_Destaque _Featured Avaliações Fiat Hatches

Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-1 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

O Fiat Mobi Drive GSR é o carro com câmbio automatizado mais barato do mercado. Básico, sai por R$ 44.780. Completo, chega a R$ 49.920. Esse último valor é o da versão avaliada pelo NA, mas sentimos que não é um preço compatível com o que o carro entrega, apesar da boa disposição deste em oferecer uma condução melhor que outros automatizados. Digamos, até animadora.



Pequeno por fora – e também por dentro – o Fiat Mobi Drive GSR ganha vida com o motor 1.0 Firefly e o novo automatizado GSR-Comfort, que gosta de trabalhar com o pequeno três cilindros de seis válvulas. O peso geral do carrinho poderia ser menor, mas ainda assim, o conjunto se mostra adequado.

De janeiro a maio, o Mobi vendeu 19.056 unidades, ficando em nono no ranking dos automóveis em 2017. O principal rival, o up!, emplacou 15.009 exemplares no mesmo período, ficando em 15º no geral. Com vendas em alta, o pequenino da Fiat mostra que tamanho não é documento quando o assunto é emplacamento, e sim que preço é documento.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-4 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Por fora….

No visual, nada diferente entre as versões Drive com ou sem o GSR. O Fiat Mobi é um subcompacto, mas não no melhor estilo kei car. Seu capô é longo demais e o habitáculo pequeno. Ele também não é alto e nem muito largo, encapsulando os ocupantes.

No Uno, que segue a mesma tendência de teto baixo, pelo menos a área envidraçada é baixa, diferente do Mobi, cuja linha de cintura é alta. O conjunto ótico “olhudo” tenta passar uma impressão de tamanho que não é real.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-6 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Atrás, as lanternas envolventes são grandes e tentam valorizar a pequena área. A tampa de vidro, porém, mostra que este Fiat tem um apelo bem urbano e sem pretensões familiares. Seu projeto, no geral, não parece ter sido focado nas pessoas e isso é facilmente notado por fora.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-24 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Por dentro….

Assim, por dentro, o Fiat Mobi confirma o que se vê do lado externo, especialmente para quem vai atrás. Muito apertado. Para compensar, o pequeno vem com um painel estiloso. Se não agrada a alguém, pelo menos não é igual aos demais, exceto pela semelhança com o Uno.

Ele tem texturas interessantes e exclusivas, assim como o irmão maior. Para o tamanho do Mobi, seu volante multifuncional é enorme, mas muito leve, graças à direção elétrica. Detalhes em preto brilhante ajudam. O quadro de instrumentos vem com o essencial, mas sem ser pobre. O display do computador de bordo ajuda muito nessa impressão.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-28 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

O rádio Connect domina a área central mas, para quem já viu e experimentou o Live On, esse sistema de áudio parece antiquado, embora tenha USB, auxiliar e Bluetooth como conexões. O conjunto frontal, apesar do desenho, é deslocado para a direita, mas isso é em virtude da instrumentação. Entre os bancos, a base em preto brilhante do GSR com seus botões para D, N, R, A/M e S.

Os bancos têm padronagem interessante, sendo o traseiro obrigatoriamente bipartido, já que o minúsculo porta-malas tem somente 215 litros, com uma boa parte dentro de uma caixa móvel, a Cargo Box. Faltam cinto de três pontos e apoio de cabeça para o quinto passageiro, que realmente nem deveria ter sua vaga reservada, dado o pouco espaço.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-22 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

No teto, console com espelho convexo e porta-carteira ajuda a ocupar mais do volume interno. Faltam porta-copos de verdade, pois os espaços existentes são inadequados. Com trio elétrico, o Fiat Mobi Drive GSR só tem acionamento dos vidros dianteiros. Outro item que nos chama a atenção é o alarme, que apresenta falhas no painel por várias vezes, mas não reluta em disparar estridentemente a cada fechamento ou abertura das portas.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-11 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Por ruas e estradas….

Com posição de dirigir limitada – já que o espaço na frente para uma pessoa de estatura alta necessita de um bom recuo no banco, matando as pernas de quem vai atrás – o Fiat Mobi Drive GSR pelo menos não morre quando o assunto é desempenho.

Não é o melhor dos mundos, mas também não é o pior. Com o GSR, no entanto, ele chama a atenção por certa esperteza. O motor Firefly 1.0 de 72/77 cv a 6.250 rpm e 10,4/10,9 kgfm a 3.250 rpm (gasolina/etanol), com seus três cilindros e seis válvulas, é bem ágil. Ele vibra um pouco em marcha lenta, mas é suave nas respostas.

Oferecendo um bom torque – para um 1.0 – em baixa rotação, o Firefly 1.0 move o Mobi Drive com disposição, mesmo com um automatizado a bordo, tentando estragar a brincadeira. Quase sem limite, o propulsor chega facilmente até a zona vermelha. Seu ronco é mais vigoroso que do antigo Fire, assim como as retomadas.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-43 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Para aproveitar esse bom motorzinho, é necessário primeiro aprender como o GSR-Comfort age com ele. Como nos carros de passado recente, onde não havia conta-giros, o condutor precisa aliviar o pé nas trocas, mas com pouca convivência já dá para fazer no “tempo certo”. Nem precisa observar a rotação, geralmente na casa dos 2.500 rpm para uma condução normal.

Na estrada, essa transição de marchas é bem menos sofrível, mas na cidade, o delay entre as trocas permanece lá, mais tênue que no antigo Dualogic e sem comparação com o I-Motion da VW. As respostas nas trocas, reduções e retenções de marcha para retomadas são boas para um automatizado. Rodando a 110 km/h, ele marca 3.100 rpm. Nada mal.

Se essa dança de pé com delay não agradar, basta intervir com os paddle shits no volante. Mas, eles também não deixam fazer muito mais, exceto se o modo Manual estiver ativado. Ainda assim, ele faz as reduções para quem esquecer disso. Afundar o pé também não é boa ideia, pois o atraso na mudança é maior. Até aí, o foco do GSR-Comfort é o conforto mesmo e a economia, com indicador acusando mudanças necessárias para maior eficiência.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-32 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

A coisa muda de figura quando se aperta o modo Sport. Ele funciona nos dois modos (A/M) e segura bem as marchas, explorando mais do Firefly 1.0. Essa atuação, ao contrário de boa parte dos carros, não age apenas no câmbio, mas também no motor. E é aí que reside uma surpresa boa: O Mobi GSR tem disposição animadora para quem pensa em um 1.0 automatizado.

Não é nada espetacular em comparação com um 1.5 ou 1.6, mas dá para andar até mais que um 1.3, sem dúvida. O carrinho fica bem esperto e com giro lá em cima. Esse gás a mais dá ao Fiat Mobi Drive GSR uma condução que, em certos momentos, supera suas condições de dirigibilidade. O mesmo pode ser notado na versão manual.

Sua direção elétrica é bem leve e nem precisa do modo City, que a deixa como manteiga no pão quente. Para o porte do Fiat Mobi, dá e sobra. Parece que a Fiat caiu na real sobre essa função, retirando-a do Argo. Os freios são apenas suficientes.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-30 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Falando em parar, o modo de aceleração do GSR-Comfort em aclive é bem tênue e muitas vezes é necessário manter o pé no freio. Nas manobras de rua, a mesma coisa, a fim de evitar que o carro vá para frente ou para trás, colidindo com outro carro ou obstáculos.

O freio de estacionamento deve ser usado com mais frequência que num carro manual, pois não há como modular a embreagem automática. Uma alternativa é fazer um punta-tacco (acelerar e frear ao mesmo tempo) rapidamente. Um assistente de partida em rampa e declive resolveria o problema, mas estamos falando de um carro de entrada.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-5 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Já a suspensão é bem macia e ajuda na absorção da buraqueira de nossas ruas. Na estabilidade, ele carece um pouco mais de firmeza, merecendo atenção em curvas mais fechadas. A sensação de segurança é limitada por conta de seu tamanho e ajustes, apresentando dirigibilidade mediana. O nível de ruído, no entanto, é condizente com a categoria.

Com esse conjunto, o Fiat Mobi Drive GSR fez uma média de consumo interessante com etanol, sendo 11,2 km/litro na cidade e 13,4 km/litro na estrada. Não deu para aferir com gasolina, mas certamente os números seriam bem melhores.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-2 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Por você….

O Fiat Mobi Drive GSR tem muitas limitações, a começar pelo espaço. Mas, o preço também não ajuda. Mesmo com dois pacotes (o Live On substitui um deles), o modelo alcança altos R$ 49.920, algo muito próximo dos R$ 50.668 do move up! I-Motion, dos R$ 50.990 do Toyota Etios X 1.3 AT4 e dos R$ 51.990 do Kia Picanto 1.0 AT4.

Com exceção do VW, que já apresenta um espaço interno melhor, os demais são automáticos puros, sendo que o coreano é o bem mais equipado de todos. De qualquer forma, o Mobi tem a marca Fiat – bastante popular – como garantia de uma rede mais ampla para revisões, que até 60.000 km, exigem R$ 2.840.

O pacote de equipamentos do Fiat Mobi Drive GSR é razoável, tendo ainda faróis de neblina, sensor de estacionamento, rodas de liga leve aro 14, ar-condicionado, espelho retrovisor direito com tilt down, coluna de direção regulável em altura, abertura interna de porta-malas e tanque, entre outros.

fiat-mobi-drive-gsr-avaliação-NA-7 Avaliação: Fiat Mobi GSR tem respostas animadoras mas espaço e conforto são incompatíveis

Então, por conta do preço e do espaço limitado, o Fiat Mobi Drive GSR não é tão atraente quanto a concorrência, exceto básico, é claro. Se custasse pouco acima de R$ 45 mil quando completo, ele não teria rivais. O Etios X tem mais espaço, porta-malas, dirigibilidade, câmbio – apesar de quatro marchas – e logicamente, motor.

O move up! Tem um arranjo melhor e um motor forte, mas seu automatizado ainda é das antigas. Já o Kia Picanto tem muito mais que o Mobi, inclusive motor, mas igualmente carece de porta-malas. Precisa de automatizado e completinho? Então gaste mais um pouco e parta para um automático de verdade.

Medidas e números….

Ficha Técnica do Fiat Mobi Drive GSR 2018

Motor/Transmissão

Número de cilindros – 3 em linha, flex

Cilindrada – 999 cm³

Potência – 72/77 cv a 6.250 rpm (gasolina/etanol)

Torque – 10,4/10,9 kgfm a 3.250 rpm (gasolina/etanol)

Transmissão – Automatizado com cinco marchas e trocas manuais no volante

Desempenho

Aceleração de 0 a 100 km/h – 164 km/h (etanol)

Velocidade máxima – 13,9 segundos (etanol)

Rotação a 110 km/h – 3.100 rpm

Consumo urbano – 11,2 km/litro (etanol)

Consumo rodoviário – 13,4 km/litro (etanol)

Suspensão/Direção

Dianteira – McPherson/Traseira – Eixo de torção

Elétrica

Freios

Discos dianteiros e tambores traseiros com ABS e EDB

Rodas/Pneus

Liga leve aro 14 com pneus 175/65 R14

Dimensões/Pesos/Capacidades

Comprimento – 3.566 mm

Largura – 1.633 mm (sem retrovisores)

Altura – 1.501 mm

Entre eixos – 2.305 mm

Peso em ordem de marcha – 965 kg

Tanque – 47 litros

Porta-malas – 215 litros

Preço: R$ 44.780 (básico) – R$ 49.920 (versão avaliada)

Fiat Mobi Drive GSR 2018 – Galeria de fotos

Leia avaliações, notícias sobre carros e compare modelos em NoticiasAutomotivas.com.br.

4.0

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend