Avaliações Crossovers Elétricos Jaguar

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

O Jaguar I-Pace já está entre nós e ele nos traz uma nova perspectiva em mobilidade veicular, já que exclui o tradicional combustível em prol do uso eficiente da energia elétrica.


O produto da marca inglesa ingressa em um novo mercado, onde autonomia e performance caminham juntas num pacote tecnológico, mas que cobra seu preço.

Em realidade, se pensarmos onde o I-Pace se insere, ele não está caro, pelo contrário, seu preço alto passa a ser competitivo, dado que os carros elétricos são naturalmente caros.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Por R$ 437 mil você poderia levar qualquer crossover de luxo com desempenho elevado e tudo o mais, no entanto, sem a mesma bagagem futurista, que marca a nova era do automóvel.

Mesmo não tendo um V6 3.0 ou V8 5.0 no cofre, o Jaguar I-Pace não se intima em andar, tendo desempenho realmente de carro esportivo.

Com autonomia máxima divulgada de 470 km, o crossover inglês parece atraente, porém, é preciso reeducação em viagens longas. Na cidade, uma nova visão de mundo se abre.

Por fora…

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

O Jaguar I-Pace segue a essência da marca inglesa e traz um visual bem esportivo, chamando atenção para o porte. Embora tenha 4,68 m de comprimento, ele parece muito maior.

Essa impressão vem da largura, que realmente é enorme: 2,01 m. Ele estranhamente tem um capô curto, mas com faróis Matrix LED, o crossover tem um olhar aguçado.

Os para-lamas altos na frente, deixando a cabine descer suavemente logo atrás, subindo até as largas colunas C. Na traseira, um layout sofisticado para um estilo que surgiu com o F-Type.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Com rodas aro 20 e pneus 245/50 R20, o I-Pace parece longe de obter qualquer eficiência em comparação com os elétricos mais baratos, alguns com pneus bem finos.

Contudo, basta olhar melhor para o capô e ver que ele tem um elemento vazado, fluindo o ar da grade (que não é falsa) sobre o teto levemente curvado.

Atrás, o defletor de ar também é aberto e faz o vento passar sobre uma deflexão do teto, reduzindo assim o arrasto aerodinâmico e aumentando a eficiência.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Ainda é de se destacar a curvatura abaixo das portas, que é a cobertura das baterias de lítio, existentes no assoalho.

As maçanetas retráteis ajudam a reduzir o arrasto também. No teto, um vidro sensível à luz e com proteção UV.

Por dentro…

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

No interior do Jaguar I-Pace HSE, não é preciso dizer que o acabamento é primoroso. Então, vamos pular essa parte.

O ambiente tem um aspecto esportivo, ainda mais com o volante de três raios e comandos touchscreen.

Já o cluster digital de 12,3 polegadas possui um visual diferente para cada modo de condução, que no I-Pace se resume ao Eco, Conforto, Gelo/Neve/Chuva e Dinâmico, o mais expressivo visualmente.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

O display pode ter a tela dividida, um mapa inteiriço ou um visual clássico com dois mostradores principais. Um HUD colorido chama atenção no para-brisa.

A multimídia InControl Touch Pro traz tudo aquilo que um Jaguar “comum” apresenta, acrescentando dados de consumo de energia, autonomia, histórico, etc.

A apresentação do fluxo de energia e recuperação nas rodas, bem como o nível da bateria num perfil do carro chama atenção.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Nela também é possível programar o carregamento do I-Pace, assim como sua “ativação” com direito a climatização e tudo, deixando o carro pronto para o dia a dia do dono.

O conjunto ainda dispõe de um console suspenso por duas barras no túnel, tendo elemento vazado e display de climatização (mais simples que do Velar), mais função de mídia.

Nas barras, ficam o seletor de marcha e os modos de condução, além de limitador de baixa velocidade e desligamento do controle de estabilidade.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Com muito couro, preto brilhante e alumínio (tudo bem, acabamos falando disso…), o habitáculo do Jaguar I-Pace traz ainda bancos dianteiros elétricos com 3 memórias cada um.

Nas portas, exceto do motorista, existem alertas para os passageiros que estejam saindo do carro, avisando da presença de um veículo se aproximando.

Quem vai atrás, tem ainda difusores de ar lateral e 2 entradas USB, sendo que o I-Pace tem 6 no total. Ele inclusive possui pequenos porta-objetos ocultos sob o banco traseiro.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

O porta-luvas, no entanto, é bem pequeno. Já o teto de vidro não tem persiana e, mesmo com a tecnologia de escurecimento, num dia de sol forte é fácil sentir o calor perto da cabeça.

Mesmo tendo baterias no assoalho, o que eleva sua altura, o ambiente é bem amplo, mesmo em altura interna. O espaço atrás é muito bom para as pernas.

No porta-malas, cabem 656 litros e, se o mesmo não for suficiente, existe mais um espaço (bem menor) sob o capô. A tampa traseira tem acionamento elétrico.

Por ruas e estradas…

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Mesmo se observando a autonomia declarada de 470 km, ficamos um pouco apreensivos em relação ao alcance do Jaguar I-Pace antes de pegar o carro.

Esse preconceito inicial é justificado pela pouca infraestrutura nacional e também pela cultura do abastecimento, que enche em minutos qualquer tanque na reserva.

Contudo, com o passar dos quilômetros e aprendendo a andar com ele, o temor de ficar a pé se desfaz completamente.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Para isso, duas coisas são importantes, a saber: onde existem pontos de recarga (rápida ou doméstica) e até aonde quer ir.

Não é difícil pensar em pegar a estrada, descer a serra e andar pelo litoral paulista, por exemplo. No dia a dia, ficar pensando em carregar o carro é o de menos.

Antes de tudo, o Jaguar I-Pace é um carro para se apreciar, mesmo quando ele mostra seu real poder. O bólido é sim muito rápido, estupidamente rápido se for no modo Dinâmico.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Com dois motores elétricos (um em cada eixo) e 400 cavalos, além dos 70,7 kgfm, o I-Pace despeja tudo isso instantaneamente!

A aceleração é muito forte, com saída mais rápida que qualquer esportivo de potência igual ou até um pouco mais além.

Não há marchas e o crossover voa rapidamente até os 100 km/h em 4,8 segundos, segundo a Jaguar, mas fica limitado a 200 km/h por causa dos motores elétricos.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Essa limitação nem incomoda, já que qualquer saída pode deixar muito carro de motor em “V” para trás. Contudo, se a condução for um pouco mais mansa, o I-Pace vira um gentleman.

Suave e silencioso, o elétrico da Jaguar tem direção bem direta e uma suspensão com molas bem calibradas para o conforto, mas não depondo em nada durante curvas rápidas.

Anda bem mesmo em pisos mais irregulares, o que surpreendeu. Rodando com este elétrico, o nível de ruído a bordo é praticamente zero.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Ao acelerar, aquele zunido de motor elétrico se faz presente, mas muito baixo. Já no modo de recuperação de energia, as desacelerações lembram o som de um trólebus.

Isso não é demérito, uma vez que ambos são elétricos e a tecnologia é parecida. Aliás, os carros elétricos são tão antigos quanto aqueles movidos à combustão.

No modo Eco, a economia é priorizada, mas você ainda tem todos os confortos a bordo. Mesmo exigindo um pouco mais, ele responde prontamente.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Já no Conforto, o desempenho melhora e o prazer ao dirigir também. Bem polido, o modo de Gelo/Chuva/Neve retém muito do desempenho do I-Pace.

Por fim, o Dinâmico te dá toda energia disponível para andar de forma esportiva. Entretanto, todos eles gastam uma boa energia das baterias de lítio de 90 kWh.

Rodando no modo Eco na estrada e a 110 km/h, o consumo foi de 22,7 kWh/100 km. Na cidade, no mesmo modo, foi de 19,6 kWh/100 km.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Como tudo é ainda novo, os números de consumo ainda não vão impactar o condutor, já que é necessária uma série de cálculos para que isso faça sentido.

Contudo, é aquilo: quanto mais kWh a cada 100 km, mais está se gastando. Pelos números, ficamos abaixo do ciclo WLTP da Jaguar, que na média ficou de 22 a 24,8 kWh.

A autonomia é, por ora, o mais importante a se observar. Nisso, pegamos o carro com 100% de bateria e 324 km de alcance no modo Eco.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Na função de recuperação de energia, o I-Pace acrescenta em média 80 km adicionais. Entretanto, tudo isso depende de vários fatores, incluindo temperatura, uso do ar condicionado, etc.

Mesmo o sistema de rádio e a multimídia são desligados nesse modo, enquanto a climatização é reduzida para ventilação.

O teto de vidro esquenta muito e também contribui para um uso mais intenso do mesmo, sendo que uma persiana ajudaria a reduzir o consumo desse equipamento.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Rodando nos modos de condução, a recuperação de energia é pouca e para termos uma ideia, descendo a rodovia dos Imigrantes, recuperamos apenas 16 km de autonomia.

Com a função de recuperação, a bateria enche mais rápido, mas não toda. O objetivo é apenas estender um pouco mais o alcance, mas só é válida em caso de emergência.

O melhor mesmo é rodar num dos modos e aproveitar tudo o que o I-Pace oferece, mas de forma moderada, sempre observando a autonomia das baterias.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

É preciso sempre calcular mentalmente o que se quer fazer, mas isso é mais para quando se faz uma viagem. Ficar a pé na cidade é algo absurdo, mesmo se andar no modo Dinâmico.

Para se conseguir um bom rendimento, é preciso frear por mais tempo, aproveitando a regeneração. Na função de recuperação, a redução é mais forte e uso do freio bem menor.

A frenagem regenerativa recupera muita energia, mas não serve tanto em descidas longas, já que tende a reduzir muito a velocidade.

Carregamento

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

O Jaguar I-Pace pode sim viver sem uma rede de recarga rápida em locais públicos, desde que o proprietário tenha uma fonte de recarga doméstica, seja pela tomada ou wallbox.

Rodando na cidade e carregando em casa ou prédio (se o mesmo for adaptado para carros elétricos), a necessidade de ficar um bom tempo em outro local é mínima.

Estamos falando de um carro com mais de 400 km de autonomia, que na realidade pode rodar mais de 300 km com conforto.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Se o proprietário tem ponto de recarga também no trabalho, a vida está completa com o I-Pace. A necessidade de recarga pública se dará somente em viagens longas.

Rodamos durante uma semana praticamente recarregando em tomada de 220V. Das 20h até as 06h – faixa horária de tarifa de energia reduzida – o I-Pace recuperou 15% de bateria.

Ele passou de 64% para 81%, ampliando o alcance de 195 km para 257 km. Ou seja, são 62 km. Isso sem usar o carregador de 7 kW que a marca vende.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Nesse caso, a Jaguar garante 80% da carga. Noutra recarga, deixamos o plugue na tomada das 22:15h às 10:15h do dia seguinte.

A autonomia passou de 152 km para 227 km nessas 12 horas em 220V, usando o cabo de carregamento que vem no I-Pace (e em qualquer carro elétrico…). Foram 21% recuperados.

Para quem roda pouco por dia, usando a energia de casa ou local onde esteja, sem o wallbox, o I-Pace ainda garante seu uso diário.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

O importante é sempre não deixar a autonomia cair muito, buscando sempre manter a bateria carregada parcialmente.

E o impacto na conta de energia? É muito baixo. Plugado em 10 horas numa tomada de 220V, o I-Pace consumiu 15 kWh.

Multiplicando-se isso na tarifa básica da CPFL, que no litoral é de R$ 0,25394000 para 220V bifásico, chega-se a R$ 3,8091 para se obter 62 km.

Como comparação, o litro da gasolina tem preço médio no litoral está em R$ 4,69. Para obter a mesma autonomia, um carro equivalente teria de ser híbrido plug-in do tipo mais moderno.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Ainda assim, o custo seria maior. Já num carregador público, a recarga é bem mais rápida. Para isso, usamos um dos 3 únicos pontos (2 deles pagos) existentes na Baixada Santista.

Num carregador da BYD de 40 kW, instalado num supermercado, o Jaguar I-Pace recuperou em 30 minutos apenas 4% da bateria ou somente 15 km.

Para o mesmo efeito da recarga em tomada doméstica, seria necessário mantê-lo plugado por 2 horas. Para termos 80% da carga, seriam precisas 10 horas fazendo compras…

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Numa estação de 100 kW, segundo a marca, ele precisa de 40 minutos para o mesmo percentual. Não sabemos exatamente se havia um problema no equipamento chinês.

Contudo, ficamos sabendo que, em um ano e meio, o carregador – instalado em Santos/SP – só foi usado no dia da instalação feita pela marca chinesa.

Por você…

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

O Jaguar I-Pace se mostrou um carro bem eficiente em consumo de energia. Rodamos centenas de quilômetros em cidade e estrada, indo da recuperação até a esportividade.

Usando eventualmente a recarga doméstica, ganhamos em independência e conseguimos usar o carro diariamente sem limitações, inclusive fazendo uma viagem curta.

Bem equipado, incluindo controle de cruzeiro adaptativo com leitor de faixas, emissor de ruído externo para alerta de pedestres e até airbag externo, o I-Pace é um carro especial.

Avaliação: Jaguar I-Pace tem desempenho e energia de sobra

Mesmo custando muito, levando-se em conta o conjunto apresentado, o Jaguar I-Pace é mais vantajoso que um carro elétrico três vezes mais barato.

Afinal, tirando o conjunto motor/bateria, o Jaguar I-Pace continua sendo um carro de luxo, muito bem equipado e com performance de superesportivo.

Isso é bem diferente dos modelos de R$ 150 mil que, em resumo, oferecem muito menos do que custam. Assim, para quem pode, o Jaguar I-Pace vale muito a pena.

Medidas e números…

Ficha Técnica do Jaguar I-Pace EV400 HSE 2019

Motor/Transmissão

Motor – 2 elétricos (um em cada eixo)

Potência – 400 cv a 0 rpm

Torque – 70,7 kgfm a 0 rpm

Transmissão – automática de uma velocidade

Tração – Integral

Baterias – Íons de lítio com 90 kWh

Desempenho

Aceleração de 0 a 100 km/h – 4,8 segundos

Velocidade máxima – 200 km/h (limitada)

Consumo urbano – 19,6 kWh/100 km

Consumo rodoviário – 22,7 kWh/100 km

Suspensão/Direção

Dianteira – McPherson/Traseira – Multilink

Elétrica

Freios

Discos dianteiros e traseiros com ABS e EDB

Rodas/Pneus

Liga leve aro 20 com pneus 245/50 R20

Dimensões/Pesos/Capacidades

Comprimento – 4.682 mm

Largura – 2.011 mm (sem retrovisores)

Altura – 1.565 mm

Entre eixos – 2.990 mm

Peso em ordem de marcha – 2.208 kg

Porta-malas – 656 litros

Preço: R$ 437.000 (preço base)

Jaguar I-Pace EV400 HSE 2019 – Galeria de fotos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Piston head

    Legal, mas tem algo errado com o design desse carro. De perfil é estranhíssimo

  • globo nao tem japa

    É da India

  • dallebu

    Pequena crítica construtiva.
    As fotos dos carros avaliados pelo NA tem qualidade inconstante. Alguns carros são bem fotografados, no sentido que as fotos são tiradas com ângulos melhores e/ou em lugares mais bonitos.
    Essas fotos externas do Jaguar não valorizaram muito o carro, já as da avaliação anterior, um Volvo S60, ficaram ótimas, graças ao ângulo, a “pose” que foi dada do carro e ao entorno.
    É só uma sugestão. Abraço

  • Paulo Andre Zardo

    Vao ter que pensar em bateria compartilhada, troca em minutos, e a rede atual de postos de gasolina, vai virar trocadora de bateria, senao nao tem jeito, continuamos a depender dos dinossauros.

  • Emygdio Carlos

    Bacana!
    Só achei que o valor cobrado é muito baixo.
    Obrigado!

  • João Senff

    A dona do salão onde minha digníssima frequenta tem um. Vi parado no estacionamento e o achei feio.

  • Daniel Deichmann

    Olha esses tempos de carregamento, isso é ridículo a absolutamente NADA pratico se a pessoa for um pouco mais longe. Carros elétricos se tornaram úteis de verdade (tanto quanto qualquer carro a combustível líquido) quando tiverem um alcance realmente bom e um tempo de carregamento curtíssimo. Hoje serve meramente para andar dentro da cidade.

  • G. de F.

    O “calcanhar-de-aquiles” dos veículos elétricos ainda é, primeiro, a mudança de mentalidade e o sistema de carregamento. Imagine só num condomínio, por exemplo, se o seu “vizinho” de vaga vai gostar de ver toda noite o seu carro plugado numa tomada, recarregando?

    Pode ter certeza de que alguns “ignorantes” vão dizer que não é justo pagar condomínio para o vizinho ficar com o carro a noite inteira na tomada e por aí vai… Ainda acho que por aqui demorará a superar todos esses obstáculos, isto sem falar de carregadores mais rápidos fora das grande capitais e principais estradas do nosso país. Ainda conviveremos por um bom tempo com os veículos a combustão, e bem menos os híbridos, por um bom tempo. Elétricos ainda serão raridade entre nós.

    • João Senff

      Aqui no condomínio já adaptaram tomadas em todas as garagens. E o consumo da garagem fica registrado na unidade do AP.

    • Mas convenhamos que todos pagarem para recarregar o carro de apenas um morador não é justo. O ideal é o condomínio ter tomada individual na garagem como no ap.

    • Eric PB

      Ignorantes? ah tá dinheiro caí do céu então? sou obrigado a pagar por aquilo que não uso? Se os condomínios evoluíram a ponto de todos os medidores serem individuais pq devo pagar pela energia consumida do vizinho? Q o prédio se ajuste e tenha medidores individuais para isso também. E olha q eu nem moro em condomínio, mas não aceitaria pagar por aquilo que não uso e isso não é ser ignorante.

      • G. de F.

        O meu também não cai, e realmente você não é obrigado a pagar pelo consumo do seu vizinho. Dai, por esse sua opinião, imagine só se estamos preparados para uma realidade em que veículos elétricos substituam os veículos movidos a combustão.
        Se em um condomínio, muitas das vezes, o simples ato de lavar um veículo já é motivo para discórdia, discussões e até brigas, imagina veículos elétricos?

        • Thiago

          Fui síndico, e lavar carros era terminantemente proibido, assim como guardar materiais (as vagas não tinham depósito), exceto aqueles temporários (ex.: estragou a geladeira do morador e a empresa que iria fazer manutenção só viria na outra semana), usando sempre o bom senso.
          Agora tinham moradores (locatário ainda por cima) muito abusados, que tive de ameaçar de chamar os bombeiros porque ele não queria apagar o fogo da lareira dele que estava invadindo de fumaça o prédio todo em uma situação grave que poderia gerar intoxicação de crianças.
          Esse prédio, relativamente novo, projeto de 2009, de padrão superior (não era luxo), só tinha duas tomadas na imensa garagem para uso de serviços do condomínio.
          Para instalar uma tomada em cada box e vincular ao respectivo apartamento teria que modificar muito o projeto elétrico do prédio.
          Agora imagina isso em um prédio dos anos 80, que, muitas vezes, nem vaga de garagem tinha.

          • G. de F.

            É um exercício de paciência infinito! E nem assim os resultados são os esperados, as vezes…

  • julio cesar zancan

    Mto bonito! E faz o equivalente a 80 Km com o valor de 1 litro de gasolina.

  • what_the_hell??

    Entrei nesse carro num salão de automóvel um tempo atrás e fiquei encantando com o interior, os dados de desempenho e “consumo”!

    Mas, pensando em nossa realidade (sobretudo em cidades com menos estrutura para esse tipo de carro, que é a realidade de 99% de nossas cidades à exceção de SP), acho que a opção do Cayenne Híbrido é muito mais coerente! Anda um pouco menos que o Jaguar em 0-100 (de final vai a 253km/h, algo que nunca devo alcançar), mas custa praticamente o mesmo (coincidência???) que o jaguar oferecendo também muita tecnologia. E por ser híbrido plug-in, dá pra rodar até 44km com uma recarga que dura 8h em uma tomada convencional (3h com o carregador rápido). E pode pegar estrada para qualquer lugar que quiser sem ficar réfem dos escassos pontos de recarga! Talvez daqui a uns 10 anos O jaguar faça sentido, mas hoje em dia, se eu tivesse o $$, eu iria de Cayenne sem dúvidas!

  • Diego Berri

    Já tem de monte em BC esse carro só eu vi tres em uma semana, inclusive um carregando no shopping.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email