Europa FCA Mercado

Agora sem Punto, Fiat dará espaço para outras marcas da FCA na Europa

punto-2012-europa

Sérgio Marchionne expôs alguns dos movimentos que a FCA tomará a partir de 1 de junho de 2018, quando fará o anúncio de sua estratégia global para o período entre 2018 e 2022. O grupo ítalo-americano passará por mudanças profundas e uma delas será ceder espaço da Fiat para outras marcas no mercado europeu.


Isso significa cortar alguns projetos e o mais importante deles é o Punto, que não será mais feito. Até o momento, cogitava-se que o Argo daria origem ao hatch compacto europeu, que ficaria naturalmente abaixo do Tipo, que é maior. Porém, Marchionne disse que a gama atual de produtos é suficiente e que vai concentrar mais atenção da gama 500 no mercado americano.

jeep-renegade-2019-europa-3

 


Outro ponto importante é o mercado latino-americano, onde a Fiat foi líder e agora renova seu portfólio em busca de voltar ao primeiro posto, hoje ocupado pela General Motors. O chefão da FCA confirmou a manutenção do Panda (foto acima), que deve ser essencial para o desenvolvimento de um modelo menor da Jeep, igualmente confirmado pelo executivo ítalo-canadense. O atual hatch deve ter a produção transferida para fora da Itália, provavelmente voltando para a Polônia ou indo para a Sérvia.

Este novo SUV do grupo deve ser feito em Pomigliano, Itália, sendo um modelo menor que o Renegade. Ele faz parte da estratégia da FCA de expandir as outras marcas do grupo no mercado europeu. Assim, o portfólio da marca americana seria ampliado na região. Mas não é apenas a Jeep que está nos planos de expansão da Fiat Chrysler.

alfa-romeo-mito-sbk-2

Marchionne apontou também para Alfa Romeo e Maserati. Ele enfatizou que a sinergia entre as duas marcas é benéfica para que a segunda não tenha um alcance limitado. A cooperação entre elas continuará firme nos próximos anos. Porém, o executivo reclama da imprensa por questionar os volumes baixos, alegando que a prioridade é dispor de produtos que realmente possam peitar os rivais germânicos.

Giulia e Stelvio são as duas principais armas da Alfa Romeo nesse sentido, mas a marca do quadrifoglio verde também terá novidades vindas de baixo. O MiTo foi especialmente citado por Marchionne. Feito sobre a plataforma do Fiat Punto, o cupê duas portas não teria futuro algum, visto que as vendas de carros nessa configuração caiu bastante na Europa.

maserati-levante-2017-14

Fazendo mistério, Sergio apenas diz que ele será “diferente”. Nesse caso, o cupê pode ser convertido em um crossover compacto, algo que poderia até substituir o Giulietta também ou ajudar a compor uma dupla (com este último), focada no segmento que mais cresce no continente, já que se fala em um ou dois novos produtos para a marca. O Stelvio fica no topo de linha, naturalmente. Na Maserati, haverá um modelo novo em fins de 2019 ou começo de 2020, sendo feito sobre uma base Alfa.

O chefe da FCA disse também que a empresa reduzirá a dependência do diesel, visto que o mercado desse combustível caiu e as restrições aumentaram. Marchionne diz também que ainda não é tarde para eletrificação na empresa e que adiou a iniciativa de investimentos no setor para entender melhor o impacto dessa nova tecnologia.

Porém, o chefe não revela quando a Fiat Chrysler iniciará de fato um programa para eletrificação do portfólio, mas disse que o tema será apresentado no meio do ano. Ele também disse que recebeu a Geely, mas a conversa não evoluiu, pois não havia interesse de Marchionne em uma aquisição da FCA por parte dos chineses. Sergio também diz que seu sucessor será conhecido em junho.

[Fonte: Quattroruote/Investireoggi]

COMPARTILHAR:
  • Pedro154

    Dá ou não dá uma sensação de que a Fiat está morrendo aos poucos (inclusive no Brasil)?

    • Rodrigo Pasini

      Sim, simplesmente parece que estão matando a marca aos poucos.

      • wagner

        Na verdade o foco da Fiat será a produção de carros de baixo custo (Panda e Tipo) e também na linha 500. As demais marcas ocuparão os espaços que a Fiat não conseguiu evoluir.
        Carros médios e grandes de luxo, bem como SUV de luxo ficarão a cargo de Alfa e Maserati. Já a Jeep continuará com seu foco em seu nicho que é o de SUV em várias faixas de preços.
        Na verdade é a marca a Lancia.a mais obscura.
        Alias, a Lancia poderia também ocupar a faixa abandonada pela Fiat em especial os compactos concorrendo com Polo, Fiesta, 208, C3 e outros, os médios e SUV pequenos.

        • EDU

          A Lancia so vende o Y e so na Italia ou seja a marca esta morta. O mais engraçado e que ele vende super bem na Italia. Na epoca em que morei em Rho uma cidade vizinha de Milano um dos ultimos carros que tive foi um Delta que compartilhava a plataforma com o Bravo mas o desenho do carro e o acabamento eram muito superiores ao Fiat .
          Saudade desse carro . RIP Lancia

    • heliofig

      Sergio “Kill Fiat” Marchionne

      Usou a Fiat para comprar a Chrysler e agora a deixa à deriva. Já deixou a Alfa Romeo agonizar e agora se arrependeu?
      Saudades do tempo da Alfa Romeo que concorria com Mercedes 250 (no Brasil, é claro, com importações fechadas…) No Brasil ainda teria mercado para o Giulia, pois nunca tivemos tantos Mercedes, BMW, Jaguar e Volvo nas ruas…

      • EDU

        kill Fiat and Lancia & Chrysler

      • Pedro154

        E a Fiat entendia tanto de Brasil antigamente. Na verdade, eu via a Fiat mais como brasileira do que como italiana, por mais que sua origem seja a Itália. Eles tinham grande potencial de desenvolver produtos de qualidade voltados ao nosso mercado. Infelizmente, parece que a marca vai cair no ostracismo.

        • Bem que poderiam investir para pegar a FIAT Brasil para a gente… FNM feelings…

    • invalid_pilot

      Só vende bem na Itália e no Brasil / Argentina.

      O line up da Fiat na Europa é reduzido também, diria que é menor do que aqui, inclusive .

      • th!nk.t4nk

        Antigamente a FIAT era até fortinha na Europa, eles estavam sempre no top 10 com a dupla Punto e Panda. Daí adivinha: deixaram os 2 envelhecerem no mercado, matando a galinha dos ovos de ouro. Pior, acabaram agora com o Punto de vez e sabe-se lá se o Panda vai ter continuidade no futuro. Nao entendo essa estratégia, parece que o Marchionne quer afundar a marca de propósito.

        • Eduardo

          FIAT Brasil sustentou a europa anos 90, Itália inclusive. Não fosse o Brasil ela tinha fechado as portas.

    • Daniel Perillo

      Eu acho é pouco! Uma marca lixo, só fabrica porcaria que tem mercado no Brasil, na Argentina e na Africa do Sul… Na Europa? hahahaha coitados, vc só vê essas m&rd@s na Italia! Na Alemanha vc é capaz de dirigir por dias inteiros sem ver um único lixo desses caras rodando! P.S: Sou italiano!

    • Wellington Myph13

      Da sim, e a tendência hoje me dia não é ficar se matando pra reerguer empresa não, é deixar morrer e entrar com outra… Vamos aguardar…

    • JOSE DO EGITO

      Sabe do que a FCA esta precisando? de um CARLOS GOHNS !!!!

    • Renato Duarte

      depois que vi o Punto dar lugar ao Argo e o Mobi ter mais atenção na Fiat do que o Uno,, agora não tenho só sensação,, mas sim certeza…

    • Marcos Pastori

      Dá sim. A Fiat Itália se desligou completamente das operações do mercosul….Argo, Cronos, Toro, Mobi, Uno e Strada só existirão aqui.Nada de projetos globais por aqui, como a linha Tipo, 500X, 500L.

      Minha visão é que se a Fiat não decolar nas vendas com as novas gerações destes produtos ”locais” (o que eu acho difícil, visto o custo elevado de desenvolver um produto para um mercado só), vai cair lá para a quinta ou sexta posição do mercado.

      Seria sonho, mas quem sabe assim trouxessem as marcas Dodge e Alfa Romeo de volta no mercado!

  • Mardem

    Estão assassinando lenta e cruelmente a marca Fiat, que costumava ser o guarda-chuva de todo o grupo. É uma vergonha o Marchionne tirar espaço de uma marca que, apesar de tradicionalíssima, definha com um portfólio já muito limitado. Fica claro que a Jeep é a galinha dos ovos de ouro, mas isso vai custar a existência da Fiat?
    A marca não vai mais ter hatch compacto, não tem um sedã médio/grande como foi o Croma, não tem picape própria (Fullback é Mitsubishi), não tem um SUV generalista (só o 500x,de nicho, que corre o risco de ser predado em favor do Renegade) e um dos últimos sobreviventes, o Panda, ainda vai ser canibalizado pelo mini Jeep.
    Matem a Fiat logo de uma vez e acabem com o sofrimento.
    É muito triste ver uma marca de 119 anos ser eliminada desse jeito.

    • zekinha71

      Vi essa Fullback no Chile e ficou melhor que a própria Mit, pena que aqui nunca vai rolar.

    • Pedro Evandro Montini

      Quem decide pela morte ou não de alguma marca é o consumidor. Se ele não está mais querendo Fiat, então que se invista no que ele quer. Não adianta lançar dezenas de Fiats diferentes e produzi-los aos montes para que fiquem encalhados nas concessionárias.

      • visanpai

        Não é bem assim. Um exemplo é Argo x Polo, na qual um tem fila de espera e o outro está aquém. A Fiat, que sabia ler o Brasil como ninguém, vacila em lançamentos como o Mobi. Ou seja, está rolando um suicídio.

        • Pedro Evandro Montini

          Ué!! O teu comentário exemplifica exatamente o que falei. Se um tem fila de espera e o outro está aquém, quem está decidindo isso é o consumidor.

          • Ricardo Gasparino

            Eu acho que o consumidor não compra se a empresa não é capaz de oferecer um produto de qualidade, algo desejado! O Argo é bacana, com melhor acabamento que o Polo mas tem um motor horrível, oriundo da finada Tritec que há 20 anos atrás foi considerado obsoleto pela BMW! Aí, o consumidor não faz milagre! Somos brasileiros, consumidores bem burros, mas não tão idiotas assim! Abraços a todos!

            • Pedro Evandro Montini

              Não estou falando de produto de qualidade. Nem sempre o consumidor quer isso. Muitas vezes ele prefere preço de compra, revenda, assistência técnica, etc… Se um produto encalha, é porque falta algum atrativo para o consumidor.

            • CharlesAle

              O erro da Fiat foi querer transformar o Argo naquilo que ele não é, ou pelo menos o consumidor enxergou assim. Muitos consumidores foram conhece-lo, cheio de expectativas, e quando chegaram lá, a percepção foi de nada menos que um novo Palio. A Fiat, com certeza após várias reclamações, percebeu o erro e foi “regredindo” o carro, a ponto de custar por volta de 43 mil, mas o erro marcou o modelo. Aliás, fez o mesmo erro quando lançou o Linea, como concorrente de Corolla, Focus.. Mas o consumidor só via um Punto sedã e nada mais..

      • Antonio

        A sua visão é simplista demais, meu caro. Tá certo que um dos fatores mais importantes para uma montadora é o mercado, mas existe uma série de coisas que você desconsidera com essa sua análise preto no branco.
        Primeiro que para um carro vender bem o importante não é só fazer um produto que atenda o gosto do consumidor: você tem que colocar um preço condizente ao que as pessoas estão dispostas a pagar, além de investir pesado em divulgação. Se você não divulga um modelo novo, por mais incrível que seja, ninguém vai ficar sabendo dele.
        Mas ignorando esse fato, esse seu comentário para mim não tem nada a ver com essa matéria. Explico o porque: nesse caso, o consumidor não terá a opção de escolher um dos dois produtos (Fiat ou Jeep) e, assim, ter o seu favorito. O Sergio Marchionne está escolhendo pelo próprio consumidor: a Jeep vai produzir tudo (SUVs no caso) e a Fiat cruza os braços e se contenta com o 500.
        Eu particularmente detesto esse cara. Ele fez bem em comprar o grupo Jeep-Chrysler? Fez. Mas ao comprar esse grupo ele decidiu investir tudo na Jeep e deixar as outras marcas ao Deus dará (especialmente a Chrysler) enquanto ele definitivamente não sabe o que fazer com as outras marcas (especialmente a Fiat e a Maserati). Sorte da Ferrari que fugiu das carras desse cara…
        E se o consumidor não está querendo a Fiat você precisa lançar novos produtos, fazer alterações na política da empresa e outras coisas para voltar a tornar a marca atrativa, não fechar as portas de sua fábrica como ele está prestes a fazer. Isso é absurdo.

        • JOSE DO EGITO

          Realmente a FCA esta de um CARLOS GOHNS !

        • Pedro Evandro Montini

          Jeep sempre foi SUVs, Fiat sempre teve sucesso com compactos e citadinos. Marchionne acertou em focar a marca Jeep no que o mercado realmente quer. Seria um risco enorme por a Fiat pra competir fora do que ela já é conhecida e tem experiência.

          • Antonio

            “No que o mercado realmente quer”. A Europa não é como o Brasil, onde só um tipo de carroceria vende. Até hoje peruas continuam em alta por lá, assim como todas as demais categorias. A Fiat não produzia um hatch desse porte, ao estilo do 500, desde 1975. Ela não é uma MINI para ter esse tipo de carro como o seu forte, ela sempre foi especialista em hatchs e sedans compactos e médios. Mesmo assim o Marchionne decidiu que a Fiat tinha que focar nele (sendo que, segundo a própria reportagem, esse não é um modelo de carroceria que tem uma grande demanda de vendas mas, devido ao fato de ser o único produto relativamente moderno da Fiat, ele vende alguma coisa). É isso que você não entende: o Marchionni está abandonando a Fiat, quando ele abre mão de todo o portfólio da marca ao mesmo tempo que não traz novos modelos (o 500X é uma cópia mal feita do 500 e o Freemont é uma cópia idêntica do Journey). E não, não é que ele tomou a atitude certa em não investir em SUVs na Fiat, é que ele cagou tanto com esses projetos de SUV ridículos que ele coordenou na Fiat, que ele agora prefere não cometer outra cagada.
            Mais uma coisa: a Jeep não vende nada na Europa.

  • Uranium

    É, pelo jeito os indícios estavam certos, vão acabar com a marca Fiat aos poucos. Lamentável.

  • zekinha71

    Tinha lido em outra notícia que já tinham rejeitado o Argo na europa, e agora vão tentar enfiar ele lá, se continuar assim a marca Fiat vai ter o mesmo fim que SAAB.

    • Leonardo M. G.

      Vão fabricar caças? Eu é que não piloto um caça FIAT… LOL

      • No_Name

        Os italianos conseguem ter excelentes engenheiros, físicos, químicos etc, assim como todos os europeus em geral (franceses, ingleses, alemães etc). Foram os italianos que criaram muitas das tecnologias empregadas atualmente nos automóveis.

        • Leonardo M. G.

          Sim, mas não estou falando dos italianos, estou falando de uma marca de automóveis italiana que aqui no Brasil prima pela falta de atualizações de produto, e manda as matrizes da estamparia pra cá só depois de muito malhadas em outros países. Só comentei que a Saab agora só fabrica caças.

      • Eduardo Alves

        A FIAT fez aviões desde o seculo passado…

        • Leonardo M. G.

          Não duvido…

  • Cleidson

    E a Lancia?

    • EDU

      Lancia so sobrou o modelo Y e so e vendido na Italia . Ou seja RIP LANCIA

    • Josê Fagundes

      Já fecharam. Nem o Y tem mais

  • rodrigosr

    Esse grupo tá bem perdido mesmo.
    Fiat sem rumo, Alfa e Maseratti limitadas à Europa e atrasadas em relação às alemãs e inglesas, Lancia e Chrysler agonizando com portfólio minúsculo, Dodge sem atrativos e limitada ao mercado americano… Se não fosse a Jeep, já teriam sucumbido a muito tempo.

    • Mario

      Não diria ‘perdido’, e sim se antecipando ao futuro próximo, que as montadoras sofrerão.

    • CharlesAle

      Eu acredito que a FCA sumirá com o tempo. E a marca Jeep será comprada por alguma marca Americana, e sendo vendido só por lá mesmo. Já que a Jeep não tem potencial para ser uma Multinacional de muitos mercados. Mas é grande na América do Norte..

      • Vitor Meireles

        A Jeep não tem potencial pra ser multinacional? Ela é a marca da FCA que mais tem crescido ao redor do globo e que tem puxado o grupo pra cima. Tanto é que é a que mais falam em investimentos em produtos globais. Limitadas na FCA só mesmo a Dodge e a Chrysler no mercado americano, talvez a Alfa na Europa e a Lancia na Itália. A FCA entendeu isso. Por isso vem investindo pra tornar a Alfa Romeo global, enquanto as outras estão em stand-by para o desenvolvimento de produtos de sucesso antes de se pensar em uma expansão mundial irresponsável, como tentou-se fazer no início da fusão.

        • Josê Fagundes

          Lancia não existe mais

          • Vitor Meireles

            Não é porque a empresa tem um portfólio limitado que ela não existe. Ela é a marca mais difícil de recuperar do grupo FCA e por isso está nesse “stand-by” até as outras se estabelecerem e sustentarem o risco desse investimento. Por exemplo, nos anos 90 a Skoda só tinha dois carros (Felicia e Octavia) na sua linha. Hoje a sinergia com a VW está mais forte do que nunca com quase uma dezena de modelos.

  • Luis Burro

    Cadê o Panda que até agora não achei?Única foto acima do trecho é do Renegade.E que carrinho preto é o da foto logo abaixo?
    A mim o grupo está a bancarrota faz tempo.É até irônico o anúncio de Marchionne,fazendo pose como se a marca dominasse na Europa.

    • Luis Burro

      Ah,é um Alfa Mito.Único carrinho que acho bacana da Alfa e querem tirar de produção.

      • EDU

        O Giulieta tambem e bonitao

  • Mardem

    Fiat e il ruolo in Europa. “Abbiamo bisogno di fare spazio ai marchi più potenti. Non sto uccidendo Fiat, credo che abbia un grande futuro in America Latina, e che in Europa possa contare sulla forza della 500. Ma non dobbiamo essere emotivi: la rilevanza di Fiat per il pubblico è diminuita. Prendete la Lancia: io guido una Delta Integrale e credo che fosse la migliore macchina che il gruppo costruiva all’epoca. Ma poi il marchio ha perso importanza”.

    Fonte: quattroruote

    [tradução minha]

    Fiat e seu papel na Europa: Precisamos fazer espaço às marcas mais poderosas. Não estou matando a Fiat, acredito que haja um grande futuro na America Latina, e que na Europa possa contar com a força do 500. Mas não devemos ser emotivos: a relevância da Fiat para o público diminuiu. Vejam a Lancia: eu dirijo um Delta Integrale e acredito que era o melhor carro que o grupo fazia na época. Mas então a marca perdeu importância.

    Eu estou devastado. Em linhas gerais, a Fiat vai acabar como a Lancia, que hoje só tem o vetusto Y no portfólio, porque o Marchionne é tão obtuso que prefere matar a marca a fazê-la novamente ter relevância. Ele só não entende que a perda de importância que a Fiat sofreu se deve justamente ao fato de não ter um portfólio renovado! A sobrevida na América Latina provavelmente deve ser a base dessas jabuticabas às quais estamos acostumados. É uma morte horrível para uma marca tão importante como a Fiat. Eu estou com muita raiva!

    • Alberto Rigattoni

      Que absurdo. Uma marca como a FIAT acabar dessa forma. Não acredito que a família Agnelli permitirá que destruam dessa forma o legado de Giovanni Agnelli para a industria automotiva italiana e mundial.

      • Fernando Bento Chaves Santana

        Do ponto de vista dos negócios o Marchionne está fazendo que a FIAT deixe de ser uma empresa familiar regional para se consolidar com o uma corporação global radicada nos EUA. Excelente ação corporativa que resulta em consequencias lamentáveis para os entuisastas.

    • Fernando Bento Chaves Santana

      De acordo com esta citação há a possibilidade de FIAT sobreviver apenas em mercados periféricos enquanto a FIAT dicar européia ser restrita à gama 500 e ao Panda, visto que em um mundo de SUVs e Crossovers o Tipo poderá ser posto de lado. E não me surpreenderia se no futuro o Panda vir a ser adotado pela Jeep, como um mini crossover.

    • Filipo

      Penso que o Marchionne esteja desatualizado. A Fiat não vende mais no Brasil como no passado. Pode até ter futuro na américa latina, mas um “grande futuro” certamente não terá.
      E assim vemos que a médio prazo, a Fiat acabará! E vai acabar levando a Lancia junto.
      Ficará apenas a galinha de ovos dourados da FCA, a Jeep, junto com a Ferrari, a Maserati e a RAM. A Chrysler é dúvida.

      • CharlesAle

        SIm, estão matando a Fiat no Brasil também. MObi, Argo e seu sedã Cronos, ao meu ver, não tem potencial para dar uma guinada na marca. Mês passado o Argo já conseguiu cair em vendas! Cronos nem nacional é. Enfim, a Fiat não está conseguindo se adaptar a esses tempos de concorrência acirrada. Quando era só VW, GM e Ford, era moleza, mas agora não..

      • Josê Fagundes

        A ferrari não pertence mais ao grupo FCA

      • Eduardo

        Lancia é moribunda já!

    • Dick Buck

      Exato! Como que o cara quer que a marca tenha relevância se ele não renova os produtos? Polo, Fiesta, Linha 20X da Peugeot, Corsa, trocaram de geração lá na Europa pelo menos 2 vezes enquanto o Punto, nada… Parecem que só estão ligando pra Jeep agora, deixando as outras marcas “soltas” e sem nenhuma novidade relevante no mercado. Se tiver vendendo bem, faz nada, mas se não estiver… Deixa morrer.

  • CanalhaRS

    Me parece que a FIat está sendo abandonada pela própria mãe. Só no Brasil que ainda respira.

    • Joao A

      Questão de redução de portfólio esta acontecendo em varias marcas que tem investido em produtos com maior abrangência como o VW polo, porém o que ocorre que FIAT esta com portfólio enxuto cada vez e com produtos que estão se canibalizando entre si e que estão ficando rapidamente datados , que não ocorre já VW, UP e GOL possui publico destintos, que chama atenção na FIAT aposta em único carro e ausência de personalidade da marca é latente, o grupo FCA nunca soube posicionar a marca Alfa Romeo no Brasil a exemplo da Audi, Hyndai e tantas outras que nos últimos anos construirão mercado e reforçaram sua marca, a FIAT padece gradativamente é fato que moda é SUV e FCA aposta no JEEP porém modas são passageiras assim como foi Monovolumes , peruas , Sedan e etc…

  • Luis Burro

    Mas no futuro será estranho com os elétricos e autônomos,fica mais fácil acreditar que poucas marcas sobrarão mesmo.Com a infraestrutura do transporte público e coletivo europeu nem sei como vende tantos veículos.E com o crescimento vegetativo baixo nem tem muito o que esperar,só a Ásia pra salvar as montadoras.

  • Eduardo Brito

    O que a FCA tinha que fazer era vender a Lancia ou lançar novos produtos com a marca.

    • Josê Fagundes

      já vendeu a lancia

  • Gabriel

    A tendência é que a longo prazo a Fiat Brasil não conseguirá competir com seus concorrentes, que trazem projetos globais, mesmo que adaptados ao Brasil.

    Terá que se contentar em vender carros baratos, de baixa qualidade e com baixa margem de lucro, como já está fazendo hoje com Argo, Cronos e Mobi. A faixa de onix e hb20 será o máximo que poderá disputar. Vai se tornar a Dacia da FCA brasil.

    • wagner

      Parece que será isso mesmo.

  • Mario

    Estariam enxugando, para vender a marca? Já li muito, que a partir de 2020 os elétricos serão o foco. E para tanto, muitos bilhões de dólares deverão ser investidos. Muitas empresas ficarão de fora dessa fatia. Talvez a Fiat tenha feito a opção em não investir bilhões em um mercado que terá dois ou três ‘mandantes’, sendo que estes podem ser chineses. Quem viver, verá.

    • Ernesto

      Se na Europa está assim, imagine daqui a alguns anos a Fiat aqui no Brasil…nenhum carro global!

  • Bruno Costa

    Resumindo, a marca Fiat tem tudo para se extinguir de vez e o resto do grupo se desfazer para as marcas de luxo poderem desenvolver estratégias próprias para não morrerem junto. No Brasil mesmo a estratégia de cortar boa parte do portfólio pra investir tudo em Argo e Cronos é arriscada. Se os carros não emplacarem (até agora o Argo está “morno”) a Fiat terá cortado vários modelos sem conseguir recuperar as vendas…

  • Eric Ribeiro

    Esse cara parece ser o Lee Iacocca da década de 2010. Fecha os olhos para o peso do nome da marca q tem nas mãos a troco de solução imediata para as coisas.

    • Daniel Perillo

      Meu amigo, que comparação non sense é essa? Lee Iacocca é um gênio da historia da industria automobilística, criou o Mustang foi idiotamente enxotado da Ford e tirou a Chrysler da falência certa! Se ainda existe Chrysler e suas subsidiarias, é graças ao Sr. Iacocca!!!

      • Eric Ribeiro

        O grande acerto de Lee foi o Mustang, mas a salvação do Grupo Chrysler no fim da década de 70 e começo de 80 custou a aura premium que a marca possuía, que chegou a fazer até a enfeitar e esticar um Dodge Aries K e usar nome de Imperial. Salvou, salvou. Mas todo mundo sabe que esse remédio a curto prazo causou o desgaste do posicionamento da marca. Em momento critiquei o talento do cara como homem de negócios.

  • Alexandro Henrico

    Esse cara tinha tudo para fazer da FCA uma potência e está destruindo aos poucos. Todas as marcas crescendo e a FCA encolhendo… Pena.

  • Freaky Boss

    Minha opinião, simplista porque não pertenço a esse mercado, mas baseado nos movimentos que enxergo:
    FIAT e JEEP têm futuro em mercados menos maduros, como o Brasil, mas pouco em mercados mais maduros. A questão é que isso não dá escala mundial para competir em custo.
    Ou seja, seriam um boa linha “popular cidade” ou “popular offroad” desde que debaixo do guarda-chuva de uma gigante que vendesse muito bem em mercados maduros (como alguma marca alemã, por exemplo).

  • EDU

    Quando eu era criança meu tio comprou um 147. O meu pai e meus outros familiares diziam a ele FIAT (FUI INGANADO AGORA E TARDE) brincadeiras a parte o fietinho aguentou muito pois meu tio o usava pra trabalhar na rua e foi pau pra toda obra. O senhor Marcchione esta matando a Fiat alias a Lancia que tem mais de 100 anos e e tradicionalissima na Italia e em muitos outros paises da Europa ja esta com a pa de terra em cima e tbm a Chrysler pois que carros vende? Quais os planos de novos modelos . Se estas tres marcas falassem diriam : FOMOS EMBORA AGORA E TARDE. Rip Lancia

    • Josê Fagundes

      Chrysler só tem o Pacifica e o 300. Marchionne disse que existirá um futuro SUV Chrysler

    • Ernesto

      Lembro-me quando criança, estava na rua, em frente de casa. Uma pessoa estava passando pela rua com um 147. Como tinha uma valeta, ele reduziu, colocou a primeira e começou a andar. Quando foi colocar a 2a, ele não conseguiu. O carro praticamente parou e ele teve que engatar novamente a 1a para andar. Logo depois vinha uma descida e só escutei o câmbio arranhando e ele engatando, provavelmente, a 3a para ir embora.
      Apesar da fama na época dos Fiat’s terem câmbios ruins, eu achava muito bacana o 147 Rallye.

  • Gran RS 78

    Olhando o que já foi a Fiat, e agora para o atual cenário dela principalmente aqui no Brasil, é digno de pena o que estão fazendo para acabar de vez com essa marca italiana.

  • Will

    Fiat tem filme queimado no mundo todo.
    Eles estão certos em focar em marcas com imagens melhores.

  • Alvaro

    “Até o momento, cogitava-se que o Argo daria origem ao hatch compacto europeu, que ficaria naturalmente abaixo do Tipo, que é maior. Porém, Marchionne disse que a gama atual de produtos é suficiente(…)”. Traduzindo: Marchionne conclui que europeu não vai engolir o Argo (ou seu derivado) no lugar do Punto.

    • CharlesAle

      Mas se os Brasileiros perceberam que o Argo não chega aos pés do Punto, que dirá Europeus. Argo é jabuticaba e só tem futuro em mercados pouco exigentes..

  • Leandro

    Marchionne teve um papel importante…. Mas está na hora de sair do grupo. Impressionante como ele tem restringido e diminuído a Fiat aos poucos. Estratégia que tem se mostrado ruim e sem sentido.

  • pedro

    Aos poucos a Fiat vai chegar ao fim, é uma pena, pois ela é uma das empresas automotivas de mais sucesso no mundo.

  • No_Name

    Muitas marcas estão condenadas a sumir caso não se fundam com grandes conglomerados ou então não mudem seus caminhos de evolução.
    A Ford também é uma delas, apesar de toda sua história admirável, grande contribuição para o mundo automobilístico e ótimos produtos, corre o risco de ficar restrita aos EUA caso não revertam os imensos prejuízos em mercados externos.
    O atual CEO da Ford quer radicalizar, tornar a empresa enxuta, focada em elétricos e autônomos e sair de mercados que são infrutíferos. Que isso possa dar certo!

    • Josê Fagundes

      O último balanço de 2017, o Q4, apontou números de lucros da Ford Global maiores do que os esperados

  • Freaky Boss

    Pergunta: o que será de Betim MG, cidade que cresceu e vive em função da Fiat? Será a Detroit da América do Sul??

    • CharlesAle

      Dificil responder essa pergunta. Mas se o grupo encolher demais, e não ter vendas para duas fábricas grandes(Betim e Goiana). Pode ter certeza que Goiana ficará com a produção toda..Betim pode virar uma fábrica de componetes, peças etc..

      • Ernesto

        Talvez algo como ocorreu com a fábrica da Toyota em São Bernardo do Campo…apesar que o tamanho da Fiat, em Betim, seja muito maior comparado à fábrica da Toyota no ABC.

  • Stranger

    Está investindo na Fiat, Jeep, Alfa Romeo e Maserati. Mas e a Lancia, Dodge e Chrysler? Sinceramente, desperdício de grandes marcas.

    • Josê Fagundes

      Lancia foi desativada há um ano

  • Matafuego

    A impressão que dá é que esse cara não sabe o que está fazendo. Particularmente acho o Punto feio, mas o mercado europeu não achava, tanto que vendeu bem assim que foi lançado. O cidadão deixou o carro ao sabor do vento e agora vai matar um produto que tem nome forte.

    Pode-se dizer que a Fiat BR inventou a receita para vender carro no país: projeto local, de baixo custo e que tenha certo apelo visual. Conseguiu perder a posição de líder de vendas.

    Não ficaria surpreso se a FCA fosse comprada de uma hora para outra.

    • JOSE DO EGITO

      Em falar nisso a HYUNDAI nao estava de naomorico pra comprar a FIAT ?

      • Matafuego

        Li em outro blog que a Geely chegou a fazer oferta de compra do grupo FCA por US$ 22 bilhões. O Marchionne queria deixar de fora a Alfa e a Maseratti e então o negócio não foi para frente.

  • Daniel Perillo

    Eu acho é pouco! Uma marca lixo, só fabrica porcaria que tem mercado no Brasil, na Argentina e na Africa do Sul… Na Europa? hahahaha coitados, vc só vê essas m&rd@s na Italia! Na Alemanha vc é capaz de dirigir por dias inteiros sem ver um único lixo desses caras rodando! P.S: Sou italiano!

  • Miguel

    o que eu não entendo é uma pessoa que está deixando a diretoria deixar de herança para o substituto o trabalho dele?
    Será que o novo CEO já estava nessas reuniões tomando decisões?
    Porque ele pode mudar tudo mais uma vez, ou será que é uma decisão multilateral?

  • Wellington Myph13

    Pequena alteração na matéria:
    “Até o momento, cogitava-se que o Argo daria origem ao hatch compacto europeu, que ficaria naturalmente abaixo do Tipo, que é maior. Porém, Marchionne disse que”:
    “alterar o projeto do Argo pra que atenda ao nível de segurança e acabamento do europeu seria muito investimento, quase como criar um novo Argo, então vamos deixar como esta, só para a America do Sul…”
    >:)

    • CharlesAle

      Ou seja, não passa de uma jabuticaba, ao melhor estilo Agile..rsrs

  • delvane sousa

    Não falou quase nada sobre veiculos elétricos e autonomos. Todas as grandes marcas ja tem ou planejam esses veiculos em seu portfolio.

  • REDDINGTON

    A Fiat morrendo aos poucos…

  • Dick Buck

    Pelo jeito a FCA quer matar é a Lancia, não vejo grandes novidades dela há anos…

    • Josê Fagundes

      Lancia foi desativada

  • Dick Buck

    O problema da FCA é que ela foca em 1 Marca do Grupo de cada vez e deixa as outras à deriva!

  • Danillo Santos

    Que matéria confusa! Um festival de verbos no futuro do pretérito, “se”, “talvez”, etc… No frigir dos ovos, não diz nada

  • Eduardo Edu

    Que bagunça, mas a única marca que está dando certo é a Jeep.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email