América Latina Mercado

Anfavea: produção, vendas e exportação de veículos caíram em setembro

Anfavea: produção, vendas e exportação de veículos caíram em setembro

Dados da Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) mostraram que a produção, as vendas e exportação de veículos tiveram queda no mês de setembro ante agosto. Com isso, a entidade reduziu a expectativa de crescimento para o mercado este ano.


A produção de veículos no Brasil caiu 8,3 por cento, segundo a Anfavea. No total, foram 247,3 mil carros, comerciais leves, caminhões e ônibus. Apesar da queda, o setor avançou 10,9% se comparado com um ano antes.

Com esses números, a Anfavea revela que, no período do início do ano até o mês de setembro, a indústria acumulou 2,26 milhões de automóveis produzidos. Um crescimento de 2,9% no comparativo com o mesmo período do ano passado.

Anfavea: produção, vendas e exportação de veículos caíram em setembro


A Anfavea também mostrou que as vendas no mercado brasileiro caíram. A comercialização de automóveis novos recuaram 3,3 por cento em setembro. Foram 234,8 mil unidades vendidas. Por outro lado, um avanço de cerca de 10 por cento se comparado com a relação anual. Quando analisado o período de janeiro a setembro deste ano, os licenciamentos revelam alta de 9,9 por cento (ou seja, 2,03 milhões de automóveis).

Outra área que também obteve queda foi a da exportação de automóveis. Segundo a Anfavea, a baixa aqui foi proveniente da crise que paira sobre o país vizinho, a Argentina. O setor brasileiro exportou 36.640 veículos, que foram produzidos no mês de setembro. Portanto, uma diminuição de cerca de 7 por cento, quando comparado a um ano antes.

Anfavea: expectativa 2019

Anfavea: produção, vendas e exportação de veículos caíram em setembro

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores esperava vender, este ano, 2,86 milhões de veículos leves e pesados. No entanto, esse número foi reduzido para 2,8 milhões.

Embora isso, Luiz Carlos Moraes, presidente da Anfavea, acredita que a nova expectativa pode mudar e, assim, obter alta em detrimento de lançamentos que ocorrem agora no segundo semestre de 2019. Vale lembrar que tivemos a apresentação do novo Hyundai HB20, Chevrolet Onix e Toyota Corolla.

[Fonte: UOL]

Anfavea: produção, vendas e exportação de veículos caíram em setembro
Nota média 5 de 1 votos

Darlan Helder

Darlan Helder

Darlan Helder, natural de São Paulo, é jornalista e fotógrafo. Escreve na internet sobre o universo automotivo desde 2011. Além disso, atua com produção de conteúdo para plataformas digitais em agências de comunicação.

  • Maycon Farias

    Chega ser uma piada eles achar que vai crescer com os preços que chegamos. É só eu que estou vendo que o poder de compra do brasileiro está na central de tratamento de esgoto?. Ontem mesmo vi mais um lançamento lá no hemisfério norte de um Subaru por 18 conto. É óbvio que naquele país as fabricantes querem volume de vendas.

    • Dario Lemos

      Lá o mercado tem noção de quanto é o valor de cada carro, se aumentarem os preços acima das expectativas o carro vai encalhar e os compradores irão às marcas concorrentes; aqui, ao contrário, o povo acha que um modelo novo deve custar bem mais do que o anterior, talvez isso seja um dos motivos do aumento constante dos veículos aqui no Brasil. Sempre leio comentários de que tudo é culpa da inflação, custos e outras justificativas mas, por vezes, fico comparando-o com o segmento de refrigeradores, celulares e tvs e estes últimos não aumentam os preços mensalmente, em vários produtos os preços são mantidos ou um há ligeiro aumento ou mesmo redução dos preços, inclusive em novos modelos. É claro que são segmentos bem distintos, cada qual com suas particularidades, e também é óbvio que a inflação, preços de energia, custos trabalhistas e outros fatores influenciam nos preços mas, por muitas vezes, essas justificativas soam mais como desculpas para aumentarem o percentual de lucros.

      • Saulo Bezerra

        Olha, veja bem, lá os caras vendem toneladas de carros, o mercado consumidor lá é muito maior que o nosso. Não dá para comparar. Além disso tem a questão tributária, ambiente de negócios. Aqui a pessoa não paga, perde o bem e fica por isso mesmo, lá é o maior problema não pagar (sinceramente não sei, mas é bem grave que aqui).

        Enfim, não dá para comparar as realidades, por mais que eu queira, só que toda postagem tem essa discussão e inclusive, em conversas de alto nível que já vi nesse site, li algo que concordei, as versões de entrada tem montadora que mal lucra, os vende principalmente pensando no mercado da manufatura de peças de reposição. A conversa já muda nas versões mais completas. E quer saber, eu concordo totalmente, o valor do pacote de opcionais é sempre incompatível com o oferecido.

        • Dario Lemos

          Não sei se você lembra mas a Anfavea já havia comentado que se o mercado brasileiro chegasse a produzir mais de 2 milhões de unidades o preço médio dos carros iria baixar, depois mudou para 3 milhões. Se eu não estiver enganado já ultrapassamos essas marcas há um bom tempo mas e aí, o preço caiu ? Não, não caiu. É claro que lá vendem muito mais pois o modelo econômico norte-americano é de estimular a economia e aqui escolheram sobretaxar não apenas o comércio mas a economia como um todo, com um único objetivo: sustentar uma máquina inchada, ineficiente, cheia de privilégios e muito, muito corrupta.

    • No consolidado, as vendas cresceram muito este ano, na casa do 10% a mais ante o ano passado. Essa notícia pessimista ficou ridícula, pois não demonstra a realidade.

    • Emanuel Schott

      18 mil DOLARES, além de ser o valor sem impostos.

  • Marcos

    Não gostei do título e do enfoque do artigo. Na realidade subiu em relação ao mês de setembro do ano passado. Isto que importa. Falar que caiu significa em relação a alguma referência. Qual foi a referência? Mês anterior?

    • Miguel

      Isso. Fala em relação a Agosto.
      Os ventos da economia estão um pouco estranhos, muita incerteza no mercado, e as vendas quanto estão numa crescente mês a mês melhoram os índices do final do ano. Com a queda de setembro, parece que a ANFAVEA acabou de revisar as contas pra baixo…

      • Não é incomum alguns meses venderem menos que os outros, em especial setembro, que tem menos dias úteis. O que importa é o comparativo com o mesmo mês do ano anterior e o total do período em ambos os anos. Em todos os casos, o aumento foi na casa dos 10%.

        • Miguel

          Sim, só que mesmo crescendo em comparação ao mês e ano anteriores, uma perspectiva de queda nos meses seguintes não traz uma expectativa muito boa pro ano seguinte.
          Espero que seja mesmo alguma coisa pontual.

          • Não há nenhuma perspectiva de queda, mas sim de estabilidade. Ou seja, é possível que o aumento desse ano interrompa sua amplitude. Ainda sim, já não há como o ano fechar em queda, mas sim será com aumento, abaixo ou acima da expectativa, mas aumento.

            • Miguel

              Sim, a projeção para esse ano baixou então a perspectiva é de queda. E claro, não tem como crescer menos q ano passado nesse ponto em q estamos.
              Mas falo mais pensando no ano que vem, pq as exportações diminuem, a crise na Argentina se agrava (ou não!), nós continuamos devagar quase parando, enfim…

              • Ernesto

                O negócio é procurar outros mercados pois o argentino sabemos que tem um futuro sombrio.

  • zekinha71

    Já os lucros $$$$$$$$$$$$$$$$$ como diz o Buzz Lightyear: ao infinito e além.

    • HEnrique

      CPTK – Centro de Pesquisa Tireido Ku
      Argumento sem nenhum fundamento. As vendas diretas aumentam cada vez mais, o que diminui a rentabilidade das montadoras

      • Fábio

        Muitas vendas diretas quem está perdendo somos nós que fazemos parte da união e não temos o desconto dos impostos retirados. Brasil o país dos privilégios.
        O lucro da montadora continua lá. As vendas diretas para CNPJ ainda estão abaixo de 2014.

  • Chevalier

    Com o avanço de novas formas de locomoção, cada vez menos jovens se interessam em ter um automóvel. E isso reflete numa queda para as montadoras mesmo.

    • Emanuel Schott

      Que queda? Aumentou 10% em relação ao ano passado.

  • Cardoso (não aquele)

    Ele devia estar contente com os números, eu nem sei como vende tanto carro caro no Brasil.

  • SDS SP

    Pelos indicadores mundo afora, a tendência é piorar nos próximos anos.

    • th!nk.t4nk

      Bom, depende. Aqui na Alemanha teve aumento de vendas de 22% no último mês, em relaçao ao ano passado. Na Espanha o aumento foi de 18%. No geral o setor automotivo na Europa ainda está indo bem. O problema é na China, e esse tem poder de contaminar o mundo todo em breve. Outro que tá indo mal das pernas é o Reino Unido, onde o setor automotivo tá indo pro ralo. Agora resta ver o que acontecerá com a economia americana, mas está dando sinais de que vai afundar também em breve.

      • SDS SP

        Na empresa onde trabalho (matriz fica na Alemanha) a situação não está nada boa. Problemas de fluxo de caixa é um verdadeiro fardo e para conter isso vai cortar 20% da folha de pagamento.
        Alemanha deve entrar em recessão neste trimestre e os outros devem entrar na mesma toada nos próximos meses. Os números do PMI indicam contração forte na atividade, principalmente na manufatureira.
        Na China e Índia, à situação está feia também. Queda de dois dígitos em relação ao ano passado, sendo que o mercado indiano teve o pior mês de julho em quase 20 anos.
        Nos EUA, apesar dos números de desemprego historicamente baixos, o PMI está se deteriorando, além da inadimplência, principalmente no crédito automotivo está em nível recorde, quase 7 milhões.

        Enfim, é bolha para tudo quanto é lado. Por isso estou saindo do setor automotivo, pois é o que mais sofre em períodos de recessão.

        • th!nk.t4nk

          A Alemanha está relativamente sossegada. Existe sim grande chance de recessão, mas eles têm tanto dinheiro em caixa que podem disparar estímulos por anos a fio. E nao iniciaram estímulo nenhum ainda, por conta do Black Zero Budget (conceito interessante, criado pra combater bolhas). É estratégia deles: deixar a recessão iniciar, pra só depois entrar com estímulos. Foi assim que eles foram os primeiros a se recuperarem da última crise. Mas é verdade que as empresas estão fazendo cortes pra se adequarem à nova demanda da China, que desacelerou bastante nos últimos anos. Mais preocupante mesmo é a situaçao dos EUA, esse sim pode arrastar o resto do mundo com eles quando for abaixo (junto com a China). No meio disso tudo quem mais deve sofrer são os países em desenvolvimento, como o Brasil, Índia, etc.

  • Saulo Bezerra

    primeiro a economia cresce, depois vemos alguma melhora consistente.

    Acredito que os únicos players a terem potencial de crescer serão o Onix, Corolla e os modinhas SUVs, os demais modelos de compactos, incluindo compactos e utilitários dependerão de uma melhora consistente que não se observa na economia. Com crescimento médio de 1% ao ano e desemprego frustrante quem vai consumir os produtos? Falo em nome da minha família, um primo meu é funcionário público, recebe 7k do governo da Paraíba e ele está a 7 anos com um Fox (que na vdd foi o pai dele quem o deu), lembrando que esse meu primo ainda mora com os pais. E mesmo tendo mais de 100k investidos, ele não vê atratividade em trocar de carro, dado que qualquer um novo envolveria abrir mão de metade das economias dele e na prática teria nenhum benefício, pois o atual o leva para qualquer lugar (só é beberrão para um 1.6).

    Enfim, primeiro se cria um ambiente de confiança, para depois esperar reação num mercado de produtos de valor agregado.

    Eu mesmo só tenho carro pq preciso de um, pois o custo mensal ultrapassa 1 salário mínimo entre prestação, seguro, IPVA e combustível, desconsiderando ainda a desvalorização e manutenção.

  • Leio que: cresceu ante setembro do ano passado (10,4%), cresceu no acumulado do ano (9,9%) também ante o mesmo período do ano passado, mas estranhamente a matéria realiza a chamada comparando com o mês de agosto, mas sem mostrar que se trata de um comparativo com o mês referido, e usa uma referência dúbia do Presidente da Anfavea, que disse que acredita em uma venda consolidada de 2,8 milhões de unidades, podendo crescer mais com os lançamentos que ocorreram recentemente… Muito estranho replicaram um sinal de pessimismo vindo da Folha/UOL, quando na verdade, o consolidado é de crescimento. Ficou feio, muito feio!

    • Guilherme Ferreira Lucio Lemes

      Quando vejo que é UOL, ESTADÃO OU GLOBO já leio com bastante atenção e busco mais informações posterior leitura.

      • Ernesto

        Nessa caso (matéria do NA) nem seria preciso buscar outras informações pois ficou claro que a Folha/UOL quis distorcer a informação correta, que é de crescimento.

    • Ernesto

      Não reparei que houve réplica de matéria da Folha/UOL. Isso mostra como eles distorcem a informação.

  • Maycon26

    Só louco ou rico pra comprar carro com esses preços praticados no Brasil.Se o povo segurasse uns três meses sem comprar,ia instaurar pânico nas montadoras,e o governo teria que agir,mas a turma não consegue segurar a onda.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email