_Destaque Aston Martin Esportivos Mercado

Aston Martin sai oficialmente do Brasil

aston-martin-v12-vantage-s-spitfire-80-1 Aston Martin sai oficialmente do Brasil

A Aston Martin – famosa pelos carros do agente James Bond, da franquia 007 – não tem mais representação oficial no Brasil. A marca inglesa era representada pelo grupo SHC do empresário Sérgio Habib. Com uma loja inaugurada em São Paulo, no ano de 2010, a marca inglesa chegou a vender 36 carros em apenas um ano no país. Porém, em 2016, apenas dois exemplares novos do modelo Vantage foram emplacados pela representante.

O mercado de alto luxo no Brasil sofreu uma queda vertiginosa desde 2011, quando emplacou 227 carros com preços acima de R$ 1 milhão, entre eles os da Aston Martin. Porém, em 2016, apenas 51 foram vendidos, sendo 10 de importação independente. A Bentley também fechou a loja que tinha na capital paulista e a revenda oficial da Ferrari está em reforma, mas sem data conhecida para reabertura.

aston-martin-vanquish-s-volante-1 Aston Martin sai oficialmente do Brasil

Para Sérgio Habib, o momento não é nada bom. A crise econômica impactou diretamente as vendas de veículos no país, atingindo principalmente as marcas importadas e também os concessionários, setor onde o grupo SHC conta com uma rede de várias marcas, entre elas Volkswagen, Citroën, Peugeot, Land Rover e JAC. Responsável pela chegada e sucesso da Citroën no Brasil, Habib também representou a Jaguar, assim como trouxe a chinesa JAC Motors.

Com uma chegada agressiva no mercado nacional em 2011, quando as marcas importadas vendiam muito bem, a JAC Motors tinha tudo para se destacar ainda mais em vendas, porém, o governo reagiu com a instituição de um IPI majorado de 30% aos importados, que se somou ao já alto IPI cobrado.

Assim, não só as vendas da JAC caíram, mas também de todo o setor de importados e mesmo dos fabricantes instalados no país, pois a crise econômica veio na esteira da medida, considerada protecionista pela OMC e condenada pelos principais mercados do mundo. Embora o segmento de luxo tenha se sustentado por mais tempo, os demais – incluindo o de alto luxo – rapidamente sentiram o impacto das mudanças e caíram para níveis muito baixos.

[Fonte: G1]

 

 

Send this to a friend