Bateu, morreu? Chinês Wuling Mini EV quer provar que não (vídeo)

Bateu, morreu? Chinês Wuling Mini EV quer provar que não (vídeo)

A segurança dos carros ainda é uma questão polêmica, com muitos modelos de fabricantes conhecidos zerando em testes como da Latin NCAP, por exemplo.

Mesmo na Europa, onde a grande maioria recebe cinco estrelas, alguns modelos acabam fracassando. Mas, o que dizer da China?

Conhecida anteriormente por seus carros de baixa qualidade e segurança, o país asiático aprendeu rápido a introduzir esses dois quesitos na bagagem de seus automóveis.

Mesmo para o mercado interno, muitos fabricantes chineses se esforçam para obter de estruturas estáveis a sistemas de segurança avançados, incluindo condução semiautônoma.

Bateu, morreu? Chinês Wuling Mini EV quer provar que não (vídeo)

Isso é bem divulgado no caso de modelos grandes e caros, especialmente os elétricos de startups que se direcionam ao mercado premium. Então, o que acontece no segmento de entrada?

A China ainda tem muitas marcas inexpressivas e clones dos mais variados modelos. Nesses, nem é preciso testes para ver qual o resultado, mas dois produtos baratos foram testados para mostrar um cenário existente por lá.

De um lado, um minicarro elétrico “de marca”, o chamado Wuling Hong Guang Mini EV, o principal player desse segmento, cujos preços começam em R$ 25 mil.

Bateu, morreu? Chinês Wuling Mini EV quer provar que não (vídeo)

De outro, um clone de Mercedes-Benz Classe G em forma de minicarro elétrico, bastante popular no mercado chinês.

Como se sabe, existem dezenas ou centenas de pequenos fabricantes de carrinhos elétricos de visual clonado, com praticamente todos não atendendo às exigências internacionais de segurança e nem de qualidade.

No teste, feito exatamente para desestimular a compra desse tipo de carro, o Mini EV, um produto da Shanghai-GM-Wuling, foi impactado contra o clone elétrico do Geländewagen.

Bateu, morreu? Chinês Wuling Mini EV quer provar que não (vídeo)

O resultado não poderia ser pior para o clone de Mercedes-Benz, que praticamente se desintegrou. Já o Hong Guang Mini EV se saiu melhor, mas nem tanto assim em termos globais.

Pelo menos em três pontos da carroceria, ele deformou, o que não podia ter ocorrido. Além disso, não dispunha de airbags e evidentemente, de sistemas de assistência.

Comparado com o clone, o minicarro da GM mostra evolução, mas ainda não suficiente para ganhar as ruas americanas. Na Europa, por outra marca, o Mini EV já se faz presente. Chegará aqui? Vai saber…

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 25 anos. Há 14 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.