BMW Elétricos Hatches Preços

Atualizado, BMW i3 chega em junho e deve custar R$ 200 mil

Atualizado, BMW i3 chega em junho e deve custar R$ 200 mil

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, a BMW retomará a comercialização do elétrico i3, atualizado há algum tempo e com autonomia maior que o modelo anterior, que chegou em 2014 custando a partir de R$ 179.950. Depois, o preço caiu para até R$ 159.950. Agora, segundo fontes da publicação, o preço deve chegar por volta de R$ 200 mil.


A principal diferença entre os dois modelos é que a autonomia no modo elétrico, que era de no máximo de 230 km e agora chega a 360 km. Da mesma forma, o BMW i3 2018 mantém o extensor de alcance, que é um pequeno motor a gasolina de dois cilindros e 647 cm3 (usado no scooter BMW C650 GT), que entrega 34 cavalos e 5,6 kgfm, funcionando como gerador para recarga das baterias de lítio e é alimentando com um tanque de apenas 9 litros. Ele acrescenta em média 134 km de alcance extra ao ser usado.

Atualizado, BMW i3 chega em junho e deve custar R$ 200 mil

O aumento da autonomia do BMW i3 2018 é devido à ampliação da densidade das células de íons de lítio da Samsung SDI, que passaram de 22 kWh para 33 kWh. Porém, não houve acréscimo de tamanho ou peso com a atualização das baterias. O modelo continua a ter motor elétrico traseiro da Siemens com 170 cavalos e 25,5 kgfm, obtidos a 0 rpm. Com ele, o hatch elétrico vai de 0 a 100 km/h em menos de 8 segundos e tem velocidade máxima limitada de 150 km/h.


Visualmente, o BMW i3 2018 perdeu a cor azul na grade dupla (falsa) e ganhou novos para-choques com molduras envolventes e desenho mais fluído, além de faróis e faróis de neblina em LED. As rodas de liga leve aros 19 ou 20 polegadas receberam atualização no estilo. Uma das novidades é a versão “S”, que traz design mais esportivo no protetor dianteiro, dotado de spoiler central, e mais partes da carroceria em preto brilhante, o mesmo em relação às rodas exclusivas. Além disso, ele tem 186 cavalos e 27,5 kgfm.

Atualizado, BMW i3 chega em junho e deve custar R$ 200 mil

Além disso, o BMW i3 2018 recebeu as novas cores Melbourne Red Metallic (vermelho) e Imperial Blue Metallic (azul). Por dentro, o compacto elétrico recebeu nova padronagem no acabamento, ganhando mais detalhes em azul. O ambiente possui 80% de materiais recicláveis, foco da proposta ecológica do pequeno premium.

Com 3,999 m de comprimento, 1,775 m de largura, 1,578 m de altura e 2,570 m em entre-eixos, o produto oferece bom espaço interno com portas traseiras de abertura invertida, mas seu porta-malas tem somente 260 litros por conta do sistema de propulsão traseiro. O BMW i3 2018 pesa 1.315 kg.

BMW i3 2018 – Galeria de fotos

[Fonte: Estadão]

Agradecimentos ao Bruno Berti.

Atualizado, BMW i3 chega em junho e deve custar R$ 200 mil
Nota média 5 de 2 votos

  • Schlatter70

    Carrinho maravilhoso apesar dos pneus de bicicleta. Para quem pode, é um excelente segundo veículo de uso predominantemente urbano.

    • Cláudio Modesto

      Pra quem pode mesmo, segundo veículo de 200 mil.

    • Lareiro

      Para mim, seria o primeiro veículo de uso, pois o segundo costuma-se usar aos fins de semana.

      • Eduardo Zacchi

        Somos dois!!!

    • Ubiratã Muniz Silva

      para uso predominantemente urbano ele se presta bem ao papel de “primeiro veículo”.

      os pneus finos são para reduzir o arrasto e garantir uma autonomia maior, e são bem adequados à proposta do carro.

    • Filipe Augustus

      Se eu pudesse ter um veículo desses de 200 mil, ele seria o de uso diário e o M6 V8 Twinturbo ficaria como segundo veículo! uahauhuahuauhuau

  • Cardoso (não aquele)

    170cv, torque maximo instantâneo, tração traseira… Mesmo não sendo a proposta, imagino ser um carro bem divertido de dirigir.

    Mas esse preço, com esse design é maldade.

    • Bryan Silva

      É o designer futurista da marca. É muito bem acabado, silencioso mesmo em estradas esburacadas (que não existem no Brasil) e esperto. Acho que o grande problema dele é que a autonomia exaure rapidamente. Mas a proposta é boa. Enfim, o prius é mais feio. Rss!

    • Eduardo Zacchi

      Culpa da grande quantidade de materiais compostos que são empregados em sua produção, sobretudo fibra de carbono, que é bem cara!!!

      • Cláudio Modesto

        Não é só isso não, a BMW dobra o preço dos carros por aqui.

    • th!nk.t4nk

      Procure no YouTube vídeos de arrancadas do i3. Tem cada carrão levando benga desse carrinho, que chega a ser engraçado.

      • afonso200

        eletrico nao se compara a gasolina

        • th!nk.t4nk

          Nao mesmo. Mas nao deixa de ser curioso ver um caixotinho desses despachando carroes.

  • Andre Albuquerque

    (off topic ) e o tal do ROTA 2030 que “contempla” os elétricos? Alguém tem notícias??? 🤔

    • FrankTesl

      a greve dos caminhoneiros, os malabarismos para tirar verba dali para tapar subsídio para o diesel acolá, “”acho”” que vão engavetar ou pelo menos atrasar, desfigurar, renogociar etc. Desde o começo do mês não sai mais nenhuma notícia, sendo que a última era que o Rota 2030 e a igualdade de IPI para elétricos iria sair no começo de maio. Bem, já estamos no começo de junho e nada foi feito. Espero que não tenham engavetado, mas não se pode ser otimista por essas bandas.

      • Cláudio Modesto

        Vai ficar próximo mesmo, esse governo já Elvis.

  • Sonfav

    Existem inúmeras formas mais econômicas de zerar o impacto ambiental do motor a combustão.
    Elétricos ainda não são viáveis por aqui.

    • Louis

      Se fosse um popular elétrico seria viável para as cidades. Mas este é um BMW.

      • Sonfav

        Que tem o mesmo preço estimado para o Nissan Leaf, se não houver incentivos fiscais.

        • Louis

          Leaf também não é um carro popular para nossos padrões, tem padrão construtivo para países desenvolvidos. Seria o mesmo que pedir um Civic Touring a preço popular.
          Para começarmos com a popularização dos elétricos, teríamos que ter algo do padrão do Kwid.

          • Sonfav

            As pessoas precisam de preços competitivos, liberdade pra ir onde quiser, praticidade no dia-a-dia.
            Exatamente o que elas tem com os carros comuns.
            Enquanto não acontecer isso, continuará não sendo viável e não trará nenhum resultado palpável.
            Nem ecológico, nem financeiro.

            • Cláudio Modesto

              Metrô, é elétrico com baixo impacto ambiental.

              • Sonfav

                hehehe… é o elétrico que funciona.

    • FrankTesl

      se fosse pensar assim, só deveriam existir liteiras, cavalos e charretes por aqui

      • Sonfav

        Pensar como? racionalmente?

      • Lareiro

        Tem gente que defende carro à combustão como se fossem times de futebol.
        Futebol serve unicamente para diversão. Carros, novos combustíveis e afins são o reflexo da evolução da tecnologia.

        • Sonfav

          Vcs compraram pelo menos um híbrido? Ou recebem alguma coisa pra dourar o carro elétrico?
          Porque não tem sentido nenhum, e não vi ainda nenhum argumento que mostre o motivo de comprar uma coisa dessas… mas pensar e argumentar não presta… bom mesmo é dizer que o outro é atrasado, é torcedor… etc.

          • Lareiro

            Os outros pode ser, mas EU não falei que carro híbrido/elétrico é melhor e que presta mais. Apenas falei que tem gente que defende carro à combustão como se fosse time de futebol.
            Eu gosto do meu carro à combustão e não abro mão dele, mas teria facilmente um híbrido/elétrico, pois eu vejo vantagem em ambas as tecnologias. Não fico torcendo a favor ou contra nenhum.
            Creio que dessa forma me fiz entender melhor.

            • Sonfav

              Bem, me pareceu de início que você poderia estar se referindo à defesa que eu faço atualmente do carro a combustão… ou melhor, da mais absoluta falta de viabilidade do elétrico no momento. Não torço não.. só analiso os fatos mesmo.

              • Lareiro

                Ah não, não foi exatamente de você que eu quis dizer, fique tranquilo rs. Mas tem gente que realmente faz questão de torcer contra, como aquele pessoal que defende só a Fiat, ou só a VW, ou só GM, ou só Toyota.

    • Ubiratã Muniz Silva

      bom, no Brasil a matriz energética é hidrelétrica, então o impacto em termos de poluição aérea é bem menor do que na China (por exemplo), onde a matriz é termo-elétrica à base de carvão.

      Sobre a viabilidade no Brasil, é relativa. Para quem mora em uma habitação individual (casa) ou em condomínios mais recentes e com “pré-disposição” para instalação de estações de recarga individuais (já é item obrigatório nos novos projetos em várias capitais) é perfeitamente viável.

      Para viagens pequenas (leia-se por exemplo a turma de São Paulo que viaja pro litoral norte no fim de semana) atende bem.

      Mas, para MIM (e boa parte dos consumidores, MESMO aqueles que têm condições financeiras de adquirir um carro de 200 mil reais), realmente não é viável. Infraestrutura de recarga é um problema.

      • Sonfav

        O problema é que a energia hidrelétrica já não atende mais as necessidades… vide as bandeiras amarelas e vermelhas. Então não temos energia para uma frota de carros elétricos.
        É coisa pra depois.

  • Joaquim Grillo

    Na boa quem compra carro acima de 150 mil para mim já é negócio esse ai sério mesmo não acho caro

    • Louis

      Como é um carro de imagem, ainda mais sendo BMW, a manutenção deve ser caríssima.

      • Joaquim Grillo

        cara na boa já trocou kit de amortecedor de um corola?

      • Cláudio Modesto

        A versão anterior não troca a bateria. O carro vai pro lixo.

      • Ubiratã Muniz Silva

        elétrico praticamente não tem o que dar manutenção.

        • Louis

          Ainda tem muito o que dar manutenção, toda a parte da suspensão, freios, direção. Fora que o i3 também tem o motor a combustão.

          • Ubiratã Muniz Silva

            sim…

            – mas vamos pensar: freios: um híbrido/elétrico gasta menos freio que um carro normal, pois o sistema regenerativo é o principal atuante na frenagem; há relatos de Prius táxi em SP cujas pastilhas de freio duraram CENTO E SESSENTA MIL QUILÔMETROS. (vi essa informação no site “reparação automotiva”)
            – suspensão e direção, o mesmo que qualquer carro. amortecedor vai pra mais de 100 mil km fácil, hoje em dia não vale mais aquela regra dos anos 80 de “trocar amortecedor a cada 30 mil km”. Eu mesmo só troquei amortecedor de dois carros que tive (um por alta quilometragem, e outro por conta de danos causados por buraco), os outros nunca precisei mexer com isso.
            – o motor a combustão usado para recarga de baterias tem um ciclo de uso bem baixo, diferentemente de em um veículo exclusivamente a combustão, logo os intervalos de manutenção costumam ser “ampliados” (ou troca-se por tempo, no caso um ano), e mesmo que fosse o intervalo normal de 10 mil km, trata-se de um motor pequeno, de 650cc, que usa bem menos óleo e líquido de arrefecimento que um motor comum de automóvel.

            O kit de correias é reduzido: como a direção é elétrica, não tem correia da DH. como o motor é elétrico, não tem correia dentada/corrente de comando. A única correia que resta é a do compressor do ar condicionado. Não tem velas para trocar (exceto uma ou duas – não lembro se esse é monocilíndrico ou bicilíndrico – do motor “gerador”) que pelo próprio ciclo de funcionamento terão uma durabilidade bem maior.

            A própria BMW recomenda que o ciclo de manutenção do carro seja feito a cada DOIS anos, sem especificar quilometragem, tanto para o modelo BEV (sem motor-gerador) quanto o REX. Uma troca geral de fluidos (fluido de freio, óleo sintético + filtro e líquido de arrefecimento do motor 650) a cada dois anos não é tanta coisa assim.

            Não adianta, a manutenção preventiva de um veículo elétrico é BEM mais barata que a de um similar a combustão. Agora se justifica a diferença de preço, aí é outra história. Esse carro aí só vai ter manutenção “cara” porque é BMW (como teria manutenção cara qualquer BMW com manutenção feita na concessionária), mas muito provavelmente será BEM mais barata que de qualquer outro BMW de 200 mil reais.

          • FrankTesl

            Mas o motor à combustão é um gerador, não é tracionário, então roda em ciclo ótimo, não está ligado à caixa de câmbio que não existe etc etc

            • th!nk.t4nk

              Lembrando que o i3 “real” nao tem motor à combustao. Ele é 100% elétrico. Esse que vai pro Brasil é uma versao bem específica, feita pras Américas, e responde só por uma fatia bem pequena das vendas. Essa versao bizarra até chegou a ser oferecida na Europa, mas poucos se interessaram.

    • Sonfav

      Você considerou o prazo de garantia da bateria, e o custo dela em caso de troca, quando achou um negócio viável?

      • Joaquim Grillo

        se considerar economizar 10 mil reais por ano de combustivel acredito que tá no lucro, as fábricas e concessionárias tem planos de substituição que paga mensal um exemplo o prius da toyota custa de 10 a 20 mil acredito que não tá muito longe do BMW

        • Ubiratã Muniz Silva

          devemos lembrar que hoje o preço declarado pela Toyota pra o conjunto de baterias do Prius é de 10 mil reais. Quando começaram a importar, era BEM mais caro (quase 40 mil se não me engano). Sinal que o custo de produção das baterias tá caindo.

          Muito provavelmente quando as baterias de um desses (ou de um dos Prius vendidos agora) chegarem ao final da vida útil, serão ainda mais baratas.

          • Joaquim Grillo

            E outra hj não é o fato de economia mas sim poluição ambiental, e outra carro elétrico paga menos impostos, ainda e tem alguns outros benefícios.

            • Ubiratã Muniz Silva

              sim, uma das críticas que as “viúvas da combustão” fazem é que o descarte das baterias é problemático.

              Ocorre que (pelo menos no Prius, é o que a Toyota declara – os Tesla também seguem a mesma idéia) as baterias, quando chegam ao final de sua vida útil, só não são mais adequadas para o sistema híbrido do carro, mas podem muito bem ser reaproveitadas em aplicações estacionárias (por exemplo para armazenamento de energia solar/eólica) e serem usadas por loooooooooooongos períodos.

              Aliás, em que pese não ser uma solução homologada pela Toyota, as baterias do Prius são perfeitamente passíveis de manutenção corretiva. Geralmente quando ocorre uma falha, é em uma das células (que são vendidas individualmente, em desmanches americanos, em torno de 50-100 dólares a peça já testada). O procedimento de troca e equalização da tensão das células não é difícil, é apenas trabalhoso, mas nada que alguém com alguma experiência em eletricidade automotiva não seja capaz de realizar. Digamos que dá mais trabalho tirar o conjunto de baterias do carro e remontá-lo novamente (tem que fazer com a bateria fora do carro) do que fazer o reparo propriamente dito.

              Juro pra vocês, vi vários vídeos no Youtube sobre o assunto e eu considerei como algo que qualquer bom “fuçador” (como eu) é plenamente capaz de fazer na garagem de casa. Só não dá pra fazer isso aqui no Brasil pela indisponibilidade de células avulsas no mercado (e a impossibilidade de importar diretamente por conta das restrições ao transporte de baterias de lítio-íon).

              Claro, a solução “Toyota” é trocar o pack inteiro, mas com certeza o que eles fazem quando pegam a bateria usada à base de troca é “revisar” a bateria (trocar as células defeituosas e aquelas que estão perto de estragar) e revendê-la como “recondicionada” (lá nos EUA é uma das alternativas “oficiais” para troca do pack de baterias do Prius – original nova ou original recondicionada, ambas com garantia da Toyota – menor no caso da recondicionada, é claro). E lá, como há mercado para isso (tem Prius rodando há pelo menos 10 anos lá), há várias empresas especializadas nesse tipo de serviço. Um “recondicionamento” (substituição de células defeituosas e avaliação geral do sistema – o que inclui troca “preventiva” de células que já estejam dando sinal que estão prestes a pifar) de baterias custa em torno de 800 a 1200 dólares por lá, com garantia, em oficinas particulares especializadas em híbridos.

              Ah, outra curiosidade: as baterias dos Ford híbridos (Fusion, Focus e F-150, lá nos EUA) não permitem esse tipo de serviço, pois são blindadas, então só a troca do pack inteiro mesmo.

        • Sonfav

          Acho difícil conseguir economizar tanto dinheiro com a autonomia baixa desses carros.
          O brasileiro não anda tanto assim, na média. E viagens não são o forte desses elétricos no momento.
          A bateria dos elétricos também é muito diferente da bateria dos híbridos.
          Sei lá.. aventure-se quem quiser. A quantidade de carros vendidos fala por si só.

          • Ubiratã Muniz Silva

            depende de onde você mora. Aqui em Brasília (por exemplo) a média de km anual é em torno dos 25-30 mil.

            Você não economiza só no combustível. Economiza também na manutenção, que no caso do i3 (seja o REX vendido no Brasil, seja o BEV – sem motor auxiliar – que não é oferecido aqui) é programada para ser feita uma vez a cada dois anos (e se resume a: troca dos fluidos do motor – no caso do REX – e fluido de freio -REX e BEV, além de checagem do estado das pastilhas de freio). Tem que comparar com carro a combustão de igual valor (outro BMW?) que terá um custo de manutenção bem mais elevado, com revisões a cada 10 mil km, fora o consumo de combustível.

            Ainda acho mais interessante ter um carro desses para uso na cidade e, em caso de viagens EVENTUAIS, aluga-se um carro. Agora, pra quem viaja todo fim de semana, não necessariamente dá. (o pessoal rico de SP que tem casa na Riviera pode muito bem usar um carro desses pra viajar, basta ter uma estação de recarga em cada casa).

            • Sonfav

              É.. mas pra dar 25~30 mkm, a pessoa conta com um carro que a leva em todo lugar.
              Os elétricos andam menos porque tem menos autonomia, e porque passam um tempo recarregando.
              Com certeza dá pra ir em Riviera. Desde que seja antes ou depois do feriado, porque senão vai ficar ali em Mogi mesmo…

              • Ubiratã Muniz Silva

                30 mil km/ano ainda dá menos que 100km/dia. Nesse cenário, uma carga do i3 novo dá para rodar dois dias com folga. A recarga pode ser feita à noite, quando o veículo não está em uso.

                • Sonfav

                  Tem 4 i3 à venda na Webmotors… todos 2015. O mais rodado está com 25 mkm. Tem um com 17mkm, e dois com 10mkm…

                  A turma não deve ter gostado muito.

                  • Ubiratã Muniz Silva

                    ou não gostaram, ou simplesmente estão no perfil de quem compra carro de 200 mil,. que roda pouco e acha que carro de 3 anos já é “velho”, ou mesmo pessoas que simplesmente descobriram que “carro elétrico não é pra elas” .

                    além do que, o fato de ter 4 i3 com km baixa à venda não é indicativo da aceitação do carro pelos compradores. Quantos foram vendidos no Brasil ao todo, uns 40?

                    • Sonfav

                      É.. acho que a quantidade total vendida é o melhor indicativo, sem dúvida

                    • Ubiratã Muniz Silva

                      lembrando sempre que é produto de nicho, e que foram trazidas poucas unidades (todas vendidas).

                    • Sonfav

                      Sim.. um nicho muito nichado.. rsrsrs

          • Rafael Rodrigo

            Poxa, esse i3 já roda quase 500km com carga cheia e os 9 litros de gasolina, tem carro a gasolina que toda até menos que isso…

            • Sonfav

              Essa autonomia é conseguida em condições ideais.. não se esqueça disso. E, quando chegar, precisará tempo e local adequado para recarga… não é tão simples.
              Quem gosta da idéia hoje pode comprar o híbrido.. bem mais barato, econômico também, e com excepcional autonomia, de verdade.

              • Ubiratã Muniz Silva

                sim, é fato, 100% elétrico não é pra “qualquer um”. Para quem realmente não tem como arcar com as dificuldades de infraestrutura de recarga (o que inclusive é o meu caso) um híbrido é mais interessante.

                Agora, se meu condomínio permitisse que eu instalasse uma tomada para recarga (com relógio de medição individualizado) na minha vaga de garagem, eu consideraria facilmente um elétrico.

                Eu quase NUNCA viajo de carro, para essas situações existem a Localiza, a Unidas, a Movida e outras…

  • Gustavo

    O mesmo i3 no imperialista, capitalista horroroso yankee, a U$$ 54,00 mensais no leasing. É de chorar viu…. Pagamos por eles!

    • Sonfav

      Vendem milhares de i3 lá… e nenhum aqui.
      Como que nós estaríamos pagando por eles?

      • Gustavo

        Ué, a U$$ 54,00 mensais, você acha que eles iriam lucrar onde!?
        Obviamente em países como o nosso cobrando R$200.000,00. O que acha?

        • Sonfav

          Acho que a venda de 50 carros a R$ 200.000,00 não geram lucro o suficiente pra pagar os carros lá.
          Não sei quantos venderam, mas fiquei sabendo de um recall de 30.000 unidades.
          Por aí você vê que a conta não fecha. E não teria sentido nenhum, de qualquer forma.

          • Gustavo

            Mas você pode ter certeza que perder dinheiro não vão.
            Provavelmente os que eles vendem lá não tem lucro nem prejuízo… Fica empatado. Já os que vendem aqui é só lucro.
            E esse programa do leasing a U$$54,00 é muito recente. Coincide com a chegada dele aqui agora… Estranho, não?

            • Sonfav

              Estranho é esse modo de pensar.
              O carro custa U$$ 45.000 lá.. tá longe de ser “baratinho”

              • Gustavo

                Você viu? Há de se suspeitar… Acho que eles estão anunciando pra poder popularizar ainda mais o elétrico e desovar estoque. Mas na real, ninguém quer ele por lá. Mas aqui a R$200.000,00, vai vender bem pra deixar fora da garagem pro vizinho ver…

            • Ubiratã Muniz Silva

              Gustavo, existem alguns Estados americanos que têm normas rígidas de emissão de poluentes, como a Califórnia. Uma das exigências é que a “emissão média” dos veículos comercializados pela marca esteja abaixo de um certo patamar, sob pena de que o fabricante não possa vender seus carros lá.

              Prejuízo financeiro em algumas unidades é algo plenamente aceitável para que possam vender no rico estado da Califórnia. É por isso que existem algumas bizarrices no mercado americano como F-150 totalmente elétrica (e híbrida também), e empresas como a Harley-Davidson (que vai lançar sua primeira moto elétrica de linha esse ano) estão investindo na eletrificação de seus modelos. Ninguém quer perder o filão da Califórnia.

              E se não vende tanto carro elétrico nos EUA (exceto, novamente, na Califórnia onde elétricos e híbridos são bem mais aceitos que no resto do País) não é porque “não é bom”, é porque o americano típico não gosta, acha que carro elétrico/híbrido é coisa de “ecochato comunista”. Americano gosta mesmo é de motorzão (de pelo menos seis cilindros, se possível 8) para queimar suco de dinossauro.

              • Gustavo

                Opa Ubiratã!

                Sobre as novas leis em alguns estados, sim. E é por isso que estão fazendo esses leasings com preço baixo, objetivando a renovação da frota para a eletrificação.

                Sobre o prejuízo financeiro, concordo e por isso comentei que onde está tendo prejuízo, em outro lugar está tendo lucro. No caso aqui. Nenhuma empresa entra pra perder em tudo que é lugar só para se “manter” por lá. Concorda?
                E sobre não vender tantos elétricos quanto gostariam, é como comentei também, ninguém quer por lá. Preferem exatamente o que você comentou, os V6,V8 e afins).

                Mas esse lance dos recalls que o Sonfav comentou, estava por fora. Será que estão trazendo as encrencas pra cá?

          • Ubiratã Muniz Silva

            houve dois recalls conhecidos do i3:
            – um específico nos EUA, em virtude de risco de ferimentos graves no motorista CASO ELE NÃO ESTEJA USANDO CINTO DE SEGURANÇA (existem alguns Estados lá em que isso não é obrigatório);
            – outro mundial, referente a uma falha de montagem na tubulação de ventilação do tanque de combustível (ocasionava risco de incêndio), exclusivo dos modelos REX 2014 e 2015.

            ambas operações de baixo custo.

            acho que não se chega a 30 mil i3 vendidos no mundo inteiro.

            • Sonfav

              digite recall i3 usa… 30.542 unidades.

              • Ubiratã Muniz Silva

                é, vendeu mais que eu esperava!

                esse recall aí da notícia é justamente esse que eu falei, sobre o risco de ferimentos em caso de não-uso de cinto de segurança. Como dizia respeito a “compliance” com normas de colisão (onde alguns dos testes da NHTSA são realizados com dummies SEM cinto), foi o motivo da paralisação nas vendas por um tempo. Inclusive, o risco em questão inexiste em caso de uso do cinto, em que a proteção aos ocupantes foi MUITO bem avaliada.

                O outro (mundial) foi inclusive feito nas unidades vendidas no Brasil.

        • Debraido

          Qq andou tomando? Ta assistindo os discursos do Maduro?

          • Gustavo

            Desculpe, esqueci de “desenhar” IRONIC MODE ON no primeiro comentário.

            E sobre a primeira pergunta, água… bastante! Hidrata os rins…
            Sobre a segunda, nem vou comentar… Precisar ser muito alienado para não entender o que acontece.

            • Debraido

              Desculpe, é que não pareceu ironia.

            • Debraido

              Aliás, esse tipo de ironia anda bastante perigosa. kkk
              Tem muita gente que realmente enxerga o mercado da forma que você colocou.

              • Gustavo

                Concordo!

  • julio

    Show!!! E ainda fica livre dos impactos das greves de caminhoneiros, petroleiros, etc.. e preço exorbitante da gasolina. É o futuro!

    • Piston head

      Se olhar o que aconteceu, nem assim está livre de ser alvejado por uma minoria retardada da cabeça que alvejou até carro de passeio com criança de colo dentro.

  • Paulino Lino

    Sem dúvida uma excelente opção pra classe média alta fugir das filas dos postos de combustíveis e ainda deixar as visitas de boca aberta com o seu Novo BMW ecológico! Um belo carro e com ctz teria um se tivesse os 200k pra investir num segundo ou terceiro carro da família.

    • Cláudio Modesto

      Investir não, torrar.

    • Gustavo

      Queria estar nessa classe média que investe R$200.000,00 em carro. ;(

      • Paulino Lino

        Média alta né.

    • Lareiro

      Belo carro é… por que todo elétrico tem que ser feio?

      • Paulino Lino

        Aí nesse caso a beleza é questão de gosto. O que pra você parece feio, pra mim pode parecer bonito. Mas democraticamente respeito sua opinião.

  • FrankTesl

    Alguém se lembra dos nada saudosos tempos de reserva de mercado de informática nos anos 80, quando quem precisava de um PC atualizado e bem equipado a um preço justo tinha que recorrer aos “executivos da Ponte da Amizade” para comprar equipamentos de informática, pois no Brasil não só vigoravam impostos de importação esdrúxulos, mas também ERA PROIBIDO comprar computadores que não fossem os Cobras ou Prológicas, caríssimas peças de obsolência, com os cumprimentos da “defesa da indústria e da çoberania nassionau”???

    Hoje em dia os “micros” (que nem são micros, são desktops all in one ou notebooks) podem ser comprados até nas casas Bahia, isso se a pessoa não preferir tablets ou smartphones…

    Esperemos que as tais medidas para IGUALAR o IPI do carro elétrico ao flex 1.0 não sejam soterradas novamente pela costumeira letargia brazuqueira à favor do atraso.

    Pois senão, a alternativa restante será recorrer à nova geração de executivos de fronteira, para trazer kits conversão para carros elétricos.

    Pelo menos há indústrias nacionais de motores elétricos que podem ser comprados aqui mesmo . Os executivos de fronteira teriam que trazer apenar equipamentos como kits baterias, controladores etc. Tomara que elas fiquem mais leves, para atravessarem mais facilmente.

    • durango

      O que o Brasil faz d melhor é taxar a renda e a propriedade.
      Não sonharei com impossibilidades!

    • Louis

      Me lembro bem, meu primeiro computador (eu era adolescente) foi montado com peças trazidas do Paraguay.
      Já tem alguns aventureiros convertendo carro normal em elétrico por aqui, mas não deve ser tão eficiente.
      Sobre indústria de motor elétrico, tem a WEG, uma empresa que promete muito, inclusive estou de olho nas ações dela, só estou achando meio caras.

  • durango

    Algo para não se comprar, apenas para dizer que tem a venda!
    Coisa de Cubano

  • Fanjos

    Esse é aquele carro que vc compra quando já tem mais uns 4 ou 5 outros carros todos acima de 200k na garagem

  • Júnior Nascimento

    NA, com uma eventual – e improvável – aprovação próxima do Rota 2030, o valor de 200k cairia para quanto, aproximadamente?

    • FrankTesl

      Fazendo contas de padaria, se a igualdade de IPI for efetivamente implantada conforme vinha sendo prometido desde o começo do ano, de 25% para 7%, seria 18% a menos, cerca de R$36mil de redução. Ou seja, o preço final poderia ser de R$164mil. Isso se o dólar não se descontrolar.
      Mas é uma conta simplificada. Tem que ver o reflexo da redução do IPI na base de cálculo dos outros impostos.
      Pelo menos o imposto de importação I.I. é isento (espero que não tirem isso), mas ainda restam ICMS, PIS-Cofins.
      E também o IPVA anual.
      Em SP, o IPVA para elétricos puros é de 3%, e para carros que usem gasolina, inclusive flex, 4%.
      O i3 tem motorização tracionária puramente elétrica, e também um gerador auxiliar movido a gasolina,que não é ligado às rodas.
      Será que para a legislação paulista de IPVA esse gerador auxiliar de gasolina faria o veículo ser enquadrado na alíquota de 4%?

  • Fernando

    NA podia ter colocado o valor desse carro em dólar ou euro, e comparado a versão anterior com essa. digo isso simplesmente pq a ideia da bmw era utilizar mais aço e menos fibra de carbono na versão mais nova, justamente com o objetivo de baratear esse veículo. porém aqui chegou mais caro. seria interessante saber se só aqui chegou mais caro ou realmente sofreu aumento nos outros mercados também!

    • Dod

      Na Alemanha o i3 vai de 37.550€ a 45.760€, sem opcionais.

  • Ubiratã Muniz Silva

    360km de autonomia e mais 140 do Range Extender (se entendi corretamente), já torna o carro bem “usável”. Pena o aumento de preço, mas temos que lembrar que a cotação do dólar subiu bastante nos últimos 2 anos.

  • Leonel

    Me parece bem elevado este valor. Por ventura não houve diminuição nos impostos e etc que poderiam beneficiar este i3?
    Ou é simplesmente “olho gordo” por parte da BMW?

    De qualquer modo, é um belo carro para o uso diário nos grandes centros, sem dúvidas!

    • Ubiratã Muniz Silva

      ele custa 45000 euros na Europa. pela cotação de hoje, R$ 196.650,00 fora o VAT que é cobrado por fora.

  • Leonardo azevedo

    Sou mais o design do Reanult Zoe do que esse i3… uma pena não terem aberto o mercado para ele

  • F30FLORIPA

    A autonomia é 360 km + 134 km quando tiver o pequeno motor a gasolina, ou nesses 360 km já estão inclusos os 134 km ?

    • Ubiratã Muniz Silva

      também fiquei com essa dúvida. para todos os fins tô pensando na primeira hipótese.

  • Schack Bauer

    Espero que a GM NÃO faça como a BMW e traga o Bolt a um preço mais condizente com nossa realidade.

    • MarcioMaster

      Problema é que o Bolt é um produto superior ao BMW, porem a GM é menos agressiva nos preços, mas sem acordo comercial e com o dolar subindo cada vez mais, acredito em um preço proximo ou se montarem o carro por aqui, seria outra estoria.

  • Samluzbh

    Continua feio e mais caro!

  • Alvaro Mendes

    UP da BMW, carro de riquinhos que querem se mostrar “consciência ambiental”…
    Em breve no estacionamento de um Shopping perto de você…

  • Para ser elétrico o carro precisa ser necessariamente feio? Me expliquem essa tendência por favor.

  • Marcus Vinicius

    BMW e Nissan devem destacar seus novos carros elétricos, diante da crise dos Combustíveis mostrando eles como alternativas para o consumidor brasileiro !

  • afonso200

    o interior com aqueles plasticos reciclaveis nas portas me da NOJO

  • matheus

    Recentemente cruzei com um aqui na cidade e o bixinho é muito mais elegante visto pessoalmente. Desde que comprei meu carro 0km no final de 2013 eu já gastei em torno de 15 mil reais com combustível (50% do valor do carro), fora manutenções que com certeza no i3 elas seriam muito menos frequentes. Bela economia.

  • Wagner Lopes

    Vi um ao vivo e achei terrivelmente feio. Nesta encarnação agradeço de coração!

  • Luccas Stringger

    Parece um buggy.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email