Governamental/Legal Montadoras/Fábricas SUVs

CAB Motors: Produção do Stark Mountain vai para o Distrito Federal

CAB Motors: Produção do Stark Mountain vai para o Distrito Federal

Lembra da TAC Motors? Pois é, parece que agora ela mudou de nome e, a que tudo indica, de endereço também. Nascida em Santa Catarina, a montadora brasileira do jipe Stark partiu para o Ceará, mas agora vai fixar-se no Distrito Federal.


Agora chamada CAB Motors, a empresa firmou um acordo com o governo do Distrito Federal para construção de uma fábrica no complexo industrial do Polo JK, localizado na cidade-satélite de Santa Maria.

A CAB Motors pretende produzir no local o modelo Stark Mountain, aparentemente uma versão modificada do jipe 4×4 que foi lançado anteriormente. O espaço tem 70 mil m2 e terá uma instalação que demandará R$ 200 milhões, de acordo com o governo do DF.

A montadora se compromete, além do investimento, gerar 420 empregos na região a partir de 2021. Controlada pelo grupo Ferreira Souza, a CAB Motors se reuniu com o governador Ibaneis Rocha e seu vice Paco Britto. Antonio Ferreira Souza, presidente de empresa, disse:

“Decidimos vir para o Distrito Federal a convite do governador Ibaneis e do Paco Britto. A posição geográfica da capital é indiscutível. O acolhimento do GDF em relação ao nosso projeto tem sido sensacional”. O chefe da CAB Motors completou: “Aqui, ele se torna nacional e internacional pelas embaixadas e a visibilidade que Brasília tem. Somos a única fábrica 100% nacional, com todo o projeto brasileiro, estrutura de chassi e carroceria nacionais.”.

CAB Motors: Produção do Stark Mountain vai para o Distrito Federal

A produção mensal em Santa Maria será de 100 unidades e a CAB Motors informa que está instalando um centro de desenvolvimento e pesquisa de produto na cidade de Araripina, bem como uma unidade montadora em Pedra, ambas localizadas no estado do Pernambuco.

No dia 29 de janeiro, a CAB Motors e o governo do DF lança a pedra fundamental da fábrica na região. Os dois chefes do executivo local andaram e aparentemente gostaram do Stark Mountain.

O veículo utilizado para demonstração aos administradores do DF – já nas cores da Guarda Civil Metropolitana – não tem diferenças visuais em relação ao Stark da TAC, que mantém seu site. Já em relação à nova empresa, não encontramos nenhuma página oficial.

[Fonte: Agência Brasília]

Ricardo de Oliveira

Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 23 anos. Há 12 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações. Também trabalhou nas áreas de retificação de motores, comércio e energia.

  • th!nk.t4nk

    Tudo muito legal, mas por que a guarda municipal precisa de um veículo desses? Outra coisa bizarra é fazer um investimento de 200 milhoes pra vender meros 100 carros/mês (isso caso as vendas cheguem na capacidade máxima da fábrica heim). Precisaria de uma margem de lucro colossal pra valer a pena, ou ter algum esquema por trás que não tá explicado.

    • Lucio Adriano Mendonça

      Esquema eu tenho quase certeza. Se esses veículos puderem ser utilizados pelo dobro do tempo de um automóvel comum já acho que o investimento não é ruim.

    • É…a conta não fecha. Alguma coisa aí tá errada. Espero que esse “investimento” não saia do BNDES ou algum outro banco público.

      • Matthew

        Brasil acima de tudo, Deus acima de todos! A mamata acabou, tá okay?!

        • Jad Bal Ja

          O que Bolsonaro tem a ver com isso?

      • Roberto Monteiro

        Qual o problema de sair do bndes??? Vai te informar… banco público serve pra fomentar a economia… se vão pagar o empréstimo, é outra história… não confunde empréstimo com doação… por falar nisso, tu viste a tal caixa preta do bndes??? Não acharam nada de anormal… reforço::: banco serve pra emprestar dinheiro… dá as garantias, se não pagar, será acionado na justiça… simples assim…

        • E só vc ver o tamanho do investimento, pela quantidade de carros que se espera vender, e verá que um eventual empréstimo não tem como ser pago. E se é fácil saber que não vai ser pago (uma calculadora simples resolve, camarada), não tem de ser dinheiro público a ser emprestado.

    • Pedro

      Produzindo 6000 carros em 5 anos, 100 carros por mês, e vendendo a 100 mil cada, o investimento representa 33% do valor do carro. 10 anos representa 15% do valor do carro.

      • Ducar Carros

        Além disso, provavelmente o terreno será dado de graça, e haverá um gordo desconto no ICMS. Ou seja, a proporção dos R$ 100 mil que ficará com a empresa será maior.

        Mas que esse investimento levanta a suspeita de lavagem de dinheiro, levanta, pois o risco de não conseguir vender as cem unidades/mês é alto.

      • th!nk.t4nk

        Então, só que esses 200 milhoes iniciais são só pra construir a fábrica. Ainda tem que pagar 420 funcionários, conta de energia, fornecedores, impostos, etc. O lucro por veículo realmente teria de ser muito grande pra compensar.

      • 😎.

        Acho que ele vai custar uns 150 mil, o Agrale Marruá é bem mais caro ,uns 200 mil

        • Jackson

          Mas esse carro aí nem se compara ao Marruá que tem mecanica Diesel motor MWM e é feito totalmente em aço não como esse e o Troller que utilizam fibra de vidro na construção..

          • 😎.

            Que o Agrale Marruá é superior isso não temos dúvidas, e ainda é feito por uma empresa com experiência de mais de 50 anos em veículos para o fora de estrada.

    • Cesar

      Brasília não tem Guarda Municipal.

    • Jorge Irineu Hosang

      Estiveram aqui em SC (pegaram financiamento do Estado pra Fábrica), foram para o CE sem dar satisfações e agora são cobrados na Justiça pelo golpe dado no Estado!! Agora no CE estão saindo ou porquê tiraram o que tinham que tirar de lá, ou porquê fogem do processo movido por SC!! Aparentemente, o que mais querem é se valer de recursos públicos a baixo custo, mais do que desenvolver e fabricar veículos!! Afinal, eles falam muito, mas ninguém explica: “como irão vender os tais 1.200 carros por ano, se nem concessionário eles tem??”. Como Você bem escreveu, investimento e produção não fecham uma conta racional!!

  • nãotemjornalistajapa

    Tem Mitsuoka tb

  • Fabricio

    suco de limão que parece tamarindo e que tem gosto de groselha

  • Joao Victor

    Da onde vai sair esses 200 milhões?

  • Raimundo A.

    Eu li uma matéria que o pessoal da TAC estava com prejuízo e tentava arrumar novo investidor. Aí, pergunto até que ponto tiveram benefícios para irem para o Ceará e o governador deste talvez não tenha gostado da empresa mudar de estado como é dito na matéria, naquele velho arrumadinho político.
    A localização é inquestionável para uma distribuição nacional, mas e por que não foi antes para o DF optando ir para o Ceará onde há a sua concorrente Troller? Interesse, benefícios, claro prometidos na época.

  • L.M.

    Peraí, o motor não é brasileiro

    • 😎.

      O motor é VM Motori, marca do grupo FCA

      • mjprio

        É o 2.3 Multijet Economy da Ducato. Inclusive o carro tem outras peças de origem fiat

    • th!nk.t4nk

      Normal. Outro dia aqui nos comentários estavam teimando que o Ecosport “é um projeto totalmente nacional”. Ignoraram completamente motor, câmbio, sistema elétrico e eletrônico, etc. As pessoas acham que a carroceria é tudo. Se fosse assim tava fácil projetar carro, pois o resto dos componentes apareceriam magicamente.

    • Renato Alves

      E isso é ótimo!

  • Pedro

    É um nicho de mercado, pois carros de linha não foram feitos para este propósito, puro offroad, um dos poucos é o Troller.

  • 😎.

    Jipinho bonito , mas nunca engrena no mercado

  • BlueGopher

    Tem montadora que muda o estilo dos carros.
    Tem outras que mudam o motor ou o câmbio.
    E tem outras só mudam de endereço, com todos os pesados custos que isto envolve.
    Mais lógico seria melhorar o produto ao invés de gastar em realocação de máquinas, dispensa, recontratação e treinamento de nova mão de obra e assim por diante.
    Mas deve haver alguma vantagem econômica escondidinha por aí…

  • Fernando Bento Chaves Santana

    E la vamos nós outra vez.

    Esse projeto já passou pelas mãos de três ou quatro grupos desde 2004 sempre a atrás de incentivos e quando e período de concessões terminam eles rumam para outro lugar: nasceu em SC, foi para o CE e agora vai pro DF. E quando findar os benefícios com o DF alguém arrisca dizer o que acontecerá? E como fica a segurança de quem já comprou TAC Motors, ou um Stark Motors agora perante esta CAB Motors?

    O projeto era muito bom lá em 2004, e continua interessante hoje, apesar de ter evoluído, mas desgraçadamente faltou uma empresa sólida por traz do projeto. Se fosse tocado por uma Agrale, CAOA, HPE ou até mesmo pela SHC o Stark poderia ter sido um carro popular no país por ser composto por peças standart encontradas em quaisquer lojas de autopeças. Mas no atual estado é só um zumbi.

  • Hop

    Será que tem maracutaia aí?

  • Rajack Oliviera

    Uai! Mas o DF não tem GCM. Kkkkk o esquema aí tá avançando rápido…

  • vale lembrar o seguinte, no DF NÃO TEM Guarda Civil Metropolitana. Essas cores são da Guarda Civil Metropolitana de alguma outra localidade.

    E outra, esse jeep é igual caviar, nunca vi, nem andei, só ouço falar.

  • Samluzbh

    Esse carro usa chassis tubular, fibra de vidro e peças de outros carros, não precisa de uma fabrica de 200 milhões pra isso, tem treta das grandes aí!

  • sigma7777777

    Projeto todo nacional? Só a estrutura, pois o motor é da Ford, não é?

    • Alaor

      Fiat 2.3 da Ducato

  • RIP Brazil

    Show!
    Mais uma Gurgel que tá “durando muito” no market!

    #parangaricutirimirruaro

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros para mais de 450 milhões de pessoas, por mais de 13 anos. Saiba mais.

Notícias por email