Avaliações JAC Motors SUVs

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Ele surgiu como uma alternativa importante para a JAC Motors no segmento de utilitários esportivos, quando a mesma já contava com um SUV médio. Hoje tem a companhia do irmão menor, o T40, que vende mais.


Entretanto, o T50 continua sendo aquela opção que vai de encontro aos clientes que querem mais espaço e porta-malas, assim como mais tecnologia embarcada, apesar de que ambos possuem o mesmo conjunto mecânico. O SUV compacto mudou por fora e por dentro, melhorando muito.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Na propulsão, o motor 1.6 DVVT trouxe mais vitalidade ao utilitário esportivo da JAC Motors, mas seu calcanhar-de-aquiles ainda é o câmbio CVT, como no anterior, que tinha motor 1.5 JetFlex. Sem manual, como exige o mercado, o SUV mostra evolução.


Custando R$ 89.990 com o chamado Pack 3, o JAC T50 CVT entra no jogo do segmento com preços a partir de R$ 85.990, atualmente já com reajuste nos valores, que partiam de R$ 83.990 no lançamento, em novembro de 2018.

Por fora…

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Visualmente, o JAC T50 2019 ficou mais agradável em termos de estilo, recebendo um conjunto ótico com formas fluidas, mas ainda com a presença da grade hexagonal de design um pouco exagerado, mas que se tornou uma característica da marca chinesa.

Os faróis de neblina com lentes complexas e grande profusão de cromados ajudam a formar a cara deste SUV compacto, que ainda chama atenção pelo balanço dianteiro longo, assim como pelas colunas A que avançam bem sobre o capô, como numa minivan.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

A área envidraçada é ampla na frente e lados, apesar das colunas C enormes, que reduzem a visibilidade na parte traseira. Entretanto, isso não é problema em manobras com o JAC T50 2019, você logo vai saber por quê. As lanternas parcialmente em LED são elegantes apenas.

O para-choque preto em harmonia com as linhas laterais, que se elevam, dão ao JAC T50 2019 uma individualidade importante diante da tendência dos carros chineses de se parecerem com modelos internacionais. As rodas de liga leve aro 16 bem desenhadas e as pinças de freio vermelhas reforçam a proposta de um visual levemente esportivo.

Por dentro…

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

O interior foi a principal e mais importante mudança do T5 para o T50. O ambiente melhorou bastante e o conjunto frontal tem um acabamento que realmente chama atenção pelos detalhes, como os difusores de ar metalizados e o revestimento soft costurado ao centro.

Os comandos do ar condicionado automático e do sistema de áudio são harmoniosos, enquanto o cluster analógico tem bom visual, mas ainda é bem escuro de dia sob a luz solar. A tela de multimídia de 8 polegadas fica elevada e em boa posição.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

O volante é bem completo, mas já dá mostras de cansaço na gama da JAC e ainda mantém a coluna de direção apenas com ajuste vertical, como nos T40 e T80, por exemplo. Portas e o console ainda possuem desenho aceitável.

Com ótima altura interna e bom espaço, o JAC T50 tem bancos dianteiros bem envolventes e com acabamento em couro/tecido interessante. O bagageiro com 400 litros supre bem as necessidades de uma família com filhos já grandes.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Entretanto, o diferencial do JAC T50 2019 é o conjunto de assistência ao condutor. Já cumprindo seu papel de SUV compacto, ele acrescenta algo mais nesse caso, como o monitoramento em 360 graus, que ajuda nas manobras. Uma animação em 3D com o visual do carro até é engraçada.

O sistema permite que se visualizem através das setas de direção ou de toque na tela, os lados que se quer enxergar, tais como frente, laterais e traseira, de forma individual. Além das 4 câmeras, o JAC T50 2019 tem ainda outra frontal no para-brisa.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Esta é um auxílio importante à segurança, pois, grava e faz fotos em determinados períodos ou ao comando do motorista, que agora manipula os dados na tela da central multimídia. Tudo pode ser salvo e compartilhado pelo smartphone em app dedicado. Recurso bom em caso de sinistro, pois, freada forte ou colisão serão registrados.

No mais, o JAC T50 2019 vem com aquele conteúdo que você já conhece, que no Pack 3 é acrescido de retrovisores com rebatimento elétrico, sensor crepuscular, antena barbatana, rack no teto, bancos em couro, câmera 360, espelhamento Android/iOS (que é bem ruim), piloto automático, entre outros. Ele tem ainda partida por botão, ESP, TCS, Hill Holder e 2 USBs.

Por ruas e estradas…

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Se ele é bem completo, seu conjunto mecânico, no entanto, fica devendo. Isso não é em sua composição, que consiste num moderno motor 1.6 DVVT “personalizado” pelo grupo SHC com bons 138 cavalos a 6.000 rpm e 17,1 kgfm a 4.000 rpm, abastecido apenas com gasolina.

Mesmo sem ser flex, este motor – que na China tem apenas 120 cavalos – tem números que entusiasmam, porém, quando se vê, na prática, ele até parece esboçar reações condizentes com os dados, mas não é isso o que acontece.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Sem ser áspero e exibir fraqueza demais em baixa, o 1.6 DVVT da JAC Motors poderia ser mais bem aproveitado com um câmbio que pudesse lhe oferecer condições de trabalho melhores. A transmissão CVT é muito longa, mesmo com a simulação de 6 marchas.

Então, em baixa rotação, o JAC T50 2019 até sai de forma experta, mas logo perde fôlego e só começa a recuperar-se acima dos 3.500 rpm. Infelizmente, uma coisa que não se muda na JAC Motors, mesmo com a SHC tendo uma equipe em Shenzhen, é a calibração do câmbio. Basta lembrar-se dos antigos J2, J3 e demais, todos com câmbios longos, mesmo manuais.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Essa é uma característica do consumidor chinês e não do brasileiro, que preferem saídas mais espertas e agilidade no dia a dia, do que preferencialmente obter economia ou conforto na forma de um câmbio longo. A comparação com outros CVTs vendidos no mercado é inevitável.

Por isso, o JAC T50 2019 demora em deslanchar e tem respostas aquém do esperado para seu motor 1.6. Rodando na cidade, o giro fica entre 2.000 e 2.500 rpm, enquanto na estrada, a 110 km/h, ele gira aos 2.800 rpm.

Apertando o pedal em retomadas e ultrapassagens, o ponteiro facilmente alcança 4.000 rpm e vai além sem muito esforço. Mesmo com mudanças na alavanca ou modo Sport, o motor não responde com tudo e começa a gritar em demasiado, buscando força em rotações elevadas.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Infelizmente, motores aspirados sofrem com isso, diferente dos propulsores turbinados, algo que o T50 pode vir a aproveitar mais adiante… Entretanto, sem um câmbio adequado, ficará difícil mesmo assim.

Em consumo, no entanto, ele melhorou com 11,5 km/l na cidade e 14,6 km/l na estrada, devido mais ao motor mais forte e movido apenas por gasolina do que ao CVT, que continua o mesmo.

Outro item desse conjunto 1.6/CVT que não agrada é o Start&Stop. O dispositivo felizmente pode ser desligado, pois, quando decide funcionar, o faz por alguns segundos e depois desativa. Além disso, às vezes gera um tranco indesejado.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

O piloto automático também poderia ser revisto, já que o ajuste da velocidade não é dos mais intuitivos. Tem que achar o tempo certo para mover a alavanca do mesmo, pois, senão a velocidade passa muito do escolhido.

O JAC T50 2019 se comporta bem no dia a dia. A suspensão tem um bom ajuste, embora um pouco mais para maciez. Mesmo assim, em curvas mais fechadas, a inclinação da carroceria está menos acentuada do que no T5.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

A direção, porém, ainda é leve demais e exige atenção quando apenas com uma mão na direção. Poderia ser mais progressiva e firme. No caso dos freios, as pinças vermelhas são apenas decorativas e não correspondem ao que parecem indicar. O conjunto fica devendo um pouco em eficiência.

Em desempenho, o JAC T50 2019 poderia ser mais esperto com um câmbio curto e direção mais firme. Nem precisa ser flex, embora isso realmente deva acontecer cedo ou tarde. Os freios mais efetivos também ajudariam.

Por você…

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

O JAC T50 2019 ganhou muito na atualização e realmente a marca chinesa está no caminho certo. Só que existem algumas falhas e ausências sentidas, tais como um sistema de entretenimento realmente atual, com Google Android Auto e Apple Car Play.

Fora os detalhes mecânicos, um cluster de melhor visibilidade, teto solar elétrico (não é tão funcional, mas valoriza o produto) e direção com ajuste de profundidade, por exemplo, poderiam fazer parte do pacote. Note que não são muitos itens.

Para fazer a diferença diante da concorrência, o conjunto de 5 câmeras (frontal e 360) é o principal destaque, mas somente isso não basta para que o JAC T50 2019 tem alguma vantagem sobre os demais.

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)

Produtos como o conterrâneo naturalizado Chery Tiggo 5x e o Volkswagen T-Cross chegam com outras novidades, em especial mecânica, apontando exatamente para o ponto fraco deste chinês.

Por conta desses e dos outros, o JAC T50 2019 precisa ir um pouco mais longe, apesar de o conjunto atual não ser de todo ruim. Vale a pena? Para quem quer uma condução mais voltada para o conforto e não liga tanto para o desempenho, este SUV da SHC supre bem as necessidades.

Medidas e números…

Ficha Técnica do JAC T50 1.6 CVT Pack 3 2019

Motor/Transmissão

Número de cilindros – 4 em linha, 16V

Cilindrada – 1.590 cm³

Potência – 138 cv a 6.000 rpm (gasolina)

Torque – 17,1 kgfm a 4.000 rpm (gasolina)

Transmissão – CVT com mudanças manuais na alavanca

Desempenho

Aceleração de 0 a 100 km/h – 11,3 segundos

Velocidade máxima – 198 km/h

Rotação a 110 km/h – 2.800 rpm

Consumo urbano – 11,5 km/litro (gasolina)

Consumo rodoviário – 14,6 km/litro (gasolina)

Suspensão/Direção

Dianteira – McPherson/Traseira – Eixo de torção

Elétrica

Freios

Discos dianteiros e traseiros com ABS e EDB

Rodas/Pneus

Liga leve aro 16 com pneus 205/55 R16

Dimensões/Pesos/Capacidades

Comprimento – 4.345 mm

Largura – 1.765 mm (sem retrovisores)

Altura – 1.640 mm

Entre eixos – 2.560 mm

Peso em ordem de marcha – 1.320 kg

Tanque – 45 litros

Porta-malas – 400 litros

Preço: R$ 89.990 (versão avaliada)

JAC T50 2019 – Galeria de fotos

Avaliação JAC T50 2019: melhora em acabamento (CVT fica devendo)
Nota média 3.4 de 5 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Gran RS 78

    A Jac está cobrando muito caro por esse modelo, pois está praticamente no mesmo nível das marcas mais consagradas. O T50 teria que custar uns 10 mil a menos para assim poder ter mais apelo diante dos rivais diretos.

    • Tosca16

      Se fosse 10 mil mais barato iam dizer que se fosse mais 5 seria o ideal, e que custando esse preço ainda iria de X ou Y… aumentaria quanto muito 50 unidades mês. Pra quem não tem rede melhor lucrar por unidade, não vai fazer volume mesmo.

      • Paulão

        E a rede não ajuda, minha mulher queria trocar o 408 thp flex dela por um suv, fui eu primeiro em algumas concessionárias para fazer avaliação do 408 e depois no que eu achei que poderia ter negocio, ela ia fazer test-drive.
        Bom na chery, logo de cara já falaram que não pegavam o 408 de jeito nenhum, que é francês, carro complicado e tal, eu fiquei dando risada né, afinal era um chines falando isso! rsrs
        Claro que nem levei minha mulher lá, no final foi bem fácil a escolha para ela, achou todos que andou lerdos e só curtiu o cactus thp e de quebra a citroen foi a que fez a melhor avaliação no 408.

        • Jr

          Claro, afinal o dono é o mesmo, mas eu particularmente não curto nenhuma dessas duas marcas já tive, carros de ambas e foi só dor de cabeça, fora que elas desvalorizam muito, especialmente a citroen

          • Paulão

            Eu nunca tive francês, minha mulher agora com o cactus já teve os 3, renault, peugeot e citroen.
            O renault fazem muitos anos, não lembro como foi, mas o peugeot eu lembro bem, pagaram tabela no usado que entrou na troca e derrubaram o preço do 408 em relação a tabela do site. Sei que entre o valor do usado e mais a diferença paga, o peugeot saiu por 78 mil, na época o preço dele no site era R$92.500.
            E agora na troca pelo cactus, pagaram 60k no 408, então nesses 3 anos com o carro, desvalorização de 18 mil.
            Cactus saiu pelo valor de tabela do ano passado, já teve aumento esse ano e claro o peugeot foi um puta negocio da china que muito dificilmente vai aparecer outro igual.

            • Jr

              Das três francesas a Renault é a melhor, seja no pós venda, numero de CSS, valorização para a revenda, e até mesmo o carro em si, ele costuma dar muito menos problema que as outras duas, a citroen é a pior das três, tanto que as vendas da mesma despencaram nos últimos anos junto com o numero de CSS, ficou com a imagem arranhada com o C4 pallas e o Picasso, aliás esse carro tem um nome bem sugestivo, seus donos depois de um tempo souberam direitinho pq a citroen colocou esse nome nele. Tanto é assim que ela está pagando uma fortuna em propaganda na TV para ver se limpar a barra dela depois das merdas que fez por aqui

              • Gran RS 78

                Concordo com vc. Tive um C3 2015 que comprei usado com 38 mil KM, e depois de um tempo de uso, começou a acender a luz da injeção eletrônica praticamente todos os dias, mesmo sendo um carro com revisão em dia e com somente 45 mil KM, até que um dia subindo uma serra, a luz acendeu de novo e o carro começou a perder aceleração. Levei novamente na concessionária e mais uma vez, falaram que não acharam nada e que o carro estava em perfeitas condições. Depois desse dia, perdi a confiança nesse carro e acabei vendendo com somente seis meses de uso, e pretendo nunca mais comprar nenhum modelo Peugeot ou Citroen novamente, pois depois que isso aconteceu,vi muitos relatos de problemas similares com outros clientes, principalmente elétricos, e em vários casos, inclusive com o carro tendo “apagões” do nada e deixando o dono na mão.

                • Henrique Gouveia

                  Tenho o mesmo problema da luz de injeção de combustível no Ford Ka da empresa.
                  Toda semana ela acende. Até cheguei a fazer alguma vezes o teste do combustível para verificar se estava adulterado. Nada constando…

                  • Gran RS 78

                    O meu antigo C3, além de acender a luz da injeção, eu quase fiquei na estrada, pois ele começou a perder aceleração, e do nada ele voltou a andar novamente.

    • Nicolas

      Indústria de carro Chinesa é ainda muito nova, falta know how, estão ainda na fase do cópia e cola e ajusta, ajusta, com imenso subsídio do governo chinês. Passo longe desses carros.

    • Jr

      A JAC quer que os clientes ajudem eles a pagar o cachê do Faustão

    • Ⓜ️arcelo

      Fora que eele está mais pra minivan do que pra utilitário esportivo propriamente dito.

  • TheuAMG

    Essa frente ficou medonha. O carro já não vende nada, ai vem a Jac e aumenta ainda mais o preço do carro q ja era caro.

    • Jr

      Vai encalhar, ainda mais depois do pedido de recuperação judicial da SHC, parceira deles

  • Márcio GO

    Poisé… O chinas evoluíram muito em termos de acabamento e desenho interno. Quando falo acabamento, falo da impressão inicial; pq vai saber como vão estar com 10, 20 mil km. Fiz um test-drive no Tiggo 7. O carro parado realmente é foda. Completo, boa aparência interna, bonitão por fora. Duro é o carro andando e é aí você vê que eles tem que evoluir bastante em mecânica e dinâmica. Pelo menos no Tiggo 7 que dirigi, o delay entre as marchar incomodou. Não sei se por conta de estar acostumado com o CVT do meu Sentra. Mas assim. Não gostei dele dinamicamente. Penso que se fosse uns R$ 10 mil mais barato dava para encarar. Mas “enfiar” quase R$ 120 mil numa incógnita não dá. Ainda mais que fizeram uma oferta aviltante no meu carro… kkk

    • Tosca16

      Delay porque quiseram, o DCT é Getrag, Alemão e com trocas muito boas; e pelo que sei, no modo sport o modelo responde bem mais rápido.

      • Paulão

        Fiz teste-drive no tiggo 5x e o cambio é muito lento para um DCT, péssima escolha de programação.
        Na pratica o carro não parecia ter os 150cv, uma pena porque de resto eu achei bacana.

        • Tosca16

          Não sei, porque não vi outros relatos assim, nem mesmo de alguns chatos da dita imprensa especializada… a programação foi bem anestesiada, de tudo, mas as trocas tem sido consideradas o ponto de maior acerto no conjunto, sendo suaves e rápidas. Claro que a programação foi pro DCT simular um AT convencional, tendo o delayzinho nas trocas, sem a pretensão esportiva, de fato. Mas pra quem na mesma faixa de preço tem Renegade 1.8, o desempenho do Tiggo5x é bom.

          • Paulão

            Não fui especifico na outra mensagem e por isso da margem para interpretações equivocadas.
            Quando disse lento, me referia mais ao tempo de resposta do cambio em reduzir marcha, fica bem nítido que é questão de programação e não o cambio.
            A velocidade das trocas, poderia dizer que eram ok para um muito bom automático tradicional, mas não para um DCT, nada de velocidade DSG por exemplo. Mas não é ruim, ao contrario, é que quando aparece algo com dupla embreagem a gente fica naquela expectativa de trocas instantâneas.

            Mas o problema do cambio era mesmo a demora nas reduções, isso achei bem ruim, aliado a uma “falta” de torque em baixas rpm, criou um problema de agilidade em algumas situações. Não sei os números desse motor.

            Obviamente que comparado com quase todos os concorrentes na parte de performance, o tiggo 5x é melhor. Comparar com renegade 1.8 é apelação, esse carro é medonho, diria vergonhoso.

            • Jr

              E vende que nem agua, vai entender

            • O foco da programação do câmbio DCT da linha Tiggo é justamente emular um câmbio automático convencional, e não o caráter esportivo que os DSG usaram.

        • Tosca16

          E no site Chinês ambos fazem 0-100 em menos de 10s, não sei porque nossa versão tem dados oficiais acima de 11s; tanto é que não me recordo, mas o Tiggo5X, acho que foi esse, tirou em 10.1 com gasolina se não estiver enganado.

        • Tosca16

          E o Motor 1 tirou 10.4 com gasolina no Tiggo7, mais pesado.

      • Márcio GO

        Poisé… esse foi o problema. O CÂMBIO ESTAVA EM MODO SPORT, pq havia reclamado um pouco do delay e o vendedor falou para colocar em sport… E a troca, principalmente da primeira para segunda com pé fundo, foi bem desconfortável. Igual uma Weekend Dualogic que dirigi uma vez. Meu corpo (e de minha esposa) foi jogado para frente. Ruim mesmo. Uma pena, pq igual falei, o carro “parado” é bem legal.

        • Tosca16

          Igual a um Dualogic é um exagero, se fosse ruim a esse ponto te garanto que alguns sites aí que são odiadores de chineses teriam estampado nas matérias, ou acha que a CAOA “molhou” a mão de todos os grandes sites?

        • Não faz sentido isso. Eu dirigi o Tiggo 5X e em nenhum momento algo que relataste aconteceu, pelo contrário, foi suave a todo instante no modo Eco, e instigante no modo Sport. Acho que não soubeste usar ou o carro que testaste estava desregulado.

        • Gran RS 78

          Vc forçou a barra comparar o cambio do Tiggo com o dualogic, aquele cambio da Fiat nunca deveria ter sido lançado.

  • Tommy

    Preço de marca tradicional num carro de uma marca que pode sair a qualquer momento? Valeu a tentativa, JAC.

    Chery é a única chinesa respeitável hoje.

  • Tosca16

    Se ele fosse um pouco maior, deixando a proposta de crossover e colocar-se como “minivan” ou monovolume, tendo a opção de 7 lugares, poderia ser alternativa a Spin. Colocaria até mesmo um 2.0 aspirado, não precisaria ser turbo.

    • Gu.

      Eles tinham o J6 para essa finalidade.

      • Tosca16

        Sim, tinham a J6.

  • Fanjos

    Ahhhhhh eu deixo passar para alguém mais sortudo

  • Whering Filho

    Tiggo 5X parece melhor negócio.

  • Dick Buck

    Sinto muito JAC. Mas se for pensar em chinês, sou muito mais um modelo Caoa Chery.

  • Domenico Monteleone

    ô carrinho mal ajeitado.

  • Jr

    Resumindo, o carro é uma bomba, fora essa grade frontal horrorosa, e esse para-choque traseiro de plástico não ajuda. O que o pessoal da SHC esta fazendo na China que não acerta essa maldita calibração do cambio? Eles foram lá para passear, pq isso não é culpa dos chinas não, eles não tem como adivinhar o gosto do brasileiro. A JAC gastou muito dinheiro contratando o Faustão e esqueceu de fazer um carro ao gosto do brasileiro, muita propaganda para um produto não tão bom

    • A SHC parece que come bola… olha os gráficos terríveis do computador, com Times New Roman. Parece falta de boa vontade em fazer bem feito. Nisso só a CAOA Chery tem mandado bem, com apresentação mais refinada.

  • Cesar

    Esse é aquele dos 138 cavalos CAOA e que na verdade segundo um teste não passa de 120 cavalos?

    • Jr

      Não esse é aquele que o Faustão faz propaganda, aliá o gorducho deve tá ganhando uma bolada para associar/queimar a imagem dele com esse maravilhoso produto made in JacA

      • Cesar

        Dá uma olhada no Bestcars que você vai ver a maravilha que é esse trem.

        • Jr

          Sim eu vi lá, mas no geral a avaliação não detonou o carro. Essas paradas técnicas com o tempo são mais fáceis de resolver, eles evoluíram bastante em tão pouco tempo, o que eu acho mais difícil de resolver, e pelo que tenho visto por ai, é a quantidade pequena de concessionarias, o pós venda precário, nos comentários por ai tinha um dono de JAC detonando a maneira que foi tratado pela SHC, representante da JAC no Brasil, ele foi lá pq o carro tava com problema e quando chegou lá o pessoal disse que o carro não tinha nada, tudo isso desvaloriza o carro para a revenda, fora o medo que o proprietário tem caso eles desistam do mercado e se mandem de volta para a China, esse risco é maior porque eles não tem fabricas aqui. Olha o caso da Lifan, depois de gastar muito dinheiro aqui e dar prejuízo o pessoal lá da China, começou a pressionar para a empresa abandonar o mercado Brasileiro

    • Tosca16

      Nesse caso são cavalos “SHC” mesmo kkk.

  • Jean Lehn

    Só fechar as portas e voltar pra China 😎

  • Não ficou ruim, mas o Caoa Chery Tiggo 5X é muito mais carro, já na versão de entrada T, com preço semelhante. E nessa faixa de preços, se a opção é um aspirado, melhor levar o Nissan Kicks.

  • Luis_Zo

    “A transmissão CVT é muito longa”. Conto eu ou conta vocês que CVT não tem relação de marchas?

  • mjprio

    O preço nao ajuda, o powertrain tb não. Pelo menos o interior parece ter melhorado e afastando aquele aspecto de coisa de baixa qualidade. So o grafismo dos instrumentos e que parece os VW dos anos 80/90.

    • Gran RS 78

      Esse grafismo e iluminação são cópias dos Subaru Forester e Impreza da geração passada.

      • mjprio

        Dei uma olhadinha na web e realmente parece mesmo!

  • E assim a JAC vai definhando. Me surpreenderei se estiver no mercado até o fim do ano que vem.

  • Gu.

    Baseando nas constatações do site, da pra ver que o carro evoluiu bem, talvez, seja uma opção interessante pra quem sai de um carro mais simples/ básico de entrada para um carro mais completo, e que seja 0km, mas que ainda não tem $ pra comprar um modelo equivalente de uma marca tradicional. Em relação aos preços, acredito que poderiam melhorar um pouco, o T5 em 2016, considerado SUV de entrada, custava entre 59 e 72 mil reais e chegou a vender relativamente bem, até a chegada do T40.

  • Unknown

    O jornalista é carioca? “Então, em baixa rotação, o JAC T50 2019 até sai de forma experta, mas logo perde fôlego…”

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email