Etc Longform

8 meses sem carro em São Paulo

metro-sao-paulo-700x366 8 meses sem carro em São Paulo

Olá pessoal, meu nome é Luiz Aguiar, moro em São Paulo e vou contar um pouco sobre a minha experiência de vender conscientemente um carro para aderir ao transporte público e alternativo 100% do tempo. Ano passado (2013) vendi meu Fiat Bravo, modelo Absolute com câmbio Dualogic, um carro muito honesto, de bom CxB.



Até o meio do ano, eu morava à 550m de uma estação da linha verde do metrô, uma região que tem vida noturna muito ativa com muitas lanchonetes, barzinhos, postos/conveniências, escolas, etc., abertas até tarde da noite, alguns locais são 24hs, então muita coisa eu e minha esposa fazíamos a pé mesmo, mesmo sendo tarde da noite.

Nem sempre eu ia trabalhar com o carro, pois trabalhava na região da Vila Olímpia, e depois Pinheiros, regiões onde os preços de estacionamentos são absurdamente caros, mas óbvio que tinha a comodidade de eventualmente ir de carro, o que todos sabemos que em horário de fluxo grande, é infinitamente melhor do que utilizar metro/ônibus, mesmo que se demore o dobro do tempo.

Vendi o carro e continuei quase que com minha rotina inalterada, passei a alugar carros na Hertz e usar bem mais taxi do que de costume. No total de 8 meses sem carro, somando locação de carro + taxis, a conta foi a seguinte:

Locações + taxis: R$ 500 / mês
Nos 8 meses: R$ 4.000,00
Daria média anual de R$ 6.000,00

Se adicionar ainda uma média de R$190 com bilhete único, cada um, pode acrescentar mais R$ 3.040 nesses 8 meses (no ano seria R$ 4.560). Nos 8 meses o gasto total foi de R$ 7.040. (no ano seria R$ 10.560) Nesse tempo com certeza as locações são as que pesam mais, alugávamos carro tanto para coisas pontuais durante a semana, como viagens curtas e longas nos finais de semana, de descida pro litoral à viagens até Londrina no Paraná.

Fizemos até uma viagem para o estado do Rio e Janeiro, que decidimos não alugar carro e fomos de ônibus interestadual, foi de boa, mas não muito agradável, não faria novamente apenas pelo economia de dinheiro. Só por curiosidade, o carro que mais aluguei foi o New Fiesta SE PowerShift.

Atualmente moro a 1100m de uma estação de metrô na região da Saúde/São Judas, próximo ao Jabaquara (segundo distrito com maior número de roubos de carro), zona sul de São Paulo, que tem um modo de vida noturna muito diferente da região da Paulista, e principalmente para uma mulher, é extremamente perigoso de circular a noite após as 21:00hs, tem muitos casos de assaltos, de madrugada não é incomum ter trocas de tiro com a polícia, então começamos utilizar bem mais os taxis, que é algo não tão maravilhoso como vendem por ai.

Em alguns lugares só tem como pegar taxi via cooperativas ou utilizando aplicativos para smartphones, que é o que nos salvou na maioria das vezes, e que são as únicas opções pra conseguir taxi que aceite cartão, mas mesmo assim, a noite em alguns lugares nunca se consegue um taxi pelos aplicativos, e pelas cooperativas as vezes tem que esperar mais de 1h.

Muitos, mas muitos mesmos dos taxistas são extremamente mal-educados, eu sempre falo boa noite, obrigado, bom trabalho, e diria que pelo menos 95% dos taxistas que peguei nesses 8 meses, não abriram a boca pra responder. Já entramos em taxi que o motorista estava ouvindo forró pornô, um estilo de forró que é pornográfico igual funk carioca (sem distinção quanto ao estilo, e sim pelas letras apenas), e em volume bem alto, e que se dane a gente lá trás.

Sem falar que a maioria também nunca tem troco, e sempre é o usuário que perde nisso, pois sempre é arredondado pra cima, se ele tem que te devolver R$8,30, só vai te entregar R$8 e falar que não tem troco, nada nada, deve dar bem uns R$10 por mês disso, somando os meus taxis e os que minha esposa pega. Ar-condicionado? Está de brincadeira né, esse item quase não existe nos taxis, pois não querem aumentar o consumo do carro, deixam os vidros abertos (mesmo de madrugada), e se pedir pra ligar o ar, SEMPRE está quebrado, com defeito, tirou pra trocar, sim, tirou o ar-condicionado pra trocar.

Alugar carro é tranquilo, nunca tive problemas, só tem o inconveniente em ir até a loja, fazer a papelada e devolver no mesmo esquema, minha esposa tem desconto pela empresa que trabalha, então ainda sai um pouquinho mais barato que o preço de tabela. Me cadastrei num serviço chamado ZazCar, que tem pontos de retirada de carro estilo “self service”, mas não cheguei utilizar.

Transporte público é e sempre foi lastimável. É difícil esses novos neo-salvadores-do-planeta, querendo exigir que você saia de uma condição de conforto (e talvez egoísmo) que é o carro, e vá pra uma situação de humilhação, selvageria, cansaço e fedor, que é o transporte público em São Paulo, e se for mulher, acrescente encoxada e mão nas partes íntimas, no mínimo. Os ônibus são igualmente lotados, e a diminuição do tempo de viagem proporcionada pelos corredores exclusivos, não resolvem o principal problema, demora entre os ônibus e superlotação, 30 minutos de ônibus lotado nesse sol de 30 e tantos graus do verão, transforma qualquer um num gambá fedorento e cansado, sem ânimo nenhum pra trabalhar.

Andar de bike pelas grandes vias de São Paulo é tão suicida quanto pular sem paraquedas de um avião. É uma utopia, pois a cidade, as pessoas, os ciclistas, os motoristas, os pedestres, ninguém está preparado para um meio a mais de transporte circulando nas ruas, além de quê, as empresas/prédios também não estão, se eu fosse pedalar 8km até meu trabalho, eu ia chegar suado igual um porco, e aí, tomo banho onde? Guardo minha bike onde? E se não tiver armário pra guardar pertences/roupas, levo uma mala na garupinha da bike?

A economia que fiz sem o carro, pois eu pagava um pequeno financiamento de parte dele, mais os custos normais, no total consegui economizar uma grana boa, mas mesmo assim optei por abrir mão dessa economia em prol novamente do egoísta e cômodo conforto de ter a opção de se poder utilizar o carro, ainda mais que agora tenho subsídio da empresa para pagar o estacionamento, o incentivo foi maior ainda.

Praticamente 8 meses depois, acabei comprando um carro novamente. Vou gastar mais do que quando estive sem carro? Sim, com certeza, mas hoje, não me arrependo de ter feito o teste real de tentar ficar sem carro no meu dia a dia em São Paulo, e também acho mais do que justo, como cidadão, que paga todos os muitos e caríssimos impostos desse país, ter a opção de poder ou não utilizar um carro quando eu achar conveniente, se alguma instituição, quer realmente que as pessoas abandonem os carros no dia a dia das grandes capitais, os governos vão ter que fazer 50 anos em 5, senão, isso é carta fora do baralho pra quem tiver a opção (consciente) de adquirir um automóvel.

Talvez daqui 2 ou 3 anos, se eu ainda estiver morando aqui, eu tente novamente, de mais uns 8 meses de crédito aos outros meios de transporte (que ainda vou continuar utilizando com certeza), provavelmente não esteja morando no local de hoje, e o local eu diria que é a maior influência por se ter uma necessidade maior ou menor de um carro. Pode ocorrer de ficar realmente sem carro de vez num teste futuro, e depois de um tempo pegar um carrinho baratinho pra montar aos poucos e utilizá-lo apenas em track days, just for fun.

Fique umas boas semanas estudando vários usados para comprar, chegue visitar algumas lojas, ver alguns carro pessoalmente, e no fim das contas, muita coisa aconteceu, muita pesquisa foi por água abaixo e acabei fechando um 208 Griffe 0km, mas todos os detalhes da compra e por que acabei desistindo de um semi novo, todo processo de negociação, é assunto pra um novo post.

Por Luiz Aguiar

  • Arthur_r

    Muito interessante, deve ser muito diferente depender somente de transporte publico ou taxi.

    • Magno

      É verdade ! Mas percebe-se que o autor do texto tem uma condição financeira até bem privilegiada e, teve como contornar da melhor maneira possível esses 8 meses sem carro. E se não fosse por essa boa condição financeira, o Sr Luiz Aguiar não teria tido toda essa paciencia. Mostrou também pra todos nós, que dependemos de nossos automóveis, o que seria se ficássemos sem o mesmo por um longo periodo, já que o transporte público é lastimável !

      • Fabio D.

        Vcs têm razão no que dizem. Na teoria, usar o transporte público é maravilhoso, econômico e sustentável. O problema é a realidade… Ao menos na minha realidade, é impossível ir trabalhar de ônibus. Do contrário, perderia 3 horas somente para vir de minha casa para o trabalho, e mais umas 2.30h para voltar. Fez a conta? 5.30h! Sem contar que isso tudo seria feito de pé, no calor sufocante desta cidade, com a falta de educação e marra que muitos têm, mesmo sem eu saber o porquê. Pra quê respeitar o outro, né?

        Usando o carro, por mais que seja muito caro, algo em torno de 1600 reais/mês, tenho o conforto de ir no ritmo que eu achar melhor/prudente, uso ar condicionado, ouço a música que preferir (sem aquela porcariada de funk em alto falante de celular) e, sempre que posso, dou carona aos conhecidos que morem perto. Nem cobro nada, se quiser ajudar, ajuda, faço mais por gentileza.

    • Compre uma moto e seja feliz……

      • Bruno Brasil

        Em SP !? Vc ta de sacanagem…

        • MKM14

          Compre uma moto e faça um dono de cemitério particular feliz…. Moto nas grandes capitais é suicídio amigo,,, não tem contra -argumento contra isso, é a realidade, se de 100 idas e vindas,, vc se acidentar uma única vez, já não valeu a pena, poderá usar pinos nos braços e pernas ou até encontrar papai do céu mais cedo…

          • Bruno Brasil

            Exato, e olha q eu tenho e gosto de moto, mas em SP é suicidio…

  • LenonSlater

    Caramba, muito corajoso da parte dele, na verdade deveria ser NORMAL usar transportes publicos, porem com qualidade claro, igual a muitos paises, onde o carro eh apenas um item de conforto mesmo, o Brasil eh uma vergonha nesse quesito.
    Mas falando em carro, oq o fez trocar um hatch medio por um compacto premium ? Condicao financeira, necessidade ou gosto ?

    • laguiar

      Facilidade de uso mesmo, e pra facilitar pra esposa dirigir tbm, não tenho filhos nem nada, um hatch médio é melhor, mas não necessidade desse espaço a mais que ele oferece.

    • Leandro1978

      Eu trabalho a menos de 2km de casa, cheguei a pegar bike durante um tempo, uma maravilha, em menos de 10 minutos estava em casa ou no trampo, comprei o capacete, as luzes, o espelho retrovisor, tudo que a legislação manda, porém, como o trânsito de SP é uma "maravilha", quase fui atropelado umas três vezes. Uma delas, uma motorista de van escolar (!) me ultrapassou e parou logo em seguida, só não bati pq estava em uma velocidade que deu para parar. Outra ocasião, dois "cidadãos" discutindo quase me pegam. Resultado, parei de ir de bike e vou a pé, o que dá pouco menos de 20 minutos de caminhada. Resultado, fui assaltado duas vezes. Na delegacia, o escrivão simplesmente fala que eles (polícia) sabem quem age na região, mas nada fazem, simplesmente entra para a tal das "estatísticas" (quase o mando para aquele lugar). Devido a isso, vou de carro, o que é ridículo, dada a distância, gasto e tempo que perco, mais ou menos o mesmo que à pé. Para "ajudar" o "poste" que elegeram para a prefeitura de SP, resolveu fazer uma faixa de ônibus numa via em que há apenas duas faixas, ficando uma para carro e outra para os ônibus. O que aconteceu? A faixa de ônibus fica vazia, já que o "poste" retirou linhas e "carros" e a dos carros fica travada o tempo todo. Legal, né?

      • Roms

        Imaginei a Anhaia Melo. rsrs

      • plyndagos

        É por isso que ao invés de trocar meu carro por um mais novo e melhor (tenho um Celta 2001 com AC), comprei uma moto 0km. Trabalho como representante e o tanto que já economizei, não só financeiramente, mas como de TEMPO, é praticamente incalculável. Visitar clientes dentro da cidade, ir ao shopping, happy hour com os amigos? MOTO. E como falei, não só pelo custo não (claro que esse é um fator determinante), mas conta muito o fato de não ter que ficar parado num trânsito caótico com milhões de topeiras se achando motoristas na minha frente. Carro? Só pra entregar mercadorias, visitar clientes em outras cidades e sair com minha filha e esposa.

        • Fabio D.

          O que me impede de comprar uma moto para mim é o fator risco. Honestamente, morro de medo, porque vejo muitos, muitos acidentes onde moro, no Rio de Janeiro. Circulo por uma das áreas mais perigosas no que se refere a trânsito, Barra da Tijuca, ou seja, a probabilidade de eu cair e me machucar é grande. Tirando isso, seria feliz comprando uma moto e economizaria muito tempo e grana.

  • Andre Dias

    Pois é bem isso mesmo em São Paulo.
    Mesmo para quem mora perto de estações de metrô ou trem ainda é conveniente ter um carro, por alguns motivos:
    1) O serviço não funciona 24h por dia.
    2) O serviço é pouco abrangente, a maioria das estações está em regiões centrais.
    3) Nos horários de pico a superlotação é evidente.
    É preciso ampliar muito a rede de Metrô e Trens para que se fale na possibilidade de se utilizar os mesmos como modal exclusivo. Ônibus funcionam em algumas linhas e horários, mas demoram tanto (intervalos de 30 minutos ou até mais as vezes) que não dá para contar com eles, e no horário de pico tem o mesmo problema dos trens. Bicicletas? Só para quem gosta. Afinal o relevo é montanhoso e desfavorável, além do risco de chuvas e a segurança. Taxi até que funciona, mas como colocado, também mais para as regiões centrais, e frequentemente despreparados.
    O que sobra? Carros particulares gerando congestionamentos.

    • wasdyn

      Pois é Andre.
      Na minha opinião o modelo de transporte público definitivo (pelo menos no atual cenário tecnológico) é o metrô – fica embaixo da terra, não ocupando espaço na superfície; é extremamente automatizado, contribuindo para a segurança e manutenção dos horários; trafega sozinho na faixa (não pega trânsito, não precisa ultrapassar, dar passagem, parar em semáforo…), contribui para a fluidez e manutenção de horários; entre outras. Para viagens longas vejo o trem como o transporte público definitivo.

      Com relação à sua crítica sobre horários dos ônibus, já cheguei a esperar quase 1 hora durante a noite (acho que fiquei no ponto das 21:00 às 22:00 mais ou menos – e o pior é que não tava trânsito, nada de anormal tinha acontecido…) até que o ônibus passasse. E naquele painelzinho eletrônico que tem no ponto ficava sempre informando que ele passaria em cerca de 5 minutos.
      E sobre as bicicletas, não é só gostar, tem que ter coragem mesmo. Eu tenho tudo para ir de bike para a faculdade diariamente (só a bike, mas isso sinceramente é um detalhe*), só falta uma boa estrutura, eu saber que não serei atropelado no caminho. * eu disse que é um detalhe porque até tenho uma Caloi de aço, mas se fosse uma bicicleta para uso diário investiria tranquilamente numa de liga de alumínio (como uso raramente fico com essa de aço mesmo). XD

      • pablobmw

        O problema é o custo, nem sempre vale a pena.

  • Mario

    São Paulo é uma merda, estou sem carro a 2 semanas e meia, mas graças a Deus pego ele de novo na sexta, estava andando só de táxi fui fazer o teste ônibus e metro, pra nunca mais, o trasporte público é uma porcaria, coitada das pessoas que não podem ter um carro, além de pagar na catraca, paga no imposto que o governo subsidia essas empresas ainda. São Paulo, Brasil, uma vergonha o transporte público.

  • geoshina

    Excelente relato!
    Sou do interior de Sampa e antigamente o que eu mais queria era morar em São Paulo, na "capital". Fiz pós-graduação na Europa, usando sempre transporte público, aluguel de carros e compartilhamento destes. Usei até bicicleta. Sempre seguro, com boas vias, cada um respeitando o seu espaço e o do outro. Voltei para cá e nem cogito mais viver nessa selvajeria que é o motor econômico do nosso país. Com carro ou sem carro, a grande maioria não vive bem, se comparar com outras cidades do mundo.

    • wasdyn

      Kkkkk, minha vontade é exatamente o oposto – sou da capital, mas estou doido para ir para o interior (não aguento mais isso aqui). XD

      • FelipeLange

        Vida de cidade grande não é fácil mesmo.

      • MauroRF

        Cara, se for para o interior, procure cidades médio-grandes. Sorocaba, por exemplo, pois é bem mais tranquila que a capital, mas tem todos os serviços aos quais está acostumado. Eu me mudei de Santo André, Grande ABC, em 2011, para Itapetininga, 150 mil habitantes, 60 km depois de Sorocaba pela Raposo. No começo é uma maravilha, ar mais puro, menos trânsito (se bem que o centro da cidade está ficando chatinho), menos violência (mas está aumentando, e bem!). Mas, quando você começa a precisar dos serviços, percebe que tem que resolver tudo em Sorocaba. Concessionárias: só das 4 grandes, e as 4 são uma lástima aqui, principalmente a despreparada da Ford aqui. Área de saúde? Uma lástima, os poucos bons médicos, só pagando. Único plano de saúde que funciona mais ou menos é o Unimed. Se quiser nível de SP, só em Sorocaba. Comércio? Até que é bom, mas limitado. Shopping? Só um pequeno que parece uma galeria. Vizinhos? Todos fazendo algazarra até altas horas ou na rua, som alto a cada esquina, principalmente os jovens, que se drogam adoidado aqui porque aqui não há perspectivas para nenhum deles quase (ou você nasce em família abastada e trabalha na empresa da família ou vira peão no comércio ou nas frabriquetas que pagam uma porcaria, pois empresas grandes só têm uma meia dúzia, literalmente). Aqui, ninguém quer saber de nada, quase ninguém tem ambição, você mal escuta um jovem de 17 anos estar pensando em fazer faculdade. Sistema de transporte público? Começou a ter mais ônibus só agora, mas é um lixo total, não passa ônibus no meio dos bairros, como em SP, tanto que todos aqui querem e precisam ter um carro, nem que seja caindo aos pedaços (e carro caindo aos pedaços tem aos montes, no meio de vários novos). Minha cunhada veio morar aqui há 10 anos a trabalho, tem um bom cargo em um banco e, apesar desses problemas, ela vai levando. Foi assim que conheci a cidade aqui e vinha passear, quando num belo dia, também pensei o mesmo que você e fiz. Isso depende muito do que vc pensa e quer, pode ser que vc adore, pode ser que não. Eu não me acostumei e vou voltar a Santo André em 2 meses. E vim para cá justamente porque agora trabalho em casa, então, mesmo morando no ABC, continuarei trabalhando em casa e não precisarei me matar no trânsito ou no transporte público indo para o trabalho (serão apenas visitas esporádicas aos clientes). Portanto, pense bem antes de tomar qualquer atitude, veja se é isso mesmo que quer. E se for, vá para cidades maiores, de pelo menos 200 mil habitantes para cima (eu recomendo Sorocaba porque lá é muito bom, já estive lá várias vezes).

        • wasdyn

          Valew pelos toques Mauro.
          Se eu realmente fizer isso será daqui a uns 4 anos pelo menos. Quero primeiro terminar a faculdade, pensar numa pós… Mas penso isso mesmo cidade pelo menos média, quero um local tranquilo mas que também não me deixe na mão quando eu precisar, um meio termo. Também tem que ficar de olho nas espectativas da cidade, se não há a chance de após alguns anos a cidade virar cidade grande (ou crescer um pouco e a infraestrutura não acompanhar). Enfim… é coisa para eu pensar mais para a frente, até lá muita coisa pode acontecer. ^^

          Abraços.

        • CharlesAle

          Se não me engano,em 2002,tive de sair daqui de SBC,cidade que nasci e sempre morei,para ir morar em Sete Lagoas, trabalhar na Iveco, prestando serviço de logística.Sinceramente,não via a hora de terminar o serviço e vir embora.Com todo respeito a cidade,mas não deu para mim,por motivos semelhantes ao seu.E minha família é toda aqui em SBC,até tive convite para efetivar por lá mesmo,mas voltei,criei raízes aqui.E como agora trabalho na Mercedes e moro na Paulicéia,para mim tá ótimo..Depois de perambular por vários empregos distantes e tomar ônibus até dizer chega,é hora do merecido descanso(pelo menos de ônibus hehe)….

    • laguiar

      Essa é grande diferença amigo, em grandes centros na Europa eles dão infraestrutura para vc poder ter alternativas viáveis, aqui não, não tem infra, não tem transporte, e os que tem, estão do jeito que todos sabemos.

      • DCald

        Além de serem mais organizados, os centros urbanos da europa não são tão grandes quanto São Paulo…
        São Paulo é uma cidade gigante, com um zilhão de pessoas morando, trabalhando/transitando (e cade o rodoanel que não fica pronto nunca?) tudo extremamente desorganizado (o cara que mora no centro trabalha na zona sul… o cara que trabalha na zona sul mora na zona leste e por ai vai…

        Já morei em Milão, que, apesar de uma estrutura melhor, também tem um transito ruim (grande parte pela falta de respeito do italiano no transito – estacionar em fila dupla sem a menor culpa é comum por lá, fechar cruzamento, etc), mesmo com uma população que nem chega a 1/10 da população de São Paulo.

        A solução pra São Paulo é esvaziar a cidade (e investir muito em infraestrutura)… teriam que sair pelo menos 5milhoes dos 20milhoes de habitantes da Grande SP, só pra começar.

        Fizemos nossa parte lá em casa, e saimos de São Paulo rumo ao interior do estado (hoje meus pais estão em Curitiba e eu em Macaé/RJ) isso em 1999, qdo a coisa não estava tão critica (eram 17milhoes de habitantes na Grande São Paulo… mas a frota de veiculos devia ser a metade ou menos!!!). Gosto muito de São Paulo, mas, infelizmente não é mais saudável morar lá.

        • Ricardo

          Não é mais saudável morar em qualquer cidade brasileira de mais de 400.000 habitantes.

  • Acelerando

    Bom relato, duro por vezes.
    Depender 100% do transporte público é uma roubada!

    • vagnerclp

      Eu dependo…sou pobre…fazer o que….mas que é osso é. Este trenzão aí da esquerda na foto é meu companheiro kkkkk e todo e esse povo aí são colegas de viagem rs.

  • Maycon102

    Aqui em Vitória meu antigo emprego ficava a 14km de minha casa. De ônibus gastava 1 hora e 20 +-, e de carro 30 minutos. Jamais trocaria carro pelo público aqui. Em Sampa é pior ainda, muita gente trabalha a 100km de casa, é terrível.

    • BituMattioli

      Eu trampo a 75km! hahaha, diariamente o Polinho roda 150km :)

      • wasdyn

        75? Deixa de ser egoísta e inimigo do meio ambiente e vai de bike, de quebra ainda faz um pouco de exercício e economiza bastante dinheiro. :P

        • BituMattioli

          hahaha, se não fosse tão longe ainda rolava, pois realmente preciso das duas coisas que vc citou, fazer exercícios (emagrecer) e economizar bastante dinheiro (a gasolina que gasto pra trabalhar da pra sustentar um estagiário, pois é o salário de um que vai embora só de gasolina). haha

          • riccorreasp

            1000 reais apenas em combustível?

            Complicado…

    • FlavioBlom

      Com 100km dá pra chegar em Santos.

      • FabioH

        Bem menos que isso se chega a Santos… uns 75km.

  • wasdyn

    Excelente matéria Luiz, gostei muito de ler, parabéns.

    Tempos atrás quase escrevi uma matéria parecida para o NA, mas no meu caso seria sobre os motivos de eu utilizar o carro diariamente para um percurso de cerca de 5 km de ida mais 5 km de volta, ao invés do transporte público ou bicicleta.

    Mais uma vez, parabéns.

    • wasdyn

      Darei uma breve explicada sobre meu caso.
      Diariamente vou e volto à faculdade, que fica a cerca de 5 km da minha casa, de carro, levando cerca de 10 a 15 minutos (estaciono na rua mesmo, então não tenho gastos com estacionamento). Cerca de 90% do percurso é feito fora de avenidas e ruas de grande movimento, e cerca de 50% é feito em ruas bem tranquilas, bastante arborizadas… Cenário perfeito para ir de bicicleta, acredito que levaria apenas 5 minutinhos a mais, mas… Estamos no Brasil e ninguém respeita ninguém, então a bicicleta está descartada porque não quero ficar tetraplégico. Eu também poderia ir de ônibus, mas neste caso o percurso passa para cerca de uma hora, fora a irregularidade dos horários do ônibus e a falta de segurança (seja no ônibus, seja na rua); a falta de conforto realmente não me afeta tanto, no horário que eu pegaria o ônibus não há muito movimento e daria para escolher o lugar para sentar (mas nem por isso acho que as coisas podem continuar como estão, sei que a maioria passa bastante tempo no ônibus e conforto não é luxo, mas necessidade). Sobram trem e metrô, não há estações próximas de meus destino e origem (a estação mais próxima é uma de trem, a 5 km, mas não passa perto da faculdade, já metrô não tem perto de casa ou da faculdade). Táxi, sem chance, não tem como gastar uns R$ 20,00 por dia.
      Resumindo, vontade não me falta de deixar o carro em casa, mas todas as alternativas têm algum fator que pesam muito contra seu uso – colocando na balança o carro é o melhor.

      • saosao

        5km, já pensou em fazer a pé?
        Andando em velocidade moderada para um homem, vc chega em cerca de 40 minutos.

        Moro ao lado do metrô São Judas, e quando tenho que ir a até uns 5km de distância, saio mais cedo e vou a pé. Inclusive para o parque do Ibirapuera, que está há uns 6km também vou a pé.
        É lógico, costumo variar o trajeto e prestar sempre atenção se não estou sendo seguido. Variar o trajeto também ajuda a não dar bandeira para algum ladrão que perceba que eu estou sempre no mesmo caminho e no mesmo horário.

        • wasdyn

          Saosao, já pensei em ir a pé, sim, mas sinceramente não me sinto muito motivado. Não colocarei a culpa apenas nas péssimas calçadas, admito que tenho um pouco de preguiça. De acordo com o Google Maps dá cerca de 1 hora, não tenho muito pique para isso, ainda tem a mochila cheia nas costas, a possibilidade de pegar uma chuva na volta… Ok, pararei de dar desculpas. XD
          O pior é saber que a pé eu levaria o mesmo tempo que indo de ônibus.

          Para você que vai a pé, tenho uma dica que ainda não coloquei em prática (serve para carro, bike e qualquer outra coisa). Conhece aqueles "porta dolar" (tipo uma pochete, bem fininha, que se coloca por debaixo da camiseta)? Deixe seu celular e carteira numa bolsinha dessas e carregue no bolso uma carteira e celular "falsos" – no caso da carteira basta deixar uns 20 ou 30 reais (bandido não gosta de assaltar e levar 5 reais) e alguns papéis para fazer um pouco de volume (o ideal seria uns dois cartões telefônicos, talvez uns cartões de banco em branco [não sei se isso é possível], cartões de loja… – só para não deixar muito na cara que é um chamariz), já o celular basta comprar um usado que pifou (algum modelo dessa década, também para não dar muito na cara).

          • saosao

            kkkkkk tudo bem, confesso que às vezes cansa ir a pé.
            Suas dicas são muito válidas e eu uso uma pochete esportiva, como a que vc citou, que gruda no corpo. Coloco a camisa por cima e ninguém nota. Só que ainda não aderi à tática de deixar a contribuição para o ladrão, o que eu deveria fazer mesmo, mas não faço por achar que não vou ser assaltado…. isso é um problema.
            Já fui assaltado umas 5 vezes, mas a última foi há quase 20 anos, então vc acaba tendo a falsa impressão de segurança…

            Bike é outra polêmica. Já cheguei a ir 2x por semana para o trabalho de bike, rodando 26km por dia, mas depois de 2 atropelamentos, eu decidi ser egoísta e contribuir para o engarrafamento, a menos que façam ciclovias de verdade, e não apenas pintando bicicletinha no asfalto.

            • wasdyn

              Sei como é, e eu nem sei por que ainda não comecei. Deve ser essa mesma falsa impressão de segurança que você falou. Já fui assaltado 3 vezes, duas no ponto de ônibus e uma no ônibus, a última deve ter uns 3 ou 4 anos.
              Meu problema da bike é esse que você citou, das opções de transporte é a que mais tenho vontade de utilizar, mas o trânsito desestimula completamente. Como você disse em outro comentário, suor, sol e chuva são o de menos (até que dá para dar uma contornada), o pior mesmo é a falta de educação do povo.

          • gcarlos

            Se os bandidos também lerem o NA, vão ficar sabendo do truque de vcs.

            • wasdyn

              Kkkkk, já pensei nisso. Logo logo os caras deixarão a gente pelado na rua e farão uma colonoscopia para ter certeza que não foram tapeados. XD

        • FlavioBlom

          De São Judas até o parque do Ibirapuera é até tranquilo, na descida. Cruel deve ser a volta, pegar a República do Líbano e a Indianópolis toda na subida.

          • saosao

            Na ida vou trotando, no parque eu corro, e na volta vou andando mesmo, com direito a parada no posto pra tomar gatorade… rs
            O que pega é a subida da Indianópolis, entre a Ibirapuera e 23 de maio…

            • Edson Roberto

              Meu Deus do céu! E hoje tenho pedalada noturna! :)

              Eu quero tentar ver se começo a rodar 30 e 40km com o pessoal. Por enquanto 15km e já "me acho" o ciclista…rs

              • saosao

                Edson, rapidinho vc consegue pedalar 60km com gostinho de quero mais! daqui a pouco vai querer pegar os grupos de pedal avançado, rs.
                Eu pedalava com a speed pela ciclovia da marginal, e também fazia cicloviagens de mountain bike, cheguei a fazer uma viagem de 241km em 3 dias, e em outra, vim de Itu até minha casa na Saúde em 1 dia, e tudo com alforge pesando uns 10kg. Mas aí comecei a namorar e já viu né…

                Aliás, é gritante a diferença de educação dos motoristas quando vc sai da capital.

            • laguiar

              Até de bike essa subida me mata rsrs… costumo rodar a ciclofaixa de domingo nesse percurso.

              • saosao

                rsrs eu curto subida de bike pra caramba!

  • lkalencar05

    Posso ser egoísta, mas nao largo a comodidade do meu carro, principalmente em uma cidade igual Goiania, transporte publico lastimavel, fiz uma promessa para eu mesmo, que quando tivesse condições nao andaria mais de onibus, infelizmente essa é a nossa realidade.

  • Mak06

    O cara tentou fazer o certo e óbvio em uma grande metrópole,mas como no Brasil nada funciona tudo é aos trancos e barrancos,no vai ou racha não teve opção.
    Governantes nem estão ai!o negócio é ganhar votos nas eleições e ficar dando banana aos adversários políticos,pois quem irá abocanhar $$$$$$$$$$$ é a vez dele!e daqui 4 anos a gente se fala,para isso que eles estão lá competindo entre os lobos.

    • hugogyn94

      Claro,o governo não esta nem ai, pq eu nunca vi alguém fazendo reclamação ou denuncia por transporte publica precária.

  • Tiago

    Prezado Luiz,

    Confesso que estou admirado com a sua atitude de realmente fazer acontecer este "teste".
    E vejo que vc é uma pessoa inteligente por fazer o teste, fazer as comparações que fez, pesquisar e por fim comprar um 208 Griffe. Fez um ótimo negócio. Quanto ao usado ou não. Isto já vimos muitas discussões aqui. Particularmente eu prefiro o usado, mas este assunto rende muito e é algo muito particular.

    Parabéns pelo post!

    • laguiar

      Valeu Tiago!

      Vou escrever outro artigo falando de todo meu processo de compra, que não foi tão curto rs… espero que consiga escrever ainda pra esse mês e vou mandar pro Eber.

      Valeu!!!

  • _Adriano__

    Esse esquema é muito ilusório, o cara fala do gasto que teve, porém quando vc gasta em transporte assim, vc ja gastou e ja era, quando vc tem um carro, vc gasta porém tem o bem pra vender, já fiz as contas e é impossivel viver de carro de aluguel, um celta custa mais de 60 reais + 30 de seguro por dia. taxi em sp vc anda 1 km e a parada ja esta em 10 reais, fica dificil demais

    • Fanjos

      Bem por ai mesmo, difícil conseguir alugar um Uno 1.0 pelado por menos de 90 reais

    • saosao

      Acho que vc não contou com a desvalorização do carro, a manutenção, seguro, etc, né?

      O valor gasto com transportes alternativos e públicos pode ser alto, mas a perda de dinheiro com carro particular ainda é maior, no caso dele.

      • _Adriano__

        Contei com tudo amigo, seria muito burro se não colocasse tudo isso no calculo, eu utilizo transporte publico na semana, e no meu cenário atual é totalmente inviável, e falei do aluguel de um celta, me desculpe mas não vou deixar de andar de focus pra andar de celta, então o aluguel teria que ser algo do nível!

        • saosao

          Não estou defendendo vender o carro, só acho que há sim economia sem carro, como o próprio autor do post colocou em prova.

          Mas realmente, se vamos alugar um carro, certamente deve ser um com segurança e conforto do mesmo nível que estamos acostumados. Nivelar por baixo não é uma boa comparação.

          • _Adriano__

            Eu acredito que isso não se da pra definir somente com um testemunho, afinal cada um tem um estilo de vida, e volto a repetir, no meu caso não iria dar certo, detalhe só uso o carro de final de semana e mesmo assim iria ficar bem mais caro viver desse jeito ai.

            • saosao

              É, para mim também não rola. De fim de semana faço vários trabalhos voluntários e ainda vou ver a namorada em Alphaville.

              Esse esquema só funciona para determinados perfis de pessoa, não só aqui no Brasil como em qualquer lugar do mundo.

              • _Adriano__

                Pois é, acabei de cotar um celta pelado na localiza, 3 dias = 434,39 com seguro, isso por um final de semana, completamente sem noção esses preços, em 1 fds alugado vc paga a prestação do celta, na outra vc ja paga as manutenções, rs ainda te sobra grana, detalhe que o carro sendo seu vc anda quando quiser, e nao precisa gastar indo até a locadora e etc…

                • MatheusRaffa

                  Caramba… Sem noção demais esses valores!

          • SilenceBass

            Só há economia se:

            1) vc for solteiro
            2) trabalha em casa
            3) onde trabalha, dê pra ir a pé

            nos demais, não há economia.

    • laguiar

      É mais ou menos por ai Adriano, por mais que na ponta do lápis, saia mais barato não ter o carro, ao longo de uns 3 anos por exemplo, não só a questão monetária, mas a questão tempo, trabalho pra locar o carro e tudo mais, passar os perrengues de pegar taxi e usar transporte público, acabam fazendo valer a pena ter mesmo o carro, pois vc fica com a opção, pois mais que não use 100% do tempo.
      E outra, em São Paulo eu não alugo carro sem adicionar seguro de jeito nenhum, o risco é muito grande, e essa diferença pequena na locação, ao final de um ano inteiro, da sim um gasto considerável.

      • _Adriano__

        Se colocar na ponta do lapís fica dificil, pessoal esquece de colocar o valor do bem na história, por isso que sai "quase" a mesma coisa

        • _oliveira

          Não tem valor do bem.. O carro vai desvalorizar..
          Para ter um carro.. você tem que imobilizar um dinheiro e na hora de resgatar.. resgata menos..
          Então, nessa situação, se for contar o valor do carro.. Isso é um prejuízo e não ganho de dinheiro..
          Não importa se vai resgatar 40 mil… você imobilizou 60 mil antes..

          • _Adriano__

            Faça os calculos e depois conversamos.
            Se não tem valor do bem os 40 mil são o que? Ou vc vai deixar o carro de lado e perder tudo?
            E em momento algum eu falei que carro é investimento, alias isso é pensamento de brasileiro, porém não caio nessa burrice nativa.

  • Bob Granna

    O problema mesmo é morar em cidades grandes.
    Morei em SP até 1994, troquei por uma cidade a 100 km de lá, com 1% do total de habitantes.
    Hoje é uma tortura quando tenho que ir para lá.

    • vagnerclp

      O pior que os paulistanos estão saindo da capital e vindo pra estes entornos. Moro na região de Jundiaí a 60km de São Paulo, o trânsito já está ficando infernal igual ao da capital, a cidade não comporta, pois é uma cidade antiga e com ruas estreitas e não planejadas para tanto carro. 40% dos imóveis vendidos por aqui são para paulistanos, o prefeito vetou a aprovação de condomínios horizontais e verticais desde 2013, mas como o boom imobiliário foi antes disso, tem uma cacetada de projetos aprovados e só se vê apartamentos sendo construídos por toda cidade, as principais vias travando mesmo fora dos horários de pico, as velocidades das vias sendo diminuídas e os radares sendo aumentados a cada dia.
      Desculpe o desabafo, to meio de saco cheio de tudo que acontece neste país, nos impostos que pagamos, no preços dos produtos em geral, estamos num mato sem cachorro.

  • BituMattioli

    Parabéns pela principio de bom cidadão, e por ser esperto e desistir de pagar parcelas em um veículo enquanto poderia utilizar o transporte público, mesmo sabendo que era uma roubada… enfim, realmente não há como utilizarmos o transporte público sabendo que temos condições de ter um carro e utilizar-se deste artefato de conforto.

    Eu estou assim ultimamente, porém não tenho como utilizar do meio de transporte público, pois moro em Sto André e trabalho em Barueri… mas a vida vai levando, rodo 150km diários (pelo rodoanel) e é isso, o Polinho é um guerreiro! :D

  • moises_b

    Para resolver meu problema com o trânsito pesado, que apesar de morar em Florianópolis, já incomoda bastante o trânsito aqui nos horários de pico, eu comprei uma moto automática, a Honda PCX. Como não tinha muita prática preferi pagar a mais por esta scooter automática e só prestar atenção no trânsito ao invés de ainda ter que pegar o jeito das marchas no pé, pois tirei a carteira de moto faz mais de 10 anos e nunca tinha andando na rua. Estou há 6 meses com ela e adorando. Mas o carro tá guardadinho na garagem para os dias de chuva. Transporte público aqui também é uma lástima!

    • laguiar

      Cheguei a pensar numa moto, na verdade ainda penso, mas minha demanda de uso para um carro ainda é grande, e somente a moto não resolveria tudo, além do fato de ser extremamente perigoso aqui, por mais que vc ande só de boa.

    • felirrari

      Morei aí em Florianopolis e realmente o trânsito é pesado demais nos horários de pico. Só que vc tem a vantagem de poder andar de boa com a sua scooter. Eu moro em Fortaleza e aqui é violento demais e o trânsito é muito mais louco. Com certeza viria algum ladrão ou algum louco daria conta me ferrar, caso eu comprasse uma dessas.

  • opuscompu

    Excelente e lúcido relato. Eu tb moro e trabalho na região da Paulista. Como minha esposa trabalha na zona leste e pega o contrafluxo do metrô, nosso carro é mesmo mais pra viagens ou eventualidades. Sou ciclista, consciente de todos custos de manter um carro, favorável a um planeta mais sustentável e morei na Europa, enfim, eu adoraria não ter de manter um carro. Infelizmente, isso é uma utopia diante da deplorável infra-estrutura do nosso país….

  • renanrv

    Excelente! Mostra bem o motivo pelo qual nossas cidades estão abarrotadas de veículos com uma só pessoa ao volante. Não tem como utilizar o transporte público. Os que utilizam, dificilmente, escolheram por opção e sim por necessidade. Viva nosso país corrupto.

  • Acho demais esses relatos. Parabéns Luiz! Agora estou curioso pelo próximo post: saber o que te fez optar pelo 208 ao invés do Fiesta Powershift, que você falou que foi o carro que mais alugou. Voltando ao texto: sabe quando vou voltar a usar o transporte público? Quando tiver qualidade. Motoristas preparados, segurança, eficiência, conforto, enfim, coisa que inexiste hoje. Chegaram a ver a licitação do transporte público de Porto Alegre que queria excluir o ar condicionado? Pois é, assim fica difícil largar o carro. Na minha faculdade, na saída da aula está sempre tudo lotado: estacionamento, taxis e principalmente os ônibus. Por que não colocam mais ônibus nas ruas e proíbem o transporte de passageiros em pé? Seria o mínimo de lógica, afinal se os carros tem que ter airbags, se é obrigatório o uso do cinto (se não somos multados pela indústria…), qual a moral de andar de pé?
    Quanto aos taxistas, aqui em Porto Alegre é a mesma coisa. Raramente pego taxis (na sua maioria Classics), mas sempre quando pego acontece o mesmo "truque" do troco. Dirigem mal, andam voando. Já peguei taxista fumando dentro do carro, falando no celular, enfim… teve uma vez com a minha irmã que o bagual do taxista tirou um chicote, sim, um chicote e queria brigar com outro taxista. Ainda tem muita coisa para melhorar, às vezes eu penso que nunca vai mudar.

    • FelipeBR14

      Dudu,
      aqui no Rio passei a utilizar o app 99taxis e sempre pergunto se o taxista tem troco através de mensagem de texto. Tem funcionado.

      • FlavioBlom

        Felipe, você acha que este é o melhor aplicativo pra táxis?

        • FelipeBR14

          Eu acho melhor q o taxibeat.
          O 99taxis funciona muito bem aqui no Rio de Janeiro.

    • wasdyn

      Para ficar ruim tem que melhorar muito.

    • laguiar

      Valeu Dudu… pode deixar que já comecei escrever o relato da compra, em breve mando pro Eber ;)

    • Castle_Bravo

      Eu já ouso dizer, nunca. Fora alguma emergência para usar o transporte coletivo.

      Carro -> moto -> bicicleta -> a pé.

      Por ordem de preferência, nem cogito outro meio.

    • _oliveira

      Porque ele alugou o NF e comprou o 208 é fácil.. Não existem 208s para alugar.. heheh

  • FelipeBR14

    Legal o relato.
    No meu caso (morador da Zona Norte do Rio de Janeiro), é mais vantajoso trabalhar de transporte público. Saio de casa as 06:45h e chego as 07:20 no Centro do Rio. Na volta demoro em torno de 60 a 70 minutos para chegar em casa (contando o tempo que saio do trabalho e entro em casa). Uso carro apenas nos fins de semana e mesmo assim quando não vou beber.

  • Adamis

    Cara adorei a matéria, principalmente porquê estou sem carro momento. Vou te dizer que essa conta aumentaria ainda mais se você tivesse filhos..rs Devo estar adquirindo outro veículo até o fim do ano, pois como você também quis me livrar do custo do financiamento mais manutenção.

    • laguiar

      Com certeza, com filhos a conta sobe mesmo, possivelmente minhas escolhas teriam sido diferentes e nem tivesse vendido o Bravo.
      []s

  • aleneo2

    Eu nao troco meu carro por transporte publico de jeito nenhum.

    De onibus da minha casa ao trabalho que está a 15km demoro 1:25 e tenho que pegar 2 onibus, de carro gasto entre 15 e 20 minutos. para voltar é pior de carro entre 20 e 25 minutos de onibus 2 horas.

    sem o carro hoje nao poderia estudar ingles e nao teria tempo para caminhar.

    e o pior que ja fiz as contas. para ir e voltar do trabalho é mais caro de onibus do que de carro…

    • MatheusRaffa

      Cara, mais caro de ônibus do que de carro também não né… Você está considerando apenas o combustível, talvez (mesmo assim é improvável, veja abaixo)? Se somar seguro, manutenção, IPVA, DPVAT, depreciação, etc, é impossível a teoria de que andar de ônibus sai mais caro que de carro.

      Vamos supor que vc pegue até 4 ônibus/dia. Fazendo integração vai sair por cerca de R$6, R$7 por dia, dependendo de onde vc mora.

      De carro vc gasta 30km/dia, supondo que seu carro faça 10km/L (G), você gastará só de combustível 3L x R$2,8 = R$8,40/dia.

      Não tem como isso que vc falou… Concordo que inúmeros fatores intangíveis agregam valor positivo a decisão do automóvel (menor tempo gasto, conforto, etc), mas financeiramente (apenas) o ônibus ainda compensa.

      • SilenceBass

        1) Seguro: nem todo carro tem seguro caro
        2) Manutenção: em tese, todo carro tem quer passar por manutenção de 6 em 6 meses apenas (troca de óleo), as demais são mais longas ainda (pneu= 5 anos, correia dentada : 3 ou mais, alternador : 2 anos ou mais (somente tendo em conta o tempo e não quilometragem, que se for tomar como base pode durar até muito mais pra quem não roda muito)
        3)Gasolina: com a "onda flex" muitos aderem ao álcool, eu por ex. e é mais barato ( R$1,82 por aqui)
        4) DPVAT , IPVA e demais impostos que não deveriam existir: vamos supor que ele tenha um Corsinha 1995, IPVA baixo e em 2016 não pagará mais… além da manutenção do carrinho quase nula, isso se ele cuida bem (o que não é nada difícil)

        tem que rever muitos conceitos pra chegar numa conta razoável, e na ponta do lápis é isso mesmo: SE andar de busão sai mais barato no fim das contas… será que vale a pena??!

        2 h de busão lotado x 20 min de carro… amigo, não tem discussão !!

        • MatheusRaffa

          Amigo, vamos lá:

          1) Ok, desconsidere seguro (mesmo sendo loucura andar em centros urbanos sem isso);

          2) Consideraremos então apenas troca de óleo de 6 em 6 meses. Vamos de Celta, R$150 por troca de óleo, filtro de óleo e combustível. Isso dá um total de: R$150/180(dias) = R$0,83/dia.

          3) Mesmo com Etanol o gasto vai ser praticamente o mesmo. Vai gastar menos mas vai render menos. A conta que eu fiz foi proporcional.

          4) Ele não especificou o veículo, pelas informações não dá pra deduzir qual seja. Supondo que seja um carro de 20anos+, sem IPVA, dificilmente o custo das manutenções será APENAS a troca de óleo. Carros com essa idade sempre aparece coisa a mais para fazer, mesmo cuidando bem. Pensando ainda que ele comprou o carro agora, quem garante que o dono anterior do "Corsinha" fez toda a prevenção no automóvel? Mais dificil ainda…

          Eu fiz a análise apenas em cima do comentário de que FINANCEIRAMENTE (segundo ele) era mais vantagem manter o automóvel. Matematicamente essa conta não fecha, é impossível.

          Como eu disse anteriormente:

          "Concordo que inúmeros fatores intangíveis agregam valor positivo a decisão do automóvel (menor tempo gasto, conforto, etc), mas financeiramente (apenas) o ônibus ainda compensa."

          Se compararmos o conforto, tempo, etc, concordo que não tem discussão. É aquela velha frase: "Não há dinheiro que pague", rs.

        • aleneo2

          na verdade é um carro zero 1.4 mas fiz a conta toda mais abaixo mostrando que analisando apenas no dia de semana sai pouca coisa mais caro coisa de 50 reais por mes, com todos os gastos, porem quando inclui o fim de semana onde teria que alugar carro a conta do carro fica muito mais barata. isso sem contar o conforto logico.

          E tem um fator que ninguem considera, tempo é dinheiro, pega o seu salario e considera o tempo que vc perde no onibus x tempo gasto no carro, isso tambem é custo… o que voce pode fazer a mais com esse tempo.

      • aleneo2

        Olha entendo a sua conta mas tem outras variáveis.

        Aqui como teria que pegar 4 onibus sendo 2 intermunicipais (BH-Contagem nao da pra falar onde começa uma e termina outra porem a passagem é mais cara) e 2 convencionais ficaria em R$ 13,40 por dia.

        De carro gastaria aqui:

        R$ 7,55 gasolina

        R$ 3,28 IPVA

        R$ 3,83 seguro

        R$ 0,40 manutenção (calculo de todo o gasto de manutenção do carro nos ultimos 3 anos por dia)

        Daria considerando tudo R$ 15,08 mais caro como voce disse.

        Porem para comparar os dois teria que incluir o fim de semana a ida no ingles e a ida para caminhada pois perto da minha casa so tem morro e nao da pra andar direito. fora que tenho que viajar quase toda semana cerca de 100km para cidade da minha familia ou da minha esposa.

        quando eu coloco tudo junto fica no final da conta, mesmo colocando a desvalorização a conta anual ficava, com carro coisa de 12 a 14 mil e sem carro entre 15 e 17 mil.

        Eu ja considerei ficar sem carro, mas vi que seria muito mais caro.

        fora que existe uma coisa que é dificil valorizar, tempo hoje em dia é dinheiro, trabalho com análise de custos em indústria e cada minuto parado é contado.

        Se eu considerar o meu salario como dividido nas 24 horas do dia, o tempo que vou perder no onibus todos os dias 2 horas deixam a situaçaõ de custos para onibus ainda pior financeiramente, e pensando como pessoa sao duas horas por dia da minha vida a mais por conta da empresa que já toma 1/3 do seu dia… e a menos com quem interessa de verdade minha familia e eu mesmo…

        A conta considera meu carro que é um carro comprado zero com o valor de 37mil.

  • FabioH

    E conseguiram piorar o trânsito com essas falsas faixas exclusivas, mas porque "falsas"? Falsas porque foram feitas sem planejamento algum, não tem ponto de ultrapassagem, normalmente são estreitas demais, algumas funcionam apenas 3h (isso mesmo, 3 horas!) por dia, qual o sentido nisso? E em alguns trechos, não retiraram as vagas de zona azul (estacionamento) e muito menos os pontos de taxi! Muito fácil pintar algumas faixas no asfalto e depois fazer propaganda de que fez X kilometros de faixas exclusivas! Vergonha esse prefeito. Outro ponto citado no texto, pelo que pagamos no serviço de taxi na cidade de São Paulo deveríamos ser recebidos com direito a tapete vermelho e champagne, mas o que se vê é isso mesmo, taxistas totalmente despreparados, e muita falta de respeito, que venha a Copa do Mundo!

  • Rodrigo

    Isso porque vc morou / mora dentro da cidade de São Paulo, é atendido por metrô e ônibus em quantidade razoável (se é suficiente para todo mundo, já são outros 500). Mas imagine quem mora na Grande São Paulo, não é servido por trem ou metrô, depende de linhas de ônibus que passam de meia em meia hora (no mínimo, quando não tem atraso), tem que atravessar a cidade ou percorrer distâncias de no mínimo 30 km. O carro já não é mais luxo e sim necessidade de locomoção.

    Lembro-me que fiquei sem carro, por 5 dias, para arrumar uma pequena batida. Foram os 5 dias mais estressantes da minha vida! E não é ser reacionário ou mimado, simplesmente não dá:acordar 1 hora antes do habitual pra, com sorte, chegar no horário no trabalho e depois no final do dia ficar mais 2 ou 3 horas preso no transporte público para chegar cansado, estressado e todo tipo de sentimento que em boa parte do seu texto você conseguiu reproduzir.

    A solução da mobilidade nas grandes cidades já transcende qualquer tipo de projeto ou obra civil. Já esbarra na questão cultural. Não é à toa que muitas empresas já adotam o home office como alternativa para melhorar a produtividade dos empregados. Há escolas que mudaram seus horários para contornar os horários de pico. Há uma diversidade cada vez maior de comércios que ficam abertos 24h para quem, por exemplo, precisa fazer compras de madrugada e evitar filas.

    Eu gosto muito de São Paulo, mas não me vejo, daqui 10 anos, vivendo e trabalhando aqui. Por diversos motivos, o trânsito e a falta de educação das pessoas nele é um deles. Até lá pretendo perder o medo, me matricular num CFC da vida e comprar uma moto para meus deslocamentos para o trabalho (quando vou, já que consigo fazer home office 2 dias por semana).

  • Alemão

    aki em BH aboli o carro ja fazem 4 anos….. agora vou de scooter ( Honda PCX, 40 km/l)….. Gosto de carros, mas ultimamente só os vejo parados…. não são mais mobilidade.

  • fschulz84

    Perfeito o relato… Eu moro até próximo ao autor do post (Vila das Mercês) e trabalho na Av. Luiz Carlos Berrini.

    Eu largaria facilmente o carro em casa se tivesse um transporte que funcionasse direito nesta cidade caótica… ônibus vem superlotado, metrô idem, bicicleta fora de cogitação, táxi extremamente caro… O que sobra? Nosso bom e velho carrinho! Apesar de caro para manter, abastecer e estacionar, é o que sobra…

    E não adianta os "politicamente" corretos defenderem o contrário, pois não tem outro jeito.

    • fabritch

      Provavelmente o ônibus do seu bairro até o metRô saúde/são judas ou outro que seja, deve ser complicado. Eu vou da Saúde pra Berrini e Vila Olímpia MTO de boa. MASSS, uso o metrô e CPTM em horários alternativos, que se for pensar não são taaao alternativos assim.

      Qd tenho reunião e preciso chegar as 9, realmente é uma bosta, detesto.
      Mas qd entro as 10 e saio as 19, é outro mundo. Metrô e trem vazios e pessoas educadas. Se vou pra academia e saio 20/21, é ainda mais tranquilo.

      As empresas são burras, muitas poderiam tranquilamente colocar os funcionários em horários mais flexíveis, mas não….preferem que cheguem estressados as 9 da manhã. Sem contar os idiotas que querem chegar em casa cedo pra assistir novela e jornal. kkkkkkkk

      • fschulz84

        O metrô mais próximo da minha casa é o Sacomã… Antes era muito bom, existem mais de 6 linhas de ônibus que passam próximo ao ponto de casa que saem toda hora… O problema é que por questões de crescimento populacional nos bairros mais próximos à divisa com São Bernardo, as linhas começaram a sair mais do "fundo", quando chegam perto de casa, já estão totalmente lotadas. Já fiquei esperando mais de 50 minutos no ponto, não porque o ônibus não passava, mas sim até conseguir entrar em um que tivesse meio m² de espaço para eu me encaixar…

        Com as linhas que vão para o metrô São Judas, é a mesma coisa… Tem uma linha de microônibus que o ponto final é do lado de casa e vai para o metrô Saúde, mas além de dar a volta no planeta inteiro, o motorista se sente o Colin McRae no volante… Parece que esquece que está levando pessoas e não batatas…

  • saosao

    Gostei do post, parabéns!
    Há um tempo já vinha pensando nessa alternativa, de me libertar do carro, mas depois dessa sua experiência, desisti mesmo.

    • O_Corsario

      Mas veja que o relato se divide em duas partes. Em uma, morando perto do metrô em um local onde se tem sensação de segurança, conseguiram viver sem carro numa boa. Quando se mudaram para um lugar mais complicado é que ficou inviável.

  • Manoel Gondim

    O que me revolta é quando aparece um (geralmente) ecochato mandando eu trocar meu carro por uma bicicleta.
    – OK. Mas vá lá percorrer 20 quilômetros debaixo de um sol de meio-dia num calor de quase 40 graus. Vai nessa.

    • wasdyn

      Manoel, no meu caso o problema nem é a distância (apenas 5 km num percurso realmente convidativo), o problema é o trânsito em si – se de carro eu já saio de casa sem saber se voltarei inteiro (ou se simplesmente voltarei), de bicicleta…
      Vontade não me falta, só falta estrutura.

      • gcarlos

        ou se voltará com a bicicleta!

        • wasdyn

          Kkkkk, pois é.
          Se eu comprasse uma bike melhorzinha para usar no dia a dia seria bem capaz de eu mandar pintá-la (para esconder a marca) ou até colar um adesivo "Caloi" e "stainless steel" pra ver se disfarça um pouco (essa segunda parte é brincadeira, mas sobre pintar é sério). XD Fora que consideraria seriamente um seguro.

    • aleneo2

      Aqui em BH ainda tem os morros, é quase impossivel ir de um lugar ao outro sem uma subida infinita…

    • saosao

      Eu pedalava de casa ao trabalho, no total dava cerca de 26km ida e volta. Pedalei sob sol e chuva, deixava a bike no estacionamento do prédio mas tomava "banho" na torneira do banheiro.
      O problema não é o sol ou chuva ou o suor, o problema é a falta de educação dos motoristas, o que me fez desistir de pedalar por São Paulo após 2 atropelamentos.

      • DinhoRoxx

        Existe muito ciclista extremamente mal educado, o que ja tive que desviar de ciclista que se joga da calçada e pula no meio da rua nao é brincadeira.

        Tambem existem cliclistas que andam de noite com roupa escura sem nenhuma iluminaçao e com olho de gato vagabundo que não reflete, motoristas tem dificuldade em ver motoqueiros de dia com luz acesa, calcule de noite nessas condições.

        Para mim ciclistas para andarem em transito de grandes cidades deveriam tirar carteira pois a maioria infringe muitas leis

        e vale ressaltar já cansei de ver ciclista no meio da rua segurando o transito com uma ciclovia do lado

        • _oliveira

          Apenas para completar.. se me der licença..
          Apesar da falta de educação .. ainda é necessário respeitar o próximo :)

    • ancelmohenrique

      Boa Manoel, não deixo de queimar gasolina pra pedalar (e zuar mais ainda meu joelho) no sol, aqui na minha cidade 35º é normal, mas a sensação, bom ai são outros 500.

    • DinhoRoxx

      E numa emergência medica de madrugada, uma pessoa com filho, fica esperando a ambulância?? em dia de chuva como faz?

  • Anderson_sp

    Na boa SP como está com estas faixas de ônibus e ficar parado no trânsito com motoboys buzinando em manada a 1km de distância do carro, não sei o que é pior, lógico que o carro lhe proporcionará um conforto bem superior, sem comparação, mas andar de carro aqui em SP é triste, pegar uma marginal, uma via movimentada alagada é lastimável, transporte público é horrendo, mas como moro perto de uma estação de trem ainda vale a pena apelar pra ele.

    No mais o texto é por aí mesmo, como o autor mora perto do trabalho fica difícil descrever também o martírio de atravessar a cidade usando carro que também é outra aventura lastimável.

    • laguiar

      Anderson, vc esta certo nesse ponto tbm, ir de carro não tira alguns dos aspectos ruins do trânsito que vale pra todos, é questão de pesar as coisas… já peguei trânsito parado de quase 2hs infurmado num busão que não dava nem pra levantar o braço pra limpar o suor do rosto, de carro vai demorar igual, vc vai gastar mais, mas tem o alento de estar mais confortável, com ar condicionado, ouvindo sua música e etc, por mais egoísta e elitista que possa parecer isso, mas acredito que todo esforço que temos ao estudar e conseguir um melhor emprego, é tbm para poder termos um pouco mais de conforto, e já que é pra viver no caos, que seja possível minimizar um pouco esse sofrimento.
      []s

      • Anderson_sp

        Entendo, pra mim não compensa ir de carro, se botar no papel combustível, manutenção e estacionamento, fica inviável, lógico que o carro vai lhe proporcionar mesmo que nas piores situações de trânsito um conforto maior, mas pra mim ainda vale enfrentar o martírio do transporte coletivo do que a singularidade do carro.

  • Vinicius Felix

    Excelente análise. Estou passando por esse problema, ando pouco mais de 20 km por dia, mas ao usar o transporte público levo 1 hora a mais para chegar aos destinos.
    Estou fazendo contas e mais contas para avaliar se comprar um carro próprio compensa, afinal, pagar estacionamento, gasolina e um financiamento por mês pesa, além das outras dispesas. Caso contrário melhor guardar o dinheiro e chegar pouco antes da meia-noite em casa.

    • O_Corsario

      Lembre-se do seguro também.

      • SilenceBass

        Trabalho – dormir – trabalho

        será mesmo que essa rotina "tem preço"? Viver pra trabalhar, economizar pra usar sabe-se lá quando e onde?!

        A vida é agora… pense.

        • O_Corsario

          Bom, a questão dele é que não quer se endividar. A vida é agora TAMBÉM…

          • Vinicius Felix

            Coloquei o gasto do seguro em "outras despesas", afinal a cotação mais barata foi 3500 num Palio Fire básico.
            Mas se eu conseguir um bom carro, talvez um Focus mesmo sendo o mk1 com mais de 50% de entrada, pode valer a pena.

  • luizcrjr

    Esse relato mostra que no Brasil carro não é luxo, é pura necessidade em 99,9999% das cidades brasileiras.

  • FelipeLange

    Ih cara, minha mãe ficou 9 meses sem carro, e foi uma tormenta só.

    Tinha que ficar pegando carona dos outros, pegar o circular pra voltar pra casa (é o que chamam de ônibus aqui em Mococa, interior de São Paulo), e na hora de ir pescar era um sofrimento. Viajar então, tinha que ser no carro dos outros.

    Carro é um meio de transporte muito útil e bom pras emergências. Aliás, mesmo que o transporte público fosse decente, ainda sim uma hora você precisaria de um carro.

    Não abandono o carro de jeito nenhum, governo nenhum vai me impedir.

  • Renan

    Queria sugerir ao NA fazer uma matéria sobre aluguel de carros no Brasil, para diferentes usos, tanto para turismo quanto para uso cotidiano, se é que vale a pena fazer isso. Estou curioso para saber sobre formas diferentes de se usar um carro. Fiquei até animado quando li aquela matéria da Citroën, se não me engano, que propôs um modelo parecido com o leasing.

  • MecanicoDigital

    Muito válida a experiência!
    Eu juro que tentei fazer a mesma coisa… consegui por uma semana… daí não deu mais…. um verdadeiro martírio o transporte de massa de São Paulo. Mas ainda tinha o problema de gastar de 50min. a 1h todo dia pra rodar 7km na ida, e tudo de novo na volta…

    A minha solução? Vendi o carro e comprei uma moto. Os riscos obviamente são maiores, embora muito menores do que as pessoas imaginam, mas o ganho de tempo e qualidade de vida, além do prazer e da emoção que só se consegue em duas rodas, e mais inúmeras vantagens, isso não tem preço.

  • RTEC29

    Enquanto não houver alternativas para mobilidade, vai continuar o anda e para. São é só Bike, é trem, VLT, Metrô, horários alternativos de trabalho, home office, várias alternativas.
    Nossa frota só vai continuar crescendo e o problema tende a piorar ainda mais.
    As cidades também precisam de um planejamento urbano adequado, mas os políticos só se vendem para construtoras levantarem arranha céus em locais absurdos. O adensamento urbano precisa ser restringido não por um problema de mobilidade, mas por questão de eficiência econômica.

    • Heisenberg

      Nos EUA tem quase o décuplo de carros do brasil e as coisas lá funcionam. O problema aqui nesse país é o instinto comunista dos desgovernantes em não investir em vias para a melhoria do trânsito para favorecer os usuários de carros particulares. Enquanto houver essa doutrina marxista de que carro é um produto capitalista tornando-o por forças estatais, inviável, nunca teremos o direito de uso de nossos carros da forma justa, ainda mais quando somos obrigados a pagar o maldito tributo chamado IPVA, peça clara do atentado ao direito de propriedade.

  • Heisenberg

    Jamais venderia meu carro para adotar transporte público em nome desse patético coletivismo. Mesmo se eu morasse ao lado do meu trabalho, assim mesmo eu ainda manteria meu carro. Tudo que for voltado para o conforto meu e de minha família, enquanto posso manter irei sempre de carro próprio.

  • Junoba

    Moro em Ipatinga (interior de minas) e no meus 15 anos de vida só peguei 2 vezes de ônibus lotado.

    • Pedro Emanuel Gonçalves

      Vai pegar o 700 às 18h ou nos horários de saída da Usiminas então. Até fora de horário de pico eu já peguei ônibus lotado em Ipatinga, é uma tragédia aquela Autotrans.

  • O_Corsario

    Texto excelente, honesto e realista.
    O legal é ver como dependendo do bairro é fácil viver sem carro. QUando se mudou, ficou inviável.
    Outro ponto: ando muito de táxi quando visito meus pais e tenho impressões semelhantes: é sempre uma aventura. Hoje prefiro não beber e ir dirigindo, pois falta muita padronização no serviço – já andei com ótimos taxistas, educados, mas a maioria é sem educação, sem noção e dirige perigosamente.

    • SilenceBass

      Cara, teve um tempo que fiquei sem carro e peguei um taxi pra voltar pra casa, após visitar minha namorada.

      Mesmo o FDP do motorista vendo que tenho mulher (pois ela tava esperando comigo na porta), ficou contando, além de suas "experiências" sexuais, o quanto mulher é um lixo.

      Cara, foram os 10 min mais intermináveis da minha vida. Pior que era um velho gagá, até parece que pegou o tanto de mulher que falou…

  • Macro

    Fazem 5 anos que uso somente público em SP e sinceramente quase nunca tenho problemas porém Isso só acontece pois moro próximo do centro(Vila Mariana) e uma boa parte dos meus trajetos diarios ao longo destes anos eram no contra fluxo ou eram em horários um pouco mais cedo do que o de pico. Então eu diria que é perfeitamente possível viver bem com transporte público em SP porém não é pra qualquer um, meu caso definitivamente é a execessão ao Invés da regra.

  • _Ernesto_

    Parabéns pelo relato.
    Realidade crua dos nossos grandes centros.

  • Castle_Bravo

    Não troco meu carro por nada, nunca um transporte "de massas" chegará aos pés de qualquer solução própria que venhamos a ter, em liberdade, disponibilidade, conforto e segurança.

  • guilheme

    só mais pessoas usando transporte publico para ele melhorar. essa desculpa de que não usa por enquanto porque é ruim, não cola. tem que fazer parte do processo de melhoria, não ficar esperando melhorar.

    • Tiago

      Vc pode estar certo cara, mas por outro lado, se a prefeitura do RJ solicitar um metro hoje, ele só ficará pronto daqui 3 anos, se começar uma nova linha de metro, vai levar mais alguns anos… E sinceramente, posso estar errado, mas não quero fazer parte destes 3 anos de sofrimento. Não há necessidade de EU arriscar meus 3 anos de suor master na minha cara sendo que posso optar pelo meu infeliz egoismo, como descrito no texto. Acho que o papel de melhorar e induzir as pessoas a usarem é do governante sim.
      Quem anda na linha 2 do metro RJ sabe do que estou falando.

    • Andre Dias

      Se todos os paulistanos, amanhã, começassem a usar o transporte público, o mesmo entraria em colapso no mesmo dia.
      Cabe aos gestores tornar o serviço atrativo, senão ninguém usa.

    • laguiar

      Nossos caríssimos impostos já são parte do processo de melhoria, e hoje, quanto mais pessoas utilizando, significa mais caos apenas, e no caos, só surgem soluções paleativas mirabolantes como de costume, sempre como medidas de "cala boca" e de uso eleitoreiro. Precisa sim parar de gambiarras e os governantes tomarem vergonha na cara para fazer um trabalho direito, dinheiro pra isso o país tem, não depende da população usar mais ou menos os transporte, basta ver o tal do PAC, quantos bilhões gastos inutilmente e que poderiam ser ter resolvidos muito problemas, há quantas décadas estão fazendo a transamazônica? fazendo aquela obra do rio São Franscisco? O problema do país é a corrupção e a falta de um mínimo de dignidade moral de seus governantes, e não dinheiro.

  • fabritch

    Vou discordar de apenas dois pontos dele:
    Taxistas: deve ser sorte minha, pois todos os taxistas que pego aqui são extremamente educados.
    Sim, achar taxi não é tão fácil assim, realmente os apps são ótimos para isso.
    E nunca fiquei sem troco tb.
    Claro que pode ser apenas que eu tenha mta sorte, mas apenas quis deixar registrado. Uso taxi umas 3 x por semana, tanto no horário comercial quanto indo e voltando de baladas.

    Outro ponto: ônibus em São Paulo dependendo da linha é um horror mesmo, agora o metrô eu não tenho o que reclamar (ok, posso ter sorte tb).

    Resumindo: carro para mim é só para viagens, e entretenimento no fds (considerando que pra balada uso taxi e metrô, nao ponho a minha vida e dos outros em perigo).

    Viver sem carro não é nada inviável como alguns dizem, sua atitude foi boa em tentar viver condiçoes de alugar. Vai de cada um, as realidades são diferentes, mas tentar já é um bom começo.

    • laguiar

      Embora eu tenha dito no texto mas não enfatizei tanto, a regição/local onde se mora e os locais/regiões que se frequenta influenciam muito. Já trabalhei em locais que era muito melhor de de busão, e já tive horários que o metrô sempre esta muito de boa, todas essas combinações criam o cenário de cada um, não tenho dúvidas que se hoje tudo isso fosse favorável pra mim (e pra minha esposa tbm) não teria comprado carro novamente. Eu tbm vou continuar usando taxu quando quiser ir pra algum barzinho/balada que sei que vou tomar umas biritas rsrs… quanto aos taxis, vc teve sorte mesmo rs.
      []s

  • bilharinho

    Excelente texto. Parabéns ao autor. Ficou muito bem escrito com riqueza de detalhes sem ficar cansativo. Achei a leitura muito agradável e útil.

    • laguiar

      Obrigado amigo!

  • Italo Vanucci Jesus Souza

    Também estou na mesma situação. Vendi o meu carro (City) em dezembro e a economia realmente é muito grande, porém, após pouco mais de 1 mês de condução (Guarulhos-São Caetano: Ônibus-Metrô-Trem-Ônibus e vice-versa) realmente pude constatar o quão difícil é depender do transporte público, principalmente neste calor. O metrô já não dispõe da mesma agilidade de muitos anos atrás, os ônibus demoram para passar e o pior, são extremamente caros. Para vocês terem ideia, para ir de Guarulhos até o metrô tietê, a passagem custa 4,95!!!

    Vou tentar mais algum tempo, mas vou acabar voltando para o carro mesmo.

  • Rafael78

    Salvador é impossível andar de bike.

    1º – Só tem ladeira!
    2º – Calor excessivo.
    3º – A qualquer momento, em qualquer estação do ano, poderá chover de repente. rs
    4º – Pouquíssimas ciclovias.

    O prefeito atualmente está fazendo uma campanha para incentivar os cidadãos à andar de bicicleta, até adotou as bicicletas do Itaú como opção de lazer. Não minha opinião, bicicleta, pelo menos em Salvador, ainda é um brinquedo para diversão e prática de esporte, e não um meio de transporte.

    PS: Nem citei os assaltos que vocês já devem imaginar pela segurança das capitais do Brasil.

  • AmmmmmP

    Portugal é um sonho de transporte público, há vários modais, integrados, a escolher: VLT, VLP, onibus, trem, trem-bala, metrô! e lá não existe faixa exclusiva pra nenhum deles!! os motoristas estão habituados com todos…

    Um sonho!

  • Marcelo_Machado

    E o Hadad gabando-se de Pintar umas faixas no chão e deixar exclusivas para ônibus.
    O trajetos podem ficar mais rápidos onde tem faixa exclusiva, mas o serviço continua péssimo. Ônibus lotado, quente, e com muita espera nos pontos. Até porque essas faixas não são interligadas e criam congestionamentos maiores ainda à sua volta. Qdo o ônibus tem que passar por trechos sem faixa exclusiva fica parado no maior trânsito que foi criado.
    Ou seja, essas faixas são apenas marketing eleitoral para quem depende só de ônibus.

    Enquanto não fizerem um trabalho INTELIGENTE (que leva tempo) no transporte público de SP não passa nem 1 segundo pela minha cabeça trocar o carro pelo transporte publico.

  • Marcelo_Machado

    Aliás, hj em dia trabalho no mesmo local que minha esposa. Vamos e voltamos todos os dias no mesmo carro. Temos 2 carros e ela já me falou para vender um deles e ficar com 1 só. Moramos e trabalhamos fora da área de rodízio, portanto poderíamos ter apenas 1 carro.

    Mas, não fico com apenas um carro de jeito nenhum, enquanto o transporte público for essa porcaria. Logo, logo vão aumentar a área de rodízio aí vou revezar os carros de acordo com a placa.

    • PEDRO_HAWK

      Sem contar que quando um dá problema, tem o outro pra ajudar a resolver, seja indo atrás de peças ou quebrando o galho enquanto o problema do primeiro não é resolvido.

      • Marcelo_Machado

        Isso tb conta muito para não ficar com 1 só.
        Depender de transporte público em SP não dá. Prefiro ter os gastos extras de manter o 2º carro, mesmo com pouco uso do que ter que um dia ter que usar essa porcaria que chamam de transporte público em SP.

  • Caretinha

    Que diferença do transporte público de Frankfurt, Viena, Praga, Berlim, Munique ou até mesmo Londres, Paris, Bruxelas, etc … Só lembrando que essas cidades pertencem a países arrasados pela segunda guerra mundial, e o Brasil, ao contrário, nunca foi bombardeado nem teve cidades destruídas, nem nunca foi arrasado por uma grande guerra. No máximo teve uns navios explodidos por aí e só … Ou seja: esses países se reconstruiram e são o que são hoje, o Brasil nunca foi destruido e nem assim consegue se sobressair no cenário mundial, pois mal consegue cuidar dos problemas logísticos internos … como transporte público, por exemplo. Brasil é um excelente país, cheio de riquezas naturais, mas ao mesmo tempo, um dos países mais mal-administrados do mundo.

    • laguiar

      Nem vamos falar do exemplo do Japão né rsrs

      • FelipeLange

        Os políticos são verdadeiros parasitas que só estragam o Brasil.

        • Ricardo

          Cada povo tem o governo que merece! (infelizmente pra nós, esse país não vai mudar a tempo de eu ou vc ver)

    • opuscompu

      Mas as tais 'riquezas naturais' só vemos onde quase não chega gente, porque onde os mal educados do Brasil chegam, só tem sujeira, lixo, esgoto a céu aberto, rios poluídos, desmatamento, ocupação irregular em área de proteção…

  • gcarlos

    Cara, muitíssimo BOM RELATO! É por isso que moro interior e não tenho um pingo de vontade de morar em SAMPA ou outra. Moro de 300 a500mts do meu trabalho, menos de 500mts de minha escola, e os mesmos 500mts pra escola das criança. Minha cidade tem 40k de habitantes.. Mesmo assim ainda acho indispensável um carro pra eu, pelo menos.

  • daviddiniz

    Eu já pensei em vender meu carro e fazer exatamente isso,mas na boa isso é suicídio! Prefiro deixar o carro MOFANDO na garagem e pagando IPVA,Seguro e o que vier e ter a TRANQUILIDADE de saber que tenho um carro na garagem eu ir aonde quiser, quando quiser e a hora que eu quiser e não ficar me preocupando com trem,metrô e taxi.

    Só para ter idéia deixei meu carro na revisão de rotina ONTEM e já estou subindo pelas paredes por que estou me sentindo preso. Amanhã espero buscar ele e deixar mofando aqui na garagem.

  • Leo Nunes

    Cara Parabéns pelo post, muito legal ter essa visão, isso ratifica ainda mais o quanto o nosso sistema de transporte é fraco, para quem mora na Zona Sul (mais para o lado da Região de Santo Amaro) de São Paulo é terrível só tem BUS praticamente, eu disse praticamente, pois temos o Trem e UM único metrô…. Mto fraco…..

    Por isso ando todo dia de carro, e além disso, gosto absurdamente de carro (a vá, como todos aqui não é hahaha), vou usar o carro TODOS os dias mesmo que o transporte público seja excelente, pq eu gosto do prazer de dirigir e ponto, esses ECOBLABLABLA, enchem o saco.

    • laguiar

      A família da minha esposa é da região de Interlagos, e tbm é muito tenso, porque basicamente só tem ônibus, ou tem que pegar um ônibus e ir até o trêm mais próximo (que não é próximo) e dali ir pra outras regições fazendo um monte de integração.

  • hugogyn94

    Acho esse problema é falta de controle populacional,quando aumenta mais gente mais problemas chega.

  • fmcosta

    Passei cinco anos dependendo dos ônibus da Viação Imigrantes (Diadema e SP Capital) e não quero isso na minha vida nunca mais.

  • Marciocaio2

    Quando pegar o carro entra la no clubepeugeot.com e vamo conversar sobre o carro hahha

    • laguiar

      Já to lá Márcio… laguiar ;)

  • pumagtb

    Parabens pelo relato. Já passei um aperto tambem alem de passar umas 2 horas esperando um transporte , uma vez peguei um coletivo em BH parecia que tinha gado dentro do ônibus o motorista dava cada freada naquelas descidas que tinha que fazer força no corre-mão para evitar apertar mais ainda outras pessoas ou até mesmo cair, sem falar na ignorância do motorista em atender as pessoas, lamentavel transporte publico no Brasil. Carros sim e para sempre.

  • Francisco

    Pergunta:

    Se 10% daqueles que usam carro passassem a utilizar transporte público da noite para o dia… teriam ônibus e trens o suficiente?

    Políticos que pedem para a população trocar o veículo particular pelo transporte público são IRRESPONSÁVEIS.
    Se o sistema não atende a situação atual, como é que poderia atender um aumento na demanda?

    • laguiar

      É só pegar de exemplo situações cotidianas que aumentam o fluxo normal de usuários, como dias de chuva, dias de eventos e etc, fica praticamente inviável o uso de transporte coletivo além do nível de desumanidade ser elevado a níveis vergonhosos e humilhantes.

  • PEDRO_HAWK

    Obrigado por compartilhar o relato. Muito interessante!

  • Journeyer

    É… Trânsito de SP não é coisa fácil não, mas quem é que gosta de depender de transporte público?

    A coisa é bem simples pra quem defende de mais ciclovias e tentar implementar sistema que la fora funciona: NÃO DA! , não é nem uma questão de boa vontade e quem possa financiar projeto, a questão é que no Brasil NADA funciona, simples assim, se vira como pode e enfrenta o que for, mas não têm solução pra isso

  • Celso Shinader

    Eu moro em uma cidade 30 mil habitantes, mesmo assim é impossivel viver sem carro, principalmente pra que é casado e tem filhos, e dai pra que economia se quando morrer não vai levar nada, mesmo assim ando de bike, é necessário a pessoa se movimentar se não o corpo trava.

  • adrisev

    Infelizmente TRANSPORTE PÚBLICO NO BRASIL É PIADA DE MAL GOSTO…. Os gestores públicos estão interessados em carros e mais carros… pois geram impostos e mais impostos…. desde sua fabricação, até o consumo de combustíveis, peças e mão de obra em manutenção, passando pelo IPVA e a indústria de multas… INFELIZMENTE É ISSO…. políticos e governantes querem apenas extorquir o povo e mamar nas tetas do governo… CONTINUEM VOTANTE NELES…

  • Mc_

    Esses "neo-salvadores-do-planeta" adoram matracar o mesmo discurso de sempre (geralmente com as mesmas frases prontas, doutrinados), chamando aqueles quem têm carro de egoístas, mas não entendem o fato óbvio de que nem todos possuem as mesmas necessidades. Querem que todos andem de ônibus e bicicleta, mas idosos, vendedores, famílias grandes, deficientes, etc, que se lixem né? E olha que só ando de metrô e ônibus, carro só pro fim de semana, mas não fico por aí defecando regra em cima dos outros, dizendo o que devem ou não fazer.

    • Fernando

      Comentario sensacional Mc. Eh isso mesmo!

  • Edu

    É curioso observar como o discurso coletivista causa uma sensação de culpa em que está unicamente exercendo um direito. Ser proprietário de um automóvel e circular por ai é ABSOLUTAMENTE legal e legítimo (cumprido-se as exigências da lei), está compreendido no direito de livre circulação e locomoção. Mas a pessoa se sente "egoísta". Usufruir de um direito individual passa a ser coisa de "egoísta". Se eu for usar transporte público para ir trabalhar (40 km longe de minha residência) estaria ******. Tire todos os carros da rua e coloque todos os motoristas para usar transporte público – seria o CAOS, e o sistema de transporte simplesmente pararia em colapso.

  • Bruno Brasil

    Embora na ponta do lapis, olhando apenas o gasto com dinheiro, pode até parecer q ficar sem o carro é mais barato, mas os transtornos de ficar sem ele devem ser monetizados também, no fim vamos chegar a conta óbvia que ter um carro sai mais barato, nosso país foi pensado nisso, não tem jeito, não tem como quererem mudar agora do nada.
    Eu moro no interior e trabalho em em outra cidade também no interior de carro eu acordo 1:30hs antes para trabalhar, de ônibus eu teria q acordar pelo menos 2:30 antes e enfrentar todo esse dilema, chegaria em casa tranquilamente as 8:30/9hs, sem chance. Como o amigo disse, a gente rala e se fode para ganhar dinheiro e não é justo viver assim.

  • Phineas_Gage

    Muito interessante o relato, aguardarei não só o próximo post como o "8 meses parte 2" se futuramente existir.

  • Fabio D.

    O que quero dizer é que a realidade de cada um é diferente. Para mim é impossível trabalhar sem carro, mas para uma pessoa que more perto do trabalho e tenha infraestrutura, pode usar bicicleta. Ou ainda, nos bairros atendidos por um serviço especial de ônibus, é bacana usá-los se couber no orçamento. Cada um tem uma realidade e tem que se adaptar a ela. Não adianta um estímulo cego ao uso de bicicleta, ônibus, taxi, etc, porque não são todos os casos que se encaixam!

  • Chronosky

    Morei 6 anos em campinas e carro nunca realmente me fez falta, a empresa tinha transporte fretado que custava 30 reais por mês descontados no salário. para passear sempre usei táxi que ficava bem mais barato que manter um carro. agora que voltei pra BH, impossível não ter um carro, hoje estou trabalhando de casa e na teoria não necessitaria de um mas mesmo nos finais de semana é impossível utilizar o táxi pois vc não os encontra e quando encontra só lixo. a grana que estou economizando com transporte publico eu pago o conforto de ter um carrinho, e o bicho vai durar muito pois rodo no máximo 60km por semana.

  • Nascimento

    Tranporte Publico no Brasil é uma piada, Sou do Rio de Janeiro e Por alguns anos, utilizei o tranporte publico, porem após me acostumar com o conforto e praticidade do automovel, nunca mais o abandonei.

    Hoje por motivos profissionais, me mudei para o interior de São Paulo (Vale do Paraiba), mesmo aqui, o tranporte publico , não é bom (Taxi e Onibus), quanto ao quesito bicicleta, por morar bem proximo ao trabalho e o transito nao lembrar nem de longe o de uma grande capital , ai sim é um meio de tranporte viavel .

    Mesmo assim , nao abandonei o conforto eogista de meu veiculo.

    Talvez na Europa, isso de certo, mas somente porque lá, o cidadão é tratado com respeito e dignidade.

  • abelardo barbosa

    é fácil detonar um ecochato, é só perguntar se ele não usou fralda descartável nos filhos e se ele não usa ar-condicionado.

  • Cesari

    Luiz,

    Acredito que sua experiência tanto no transporte publico quanto com os taxistas foi péssima, eu moro em Moema e pego Taxi quase todos os dias para ir ao trabalho, na volta venho de ônibus pois dado horário que saio o transito esta mais tranquilo. Também alugo carros no fim de semana, quando estou fora do Estado, só que na Localiza devido o convênio que minha empresa possui pago R$107 na diária de um Focus com Ar. No meu caso economizo muito sem o carro, no momento o estacionamento no meu escritório custa R$650 fora combustível, estacionamento de rua, dificuldade para parar o carro em qualquer lugar, transito terrível, os taxistas que me atendem sao sempre educados e após 40 corridas nos dois primeiros meses do ano não vejo porque tirar meu carro da garagem antes das 22h e em muitos os casos mesmo após esse horário.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend