Finanças Governamental/Legal Mercado Montadoras/Fábricas

Anfavea: Rota 2030 para mais adiante e marco regulatório em seu lugar

Volkswagen-Virtus-fábrica-São-Bernardo-do-Campo-5 Anfavea: Rota 2030 para mais adiante e marco regulatório em seu lugar

A Anfavea acredita que o fechamento de 2018 pode alcançar 3 milhões de veículos fabricados pela indústria brasileira. De acordo com Antônio Megale, presidente da associação que reúne as montadoras, a entidade ainda se mantém conservadora com os números de 2017: “Mantemos a previsão de produção – de 2,7 milhões – mas vamos errar, felizmente vamos errar”, comenta. “Vai depender da programação de férias das empresas para dezembro”, explica o executivo.



A animação de Megale com os números tem sentido, visto que o Brasil não alcançava uma marca tão importante desde 2014, quando 3,1 milhões foram fabricados no país. Depois disso, a crise apertou as linhas de montagem e o volume caiu para a casa dos 2,4 milhões. Até novembro, a produção subiu 27,1%. Os automóveis tiveram alta de 29,4%, enquanto a fabricação de comerciais leves subiu 12,8%.

Apesar do crescimento, Megale aponta para uma grande ociosidade nas fábricas de automóveis, hoje na casa de 45%. No caso das plantas de caminhões, a situação é muito pior, alcançando até 76%. Atualmente os estoques nos pátios e concessionários representam 34 dias de vendas com 232,1 mil unidades. O ideal é 30 dias, segundo o chefe da Anfavea. O nível de emprego caiu 0,3% e o setor possui um quadro atual de 126,3 mil pessoas, mas em comparação com 2016, a alta é de 2,5%.

No entanto, para um crescimento equilibrado nos próximos anos, a Anfavea espera que o Rota 2030 seja aprovado. Mas, Antonio Megale não está mais confiante que a nova política para o setor automotivo seja aprovada ainda em dezembro. Ele comenta que o que deverá ser assinado é um marco regulatório para que o Brasil não fique sem regras para o setor automotivo. Dessa forma, o Rota 2030 só deve ser concluído mais adiante, já dentro do período que deveria estar vigente.

Esse conjunto básico de normas, regras e leis para reger o setor automotivo vai contra o que as montadoras defendem, que é a aprovação do Rota 2030 para vigência nos próximos anos. Os fabricantes têm em mente que a nova política terá atualizações no decorrer dos anos, mas cria um ambiente previsível, que dá segurança para investimentos futuros, sem o temor de que numa eventual mudança de governo, tudo o que foi planejado e investido desça por água abaixo.

Mesmo com “vontade política” por parte do presidente Michel Temer, conforme comenta Megale, a arrecadação fiscal é o principal fator que esbarra o Rota 2030 no Ministério da Fazenda. O governo federal não quer conceder incentivos fiscais de forma alguma, mesmo que seja para obrigar as empresas a investirem em engenharia, pequisa, segurança, eficiência, entre outros, dentro do país.

A Anfavea revela que o setor terá redução fiscal de 3% na arrecadação, mas só em 2015 foram faturados R$ 180 bilhões com R$ 40 bilhões em arrecadação fiscal e somente R$ 1,5 bilhão em incentivos fiscais. Megale aponta a discrepância para setores que recebem mais benefícios do governo, como o agronegócio, que arrecadou R$ 6 bilhões e recebeu R$ 20 bilhões em ajuda.

[Fonte: Automotive Business/AutoData]

  • Gabriel Torque

    Surreal nisso
    Só no brasil as próprias indústrias decidem a poítica de importação

    Esse Rota 30 nada mais é que um inovar auto 2.0, com as mesmas sobretaxas aos importados, vai gerar novas sanções na OMC …

    • Osni Duarte

      Vai não. Com a condenação já havida na OMC, qualquer sobretaxa será revertida em sanções ao Brasil.

    • Cosi fan Tutti

      O Rota 2030 não teria IPI majorado nem cotas, e sim um IPI por eficiência enégetica, não importa o motor, o que beneficiaria diretamente hibridos e elétricos, e no projeto fazem questão de salientar que não se poderá diferenciar importados de nacionais na cobrança ou isenção dessa taxa.

      • Gabriel Torque

        atualmente com o downsizing acho desnecessário mudar a regra para eficiência energética, visto que os motores estão proporcionalmente menores e incidindo nas faixas mais baixas de imposto

        no brasil temos que suspeitar de qualquer mudança, sempre que alguém diz que quer mudar algo com boa intenção, no final acaba prejudicando o pagador de impostos…

  • Fanjos

    Que tal esses lixos lutarem pela reforma tributária em vez, de ficar pedindo protecionismo?

    • carroair30

      Essa ANFAVEA nada mais é do que um PSEUDOSINDICATO que so atrapalha,com acordos feitos na madrugada,visando apenas o lucro estratosferico de suas montadoras,e quem nao é conivente é banido (vide o caso CHERY) nao sei qual é o pior:o SINDICATO DE TRABALHDORES OU O PATRONAL !

      • Fanjos

        Não foi o presidente ou diretor, sei lá da Chery que disse que foi até ameaçado de morte quando na época de lançamento de seus carros quis colocar valores muito abaixo dos praticados pelas empresas consolidadas? Deu até um BOzinho na época, mas o cartel abafou rapidinho e calaram a boca do cara.

        • carroair30

          Enquanto o GOVERNO se meter no mercado sempre vai acontecer isso,tem que ser como é nos EUA e em algums paises da europa:VC quer montar uma empresa ? se vira,sua empresa quebrou: FDA-se

          • Pedro Cunha

            Aqui no brasil o empresário é sempre coitadinho, vítima da crise, dos impostos, das circunstâncias, do desequilíbrio “coreia do norte x eua”, etc.
            Quando o brasil largar mão do “coitadismo”, estaremos sim no caminho do desenvolvimento, igualdade social, igualdade racial, igualdade “geral”.

          • HugoL

            Não é bem assim, lá a GM quebrou e o governo foi logo correndo pra socorrer.

            • Cosi fan Tutti

              O govenon emprestou mas ja pagaram. Aqui o BNDES financia, o governo da incentivos, subsidios, etc.. e nunca ficamos sabendo se pagou ou não, pq os acordos são SECRETOS.

              • HugoL

                Verdade, fico de cara como que a lava jato ainda não descobriu as maracutaias do setor automotivo. Esses caras não são amadores, tudo foi muito bem feito.

        • Raul Pereira

          Sim, estava falando com meu professor de economia um tempo atrás e concordamos que a crise automotiva de hoje também é culpa do cartel aqui instalado. Ocorre que o empresário brasileiro de modo geral é muito imediatista e inconsequente (sério, li na faculdade estudos de administração e psicologia sobre isso), ele quer o BO resolvido pra ontem, como vai ser resolvido e as consequências que isso pode gerar lá na frente ele não quer saber, é problema do amanhã, aí deu no que deu.

          Com a vinda dos chinas, apelaram pro fechamento de mercado, que o governo Dilma fez sem pensar 2 vezes. Ocorre que isso deixa as empresas muito dependentes do governo e fracas economicamente, aí no primeiro sinal de crise em que dependeram da boa vontade do governo o que ele fez? NADA, como sempre (e continua não fazendo)! Aí as montadoras tiveram os problemas que vemos hoje. Se abrisse mercado de verdade, muitas iriam rodar, sim, mas as que sobrevivessem (ou os produtos que sobrevivessem), seriam fortes no mercado e conseguiriam ‘se sustentar’ sem depender de boa vontade. Mas é mais fácil pra eles, por mais degradante que seja, continuar fazendo parte de um cartel.

    • D136O

      É que uma reforma beneficiaria a todos aumentando a concorrência e diminuindo lucros.

    • celso

      Primeiro é preciso fazer uma faxina geral no congresso.
      É ano que vem, só depende de nós.

      • Cosi fan Tutti

        de nos? kkkk o povo troca voto por bolsa familia e por cesta basica, outros por incentivos ou pra manter seu monopolio ou a chamada “boquinha”. Ricos e pobres no Brasil so votam por interesses proprios, não coletivos. Não depende de nós, alias, tão cedo não mudara enquanto tiver milhões na pobreza e outros com preguiça de desenvolver.

        • Cláudio

          Outros elemento na análise pode ser incluído a partir de sua constatação muito pertinente. A forma como os partidos, antes das eleições, definem quem será candidato também não está sob nosso (os eleitores ) controle. Além disso, eles também selecionam aqueles que vão ganhar e para que isso ocorra, direcionam seus esforços.

  • leandro

    Bah o cara compara agronegócio com industria. Não to acreditando. Alguém come carro? Enche a barriga com carro? No brasil tudo vem do agronegócio, vender carros é fruto disso. Aqui comida é barata e carro é luxo. Na europa comida é luxo e carro é apenas um bem de consumo.

    • Alexandre Volpi

      Engraçado que o cara não lembrou que a selic só está caindo por conta dos recordes de produção do agronegocio, que carrega o Brasil nas costas. Tem que ser muito ignorante pra não ver isso

      • D136O

        Isso é historia pra boi dormir, com perdão do trocadilho, você não come soja ela é exportada e a alimentação é apenas um dos itens na balança da inflação, moradia,transporte… tudo isso entra para o índice oficial. O setor inclusive vem sendo “punido” nos ultimos tempos tendo dificuldade de financiamento. Os incentivos de 2015 citados no texto eram para grandes produtores dos quais muitos vimos no JN participando da lava jato.
        A a Selic é cortada para o menor nivel desde 99 na tentativa de aumentar o consumo, mas não vem funcionando pois a instabilidade politica ainda tira a confiança do mercado, também há uma inercia pois os juros bancários continuam altos juntamente com o desemprego.

        • TijucaBH

          falou tudo!!!!

        • Pedro Cunha

          Lúcido!

    • th!nk.t4nk

      Leandro, só corrigindo: na realidade comida é mais barata na Europa do que no Brasil. Encha um carrinho de supermercado no Lidl ou Aldi, converta pra Reais e surpreenda-se. Na Alemanha particularmente alimentos são ridiculamente baratos. Então até nisso o Brasil perde, por incrível que pareça.

      • leandro

        Alemanha parece um exemplo a parte pois todos so falam bem. Apesar de saber que carne bovina la é caríssima.

      • Cosi fan Tutti

        So pelo fato que o maior vendedor MUNDIAL de café ser a Alemanha, sem produzir na verdade nenhum grão, já demonstra que a Europa é muito mais avançada que o Brasil no ramo do agronegocio, os kras nem produzir a maior parte das coisas precisam, compram barato do mundo subdesenvolvido, processam, e revendem.

    • celso

      Na Europa comida é luxo ?
      Ok, então vamos continuar exportando CARNE, já que segundo você agronegócio é melhor que produto de valor agregado.
      Viva a mentalidade de subdesenvolvido!

  • Unsinner

    Se é bom para a Anfavea, é péssimo para o consumidor. Esse cartel das quatro grandes tem que acabar.

    • Fanjos

      Hoje o Club do bolinha já é mais que só os 4 grandes.
      Mas com certeza se é algo que a alfafaveia quer, pode ter certeza que algo que não vai beneficiar ninguém fora eles mesmos, não existe acordo de reciprocidade nos termos deles.

  • Luis Carlos K.

    Esse trecho resume tudo “O governo federal não quer conceder incentivos fiscais de forma alguma, mesmo que seja para obrigar as empresas a investirem em engenharia, pequisa, segurança, eficiência, entre outros, dentro do país.”

    Ou seja, não estão nem um pouco preocupados com o PROGRESSO do país. Apenas o que eles querem é cobrir o ROMBO que ELES MESMOS FIZERAM, e querem continuar fazendo.

    • Matheus

      Não se engane com essa Anfavea não. O governo está mais do que certo em limitar os benefícios a esse cartel.

    • Unsinner

      Isso também é lenda. Nenhuma das tecnologias automotivas foi criada aqui. Nem mesmo os motores flex mais econômicos possuem tecnologia nacional, tendo sido desenvolvidos na Alemanha.

      A preocupação do Inovar Auto foi gerar empregos, em troca de menos impostos, numa época em que o câmbio do dólar era favorável às montadoras estrangeiras (2010/2011), que trouxeram diversos modelos mais completos que os aqui fabricados por preços abaixo do mercado controlado pela Anfavea. Por isso i30, Tucson, Cerato, Soul e Jac3 venderam muito, pois já chegavam com som (mp3/usb), ar condicionado, rodas, dentre outros itens, custando entre 5 a 10k reais mais baratos que Focus/Golf, Ecosport, Civic/Corolla, Fiesta/Gol.

      Eu acho meio óbvio que o fim do Inovar Auto e o estabelecimento de cotas de isenção de IPI lastreados em segurança e eficiência energética ajudaria o mercado, com uma nova invasão de estrangeiros, apesar do dólar alto. Enfim, qualquer tecnologia, produzida ou não aqui, é melhor que nada. E com certeza é superior à exploração do mercado controlado pela Anfavea.

    • Alex

      Não adianta diminuir impostos porque tudo acaba se revertendo em lucro para as montadoras. Já vimos este filme.

    • Pedro Cunha

      LULA 2018 e tudo irá se resolver!
      Não entendo como, quando roubavam e pilhavam trilhões, o país tinha emprego, tinha renda, tinha crédito e PERSPECTIVA.
      Hoje com “tudo nos trilhos”, temos quase 13 milhões de desempregados, altos índices de informalidade, renda precária e perspectivas baseadas em números manipulados.
      Não estou do lado de NINGUÉM, apenas o paralelo entre o “antes & depois” me suscita o questionamento. Algum dos lados está muito errado, está mentindo clamorosamente. E começo á pensar que ambos “lados” estão em harmônica parceria.

  • Mario

    Segundo este animal, vamos nos alimentar de carro em 2030! Que comparação ridícula!! O campo precisa de incentivos, senão não tem almoço nem janta!

    • Pedro Cunha

      Pesquise melhor e perceberá que o alimento que chega na sua mesa vêm das mãos dos pequenos produtores que plantam uma safra pra pagar a outra. Os grandes produtores, que são aqueles que recebem os tais “subsídios”, usam mão-de-obra semi-escrava, moram em alphaville(ou em países melhores) ou estão em brasília nos “representando”.

  • zekinha71

    Os estoques são de 34 dias, mas vc chega na ccs e nunca tem o carro que vc quer, se pedir vem a velha história que vai demorar 2 meses, por causa do excesso de pedidos.

  • Rafael Lima

    E o governo tá certo em não dar incentivos fiscais, quando se deu incentivos eles não repassaram ao consumidor, eles fizeram aumentar o preço, o Brasil é um mercado muito fechado, mesmo com mais opções é fechado, é absurdo ler que uma empresa precisa de incentivos do governo pra poder investir, ou você investe ou perde pra concorrência, mas parece que só aqui o boi é puxado pela carroça

  • REDDINGTON

    Trágico!

  • Pedro Cunha

    Governo no brasil é só um meio de manter uma determinada classe social muito bem suprida de privilégios, proteção judicial e poder de manipulação de interesses de quem paga mais.

  • yurieu

    A indústria automotiva ainda suspira com os milhões de reais injetados na corrente sanguínea pelo BNDES. Enquanto o Dr. Rey não for eleito para estabelecer o Free market society, este país jamais mudará em nenhum aspecto.

  • Jefferson Ferreira

    Incentivo pra que ? O mercado brasileiro é fechado, os preços são cartelizados e o governo garante o monopólio para ANFAVEA

    • Elfo Safadão.

      Exatamente.

  • Elfo Safadão.

    Muito interessante a industria automotiva (leia-se ANFAVEA) se comprar com o agronegócio, que é o trator do país…
    Se tirar a montadoras, o Brasil ainda consegue importar carros de outros países, mas se retirar o agronegócio, bem….
    Deixo isso com a imaginação de vocês.

  • invalid_pilot

    Cartel ta tenso com a possibilidade de importação livre. Que país lixo esse aqui.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend