BMW Europa Finanças Governamental/Legal MINI

BMW vai atrasar próxima geração da MINI devido à saída britânica

BMW vai atrasar próxima geração da MINI devido à saída britânica

Ontem, às 23h do horário local, Londres festejou o cumprimento do Brexit, que é a saída do Reino Unido da União Europeia. Com essa retirada do bloco, as coisas podem piorar muito para o setor automotivo no país.


Para as montadoras inglesas e aquelas instaladas no país, uma saída sem um acordo com a UE seria muito ruim, e foi o que aconteceu. Após a retirada da Union Jack dos edifícios da comunidade europeia, o país se isola e a primeira reação vem da BMW.

A próxima geração da MINI será atrasada pelo grupo alemão, controlador da marca inglesa, devido às incertezas em relação ao Brexit após a saída oficial. O portfólio atual da empresa de Oxford é de 2014, quando os modelos assumiram a plataforma alemã UKL1.

Segundo a BMW, a decisão já foi tomada e a vida útil da UKL1 na MINI foi prolongada devido aos custos e incertezas políticas da saída britânica. Para a marca, a situação não é nada boa, uma vez que parte dos clientes migraram para crossovers e SUVs.

VEJA TAMBÉM:

BMW vai atrasar próxima geração da MINI devido à saída britânica

Assim, os carros pequenos tem menor demanda e maior custo, uma vez que precisam atender as novas normas de emissão em 2021, mesmo com o país saindo do bloco, já que se trata de uma exigência continental. Para a BMW, aumentou a pressão pela eletrificação da MINI como alternativa para salvar a média de emissão da gama.

Por ora, devido ao Brexit, a BMW não fará investimentos em Oxford, aguardando um possível acordo entre Reino Unido e União Europeia. Para a MINI, a salvação é que boa parte da produção é feita em Born, na Holanda.

De acordo com a montadora de Munique, se as tarifas de importação ficarem em até 5%, a situação não mudará. Porém, se passar disso, Oxford reduzirá a exportação de carros e a fábrica holandesa aumentará seu volume.

Oficialmente, o Reino Unido tem 11 meses para fechar diversos acordos com a UE e um deles se refere ao comércio com o bloco, que respondeu por 49% dos negócios do país. O governo já indicou que não haverá prorrogação se nada for fechado.

[Fonte: Auto News]

 

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • HENRY ME

    Vamos ver como R oeino Unido vai se reinventar

  • Sino Weibo

    Reino Unido da Grã-Bretanha voltando aos tempos glórios em 3, 2, 1…

    • Raul Cotrim de Mattos

      Só na sua cabeça…

    • Paulo Lustosa

      Vai é tomar bomba, isso sim. Nem o príncipe do país ficou por lá.

  • Pipo pipo

    Comercialmente me parece que estão apontando a arma para o próprio pé. Tomara que eu esteja enganado.

  • Henrique12

    UK Great Again

  • zekinha71

    Esse Brexit é tão furado que até o príncipe resolveu abandonar o país.

  • Marcelo Nascimento

    A UE não ficou satisfeita com a saída do Reino Unido, acho que difcilmente aceitam um acordo com os tais menos de 5% para o setor automobilístico.

  • leitor

    Tanto UE como UK têm fábricas e montadoras de automóveis. Se houver taxação maior ou menor será recíproca. Ainda existe um período de ajustes. Além disso qual o interesse de um dos lados reprimir o desenvolvimento de suas empresas que estão no outro lado? Principalmente num mercado relativamente interessante e rico? Se a BMW tiver prejuízos tanto a UE quanto o UK também terão.

  • Henrique12

    O Reino Unido não nasceu para ser uma periferia da Alemanha (pois o projeto europeu está fazendo isso na prática), a Alemanha manda na Europa, pula fora Reino Unido, que vai dá ruim.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email