Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

A Amarok 2012 é uma picape média em seu segundo ano/modelo que a VW importou da Argentina. O modelo continua em produção por lá, apesar das baixas vendas atualmente.


Desenvolvida como um projeto para Europa e América do Sul, ela também é produzida na África, em Relizane, na Túnisia. No país vizinho é feita em General Pacheco, enquanto na Alemanha, sai das linhas de Hannover, na Baixa Saxônia.

A Amarok é a segunda picape média da VW em sua história, não considerando as variantes de Kombi e Transporter, nem o caminhão leve Hormiga, do México. O modelo foi totalmente desenvolvido pela marca, diferente do primeiro.

Este era o Volkswagen Taro, que surgiu nos anos 90 e era vendido especialmente nos EUA e Canadá, sendo uma versão da picape japonesa Toyota Hilux. A Amarok é rival desta e de outras, como a Ford Ranger, por exemplo.

Desenvolvida na Alemanha, a picape considerou o mercado global de picapes e criou um produto feito sobre chassi de longarinas com carroceria de aço estampado apoiado sobre batentes.

Com cabine simples ou dupla, a VW passou de lado numa cabine estendida, diferentemente da Taro, que tinha essa opção. Tendo um estilo sóbrio, apoiado na filosofia Bauhaus da marca alemã, ela se mantém atualizada, apesar dos anos.

Ostentando linhas robustas e funcionais (como o estilo citado), a Amarok passa a imagem de robustez e confiabilidade, não buscando expressividade nas linhas e nem modismos que poderiam fazê-la envelhecer antes do tempo.

No projeto, foi contemplado o uso do polêmico motor EA189, ainda anos antes do escândalo do Dieselgate. Este motor 2.0 TDI seria usado na picape com um ou dois turbos, em vez do uso de motor diesel de terceiros, como MWM ou Cummins.

Além disso, foi escolhida uma caixa automática ZF 8HP com conversor de torque e oito velocidades, já usada em automóveis da marca e do grupo alemão. Mas, diferente das picapes de mesmo segmento, ela não tem tração “4×4”.

Em seu lugar, a VW usa um sistema permanente, como nos carros, onde a tração varia nos eixos de acordo com as condições de rodagem, mas dispõe de bloqueio eletrônico do diferencial traseiro e controle de descida.

Até os freios ABS podem ser desligados parcialmente, facilitando assim o trânsito em terrenos difíceis. Com esse sistema incomum para picapes, a VW Amarok 2012 queria ser diferente.

Com ordens do projeto em 2005, ela começou a ser vista em 2007 e foi apresentada como conceito Robust em 2008. Na Argentina, sua produção se iniciou em 2010. Aqui, ela tinha inicialmente opção de tração traseira ou permanente.

Era oferecida ainda nas versões SE (frotistas), Trendline e Highline, estas duas com cabine dupla somente. Tendo uma dirigibilidade muito boa, é a picape que mais se aproxima de um automóvel, com exceção da Fiat Toro.

Herdando alguns elementos de produtos da época, como painel inspirado no VW Tiguan, a Amarok 2012 tinha um bom pacote de equipamentos, tais como ar-condicionado dual zone, acabamento em couro, computador, multimídia, etc.

Também tinha piloto automático, retrovisor eletrocrômico, mudanças manuais na alavanca de câmbio automático, paddle shifts, bancos Comfort, entre outros.

Aqui, a Amarok 2012 vinha em duas versões de potência no 2.0 TDI, sendo uma com 122 cavalos e a outra com 163 cavalos (dois turbos), mas poucos anos depois, fora atualizadas para 140 cavalos na primeira e 180 cavalos na segunda.

Contudo, a picape da VW não parou aí, ganhando uma versão V6 3.0 TDI (EA897) com 224 cavalos, que depois foram elevados para 261 cavalos. Depois das RAM 1500 Rebel e 2500 Laramie, é a picape mais potente do mercado nacional.

Até agora, a Amarok – nome de um lobo gigante na língua Inuit – passou apenas por um facelift. A picape deverá ter uma nova geração em 2023, baseada na picape Ranger e feita apenas na África do Sul, onde a VW aplicou US$ 1 bilhão.

Esta nova Amarok não será fabricada na Argentina e pode acabar sendo importada da África. A continuidade aqui está em causa devido às vendas, sendo que a picape monobloco Tarok parece ter potencial muito maior que a irmã de chassi.

É provável que a Tarok substitua a Amarok em General Pacheco, mantendo assim um segundo produto na planta argentina onde atualmente está sendo feito também o SUV Tarok.

No ano de 2015, estourou nos EUA o escândalo do Dieselgate – nome alusivo à Waltergate dos anos 70 – onde a VW foi acusada de mentir sobre as emissões de seus carros com um programa que desligava o controle de emissões do motor.

Este propulsor era o EA189 2.0 TDI, que superava em mais de 40 vezes o limite de NOx (óxido de nitrogênio), que é altamente prejudicial à saúde. O software desligava sempre que o motor era acionado e só ativava na presença de teste.

Assim, em todos os testes de emissão oficiais, o 2.0 TDI sempre estava dentro dos padrões, porém, durante a condução normal, ele era mais poluidor do que dizia.

Descoberta, a VW teve que pagar mais de US$ 25 bilhões em multas e indenizações, além de recomprar meio milhão de carros diesel nos EUA. Foi feita uma atualização de software, corrigindo o funcionamento do controle de emissão.

Esse sistema também é usado em dias de baixa temperatura, de modo a aquecer mais rápido o propulsor, liberando assim consumo e emissão por alguns minutos.

Foi isso que penalisou também a Fiat Chrysler. A Mercedes-Benz e outras marcas também foram implicadas. Aqui no Brasil, a correção se deu na Amarok em mais de 16 mil unidades.

No 1.6 TDI, da mesma família, foi necessária a introdução de dispositivos físicos para contornar o problema. Mesmo com o recall do Dieselgate, a Amarok continuou suas vendas normalmente. Espera-se pelo uso do EA288 na próxima geração.

Este é uma evolução do EA288 e está livre de problemas com emissão e consumo, sendo o último motor diesel de desenvolvimento da Volkswagen, uma vez que a eletrificação ficará mais forte nos próximos anos.

Amarok 2012 – detalhes

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

A Amarok 2012 tinha faróis duplos em lentes quadradas, mas com parábolas de tamanhos diferentes. A grade era retangular e com duas lâminas que, dependendo da versão, eram cromadas.

O para-choque era envolvente e tinha moldura preta inferior com friso cromado, faróis de neblina circulares e grade. No protetor, havia ainda vincos inferiores que faziam alusão a um protetor central.

As saias de rodas eram abauladas e os retrovisores eram grandes, com repetidores de direção na Highline. As maçanetas eram na cor do carro ou pretas, mas mesmo na Highline, não havia estribos, nem rack no teto ou mesmo santantônio.

Tudo isso era vendido como acessórios nas concessionárias Volkswagen. O mesmo se dava em parte com a Hilux da época. Também não havia capota marítima de série e nem protetor do vidro traseiro.

A caçamba, no entanto, tinha proteção plástica e ganchos ajustáveis para amarração de carga, enquanto a tampa era sustentada por cabos de aço como nas concorrentes. O estepe ia sob a carroceria.

Já as rodas eram de liga leve aros 16 ou 18 polegadas, com pneus 245/70 R16 ou 255/60 R18. Por dentro, o painel cinza tinha cluster analógico com computador de bordo. O volante multifuncional era o mesmo do Passat e com aplique em aço.

O túnel central, largo, tinha alavanca de câmbio manual ou automática, sendo este com mudanças manuais e modo Sport. O ar-condicionado era manual ou automático dual zone, enquanto o sistema de áudio poderia ter CD player e multimídia.

Câmera de ré, sensor de estacionamento, airbag duplo, airbags laterais, bancos em couro, trio elétrico completo, retrovisor eletrocrômico, etc, faziam parte do pacote de série ou opcionais da Amarok 2012.

Amarok 2012 – versões

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

  • Volkswagen Amarok CS SE 2.0 TDI 4×2
  • Volkswagen Amarok CS SE 2.0 TDI 4×2
  • Volkswagen Amarok CD SE 2.0 TDI 4×2
  • Volkswagen Amarok CD SE 2.0 TDI 4×4
  • Volkswagen Amarok CD Trendline 2.0 TDI 4×4
  • Volkswagen Amarok CD Highline 2.0 TDI 4×4

Equipamentos

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

Volkswagen Amarok CS SE 2.0 TDI 4×2 – Motor 2.0 TDI de 122 cv, mais câmbio manual de seis marchas, direção hidráulica, coluna de direção ajustável em altura, vidros verdes, para-brisa degradê, rodas de aço aro 16 polegadas, pneus 205/80 R16, retrovisores e maçanetas pretas, para-choque traseiro preto, faróis duplos, desembaçador do vidro traseiro, ar-condicionado, vidros elétricos, travas elétricas, retrovisores elétricos, caçamba sem proteção, desembaçador do vidro traseiro, alças no teto, sistema de som com CD player e MP3, alto-falantes (2), freios ABS, entre outros.

Volkswagen Amarok CS SE 2.0 TDI 4×4 – Itens acima, mais tração nas quatro rodas permanente.

Volkswagen Amarok CD SE 2.0 TDI 4×2 – Itens SE 4×2, mais cabine dupla para cinco pessoas.

Volkswagen Amarok CD SE 2.0 TDI 4×4 – Itens acima, mais tração nas quatro rodas permanente.

Volkswagen Amarok CD Trendline 2.0 TDI 4×4 – Itens da SE 4×2, mais controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, rodas de liga leve aro 16 polegadas, pneus 245/70 R16, multimídia, sensor de estacionamento traseiro, bancos em tecido diferenciado, airbag duplo, controle de descida, entre outros.

Volkswagen Amarok CD Highline 2.0 TDI 4×4 – Itens acima, mais rodas aro 18 polegadas, pneus 255/60 R18, detalhes cromados, bancos em couro, portas em couro, assento do motorista com ajuste elétrico, câmera de ré, sensores de estacionamento dianteiro, retrovisor interno eletrocrômico, sensor de chuva, ar-condicionado dual zone e airbags laterais.

Preços

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

  • Volkswagen Amarok CS SE 2.0 TDI 4×2 – R$ 88.990
  • Volkswagen Amarok CS SE 2.0 TDI 4×2 – R$ 92.990
  • Volkswagen Amarok CD SE 2.0 TDI 4×2 – R$ 90.890
  • Volkswagen Amarok CD SE 2.0 TDI 4×4 – R$ 94.890
  • Volkswagen Amarok CD Trendline 2.0 TDI 4×4 – R$ 105.990
  • Volkswagen Amarok CD Highline 2.0 TDI 4×4 – R$ 123.990

Amarok 2012 – motor

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

O motor da Amarok 2012 é o polêmico EA189, que foi o centro do escândalo do Dieselgate. Esse propulsor da VW é a geração anterior do atual EA288, embora ainda seja produzido para a picape média da marca alemã.

Estranhamente, ele foi excluído do Wikipedia, a maior enciclopédia da internet, sendo um fato curioso, uma vez que nem aparece na lista de motores antigos da VW. Entretanto, vários sites seguros possuem informações sobre o propulsor.

Não se sabe se a polêmica fez com que alguém tirasse a informação de lá, mas é um tanto estranho, dada a repercussão negativa. No Brasil, a Amarok teve mais de 16 mil unidades envolvidas no recall do Dieselgate.

Ele gerou mais de US$ 25 bilhões em prejuízo para a VW somente nos EUA e outros bilhões de euros para atualizar em torno de 8 milhões de carros e picapes TDI na Europa, bem como em outras regiões.

Com quatro cilindros e bloco de ferro fundido, o EA189 é o 2.0 TDI empregado na Amarok 2012, mas ele existiu ainda nas variantes 1.2 TDI com três cilindros e 1.6 TDI, com quatro pistões.

É importante lembrar que o EA189 foi a principal família de motores diesel da Volkswagen nos últimos 20 anos, sendo que antes as linhas eram dominadas pelos EA827 e EA111 (incluindo de três cilindros) movidos pelo óleo combustível.

Na picape média, o propulsor 2.0 TDI tem cabeçote de alumínio com quatro válvulas em cada um, tendo ainda sistema de injeção eletrônica direta Common Rail, bem como os dispositivos de redução de consumo e emissão.

Entre eles está o EGR, que é a recirculação dos gases de escape, bem como o filtro de partículas e a ECU Bosch EDC 17. Com duplo comando de válvulas sem variação no cabeçote, o 2.0 TDI tem acionamento por correia dentada.

Contudo, apenas o de admissão é acionado diretamente pela polia de engrenagens com a correia, haja visto que há uma corrente atrás do cabeçote, que faz a ligação com o segundo comando, o de escape.

Esse arranjo foi herdado do EA827, sendo geralmente conhecido no motor AP 2.0 16V que a VW empregou no Gol GTI dos anos 90. Assim, o 2.0 TDI na prática tem acionamento duplo, com correia dentada e corrente.

Ele emprega tuchos hidráulicos, enquanto no bloco, o virabrequim é forçado, tendo ainda contrapesos maiores para equilibrar as forças e reduzir a vibração natural. Além disso, o EA189 emprega coletor de escape em ferro fundido.

Já o coletor de admissão é em plástico e com sistema variável de fluxo de ar. O mesmo é empregado pela turbina de geometria variável, que também existe em duas unidades na versão mais potente do 2.0 TDI.

Cada uma tem tarefa diferente, sendo uma para baixas rotações e outra para altas. A Amarok 2012 era uma das poucas picapes que possuíam dois turbos no motor. Com 1.968 cm3, o EA189 tinha 16:1 de taxa de compressão.

Na picape da Volkswagen, o motor 2.0 TDI entregava 122 cavalos a 4.000 rpm e 34,7 kgfm a 1.750 kgfm nas versões de trabalho, tanto com cabine simples quanto dupla.

No caso da versão mais potente, ele atingia 163 cavalos a 4.000 rpm e 40,8/42,8 kgfm a 1.750 rpm. O primeiro se refere às versões com transmissão manual de seis marchas. O segundo é na caixa automática ZF 8HP de oito velocidades.

Uma característica interessante e que faz da Amarok um produto diferenciado é, além do menor motor diesel de sua categoria (não considerando a Toro sem chassi de longarinas) é o sistema de tração nas quatro rodas.

Apesar de ser uma picape média tradicional, com chassi de longarinas em U, suspensão com duplo braço e eixo rígido, além de feixes de molas na traseira, a Amarok 2012 é um veículo de tração integral.

Nesse caso, ela é permanente sempre, contudo, varia de acordo com a necessidade do terreno ou pavimento. Essa variação acontece de forma automática, independente do condutor.

Ainda assim, pode-se bloquear o diferencial traseiro, permitindo que as duas rodas girem na mesma rotação, facilitando a saída. Normalmente a tração é traseira, variando pouco mais de força nas rodas dianteiras.

Desempenho

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

  • Volkswagen Amarok CS 2.0 TDI 4×2 – 13,2 segundos e 162 km/h
  • Volkswagen Amarok CD 2.0 TDI 4×2 – 13,7 segundos e 161 km/h
  • Volkswagen Amarok CD 2.0 TDI BiTurbo 4×4 – 10,9 segundos e 179 km/h
  • Volkswagen Amarok CD 2.0 TDI BiTurbo 4×4 AT – 10,9 segundos e 179 km/h

Consumo

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

  • Volkswagen Amarok CS 2.0 TDI 4×2 – 9,0/12,0 km/l
  • Volkswagen Amarok CD 2.0 TDI 4×2 – 8,9/11,9 km/l
  • Volkswagen Amarok CD 2.0 TDI BiTurbo 4×4 – 9,0/12,8 km/l
  • Volkswagen Amarok CD 2.0 TDI BiTurbo 4×4 AT – 8,9/11,9 km/l

Amarok 2012 – manutenção e revisão

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

O plano de manutenção da Volkswagen para a Amarok 2012 inclui revisões a cada 10.000 km ou 12 meses, sendo realizada em toda a rede VW, que conta com 535 concessionárias por todo o país.

Nas revisões da picape média da VW, há inspeção de diversos itens, entre eles mecânica, motor, câmbio, suspensão, direção, freios, sistemas elétricos e de segurança, entre outros.

São feitas trocas de óleo de motor, filtro de óleo, filtro de ar do motor, filtro de ar da cabine, filtro de partículas do diesel, correia dentada, correia em V, fluido de freio, líquido de refrigeração, entre outros.

Também são feitas trocas de itens de desgaste natural, como pastilhas de freio, coxins do motor, discos de freio, lonas de freio, pivôs de direção, buchas de balança, feixes de molas, amortecedores, batentes de carroceria, entre outros.

São realizados ainda serviços de alinhamento, balanceamento, cambagem, funilaria, pintura, instalação de acessórios, recall, entre outros. A rede VW tem mecânicos treinados em todos os detalhes da Amarok 2012.

Amarok 2012 – ficha técnica

Amarok 2012: versões, detalhes, motor, consumo e desempenho

Motor2.0 TDI2.0 TDI BiTurbo
Tipo
Número de cilindros4 em linha4 em linha
Cilindrada em cm319681968
Válvulas1616
Taxa de compressão16:116:1
Injeção eletrônicaDireta, turboDireta, dois turbos
Potência máxima122 cv a 4.000 rpm (diesel)163 cv a 4.000 rpm (diesel)
Torque máximo34,7 kgfm a 1.750 rpm (diesel)40,8/42,8 kgfm a 1.750 rpm (diesel MT/AT)
Transmissão
TipoManual de 6 marchasManual de 6 marchas  e automático de 8 marchas
Tração
Tipo4×2/4×44×4
Direção
TipoHidráulicaHidráulica
Freios
TipoDiscos dianteiros e tambores traseirosDiscos dianteiros e tambores traseiros
Suspensão
DianteiraDuplo braçoDuplo braço
TraseiraEixo rígidoEixo rígido
Rodas e Pneus
RodasAço, aro 16 polegadasLiga leve, aro 18 polegadas
Pneus205/80 R16 ou 245/70 R16255/60 R18
Dimensões
Comprimento (mm)5.2545.254
Largura (mm)1.9441.944
Altura (mm)1.820 (CS) 1.834 (CD)1.834
Entre eixos (mm)3.0953.095
Capacidades
Caçamba (L)1.814 (CS) 1.200 (CD)1.200
Tanque de combustível (L)8080
Carga (Kg)1.215 (CS) 1.047 (CD)1.017
Peso em ordem de marcha (Kg)1.825 (CS) 1.993 (CD)2.073
Coeficiente aerodinâmico (cx)NDND

Amarok 2012 – fotos

https://www.youtube.com/watch?v=0ztrkcRwyC0

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.