Chevrolet Hatches História

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos
Astra hatch

O Chevrolet Astra hatch foi, sem dúvidas, um dos carros mais emblemáticos já comercializados pela fabricante em nosso mercado.

O modelo estreou em 1994 e deixou de ser produzido em terras tupiniquins só no ano de 2011 – ou seja, durou 17 anos. Durante esse tempo, ele conseguiu alcançar uma boa participação no mercado e foi sucesso de público, sobretudo entre os consumidores mais jovens.


Por mais que tenha durado quase duas décadas em nosso mercado, o Chevrolet Astra contou com somente duas gerações por aqui. A primeira delas chegou como um modelo importado da Bélgica e durou quatro anos.

Em 1998, ele estreou uma nova geração que inclusive foi vendida por longos 13 anos apenas com mudanças pontuais.

Vamos saber mais sobre a história do Astra hatch no Brasil? Confira:


Chegada do Astra hatch ao Brasil

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos

Antes de falar um pouco sobre a trajetória do Chevrolet Astra no Brasil, vale destacar que ele não é um Chevrolet autêntico. Na realidade, ele foi ofertado como uma versão do Opel Astra comercializado no mercado europeu. A Opel era uma das marcas da General Motors – era, já que ela foi adquirida recentemente pelo grupo PSA Peugeot-Citroën.

Curiosamente, diversos outros modelos da Opel foram comercializados com a bandeira Chevrolet no mercado brasileiro. Opala, Chevette, Monza, Kadett, Omega, Vectra, Corsa, Meriva, Zafira e Captiva são os modelos de origem alemã que chegaram por aqui por intermédio da Chevrolet.

Voltando a falar sobre o Chevrolet Astra hatch, sua primeira geração começou a ser vendida por aqui no segundo semestre de 1994. Na realidade, esta já era a terceira geração global do hatch médio.

Ele estreou para substituir o velho Kadett e teve como missão enfrentar modelos como Fiat Tipo e Volkswagen Golf.

O modelo começou a ser oferecido no mercado nacional sob importação da Bélgica, devido à redução inesperada na taxa do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para importados de 35% para 20% anunciada pelo governo brasileiro na época.

A primeira geração do Chevrolet Astra foi oferecida por aqui na configuração Astra hatch de quatro portas, na versão de acabamento GLS. A carroceria perua também chegou a ser vendida, mas não foi continuada na segunda geração do Astra. O sedã só não foi vendido de início devido à chegada do primeiro Chevrolet Vectra no ano anterior.

O primeiro Chevrolet Astra hatch era equipado com um motor 2.0 litros a gasolina de quatro cilindros e oito válvulas, oriundo da Família II de motores da GM.

Ele tinha capacidade para desenvolver 116 cavalos de potência, a 5.200 rpm, e 17,3 kgfm de torque, a 2.800 rpm. A transmissão era exclusivamente manual de cinco marchas.

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos

Com este aparato, o Astra oferecia um desempenho até que satisfatório. Ele era capaz de acelerar de 0 a 100 km/h em 10,4 segundos e podia atingir velocidade máxima de 193 km/h. Já o consumo médio de combustível era de 10,5 km/l na cidade e 14,1 km/l na estrada.

O curioso é que o Chevrolet Astra hatch só chegou com este motor 2.0 8V pelo fato de a GM considerar que o propulsor usado pelo modelo Opel na Europa não era ideal para este modelo no Brasil. O 2.0 8V era o mesmo motor usado pelo Kadett. Assim, o motor era fabricado no Brasil e exportado para a Bélgica, voltando para nós dentro do Astra.

O Astra hatch mede 4 metros de comprimento, 1,6 m de largura e 1,42 m de altura, com distância entre-eixos de 2,51 m. O porta-malas tem capacidade para até 329 litros de bagagens.

Entre os equipamentos, o carro oferecia vidros elétricos nas quatro portas, travas elétricas, retrovisores externos com ajuste elétrico, direção hidráulica, ar-condicionado, entre outros. Como opcional, podia receber airbag duplo frontal.

No entanto, o governo brasileiro decidiu aumentar a alíquota do IPI para carros importados para 70% em 1996. Isso automaticamente inviabilizou a importação do Chevrolet Astra para o nosso mercado. Assim, ele deixou de ser comercializado só dois anos após o seu lançamento.

Naquele momento, contudo, a GM já trabalhava para iniciar a produção da segunda geração do Astra em sua planta de São Caetano do Sul (SP).

Segunda geração do Astra hatch no Brasil

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos

Foi em setembro de 1998 que a Chevrolet anunciou aos consumidores brasileiros a chegada da segunda geração do Astra hatch no mercado brasileiro. Ele foi lançado somente um ano após ter sido anunciado na Europa e com direito a produção nacional. A fabricação do novo modelo no território nacional demandou investimentos de US$ 300 mil.

Entretanto, o Astra de segunda geração foi vendido inicialmente somente na carroceria hatch de duas portas. Algo bastante curioso, visto que os consumidores brasileiros já tinham uma preferência por carros de quatro portas.

Ele estreou na versão de acabamento GL, com motor 1.8 8V a gasolina, e também na GLS, dotado de um motor 2.0 8V a gasolina. Ambos os propulsores eram da Família II, dotados de injeção eletrônica multiponto. Na época, seu preço inicial era de cerca de R$ 22 mil.

Porém, não demorou muito para a Chevrolet lançar o Astra Sedan. O três-volumes foi anunciado no início de 1999 e, além do porta-malas maior, trazia ainda as quatro portas para facilitar o acesso dos passageiros no banco traseiro.

Em comparação com a antiga geração, o novo Chevrolet Astra hatch chegou destacando o visual mais atual, com carroceria mais volumosa e formas mais bem definidas. O interior, porém, tinha linhas um tanto quanto antiquadas e que lembravam o do extinto Kadett.

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos

A lista de equipamentos do carro também cresceu, com uma série de recursos inéditos, como a direção eletro-hidráulica como opcional e até mesmo as lanternas traseiras com lente translúcida, algo inédito entre os carros nacionais. Havia também cinto de três pontos para os cinco ocupantes, airbags e até pedais escamoteáveis em caso de colisão para reduzir os riscos de lesões nas pernas do motorista.

De série, o Chevrolet Astra mais básico oferecia poucos recursos, como direção hidráulica, ar quente, abertura das portas à distância, desembaçador elétrico do vidro traseiro, rodas de aço com calotas e retrovisores externos na cor preta. Itens como airbags, freios ABS, ar-condicionado e computador de bordo eram ofertados somente como opcionais.

Já o Astra GLS contava com faróis de neblina, volante com ajuste de altura, banco traseiro bipartido, rodas de liga-leve de 15 polegadas e painel com conta-giros. Trio elétrico, airbag duplo, freios ABS, ar-condicionado e sistema de som com CD player ainda eram opcionais.

O motor do Chevrolet Astra GL 1.8 conseguia gerar 110 cv e 15,8 kgfm, sempre com câmbio manual de cinco marchas. Já o Chevrolet Astra GLS 2.0 tinha até 116 cv e 17,3 kgfm, também com transmissão manual de cinco velocidades.

Todavia, em 1999 a marca anunciou o Astra hatch com motor 2.0 com 16 válvulas e duplo comando, capaz de entregar máxima de 136 cv e 19,2 kgfm. Era uma exclusividade do modelo GLS. Ele tinha também freios de maior diâmetro e pneus maiores (195/60 R15 contra os 185/65 R14).

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos

Em 2000, a Chevrolet anunciou a chegada do Astra Milenium 2000. Ele estreou como uma versão especial em comemoração a virada do século e tinha como base o Astra GL, mas com grafismos exclusivos e alguns equipamentos adicionais.

Um ano depois, foi a vez do Chevrolet Astra Sport chegar ao mercado. Ele trazia um visual mais arrojado, com kit aerodinâmico da empresa alemã Irmscher, além de rodas de liga-leve de 15 polegadas com desenho exclusivo, bancos com revestimento diferenciado e painel de instrumentos com fundo banco. Porém, o motor 2.0 8V era o mesmo do Astra GLS.

Ainda em 2001, o Astra passou a contar com repetidores de seta nos para-lamas dianteiros em todas as versões. A variante GL de entrada recebeu conta-giros, volante com ajuste de altura e calotas.

Já em 2002, o Chevrolet Astra hatch abandonou as versões GL e GLS. Ele passou a ser vendido em uma configuração mais básica e o pacote “luxo” CD, com direito a um painel com acabamento em diferentes tons de cinza no interior, para os modelos 2.0 8V e 2.0 16V. Houve ainda a introdução da versão Sunny, com calotas e adesivos exclusivos.

Outra novidade foi a chegada do Astra hatch com motor 2.0 8V e câmbio automático de quatro marchas, aliado ao piloto automático de série. Ele recebeu também rodas de 15 polegadas nas versões básicas e rodas de 16 polegadas nos modelos mais completos.

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos
Astra hatch

Astra hatch reestilizado e versão com quatro portas

Foi em 2003 que a Chevrolet, enfim, lançou o Astra hatch de quatro portas. O novo Astra 2003 adotou ainda um visual reestilizado, com para-choques mais encorpados, novos faróis e lanternas, tampa do porta-malas com formato mais “limpo”, suporte de placa traseiro no para-choque e novas rodas.

Recebeu também novos detalhes de acabamento. A lista de equipamentos ficou mais recheada, com opção de airbags laterais, ar-condicionado automático e retrovisor interno eletrocrômico.

A linha estreou também o Astra GSi, uma versão que chegou como uma tentativa de “acolher” os fãs e donos de Kadett GSi. O modelo tinha o motor 2.0 16V de 136 cv, kit aerodinâmico (com direito a até aerofólio na tampa do porta-malas), rodas diferenciadas e o nome da versão estampado nas portas dianteiras. Este modelo durou até 2005.

No ano de 2004, o Chevrolet Astra hatch passou a ser o primeiro carro médio a usar um motor flex, capaz de beber etanol ou gasolina. O 2.0 8V FlexPower passou a entregar 121 cavalos com gasolina e 127,6 cv com etanol. O torque também subiu, passando para 18,3 e 19,6 kgfm, respectivamente.

O motor 2.0 8V FlwerPower chegou acompanhado de três novas versões: Comfort, Elegance e Elite. O Astra Comfort tinha carroceria duas portas, itens de série como ar-condicionado, direção hidráulica e trio elétrico e preço de R$ 40,2 mil.

Já o Astra Elegance, intermediário, contava com recursos adicionais de design, conforto e conveniência. Por fim, o Astra Elite era o mais refinado, como airbags frontais e laterais, freios ABS com EBD, rádio com CD player, volante multifuncional e interior com acabamento em couro.

Em novembro de 2005, o Chevrolet Astra SS estreou para substituir o GSi. Trouxe rodas de 15 polegadas, kit aerodinâmico, capa dos retrovisores, maçanetas e protetores das soldas de teto na cor prata, faróis e lanternas com máscara negra, nome da versão na base do porta-malas e grade frontal cinza.

No interior, revestimento em tecido vermelho nos bancos e portas. O motor era o 2.0 16V de até 127,6 cv. Tal configuração foi ofertada até 2009.

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos

No entanto, em 2007 o Astra hatch passou a assumir o papel de hatch médio mais barato na gama da marca, atraindo os consumidores pela boa relação custo benefício. Tanto é que ele deixou de ofertar as variantes Elegance e Elite.

A missão de hatch superior foi dada ao novo Vectra GT, que chegou no mesmo ano – na realidade, ele era a nova geração do Opel Astra europeu.

Ainda em 2007, a marca anunciou o Astra Advantage como uma série especial por R$ 48,6 mil. Limitado a 1.500 unidades, o carro tinha rodas de alumínio de 16 polegadas, faróis de neblina, faróis com ajuste elétrico de altura e aerofólio traseiro como diferenciais.

As últimas mudanças significativas na linha do Chevrolet Astra foram anunciadas em 2010. O carro chegou somente em uma versão de acabamento, a Advantage (que antes era uma série especial), com preço de R$ 44,4 mil para o modelo manual ou R$ 50,2 mil para o automático com todos os opcionais.

O motor 2.0 8V Flexpower recebeu reajustes e passou a desenvolver 133 cv com gasolina e 140 cv com etanol – um aumento de 12 cv. Já o torque subiu para 18,9 e 19,7 kgfm, respectivamente.

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos

Fim de linha do Astra hatch no Brasil

Em agosto de 2011, o Chevrolet Astra hatch deu o seu adeus no mercado nacional. Como parte da renovação da sua linha, a marca norte-americana anunciou o fim da produção do velho hatch médio. Ele foi substituído pelo Chevrolet Sonic, um modelo menor, que tinha uma proposta mais jovem – este, porém, durou somente três anos.

Porém, mesmo com seu fim de linha, o Astra hatch seguiu sendo vendido com bons descontos na rede de concessionárias, cedidos às últimas unidades que restaram no estoque. Os descontos chegavam a até R$ 6 mil.

Galeria de fotos do Chevrolet Astra hatch

Astra hatch: história, anos, versões, modelos e equipamentos
Nota média 4.5 de 2 votos

  • Thiago Czigler

    Isso sim era um GM dígno

    • Ford Opala Attractive 200TSI

      O Astra era tão bom, q sofreu poucas alterações em 17 anos.

      Até 2018, eu tinha um Astra Hatch 2002/03 conservadissimo (vendi com 76 mil km). Os menos avisados achavam q o carro tinha 10 anos a menos.

      • Fabão Rocky

        C/ ctz amigo! O q vale é a conservação. Vendi no mês passado um Corsa sedã Premium 2009 bem conservado, apenas 64 mil km. Saudades da GM da era Corsa e Astra!!!

        • Andre Resende

          tive 2 astras, um de 2 portas 2007 e um 2011 de 4 portas, carro sensacional, pena que foi descontinuado

          • Fabão Rocky

            Uma pena msm. Carros assim a GM n faz mais. Sempre achei o Astra lindo tbm! N só design, mas mecânica ótima tbm. Pra mim sempre foi o melhor da categoria.

        • Geraldo Xavier

          Tive 2 2008. Hatch e sedan. Tanque de guerra. O sedan rodou só 267000 km sem mexer em motor, embreagem, ar condicionado nem no trio elétrico. Era só óleo, filtro, correia, pneu e suspensão a cada 80000 km. Unica coisa que estorou 2 vees foi o tubo d’água. 50 reais

      • Hodney Fortuna

        E sem falar que o carro era extremamente resistente! Meu sogro tinha um ano 2001 e até vender em 2008, com 72 mil km rodados o carro nunca precisou trocar os amortecedores, e olhe que era um carro rodado somente em Fortaleza, cidade conhecida pelo seu péssimo pavimento na época!

  • Tive um hatch, modelo Elegance, comprado em 2005, e foi só alegria. Motor forte (para a época), bem equipado, acabamento bom… nunca tive do que reclamar.

    • Allan Bohn Apter

      Tive um elegance em 2004, meu primeiro carro. Andava muito para os padrões da época. Em 2008 quando fui morar fora, meu pai deu PT, acabou pegando um 307. Não aguentei muito o motor 1.6 fraco da peugeot, vendi e me abracei num vecta GTX. Eram bons tempos de GM. Hoje o único carro que presta é o Cruze, e ainda assim acho que existem melhores da categoria/valor.

      • Interessante que na época, quando fui trocar o meu Elegance, também cogitei um 307 (com teto solar e tal, que não tinha no Astra). Aí acabei trocando por um Vectra GT facelift em 2010, que também andava muito bem, mas o interior era praticamente o repeteco do Astra (me decepcionou um pouco nesse sentido, mas na época não existiam muitas opções).

  • Itamar

    tive um advantage, 2007, que beleza de carro, motor bem forte, passei pra frente com +100mkm
    Foi triste…

  • Emygdio Carlos

    A GM retrocedeu muito no Brasil!

    Carros para países emergentes?

    Vendam a Spin na Europa e retirem a Zafira de linha por lá também.

    Aproveitem e levem o Cobalt, Ônix, Prisma, Montana e etc…

    Carros altamente seguros, econômicos e tecnológicos!!!

  • Fabão Rocky

    De 2010 pra cá a GM só fez decair de degrau em degrau!

  • Jurandir Filho

    Taí um carrinho honesto, tive um astra advantage, nunca me deu problema, motor forte, espaço ok, à época troquei por um Focus segunda geração, outro carro muito bom

  • renanfelipe

    Na verdade a matéria deveria continuar com o Vectra, né? O Vectra aqui era o Astra lá fora…

  • JFaria

    Astra e Zafira…ótimos carros da GM.

  • th!nk.t4nk

    E pensar que o Brasil nos anos 90 (e um pouco dos 2000) tinha um lineup de modelos de primeiro mundo. Triste o retrocesso que ocorreu.

  • zekinha71

    Até hj não entendo porque no Astra locomotiva usaram um tijolo como molde pros faróis.
    Era todo quadrado em pleno anos 2000.

  • loociano

    Achei que iam falar da última versão do Vectra, que na verdade era o Astra europeu…

  • Vitor C

    Consegue ter um acabamento melhor que um cruze atual.

  • Cristian Dorneles

    Boa matéria apesar de alguns errinhos na cronologia.

    Astra era sensacional, Cruze(s) tem muito o que aprender com velho Chevy/Opel sobre acabamento e harmonia de linhas.

  • Leandro Santos

    Eu nem consigo me desfazer do meu CD 2004 automatico. N vejo nenhum melhor.

  • nightwishjp

    Aí deixou saudade, viu?

  • Walter Augusto Barandas

    Tive 3…. incluindo o último modelo com motor de 140 CV. O fanáticos por outras marcas sempre chamaram o astra de beberrão.
    Hoje tenho Civic 2.0 2016….. E hj vejo que tenho saudades do astra….. beberrão é o civic…porcaria de posição pra dirigir….1 hora no trânsito e eu que tenho 1,85 me sinto totalmente desconfortável…..com o astra as horas de estrada me deixavam totalmente a vontade.
    Uma pena GM descontinuar essa linha.

  • Gabriel

    O motor do Astra SS é o 2.0 8v e não 16v como diz no texto.

  • Gabriel

    Só faltou o falar do Astra mais famoso do brasil que tem 154cv (tinha 159) e uns 22kg de torque, fazendo 0-100 na casa dos 8s com máxima de 210

  • Hodney Fortuna

    Pelo que pensei o Astra teria sido substituido pelo Cobalt, que não chegava aos pés em beleza e aerodinâmica do Astra!

  • Thiago Porto

    Que saudades.
    Tive um Advantage 2007, que eu adquiri em 2009 com apenas 9 mil Km rodados.
    Foi meu primeiro “Grande” carro, antes eu tinha vindo de Corsinha e Celta.
    Um grande estradeiro, motorzão antigo porém muito eficiente, conseguia fazer 7km/l no Etanol na cidade e 10 km/l na Estrada, coisa que até hoje tem 2.0 que não faz.
    Penso eu que foi o fim de uma excelente geração de carros da GM.
    Com o fim do segmento “opel” nunca mais tive outro Chevrolet.

  • Gabriel Molina Pinheiro

    Texto cheio de erros de informação.

  • Emanuel Martins

    Tive um em 2011. Um dos últimos. Comprei zero com preço do Agile.

    Até hoje, considero o melhor carro que já tive.
    Confortável, foguetinho e mecânica confiável.
    Vendi em 2016 só por que a mulher judiou muito ele (pra ter uma ideia, apenas 1 porta ainda era original, rsrs) e também precisávamos de um carro 4×4, mas se não fosse isso, ainda estaria com ele.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email