Avaliações Fiat Pickups

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

A Fiat Chrysler tem um bom portfólio de picapes, mais por conta da RAM, contudo, aqui no Brasil temos a Toro, que conquistou seu espaço e virou referência.


Ainda assim, a FCA não dispõe de uma picape média de chassi de longarinas, um produto mais tradicionalista, onde os clientes rurais são mais fiéis.

De qualquer forma, a Toro quer um pouco disso e de carro de passeio, então, com visual incrementado e leve influência americana, apresenta a Ranch como um bom meio-termo em picape diesel e SUV.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Obrigatoriamente com motor 2.0 diesel de 170 cavalos e câmbio de 9 marchas, não poderia deixar de ser 4×4 e ainda oferece conteúdo condizente com a proposta.

Preço? Aí é que está o “x” da questão, fica em R$ 165.990 na Ranch, que fica em faixa das irmãzonas old school e ainda nem é a mais cara da gama. Vale?

Por fora…

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Em estilo, a Toro vem agradando desde seu lançamento em 2016. Na Ranch, a marca italiana focou em personalização mais elaborada, visando mais luxo que visual.

Mesmo com alguns acessórios Mopar de série, como engate para reboque e estribos laterais, a Toro Ranch ainda parece um carro leve, tendo santantônio exclusivo e belas rodas aro 18.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Também chama atenção pelo cromado dos retrovisores e maçanetas, assim como por mais frisos brilhantes na base e detalhes em preto.

A Toro Ranch destaca ainda mais seu conjunto ótico com luzes diurnas em LED, assim como suas lanternas devidamente iluminadas por feixes de luz.

Por dentro…

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

No interior, a Toro Ranch mantém a preocupação em agradar com a mescla de preto e marrom, principalmente no bom acabamento dos bancos em couro com costuras exclusivas.

Apliques em bronze no volante, difusores de ar e moldura da multimídia também agradam. Por seu nome “Ranch” e orientação “americana”, a Toro que não é a top de linha traz mais.

O banco do motorista, por exemplo, tem ajustes elétricos, inclusive lombar. O mesmo acabamento dos assentos também é reproduzido nas portas, mas apenas nas dianteiras.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Assim como vários modelos de carros vendidos no mercado, a Toro Ranch também peca e tirar o foco dos passageiros que vão atrás, eliminando o revestimento das portas.

Pelo menos o banco traseiro vem com apoio de braço central com porta-copos retrátil. Na frente, o apoio também é em couro.

Faltando atenção nas portas de trás, não se esqueceram de adicionar uma soleira cromado com um touro do rancho em alto revelo.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Um badge vistoso no console inferior do painel, também não deixa esquecer-se de qual versão estamos falando. O mesmo se apresenta também nas portas, mas do lado de fora.

O volante de boa empunhadura tem couro costurado e todos os comandos agregados, incluindo paddle shifts.

Já o cluster analógico é vistoso e seu display de 7 polegadas tem boa apresentação. No caso da multimídia, ela é da última geração que a FCA dispõe em seus carros por aqui.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Intuitiva, traz em sua tela de 7 polegadas um navegador GPS para aquelas áreas sem cobertura de internet do celular, que se aproveita bem dos sistemas Android Auto e Car Play.

Para conectá-los, uma única porta USB na frente, sendo que existe ainda outra atrás. É pouco, mas pelo menos existem duas fontes de 12V no habitáculo para adaptadores.

A Uconnect adiciona ainda câmera de ré, que ajuda bem nas manobras. É um sistema de entretenimento que não surpreende, mas também não faz feio. Tem o necessário para o dia a dia.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Com ar condicionado dual zone, mais que suficiente, a Toro Ranch vem devidamente equipada com seletor de tração, além da alavanca de câmbio em couro, tal como a do freio de mão.

Para sua proposta, a Toro Ranch bem que poderia oferecer um teto solar elétrico (existiu, mas quase ninguém viu…) e saídas de ar para o banco traseiro.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Tendo colunas e teto pretos, a Ranch vem ainda com retrovisor eletrocrômico, espelhos iluminados nos para-sóis e retrovisores com rebatimento automático e tilt down.

Apresentando um porta-luvas pequeno, a picape da Fiat tem espaço razoável para objetos no interior, incluindo sob o assento do passageiro da frente.

Para quem vai atrás, o espaço para as pernas, não é dos melhores, mas atende.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Mesmo nesse ambiente, que parece (e realmente é) menor que das picapes médias maiores, a Toro Ranch ainda consegue oferecer conforto para quatro pessoas em viagem longa.

Na caçamba, seus 820 litros são suficientes para pretensões pouco rurais, vindo com proteção no piso e laterais, assim como capota marítima, que não retém 100% da água.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Aliás, nem a Ultra com seu “porta-malas” de fibra não é estanque. Então, ao viajar com a Ranch, é importante ter um baú fechado, preso dentro do compartimento de carga.

A dupla abertura da tampa é bem conveniente também.  Já o reboque de série, vem com a bola de engate guardada sob o banco do motorista.

Por ruas e estradas…

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

A Fiat Toro Ranch é uma picape com desempenho mediano, mas o melhor que o modelo possui, afinal, o 1.8 é manco e o 2.4 bebe demais.

Então, outro meio-termo se aplica bem aqui. O propulsor diesel 2.0 Multijet II é um motor de carro de passeio, mas isso não significa que faça feio, pelo contrário.

Como na VW Amarok, a origem do motor não afeta seu desempenho, sendo que os 170 cavalos a 3.750 rpm e 35,7 kgfm a 1.750 rpm, nos faz esquecer rapidamente dos 1.8 e 2.4.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Ainda que o peso do conjunto deponha contra e se perceba giros altos para buscar mais força, o Multijet II 2.0 ainda é a melhor escolha que a FCA tem para a Toro, sem elevar seu preço.

Equipado com câmbio automático ZF 9HP de nove marchas, com direito a “tranquinho” para parecer mais picape (no Jeep Compass, por exemplo, é mais suave), ela deslancha bem.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Nas saídas, a Toro Ranch é ágil e dá ao condutor uma resposta agradável. Na estrada, a oferta de força se renova com ultrapassagens sem pedir água.

Subidas íngremes ainda requerem reduções automáticas, visto que são nove marchas e muitas delas são curtas. A busca é sempre manter um regime na casa de 2.000 rpm.

Não faz feio se exigir mais força dela, mas isso significará rotações na casa dos 4.000 rpm e um consumo maior de diesel.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Chamando no manual, tanto pela alavanca quanto pelas borboletas, dá para andar com mais desenvoltura e sem elevar o tom.

Rodando a 110 km/h, o ponteiro marca bons 1.600 rpm, o que agrada pelo nível de ruído e disposição para beber menos. Nisso, fizemos em uma viagem longa 13,2 km/l de média.

Com caçamba cheia e quatro pessoas (na ida foram três), a média caiu para 13 km/l, pouca coisa de alteração, apesar de a carga ser mais volumosa que pesada.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

No piloto automático, a Toro Ranch dá um bom descanso para as pernas e mesmo com mais de 800 km num trecho direto, com inúmeras paradas de pedágio e almoço, ela agradou.

Rodando na cidade, a picape é bem confortável e apta a enfrentar nossa buraqueira. Com consumo mais alto que esperávamos (8,5 km/l), ela roda com desenvoltura.

O desempenho no anda-e-para é bom, mas as rodas aro 18 com pneus 225/60 e uma frente mais “sentada” deixam-na mais firme do que o esperado por alguns, reproduzindo mais o que passa por baixo.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Na estrada, essa característica é boa, já que a picape fica mais na mão, sem oscilações laterais e melhor para fazer curvas fechadas.

Com direção elétrica bem ajustada, ela fica boa para rodar no asfalto e até mesmo em terra, porém, com ressalvas, já que a altura baixa na frente faz o protetor raspar facilmente.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Parece estranho em uma picape, algo que geralmente vemos em automóveis de passeio, mas até alguns ditos SUVs acabam fazendo o mesmo.

Então, no fora de estrada, cautela com a Toro Ranch em valas profundas ou depressões que, a princípio, parecem fáceis para uma picape.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Acionando o 4×4 permanente, ela sai facilmente de qualquer situação ruim na forma de lama ou barro, tendo ainda a reduzida para quando a coisa fica um pouco mais interessante.

Devido a seu peso e capacidade de carga (uma tonelada por lei), a Toro Ranch tem freios traseiros com tambores bem avantajados, mas que param bem a picape.

Sua suspensão independente na traseira ajuda muito na dirigibilidade, eliminando a tendência de sair de traseira, comuns às irmãs maiores (exceto Frontier).

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Oferecendo um pacote com o necessário em segurança, ela traz controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa e o útil controle de descida.

Mesmo sendo uma picape cabine dupla, diesel e 4×4, a Ranch tem um desempenho mais para quem vive na cidade e eventualmente vai ao sítio ou rancho, como na região do MS, onde fomos com esta Toro.

Por você…

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Depois de rodarmos mais de 1.800 km com a Toro Ranch, confirmamos que o já sabíamos: a melhor opção da picape da Fiat é mesmo com motor diesel.

Ela é forte o suficiente para pretensões menos rurais, é econômica e ainda tem um desempenho geral que não decepciona quem procura um carro para uso misto.

Avaliação: Fiat Toro Ranch é um bom meio-termo em picape diesel

Apesar de mais dedicada ao asfalto, ela enfrenta bem o duro chão batido do Brasil e mesmo locais onde os carros comuns não se atrevem a ir.

Com um conjunto de visual e conteúdo bom, a Toro Ranch é um vislumbre positivo do que a marca poderia oferecer acima dela. Enquanto isso não acontece, ela faz o que pode, e bem.

Medidas e números…

Ficha Técnica da Fiat Toro Ranch 2.0 Diesel 2020

Motor/Transmissão

Número de cilindros – 4 em linha, turbo

Cilindrada – 1.956 cm³

Potência – 170 cv a 3.750 rpm (diesel)

Torque – 35,7 kgfm a 1.750 rpm (diesel)

Transmissão – Automática de 9 marchas com mudanças na alavanca e volante

Desempenho

Aceleração de 0 a 100 km/h – 10 segundos

Velocidade máxima – 188 km/h

Rotação a 110 km/h – 1.600 rpm

Consumo urbano – 8,5 km/l

Consumo rodoviário – 13,2 km/l

Suspensão/Direção

Dianteira – McPherson/Traseira – Multibraço

Elétrica

Freios

Discos dianteiros e tambores traseiros com ABS e EDB

Rodas/Pneus

Liga leve aro 18 com pneus 225/60 R18

Dimensões/Pesos/Capacidades

Comprimento – 4.915 mm

Largura – 1.844 mm (sem retrovisores)

Altura – 1.735 mm

Entre eixos – 2.990 mm

Peso em ordem de marcha – 1.871 kg

Tanque – 60 litros

Caçamba – 820 litros

Capacidade de carga – 1.000 kg

Preço: R$ 165.990

Fiat Toro Ranch 2020 – Galeria de fotos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Indy Magalhães

    Muito exacerbada essa precificação da Fiat. Por menos, dá para comprar coisa muito melhor como o Ranger Storm, Amarok e outras.

    • 1 Raul

      Sem contar que o fato de alagar a caçamba é bizarro. Meu sogro tem uma, e quando vem do interior de SP pra grande SP tem que colocar as malas dentro de sacos!

      • João

        Mas isso é característica de picape.
        O problema é comprar Toro e esperar que a caçamba seja o porta malas de um sedan..

    • F30FLORIPA

      Quase 78% das vendas do Toro são diretas, ou seja, o valor de tabela é alto pois a Fiat sabe q na maioria dos casos o carro será faturado com 23% de desconto.
      No caso desta versão testada na matéria, o valor cai para 127 mil

      • radiobrasil

        Nao só Toro como Compass vende MUITO dessa forma né?

        • F30FLORIPA

          Compass é 73% das vendas

  • El Gato!

    13,2 km/l na estrada no diesel? Meu 2.0 TSI gasolina faz melhor que isso!

    • Tibúrcio

      Pôe diesel nele e vê quanto ele faz, e com o 4×4 ligado…

      • Alaor

        + um lastro de uns 300 kg, pra igualar o peso.

        • El Gato!

          Façamos o seguinte… esquece o meu carro. Pega o Fusion AWD. Dos 300 kg de lastro que você falou, diminui para menos de 100. E já inclui o 4×4 que o amigo mencionou ali em cima. Também na gasolina. Este carro (2017) eu tenho na família e conheço bem. Ficou mais igual a comparação? Pois é… este faz 13 km/l na estrada. Fora que é bem mais potente e torcudo que a Toro.

          O meu ponto é: se eu pago a mais para ter um motor diesel, o mínimo que eu espero é uma considerável economia de combustível. Mas este é o meu ponto de vista. Cada um com a sua opinião.

          • radiobrasil

            Até o Fusion 2.5 que eu tive (modelo 2016) fazia fácil 13,2 na estrada. Também procuro a justificativa pro cara comprar um Compass Diesel top de linha, que vai gastar pouca coisa menos no consumo mas leva um pau em desempenho de carros como Equinox, Tiguan com seus excelentes motores 2.0T. Compass custa o mesmo ou quase isso.

    • Eng. Mecânica 2014

      As informações estão erradas, a Fiat diz que faz 9,9 na cidade e 12,3 na estrada. Olhe, eu tenho experiência com caminhonetes e absolutamente NENHUMA chega próximo desses números, principalmente na cidade. Elencando: Desde S10 LTZ 13, Trailblazer 14, SW4 13, HIlux 15, Ranger 17, Dakar 13 etc, todas ficam entre 6,5 e 8 na cidade e por volta dos 10 a 11 e pouco na estrada, andando devagar. Faço um adendo para a Ranger 3.2 2017, que nunca fez mais de 6.5 na cidade e 10 na estrada e para a mais econômica que tive, que foi Amarok High 2013 que fazia 8,8 na cidade e beliscava os 12 na rodovia com aquele ZF8 maravilhoso.
      Então economia de combustível não é exatamente o forte desse segmento no Brasil. Coloque carga e veja esse número despencarem de forma diretamente proporcional.

      • El Gato!

        Sempre imaginei números muito diferentes. Pensava que o segmento de camionetes diesel era uma referência em economia. Pelo visto, estou completamente enganado.
        Obrigado por compartilhar tua experiência e informação.

        • Pablo Henrique

          Referência em economia? Aí vc tá falando de 1.0 3 cilindros.

        • Gustavo Vasconcelos

          Elas são economicas sim! Em relação aos modelos a gasolina. Elas são muito pesadas e no diesel ela se torna “muito” economicas. Agora pegue seu 2.0 TSi e substitua por esse 2.0 da Fiat. Dai vc terá sua resposta.

      • radiobrasil

        Meus 2 ultimos carros NUNCA consegui igualar o consumo urbano mesmo NEM PISANDO no acelerador… Fusion 2.5 flex e Equinox 2.0T. Sempre 1 a 2 km/l a menos do que fabricante, Inmetro… Ja na estrada até consigo MAIS…

      • Paulo Lustosa

        Engraçado… tenho S10 2.8 MWM e já andei com 300kg na caçamba e foi a mesma coisa que nada.

        • Eng. Mecânica 2014

          300 kg dá eu e mais dois ocupantes, não é nada pra um carro a diesel. Eu falo de colocar carga mesmo, com 5 passageiros… O máximo que pus em todas as picapes foi cerca de 700kg de piso cerâmico + 4 pessoas na Ranger 3.2 e ela foi de boa, mas fazendo 6 km/l.

          • Paulo Lustosa

            Tô falando de 300KG de carga na caçamba… estava cinco pessoas a bordo em rodovia e fez exatamente o mesmo consumo. 14 km/l.

            • Eng. Mecânica 2014

              Aham, aí você acordou do sonho.

              • Paulo Lustosa

                Não acordei de sonho feroz, tenho a picape e sei o consumo que ela faz. Querer que tenha queda de consumo em picape que saia com motor de caminhão leve feito pra puxar 5000kg no próprio chassis é coisa que não irá conseguir. Ainda mais quando se trata de uma picape antiga que usa bomba injetora e 132 cv de motor apenas. Coisa diferente da Trailblazer que tive que nunca passou de 11 na rodovia. Andava bem mais, era 200 cv, mas também tem maior consumo. Nem sempre a variável de consumo que tenho onde eu rodo, que é plano a maior parte do tempo, será o mesmo que o seu. Lembre disso.

      • Leonardo Silvano

        Minha Ranger 2.2 manual faz, andando normal, 10 na cidade e 12,5 na estrada, a média de 120km/h, cabine cheia, malas na caçamba. Isso é padrão dela, e vejo relatos semelhantes em fóruns de Ranger.

        • Eng. Mecânica 2014

          Só tenho experiência com a Ranger AT e com motor 3.2. Mas a 2.2 realmente é um ponto fora da curva nesse segmento – mas cobra o preço com o desempenho que deixa a desejar.

          • Leonardo Silvano

            Rapaz, vou te falar, para o meu uso o desempenho está excelente. Não vivo com a caçamba cheia nem viajo a 160 km/h.

    • F30FLORIPA

      Faz assim, pesquisa qual é o consumo divulgado pelo fabricante para o seu 2.0 TSi.

  • Bruno Silva

    Ranger Storm ficou barata perto disso aí.

    • Robinho

      Vim escrever isto…tem que gostar muito da Toro para preferi-la…

    • Junir

      Fora que a Ranger tem 6 airbags, motor mais potente e a Toro Ranch tem somente 2 airbags e não tem nem opcional para mais airbags.

      • Luiz Schuchter

        A ranger é uma camionete bem mais raiz!!

        • radiobrasil

          Toro como alguns dizem, é um Compass com caçamba… em partes, é rsss

      • albq

        Só acrescentando que a ranger tem, atualmente, 7 airbags.

    • Pablo Henrique

      As versões intermediárias da Ranger vêm se mostrando excelentes CxB

  • Robinho

    Respeito os gostos, mas com a Ranger Storm a 150.000, eu nem pensaria na Toro…

    • albq

      Só se for louco mesmo de olhar para a Toro.

  • G. de F.

    Será que o preço de seguro também é igual das “primas” maiores??????

    • albq

      Pelo que saiu na Quatro Rodas do mês passado, sim. Mais caro, inclusive, do que o seguro da Ranger XLS 2.2 (que foi a campeã no comparativo de menor custo de uso, ganhando, obviamente, da Toro também).

    • radiobrasil

      Nunca tive e nao tenho interesse em carros diesel, mas o seguro das pick-ups ainda é exorbitante como ouco ha tempos falar?

      • albq

        Cara, de veículo a diesel, já tive Troller, Pajero Dakar e, atualmente, uma Ranger 2.2. O seguro mais caro que paguei foi o do Troller, isso em 2015~2016, na faixa de 5 mil reais (por ano). Atualmente, na Ranger, pago na faixa de 3.500 reais. Valor pouco acima do que pagava em um Civic G10 há 3 anos.

  • Selsu Brass

    Seria caso de internação compulsória que paga quase 170k nessa estrada vitaminada 4×4……Que não é grande nem pequena….

  • JDeliberador

    Na prática na concessionária certamente esse modelo deve ter R$15.000, de bônus para super avaliar o carro usado do cliente ou dar em desconto mesmo apenas para transmitir o efeito oportunidade imperdível e sensação de bom negócio.

    Sem falar na condição CNPJ/produtor rural que deve enxugar para uns R$140.000,

    conclusão: ninguém vai pagar mais que isso nessa Toro o que a posiciona exatamente onde está no mercado: entre uma Toro de entrada flex e uma pickup média com valores entre R$180.000, e R$200.000,

    Conheço um gerente de concessionária Fiat que me confessou desde a versão de entrada a Fiat libera R$10.000, de margem baseado no preço de tabela do site

    • albq

      Continuando cara. Comprei uma Ranger XLS AT 4×4 por exatos R$ 135.900,00 há pouco mais de um mês. Sem CNPJ, ou modalidade produtor rural.

      • João

        Baita compra, pro meu gosto a melhor do segmento

      • radiobrasil

        Sempre que pesquisei preços de carros, NUNCA consegui preço menor optando por venda direta (produtor rural / cnpj)… A vista $$, sem troca, sempre consegui o menor preço.

  • afonso200

    160mil hehehehe em um Fiat….

    • radiobrasil

      O que mais tem é Fiat “travestido” de Jeep rodando por aí acima dos 100k… Compass rss

  • Mikoyan

    Que imundice esses semi-eixos traseiros e juntas homocinéticas, não tiveram coragem de dar um reles banho de zinco para proteger as peças da ferrugem. Procedimento relativamente simples e já dominado por empresas de fundo de quintal.

  • MonHoe

    Por 173 mil vc leva uma Pick-up de verdade, a L200 Triton Sport HPE, com 7 AB, motor mais forte, mais capacidade off-road, mais resistência.

    • albq

      Exatamente, não tem nem como comparar com “isso”.

      • Luiz Schuchter

        Realmente, sem comparação

    • F30FLORIPA

      Quase 78% das vendas do Toro são diretas, ou seja, o valor de tabela é alto pois a Fiat sabe q na maioria dos casos o carro será faturado com 23% de desconto.
      No caso desta versão testada na matéria, o valor cai para 127 mil.

    • Paulo Lustosa

      Sou mais a Ranger Storm.

  • F30FLORIPA

    Quase 78% das vendas do Toro são diretas, ou seja, o valor de tabela é alto pois a Fiat sabe q na maioria dos casos o carro será faturado com 23% de desconto.
    No caso desta versão testada na matéria, o valor cai para 127 mil.

    • Paulo Lustosa

      Ranger XLS e Storm sai nessa faixa pra mais barato em venda direta, e é uma picape média de verdade e com 7 airbags

      • albq

        Muito superior!

      • F30FLORIPA

        Picapes grande como Ranger, S10, Amarok são melhores para o trabalho pesado, mas para circular na cidade não são praticadas, sequer cabem em alguma garagens, o conforte não se compara ao de um Toro e as versão na mesma faixa de preço são bem menos equipadas do que um Toro como esse mostrado na matéria.

        • Paulo Lustosa

          Discordo. Ranger Storm tá com itens parecidos e com mais itens de segurança pelo mesmo valor e com mecânica muito mais forte e que inclusive aguenta uma reprogramação pesada.

          • Eng. Mecânica 2014

            O motor e a transmissão AT da Ranger 3.2 são muito problemáticos, não passam robustez alguma. Dê uma pesquisada nos fóruns e no reclame aqui e você terá uma surpresa. Vendi a minha XLT 16-17 3.2 há um mês, faltando 1 ano pro término da garantia, porque só se tem Ranger enquanto há garantia – é a primeira coisa que quem tem Ranger deve saber.

            • Paulo Lustosa

              Tive Troller com esse motor, meti 330 cv no miolo com upgrade de turbina e zero problema. E se for pra ter um bom sossego mesmo em diesel, vou pra S10 LT, que pelo menos não atola em lama, consegue rebocar algo que a Toro não consegue.

              • Eng. Mecânica 2014

                Estamos falando da Ranger e não do Troller. A picape na sua versão automática tem problema crônico no conversor de torque, na mangueira de arrefecimento que simplesmente rompe e faz o motor fundir, na válvula EGR, nos bicos injetores etc etc etc, é uma miríade de defeitos! O 3.2 do Troller foi reforçado em alguns aspectos se comparado ao da Ranger, mas não se engane que já já vai pro saco com essa potência aí.

                • Paulo Lustosa

                  Vai pro saco se ficar indo pro pau o tempo todo dando giro demais no motor, coisa que nunca fiz, porque precisei de baixa nas situações em que eu preparei ele sem precisar reduzir marcha. Tá com o segundo dono feliz da vida. Não muda o fato que mesmo preparado pra situação específica ele aguenta. Não é nenhum MWM em termos de robustez, mas não se engane que Fiat Toro por 165k e airbag duplo é mais confiável que a Ranger que é tão problemática quanto. Se quiser diesel sossegado só tem duas opções: S10 ou Hilux.

  • Paulo Lustosa

    165K que não sobe uma rampa direito em estrada de terra, que não reboca 2ton e que se for travessar uma poça de água dá calço hidráulico por ter a entrada de ar muito mal posicionada? Passo… custo x benefício era bem mais interessante quando tinha a diesel manual por menos de R$100k e tração integral.

    • Selsu Brass

      Verdade.

    • radiobrasil

      Toro é como os crossovers, só aparência, mas não enfrentam nada de lama/água. Na verdade Toro tá mais pra um Compass do que pra uma pickup de verdade, com chassi e maior rosbustez.

  • Tiago Vargas

    Acho a matéria não se renovou, vi que as fotos são de três lagoas na beira do rio Paraná no jupiá, e justamente aqui no MS muitos fazendeiros, muitos estão trocando suas caminhonetes por toro diesel, tenho uma foto da garagem do condomínio antes e depois da toro… hoje só da toro aqui, eu tenho e meis amigos mais da metade já tem, isso qd não tem duas ou três, isso sempre diesel, aqui não tem flex

    • Paulo Lustosa

      Das médias com chassis, Ranger, S10 e Amarok V6 são mais espertas.

  • Miguel

    E ainda continua bonita! Olhando de lado a gente percebe como as proporções estão bem distribuidas, bonita de se ver.

  • Luis Burro

    Visto q ela ñ é construída sobre longarinas a posição de sentar no banco traseiro deve ser melhor q nas médias, ou ñ?

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email