EUA Europa Hatches História

Zastava Yugo: 35 anos do popular iugoslavo que chegou aos EUA

zastava-yugo-45-gl

Zastava Yugo 45 GL

No final dos anos 70, a iugoslava Zastava mantinha estreita ligação com a Fiat, que desenvolveu para ela um hatch popular, simples e barato, baseado no modelo 127 (147 no Brasil). A designação original era Fiat 144, mas o primeiro modelo chamado Yugo foi nomeado 127 mesmo.

Com carroceria diferente em relação ao Fiat 127, o Zastava Yugo começou a ser produzido em 28 de novembro de 1980, há exatos 35 anos. A fabricação era em Kragujevac, que hoje fica na Sérvia. Era basicamente um hatch duas portas com visual simpático.

zastava-yugo-55-gls

Zastava Yugo 55 GLS

Quando chegou ao mercado iugoslavo, custava 350 mil dinares, algo em torno de US$ 4.300. Medindo 3,48 m de comprimento, 1,54 de largura, 1,39 de altura e 2,15 de entre-eixos, o Yugo pesava em torno de 825 kg. O primeiro motor era quatro cilindros 0.9 de origem Fiat e com apenas 45 cv.

Logo de cara, o Zastava Yugo chegou aos mercados do Reino Unido e restante da Europa Ocidental. Surgiram várias versões do modelo ao longo do tempo, sendo que até mesmo um conversível foi feito. Este era equipado com um acionador eletro-hidráulico do capota, um luxo para um carro tão simples.

Conhecido como Koral em seu país, o Yugo chegou a ter 68 cv com motor 1.3 (o maior disponibilizado), mas somente na Sérvia. O modelo da Zastava ganhou notoriedade internacional ao desembarcar no principal mercado consumidor daquela época, os EUA.

zastava-yugo-us-comercial

Zastava Yugo – Propaganda nos EUA

EUA

Em 1984, o milionário Malcolm Bricklin queria emplacar nos EUA um carro simples e barato. Então, escolheu o Yugo como alvo após testa-lo. No entanto, ele evitou usar a marca Zastava, criando no ano seguinte a Yugo América para vender o modelo. Ele pagou apenas US$ 50.000 pelos direitos de comercialização no país.

Vendido como Yugo GV, o modelo era oferecido com motor 1.1 de 55 cv e câmbio de 4 marchas, sendo assim vendido por US$ 3.990, o mais baixo do mercado americano. O compacto também ganhou uma versão mais potente, equipada com motor 1.3 e chamada GVX.

A versão conversível também foi vendida nos EUA. Em uma das campanhas de marketing, um comercial de TV mostrava um Ford T sendo empurrado por um Fusca e logo em seguida, este por um Yugo. Ou seja, a promessa era de um novo best seller popular. No entanto, isso não aconteceu.

zastava-yugo-65-cabrio

Zastava Yugo 65 Cabrio

O Yugo foi exportado para os EUA até 1992, vítima de um embargo das Nações Unidas e também da instabilidade que já tomava conta a Iugoslávia, que começou a se fragmentar. Ao longo desse período, o popular vendeu 141.651 carros no mercado americano, onde também ficou famoso por participar de filmes e programas de TV.

No melhor ano, mais de 48 mil foram emplacados. Em 1991, um lote de 450 exemplares foi equipado com ar condicionado e câmbio automático, sendo enviados aos EUA. No entanto, o padrão de acabamento já não era ideal e as vendas começaram a cair. Desde 1990 com injeção eletrônica, o Yugo sempre sofreu com emissões de poluentes no mercado americano.

zastava-yugo-45

Zastava Yugo 45

Guerra e o fim com a Fiat

Entre 1988 e 1991, os modelos do Yugo feitos na Sérvia são considerados os melhores já feitos, sendo seu período de ouro. Com a guerra, a produção foi amplamente afetada, visto que várias peças e componentes eram fabricadas nos países que lutavam pela independência dentro da federação iugoslava. Ele chegou a ser vendida na Itália como Innocenti Koral.

Apenas em 1996 a produção foi regularizada e voltou a crescer lentamente, mas parou novamente em 1999, devido a problemas na fábrica, atingida por bombardeiros da OTAN. No ano seguinte, Malcolm Bricklin assume a importadora que trazia carros da Fiat e novamente passa a sonhar com o Yugo.

zastava-yugo-55-interior

Zastava Yugo 55 – Interior

Em 2002, ele assina um acordo com a Zastava para importar 60.000 unidades do Yugo, atualizado e construído especialmente para o mercado americano. No entanto, o intento deu errado, visto que o empresário acabou focando suas atenções na Chery nos anos seguintes.

Na Sérvia, a produção foi retomada para atender o mercado interno, mas em 2008, a divisão de automóveis foi adquirida pela Fiat e o Yugo acabou deixando de ser feito definitivamente. No mesmo local, a marca italiana começou a fazer a primeira geração do Punto e atualmente o Fiat 500L, que tem como um dos destinos, os EUA.

zastava-koral-gti

Zastava Koral GTi

No total, 794.428 unidades foram fabricadas de 1980 a 2008. Apesar de ser um concorrente dos Ladas, o Yugo jamais chegou ao mercado brasileiro, embora tenha sido vendido na América do Sul, notadamente o Chile. Certamente teria chegado ao país com preço muito baixo.





  • Fiat Palio, 20 anos de carroça que chegou aos 82 mil reais nas suas variantes.

    • PedroHMC

      Qual Palio chegou a custar 82 mil reais?

      • Tiago

        Strada extreme com todos os acessórios chega a isso, por incrível que pareça.

        • PedroHMC

          82.000 por 3/4 de palio kkkkkkkkk

          • PedroHMC

            Acho que essa aqui é feita de ouro 18K e interior de couro de panda… Acabei de achar no Webmotors kkkkkkkkk

            • invalid_pilot

              Vou deixar de comprar um Jaguar F-Type pra pegar uma Strada Adventure kkkk

            • Wendel Cerutti

              ????????

  • João Carlos

    O carro tinha fama de problemático nos EUA, mesmo com as 500 modificações e com linha de produção separada. A caixa automática oferecida, era de origem Renault, e o motor 1,3 virou padrão.

    • leandro

      Até o fiat 147 dos EUA tinha direito a câmbio AT, já no Brasil o top da fiat que seria o Línea usa o trancologic

      • João Carlos

        Veja que até o 500 americano usa caixa automática epicíclica. Lá até mesmo as caixas automatizadas de dupla embreagem procuram simular uma automática, com trocas menos secas e creeping mais suave; percebe-se bem isso na caixa da Ford. Até a Honda na Acura usa uma dupla-embreagem com conversor, para atender ao gosto deles.

        Automatizado mono-embreagem tem ainda muito mercado na europa. O que estraga nestas caixas é a visão equivocada por parte de alguns consumidores de que são uma imitação de caixa automática.

        • Gustavobrtt

          ou de vendedores que não explicam direito essa diferenciação.

  • pedro rt

    nao sabia q esse “primo” do fiat 147 durou 28 anos!

  • V12 for life

    Emissões era o menor dos problemas desse carro.

    • Holandês Louco

      Duvido que consigam alinhar um carro desses com mais de 15 anos de fabricação…

      • V12 for life

        O carro tinha vários problemas desde o lançamento, emissão era o mais fácil de corrigir de a marca tivesse tecnologia para isso oque não foi o caso.

        • Holandês Louco

          Concordo… mas o o alinhamento ainda acho que seria quase impossível

  • Eduardo Brito

    Só eu que olho para esse carro e lembro do primeiro Golf?

    • celso

      Realmente, bem parecido com o Golf estreante.

  • DinhoRoxxx

    Esse carro apareceu no Top Gear US

  • afonso200

    tem no filme duro de matar 3, quando ele pegam um carro pra ir atras dos bandidos, dai eles falam, mas essa porcaria nao anda mais,,,,hehe dai depois pegam uma mercedes

  • joao vicente da costa

    Ele aparece no carros2 TB…

  • Magnus Lincoln

    Belo carrinho .

  • invalid_pilot

    Essa versão GTI ficou bem xunning , bem cara dos Sporting Fiat mesmo kkkk

    Apesar do 147 Rallye ser de bom gosto, pra ver como a Fiat perdeu a mão/ o público perdeu a noção

  • Rudson I

    “Ele pagou apenas US$ 50.000 pelos direitos de comercialização no país.” sei que na época isso valia mais que hoje, mas deu pra saber por que o Malcolm é rico, 12,5 carros no varejo já pagavam os direitos dele.

  • Bittencourt

    Bem interessante!!!



Send this to friend