Avaliações Hatches Renault

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

O Renault Kwid Outsider chegou fazendo barulho por conta de sua campanha de marketing, que foi comentada inclusive nos EUA, já que o desenho animado Caverna do Dragão (Dungeons & Dragons) foi muito popular lá nos anos 80.


Popular também é o pequenino da Renault, que agora se veste de aventureiro e continua dizendo que é SUV.

No entanto, ele está cumprindo o que a marca francesa deseja, vender bem. Com 32.639 emplacados até maio, o Kwid é o quinto carro mais vendido em 2019.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol


Na primeira quinzena de junho, ele ficou em quarto. Agora com visual mais apropriado para suas pretensões, o Renault Kwid Outsider quer manter o bom ritmo comercial após oscilações anteriores, contando também com mais conectividade.

Desde nossa primeira avaliação do Kwid, alguma coisa mudou. Não foi somente isso, outra (além do visual), também foi alterada, para melhor.

Custando R$ 43.990, porém, o Outsider fica perigosamente perto do Sandero, que parte de R$ 45.990.

Por fora…

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

O Renault Kwid Outsider aposta num visual diferenciado, especialmente com as molduras pretas no para-choque, que sustentam os faróis de neblina.

Protetores inferiores, com a central em cinza, bem como a grade preta, reforçam a proposta aventureira.

Saias de rodas com protetores plásticos, semelhantes aos das portas, preenchem bem o pequeno hatch e ajudam a destaca-lo.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

O mesmo em relação aos retrovisores em preto brilhante e às barras longitudinais no teto, que são apenas decorativas.

A traseira tem um para-choque preto com protetor central em cinza para chamar atenção, enquanto o restante do conjunto permanece inalterado.

As rodas de aço aro 14 polegadas (a boa notícia é que já existe a opção de liga leve como acessório) possuem calotas bem brilhantes.

Por dentro…

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Simples e funcional, o ambiente interno do Kwid Outsider foca nos detalhes diferenciados para manter o diferencial.

Detalhes em cobre podem ser vistos por todo lado, desde a alavanca de câmbio até o volante, passando pelas portas e chegando aos bancos.

Estes apresentam essa tonalidade nas laterais dos assentos, que possuem uma padronagem exclusiva com tecido de boa impressão e o nome Outsider bordado em branco.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Até as costuras são da mesma cor, tema da proposta.

Obviamente o Kwid Outsider continua devendo muito em conforto. O espaço geral é pequeno e o banco traseiro, por exemplo, nem é bipartido.

O som só saiu nos alto-falantes do painel… e esqueça cinto de três pontos para o espremido quinto passageiro. Quase um personagem fictício da propaganda…

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Quem vai atrás, tem pouco espaço para as pernas, diferente do bagageiro, que tem volume  igual ao dos hatches compactos bem maiores. Malas sim, caronas não. A preferida do Presto? A Media Evolution é simples e funcional.

Intuitiva, ela vem com Google Android Auto e Apple Car Play, tendo agora a conexão via USB em um plugue no console, junto com uma entrada auxiliar.

O local é mais adequado que a frente do aparelho. Tem câmera de ré, mesmo com seu porte diminuto. Para não se perder, Waze e Maps são fáceis de usar e confiáveis…

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

O dispositivo permite até ver os episódios do seriado animado e rever a campanha de marketing, que no mínimo ganhará algum prêmio pela ótima produção.

No resto, o Kwid Outsider continua tão pobre quanto antes.

Nada de ajustes de altura de banco e volante, vidros elétricos apenas na frente e com acionamento no painel. Luz interna única, porta-luvas mediano e com tampa que abre pouco, afinal, não dá para descer mais com o passageiro sentado.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Em resumo, apesar do projeto atual, o Kwid Outsider parece mais simples que o Chery QQ, que é mais barato.

Entretanto, para muita gente, isso é o suficiente para o dia a dia. É aí que o pequeno tem seu principal atributo.

Por ruas e estradas…

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Seu motor de três cilindros 1.0 SCe não poderia ser mais contido. Tem 12V, mas alterações e simplificações em relação ao que equipa Sandero e Logan, o deixaram apenas com 66 cavalos na gasolina e 70 cavalos no etanol, ambos a 5.500 rpm.

Na gasolina, o Kwid anterior trabalhou bem, mas, no etanol, esse propulsor oscila muito, dependendo das circunstâncias.

Após um trecho de estrada e trabalhando em alta, ao religar, ele dispara como um “efeito-memória”.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Se está apenas um pouco frio de manhã, nada de vapor saindo ao falar, o Kwid Outsider resmunga na partida e, depois de quente, parece pronto para pegar no batente. Não se esqueça do tanquinho de gasolina nesse frio.

Ágil, o hatch tem boas saídas com seu torque de 9,4 e 9,8 kgfm a 4.250 rpm, respectivamente.

O regime é alto, mas com seus 806 kg, até que o 1.0 SCe dá para o gasto no cotidiano urbano. A falta de força é em parte compensada por uma relação de marchas curta e apta para fazê-lo desenvolver bem no trânsito, que pede mais esperteza.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

O Renault Kwid Outsider funciona bem com trocas aos 2.500 rpm, imprimindo assim um desempenho aceitável para seu papel de carro urbano.

Sem lotação máxima, ele se comporta bem, mas com quatro pessoas e mais alguma bagagem, mesmo na cidade, ele reclama!

Nisso, é preciso trabalhar mais o braço direito nas trocas, que estão bem longe dos antigos Renault, com engates mais precisos que o Outsider, mas ainda não tão suaves.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

No Kwid, a vibração do conjunto mecânico ainda é bem sentida no pomo.

Falando nisso, a Renault trocou o coxim e filtrou melhor as vibrações do motor de três cilindros, porém, ele ainda continua sendo “vibrante”, especialmente no pedal de embreagem.

O nível de ruído permanece alto, especialmente se o condutor for aventurar-se na estrada.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Aliás, na rodovia, o Kwid Outsider mostra que ali não é seu ambiente. Para manter 110 km/h, o pequeno compacto precisa girar a 3.500 rpm.

Então, haja ruído. Mesmo com uma relação adequada apenas para a cidade e a falta de força em ultrapassagens e retomadas, esse Renault fez 11 km/l na estrada.

Na cidade, seu habitat – e não no fora de estrada – o Kwid Outsider fez bons 10,8 km/l, indicando que tanto faz pegar ou não rodovia, você não fará muito melhor que entre carros, semáforos e pedestres.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Com o preço do etanol em queda, pelo menos no estado de São Paulo, mesmo o bom consumo na gasolina não parece vantajoso.

Quando (e se) a coisa mudar, pode ser que valha a pena trocar pelo derivado de petróleo. Para isto que existe o flex, não é mesmo?

Simples até demais, o Renault Kwid Outsider tem uma direção muito leve, que funciona bem na cidade e nem tanto na estrada, onde o hatch é bem mais suscetível aos ventos laterais. E olha que ele não é tão alto assim: 1,474 m.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

No entanto, sua suspensão é macia o suficiente para ele inclinar bem nas curvas não tão fechadas e pular diante da buraqueira e outras imperfeições de nossas ruas.

Os pneus 165/70 R14 contribuem também para esse efeito, que lembra vagamente o VW Fusca.

Podemos até dizer que o Kwid é o Fusca do século XXI. A suspensão ainda tem curso curto e as pancadas em buracos assusta, mas, o Renault parece não ligar muito para isso.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Afinal, ele foi projetado para enfrentar surpresas que sentiríamos mais em outros carros.

Então, no final das contas, o Kwid Outsider continua sendo como os demais? Bom, isso não se sabe, mas que o sistema de freio mudou isso temos certeza.

A Renault fez uma alteração no conjunto, que agora tem resposta muito melhor, parando o carrinho mais eficientemente. Isso é bom quando se sai de um túnel dimensional no meio de um parque de diversões…

Por você…

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Ele é pequeno, cabe em qualquer vaga e ainda tem um visual simpático, que vai atrair muita gente.

Seu projeto é mais moderno que de seus rivais, como Fiat Mobi e o Chery QQ. Parece mais consistente que esses.

Para quem quer um segundo carro ou simplesmente um transporte melhor que ônibus, ou aplicativo, o Renault Kwid se encaixa bem.

É econômico de fato na gasolina, não considerando os valores oscilantes dos combustíveis.

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol

Tem boa conectividade, o essencial para achar o caminho mais rápido de volta para casa (e sem ser perseguido pelo Vingador) e um visual com detalhes que o deixam mais chamativo e agradável aos olhos (de quem compra).

Entretanto, o valor é alto. Como já falamos, o Kwid entra numa faixa de preço que os hatches maiores não perdoam, especialmente com vendedores de plantão e seus descontos de agressivos.

Então, parte da magia vai embora, valendo a pena apenas para quem realmente não irá deixar de tê-lo na garagem.

Medidas e números…

Ficha Técnica do Renault Kwid Outsider 2020

Motor/Transmissão

Número de cilindros – 3 em linha, flex

Cilindrada – 999 cm³

Potência – 66/70 cv a 5.500 rpm (gasolina/etanol)

Torque – 9,4/9,8 kgfm a 4.250 rpm (gasolina/etanol)

Transmissão – manual de cinco marchas

Desempenho

Aceleração de 0 a 100 km/h – 14,7 segundos (etanol)

Velocidade máxima – 156 km/h (etanol)

Rotação a 110 km/h – 3.500 rpm

Consumo urbano – 10,8 km/litro (etanol)

Consumo rodoviário – 11,0 km/litro (etanol)

Suspensão/Direção

Dianteira – McPherson/Traseira – Eixo de torção

Elétrica

Freios

Discos dianteiros e tambores traseiros com ABS e EDB

Rodas/Pneus

Aço aro 14 com pneus 165/70 R14

Dimensões/Pesos/Capacidades

Comprimento – 3.680 mm

Largura – 1.579 mm (sem retrovisores)

Altura – 1.474 mm

Entre eixos – 2.423 mm

Peso em ordem de marcha – 806 kg

Tanque – 38 litros

Porta-malas – 290 litros

Preço: R$ 43.990 (versão avaliada)

Renault Kwid Outsider 2020 – Galeria de fotos

Avaliação: Renault Kwid Outsider não faz mágica com etanol
Nota média 5 de 1 votos

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • Domenico Monteleone

    O carro mais “pão duro” do Brasil

    • Hodney Fortuna

      E muito caro também! Na India ele propõe uma opção para as tradicionais motocicletas por lá. Aqui continua sendo mais um item do dificílimo acesso ao automóvel por conta dos preços.

      • Emanuel Schott

        Na Índia ele é bem mais simples.

  • Ainda não consegui me acostumar com os encostos de cabeça integrados aos bancos. Acho feio demais, desde os tempos do antigo Passat brasileiro.

    • TchauQueridos

      Muito comuns na industria, até mesmo no segmento de luxo e premium.

      • Faheina

        Quando lembro q até meu favorito Audi RS6 avant tem…
        O desgosto passa mais rápido q a aceleração da mesma

        • Salvo engano os porches são todos assim, só não me recordo das SUVS da marca.

    • th!nk.t4nk

      Nunca entrou num AMG? Encostos de cabeça integrados pra mim são mais associados a carros de luxo e esportivos.

    • Victor Hugo Pinheiro Cunha

      Pra mim o pior são essas pinos de travas das portas anos 80, e os botões de abrir vidros elétricos no painel, preferia ele com as boas e velhas maçanetas, que nunca pifam….

  • Hugo Leonardo Dos Santos

    ” Custando R$ 43.990, porém, o Outsider fica perigosamente perto do Sandero, que parte de R$ 45.990.” Não esqueçam que mês que vem tem Sandero reestilizado e provavelmente a Life será um pouco mais equipada, aí chuto partindo de R$ 49 mil

    • EGITO

      Nesse valor temos:HB20,ONIX,KA,SANDERO……….resumo:por esse valor da pra levar pra garagem carros um pouco melhores

      • G. de F.

        Ou menos piores. Só depende do ponto de vista…

      • oscar.fr

        Como se estes aí tivessem algo melhor que o Sandero

        • Unknown

          Com certeza são melhores do que o Sandero!

          • oscar.fr

            HB20 suspensão descartável, pouco espaço, se tu senta atrás fica com sensação de claustrofobia.. lixo.

            • Unknown

              Concordo, mas em acabamento e ergonomia ao volante e dinâmica de condução, é muito superior ao HB20!

  • FFSB

    Resumindo: um carro horrível! Inseguro, mal acabado, apertado, inadequado mesmo para pequenos trechos de rodovia – e, portanto, não vale (mesmo!) o que custa.

    * No site da 4Rodas, há uma pequena reportagem destacando o volume de ruídos, batidas e trepidações do Kwid aos 50.000 km. É de assustar.

    • Danilo Silva

      E é zoado mesmo, carro nutela meu pai tem um do ano passado e foi premiado cheio de problema no inicio como ar condicionado que parou, problema na suspensão, fechadura quebrou, luz no painel de freio de mão que acusou problema e isso tudo com menos de 15.000 KM.

    • invalid_pilot

      Era pra custar 20 mil reais completo isso ai, mas brasileiro ama pagar caro nessas tranqueiras – só ver o modelo no top 5 de mais vendidos.

      • Geraldo Xavier

        Uma simplicidade extrema. Poderia custar pouco a mais que o qq.

  • Paulo Lustosa

    Eu acho que ele seria bem divertido se estivesse com uma suspensão mais firme e a calibração do motor com 82 cv

    • Edson Fernandes

      Mais firme?

      Na boa… ela já é dura…. e não consegue sr confortavel, mas dá estabilidade. E é só. Não entnedo a Renault, qual o problema do subcompacto andar mais que o compacto? Não faz mto sentido, uma fez que o Sandero tem a opção 1.6 que aí sim teria melhor performance…

  • Silvio Strauss

    O “SUV aventureiro” mais enganador que eu já vi!

    • daRio

      não é so no brasil a opel na italia vende o karl rocks como suv da cidade kkk
      é uma praga mundial essa onda

      • th!nk.t4nk

        Com a diferença que o Karl vende quase nada… Esse Rocks entao, é a famosa mosca branca de olhos azul.

        • daRio

          na italia agora só vende o rocks, e devo dizer que estou vendo alguns nas ruas. Deve fazer sucesso só aqui

  • Klaus Nickel

    pelo menos ele é espaçoso, cabe toda a galera da Caverna do Dragão e um unicórnio

    • G. de F.

      Só mesmo um unicórnio para caber com mais dois ocupantes no banco traseiro…

  • Marcos Villela

    Cinto de segurança para o passageiro central apenas de 2 pontos ?!?!?!?!?!

  • leomix leo

    No teste de longa duração da 4R, é só reclamações aos 53k rodados.

    • M7

      Meu Outsider com 2.000km rodados terá a barra de direção trocada, veio com defeito de fábrica, infelizmente.

      • G. de F.

        Com todo o respeito e educação mas, um barra de direção trocada, com 2mkm e por defeito de fábrica eu nem saía com o carro da concessionária mais!!!!!!

        • M7

          Pois é, infelizmente ocorreu esse problema com meu carro, fora o barulho que parece vir da embreagem ao engatar a ré, de qualquer forma, todos esses problemas deverão ser resolvidos na próxima semana na concessionária, assim espero. Esse é o segundo Kwid da familia, meu pai tem um Intense 2018/2019, está com 12 mil/km e não apresentou nenhum defeito até agora.

          • G. de F.

            Ficar refém de concessionária, em um carro com a km do seu exemplar, é algo que não me agrada em nada. Fica sempre aquela sensação ruim de seus problemas estarem sendo “empurrados com a barriga” até o fim da garantia. Mas, como na família tem dois exemplares do modelo, tomara que sejam tratados como merecido. E boa sorte com o carro!

            • M7

              Valeu!

      • leomix leo

        Complicado isso, mais uma prova que que a qualidade não é o compromisso da montadora.

      • Valmir

        cara, esse seu relato me deixa com receio. Pensei em comprar um pq gostei do visual do carro e o preço é atrativo (infelizmente estamos falando de um carro cuja versão top de linha custa 43 mil. Não existe outro). Quero trocar meu carro por conta do preço do combustível, seguro, etc. Mas me veio a duvida entre um Outsider zero ou um Up TSI seminovo.

        • invalid_pilot

          Se gosta de carro, vai de up! TSI usado (mas faça pré-compra com mecânico e laudo cautelar prévio)

          Se quer um 0km e um meio de transporte – Kwid serve, mas eu iria no intermediario e economizaria uns 6 k reais em troca de não ter esses plasticos e tecidos de banco laranja (brega)

        • M7

          Vai de TSi, mais carro sem dúvida!
          Além da barra de direção, trocaram o kit de embreagem que está rangindo ao engatar a marcha ré, felizmente trocaram tudo na garantia.

  • M7

    O meu Kwid Outsider está com 2.000 km rodados, abasteci apenas uma vez com etanol, estava com 6 litros de gasolina no tanque, o resto completei com etanol, marcou no computador de bordo 14,8 km/l na estrada (BR 470), andando a uma média de 80 km/h. Na bomba geralmente essa media fica uns 2 km menor, ou seja, ele deve ter feito uns 13 km/l com etanol, levando-se em conta que tinha uns 20% de gasolina, essa media de 11 km/l da matéria, apenas com etanol, parece estar correta.

    • rgrigio

      Fala M7, beleza? Cara, é pouco! Mas muito pouco!

      A 80/H ele tinha que fazer uns 15 no etanol.

      Meu Voyage 1.0 TEC 13/14 (195/60/15) faz 11-12,0 a 80/h com A/C. Sem A/C é 12,0 garantido!

      A relação dele em 5a é 60/h 2.000rpm ; 90/h 3.000rpm ; 120/h 4.000rpm, o que é muito parecido com o kwid.

      Essa simplificação no motor SCE não fez bem ao desempenho/consumo.

      • dogmarley

        ele fez com alcool.
        vc fez com gasolina

        • rgrigio

          Eu não disse que usei gasolina. Fiz com etanol também. Com gasolina faço até 18/L a 80/H A/C desligado. Esse Kwid tem que fazer mais que isso.

      • M7

        Fiz a média com etanol amigo, quanto ao motor SCe, ele responde bem, mas falta potência em baixa rotação, isso devido ao comando simples das válvulas.

        • rgrigio

          Sim. Assim como as médias que citei são no etanol também.

      • Edson Fernandes

        Curioso em um Uno alugado, que tem o motor firefly, andando no limite da Bandeirantes, 120km/h eu fiz 14,9… no etanol. Achei mto economico e o motor espetacularmente silencioso.

        • rgrigio

          Exatamente o nível de consumo que deve ser esperado desses pequeninos mais modernos. Numa tocada defensiva tem que fazer algo próximo de 15 no etanol mesmo. (Ao menos com o carro leve).

          • Edson Fernandes

            Te confesso que se eu fosse olhar um carro hoje, por essa experiencia eu iria no Argo.

            O HB20 1.0 é um absurdo de consumo pelo menos comigo. Outro que gostei mas é ruidoso e não é tão bem acertado de estabilidade é o SAndero. O Uno apesar de ter gostado eu faço uma comparação direta ao Argo onde: O Argo é mais macio, confortavel, espaçoso e apesar do ruido do motor ser contido do uno, vc ouvia o sistema suspensivo nitidamente e no Argo realmente não tinha ruidos.

            • rgrigio

              Não sou nada fan de Fiat, mas acho que iria nesse caminho. Paga-se um pouco mais que o valor do Uno e leva-se um carro melhor. Não ter correia dentada é um big plus para mim.

  • G. de F.

    Quanto mais eu vejo, quanto mais eu leio, menos me convence esse Kwid. Seja pela segurança, seja pelo conforto, equipamentos de série (ou a falta deles…) espaço interno. Por estar entre os mais vendidos, vê-se como o consumidor brasileiro se ilude e convence com pouca coisa pelo dinheiro pago por um zero km.
    Se partirmos então para os usados, nem precisa sair da própria Renault para encontrar propostas melhores… Enfim, definitivamente, não vale nem o que pesa, rs.

    • Edson Fernandes

      Pela segurança ele pode ser considerado sim. Já que é o unico nessa faixa de preços a ter 4 air bags e suportar batidas frontais e laterais. Só não ganhou mais estrelas por não ofertar ESP.

  • Bruno

    Estamos na era que você paga 45 mil reais em uma carro e não pode sequer usá-lo em uma viagem, com segurança. V T N C

    • rgrigio

      Tem Gol/Onix/Sandero/Ka nesses preços aí. É só procurar. Kwid só ‘vale a pena” aquele de 35k, e que na verdade deveria custar uns 32-33.

  • Guilherme Gimenes

    nao eh feio…mas parece ser mto mal acabado..parece que utilizaram materiais baratos, para “baratear” o veículo… (não posso afirmar nada pq so vi na rua, nunca entrei em um.). Carro com padrão de qualidade ÍNDIA ..

    • Danilo Silva

      Carro nutela meu pai tem um do ano passado e foi premiado cheio de problema no inicio como ar condicionado que parou, problema na suspensão, fechadura quebrou, luz no painel de freio de mão que acusou problema e isso tudo com menos de 15.000 KM, essa versão parece que é praticamente a mesma em qualidade, algumas melhorias como freio que foi citado.

    • Edson Fernandes

      Bicho, se um Sandero é ruim de acabamento vc acha que o Kwid será melhor?

      Ao menos o Kwid tem direção elétrico que até o facelift, o Sandero ainda não possui. Mais feio ainda são os mais caros não usarem já essa evolução.

      Enfim… será realmente um carro simples.

  • Jean Lehn

    Enquanto vcs malham o pau lendo a matéria a Renault ja vendeu uns 15 zero km pelos país!

    • Leonardo

      E o Kiko?

    • Hodney Fortuna

      Brasileiro é o pior consumidor de carro do Mundo. Paga preços surreais para não levar quase nada.

      • Emanuel Schott

        Até porque temos diversas opções de qualidade a preços baixos e só escolhemos os ruins e caros né?? Sqn

        Mercado brasileiro é ínfimo perto do tamanho da população. Qualquer outro país emergente vende mais carros por população que por aqui. “Brasileiros” não compram carros como vocês dizem.

        • Pedro Santos

          Brasil é o oitavo maior mercado de carros do mundo! Nada mal eu diria

          • Emanuel Schott

            Com a quinta maior população. Era pra vender mais.

    • Victor Hugo Pinheiro Cunha

      falta de opções… o up ficou muito caro, o moby não tem porta malas e é tão ruim quanto, o qq é um perigo na estrada de tão instável esse sim só pode ser usado na cidade, e olha lá… o fiat 500 sim é bom mas é uma versão premium que custa o dobro disso, e aquele ka europeu em cima da plataforma do fiat 500, que era pra ser uma versão de entrada boa e barata, nunca veio pro brasil…

  • Julio

    Gostaria de saber se este carrinho chega a ser perigoso na estrada, ou é só impressão ?

  • Julio

    Estes dias vinha eu pela BR116 pista simples e passou este Kwid comum, estava passando por todo mundo, o cara estava sendo até irresponsável andando daquele jeito ultrapassando carros e caminhões perigosamente.

    Não sei se chegou ileso a seu destino pois ele estava fazendo ultrapassagens bem apertadas.

  • Rogério R.

    Eu acho o Kwid um carrinho bacana, mas acho uma pena ele não ter o comando de válvulas variável como no 1.0 SCe do Sandero, esse carrinho com 82 cv seria bom tanto na cidade como na estrada, além de provavelmente ser mais silencioso em altas rotações. O carrinho já é um sucesso e graças a ele e ao Sandero a Renault agora faz parte das 4 grandes montadoras do Brasil.

    • Victor Hugo Pinheiro Cunha

      sim, algumas economias porcas, o curso da suspensão curto também é um defeito, e as rodas 14 deveriam ser logo rodas 15 com perfil 60 pra não deitar tanto…

  • Serviço Já!

    Há 1 mês comprei um Kwid Intense 2019/2020. Nenhum problema. O carro é um pouco mais econômico que os demais 1.0. É um carro bastante adequado para proposta urbana e tem sido tão eficiente quanto o carro pelo qual foi trocado (Peugeot 206 1.4 2008, com 93.000km no momento da troca). Não há barulho de peças soltas, a suspensão é firme (tenho um Bravo e Focus, ambos com suspensão mais macia devido à proposta) e os freios são eficientes (linha 2020 com disco ventilado). Pesquisei bastante antes de trocar, fiz test drive e me convenci do negócio. Há muito acompanho sites automobilísticos e vejo que há muitas opiniões negativas de pessoas que sequer utilizaram (seja como condutor ou passageiro) o veículo do qual reclamam. Um amigo comprou um Ônix 0km dois meses antes de minha aquisição e até hoje não conseguiu resolver o barulho constante que vem da traseira (parece que a tampa do porta malas é subdimensionada).

  • Ricardo

    Se ainda fosse barato!

  • Jose Walter Coimbra Moreira

    Não pode comparar ele com o Fusca.O Fusca topava qualquer parada com seu motor Boxer refrigerado a ar.Andava na terra,na lama,no asfalto,no deserto e no gelo.

    • Fernando Gabriel

      Problema do Fusca era a folga no volante, falta de servofreio, falta de direção, falta de ar condicionado, falta de trava elétrica, falta de vidro elétrico, falta de painel, falta de central multimídia, falta de conforto, falta de segurança, falta de muita coisa…..

      • Jose Walter Coimbra Moreira

        Por isso falei que não se pode comparar. Cada um tem suas qualidades e defeitos,mas na época, itens de luxo e de segurança não eram o caso pelo fato de nem existir estrada asfaltada para correr.

        • Edson Fernandes

          Mas tinhamos outros carros. Então a partir do momento em que o sedan fusca foi citado, poderemos dizer que nenhum outro da epoca andava nesses mesmos lugares?

          Enfim… as pessoas tinham o Fusca pq era o “mais possível de ter” mas tbm não era nada diferente do que éo kwid hoje. E ainda assim, o Kwid é citado como o simples…. tendo uma serie de itens incluiindo o air bag lateral.

          • Jose Walter Coimbra Moreira

            Na época tinhamos outros carros mas não comparados ao fusca. Somente quem andou de Fusca no passado sabe q o carro era realmente valente em qualquer situaçao.Por isso não podem ser comparados.E não se compara carro alemão com carro francês.

            • Edson Fernandes

              Opa se compara! Se vc quer falar do fusca, vc pode falar na frança do 2CV. Era o “fusca” de lá.

              Enfim… sobre o Fusca aqui… ele era super aceito pelo seu preço muito menor que um Opala. E a discrepancia era grande.

              E outros carros que vieram, depois começaram a se popularizar. Mas apenas nos idos entre 70 a 80 que ele teve de verdade alguma concorrencia em todos os sentidos. Tanto que na era dos carros movidos a agua, ele começou a perder vendas, até a entrada do Gol.

  • Emanuel Schott

    É uma opção pra quem não quer perder horas dentro de transporte público, tá com grana curta (da pra pagar R$400 de parcela dando pouco de entrada) e não quer ter dor de cabeça com usado. Mas na versão Zen, o preço dessa Outsider foge completamente da proposta do carro.

  • Fernando Gabriel

    Alguns Brasileiros realmente merecem ser estudados pela Nasa. 32639 Emplacados até Maio, 32639 Reprodutores de ruídos nas ruas, 32639 Masoquistas.

  • Vinicius

    Saudade do meu antigo GM Celta q tinha rodas aro 13″ e 4 (quatro) furos.

  • Edson Fernandes

    E de fato é o unico carro até o momento da Renault que oferta o Android Auto e Car Apple…rs

  • Unknown

    O carro é para utilizar na cidade e ponto final!

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email