Brasil Combustíveis

A pandemia do coronavírus vai derrubar o preço dos combustíveis?

A pandemia do coronavírus vai derrubar o preço dos combustíveis?

A pandemia do coronavírus tem afetado alguns serviços que antes pareciam não ver qualquer crise econômica. Esse é o caso, por exemplo, dos combustíveis. Com a recomendação de ficar em casa e sair apenas quando realmente é necessário, o uso do carro e as idas aos postos para abastecer se tornaram menos frequentes.


Isso tem afetado de maneira diferente os brasileiros. Existem aqueles que dependem do seu veículo para trabalhar, enquanto outros podem deixá-lo na garagem enquanto esse período de confinamento continuar. Independentemente da situação, todos esperam que a queda nas vendas faça o preço dos combustíveis cair. Mas será que isso realmente tem ocorrido?

O ajuste que não é repassado

No mês de março, quando todo o problema do coronavírus chegou ao Brasil, a Petrobras acumulou uma redução de mais de 40% em suas refinarias. Além disso, com o isolamento social sendo estendido em todo o mundo, o preço do petróleo atingiu os valores mais baixos das últimas duas décadas.

Mesmo assim, como talvez você já tenha notado nos postos de combustível em sua cidade, o valor não tem sido reajustado para o consumidor final. Pelo menos não na mesma proporção. Os motivos disso passam, inicialmente, pelos impostos. Na gasolina, a formação dos preços passa em 45% por esses tributos, enquanto que no diesel o valor é de 24%. Ou seja, não é apenas a diminuição das refinarias que vai fazer o preço final cair.

VEJA TAMBÉM:

Outro fator que impede a diminuição dos preços é a situação dos próprios estabelecimentos. Com a queda vertiginosa nas vendas, os donos dos postos estão segurando o mesmo preço para sustentar seu negócio, o que inclui vários colaboradores que dependem disso para sustentar suas famílias.

Mesmo assim, não existem indícios de que teremos falta de gasolina, etanol ou diesel num futuro próximo. Uma situação diferente do que já ocorre em outros países, como a Venezuela, que está quase sem gasolina. Com isso, foi estabelecido que apenas equipes médicas, quem trabalha com transporte de alimentos, militares ou quem tiver uma autorização especial pode abastecer.

É uma situação complexa, mas o cenário deve permanecer nas próximas semanas.

O outro lado do problema

Ninguém sabe quanto tempo a pandemia do coronavírus vai durar, por isso muitos ainda se preocupam com alguma paralisação no abastecimento dos postos. Apesar de estarem usando menos seus veículos, a maioria dos brasileiros precisa ter o necessário para qualquer emergência.

Mas essa situação também tem o outro lado, que são aqueles que dependem disso para sobreviver. Muitos funcionários temem perder seus empregos ao passo que veem a preocupação dos empresários com a enorme queda nas vendas.

Nas principais capitais brasileiras, o cenário ilustra bem o que acontece em todo o país. Em São Paulo e no Rio de Janeiro, os maiores mercados, a queda nas vendas de combustíveis é de 40% a 50%. Em Porto Alegre, ela chega a 80% segundo o Sulpetro, sindicato do setor na região.

Além da baixa procura pelos combustíveis, a situação afetou também as vendas nas lojas de conveniência, onde normalmente existe uma margem e um lucro maiores. Se menos pessoas estão abastecendo seus carros nesse período, pouquíssimas vão pensar em comprar algo nesses estabelecimentos. Se existe a necessidade, é melhor ir ao supermercado e fazer uma compra maior.

Se a situação atual preocupa, é o cenário pós-pandemia que deixa o setor ainda mais temeroso. A expectativa é que o perfil de consumo de combustíveis no Brasil mude, já que certamente teremos uma economia fragilizada e muitas pessoas desempregadas quando tudo passar. Colocar o combustível no carro não vai ser a preocupação principal da maioria dos brasileiros.

Tudo isso gerou uma mobilização em busca de apoio do governo, que já anunciou uma medida para apoiar pequenas e médias empresas, o que deve ajudá-las a pagar o salário de seus empregados. Para a maioria dos postos, porém, isso não vai ajudar, pois o programa envolve apenas quem tem um faturamento de até R$ 10 milhões por ano.

Se a ajuda do governo não aparecer logo, as demissões devem começar a ocorrer. Para o presidente da Fecombustíveis, Paulo Miranda Soares, poderemos ver “uma quebradeira em massa dos postos”.

Viny Furlani

Viny Furlani

Formado em Gestão de Negócios, trabalha no segmento automotivo há mais de 15 anos. Em 2009, passou a escrever avaliações e notícias sobre carros, totalizando mais de 2.000 artigos, em vários sites. Além das matérias escritas para o NA, também cuida das mídias sociais do site.

  • Edgar

    Infelizmente no Brasil, independente de situação o aumento sempre é esperado… Se ta ruim de vender, aumenta o preço pra compensar. Se se tá bom de vender aumenta o preço que é pra ter mais lucro enquanto é maior a procura…

    • Clementino Zelador

      tá ,e vc acha que dono de posto de gasolina tem que fazer caridade com o produto dele? E as contas de energia, água, fornecedores, empregados, impostos…de onde ele vai tirar dinheiro prá pagar?
      vida boa é a vida dos outros….rsrsrsrs

      • Mikoyan

        Imagino eu na minha vã inocência que vc deva ser um milionário daqueles bem abastados, porque acha “caridade” pagar quase 5 reais em um litro de gasolina, dentre outras despesas. Porque temos nossas obrigações um erro não justifica o outro, agora vou praticar o valor extorsivo que quiser nos produtos e serviços por causa de impostos igualmente abusivos? Porque não buscar a causa do problema? O ponto abordado aqui foi exatamente da dinâmica do mercado não funcionar no Brasil, não precisa ser nenhum gênio da lâmpada para saber que o nome do que acontece com os combustíveis e os carros é “cartel e o famoso jeitinho brasileiro”. Segundo seu entendimento está certo o vendedor que repassa na pandemia álcool gel de 300 ml a R$ 50,00 e o Brasil sendo um País de criminalidade alta nada mais certo que a polícia mate indiscriminadamente. A ignorância e cegueira de alguns não chega ao problema que mais cedo ou mais tarde voltará a esse mesmo ignorante.

        • Clementino Zelador

          Não misture uma coisa com a outra. Vender combustível é uma atividade comercial como outra qualquer que envolve custos, insumos, tributos e riscos. Você quer o que o dono de posto venda bem baratinho só porque você tem pouca grana. Prá começar, metade do preço da bomba é imposto e vai para o governo. O dono do posto só bota a mão nuns 10 % e desses 10% ele tem que pagar energia, água, fornecedores, impostos municipais, estaduais e federia, empregado, previdência, amortizar o investimento que ele fez no terreno e na obra e o lucro dele, ou você acha que alguém vai abrir um negócio prá fazer caridade? Ignorante é você que acha que tudo tem que ser baratinho prá caber no bolso.

          • Mikoyan

            Tá sabendo bastante em guru da internet, já que sabe até “o pouco” que ganho vai mais longe e publica ai meu salário gênio. Agora uma pessoa querer uma economia de mercado sadia, com impostos e taxas dentro da normalidade beneficiando e até minimizando os riscos de alguns empreendedores e donos de postos de combustíveis é chamado de “porque você tem pouca grana” e “abrir negócio para fazer caridade”. O certo deve ser “se o governo mete a faca em mim eu não estou nem ai com ele, e meto a faca no meu semelhante e repasso o problema a frente, melhor isso do que eu ter o mínimo entendimento do País que vivo. A internet realmente deu voz a todos, até aqueles que não se possuem capacidade de interpretar minimamente um texto e identificar a ideia central, não sei se dou risadas ou se choro. Defendo com unhas e dentes o errado e o resto que se d… Comentário raso que não abordou uma linha sequer do problema central parecendo mais um familiar de dono de posto defendendo o negocio da família. Realmente eu estou é feliz e se depender de mim espero grandemente que essa pandemia se prolongue por vários meses, varrendo do mercado certo tipos de donos de postos e outros exploradores para sentirem na pele a “lei de mercado forçada”. Eu esperarei o tempo que for necessário em casa no meu distanciamento social e trabalhando remotamente, afinal de contas, não tenho que fazer caridade a senhor ninguém e quem não possa suportar meses de economia parada que se vire. Pirão pouco meu angu primeiro, esse acabei de aprender hoje aqui no NA.

            • Clementino Zelador

              O problema não é quanto você ganha mas em que você gasta seu dinheiro, ou seja, suas prioridades. Achar que tudo deve ser barato prá caber no bolso é pensamento típico de quem torra dinheiro com bobagem, que deve ser o seu caso. Se você pode passar mêses parado em casa sem fazer nada, nem de dinheiro deve precisar. E fico feliz em você ter aprendido alguma coisa aqui no NA, antes tarde do que nunca.

              • Mikoyan

                É exatamente o que estou tentando defender desde meu primeiro comentário, gasolina nunca deveria ser um produto de valor abusivo como é, isso advém de reiterados desastres nas políticas econômicas dos governos, um deles por ex. “adição de 25% de álcool em beneficio do lobby dos plantadores de cana” tendo como consequência taxas, impostos e tributos extorsivos para os empreendedores, forçando o repasse ao consumidor final, associe a tudo isso a prática disseminada de cartel, adulteração e mistura de água/solventes. Minha cidade é um exemplo clássico, o combustível nunca abaixa, nem quando da queda do preço nas refinarias e nem agora com o baixo consumo na pandemia, até morte de quem tentou praticar preço mais baixo já ocorreu. Uma máfia muito grande existe porque nunca se consegue abaixar o preço do combustível no Brasil. Não acho que “tudo” deva ser barato, mas cada coisa com seu valor correto, alguns produtos tem mais valor agregado outro menos, numa economia sadia acredito isso ser o certo. Observe os EUA quanto aos valores de carro e combustíveis, logicamente alcançado com uma economia de mercado mais aproximada da “normalidade”. Não estou em casa sem fazer nada, tenho a possibilidade de trabalhar “remotamente”, ou seja, pela internet. Mas não posso simplesmente ignorar que muitos não tem essa possibilidade. A questão central é alcançar uma visão mais abrangente dos nossos problemas, identificando os reais responsáveis pelas mazelas que sofremos, tornando-nos cidadãos mais corretos. Quando viramos as costas para os problemas que atingem todos uma hora eles voltam e batem as nossas portas, não podemos viver sem nos importamos com nossos semelhantes, pq com certeza não são eles nossos inimigos.

                • Zé Mundico

                  Amigo, estive lendo o papo de vocês e confesso que o Clementino tem alguma parcela de razão. Vou repetir as palavras dele mas todo negócio tem custos e insumos que devem ser honrados independente de vender ou não. Mesmo com a demanda baixa por causa do coronavírus, o dono do posto tem que abrir o posto dele, gastar energia, água, pagar os empregados, pagar os impostos, o inss, o icms, o iss e o diabo a quatro.
                  Abriu, tem que vender. E a única coisa que ele tem para honrar seus compromissos é o produto que ele vende. Se baixar o preço para fazer “promoção” ele vai se ferrar total e pagar para abrir.
                  Outro ponto que temos que levar em consideração é a total anormalidade do momento que estamos vivendo, uma situação que está afetando desde o empresário figurão (que tem suas obrigações) até o pequeno assalariado que também tem suas obrigações. Apesar de viverem duas realidades distintas, os dois tem suas necessidades e obrigações específicas.
                  Enfim, é um negócio muito complicado para discutir aqui, mas tanto o grande como o pequeno tem a sua razão.

                  • Mikoyan

                    O comentário do Clementino é pertinente e mostra com propriedade o lado do empresariado, não desmereço em nada a posição e concordo em grande parte com ele, as vezes a conversa desvirtua mas acredito que a intenção de todos aqui é buscar melhorias para o povo brasileiro e o Brasil como um todo. Na verdade vivemos um grande problema em relação aos preços de muitas coisas, dentre elas a dos combustíveis. No comentário abaixo o Peppa Pica abordou exatamente isso, a continuidade dos custos etc..versus o momento pelo qual passamos junto com a economia em função da pandemia forçando uma reinvenção nos empresários. Junto a tudo isso temos a parcela maléfica de atravessadores, governo, cartéis, uma parcela de empresários desonestos. São tantas variantes que o assunto demanda uma abordagem de especialistas e estudiosos sérios para encontrarmos causas dos problemas e saídas possivéis Enfim são tempos estranhos que estamos vivenciando !!! Abraços.

      • Mas se vc compra um produto mais barato o ideal é vendelo mais barato. O aluguel não muda conforme o custo do combustível na refinaria, mão de obra também não. Se mês passado o posto pagava 4 reais na refinaria e vendia por 5 reais o correto é que se hj o litro custa 3, 80 o posto venda a menos de cinco.

        • Clementino Zelador

          mas se a demanda caiu mais de 50% e seus custos continuam os mesmo?

          • Peppa Pica

            Esse é o risco do negócio… se a demanda caiu se adapte a ela.. der férias coletivas, demita faça o que tenha que fazer, caso contrário a conta não fecha.

            Não tem sentido: Vendo menos elevo o preço, vendo muito elevo o preço… em resumo, é sempre ter lucro e zero de perda… Se você não estipula uma taxa de perda e vive sempre pensando no lucro, um dia o tombo vai ser feio…

            • Mikoyan

              Tocou exatamente no cerne do problema, acredito que sua explanação cabe como uma luva também aos preços dos carros praticados no Brasil. Existe uma grande massa de atravessadores no meio desses 2 mercados, nos combustíveis é mais explicito “distribuidoras/transportadoras e postos” nos automóveis “Anfavea e afins, montadoras, lobby, congresso e políticos, financiamento/instituições bancárias e concessionárias” porque não há lógica nenhuma dessa bolha se manter, e observe que nessa pandemia ela dá sinais claros de não ceder. Nas grandes cidades devido a maior rotatividade e competição vemos mais claramente alguns exemplos de queda nos preços, mas em cidades médias como a minha isso não está acontecendo. Das duas uma, quando passar a Pandemia ou voltam os preços extorsivos e a população continua comprando ou a quebradeira na economia vai forçar e continuar com poucas vendas forçando assim uma redução, o cenário futuro ainda me parece uma incógnita. Não existe um mal que não traga o bem, essa Pandemia mostrará no mínimo um balão de ensaio forçado de uma regulação na economia como nunca antes.

              • MauroRF

                Outra coisa que está acontecendo que vocês não abordaram, mas eu estou ouvindo direto: de todos os amigos e parentes que foram trabalhar home office (em atividades que permitam isso), a enorme maioria está gostando e disse que, se a empresa permitir, vão querer continuar assim. E para as empresas vai ser bom, pois reduz custo, pode alugar uma área menor etc. Meu irmão mesmo, está adorando, disse que não está gastando nada com combustível, e a empresa continua pagando seus vales alimentação e refeição e ainda está pagando 30% da conta de luz dele e 50% da internet.

                Resultado: vai ter muita queda de consumo de combustível só aí.

                • Edson Fernandes

                  DUVIDO.

                  Legislação de CLT: Vc paga vale refeição para não fazer seu funcionario ter que trazer refeição.Estando em casa? Ele já tem refeição. Isso forçaria as empresas a solicitarem redução dos beneficios. Isso fica claro.

                  E pode ter certeza: Tem muita gente por aí que classifica o Home Office como vagabundagem. E acho que vc se tornou meu vizinho(ou eu me tornei…rs), estou morando em Indaiatuba. O que eu vi em um grupo que participo sobre Home office é que o cara tirava SONECA de tarde e depois recebeu uma ligação de demissão.

                  Legal né? Eu trabalho dobrado de Home office (porque fico o tempo inteiro olhando emails e tal) enquanto alguns passam a tarde dormindo. Aí foi mandado embora possivelmente pela ausencia e ainda acha ruim a demissão.

                  E no final são os “vagabundos” do Home Office que tem a vida garantida assistindo TV ou vendo Netflix. Ainda falta maturidade para muita gente e empresa para liberar tal ideia de forma geral. Eu mesmo prefiro retornar ao escritorio pq me sinto mais a vontade e consigo controlar minha alimentação, coisa que em casa apesar de não ser um exagero, eu acabo comendo mais.

                  • MauroRF

                    Eu acho que vai depender da maturidade do “novo” negócio e das partes.

                    No meu caso, sou autônomo e trabalho em casa há 10 anos. Não quero outra vida.

                    Mas veja bem: home office sendo autônomo é uma coisa, home office sendo funcionário com horário e carga horária definidos é outra. Que já é autônomo e trabalha home office faz tempo já sabe levar bem a coisa e já sabe dos prós e contras.

                    Meu negócio é sempre entregar projetos de tradução e/ou revisão de texto no prazo. Eu tenho que assumir um volume que vou conseguir dar conta e entregar no prazo. Se não fizer, simples, o cliente procura outro que faça no prazo. Se eu quiser ver Netflix de tarde ou fazer compras logo após o almoço (que é o meu costume), ok, sem problemas, só preciso entregar os projetos no prazo.

                    Já com quem é registrado é diferente: tem que cumprir o trabalho dentro de horário específico. Isso se não acabar trabalhando mais pelo mesmo salário (o que já acontece na prática em muitos escritórios). Mas falo de trabalhar mais em casa porque, se o cara não for regrado, vai acabar se distraindo com as coisas, afinal, está no conforto da casa mesmo. No começo eu tive esse problema, hoje não mais.

                    É, já ouvi de várias pessoas que minha vida é uma moleza porque trabalho em casa, pode? Mas tudo bem, é assim mesmo. Até os vizinhos do prédio acham que coço o saco, kkkkk. E como sou subsíndico, aí que ligam sem dó, afinal, “ele trabalha em casa, é folgado”, kkkk.

                    Tá morando em Indaiatuba agora? Então, eu continuo em Santo André, mas minha esposa quer voltar a morar em Itapetininga, onde já morei um tempo. Como trabalho em casa mesmo, se morar aqui, em Itapetininga ou qualquer lugar deste mundo, não tem problema, desde que eu tenha uma conexão de internet, kkkk.

                    Como você bem pode ver, estou respondendo sua mensagem agora, 01h23 da madrugada, mas estou na verdade trabalhando. É o lado bom da liberdade de estar em casa e ser autônomo. Eu trabalho a hora que quiser, e como rendo mais de noite, adoro isso. E gosto sempre de acordar depois das 8 ou 9 da manhã, coisa que, em horário fixo, seria impossível.

                    No caso do meu irmão, a empresa manteve o pagamento de tudo, como se ele estivesse no escritório. Acho que as empresas deveriam continuar pagando vale-refeição, afinal, o cara está se alimentando para trabalhar e não tem tempo de cozinhar (por isso, ele sai para comer ou almoça no refeitório da empresa). Mas, sim, terá que ter muita discussão nesse sentido.

                    • Edson Fernandes

                      Eu acho que o Brasil precisa de mta maturidade sobre isso. Eu tbm sou autonomo e me acostumei com o Home Office. Mas… costumo comer mais em casa. Já percebi que tendo mais acesso, não tem escapatoria.

                      Esse periodo pra mim que estou morando sozinho então… vc acaba dormindo mais tarde e isso tem feito eu acabar por comer algo de madrugada. Até que do restante meu problema é com doce e refrigerante(esse ultimo eu vou cortar).

                      No meu caso eu faço reunião todo santo dia as 08:30 da manha com o cliente, isso qdo não é com indiano que é mais cedo ainda… então não posso me dar a esse luxo…rsrs

                    • MauroRF

                      Rsrsrs, refrigerante e doce são dose. Refrigerante consegui me livrar faz uns anos, bebida alcoólica não tomo e doces agora só de vez em quando, mas massas são o meu problema, como acima do normal e estou gordo por esse motivo. Estou tentando diminuir, mas é dose, rs.

                      Ah, sim, em casa a gente acaba comendo mais e tomando mais café, por exemplo. Ah, sim, o mesmo comigo, eu estico até de madrugada e dou umas “beliscadas”, sei que isso não é bom, mas dormir com fome não dá, rs.

                      Nossa, reunião com indiano? Se for em inglês, eles falam um inglês terrível, kkkkk. E logo às 8:30 da “madrugada”, rsrs.

                      Sim, o home office é ainda embrionário no Brasil, e como vc disse ontem, muitos acham que é coisa de folgado, que não estamos fazendo nada. Mas acho que isso vai começar a mudar agora com essa crise, anote aí.

                    • Edson Fernandes

                      Veja que coisa engraçada…

                      Minha irmã na empresa atual faz mto home office. E é da area da saude.

                      Para minha mãe, minha é um orgulho junto da empresa, qdo eu ficava antes, eu era louco que iria perder emprego por trabalhar de casa…rs

                      Vc precisava ver ela me ouvindo falar ingles. Eu parecia um E.T. aos olhos da minha mãe…rs

                      Pois é… eu to tomando uma pepsi zero que tenho mas ainda tem mais uma soda zero. Qdo terminar pretendo realmente tentar me forçar a não tomar pelo menos de semana. Acho que nisso já me ajudará.

                      Sobre massa: Inventei de fazer uma panela inteira com um pacote de macarrão com atum e molho. Advinha se já não enjoei? rsrs

                      Eu gosto de arroz e feijao, mas to enjoado de arroz branco. O que tenho comido? Milho…rs

                      Eu tbm gosto de arroz negro, uma delicia, mas é super caro! não tem condições de ficar comprando..rsrsrs Mas essas petiscadas não são o mais pesado, é mais o doce mesmo. Para vc ter ideia, tenho comido ovomaltine com leite condensado….kkk

                      Sim com indiano falando em ingles. Na verdade tanto homem como mulher…rs Tem dia que vc acorda ouvindo como se fosse um americano…. mas tem dias que parece que vc acorda ouvindo eles falando alemão…kkkk

                      Pior de tudo é qdo eles inventam de utilizar o microfone do notebook ao invés do fone…. parece que enfiaram uma batata na boca pra falar! ta doido!!!!

                      Eu espero que seja, porque assim se precisar posso dar mais auxilio para meus pais qdo essa gripe começar a liberar as pessoas .(nao acredito que mesmo que tenha cura, eles sugiram que todos possam sair para a rua).

                    • radiobrasil

                      Mauro… aproveitando a oportunidade, eu tenho uma boa equipe de locutores estrangeiros, caso algum cliente seu de tradução precise de algo para algum video institucional, treinamento em outros idiomas, trabalho com isso!

                    • MauroRF

                      Opa, bom saber, hein? Anotado aqui. Vou salvar seu email (o email no qual recebi sua mensagem de resposta). Abraço!

                • Peppa Pica

                  Eu trabalho de hoje office há 3 anos, recebo vale alimentação auxílios não… vamos ver se isso muda… agora, trabalho muito mais home office do que no local.

                  • MauroRF

                    Meu irmão foi pra home office e mantiveram os vales, auxílios etc. Acho que vai de cada empresa e cada negociação. Sim, isso precisa mudar, principalmente se o trabalhador for CLT. Como sou autônomo, nunca tive os direitos de férias, 13° etc. Trabalho em casa faz 10 anos. Mesmo com as desvantagens da falta de direitos, gosto de home office, dá para trabalhar de chinelo em dias de calor e, no meu caso, faço meu próprio horário.

                • Gran RS 78

                  Tbm acho que esse negocio de home office bom para todos, e pelo jeito isso irá se difundir mais daqui para frente, pois todos ganham, empregador, empregado e meio ambiente.

                  • MauroRF

                    Eu acho que o home office deveria ser estimulado. Em vez de precisar construir mais avenidas e mais metrô e enfiar mais carros na rua, aumentando a poluição, que por tabela aumenta os custos no sistema de saúde com doenças causas por ela, deveriam ser estimuladas políticas nesse sentido, como home office, descentralizar os centros financeiros etc.

            • Edson Fernandes

              Vc não eleva mas sobra pouca margem para baixar. Vc diz do risco de negocio… esse cara ta sofrendo como mtos tantos. Eu sou um deles. PRa mim o governo que deveria baixar mesmo o imposto mas atingindo o consumidor e não o empresário. Assim não existe margem para negociar, já está dado para o consumidor. O cara continua tendo sua margem e o consumidor paga menos.

              Ao meu ver isso seria melhor.

          • vicegag

            Muitas empresas e comércios estão fazendo sua parcela no sacrifício, devido a pandemia, será que os donos de postos não podem fazer um pouco?
            Imagine, se todos resolverem recuperar seus prejuízos do dia para noite, com aumentos, seria uma loucura.

            • Edson Fernandes

              Mas tem quem baixou para uma margem possivel. O unico problema é que o pessoal espera uma baixa tipo…. de 5 para 2 reais. Isso é impossivel. Tem posto em Salto, que cobra gasolina a 3,59 e alcool a 1,99. Pode ter certeza que isso pode ser convidativo para eu dar um “passeio” por lá.

    • Dead Lock

      O petróleo caiu para menos da metade do preço de alguns dias atrás, mas o preço na refinaria cai pouco, mesmo considerando a valorização do dólar. Provavelmente é para não quebrar os usineiros. Malditos carros flex….

  • Gran RS 78

    Eles resolveram repassar a diminuição dos preços agora? Que quase ninguém está saindo de casa? Por isso que eu digo, o problema do Brasil são os brasileiros, pois só querem levar vantagem em cima dos outros, pois esses preços já teriam que ter caído à pelo menos uns dois meses atrás.

    • Raul Mafra

      Te oferecem guarda chuva quando da sol e quando começa a chover te tiram, sempre foi assim

  • Spyjet

    Todos os setores vão sentir a crise. A ajuda do governo tem que priorizar as ME e EPP, que são a base da economia (aí acredito que inclua a maioria dos postos). Essa pandemia será uma grande lição para a maioria dos brasileiros, que não tem o hábito de fazer economia (me incluo nessa). Somos muito dependentes do sistema bancário, com empréstimos para várias situações (compra de bens móveis, imóveis, viagens, etc.).

    • Clementino Zelador

      conheço gente que faz consignado p´ra pagar ipva e seguro do carro….rsrsrsrsrs

    • th!nk.t4nk

      O brasileiro se assemelha ao americano, que mesmo quando ganha bem faz questão de gastar até o último centavo e depois se endivida quando a coisa aperta. Não é por acaso que Brasil e EUA estão entre os países onde o povo mais usa cartão de crédito.

      • SDS SP

        Pois é, eu era assim também até chegar a nossa crise em 2014 para começar a formar uma reserva de emergência. Hoje estou relativamente tranquilo e posso até me dar ao luxo de tirar um ano sabático. Claro, se o governo em alguma medida desesperada não resolver confiscar tudo. Por conta disso, tenho alguma coisa em criptomoedas (comprado via p2p).
        Galera ficou tão viciada em cartão de crédito que parcela até ovo de Páscoa. Vivemos em uma geração de escravos de dívidas. Mudar isso depende mais de mudança de mindset do que a renda em si (embora isso seja importante), pois você vai ver gente quebrada que ganha muito também.

        • Peppa Pica

          Exatamente… O brasileiro gosta de viver no limite do barbante até ele arrebentar…

        • MauroRF

          Dá pra ter proteção em dólar também, mas o lance é diversificar. Sou autônomo, então formei 1 ano de reserva de emergência, e o resto eu diversifico. Ações agora, principalmente de empresas boas e sólidas, estão baratas. Quando tudo retomar, nem que demore, os ganhos serão bons. Ah, legal sua ideia de colocar alguma coisa em criptomoeda com essa finalidade, não tinha pensado nisso, rs.

          Meu sogro é um que vive estourado em cartão de crédito e já tem trocentos consignados. Cansei de dar bronca nele por causa disso, aí ele vem se explicando “ah, mas consegui pagar menos juros fazendo portabilidade, ah, o BMG renegociou, ahh, isso, ahhh, aquilo”. Cara, ele é maluco mesmo, você explica e o cara não aprende.

          • Edson Fernandes

            Meus pais estão pagando o ultimo emprestimo que fizeram para pagamento de contas.

            “Poxa Edson vc nõa o ajudou?” Sim ajudei. Mas a partir do momento em que as dividas contraidas foram feitas para atender a gostos não racionais, eles perdem minha ajuda. Não sou carrasco para simplesmente mandarem eles se virarem, mas mto injusto acumular dividas para agradar a gostos pessoais (e as vezes bem caros).

            Um tem 69 anos(pai) e outra 65(mae). PRA QUE eles precisam de celulares turbinados? PRA QUE eles precisam qdo necessário de um aparelho dentario super caro que faz o mesmo que um aparelho mais simples? E não estou dizendo que eles irão no mais barato, mas que não precisem sustentar um custo de vida que não podem manter com coisas realmente desnecessárias!

            Meu pai comprou um TV de 42″ para a sala. Ele tinha uma de 32″ da AOC antes. O que ele fez? Deu para meu sobrinho e COMPROU outra da samsung de 32″.

            Isso tudo em uma situação de menos de 1 mes de uma coisa para outra. Isso do que eu to te dizendo de itens que eles não precisavam fazer da forma que fizeram. E meus pais tem um costume muito ruim: Se um compra algo atualizado, o outro exige que seja também. Aí para colocar a pá de cal, o meu pai diz pra minha mãe que já sustentou mto gosto dela e que iria também ter um gosto dele… e … trocou de carro…rs

            Hoje o computador que era simples pode ser que não arrume porque possivelmente uma fonte de 200 reais está ruim, não irei ajudar dessavez e eles estão lá… usando um notebook antigo que eu dei para eles, com 1gb de RAM pq meu pai tá cheio de dividas. Denovo, de forma desnecessária.

            • MauroRF

              Ih, esquece, Edson, acontecia coisas meio parecidas com meu pai, que algumas vezes pedia grana emprestada. Vai por mim, isso não dá certo e, pior, você acaba participando dos problemas deles, além dos seus. Já que eles não mudam, não ajude, porque eles sabem que, no aperto, você irá lá socorrê-los. Não ajudo mais meu pai (claro que ajudarei em algo essencial, por exemplo, se ele tiver um problema de saúde e não tiver como arcar), mas ajudar porque o cara se endividou comprando celular mais caro? Nem ferrando! Eles têm que aprender que só dá para viver uma vida de acordo com os ganhos.

              Pro meu pai não empresto mais nada, a menos que seja estritamente necessário. Para meu sogro então, faz anos. Se eles se endividarem, problema deles, terão que arcar com as consequências.

              Meus pais agora estão tranquilos e sem dívidas, e parece que meu pai tomou jeito. Agora, o meu sogro, cara, ele só se endivida, e gasta com tanta besteira, e depois fica reclamando do Mille 2002 dele, que tá velho, que tá com 260 mil km, que isso, que aquilo. Quando ele reclamava comigo do carro, eu falava sempre “Ah, lembra daquele celular foda que vc comprou, vai viajar com ele então, vai ao mercado com ele.” “Ah, e aquela roupa chique que você comprou, pede para ela te levar com conforto até o mercado.” “Ah, e aquele monte de consignado que você tem, pegue seu queijo gorgonzola e alise-o agora.” kkkkk, eu não presto mesmo, mas falo na cara. Claro que ele se cala, pois sabe que estou certo, mas não muda.

              Uma dica que eu dou é: cuidado para não participar dos problemas de seus pais (e dos de outras pessoas também). Já basta os problemas que temos e ainda vamos participar dos problemas dos outros? Nem pensar. Eu mudei esse meu pensamento e vivo bem mais tranquilo hoje. Tempos atrás, minha cunhada estava com problemas com o namorado dela e começou a encher o saco da minha esposa, que começou a encher o meu, aí fui bem claro: “Não é problema meu, é problema dela com ele, e sugiro que vc também não participe senão vai ficar nervosa com problema que não é seu”.

              • Edson Fernandes

                Meu problema é querer dar conselhos e não ter qdo preciso…rs

                Famoso carente de atenção…rsrsrs

                Sobre os problemas, o ultimo foi a colocação de implantes na boca da minha mãe, ela de fato não foi na mais cara, mas foi na que tem “status”. Porque meu sobrinho estuda numa escola particular bem cara, mas como a diretora é por acaso a avó paterna, ele não paga, mas estamos falando de uma escola cujo o vlaor de mensalidade é entre 2500 a 3000 reais!

                Então uma das mães e amiga da minha irmã é dentista e advinha com quem ela bateu o pé e queria fazer? Termino de ajudar a pagar o mes que vem. Ela já veio dizendo que tinha que dar manutenção e blablabla, disse pra ela que isso é responsabilidade dela.

                Afinal, eu tenho contas para pagar. Ela ficou triste mas se ligou que não adiantaria jogar pra cima de mim. Só que daí meu pai tbm tem problema nos dentes… a diferença que deixei claro é que ele iria ter que pesquisar e aceitar soluções mais baratas. No caso dele é mais facil lidar com essas coisas. Minha é do tipo que quer do melhor e é por isso que ficam se endividando para fazer a vontade dela.

                Pra eles, infelizmente eu não serei banco não.

                • MauroRF

                  Hahaha, aí é complicado, hein, Edson? Dá conselhos de graça e não tem quando precisa, rsrsrs.

                  Falando sério, então, não dá para sermos banco deles. Cheguei a ser uma época para meus pais, mas aí eu percebi que estava alimentando coisas parecidas com o que faz sua mãe. Além de alimentar isso, eu estava participando dos problemas deles. E foi aí que minhas fichas caíram. É o que você falou, você tem suas contas para pagar.

                  Falando de tratamento dentário, meus pais precisaram fazer implante caro ano passado e conseguiram pagar de boa. Se fosse alguns anos atrás, não teriam dinheiro, mas fico muito contente que mudaram a cabeça para melhor. Meu pai não dá o braço a torcer que, indiretamente, fui responsável por esse avanço deles ao parar de “financiar” as coisas, mas os pais sempre são orgulhosos mesmo, kkkkkk. Para eles, os filhos sempre estarão errados e sempre serão aqueles filhos pequenos de 10 anos. Meu sogro até tempos atrás, idem, vinha pedir dinheiro emprestado (que seria dinheiro dado), e eu sempre negando e dando bronca. Hoje ele já não me pede mais, rs.

                  • Edson Fernandes

                    Nossa, até familia só muda de endereço mesmo.

                    Sério, confesso que nessas horas eu posso te dizer que nem amigos eu posso dizer, pq to te pra te falar que homem parece não gostar de ouvir problemas, desde que seja algo pequeno. Se vc fala da vida… o cara nem te responde.

                    Sobre os meus pais, eles já se ligaram nisso… e ao que parece, meus pais estão terminando de pagar os emprestimos (pelo menos nunca mais recebe ligação do meu pai já que o mesmo tbm se chama Edson Fernandes…rsrssr) .

                    Então eu espero que daqui pra frente, eles entendam a real utilização do dinheiro. E pensar que eles poderiam estando ambos aposentados, de poder no futuro viajar e curtir a vida. (gostaria que eles mudassem de são bernardo, mas… não irão).

                    • Aguir Gabriel

                      um filho é algo bem caro também

                    • Edson Fernandes

                      A diferença é que eu como filho sempre os ajudei desde os 12 anos de idade e nunca fui do tipo bancado por eles para tudo que eu faço. E só fui ter coisas como um bom celular e outros, fruto do meu trabalho.

                      O que eu to colocando aqui é que eles se endividam por coisas que não precisam. Eu tenho um celular Motorola Z2 Play. Está mto longe de ser um topo de linha e me atende super bem.

                      E eu uso o celular para trabalho.

                      E então meus pais que poderiam ter um celular mais simples (como tinham e qdo me refiro a celular simples, se resume apenas em memoria de armazenamento, que eles poderiam com um simples cartão de memoria resolver).

                      Se vc leu todos os comentários que eu fiz acima, meus pais gostam de esbanjar e por vezes querem igualar as coisas deles com quem faz o uso massivo de algo.

                      Vou te dar um exemplo…. eu qdo troquei meu C3, peguei um Fluence. Foi porque “queria um carrão”? não, foi porque queria e precisava de um carro automatico. Diante do que eu pesquisei de nosso mercado, o que o Fluence me ofertava era mto além do que eu queria, mas era o carro que melhor me atendia, por isso o comprei.

                      Po mas dai vc poderia ter comprado HB20 automatico (4 marchas), Onix AT, Cobalt AT, entre diversos outros mtos carros. Eu fui por aquele que me dava segurança (tem 6 air bags, ESP, farois em xenon), boa motorização (Ao contrário de muitos, sabendo utilizar uma transmissão CVT, ele vai mto bem) e um carro que tenha conforto. Já que o C3 é bem confortavel.

                      E diante das opções de mercado e o que me apresentava diante de consumo e tudo mais, foi o Fluence. Há mta similaridade em consumo com esses carros que citei.

                      Meu pai tinha um Siena EL 1.0. O que ele dizia depois de eu ter comprado o carro é que precisava de um carro mais novo para evitar desvalorização. Poxa, eu comprei um carro 2011 em 2015 e ele já tinha um carro 2011.

                      Depois disse que seria automatico. E a bem da verdade… ele mal anda de carro. O pouco que usa é pra levar meu sobrinho na escola e eu expliquei que carros automaticos terão manutenção (troca de oleo e filtro) adicionais ao que um carro já faz e que o custo disso passa de 500 reais.

                      Mas ele estava disposto. Entretanto por ter gostado do Versa, foi e adquiriu um SL 2015. Só que ele fez isso no limite. E depois desse limite começou a gastar com outras coisas sem necessidade e reclamar que gostariam de viajar.

                      Aí vc os chama para viajar (pagando tudo obviamente) e eles se sentem mal por não terem grana. Então me ajuda, para de gastar com o que nõa precisa que terão dinheiro para aproveitar aonde for.

          • SDS SP

            Eu estou estudando o mercado de metais preciosos (ouro e prata). Estou pensando em colocar alguma coisa para se previnir de um surto de inflação que pode acontecer em breve.
            Estou fora do mercado de ações desde o final do ano passado, mas pretendo voltar quando tiver uma sinalização de normalidade. Entrar agora acho perigoso (se estivesse comprado, teria ficado), pois vai começar a brotar muito indicador ruim nas próximas semanas e meses.
            Dívida é tenso e quanto maior a renda, maior serão seus custos fixos. Eu mesmo estou praticamente zerado de dívidas, não pretendo comprar nada supérfluo até que a situação não se acalme.

            • MauroRF

              É, agora não é hora de comprar nada supérfluo mesmo, tipo, trocar de carro, de casa e gastar com besteiras. Quem está sem dívidas é rei neste momento, rs. Uma solução que creio que muitos adotarão é baixar os custos fixos, trocar por um carro mais barato, reduzir o plano de TV, comer mais em casa, essas coisas.

              Em relação ao hedge contra inflação, dá para se proteger em Tesouro IPCA (considerado seguro) ou ainda em dólar. Tenho amigos comprando dólar (e até ouro) pelo mesmo motivo que você, acreditam em inflação. Não sei o que você pensa de imóveis com a finalidade de investimento/proteção, pois estão bem baratos ultimamente.

              Em relação às ações, estou comprado, mas meu prejuízo tá baixo porque eu pouco aportei quando a bolsa estava acima de 100k. E sempre tomo cuidado de ficar em empresas já sólidas, não sou cara de investir em varejo, aéreas ou empresas de turnaround como uma Oi da vida. Busco sempre empresas sólidas, que já passaram por várias crises e em setores perenes. Na verdade, eu sempre deixei uma reserva de oportunidade e estou aportando neste momento, mas bem aos poucos. É um risco calculado. Entendo o seu lado de achar perigoso estar comprado (é o seu temor e você deve ter suas estratégias), mas sinceramente eu coloquei na bolsa grana para longo prazo com a qual não vou contar agora. O grande problema é que muita gente colocou grana com a qual ia contar no curto prazo, achando que ia ganhar horrores com a subida da bolsa. Gente que foi no oba oba e aportou grana pesada ali nos 110, 115k pontos. Conheço um cara que pegou a rescisão dele no final do ano passado (bem no topo da bolsa) e tacou quase tudo em ações, e eu falei para ele ir com calma porque estava achando a bolsa esticada demais. Mas ele foi na onda desses youtubers que falavam que ia chegar a 150, 200k pontos e colocou. Agora está bem no vermelho e desesperado, pois queria usar a grana para curto prazo para projetos pessoais. Sugeri a ele para manter a calma e não realizar prejuízo nenhum. Não faria sentido ele realizar prejuízo agora sendo que não conseguirá tocar projeto pessoal nenhum com as coisas em marcha lenta. Mas, mesmo assim, falei que se ele vender, já tem que saber dos riscos (e se não vender, também): amanhã pode desabar mais ainda, levar anos para voltar e ele perder mais ainda, ou amanhã pode subir e ele terá realizado prejuízo de bobeira. Eu mesmo, como já estou comprado e penso em prazo bem longo para a grana que está lá, vou deixar lá quieto e receber os dividendos (que certamente serão menores agora, isso se algumas empresas não deixarem de pagar temporariamente). Vender agora, no meu entender, não é legal.

              • SDS SP

                Eu estou acompanhando o mercado imobiliário com carinho.
                Imóveis ainda estão muito caros. Acredito que terá uma queda acentuada nos próximos meses, pois muita gente vai precisar vender pra fazer caixa, isso sem contar a onda de calotes que está por vir. Os leilões vão bombar e não essa palhaçada que vemos hoje do pessoal leiloar imóvel com o preço praticamente igual ao de mercado.
                Precisamos utilizar a lei de oferta e procura a nosso favor rs

                • zekinha71

                  O mercado imobiliário em breve vai ter uma super oferta, logo vai começar aquelas guerras de família pra pegarem a herança e muitos imóveis terão que ser vendidos pra saciar a ganância dos herdeiros, principalmente a geração de nem nem, que são sustentados pelos avós e pais.

                  • MauroRF

                    Até já está tendo, Zekinha. Aqui na minha cidade tá cheio de apartamento sem vender faz tempo, e os preços já estão descendo. Quem comprou imóvel entre 2010 e 2013 comprou bem na alta, foi como comprar ações a 115 mil pontos, vai demorar para recuperar.

                    • zekinha71

                      Vai ter muito mais, em SP tem ruas que metade dos imóveis estão com placas de vende/aluga, e o restante dos imóveis são de pessoas bem idosas, e em volta muita coisa em construção.
                      Perto de casa estão construindo um prédio em uma rua cheia de transportadoras e no começo do ano passado fui olhar os preços, e começavam em meio milhão no mais ralé e a média era acima de 600K, fim do ano passado atrás desse prédio lançaram outro, que fica em uma avenida muito melhor, e os apartamentos começam em 300K e são melhores do que o primeiro, tiveram que dar uma baixa nos preços.
                      E quem comprou na lançamento já perdeu quase 50% do valor em uma coisa que nem está pronta e aquele financiamento maroto de 20 anos.

                    • MauroRF

                      Exatamente, em SP então, principalmente na Zona Sul, tá cheio de apartamento parado, eu sei porque tenho um amigo que é corretor e trabalha principalmente no eixo Saúde/Praça da Árvore/Mirandópolis/Vila Clementino/Vila Mariana/Ana Rosa e Paraíso/Aclimação. Esse eixo tem m2 bem caro, são bairros de classe média-alta, teoricamente com poder aquisitivo maior, e há muitos apartamentos encalhados. Aqui em Santo André não é diferente, tá cheio de prédio levantando, cheio de apartamento novo e usado para vender e ninguém compra pelos preços (já baixos) pedidos. Moro perto do centro da cidade, em bairro bom, e nem aqui são realizados muitos negócios.

                      Comprar em lançamento, no meu entender, sempre foi furada (menos naquela época em que os imóveis subiam demais). Em 2017, eu pensei em trocar de apartamento e cheguei a ver alguns lançamentos de curiosidade, os preços pedidos eram muito altos para lançamento. E outra: eu pensei “e se tiver uma crise lá na frente ou os preços não se recuperarem, se eu pego na planta, vou tomar prejuízo”. Não deu outra.

                • MauroRF

                  Moro em Santo André, no Grande ABC (SP) e aqui os imóveis nem chegaram a subir de preço e já caíram, e com esta crise cairão ainda mais. Bom para quem tem grana para comprar.

                  Sim, você está certíssimo, vai acompanhando. Assim como a bolsa, não vai dar para saber o fundo, mas que os preços cairão em relação ao patamar atual, disso não tenho dúvida.

                  Sim, lei da oferta e procura a nosso favor, kkkk. Até o final do ano você vai conseguir usá-la a seu favor, acho que até antes, rs.

        • Edson Fernandes

          Queria ter dinheiro para um ano… acho que no meu caso eu tenho economias para viver sem grandes apertos, por 6 meses.

          • SDS SP

            Ainda sim, se sinta privilegiado. Muita gente sequer consegue ficar 1 semana sem receber. Triste realidade.

      • Zé Mundico

        Até certo ponto isso é uma característica do ser humano, na época das vacas gordas tudo é um mar de rosas….
        Mas realmente tem gente que já coloca o limite do cheque especial como renda mensal e aí já viu….rsrsrs

        • MauroRF

          É aquela história do Warren Buffett: tenha medo quando os outros estão gananciosos e ganância quando os outros estão temerosos.

          Fui entender esse conceito faz alguns anos, e tem dado certo. Quando tá tudo indo bem, eu foco em guardar recursos, quando tá ruim, como agora, é hora de fazer investimentos e fazer compras com descontos. Quem tem dinheiro agora vai viver tranquilo e sem aperto se não tiver trabalho por um tempo, vai conseguir comprar imóveis com desconto, vai conseguir comprar ações de boas empresas com desconto (caso do Buffett) e por aí vai.

    • Eng. Mecânica 2014

      Meu irmão, se você faz empréstimo pra viajar você é bem burro.

      • SDS SP

        A maioria faz isso. Confesso que já fiz isso em algumas ocasiões kkk. Baita burrada. Quem faz isso para investir na carreira (fazer um curso), dá passar um pano.

        Pra quem estava pensando que todo mundo ficou rico pq começou a fazer viagem internacional como se estivesse indo para à Baixada Santista, é bom perguntar isso para as operadoras de cartões de crédito rs

        • Zé Mundico

          Estive falando justamente disso com amigos pois uns 5 mêses atrás um colega meu se meteu a comprar um Corolla naqueles planos de 50 ou 60 prestações. O cara vive no pavio da vela mas acha que pode ter um Corolla. Chamei ele num canto e provei na ponta do lápis que com aquele dinheiro da prestação daria para ele pagar uma faculdade para o filho, que está sem ter o que fazer na vida.
          Tá certo que é uma daquelas faculdade de Direito de beira de esquina, mas continuo achando que vai dar mais opção na vida do que dirigir um Corolla.
          Bem, ele e o filho dele preferiram andar de Corolla….
          Realmente a cabeça do povo tem que mudar, espero que depois dessa pandemia o pessoal aprenda a ter mais foco, objetivo e sensatez na vida.

          • Peppa Pica

            Não adianta… o brasileiro tem mesmo que se fu%&#… Não tem outra explicação… ele procura isso….

          • radiobrasil

            Não fala em Corolla aqui… os “véio” não podem sair de casa, desespero das concessionárias Toyota, 90% do público da marca em risco! uhuhauhauha Brincadeira sadia pô huhuahauha

    • MauroRF

      Por isso que sempre fiz reserva de emergência, pelo menos 1 ano de meus gastos mensais em aplicações de liquidez diária. Como sou autônomo, sempre faço isso. Graças a Deus que meus serviços não diminuíram tanto, mas se eu ficar sem nada, consigo tocar a casa e a vida.

      • Edson Fernandes

        Preciso pegar umas dicas contigo…rs

        • MauroRF

          rsrsrsrs, se precisar de ajuda, sério mesmo, só falar.

          O segredo é ter reserva por 1 ano em aplicação de liquidez imediata segura. O foco tem que ser a pronta disponibilidade do dinheiro. A remuneração, claro, passa a ter importância secundária. O grande problema da renda fixa e das aplicações de liquidez diária especialmente é que elas estão perdendo da inflação, mas aí não tem como escapar. E o BC está sinalizando mais queda de juros em maio. Eu acho que cortarão para 3,25% a Selic, aí ferrou para a renda fixa, principalmente as aplicações de liquidez diária.

          A poupança é a pior de todas, paga nada e perde feio para a inflação. O Tesouro Direto Selic é a mais segura e paga um teco a mais que a poupança, mas também rende juros reais negativos (ou seja, rende menos que a inflação). Eu arrisco um pouco mais e deixo metade da reserva de emergência no Tesouro Selic (pelo motivo da segurança) e metade dela eu coloco em bancos médios com bom rating (que pagam uma remuneração um pouco maior em troca de um risco um pouco maior). São bancos como BMG, Daycoval, ABC, que são bancos médios com bons ratings, mas que apresentam segurança menor quando comparados com bancões como Itaú, Bradesco etc.

          No mais, tenho outras aplicações em renda fixa para o médio/longo prazo, como títulos atrelados ao IPCA para proteção contra inflação (como Tesouro IPCA e CDBs IPCA desses bancos médios) e também ações. Ações são um pouco mais complicadas porque é preciso estudar as empresas e os setores de atuação deles, precisa aprender sobre análise fundamentalista e depois ir fazendo aportes, além de aguentar firme em tempos de crise como agora. O grande erro que muitos cometem com ações é querer ter retorno grande e imediato com ações, no curtíssimo prazo, mas nunca é possível saber se vai dar para ganhar com ações, pois como o próprio nome diz, é renda variável, e aí pode variar para baixo, como agora, rsrs. Se o cara tiver necessidades de curto prazo e precisar da grana e as ações caírem, ele dança. Muita gente fez isso na alta da bolsa no final do ano passado e começo deste ano. Mas se o pensamento for de longo prazo e se fizer investimentos de longo prazo em empresas sólidas, com bons números e em setores perenes, não tem muito erro. Por exemplo, uma das empresas em que invisto é a Itaúsa, uma das “queridinhas” da bolsa, empresa sólida e bons números. Deu essa grande queda e estou no vermelho nela. Devo me desesperar e sair vendendo? De jeito nenhum, pois o foco é longo prazo (5, 10, 15 anos), a empresa é sólida, sempre apresenta bons resultados, tá no mercado faz tempo, já atravessou várias crises, tem uma gestão competente. Vai subir no futuro? Com certeza. Pode levar muito tempo a recuperação? Pode. Mas o que me traz conforto é o pensamento no longo prazo. Pensando bem no longo prazo com ações e investindo em projetos de boas empresas em setores perenes, muito difícil dar errado. E essas empresas boas costumam pagar dividendos que agora superam a taxa Selic com alguma folga. Outros setores bons são bancos, elétricas e saneamento. Empresas como Transmissão Paulista, Taesa, Itaú, Banco do Brasil, Sanepar, Weg, cara, não vejo essas empresas dando ruim, nem nesta crise, e agora elas estão bem baratas com a queda da bolsa. Resumindo, deu essa queda, estou no vermelho em algumas ações e, em vez de me desesperar e vendê-las, estou é comprando os bons projetos (como diz o Luiz Barsi) com desconto. Entende? No longo prazo, isso será lucro na certa. Alguns FIIs também estão ótimos para entrar agora.

          • radiobrasil

            E o que me diz pra quem tem poupança antiga, garantidos os 0,5% ao mes?

            • MauroRF

              Ah, poupança antiga agora é excelente! Se você tiver, não saque em hipótese alguma, apenas se realmente precisar da grana. Dá mais de 6% ao ano líquidos, não tem por que tirar.

              • radiobrasil

                Sim, pesquisei e vi algumas tabelas, a poupança antiga ATUALMENTE é a melhor aplicação do mercado, sem riscos e melhor rentabilidade, batendo Tesouro Direto e cia. 0,5% cravadinho por mes. Ja a “nova poupanca” míseros 0,24% e ainda assim batendo várias aplicações. Realmente, quem tem poupanca antiga, não mexa se nao precisar!

          • Zé Mundico

            Realmente o Tesouro Selic e o Teouro IPVA-Pós são bons investimentos, mas mesmo que você aplique a longo prazo (3,5 anos) lá no fim você será taxado pelo famigerado Imposto de Renda. Assim, o seu virtual rendimento será abocanhado pelo governo e fica uma coisa pela outra.
            Quanto a ações, precisa mesmo bom conhecimento e coragem. Para mim investir em ações é igual a um cassino. Na baixa não adianta vender, pois aí você só perde quando vende.

            • MauroRF

              Isso, ações só perde se realizar prejuízo, se não vender, não tem prejuízo. É o mesmo que querer vender imóvel agora, que está na baixa e estará mais ainda. Se não vender, não tem prejuízo. Mas quem vender imóvel agora será fatalmente com prejuízo.

              Sim, todas as aplicações de renda fixa, exceto LCI/LCA, têm IR, não tem jeito. Antes de investir, sempre faço cálculos já embutindo o IR.

          • Edson Fernandes

            Pra isso eu vou te chamar no email, acho que iremos longe nessas conversas e te confesso que apesar de ter meu dinheiro guardado (poupança) preciso de ter renda extra sem depender da atividade principal que exerço. Pq na dor de barriga eu tbm posso ter outros pontos de salvamento assim não me sentir que só perdi, como é hoje.

            Afinal todo meu destinamento financeiro vem de um lugar só.

  • UPTSI

    Vai aumentar. O custo fixo do posto permanece, a quantidade de combustível vendida caiu, logo a diferença vai ser compensada pela manutenção no valor do produto. Infelizmente. só vai baixar daqui uns 4 meses se o petróleo continuar no mercado internacional com preço em baixa.

    • Clementino Zelador

      Isso mesmo. quando essa crise passar e o consumo aumentar, o preço vai aumentar junto.

    • Peppa Pica

      Você que pensa… aqui a Gasolina caiu de R$ 5,05 para R$ 4,79 e isso com apenas 2 semanas do isolamento… aditivada que era R$ 5,29 caiu para R$ 5,05…

      • UPTSI

        essa redução ai não é nem metade do valor que caiu nas refinarias. por isso que eu disse que ia aumentar.

  • Odair Willemann

    Em sc abasteço a 3,39

    • Raul Mafra

      gasolina a 3,39 em SC onde? Moro em camboriu, aqui ta 3,89

      • Odair Willemann

        Em uma cidade vizinha à Criciúma estava esse preço semana passada, mas tem bastante lugar com 3,59 ou 3,80

        • Raul Mafra

          Barato demais, vale apena até pegar galao de deixar em casa ehhehe, pois esse preço dificilmente terá, o cara deve ter feito uma promoçao pra capitalizar só pode

  • Luis Mello

    Em Curitiba caiu R$0,40 o litro do etanol.

    • kleber peters

      Aqui em Cuiabá caiu de 3,29 pra 2,69. Mijolina de 4,69 pra 4,19.

  • rodpe

    Duvido muito!

    No Brasil temos a lei de oferta e demanda tupiniquim.

    Quando a procura é alta, o preço sobe devido a forte demanda. Quando a procura é baixa, o preço sobre para se manter a margem de lucro.

  • Kaian Reis

    Aqui em Angra dos Reis onde eu abastecia estava R$5,33 a gasolina aditivada agora está R$4,98

    • Caiu 6,5%. Segundo a matéria 55% da gasolina NÃO são tributos. Então se na refinaria caiu 40%, significa que a gasolina deveria cair 40% de 55%, isto é, 22%. Essa sua gasolina a R$ 5,33 deveria ter caído para R$ 4,15. Ou seja, ao invés de cair 22%, estão mantendo uma margem de lucro de 15,5% + ações para aumentar o lucro, como reduzir horário do posto, quase fechando nos fins de semana, e reduzindo o pessoal. Prejuízo de verdade que não pode ser compensado por anos e anos e muitos anos de lucro? Fantasia. Não existe. Quem paga e perde é o consumidor e o funcionário do posto. Uma tia minha que mora fora me mandou foto da redução lá fora: 43%. Com certeza em boa parte do resto do mundo deve ter caído 40% pra mais. Menos aqui.

      • Zé Mundico

        Tem que ver que “lá fora” (nos EUA ,por exemplo) a carga tributária sobre combustíveis não passa de 7 ou 8 %.
        Enfim, é outra realidade.

  • Leonardo

    Em Brasília, estava 4,20~4,30 antes da crise. Agora já tá achando 3,68~3,75.
    Ta aí um setor que eu não tenho pena nenhum se quebrar… Passam décadas explorando as pessoas por meio dos cartéis e agora ficam chorando que ninguém tá abastecendo. E que venham os elétricos!!!

    • RPM

      Concordo plenamente

  • Saraiva

    Na minha cidade era 4.69 baixou pra 4,29 e aos sábados há promoção indo a 4,09

    • Reduziu 8,5%. Era pra ter caído 22%. A gasolina a R$ 4,09 nem acompanhou a queda. Só 12,8%. Ainda metade só do que era pra cair.

  • M.W.

    É acho que o reservatórios das distribuidoras estão cheios e precisam de espaço e não tem onde botar a produção,deixem lá até o ponto que o Litro fique a 1 real.

  • Luiz Schuchter

    Aqui em BH sempre existiu cartel, preços muito similares, não tem concorrência de verdade. Aí esse cartel é quem determina qual o valor final. Aqui preço gasolina hj 4,29 a 4,79. Etanol 2,99.

    • Cesar Penna

      Pior que o cartel descarado de Bh é essa reportagem tentando justificar a prática de não repassar a queda dos insumos para as bombas. Os impostos são percentuais, podem ser altos mas a queda tem que ser proporcional. Infelizmente não haverá queda em Bh porque é mais fácil simplesmente não baixar os preços num mercado que está na mão de 5 ou 6 pessoas. Se realmente existisse concorrência, bastava alguns postos baixarem os preços que os outros seriam obrigados a baixar também para não perderem seus clientes.

    • oloko

      Cartel tem em toda cidade do país hahaha, infelizmente é isso, para ter um posto com preço bem abaixo do praticado, ou a gasolina é bem questionável ou então logo aumentam ou fecham

  • RicardoVW

    Aqui já baixou R$ 0,30, mas do que adianta abaixar agora se quase não estou usando o carro!

  • Manfred Smile

    Tô achando que vai é aumentar.

  • Thiago Coutinho Doval

    Não sei em outras cidades mas em Brasília o preço caiu bastante, principalmente o diesel S10 que caiu de R$3,89 para R$3,20 em menos de 15 dias.

  • More of the punisher

    Estou chorando aqui de dó dessa corja, que forma oligopólios em todas pequenas e médias cidades, adulteram combustível, bombas e tudo mais que seja possível!!!

  • Joao Victor

    Quase tudo nesse país continental é transportado por rodovias (uma coisa ridícula), o combustível caro prejudica praticamente todos os setores da economia, deixando os produtos caros e baixando o consumo, pra mim o governo tinha que subsidiar os combustíveis (principalmente o diesel).

    • Mikoyan

      o custo do subsidio o governo inventa algo para o povo pagar, não existe almoço grátis. Um outro grande problema são os atravessadores que nunca repassam diminuição de preços, brasileiro não sabe praticar o certo a não ser com uma regulação forte (punição pesada para quando tirar proveito, de forma a desestimular o crime, não vejo outro caminho), mas como fazer isso com leis fracas, congresso e judiciário totalmente corruptos? Uma opção seria mudar paulatinamente o principal modal diversificando as opções de transporte para haver concorrência, houve até uma tentativa num passado recente com as ferrovias “Norte-Sul a qual nem sei em que pé está”. Mas como tudo nesse país (com minúsculo mesmo) quando a corrupção não entrava tudo, aparece o conluio de uma pequena casta para tirar proveito, sobrando p a população pagar o alto preço pelo novo serviço carregado da pesada propina. Transformando a novidade num grande abacaxi. Fora quando não há resistência de alguns trabalhadores que não querem aceitar as mudanças. O cenário é complicado e sem perspectivas de uma mudança a curto prazo.

      • Joao Victor

        os ganhos na economia seriam muito maiores que os “prejuízos” dos subsídios, eu falo de subsídios planejados e controlados, sem populismo como acontece na Venezuela e na Angola. Os EUA subdisiam quase metade da sua produção de petróleo (tanto na produção quanto no refino), os russos também,a indonésia, arábia saudita… Paises grandes e produtores de petróleo subsidiarem combustível é uma coisa quase que óbvia, só nesse país estranho que isso é mal visto.

        “Um outro grande problema são os atravessadores que nunca repassam diminuição de preços”, bom se for necessário que tabelem os preços…

        O resto eu concordo.

        • Mikoyan

          Faz todo sentido o que vc disse, subsidia e diminui os preços em toda a cadeia fazendo o consumidor final pagar um valor digamos “dentro da normalidade”, Todos ganham o seu quinhão e nenhum explora o outro. E o atravessador que com suas praticas maléficas coloca a perder toda a cadeia de negócios merece a criminalização e a.regulação;

  • SDS SP

    Faz 3 semanas que não coloco os pés na rua. Nem sei como está o preço do combustível aqui em SP.
    Engraçado que quando há uma anuncio de aumento nas refinarias, o reajuste é repassado imadiatamente na bomba, mesmo com estoque antigo. Agora quando o preço cai, vem com essa desculpinha de que o estoque antigo ainda não foi consumido, principalmente por conta da baixa demanda por combustíveis.
    Enfim, a choradeira é generalizada, todo mundo vai querer alguma boquinha.

  • Paulo C

    É aquela discussão marota de sempre:

    Quando aumenta o preço do petróleo, aumenta na bomba.

    Quando abaixa, vem gente falar que não abaixa na bomba por causa de imposto.

    Se imposto é calculado em porcentagem, cai também com a queda no valor do litro menor que sai da refinaria.

    Caiu 40% o litro na refinaria. Aqui na minha cidade, se caiu 5% na bomba foi muito.

    Duro é ver o site aqui defendendo.

    Posto é uma máfia.

    • Zé Mundico

      Tem que ver 2 coisas muito importantes que muita gente esquece:
      1 – o maior interessado em preço alto dos combustíveis é o governo, pois quanto mais caro mais ele arrecada.
      2 – Independente do preço, os custos do dono do posto não mudam, pois ele tem que continuar com a mesma despesa operacional (empregados, impostos, taxas, energia, etc e tal) com o mesmo produto.
      É complicado.

      • Mikoyan

        Sinto tanta maldade e atraso pela simples existência do “governo” que quando por ex. o Congresso e o STF estão de recesso a repentina ausência diária de noticias ruins traz um enorme alívio para mim. E como sempre o povão sempre paga a conta não é. Infelizmente nada de novo !!!!

    • Cesar

      Eu não se se você não sabe mas o preço dos impostos na bomba não é calculado sobre o preço do combustível vendido na distribuidora e sim por uma média calculada pelo Estado. É por isso que quando diminui na distribuidora demora a chegar na bomba.
      Tu vai falar que quando o preço aumenta na refinaria o aumento é automático. Sim é verdade. Eles aproveitam para ganhar mais.

  • Diego Berri

    Aqui em SC baixou quase 40 centavos, tem posto vendendo a R$ 3,93 dá pra ver que é possível vender mais barato, não vendem por que não querem mesmo.

  • LuaN

    Aqui no interior de MT ta assim depois da quarentena:
    Etanol 2,89 (antes era 3,21)
    Gasolina 3,89 (antes era 4,39)

  • lucas

    época ideal para retirar a obrigatoriedade de ter frentistas!

    • Cesar

      Tu quer gerar mais desemprego numa hora destas?
      Cuidado que vão te chamar de malvadão insensível.

  • ChalMust

    Noroeste do Paraná:
    Antes

    Ethanol 3,19 / Gasolina 4,49

    Depois
    Ethanol 2,99 / Gasolina 4,19

  • Toyo_Highlander fan

    Aqui no Ceará o governador pe..tist…a simplesmente pode estar é elevando o ICMS pois os valores permanecem absurdamente altos. 4.69 o litro da gasolina.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email