Avaliações Fiat Lançamentos Pickups

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

A Fiat Toro não é somente um meio termo entre as picapes leves e as médias, mas um novo estilo de carro para quem quer o conforto de um crossover e a versatilidade de uma picape. A marca italiana a denomina SUP ou Sport Utility Pickup.


A proposta não deixa de ser interessante, ainda mais no momento em que as vendas de utilitários esportivos sobem e os preços das picapes médias também. Claro, se a preferência for por maior robustez e resistência no trabalho, não há como compara-la com uma picape média.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Mas, se aquela picape leve de cabine dupla parece pequena agora, a Fiat Toro surge como uma opção mais interessante, ainda mais se o conforto de um SUV estiver atrelado a um bom acabamento e nível tecnológico mais elevado.


Na versão topo de linha Volcano, a picape feita em Goiana/PE mostra que a escolha será mais emocional. Ela custa R$ 116.500, mas na versão avaliada, os kits Safe, Techno 3 e bancos em couro elevam o valor para R$ 125.710. Para quem gosta, um motor 2.0 diesel associado com uma caixa automática de nove marchas e tração 4×4 chamam a atenção. Vale a pena?

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Por fora…

Visualmente, a Fiat Toro atrai olhares por onde passa. A frente com repetidores de direção e luzes diurnas em LED na posição onde geralmente vão os faróis não é problema, assim como os faróis comuns posicionados mais abaixo. A opinião de quem vê é: muito bonita. Para nós, o conjunto é interessante e destaca o modelo, saindo do lugar comum.

Na traseira, as lanternas de LED de desenho sofisticado agradam bastante. A Fiat poderia repetir isso em outros lançamentos. A tampa de abertura bipartida chama atenção, mas a falta de uma plataforma de acesso como em outras caçambas às vezes é sentida. Nesta versão, a soleira era cromada, dando um toque mais sofisticado.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Volumosa, a Toro Volcano também se destaca pela linha de cintura bem alta, embora com boa área envidraçada. Retrovisores com basculamento elétrico e acabamento preto, tendo ainda repetidores de direção são muito funcionais. O keyless da picape ativa mesmo com a presença do condutor e as maçanetas cromadas possuem sensores de toque, além dos botões de travamento.

A capota marítima (no pacote Techno 3) é muito bem montada, mas protege o ambiente apenas de forma razoável. Afinal, evitar a água é quase impossível, mesmo com dois drenos no acabamento e mais uma galeria no assoalho, que é protegido por acabamento em plástico. O espaço é bom e suficiente para quem não tem grandes pretensões em termos de carga, apesar dos 1.000 kg de capacidade.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

O rack no teto tem belo visual e pode ajudar no transporte de cargas mais longas, que ainda podem ser melhor acondicionadas com um extensor de caçamba, vendido como acessório. A suspensão não é muito alta e as rodas aro 17 com pneus 225/65 R17 parecem menores do que realmente são diante do tamanho do veículo (4,91 m) e de seu entre-eixos (2,99 m).

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Por dentro…

Esqueça qualquer comparação com uma picape de mesma proposta, oferecida no mercado. A Fiat Toro apresenta um nível de acabamento que supera os demais modelos nacionais da marca. O ambiente lembra muitos os Jeep Renegade e Cherokee. Plástico texturizado de boa qualidade, desenho geral moderno, detalhes em tungstênio e acabamento em couro nos assentos e portas (opcional) estão presentes.

O volante multifuncional é o mesmo da marca americana e chama atenção pela profusão de botões, inclusive os de volume e alteração de mídia na parte de trás, logo abaixo dos paddle shifts. Tem boa empunhadura e ajustes de altura e profundidade. O quadro de instrumentos é outro destaque, tendo uma tela TFT com várias funcionalidades, incluindo até um lembrete de boas-vindas para mudança de estação do ano…

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

O ar condicionado dual zone é bem resolvido, assim como os demais comandos, incluindo o de tração (Auto, 4WD e 4WD Low), que à noite possui iluminação em sua base. Depõe contra o pequeno display da multimídia. Além de pequena, tem visual simples demais – até mesmo em relação à do Novo Uno – e conta com navegador sem dados de tráfego. Mas, pelo menos tem câmera de ré integrada. Há duas entradas USB, sendo uma na parte traseira.

O porta-copo único é uma falha, poderiam ser dois. O porta-objetos entre os bancos é pequeno demais, embora tenha refrigeração, assim como o porta-luvas, com volume um pouco melhor. A alavanca de transmissão está em boa posição, assim como o freio de estacionamento, mecânico. Parece exagero, mas a Toro não é tão alta quanto aparenta. Mesmo assim, pessoas com baixa estatura poderão beneficiar-se de alças nas colunas A.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

O banco do motorista tem ajuste de altura elétrico, inclusive lombar, mas falta memória. Os assentos possuem revestimento de boa qualidade e bordados com o nome Toro, mas são mais duros que em algumas picapes médias. O espaço atrás é apenas bom, tendo altura adequada e largura razoável para três. Todos envolvidos por cintos de três pontos e apoios de cabeça individuais. Devemos lembrar que a Toro nessa configuração tem seis airbags, dando maior proteção aos ocupantes.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Por ruas e estradas…

A Fiat Toro Volcano só existe com o famoso (lá na Europa) motor diesel 2.0 Multijet II, que tanto embala os carros da marca quanto de outros fabricantes. Ele entrega 170 cv a 3.750 rpm e 35,7 kgfm a 1.750 rpm. Antes de tudo, ele foi feito para automóveis, assim como aquele 2.0 de uma picape média feita na argentina.

Então, nada de vibrações excessivas ou ruído elevado, presenciado em motores diesel do segmento médio. Como um propulsor da classe, ele responde de maneira mansa, exceto quando se pisa até o fundo. Para quem busca reações mais rápidas, é melhor esperar uma provável 2.4 Tigershark Flex. Mas para as pretensões da Toro, o 2.0 Multijet se mostra adequado.

As rotações até a mudança de marcha (nove no total) ocorrem pouco acima de 2.000 rpm, com a caixa ZF 9HP segurando muito acima dessa rotação, o que é um pouco ruim para quem está acostumado com propulsores maiores. De qualquer forma, quando embalado, a rotação cai para a faixa de 1.600 rpm. É nela que ele se comporta a 110 km/h em nona marcha, que entra apenas indo um pouco mais acima.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Falando nisso, o nível de ruído é moderado, incomodando um pouco quando se exige algo perto de 2.500 rpm. Mesmo com rotação de mudança elevada, o consumo urbano teve boa média de 9,9 km/litro, enquanto no rodoviário, a média ficou em 14,1 km/litro, rodando a 110 km/h. Teoricamente daria para rodar 846 km.

Em relação às trocas de marcha, o ZF 9HP é bastante suave em funcionamento e reduz de forma eficaz. Não há opção Sport. Assim, tirar um pouco mais, só mesmo com mudanças manuais. Mas não se empolgue, ele é quem determina o momento de cada troca. Ou seja, no dia a dia, o melhor mesmo é deixar no automático e curtir a vida.

Quem quer uma experiência mais pessoal, vai encontrar um câmbio manual de seis marchas nas versões Freedom 2.0 4×2 ou 4×4. No cotidiano, a Toro Volcano usa normalmente marchas de 2ª a 8ª se incluir estrada. A primeira fica para redução, já que ela sai de segunda. A nona é apenas para cruzeiro.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

No comportamento geral, a Fiat Toro é bastante estável e muito mais próxima de um crossover do que de uma picape. O conjunto de suspensão tem ajuste firme e filtra as imperfeições apenas de forma razoável. A dianteira é bem mais macia que a traseira, facilmente notada na transposição de lombadas.

A direção elétrica é leve e progressiva na medida certa. Os freios também atuam de forma eficiente, mesmo com o veículo carregado. A Toro Volcano tem controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampa, controle de descida, entre outros. O pacote de assistência é muito bom.

Saindo do asfalto, a Fiat Toro mostra valentia, mas alguma aptidão para o off-road. Apesar da tração 4×4 e da reduzida, o modelo tem suspensão pouco elevada e o ângulo de ataque dianteiro é menor que o desejado.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Rodando em estrada de terra, a suspensão firme transfere muito dos impactos externos para o interior, evidenciando o citado acima. Mas com os controles ativos, a picape se mantém bastante estável nas curvas e a tração nas quatro rodas ajuda muito na hora de sair de trechos com muita lama.

É um carro para o dia a dia urbano e um fim de semana com estradas de terra, mas nada muito radical. Até atravessa pequenos cursos de água sem dificuldade. Se a exigência for maior, então esqueça a Toro e parta para uma picape média. No geral, seu desempenho agradou, ficando dentro do esperado.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

Por você…

Como já comentamos no início da avaliação, a Fiat Toro vem com uma proposta mais ousada, que é a de unir dois mundos diferentes: picapes e SUVs. Além disso, funciona como uma intermediária entre os dois segmentos bem difundidos no Brasil.

O preço assusta, mas não surpreende, ainda mais levando-se em consideração a atual situação do mercado, com constantes altas. Ainda assim, a Toro Volcano apresenta um conjunto motriz que não se pode desdenhar, tendo motor 2.0 diesel, câmbio automático de nove marchas e tração 4×4 com reduzida. Sem contar o pacote de equipamentos e o acabamento geral.

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto

No custo de manutenção, as três revisões até 60.000 km somam R$ 4.308, pulando para R$ 7.312 até 100.000 km. Cada revisão é feita em intervalos de 20.000 km. O valor é alto, mas ainda abaixo de algumas médias, especialmente a da mais recente Avaliação NA. A garantia é de três anos, mas o proprietário pode comprar mais um ou dois anos, pagando R$ 1.262,88 ou R$ 2.210,63, respectivamente.

Para o dia a dia e o lazer, é um carro pronto. A força do diesel é suavizada e a economia se torna evidente no cotidiano. Mas vale a pena? Para fugir do lugar comum e não ter compromisso com fora de estrada extremo, embora necessitando de uma caçamba de vez em quando, a Fiat Toro Volcano vale sim.

Medidas e números…

Ficha Técnica da Fiat Toro Volcano 2.0 AT9 4×4

Motor/Transmissão
Número de cilindros – 4 em linha turboalimentado, intercooler e injeção direta eletrônica Common Rail (diesel)
Cilindrada – 1956 cm³
Potência – 170 cv a 3.750 rpm
Torque – 35,7 kgfm a 1.750 rpm
Transmissão – Automática de nove velocidades, além de mudanças sequenciais de marchas na alavanca e no volante.

Desempenho
Aceleração de 0 a 100 km/h – 10 segundos
Velocidade máxima (limitada) – 188 km/h
Rotação a 110 km/h – 1.600 rpm
Consumo urbano – 9,9 km/litro
Consumo rodoviário – 14,1 km/litro

Suspensão/Direção
Dianteira – Independente McPherson/Traseira – Multilink
Elétrica

Freios
Discos dianteiros e tambores traseiros com ABS e EDB

Rodas/Pneus
Liga leve aro 17 com pneus 225/65 R17

Dimensões/Pesos/Capacidades
Comprimento – 4.915 mm
Largura – 1.844 mm
Altura – 1.743 mm
Entre-eixos – 2.990 mm
Peso em ordem de marcha – 1.871 kg
Tanque – 60 litros
Capacidade de carga – 1.000 kg
Preço – R$ 116.500 – Versão avaliada: R$ 125.710

Galeria de fotos da Fiat Toro Volcano 2.0 AT9 4×4:

Avaliação Fiat Toro Volcano 2.0: valente fora de estrada, mas foco é o asfalto
Nota média 5 de 2 votos

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 12 anos. Saiba mais.

Notícias por email