Bentley Europa Finanças Governamental/Legal Mercado Montadoras/Fábricas

Bentley poderia transferir produção para o continente europeu em um Brexit duro

Bentley-Continental-Supersports-1 Bentley poderia transferir produção para o continente europeu em um Brexit duro

A Bentley considera mudar de endereço se o Brexit for “duro”. A marca inglesa adverte que o Reino Unido precisa fechar um acordo de livre comércio com a União Europeia antes da saída do país do bloco econômico.

Sem um acordo que derrube as barreiras fiscais que serão levantadas em uma saída pura e simples, a Bentley seria forçada a transferir sua produção do país para a Europa continental.

Wolfgang Dürheimer, CEO da Bentley, disse que tem de nove a doze meses para ver o que vai acontecer no cenário britânico e então terá de “tomar decisões sérias” sobre o assunto.

Agora em março, a primeira ministra Theresa May dá entrada no artigo 50 do Tratado de Lisboa, que permite ao país sair da União Europeia. A partir disso, o relógio do Big Ben começa a contar as horas para a saída britânica, que pode ser catastrófica para a economia do país se acordos comerciais não forem estabelecidos.

A Bentley tem fábrica em Crewe, mas muitos funcionários atuam nas plantas da Volkswagen no continente, viajando para ambos os lados do Canal da Mancha sem a necessidade de vistos. Até agora, coisas como essa não foram debatidas entre o Reino Unido e a UE. O cenário de incertezas é enorme, especialmente para o setor automotivo, que emprega milhares de ingleses e movimenta bilhões de libras todos os anos.

Mas não é somente a luxuosa Bentley que pressiona Londres por uma alternativa fiscal à saída do país. Nissan, Toyota, Honda e outras também reforçam o coro por acordos que garantam a manutenção dos negócios na Grã-Bretanha. Até a PSA teoricamente entraria no grupo após a compra da Vauxhall, apesar de boa parte da estrutura estar na Alemanha com a Opel.

Porém, Carlos Tavares disse que a PSA vê vantagem se não houver um acordo tarifário, pois pode usar as plantas da Vauxhall para produzir localmente carros das marcas francesas Peugeot e Citroën. Ele disse que se a Peugeot tivesse fábrica por lá, superaria a questão do imposto com fabricação local. O Brexit foi um dos motivos que levaram a GM a vender as duas marcas.

Leia avaliações, notícias sobre carros e compare modelos em NoticiasAutomotivas.com.br.

[Fonte: Auto Express]

Send this to a friend