom exemplo? Comparar o 208 com o Lounge. Tirando o painel emborrachado e o belo revestimento em couro nos bancos do C4, considero o nível de acabamento dos dois muito semelhante. E no caso do painel, o acabamento em plástico liso (muito semelhante ao que se vê no Civic) utilizado no 208 é também de muito bom gosto e agradável ao tato. Não dá pra se dizer que o acabamento do compacto fique devendo significativamente ao sedã médio, que no fim das contas são carros do mesmo grupo.

              • Rodrigo Alves Buriti

                Poucos os carros que painel emborrachado. um megane 2008 que a gente teve tinha esse painel emborrachado. Muito bom, infelizmente caiu uma folha nos dutos do ar e, ao abrir o painel para explorar sem sucesso, fechei e quebrei duas travas…..aí não teve jeito pros grilos :(

            • FocusMan

              Edson, o problema é que os nossos carros médios de hoje não são os de antigamente.

              Monza, Santana e Del Rey eram carros equivalentes a Opel Insignia, VW Passat e Ford Fusion.

              A culpa é dos japoneses que mataram essa categoria no Brasil quando trouxeram as novas gerações de Corolla e Civic que chegaram maiores, e com melhor acabamento.

              O Consumidor padrão brasileiro médio que não entende bulhufas de carro se seduziu pela confiabilidade e pelos bons serviços nipônicos e a história você já conhece. A GM teve que lançar o novo Vectra baseado no Astra, VW nunca lançou outro médio, tirando o santana de linha sem nunca lançar um novo Passat nacional e a Ford, única que ainda vende bem sedans médios-grande, vem logrando exito com o Fusion desde 2008, mas ainda assim é um carro importado.

              • Edson Fernandes

                Eu entendo. Porém o que me preocupa no consumidor que o comparativo sempre é nivelado por baixo.
                O cara que compra um Sandero, Ka, entre algusn dessa faixa, não conhece um carro superior porque não tem condição e logo não conhece.
                O nivel de exigencia é baixo, porque além das pessoas que se conformam em ter um carro novo e inferior ao do passado, tem aqueles que não conhecem nada sobre os modelos, então de repente, coisas como um acerto mecanico para conforto, um motor que responde melhor sem precisar trocar de marcha a todo tempo, mas principalmente não ter um conteudo multimidia como os atuais, fazem do carro atual “tecnologicamente” superior.
                Sabemos que não é assim, porém muitos modelos que possuem “telinha” são reconhecidos como “nave” enquanto sabemos que um carro é muito mais que uma tela no painel.

                • Redpeak77

                  Cara, eu trabalho com um material “anti-grilo”. Quando eu o ofereço, sabe o que eu ouvi de um dos clientes (montadoras ou fabricantes de peças)? “Os clientes no Brasil ficam felizes só de poder comprar o carro. Você acha que ele vai se preocupar com esses detalhes?”
                  De fato, é o que você explicou mesmo… na faixa de volume, as pessoas não tem acesso a carros melhores e a saber o que é qualidade, e assim a qualidade dos nossos carros fica relegada a segundo plano…

          • Ricardo

            E os materiais usados no Gol eram de muito mais qualidade que os populares de hoje em dia.

            • Não, não era. Pode haver um saudosismo aí, mas tive todas as gerações reais do Gol. Hoje é muito difícil você encontrar Gol com as aletas de saída de ar inteiras, painel que não esteja rachado, principalmente os BX e o geração 3. Mesmo mais simples, a qualidade do interior do G5/G6 é superior. Ele ficará por mais anos íntegros.

              • Ricardo

                Mas pelo menos o material do console, até o Gol G2, é bem melhor que o atual.

                • Ah sim… Vamos conceituar que acabei cometendo uma injustiça ao ser genérico. O painel do Gol pós Autolatina não faria feio nos populares de hoje. O Gol Bola também seguiu essa linha e hoje não é tão complicado achar um interior de Gol Bola inteiro (Um trunfo da simplicidade). Mas paremos por aí. O Gol G3, a despeito de ter um interior visualmente melhor que muito VW top de hoje é talvez o mais frágil que já vi em um carro nacional. Hoje se você ver um interior de G3 com as aletas da saída de ar inteiras pode se considerar raridade. O porta-luvas é um treinamento de box para fechar. Não compensa gastar palavras com o interior do G4. Nosso tempo escrevendo aqui já pagaria aquele painel. Aliás, é pior que o painel do primeiro Gol de 81. Mas sabe de quem é a culpa? É nossa! Nós aceitamos o menos por mais. E nada melhor para ilustrar isso que Celta e Gol G4. Compare o interior do Celta com o primeiro Fiesta nacional. É mais ou menos como comparar um carro nacional daquela época com seu similar europeu. Mas quem se deu melhor no mercado? Porque aceitamos o Celta, se ele era inferior ao Corsa que nós já tinhamos? Depois dele o próprio Fiesta regrediu em acabamento, o Mille que ameaçava ser uma carroça de luxo voltou a ser um pé de boi, e nós não apenas deixamos de ter um Gol como interior de Audi, como aceitamos um clone do Celta e o transformamos em nosso líder! Se o Celta tivesse sido relegado ao seu papel, junto com o G4 de serem “QQ’s” mais confiáveis tenho certeza que nosso mercado teria o respeito que hoje buscamos. Mas erramos e pagamos por isso.

                  • Isso ocorreu também nos sedãs médios. Vectra e Santana tinham acabamento bem diferenciado em suas versões mais equipadas, com muitas superfícies aveludadas, emborrachadas. Aí vieram os japoneses, com interior executado com materiais bem mais simples, muito plástico, coisa não muito distante do que se tinha nas linhas de entrada, e tomaram conta do mercado.
                    Logo o Santana foi sendo modificado para pior, perdendo requinte e acessórios antes de sair de linha. Já o Vectra de segunda geração deu lugar arremedo que foi o Vectra G-III, que nada mais era que um Astra europeu com porta-malas. Lembro que fiquei indignado quando fui em uma concessionária com meu Vectra 97 (tinha um na época) para conhecer o “novo Vectra”. O interior dele para mim era o de um “Corsão”, com materiais de baixa qualidade táctil e visual espalhados por toda a cabine. Os Vectra G-III de entrada então… tinha a impressão que me sentia melhor dentro do Corsa G-II que a minha esposa tinha na época que dentro de um deles.
                    É aquela coisa, o mercado pediu, montadoras atendem. Hoje todos os sedãs médios pouco se diferem internamente do visual de veículos das linhas de entrada.

                  • Ricardo

                    Realmente o Gol G3 teve o interior mais bonito de todos mas os materiais usados são uma porcaria.

                • Rapaz, console com material com bom visual hoje só de sedã premium pra cima. Raro o sedã médio que tenha algo diferente daquele plástico duro ali.

                  • Ricardo

                    Carros da Ford e Hyunday tem interiores com visual bonito mais os materiais de acabamento continuam sendo um lixo.

              • Marcos Souza

                Exato, lembro que meu pai comprou um gol 88 pro meu irmao anos atras e a primeira coisa foi desmontar o painel e encher de fita espumada pra tirar os grilos do carro.

            • Interessante era entrar em um Gol CL e em um Gol GTS. Eram carros que tinham o painel inteiro completamente diferente, com qualidade visivelmente superior no modelo top de linha.
              Hoje você entra em um Gol básico de 30 e poucos mil e em um Voyage Evidence de quase 70 e o painel é o mesmíssimo. Não concordo com isso.

              • Ricardo

                Já comentei isso, não ligaria de pagar mais por esses carros populares com motor 1.6 e mais equipados, desde que tivessem um acabamento melhor, mas não, vc num carro popular básico se sente como num popular completo.

              • Gustavobrtt

                isso é minha birra também. Mas o problema é o consumidor que aceita pagar caro, fazer o quê. O valor percebido do produto está apenas na parte externa. Gpostaria de interiores mais caprichados e diferenciados.

              • Vagnerclp

                Sim, tive um GL 1.8 “chinezinho”. Já tinha uma diferença razoável pro CL, como por exemplo o painel não era de plástico “seco”, tinha uma camada de um material mais macio. Outra coisa era o painel das portas, pois no CL não tinha porta-trecos. O acionamento das luzes no GL eram conjugados nas laterais do cluster de instrumentos, enquanto no CL os botões ficavam em outro lugar, de pior acesso. O porta-luvas e o porta-malas tinha luz, hoje tem carro bem mais moderno que não tem isso.

          • Mas porque o cluster deveria ser diferente?

            • Não digo diferente, mas sim apresentar aparência diferenciada em termos de nível de acabamento. No Golf isso foi feito com desenvoltura. O Jetta remodelado deu uma melhoradinha nisso, também.

              • Então Ubaldir, o que questiono é o “mudar por mudar”. Vamos a um exemplo: O cluster do Gol parece com do Passat. A iluminação branca utilizada nele é perfeita, pois permite visualização em qualquer horário do dia sem cansar (Ao contrário do azul da própria VW, que cansa muito os olhos embora em um primeiro momento seja mais bonita de ver). Fora isso são do tamanho adequado, muito melhores que do Novo Palio por exemplo. Falando especificamente desse detalhe: Porque a iluminação de um Passat ou Phaeton que seja teria que ser diferente? Ter visualização perfeita , tamanho adequado sem cansar é algo em quem o motorista do Gol tem que ter no mesmo nível que o motorista do melhor produto da casa. Sei que não é sua idéia, até porque acompanho seus comentários, mas aproveito ele como gancho: Muita gente dirá que o motorista de um Passat precisa se sentir “diferenciado”. Esse sentimento “jabuticaba” para mim não faz sentido. O cara terá mais espaço interno, motorização e ajuste mecânico superiores, itens de conforto que o irmãozinho pobre não terá em mais de mil gerações e até mais segurança (O que eu também discordo: A vida do motorista do Gol não vale menos que do Phaeton). O cluster eu não vejo porque deveria ser diferenciado. Aros prateados, uma animação a la Fusion Hybrid tudo bem, a possibilidade de customizar.. Mas ser diferente por diferente não vejo sentido. Abraços.

                • O diferenciado que eu digo é mais no sentido do que ocorria nos carros dos anos 90, mesmo com relação a versões de um mesmo modelo.
                  Um exemplo, a Parati: uma CL tinha painel de plástico rígido, desenho mais simples, cluster de determinado padrão visual, mais simples e despojado. Já uma GLS tinha outro desenho de painel, com superfície alcochoada, clusters completamente diferenciados em padrão visual e materiais aplicados. Ok, a Parati GLS custava o dobro da CL.
                  Mas vejamos hoje: você entra em um Gol 1.0 da linha mais básica, que é vendido na faixa de pouco acima de 30 mil reais e depois entra em um Gol Rally, vendido pelo dobro do preço e… o painel é exatamente o mesmo, os forros de porta são basicamente os mesmos (com um pedacinho de pano a mais, no máximo), trocam-se basicamente os bancos. Não sei, não acho correto, é economia de escala demais. Gostava mais dessa diferenciação dos anos 90, e acho justo quando a montadora é capaz de cobrar preços tão distintos por versões de um modelo, que apresente diferenciais em contrapartida, em especial em itens ligados à requinte, e não naqueles ligados à segurança, onde acho que mesmo os modelos mais baratos deveriam atender a requisitos de excelência.

        • ObservadorCWB

          Pode subir pelo menos 15k…

        • Marcio Santos

          O new fiesta mexicano custa 55k e tem acabamento e montagem excelentes.

      • Fabio Marquez

        A Spin apesar de feiosa tem o acabamento todo no lugar, viajei em uma e apesar ser um carro de frota e em pouco mais de um ano de uso já ter rodado mais de 150000 km não notei barulhos ou peças soltas.

        • Gio

          Realmente o acabamento é bem resistente. Mas todas que eu andei (na maioria, Taxis, é verdade) contavam com peças desalinhadas (aquela tampa do porta-luvas geralmente é uma delas) e com muitos plásticos riscados e ressecados, de má aparência..

          Claro que a maioria dos carros fica degradado ao servir de Táxi, mas o interior da Spin me deixou com uma grande saudade da Zafira.. E acho até que o interior da Livina e da Meriva me passavam impressão melhor.

          De qualquer maneira, concordo que o acabamento não bate e parece ser resistente.

      • Vitor Barcellos

        O Cobalt pode ser feio, mas tem um bom acabamento. Minha sogra tem um, anda com ele em estradas de chão, e com mais de 70 mil, não tem barulho interno.
        obs.: A GM podia dar um jeito na beleza do Cobalt nesse facelift rs

        • Lucas de Lucca

          É muita feiura pra resolver só com facelift.

        • você quis dizer dar um jeito na feiúra dele, né? :)

    • Bruno Wendel Marcolino

      Tive um Fox 2009, da mesma geração do seu Crossfox e é a mesma coisa!!

      Minha esposa queria um Fox de novo porque ela gosta do estilo, mas fico no meu 207 por um tempo ainda, bem melhor, mesmo tendo alguns ruido, infelizmente compactos brasileiros tem esse tipo de problema.

      • gveralonso

        Fox não da para ter sem barulho, meu avô tem um Comfortline 2015 com 4 meses de uso e já está cheio de grilos na tampa do porta-malas e nas portas. Já teve um CrossFox 2011 cheio de grilos na roda pendurada.

        • Bruno Wendel Marcolino

          eu sei kkkkkkk

          estou fugindo do Fox.

          • Antonio Pacheco

            Pois é, o pessoal fã das críticas de “rebarbas e encaixes mal feitos” sempre elogia o acabamento dos carros VW, desde o Gol, sem rebarbas. Tive uma Saveiro 2012 e agora estou com um Gol 1.6 2014, e ambos tem bastante barulho interno, apesar de não terem rebarbas.Tive um Palio 2006 que era mais silencioso, com exceção do tampão traseiro, que no Gol ainda não está batendo.

            • Bruno Wendel Marcolino

              sim, exatamente o que a matéria quis explicar, os materiais podem estar bem encaixados, sem rebarbas, porém com o tempo fazem barulho.

              Nesse caso a VW está se saindo bem hehe.

        • th!nk.t4nk

          Confirmo, o Fox atual também faz barulhos de acabamento. É incrível como aparência interna não condiz com qualidade, e todo mundo se engana nisso.

          • PEDAORM

            Ainda acho melhor que o do Fiesta, pela minha impressão em convivência com ambos.

      • ObservadorCWB

        O UP infelizmente segue esta tendência.

        • Bruno Wendel Marcolino

          a Versão Take up! é um terror, além do painel feio pra burro os barulhos existem.

          Na Move up! pelo menos o painel fica mais “bonitinho”

        • Gênesis Cardoso da Cruz

          Tenho um Hig Up!, 20.000 KM, sem um barulhinho sequer.

    • Alvaro Guatura

      De Astra 99 pra CrossFox, é mudar de um carro pra uma bicicleta ergométrica… Terrível aquele Fox mesmo, já os novos agradam muito
      Ainda bem que você não passou pela geração antiga da Ecosport, era do mesmo nível do 1o Fox

      • Felipe Padilha Braga

        E olha que meu Astra tinha as Rodas 17 com perfil 40. Ainda assim era mais confortável que o Crossfox, e menos barulhento. Teto-Solar, Airbag Duplo, Freios ABS e a Disco nas 4 rodas..Tudo original de Fábrica! Era Top meu bebê ;(

        • ObservadorCWB

          E quem não lembra do Astra Elite ?? Carrinho andava muito (o 2.0 monzatech não era limitado pelas “emissões”) ultrapassava os 140Cv. Possuía AB frontal e lateral para passageiros da frente. Muito legal o carro para época.

        • RyanSX

          Eu tenho um 1999/99 e é um excelente carro (embora seja beberrão pakas) tirando isso e os atributos que chamam a minha atenção nesse carro é o Ar condicionado que gela tanto que mesmo com o sol queimando fora do carro, la dentro esta bem geladinho e chegando a incomodar quem não gosta muito de frio kkk..

          Outro ponto é a direção dele que é eletro/hidraulica. Muito precisa e responde muito bem e em velocidade não fica aquela coisa parecendo carrinho de brinquedo, é bem pregressiva. Nas manobras é bastante leve até com dedo se consegue manobrar, porém não é tão leve quanto uma totalmente elétrica porém ela também não rouba a força do motor para funcionar. Pena que de 2000 para 2001 tenha sido substituída pela hidráulica comum.

          Não sei o seu, mas o meu era o modelo com todos os opcionais da época, menos o teto solar (triste kkk) enfim, o carro tem até regulagem interna do facho dos faróis e isso ajuda muito em viagens com o carro lotado.

          E por ultimo, a posição excelente de dirigir, não encontrei carro melhor dentre os compactos/premium e entre alguns médios. Simplesmente adoro a posição em que você se encaixa no banco do motorista e tem as regulagens necessárias e precisas fora o banco de couro que é bastante macio. Air bag, cinto de tres pontos para todos e encosto de cabeça para 4 pessoas.

          Se eu for ficar falando aqui vou escrever é uma opinião do dono: Chevrolet Astra GLS 2.0 8v hatch 1999 kkkk

          • Felipe Padilha Braga

            O meu tambem tinha isso tudo.. ajuste de altura e profundidade do volante, farois de Milha e lanterna de neblina, abertura do porta malas direto na chave, regulagem eletrica dos farois.. só nao era automatico, e nem tinha banco de couro e PC de Bordo hehe. Até sensor de Sinto de Segurança ele tinha.. tudo original

    • Ediomar

      Posso compartilhar da sua opinião porque tenho um Vectra 2003 e é muito bom na questao acabamento,muito silwncioso por dentro,não bate nada,acabamento digno de carro europeu.

    • afonso200

      azera 2011, depende do calor ou do frio, o material trabalha, um minimo ruido de couro no banco de tras do passageiro, e alguns ruidos fracos dentro do painel entre o velocimetro e o radio, que quando da uma minima apertadinha com a mao ele para, mas isso só se andar em asfalto bem aspero,,,,,, o problema é que o carro é muito silencioso e qualquer coisa ja escuta, mas a cada revisao a CCS sempre dao umas olhadas

    • afonso200

      azera 2011, depende do calor ou do frio, o material trabalha, um minimo ruido de couro no banco de tras do passageiro, e alguns ruidos fracos dentro do painel entre o velocimetro e o radio, que quando da uma minima apertadinha com a mao ele para, mas isso só se andar em asfalto bem aspero,,,,,, o problema é que o carro é muito silencioso e qualquer coisa ja escuta, mas a cada revisao a CCS sempre dao umas olhadas,

    • Lembrando que o painel emborrachado não influi tanto quanto o pessoal gosta de achar na questão de ruídos (Dúvidas? Pergunte para o MMM aqui do blog e seu lendário Citrôen). Porque na verdade por baixo da camada de borracha há plástico, mais simples que dos populares porque não será visível. E é nos encaixes dessas peças que surgem os ruídos. Os encaixes continuam nos plásticos. O fato do Astra apresentar menos ruído se deve a qualidade de encaixes, não pelo material que cobre o mesmo.

      • Felipe Padilha Braga

        Verdade… passei 5 anos com ele, e o único barulho que realmente estava fazendo, era o teto solar. Ele fechado fazia mais barulho de Vento do que levantado, creio que não estivesse mais vedando.

        • Procurei um Astra para mim, achava o carro ideal. Pena que não encontrei no preço que podia pagar. Mas para mim é uma das melhores opções de usados.

  • ALVIN_1982

    Tenho um Corsa 2001 2P 140 mil km e está inteirinho como novo, portas forradas, sem grilos, bancos impecáveis, teto, tudo sem nada quebrado ou rasgado ou esfolado, arranhado etc… Já o Novo Corsa sedan 2010 que eu tinha, era perfeito ao ver, porém, ao passar em ruas de cascalho ou paralelepípedo, grilos, passarinhos, uma banda de umbanda inteira dentro do carro fazendo seus ritmos. Ou seja, quanto mais novo, pior…

    • zekinha71

      Minha irmã tem um Classic 2007 que por dentro é bem ruim quase podre, agora imagina o 2015 como deve ser, praticamente o interior de um Kombi.
      Nos anos 80 o carro era lançado e com o tempo iam acrescentando coisas e melhorando, agora é o contrário, vão depenando.

    • Vitor Barcellos

      Imagina então meu Celta 2013 kkkkkk’ nem precisa de muita coisa para me sentir em uma escola de samba rs

      • Gustavobrtt

        meu, tive um celta 2004 e não tinha tanto grilo dentro assim não, pra chamar de escola de samba. Vendi com 130~140mil km.

        • Vitor Barcellos

          Pois o meu 2013 tem 70 mil km e tem muito barulho interno :/

    • ALVIN_1982

      Olha aí meu danado…

  • Alberto Silva

    Achei curioso o apelido do autor do artigo, Messerschmidt. Num museu aqui perto, Museu do Caramulo (Portugal), entre Coimbra, Porto e Viseu, há um carro que chamou a minha atenção por ter como marca um nome que até aí só tinha visto associado a aviões, precisamente Messerschmidt. Podem ler sobre o processo de restauro com recurso a crowfunding neste link:
    http://p3.publico.pt/cultura/design/17926/salvem-o-messi-o-microcarro

  • Mr. Car

    Tenho um Logan Privilège 1.6 8v 2009, e posso confirmar o que foi dito na segunda parte da avaliação do Sandero, mas as informações não batem quanto ao relatado na primeira parte. Meu carro não tem desalinhamentos nos encaixes nem rebarbas nas partes plásticas, ou esta esponja entre o painel e o pára-brisa. Parafusos aparentes, tem, mas carros bem mais caros que costumo dirigir, também os tem. Claro, o acabamento dos Logan/Sandero (especialmente os da primeira geração, como o meu) é bastante simples, sem luxos, mas sempre achei que tanta reclamação em relação ao acabamento deles, se dava por um problema de avaliação: o pessoal avaliando como “porco”, aquilo que era apenas “simples”, e no meu entender, acabamento simples não é sinônimo de acabamento porco. Por sinal, tudo está perfeito no meu carro: não quebrou nada, não desgastou nada, não virou uma “escola de samba”…acabamento porco vi nos Chery, quando fui conhecer os carros na concessionária. Mas isto já tem um tempo, não sei como estão agora.

    • Marco Schneider

      Meu carro anterior era justamente um Sandero 2012 (mod. 2013), mas a versão GT Line (que vinham com ABS de série, diferente do Privilége, e estavam o mesmo preço) e concordo também com a segunda parte do relato, vendi o carro com 30k km sem o menor ruído interno. Quanto à primeira parte, não notei rebarbas nem desalinhamentos, e olha que sou chato pra isso e vejo desalinhamentos no próprio Ka de longe, mas a esponja realmente está lá e realmente incomoda, dá um aspecto feio ao carro.

    • Gustavobrtt

      andei 1x so num logan antigo e me perguntava o que aquela esponja fazia ali hehehe. É de fábrica esse trem então? É feio, mas talvez seja bom para evitar ruídos.

  • Ivan Claudio Dias Florencio

    Tenho um gol special que apesar de ser um carro de entrada me impressionou pelos arremates bem feitos, plásticos sem rebarbas e tecido dos bancos de boa qualidade, bem melhor do que o Uno Way 2011 que tive.

    • th!nk.t4nk

      Deu sorte. O que já vi de Gol atual com partes da lataria desalinhadas, não é brincadeira. Mas tem sim uns melhor montados. O Gol varia bastante em qualidade, por incrível que pareça. Não sei como a VW consegue esta proeza.

      • Ivan Claudio Dias Florencio

        O meu veio bem alinhado, ruído tive na porta traseira direita, mas eu mesmo resolvi girando um batente na porta, como estamos falando de acabamento ele vem com tecido nas 4 portas e é bem generoso e nos concorrentes vem só na dianteira. Tem seus defeitos mas a precisão do câmbio e a dirigibilidade impressionam, tive fiat a 17 anos esse é meu primeiro VW, cada uma tem suas qualidades e defeitos.

  • Ricardo

    Uma coisa é qualidade de acabamento outra é qualidade de montagem! Tem um Ka novo aqui na prefeitura e realmente ele em pouco tempo está batendo tudo! Mas entrar num carro com o acabamento porco como o Sandero também é desanimador!

    • Z.CoroNeL

      Sei la cara… acho que vocês exageram ao comparar Sandero/Logan com carros mais caros..
      Comprei meu Sandero 2012 ZERO 1.6 Expression por 34k…

      De tudo que vi por 34k, ele era o mais “LUXUOSO” e “BONITO”… kkkkkk .. pra se ver…

      Carros de 40~45k estão em outro patamar de preço, seguro, IPVA, etc…
      Então acho que você exageram com Sandero realmente…

      PS: Atualmente os preços ficaram bem piores do Sandero ;(

      • Ricardo

        Ou seja, o menos pior!

  • Matthew

    Um acabamento pode ser simples e robusto, como é o caso do Sandero. Mas pra mim grilos já viraram item de série em 90% dos modelos vendidos no mercado e é um tanto subjetivo. Achava o meu carro anterior uma verdadeira escola de samba. Um dia um colega meu do trabalho andou nele e achou o carro extremamente silencioso. Só quem convive diariamente com o carro é capaz de perceber todos os ruídos que ele tem. Percebo também que os grilos variam conforme a dilatação da lataria, entre os dias frios e quentes. Como a grama do vizinho é sempre a mais verde, sempre tenho a percepção de que o carro dos outros são menos barulhentos que o meu.

    • Bruno Wendel Marcolino

      realmente é uma ótima percepção.

      Concordo plenamente, agora imagine esse KA relatado do post, o cara pegou uma carona e notou vários problemas, imagina o dono.

      • Matthew

        De fato a linha atual da Ford vem decepcionando sob vários aspectos. O acabamento do Focus atual é muito inferior ao da primeira geração, que era referência do segmento na época. Esse lance do acabamento em tecido do Ka se soltar parece ser crônico, assim como os problemas com o Powershifit. A 4 patas relatou o mesmo problema na sua unidade de longa duração. Já tivemos um daqueles Corsinhas bola aqui em casa e todo o painel da porta era revestido em tecido, aguentou 15 anos intacto. Não sei se dá pra dizer que a GM manteve a qualidade do acabamento, pois hoje o Onix básico não vem nem com aquela tirinha ínfima de tecido no apoio do braço, daí não tem como soltar mesmo hahaahahahah

        • Bruno Wendel Marcolino

          tive um Corsa 97 Super e o acabamento era bom mesmo, porém com desenho simples.

          Onix é só plastico alias, realmente não descola kkkkk

          Já o up! não descola forro porque é na lataria kkkkk

          • Adriano

            O máximo que pode acontecer no Up é descarcar kkkkkkkkkkkkk, lata pura, dele só quero o 1.0 tsi rsss

  • Rogerio Rezende

    Um exemplo de acabamento simples, mas durável é o interior da Strada. Pode “socar” em estrada de terra que não bate nada internamente.

    • Raphael

      hahaha…….desculpa, mas vou discordar….amigão possuo uma palio 2007 e desde que comprei o carro a 5 anos atras, cada valeta que passa o painel parece que vai cair………pensei que era algo exclusivo do meu carro, mas um amigo meu tem um siena EL com o mesmo painel e é ano 2011, o carro tem o mesmo problema, e agora um vizinho comprou um siena EL 2015 0km e o problema persiste……bate tudo…..

      • Alvaro Guatura

        Já eu concordo.. já tive um Siena Fire logo que lançou a geração g3 (por fora.. e por dentro era g2)
        O acabamento era impecavel. Simples sim, mas muito bem feito.
        E já andei em muito Palio e Strada, o pior deles do Hotel Fazenda onde eu trabalhei.. o carro mais surrado que já vi, e sem ruídos.
        Tinha um Omega 94, surradíssimo também, até para-brisa quebrado, esse começava a apresentar pequenos sinais de desgaste no acabamento.

      • Stark

        Também tive um Palio 2008, mas apesar do acabamento de aparência feia e simples e cheio de rebarbas, não me passava essa impressão de que iria cair. Não lembro a quantidade de ruídos, até porque o isolamento acústico era bem meia-boca, então os grilos ficam mascarados, de certa forma.

      • Adriano

        Ele sitou a strada, quem garante que a fiat não da uma atenção melhor na montagem para ela? Tivemos 2 sienas 2002 em casa e sem problema quanto a conforto e barulho, agora de resto pode jogar fora rs

    • Junoba

      Uma pessoa me relatou de algumas coisas de um Siena comprado 0KM. As portas começam a ficar ´´frouxas“ com pouco tempo de uso, velocímetro rachado, e outras coisas, dizendo ser um carro bem frágil.

      Hoje diminuiu muito, mas até o ano passado descia críticas nos comentários aqui do N.A e de outros blogs, dizendo que os carros chineses eram uma porcaria e tudo mais. Só que não olhavam para os veículos que compravam e viam a porcaria que tinham.

  • Louis

    O ideal é comparar carros de mesmo dono, que andam os mesmo trajetos.
    Dono desleixado, e rua com asfalto lunar estragam qualquer carro.

    Lembro-me até hoje quando andei de carona num Audi A3, acho que era 1999 + ou -, mas na época era relativamente novo, parecia uma carroça por dentro…E olha que minha “base de comparação” era meu corsa 1.0 1999 beeem rodado.

    • SDS SP

      Me falaram que se deixar o carro por longos períodos de tempo no sol pode prejudicar os encaixes das peças plásticas por conta da dilatação / contração dos materiais.

  • Matthew

    Mas sabe onde pega mesmo o acabamento de um carro? No porta-malas. O caso mais emblemático é o do VW Polo e Fox, irmãos de plataforma. O bagageiro do Polo era todo revestido em carpete e a base de acesso tinha a proteção plástica e até mesmo aquela linguetinha móvel pra ocultar o batente do trinco da porta, coisa vista em Audi. Já o Fox, mesmo nas versões top de linha mais recentes, é um monte de lataria exposta, a base de acesso sem a grelha de plástico, riscando toda a pintura do entra e sai das malas. É possível ver até os mecanismos dos cintos de segurança traseiros. Lamentável. No caso do Sandero/Longa a situação também não é muito melhor. É aí que nós pegamos o cuidado que a fabricante teve com o carro.

    • Stark

      Esse mecanismo do cinto de segurança exposto achei bem tosco mesmo. Há algum tempo, olhei vários carros na VW, observei os detalhes e tal, quando abro o porta-malas do Fox, vejo aquilo todo exposto, sujeito a danos. Nem no Up e no Gol percebi tamanho desleixo.

  • Ramom Alencar

    “um considerado pelas revistas automotivas como detentor de um acabamento simplório e outro considerado com um bom acabamento..
    para mim os 02 são acabados, massss né?

    • duhehe

      tbm achei a comparação meio 6 com meia duzia.

      O desenho interno do Ka é menos ruim, mas ambos são populares, então não ha como um ser muito melhor que o outro.

  • Pedro Cunha

    Se quer acabamento bom e durável, vai precisar subir de segmento. Nos modelos de entrada, ou se escolhe uma coisa ou outra. Já se foi o tempo que tínhamos carros populares de acabamento honesto.
    Haters gonna hate, basta darem uma olhada nos Corsa Wind(1994-1998) e os primeiros Palio de 1997. Eram simples, mas tinham forros em tecido de ótima qualidade e plásticos muito bem acabados e montados.

    • CorsarioViajante

      Eu vi isso na prática: em casa tínhamos um gol G2 e um amigo tinha um gol G4. Era inacreditável como o G4 piorou perto do G2 e mesmo do G3.

      • Ah, mas seu exemplo não vale Corsário! heheh.. O G4 seguiu (Ou outros seguiram ele, embora ache que o “culpado” é o Celta) a simplificação que se tornou característica do segmento. O Bola tem acabamento superior ao Bx, o G3 ao Bola e o G5 ao G4.

        • CorsarioViajante

          Se a gente lembrar, aliás, esta época foi tenebrosa. Pegue a linha da VW: gol g4, primeira geração do Fox (horrorosa), golf 4,5… Sò o Polo, se naõ me engano, ainda era interessante, até por estar alinhado com a europa.

          • Sabe o que é mais curioso? Antes parecia que um movimento inverso começava! Gol 2.0 16V com configuração que o Jetta não tem hoje, Gol Turbo com interior a La Audi, Carros 1.0 16V, 5 cilindros 2.4, Corsa com câmbio automático, Palio 6 Marchas e até o Mille com sua variante ELX! Mas ele chegou! A maldita Arara Azul. Um carro que mostrou para os brasileiros “Ei, vocês não merecem mais que isso”. E quer saber do pior? Nós aceitamos! Aí vieram Gol Special, o insulto G4…

            • CorsarioViajante

              São movimentos cíclicos típicos do Brasil… Nossa economia é assim, não se sustenta, quanto começa a funcionar raspam até o tacho, então vivemos eternos ciclos de euforia perdulária e depressão catastrófica.
              Os últimos anos foram de euforia, todo mundo comprou carro, o mercado aqueceu e cresceu, mas era insustentável, então pode esperar que, gradativamente, os próximos lançamentos serão cada vez mais empobrecidos e defasados, porque, mais uma vez, a conta não vai fechar.

    • Gustavobrtt

      tinhamos em casas um Mille ELX dos primeiros, 94. Veludo nos bancos e nas portas. Painel emborrachado. Ar condicionado que gelava demais. Bom o bichinho. Vendemos para um conhecido que o tem até hoje, foi fazer retifica com mais de 300mil km. Ainda rodando.

  • Luciotzt

    Atualmente com um HB 20, que a mídia tanto aclama pelo acabamento. Bom, com 2 semanas de uso os grilos internos já eram maiores que o carro anterior, um Palio 2013. Este último, de significativo só rangidos vindos do rádio, logo após ter que tirá-lo para instalar um cabo.

    • Gustavobrtt

      Ele tem isolamento acustico muito bom, por isso dá essa impressão. Qualquer grilinho aparece. No meu, com 2 anos de uso, tem grilo, mas muito pouca coisa. Acho que não se compara ao Palio.

      • Luciotzt

        Sei que pode parecer estranho, mas está é a minha experiencia com o HB20. Rangidos no acabamento da coluna B e da coluna C, no brake light e até nos comandos do volante (principalmente no frio). Quanto o isolamento acústico realmente é bom, desde que não chova. O barulho da água batendo na caixa de rodas é fora do normal para o que se espera.

        • Eu tenho um HB20S há dois anos quase (faltam 28 dias para isto), e não ouço nenhum barulho de água nas caixas de rodas, durante a rodagem quando chove. Também não tenho rangidos. O único grilo significativo que tive foi devido a uma composição de cabos ter caído atrás do porta luvas, ao trocarem o filtro de ar. Fixaram-a e tudo ok. Atualmente ouço um pequeno barulho de algo solto atrás do multimídia quando rodando em paralelepípedos, barulho pouco significativo, mas que vou mandar averiguar, antes da troca (está chegando a hora de ir pra um novo carro).

  • Derek

    Nós reclamamos muito de barulho no acabamento (com razão), mas eu me pergunto: quantos carros aguentam as ruas lunares brasileiras? Quantos carros chegam silenciosos à 50.000 quilômetros? Eu realmente gostaria de saber quais carros tem esta resistência, acho o silêncio primordial, só aceito barulho de rodagem… mas “grilo” é duro de aguentar..

    E acredito que se colocássemos vários dos carros conceituados que rodam lá fora aqui no Brasil, poucos deles deixariam de ter vários barulhos de acabamento com o tempo…

    • Matthew

      Cara, eu também achava isso até ir pra Portugal há uns 2 anos atrás. Meu tio que mora lá tinha uma perua Peugeot 508 top linha, zerada. Turbo diesel, câmbio at, teto panorâmico. O interior era um luxo só, com couro em tom claro contrastando com os plásticos escuros. Várias pontos de luz iluminavam o interior do carro quando destravado. Mas era impressionante o tanto de ruído interno que tinha! Parecia um PUG 207 aqui no Brasil. E o carro não tinha nem 20 mil quilômetros rodados. Claro que o nosso pavimento lunar não contribui muito, mas isso mostra como o próprio projeto dos carros não colabora muito também.

      • Diego

        A Peugeot na Europa não tem fama de fazer carros muito bem montados…
        O Top Gear fez um programa sobre isso explicando como a Peugeot já foi um dos melhores de fabricante de aço, moedores de pimenta, corpetes, bicicletas, munição, veículos utilitários (504), veículos esportivos (505 GTi, 405 Mi16, 205 GTi), mas que recentemente tem tentado se tornar a melhor em fazer carros ruins.

        • Gustavo75

          Não só na Europa, no Brasil também. Fui proprietário de um 206 Passion 1.6 16V (versão top da época). Tinha problemas com barulhos, e por incrível que pareça já li vários relatos de proprietários de 208 com os mesmos barulhos. Não é a toa que o Jeremy Clarkson não gosta de carros da PSA.

          • Diego

            O 206 que eu tive, comprei usado então não sei quanto dos barulhos era mal uso do dono anterior… na época não me pareceu muito mais barulhento que outros carros usados.

        • Colorado

          bom, do 307 que uso diariamente, apesar da idade, acho o acabamento impecavel para seu segmento na epoca, mesmo sendo velho nao escuto um barulhinho no interior, apesar da suspensão dura que atrapalha bastante o conforto, em outros carros com uma suspensão tao dura o carro ja estaria se desmontando com 100km rodados

    • CorsarioViajante

      É complicado. Meu Polo foi muito bem até uns 100.000km, quando bateu duas vezes forte, aí começaram alguns barulhos. Mas ma coisa que opucos sabem é que muitos ruídos “no painel” podem, na verdade, vir de um parafuso frouxo no cofre do motor por exemplo. O Polo é famoso por isso.

      • Na revisão de 150k km que fiz no meu antes de vender, percebi isso…

        Depois o carro voltou a um silêncio só…

        Pena que a VWB tentou empurrar o fox aqui.

        Creio que seja um cuidado do dono, o vectra gt-x que estou tentando recuperar, é uma escola de samba…

        • CorsarioViajante

          Não foi a VWB que empurrou o fox, foi o pessoal que preferiu comprar um carro “altinho” do que um “gol fresco”. Sei lá, vai entender, achavam caro pagar 44.000 num polo mas barato pagar 52.000 num crossfox.
          Mas sem dúvida o cuidado do dono é fundamental, tem gente que detona o carro, incrível!

    • Thiago Sz

      Já tive 2 Honda Accord ambos 2006 vendi todos com mais de 100 mil km e sem barulhos internos, rodavam igual carro zero, e olho que minha cidade não é das melhores, BH.

    • ObservadorCWB

      Olha, o Azera 2009 vendido há pouco mais de um ano se mantinha em um silêncio que “saltava aos ouvidos” de todo mundo que andava com ele. Um “grilo” que surgiu foi com as pinças dos freios soltas. Resolvido mediante substituição de quatro parafusos.

    • SDS SP

      Dos populares, a esmagadora maioria apresentam ruídos de acabamento antes dos 50k km.

  • Diego

    Concordo, mas defesa das revistas automotivas, na maioria das vezes eles não ficam com o carro pra testes tempo suficiente para dar um relato efetivo de durabilidade.
    E pra esse tipo de análise devem ser levados em consideração as matéria do tipo “teste dos 100 dias”, “opinião do dono”…
    Sem dúvida, ambos os aspectos (durabilidade e alinhamento das peças) devem ser levados em consideração ao se comprar um veículo.

  • CLEITON ALVES

    Tenho um Crossfox 2012, com 18000KM, unico problema é o lixo do estepe que parece que uma hora vai cair,

    ps. peguei o carro da minha irmã para ajudar ela comprar uma casa, nunca eu compraria essas porqueiras pseudo aventureiras

    • Junoba

      Mas então vendia o carro pra outra pessoa já que tu não gosta. Muitos compram carro da Volks pela facilidade de revender, então…

    • CorsarioViajante

      Ué, nunca compraria mas comprou. Não sei porque a galera sente que tem que justificar ter este ou aquele carro e ainda agredir dizendo ser “porqueira”.

      • CLEITON ALVES

        nunca compraria msm, pelo que cobram a mais pela estetica ridicula, mas eu paguei o preço do Fox Prime, nao o preço do Crossfox, preços dos automoveis a venda varia da necessidade das pessoas, minha irmã precisava de casa e eu dei minha proposta abaixo da FIPE, espero alguns meses para poder trocar por um Renegade sem perder nada, uma mão lava a outra

      • Gustavobrtt

        nunca compraria, mas provavelmente comprou devido ao preço justo e porque já conhecia o carro. Não vejo problema nisso.

        • CorsarioViajante

          Eu também não. Vejo problema no sujeito vir aqui dizer que nunca compraria uma “porqueira” que comprou. Isso para mim é incoerente.

  • CanalhaRS

    Assunto interessante, bem lembrado e nunca abordado em profundidade pela midia.
    Aparência não é tudo.

  • Raphael

    um carro que muitos falam o acabamento é feio, simples e tal é o UP!!!!mas tem uma qualidade de montagem muito boa, andei em um durante uns 200km pegando buracos e estradas ruins, não escutei um barulho de acabamento……….apesar de simplório tem uma ótima qualidade de construção…….

    • Alexandre Maciel

      Pow… mas com tanta simplicidade, se ainda fosse mal montado seria ridículo. Problemas de ruído tendem a aparecer quando há muitas partes plásticas e, creio, nesse ponto o UP tem um certo benefício pelo fato de ser menos complexo.

      • Up! me lembra muito o Fusca antigo… rs. Os forros de porta só no meio das portas dão um ar retrô imenso ao carrinho. Realmente muito simplificado, com resultado visual bem simplório, a despeito de transmitir realmente qualidade e robustez na montagem.

      • Raphael

        pow…a uno vivace tem um acabamento simplório e extremamente barulhento, mal acabado e frágil, não é difícil encontrar com as saídas de ar condicionado quebradas…….o up é o famoso “eu sou pobre, mas sou limpinho”…….rsrssr…ah…o acabamento do gol g5, g6 é simples mas também é bom nesse aspecto…..

        • Derek

          Só tenho a concordar… tinha um Uno Vivace. Tem umas rebarbas que dá até para se cortar.

  • Junoba

    Juntando todos os relatos do novo Ka que eu li até agora, parece mais é um carro chinês feito as pressas.

    • Fábio Henrique

      Mas a glr gosta de falar que é “o melhor da categoria” só pq tem controle de estabilidade. kkkkk

  • Esse problema dos forros de porta do Ka é generalizado: até o modelo do teste de 60 mil km da 4Rodas padece do mesmo mal. Em linhas gerais, o Ka apresenta os mesmos problemas de acabamento que o Ecosport já ostenta desde a primeira geração.
    Quanto ao texto, acredito haver duas linhas distintas para tratar do assunto: a primeira diz respeito à qualidade dos materiais utilizados no interior, incluindo neste aspecto os cuidados visuais mais básicos, como ocultar parafusos, cuidar do visual em si com encaixes perfeitos. Já o segundo diz respeito à qualidade e robustez da montagem, que diz mais respeito à durabilidade dos componentes.
    Ao que parece, a Renault prezou pela segunda linha de análise e a Ford pela primeira.

    • Dyhalto-BR

      Tenho um Ka+ SEL, 2015/2015 esta com um pouco mais de 20 mil km e nem barulho e nem nada solto ou aparenta que irá acontecer.Tbm foi assim com o N Fiesta titanium que tive. E olha que ano por estradas bem ruins.

      • Por certo que devam haver exceções, como no seu caso. Mas é só dar uma olhadinha básica na internet para ver a quantidade de reclamações relativas a esses forros de porta do Ka. Há algum problema conceitual na solução adotada pela Ford para estas peças.

        • Dyhalto-BR

          pode ser sim.. n descarto.

      • Mayck Colares

        Tem uma outra questão a ser levantada, seus carros eram os top de linha, e a maioria dos relatos dos carros (no caso do Ka) falam das versões básicas. Será que a fábrica demonstra uma preocupação a mais de acordo com as versões do modelo?

        • Dyhalto-BR

          No New Fiesta observei isso.. ao menos entre a S e a Titanium. No ka so vi entre o top hatch e top + mas são iguais mudando apenas o tipo de acabamento de prateado pra black piano na direção e som.

    • Derek

      A Internet está cheia destes relatos de problemas de acabamento do novo Ka…

    • Junoba

      Eu fico com um pé atrás da revista quatro rodas. Tem um vídeo do canal deles, de um cara falando se compensava ou não comprar a X60, fazendo uma generalização absurda. O cara não falou um ponto positivo e desceu a lenha no carro. Mas sobre a informação do acabamento ruim, é verdade, como podemos ver neste post, mas não ´´colha“ tudo que ele dizem, porque mídia você sabe como é…

      • A questão do forro das portas só utilizei a 4Rodas como complemento. Os relatos são fartos na internet, e o do texto acima é só mais um dos casos.

    • Stark

      De fato. Quando fui na Ford, aproveitei para ver se a reclamação do forro da porta do Ka procedia, puxei de leve (de leve mesmo) o tecido da porta de um Ka do showroom, e ele já deu sinais de que queria se soltar. O mesmo teste no meu New Fiesta não apresenta nenhum problema.

      • É, nunca ouvi relatos referentes ao Fiesta. É algo conceitualmente ineficiente projetado para o Ka, mesmo.

  • Thiago K. Galiza

    Sempre vejo a galera pegando no pé do Sandero pelo acabamento, e realmente concordo que não é primoroso, realmente passa um ar de pobreza. Possuo um, modelo 2011/2012 já estou com 70mil km rodados, e não tem grilos. A minha irmã, com um HB20 2014(o modelo TOP ela comprou na época) Parece uma escola de samba

    • O Sandero de antes da remodelação pecava muito na escolha dos materiais internos, que denotam um ar muito simplório ao carro, além da economia extrema em certos pontos, como por exemplo a falta da “churrasqueira” entre o capô e o para-brisas e os retrovisores externos “espetados” na carroceria sem nenhum acabamento considerável. Entretanto sempre ouvi dizer que são modelos robustos.
      A linha atual tratou de dar uma melhorada significativa nos pontos negativos de antes. Não que tenha virado referência, mas visualmente melhorou muito.

      • Thiago K. Galiza

        O meu é o modelo 2012 (exatamente igual ao da foto) o 2011/2011 é aquele primeiro da grade bipartida. Ele até tem a “churrasqueira” entre o capô e para-brisas, porém a posição dela é mais recuada para o capô e se você olha por cima, não enxerga junto aos limpadores como é normalmente nos carros fica um ” buraco ” mesmo, mas aqui na foto da pra ver a posição dela

        • Esse é o anteparo para a coleta de água drenada do para-brisas, e já acompanha o modelo desde o lançamento, sendo inviável a sua não utilização. A “churrasqueira” em si é aquela grelha que serve de acabamento para que não fique aquele “buraco” com lata a mostra entre o para-brisas e o capô. Não que exista empecilho técnico, o carro é funcional. A questão é visual mesmo. A mim incomoda olhar para o Sandero antigo e ver a falta deste aparato e do acabamento plástico dos pontos de encontro dos retrovisores externos com a lataria, questão que foi muito bem resolvida na remodelação do ano passado.

    • Magnus Norman

      Há alguns anos, o Sandero foi eleito o carro mais robusto da Europa. Podem pesquisar.

      Familiares meus já tiveram 3 Sanderos, e todos ser mantiveram íntegros até o final. É um cargo sem refinamento, mas muito “honesto”.

  • Eric Palamar Blaca

    Ja tive um renault duster 2.0 at ano 2011/2012, seminovo no ano de 2013. Hoje meu carro é outro, mas não é querer puxar o saco da renault, ele estava com 40milkm e nao havia rangido algum, seja de painel ou grilos de suspensão. Muitos falam mal do carro, por ser da DACIA e aqui no Brasil ser vendido como Renault…desmerecendo o carro, entre outras coisas. Muitos sequer andaram neste carro (ou sandero) e falam mal dos mesmos. Muitos aqui no fórum não tem nem cnh mas são os ”críticos” de carros e metem o pau sem conhecimento algum do carro.
    Meu irmão tem um stepway 2013 que também se encontra em boas condições e com mais de 70mil km, outro colega meu possui uma grand tour 2011 e também é só elogios. Voltaria a ter um Renault facilmente….. Estou escrevendo isso, pois muitos criticam sem se quer ter andando em um.

  • CorsarioViajante

    Abaixo dos R$50.000 hoje é salve-se quem puder, o que dão com uma mão tiram com a outra.

  • Minerius Valioso

    É lamentavelmente assustador termos casos como esses, ainda mais no Ka em específico, cujo tecido descola da porta… E isso não é por incapacidade, é por má fé da Ford do Brasil mesmo.

    No meu caso, o Corsa da minha mãe já nasceu com acabamento porco, então nem tem mais salvação, só se entupir de manta acústica nos plásticos e no acabamento geral. Roda em paralelepípedo e parece que o carro vai desmontar…

    Agora, eu quero saber o relato dos donos de carros aqui do NA, se os carros já apresentam barulhos após os 60 000 Km rodados.

    • CorsarioViajante

      Meu carro (polo) está com 145.000km e seis anos.
      Sem problemas até uns 100.000km, quando duas colisões fortes deixaram alguns barulhos ocasionais que se revezam. O que realmente faz barulho de forma constante é o teto solar, especialmente se ficar muito tempo sem lavar incomoda mesmo.

  • Derek

    Algo que tenho muita vontade de fazer no futuro é usar um daqueles serviços de “caça grilo”. Os caras abrem seu carro inteiro, isolam e revestem cada fio existente, tudo para não fazer barulho ou trepidar. Se eu gostasse muito de um carro meu, acho que valeria á pena.

    • Minerius Valioso

      Acho que farei isso no meu futuro primeiro carro, quando ele começar a dar canseira.

    • O Vectra GTx que peguei, exige isso urgente. Fora que preciso trocar dois dutos do ar condicionado com a “palheta” quebrada

      • MAs um GTx está tão surrado assim?

        • Está Alessandro. Para ter uma idéia, cortaram os cabos da pastilha de freio para economizar…

          • Hahaha… Bem vindo ao clube.
            Meu novo carro velho tem algumas coisas parecidas… Um amortecedor vazando de um lado e outro recondicionado montado sem trocar o kit. A barra estabilizadora quebrada e remendada… Com uma mangueira! Não estou brincando, é sério. Tive que trocar o sensor de marcha lenta porque na hora de montar em alguma troca o cabo do sensor que passava no aparato de plástico da correia externa não foi desmontado e passou por fora e outra peça estava cortando o cabo. Dois coxins do câmbio já eram, e dois do motor. Bieletas gastas. Dois coxins da suspensão traseira…. Ar condicionado não funciona… Mas… Tem rodas (Tudo bem, acredito que sejam originais), calhas de chuva, insufilmado até a alma e com engate. Eu saí do estacionamento e parei em um posto para tirar a calha de chuva… Insufilm aproveitei um engarrafamento para tirar dos vidros dianteiros… E vou aos poucos deixando o Kraken legal (Se o Nicolas Cage e o Vettel colocam nome de mulher no carro, eu coloco o nome de seres mitológicos). Agora a questão é: Esse carro inteiro tem valor de mercado de uns 12, 13 mil… Você encontra por esse preço carros mais simples, como Gol, Palio, Corsa, Fiesta… Não sou daqueles que acham que só vale a pena viver quem tem grana para comprar um carro com no máximo dois anos e no mínimo 1.6. Mas porque manter um carro desse nível se você não pode (E ele não é nada demais. É a versão mais simples de um sedã médio da década de 90, com ar, trava, vidro e direção apenas) com a manutenção dele? Meu Gol não tinha nada mas nunca me apertei quando ele precisou da minha atenção (O que me apertava eram as prestações dele). Para depois ficar arrotando em blog que você não anda nessas “carrocinhas 1.0” pois tem um carrão?

            • Cara, lembrei dos transformers quando fui pegá-lo. Fiquei com dó do estado dele que acabei aceitando o desafio… Hehehe… Solteiro só faz cag… Mesmo… Kkkkk

              O carro é 2008/2008, está com 150k km com os pneus no arame, comando de válvula iniciando desgaste, câmbio no padrão fiat, a roda do motorista com solda, pequenos reparos em lataria, bancos de couro, acabamento das portas, forro do teto, display do computador de bordo, painel central e difusores de ar, freios com o sistema ABS cortado para a colocação de pastilha simples, pedais gastos e por aí vai…

              Estou guardando as fotos para um opinião do dono e fazer a saga dele aqui…

              O que mais me deu pena é que o carro é lindo na cor vinho e supera em beleza, na opinião, o próprio cruze.

  • Natan Brandão

    Eu tenho um Ford Ka 2015, e realmente apresenta esses problemas de montagem, como o revestimento das portas soltando (mesmo eu tendo instalado couro), o revestimento da alavanca do câmbio soltou uma vez (mas consegui prender de novo), porta dianteira do carona desalinhada com a coluna A, e além disso no primeiro mês do carro o painel do som estava folgado (tava faltando uma presilha, mas levei pra concessionária e trocaram, problema resolvido), outro detalhe foi que o revestimento interno da coluna A do carona estava meio folgado na junção com o painel (foi trocado tb e resolveu), e a tampa do combustível só trava mesmo se vc pressionar pela parte anterior, se pressionar pela parte de trás não trava (a Ford disse q n tinha como resolver esse defeito), e por ultimo são as portas que nunca fecham de primeira, tem uma certa resistência… Apesar desses problemas, estou satisfeito com o carro em geral, a nível de motor, acabamento, conforto, e nível de equipamentos.

  • J_Eduardo

    Acredito,que sejam situações diferentes, pois os renault são pobres em projeto, pois por exemplo: carpete próximo ao banco traseiro é remendado (desde os modelos de primeira versão) o acabamento plástico por sobre o caput mal da para esconder a dobradiça e toda lata daquela região fica exposta, o carpete todo é extremamente fino e curto em vários pontos da carroceria, isso para ficar em poucos exemplos.
    Já os ford, podem ter problemas de montagem, no entanto, ajustes na linha de montagem e troca de fornecedores ou aprimoramento das presilhas e outro detalhes farão o carro não apresentar mais problemas, que diferente dos carros da Renault continuam com um projeto que é simplório.
    É basicamente o caso do Fox, que é um Polo penado, não adianta procurar, o acabamento esmerado com bastante qualidade do Polo não estarem no Fox mais top, pois o projeto foi criado para ser simples.

  • Gran RS 78

    Essa matéria foi excelente,pois tive uma experiência parecida. Comprei um Polo sedan 2008 Okm, justamente pela fama de acabamento excelente, e que muitas revistas e sites, adoravam colocar o nome de compacto premium. A primeira descepção, foi com ruidos e grilos, e isso com poucos kms, e que as concessionárias não conseguiam resolver.
    Antes do Polo, eu tive um Corsa hatch 1.8 2003, que tinha comprado usado, e rodei até os 70 mil km, e sem nenhum barulho ou grilo na parte interior, somente um acabamento fraco, que riscava com muita facilidade, mas permaneceu silencioso mesmo depois de uma certa Km.
    Portanto acabamento bom, não é só montagem e qualidade dos materiais, e sim se os mesmos irão conseguir durar por muitos anos e kms.

    • SDS SP

      É bem isso que você falou. Tive um Polo 2008 comprado usado e tinha alguns grilos provenientes do painel de instrumentos. Além disso, aqui na empresa temos um NF sedan mexicano 2013 e tirando o painel emborrachado, não gostei do acabamento das portas, além de apresentarem alguns ruídos nas portas traseiras.

  • Lucas Moretto

    Caramba, tive um Ford Ka 97 que tinha esse problema no tecido das portas. Quase 20 anos se passaram e o problema continua?

    Aliás, não era só o meu. Vários tinham esse problema.

    • Marcos megdA

      Tive um Ford Ka 2001 com esse problema também

  • Bruno Luis’

    Tive um Stepway 2012 que vendi com 100 mil km rodados e não havia ruidos, troquei num HB20S e com 10 mil km já está com vários sem solução na css!

  • T-800

    Taí um ponto muito importante, e quase ninguém percebe, principalmente a “mídia especializada”.

    Recentemente tive uma experiência parecida, com alguns veículos de aluguel que posso relatar aqui.

    Como gosto de alugar carros em viagens, no final do ano passado aluguei um Ford Focus 1.6 pra rodar 1500 km. Este carro estava com 7.000 km, motor liso, mas me atendo somente ao acabamento, não vou citar outras características do mesmo. Ele tinha um barulho no forro da porta do motorista, mas o que mais me chamou a atenção, estranhamente foi o alto-falante da porta dianteira do lado direito que estava emitindo um ruído estranho, como se estivesse solto ou algo assim. Isso nas respostas mais graves. Por se tratar de carro de locadora, eu pensei “Ah, alguém deve ter forçado o som e estourou ele”. O problema só aparecia em altos volumes, então foi só dar uma aliviada nos graves e problema “mascarado”.

    Nesse mês de setembro, aluguei outro Focus 1.6, esse com meros 700km (Acho que fui o segundo a dirigir ele), rodei 3.000km com o carro e adivinha? Depois de uns 1000km mais ou menos, o alto-falante da porta do lado direito começou a fazer barulho, igual ao Focus anterior.

    Dois carros, 9 meses, 6300km de diferença e o mesmo problema. Pra mim, é um problema de qualidade de materiais.

    Semana passada aluguei um Renault Duster Outdoor, obviamente o interior é bem mais simples, não tem nem computador de bordo, os retrovisores são manuais e o câmbio tem aquela alavanca esquisita. O carro estava com pouco mais de 20.000 km e, pra minha surpresa, nenhum ruído de acabamento, e o sistema de som, apesar de simples, possuí uma qualidade de áudio superior ao Ford, e os alto-falantes estão funcionando todos direitinho. O som não possui comando de voz como o Ford, mas exibe as informações da música na tela, a partir da comunicação bluetooth do celular, coisa que o Focus não faz. Os comandos de som são do tipo satélite na coluna e não são no volante que eu prefiro, e eu acho que os botões de volume deveriam trocar de função com os de mudança de músicas/faixas, mesmo assim, rapidamente se acostuma com eles. A maçaneta interna da porta tem um parafuso que dá pra ver lá do banco do motorista, olhando para a porta do passageiro, e por onde se olha o acabamento é simples, mas não se ouve nada, nem um rangido, nem um grilo, nem batida, nada. O único detalhe de acabamento que ele tinha era do lado externo, o repetidor do pisca que fica na lateral do lado esquerdo, que estava mal encaixado, aí eu fui tentar encaixar e notei que a garra plástica inferior dele estava quebrada, então era o caso de trocar a peça. Nada mal, pra um carro com mais de 20.000km de frota.

    Esse carro me fez mudar o meu conceito sobre ele, tanto que estou até cogitando um.

    • Derek

      Legal o relato

      • T-800

        Valeu. É sempre bom poder contribuir.

  • Clayton Martins

    Minha decepção é o VW Fox, que a mídia especializada alardeia como um primor em montagem e acabamento. Com 25.000 km rodados o carro apresenta barulhos no painel, nas portas e no banco do motorista. Levei o carro 4x na concessionária e acabei desistindo, pois além de resolverem os barulhos desconhecem as funções do carro. Além disso, o carro já quebrou o mecanismo de subir e descer os vidros de 3 das quatro portas do carro, defeito que a VW apresenta em toda sua linha de compactos e nunca teve a iniciativa de corrigir. Em síntese, mesmo usando o carro somente no asfalto da cidade, tenho uma carroça ambulante e um serviço de quinta categoria.

    • rgrigio

      Haha… Meu ex-gol g5 09/09 teve problema 3 vezes nos cabos do vidro elétrico dianteiro (inclusive uma vez durante uma baita chuva, ficando incapaz de subir o vidro)… Agora no meu voyage 13/14 os dois vidros trazeiros só funcionam por vontade própria… Nem vou entrar no mérito dos barulhos pois corro o risco de perder minha noite de sono…

  • duhehe

    A tatica da Renault para conter os barulhos internos é clara
    Só tirar tudo de dentro, só sentar no banco de trás e analisar, o trilho do banco totalmente a mostra, completamente capado de qualquer acabamento, quase um Mille.

  • Alvaro Guatura

    Os carros da Renault costumam ter um acabamento durável, além de não quebrar, também não riscam fácil…
    Os da Ford são triste mesmo, podem ter bom encaixe mas o material é de baixa qualidade…
    Uma marca que não me agrada é a Citroen, apesar de bonito esteticamente e aparentar “bom acabamento”, não é nada sólido/durável.

    • T-800

      Verdade, só usando mesmo pra gente perceber isso.

  • Gustavo75

    Também já dirigi o novo Ka e não gostei nada dos barulhos no painel, portas…Esse sim é um carro de montagem porca. O New Fiesta sofre do mesmo mal, ou a Ford resolveu esses problemas nele?

    • Stark

      O meu New Fiesta é bem montado externa e internamente em questão de encaixe visual, mas tem alguns grilos quando anda em ruas de calçamento. Tem hora que incomoda e tem hora que não. Ah, tem 8 mil km.

  • Aristeu Junior

    Carros de entrada são horríveis.
    Peguei carona recentemente em dois carros novos porém de entrada.
    Um era um Classic, ano 2014, o outro era um Palio fire 2015.
    Ambos já me desapontaram logo após eu ter entrado e fechado a porta. Uma batida seca, típica de carro bem velho.
    O painel do palio estava todo desalinhado, acabamento das portas também.
    Tenho certeza que um Palio 1996 ELX hoje deve estar em melhor estado que o Fire semi-0km

  • Roger Abdulack

    este ano saí de um Clio Campus 2010, que era bem cuidado e pouco rodado, e o interior parecia superior a seus concorrentes, como por exemplo o Celta, mas tinha vários grilos nos acabamentos, e isto desde novo. Peguei um Logan Exclusive começo do ano, ele é bem bonito tanto externamente quanto internamente, mas já deu alguns problemas de acabamento, ficou 2 dias na concessionária para resolver alguns barulinhos, sendo que já tem outros novamente. Os vidros por exemplo, eles vibram, pois no modelo novo eles mudaram o tipo das borrachas, e isto é considerado característica do carro. Fora a chapearia, no meu e em outros Logans e Sanderos tem um problema de desalinhamento entre as chapas das portas dianteiras e traseiras. Na concessionária falaram que tava no limite de tolerância da fábrica. Mas no geral é um bom carro, considerando que é um carro popular, é espaçoso e completinho.

  • Whering Alberto

    Querendo ou não, Dacia ou não, a Renault (talvez) cuide melhor da construção dos seus veículos. Na FORD, é mais comum essa deficiência, como pude notar pessoalmente no (péssimo) acabamento da Ranger XLT 3.2 automática. Tudo solto, desnivelado, “rebarbado”. E que custou 130 mil pilas.

  • Sidney Marcelo Saito

    Aluguei um Logan com 40mil rodados praticamente só em estrada de chão e NÃO FAZ barulho algum de acabamento. E olha que o carro foi bastante ‘agredido’ já…

    Inclusive o Sandero é o atual preferido das empresas de agronegócio em minha região exatamente por aguentar o ‘pega’ do dia a dia.

    Parabéns para a Renault do BR.

    • th!nk.t4nk

      Sempre comentei isso do Sandero e ninguém acredita. É um carro com acabamento visualmente pobre, mas extremamente robusto e durável. Ele foi pensado desse jeito, não é algo por acaso. Na época do desenvolvimento do projeto focaram bastante em superar o Gol em robustez.

      • Sidney Marcelo Saito

        Sim. A Renault sempre deixou claro que queria foco na revenda de seus carros e para isso precisavam dar essa durabilidade acima das outras marcas. Tive um Honda Fit e com 30mil já tinha muito plástico batendo. Meu amigo rodou 60mil com um Stepway só em estrada de chão e parecia 0km perto do meu /:

      • Corvo

        Acho que vai em questão de sorte. Não da pra generalizar nenhum modelo. Tive 2 Sanderos e apresentaram exatamente os mesmos barulhos da acabamento (rangido dos bancos), fora outros defeitos crônicos (barulho na suspensão, sensor temperatura). O automático me deu tanto problema que vendi com 8 meses de uso e 10 mil km rodados. Já andei também em Logan taxi com 250 mil km sem muitos barulhos…

  • Marcelo Ceno Dutra

    Um dos carros que meu pai possui é um logan 2008. O mesmo foi “adquirido” pelo fato de a pessoa dever a ele e não tinha dinheiro e propôs a ele ficar com o carro. Quando o logan chegou aqui estava com 35 mil rodados, tal quilometragem exclusivamente em estrada de chão, o carro hj está com pouco mais de 100 mil KM e nunca deu um defeito se quer, o interior apesar de sujo está impecável e outro detalhe: o apelido do meu digníssimo pai é cupim de carro. Conclusão: é feito é, mas anda pra caramba para um carro 1.6 e o carro é bem resistente.

  • Silas Rana

    Concordo em gênero, número e grau.
    Assim como você, convivi com um Sandero Expression 1.0 16v 10/11 (já relatado aqui no NA), por 3 anos e 50 mil km, aproximadamente. O acabamento era consideravelmente mais simples que o seu, que já era o 2012. Porém, apesar de todos estes pesares que você citou, o silêncio e a robustez interna era excelente. Não havia um ruido de acabamento (tirando o do rádio que eu troquei…).
    Após ele, convivi com o Focus sedan GLX 2.0 16v 10/11 da mãe, que também tinha um acabamento dito muito bom, com painel emborrachado e tudo mais, mas era notável que, apesar do esmero visual, a montagem não era tão boa. Nos também 50 mil km que ficou em casa, alguns ruidos já eram notados. Hoje temos um Fiesta Sedan SE 13/14 Powershift, com 33 mil km e, apesar de ter um painel com design matador, na minha opinião, deixa a desejar na qualidade. Apesar de ainda possuir o painel emborrachado e tudo mais, os plásticos são de qualidade bem duvidosa. Só de olhar, já riscam. Os ruidos de acabamento já são superiores ao do Sandero e ao do Focus. Parece um carro bem mais rodado e de idade avançada.
    Sobre o Ka, que você citou, usei um alugado por 2 dias e, assim como o que você citou, os acabamentos de tecido das duas portas dianteiras estavam soltos. O carro estava com 23 mil km e, por ser alugado, achei que o problema fosse o mal trato dos motoristas, mas, vendo o que você citou, acho que é um problema da péssima qualidade de acabamento mesmo!

  • DiegueteCG

    Tive um bravo que o material do acabamento era muito bom, sendo que o painel era todo emborrachado. Mas de barulhinhos e grilinhos o carro era insuportável. Primeiro fiz a tapeçaria com espuma acústica nas portas e no porta malas. Melhorou um pouco, mas a escola de samba do painel era absurda. Fiz um segundo serviço, na própria concessionária, desmontando todo o painel e realizando os consertos e melhorando a escola de samba. O próprio funcionário que fez o serviço me falou que NUNCA TINHA VISTO UM CARRO COM TANTA PEÇA SOLTA NO PAINEL. Esse é o hatch médio da fiat, fiquei muito desapontado. Meu atual carro está com muito barulho na suspensão, mas acho que é algo realmente solto ou quebrado.

  • Thiago Porto

    Foi o que eu disse em outra reportagem, área de Qualidade de peças da Ford, é péssima.

  • Elio Cristi

    Tenho um Sandero privilege 1.6 10/10. É um bom carro, mas acho alguns comandos pouco funcionais. Por exemplo: nunca acostuma com os vidros elétricos no painel; pior ainda são dos vidros traseiros que ficam atrás do freio de mão, assim como o retrovisor elétrico.

  • Cleidson

    Tenho um Ka SEL 14/15 e o problema do revestimentos da porta acontece comigo tbm. Já reclamei na 1ª revisão e a concessionária disse q a Ford não disponibilizou nada ainda pra arrumar isso. E o problema da tampa de combustível que não fecha direito também é verdade. Tirando isso, não tenho o que reclamar.

  • Gustavo Victor

    Concordo. Tive um Sandero Vibe 2010 e não apresentou nenhum ruido ou batida de painel enquanto estive com o carro. Embora o acabamento seja simples, a impressão ou constatação que ocorre é que tudo é bem fixado a ponto de evitar aqueles barulhinhos irritantes.

  • RyanSX

    Em relação ao Sandeiro posso confirmar pois tem um amigo da familia que tem um Stepway e ele não tem qualquer ruido interno, também não percebi tantas rebarbas ou peças mau encaixadas. Mas nesse quesito acho que o GOL g5 é o pior, com pouco tempo, ali na lateral esquerda do carro, o acabamento do para-lama tem uma maldita brecha onde passa a sujeira o pior foi quando entrou um pedra pequena e a bendita ficava rolando pra la e pra ca quando se pisava no freio

  • Alexandre

    Quanto ao honda, tenho um civic lxs com 1 ano e meio de uso e algo proximo de 19.000 rodados e realmente começaram a surgir alguns barulhos no painel, no banco de motorista (barulho de mola) e atrás do banco traseiro, porém relatei isso na ultima revisão e os problemas foram consertados pelo “controle de qualidade” que a concessionaria oferecia, e desde então não tivemos mais problemas.

    Quanto ao acabamento de alguns carros, ultimamente tenho o sentimento de que alguns regrediram, a sensação dentro de um palio/etios é muito ruim, o material das portas e painel não da uma boa impressão e parece ser bem frágil, ja tive um siena 2 gerações anteriores (equivalente ao palio way de hoje) e a sensação é de que o material apesar de simples até causava um certo agrado

  • Ricardo

    Todos os carros após o ano 2000 pioraram muito a qualidade dos materiais de acabamento. Mas carros top como o Golf, entro num deles e penso, putz, que tesão de interior!

  • Amaral Oliveira

    ah mano…. é carro frances!!! o que vc queria ?? nao aprenderam fazer carros ate hoje!!! até o chinesinho é melhor que isso que vc fala que é carro!!!