*Destaque *Featured Esportivos Mercedes Benz Super Carros

A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

mercedes-amg-gtr-verde-5-1024x768 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

Na última sexta-feira, ao chegar em casa e folhear o jornal, meus olhos brilharam. Havia a propaganda de um evento, no dia seguinte, com entrada aberta a qualquer mortal para poder dirigir alguns dos incríveis carros da família AMG, divisão de esportivos da Mercedes Benz.



O evento era o AMG PERFORMANCE TOUR, em comemoração aos 50 anos da AMG, organizado por uma concessionária do Rio e pela MERCEDES AMG, agora aberto a qualquer interessado, não mais só para imprensa e clientes especiais como aconteceu em junho no Autódromo Velocittá.

Lá fui eu em um sábado chuvoso na esperança de poder guiar o monstro AMG GTR da foto do anúncio.

Chegando ao evento

mercedes-amg-gtr-verde-9-1024x768 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

Uma boa e uma má notícia. A boa notícia é que o evento tinha uma boquinha livre. A má notícia era que o GTR, só de passageiro: somente o piloto profissional iria guiar. Perfeitamente plausível, afinal o carro custa R$ 1,2 milhões de reais no Brasil e a potência é tamanha que deve ser fácil para motoristas civis se empolgarem e fazerem besteira.

Um pouco frustrado, coloquei nome na lista pra andar no GTR e fui ver quais outros AMG poderiam ser feito test drive.

mercedes-amg-gtr-verde-6-1024x768 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

A humilde lista:

Mercedes GLA 45 AMG prata
Mercedes GLA 45 AMG branca
Mercedes C43 AMG azul
Mercedes GLC 43 Coupé AMG preta

Me inscrevi para pilotar o GLC 43 Coupé, pois a fila pro C43 tava enorme. Além disso, gostaria de ver o que a AMG pode fazer num mostrengo como o GLC. O GLA pra mim era o mais “comum” da esquadra, nem me interessei muito.

Depois de aguardar por mais de uma hora, foi chegada a minha vez.

GLC 43 – Mamute de guerra

mercedes-amg-gtr-verde-7-1024x768 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

O carro, como eu imaginava, é um pequeno ogro calçando bojudos pneus aro 21 255/40 na frente e 285/35 na traseira. O motor, um V6 biturbo 3.0 com 367 cv e 52 kgfm de torque entre 2500 e 4500 rpm merece todo nosso respeito. Esse motor é quase onipresente na linha AMG, sendo o powertrain principal, ao lado do ignorante V8 biturbo que equipa o GTR e o E63.

O interior do GLC 43 esbanja sofisticação em cada detalhe: o painel é forrado em couro em tom café. Ajustes elétricos do banco do motorista na porta. A carroceria coupé é um charme, dá um ar muito mais esportivo do que o GLC normal.

Após rápidas explicações sobre o funcionamento do carro, pude fazer um pequeno circuito. Uma das vias era estrategicamente secundária, atrás de um shopping, pouco movimentada para que pudéssemos explorar o carro.

Dirigir com um piloto profissional do seu lado intimida bastante e o medo de fazer besteira num carro de mais de R$ 600 mil dá uma senhora travada no cidadão. Some-se a isso pista molhada e chuva. Porém, o piloto era gente fina, e me instigou a acelerar o mastodonte. Em retomada, o ronco do V6 biturbo é instigante, mas talvez devido ao peso do carro e o curto trajeto, não senti nada muito brutal como eu esperava.

O piloto ainda fez questão de que eu utilizasse bem os freios, para sentir a “ancoragem” do carro. De fato, o bicho freia muito bem para o tamanho. Na hora de estacionar no pátio, a câmera 360 dá uma boa ajuda, pois a carroceria coupé não colabora em nada. A visão traseira é bem limitada.

O jeitinho brasileiro sempre presente

Mas o intento principal era andar no GTR. Fiz o test-drive no GLC 43 e aguardei. E aguardei. E aguardei. Infelizmente, toda hora chegava um cliente VIP e, de leve, dava uma pequena carteirada e os caras da concessionária deixavam furar a lista sem a menor parcimônia. Numa hora eu era o quarto na fila. Quando voltava pra conferir, eu era sexto.

Além disso, alguns dos clientes very very VIP (dinheiro não traz felicidade…será?) tinham o prazer de dirigir o GTR . Até mesmo em duplas, sem a presença do piloto ao lado.

Quase me aborreci e fui pra casa, mas a vontade de andar no diabo verde acabou falando mais alto e aguardei, resignado, como uma criança que aguarda na sempre concorrida fila do melhor e mais concorrido brinquedo do parque de diversões- Geralmente é a montanha russa.

Após algum tempo, o feio jeitinho brasileiro de burlar a ordem das fichas de inscrição finalmente cessou. Pouco depois, chegou minha vez. Nem sequer cogitei pedir para dirigir o GTR, pois o “não” era 99,9% garantido. Ainda, a rua estava muito molhada e eu não queria me arriscar. Vai que dizem sim!?

Green Hell Magno

mercedes-amg-gtr-verde-2-1024x768 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

A cor do GTR disponibilizado é a já icônica Green Hell Magno, um verde reluzente em homenagem ao clássico circuito de Nürburgring, pista alemã que tem apelido de Inferno Verde dado por Jackie Stewart e foi muito utilizada no desenvolvimento do carro. Inclusive, o recorde da pista de carros com tração traseira foi quebrado em 2017 pelo bólido.

O urro do V8 4.0 biturbo ecoava grave. O piloto fez a clássica pergunta: com emoção ou sem emoção? Ô, mas é claro!

mercedes-amg-gtr-verde-19-1024x768 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

Saindo da concessionária, o piloto já fez graça. Em duas curvas fechadas, fez com que o carro destracionasse, quase que um drift. O GTR conta com 1,5 graus de esterçamento das rodas traseiras no sentido contrário das dianteiras em velocidades de até 100 km por hora, o que ajuda a fazer as curvas no limite. A tração é apenas traseira, ao contrário do que eu imaginava. Em velocidades acima dos 100 km por hora, esse esterçamento acompanha o das rodas dianteiras.

Passageiro da (boa) agonia

Diferente da minha sensação com o GLC 43 AMG, a aceleração do GTR é visceral. Essa sim, brutal. Não tem como fugir do clichê: a gente cola no banco. A cada curva, você dá graças a Deus dos bancos serem do tipo concha, porque você é jogado, sem dó nem piedade, de um lado para o outro, como se estivesse numa montanha russa, só que mais divertido: montanha russa não tem ronco de motor.

mercedes-amg-gtr-verde-14-1024x768 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

Os pipocos que ecoam do escapamento a cada reduzida soam como rosnadas de advertência de uma fera encurralada. É bom não contrariar e acelerar. O êxtase maior foi quando o piloto fez uma curva em U fincando o pé, com a força descomunal do carro me centrifugando como uma roupa na máquina de lavar.

Passada a euforia das acelerações, pegamos algum tráfego na volta e pude apreciar o incrível interior do carro. O teto e volante são feitos em Alcantara. Há ainda couro e fibra de carbono no habitáculo. É clara a sensação de inspiração em aviação para o cockpit do carro. Há alguns botões estilo de avião-caça. O console central é enorme, e o carro tem 2 metros de largura. O som é da grife Burmester e com 1.000 watts de potência é surreal, mas quem liga pra música quando temos 585 alegres puro sangues galopantes sob o capô?

mercedes-amg-gtr-verde-10-1024x768 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

Ao contrário de outros AMG, a alavanca de câmbio não é abaixo do volante, fica no console central.

Ao sair do carro, um misto de nirvana e aquele gostinho de quero mais, típico de quando descemos de um brinquedo de parque de diversões. Agora só me resta procurar o próximo brinquedinho do parque, de preferência também sem pagar ingresso.

Audi, como é que a gente faz pra dar uma voltinha no R8?

mercedes-amg-gtr-verde-4-1024x1365 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

Bônus Track

A AMG foi criada em 1967 como uma preparadora independente de motores Mercedes-Benz para campeonatos de turismo. O êxito nas pistas levou à associação da marca à Mercedes-Benz em 1990. Além de desenvolver motores e modelos de alta performance, a AMG também colabora com a equipe Mercedes na Fórmula 1 e com o Mercedes-Benz Challenge.

Por Gustavo Guedes

mercedes-amg-gtr-verde-15-1024x1365 A experiência incrível de andar em um Mercedes AMG GTR

Ficha técnica

Mercedes-AMG GTR

Preço: ​
R$ 1.199.000,00

Motor: gas., diant., long., V8, biturbo, 3.982 cm3, 32 V, 585 cv a 6.250 rpm, 71,4 mkgf a 1.900 rpm

Câmbio: automatizado, dupla embreagem., 7 marchas, tração traseira

Suspensão: Duplo A (diant.), multilink (tras.)

Freios: discos ventilados

Direção: elétrica

Rodas e pneus: 275/35 R19 (diant.); 325/30 R20 (tras.)

Dimensões: comp., 455,1 cm; largura, 200,7 cm; altura, 128,4 cm; entre-eixos, 263 cm; peso, 1.630 kg; tanque, 65 l; porta-malas, 285 l

Desempenho: 0 a 100 km/h em 3,6 s, vel. máx., 318 km/h

  • heisenbergRS

    pra mim, é o carro mais afudê já feito pela mercedes e é um dos mais belos esportivos hoje existentes no mercado.

    • Ⓜ️arcelo

      eu tive o prazer de dar umas voltas no velocitta, no modelo que veio da Alemanha para demonstração no lançamento, e não tenho palavras para descrever o comportamento deste carro, é o mais incrível esportivo que pilotei.

      Esse agora vai fazer parte dos eventos das css pois é da mb do brasil.

  • Joaquim Grillo

    Não sei de onde vem, podem falar o que for independente de preço, potência e tudo mais, ferrari, audi, bmw o que for amo Mercedes acho que sou reencarnação de alguém de lá rsssss

  • th!nk.t4nk

    Lembrando que a AMG oferece o mini-curso de pilotagem de todos estes carros em sua pista, em Stuttgart. Quem gosta da marca e pretende passar férias na Europa, recomendo.

  • joao vicente da costa

    Não consigo sentir nada além de um enorme desprezo por esse “jeitinho brasileiro”.

    • Leon Gonçalves

      E provavelmente esses “VIPs”, são clientes AMG, que compram seus bolidos com dinheiro público, desviado. Aí é fácil ser vip nessas CSS. E eu, pobre trabalhador, honesto, já tive 3 audis (civis, normais, é claro), mas comprados zero e NUNCA me chamaram nem para tomar café!

      • El Gato Negro

        Pô cara, então é questão de tratamento de css para css. Também já comprei Audi zero km (civil, hehe) e fui convidado para um evento de lançamento do A3 Sedan, tempos atrás. E sim, tinha café.

        • Leon Gonçalves

          Pode ser que cada css tenha seu padrão de fidelização, mas em Belo Horizonte, como disse, fui cliente audi de 2011 até 2017 e nunca me chamaram para nada. Nunca costumei repetir modelo de carro, e dava preferência para marcas diferentes, mesmo assim acabei tendo 3 audis seguidos e agora mudei para a concorrência. Quem sabe, se tivessem me convidado para ver alguns lançamentos, “sentido” o gostinho de ver ao vivo outro carro, não continuaria na marca? Sem duvidas, o contato do cliente com o produto a ser vendido é um “bom empurrão”. Mas…, agora estou noutra.

          • Guedes

            ironicamente, a alguns quarteirões do evento tava rolando um evento da Audi também, não sei se abertura de CC ou lançamento. Nesse da AMG que eu tava, tinha um dono de A5 possesso falando que ia vender o carro porque a Audi nunca tinha convidado ele pra nada.

            • Leon Gonçalves

              Kkkk. Tá me zoando? Já vendi o A5!

      • Ric53

        Certamente, Ferrari, lamborghini, Porsche esses carros não estão ao alcance do empresário brasileiro!!

      • Roberto

        Essas empresas possuem um CRM com todas as informações sobre o perfil do cliente, em um evento como esse muitos negócios são fechados, então eles liberarem um cliente em “potencial” antes das outras pessoas é muito mais vantajoso tendo em vista que esse cliente pode se transformar em uma venda. Não se engane todas as empresas visam o lucro. Nós compramos algo porque somos apaixonados por carro. Pra eles isso é simplesmente “negócio”.
        Sempre que tem algum evento aqui na minha cidade eu sou convidado, além de uma ligação eles mandam um “kit”. Eu não trabalho com o governo, muito menos com dinheiro público, existem outras pessoas na minha família e amigos que também são sempre convidados, seja lançamento, seja um track day como esses, eles também não precisaram da ajuda do governo para ter sucesso.

        • Leon Gonçalves

          Entendo seu ponto de vista. Mas certamente quem é potencial comprador de um amg gt aqui no Brasil deve ter uma “mina” para poder pagar. Nem todos que têm importados são pessoas com pouco caráter, eu mesmo disse que era cliente audi desde 2011, mas veja como há uma “aura” inescrupulosa neste meio, eis que desde a simples divulgação do produto “amg”, já surge o “jeitinho brasileiro”. Apenas quis destacar que esse mesmo “feeling” mau caráter costuma acompanhar os reais proprietários de super carros como esses, claro, com exceções. Quem tem dinheiro, ainda que muito, desde que suado, não gasta tanto em um carro como esses – não pelo carro – mas pelo preço que ele chega aqui. A não ser quando “vem fácil”.

          • Roberto

            Sim, existem pessoas que possuem não só carros, mas imóveis, barcos fruto de dinheiro ilícito mas entenda que é ruim até pra marca ser associada a algum politico ou empresário notadamente corrupto.
            Quanto a sua colocação da “mina”, depende do que você definir como mina, alguns possui fazendas, cerâmicas, outros são profissionais notadamente reconhecidos em suas áreas, médicos, advogados. Essas pessoas possuem R8, Jaguar F-Type, 911. Conheço um arquiteto que possui uma Califórnia, conheço essas pessoas desde que eu possuía 10 anos e até hoje não vi indicio algum que eles façam algo ilegal.
            Eu nem ia comentar mas resolvi sair da minha zona de conforto para as pessoas entenderem que nem todo mundo que aparece com um carro que custa mais de R$ 500.000 é necessariamente “ladrão”, “corrupto” etc.

            • Leandro

              Sim, temos aversão ao sucesso. Se o cara faz sucesso ele roubou, não pode ser fruto do trabalho e talento dele..

          • Guedes

            Eu concordo contigo. É triste constatar, mas nesse meio a gente é tratado pelo $$ o que tem.
            Eu pensei duas vezes antes de ir ao evento pelo estratosférico nível social, mas como era aberto, entendi que fosse pra aficionados, não só para “escolhidos”.

            A maior questão pra mim é: um evento desse, de divulgação, apoiado pela própria MERCEDES AMG, certamente todos carros tem seguro. O GT R com certeza é da fábrica, não da CC.
            “Escolher” que uns podem dirigir o carro, outros não só queima a imagem e gera implicância com a marca/ evento. Podiam então fazer o evento logo fechado só pra potenciais clientes, evitaria se queimar.

            • OtarioBrasileiro

              No Brasil, riqueza é vergonha. Nos países ricos, riqueza é orgulho!

  • Luiz

    Mercedes, todos com a mesma frente e mesma lanterna traseira.

    • th!nk.t4nk

      Convenhamos, dizem isso de todas as marcas. Mas melhor estar num Mercedes “tudo igual” do que num GM ou Ford “tudo igual” também, nao concorda? 😁

      • Guedes

        Acho que ele foi irônico!! É porque vw todo mundo diz isso, mas quando é carro mais caro, ninguém reclama.

        • Edson Arantes

          exatamente, se fosse Volks tava todo mundo repetindo como papagaios

  • Esquilo Tranquilo

    O que que você paga no Brasil pra comprar carro?

    A G O kkk

  • Ricardo

    No Brasil um evento deste é todo burocrático e corrompido, enquanto nos EUA qualquer um paga um valor acessível para pilotar várias opções de superesportivos num autódromo.

  • Ricardo

    Entendo porque cultuam tanto este carro, só não entendo por que não cultuam mais ainda a SLR, que era muito mais potente e veloz!

  • Muito bom o texto! E sobre as AMGs… nem sei o que dizer. Apenas que esse GTR é o carro mais lindo feito nos últimos tempos.

  • Bruno Silva

    Gostei do estilo do texto! Sobre esse Mercedes… tem muito que falar não, sensacional. No mais, já estaria feliz com qualquer Mercedes normal mesmo, já que para esportivos meu coração é da Porsche.

    • Guedes

      O piloto profissional disse que esse GTR é sensacional, mas em termos de dirigibilidade, disse preferir o Porsche Carrera S, por ser mas levinho.

      • Edson Fernandes

        Então… é dificil bater o Porsche por muitos motivos.

        O Porsche mantém também algo do passado que era apreciado e hoje mudou: é um carro que te dá quando quer, conforto, silencio a bordo, lhe trata bem. Quando quer, é um carro visceral, que acelera muito, ronca, faz muita curva e é esportivo em todos os detalhes, ou ele tbm pode ser aquele carro incrivelmente estável, que te dá a emoção sem exatamente precisar acelerar ao limite para tal.

        Hoje em dia, essa mistura é muito rara. Por isso ter acerto de Porsche podendo ter um carro até mais potente não é exatamente quem é dono de um. Infelizmente não tive tempo para poder dirigir um porque a empresa me tirou do projeto…

  • Alexandre Salgado

    Ótimo texto Gustavo. Parabéns!!! Também sofri pra andar, mas valeu a pena a espera.

    • Guedes

      valeu, Salgado! abraço

  • Iran Borges

    Não acho esse GTR bonito não. Meu coração é do classe S coupé.

  • afonso200

    eu teria gravado videos e colocado no youtube, olha aqui furando a fila, mas como pode, chamaria até a policia

    • Guedes

      Sim mas não era tão escrachado, era velado. A ordem era pelas fichas de inscrição, não tinha fila física.
      O que acontecia era que mudavam a ordem das fichas ao bel prazer. Feio, muito feio.

    • Edson Fernandes

      Bicho… tá vc ali de curioso para conhecer e uma galerinha em potencial para poder dar 1,2 milhões de reais. Por mais que o atendimento pudessem ser fantastico, nessa situação, vc acha que a concessionaria iria mesmo atuar com classe e fazer os potenciais clientes esperarem ?

      Eu sei que é chato pra caramba porque eu já me ferrei com isso também. (em fazer test drive inclusive) Mas ali eu imaginaria que é uma possiblidade muito alta do cara adquirir o produto. Aí no valor do carro, uma venda de um produto desse deve pagar meses de concessionaria.

  • Ygor Soares

    Parabéns pelo relato, muito bom e bem escrito.
    Eu ia nesse evento que foi realizado na unidade da Avenida das Américas na Barra da Tijuca, porém quando verifiquei que era da AGO desisti na hora!

    Em 2014 tentei comprar uma Mercedes e o atendimento da AGO era algo tão absurdo de ruim que no salão de 2014 tive a oportunidade de conhecer o diretor de marketing da Mercedes do Brasil. Ele recomendou a AGO no RJ e prontamente falei todos os motivos pelo qual eu nunca colocaria meus pés nessa concessionarias novamente e vejo que esse desprezo pelos consumidores continua.

    Passaram uns 5 dias apos o evento e recebo diversas ligações da AGO pedindo desculpas e querendo que eu fosse ver o carro com eles.

    Só assim as coisas nesse Brasil funcionam!

    PS: Digital pelo telefone é muito ruim!

  • MMM

    Parabens pelo texto e imagino o q deve ser dirigir esse carro. Meu irmao tem um S6 e ja fico com o sorriso de orelha a orelha quando dirijo, esse GTR nem se fala…

  • Sasaki

    Olhando uma foto ali so o capo do GTR e praticamente um Mini Cooper!!!

  • OtarioBrasileiro

    Pika das galáxias!!! Fui convidado e me arrependi de não ter ido!! Mas adorei seu relato, parabéns! Deu MUITA vontade de dirigir esta obra-prima da engenharia alemã!

  • Bispo

    Ué…foi dar “uma voltinha” e não levou a GoPro…..

    • Guedes

      Filmei no meu celular,sim. se quiser me passa seu email que te mando um vídeo!

  • Gabriel M. Vieira

    Cara, que relato legal eu me senti imerso na história!! Parabéns!!

    • Guedes

      opa, valeu!

  • Elinho Casagrande

    Rapaz, ontem eu tive a oportunidade de dirigir um R8 de test-drive. Sem comentários!!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend