Caoa Chery Tiggo 3x sai de cena – produção só em 2025?

Chery Tiggo 3x 2022 9

O quase “11 de janeiro” para a Caoa Chery foi marcado por diversas contradições, especialmente entre o anunciado pela montadora e o apurado com o sindicato dos trabalhadores de Jacareí.


A data é uma referência à saída da Ford da produção brasileira após um século e, de acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e região, a Caoa Chery está mesmo é fechando a fábrica.

Para o sindicato, a Caoa Chery teria dito “que os custos com a importação, e muitas das peças vêm da China, subiram muito. O preço do contêiner subiu de R$ 3 mil para R$ 7 mil”.

A entidade que reúne os funcionários comentou: “falaram em importar o carro completo. Há uma contradição nesse discurso! No caso do Tiggo 3X alegaram que o modelo não teve êxito no mercado, mas não é isso que falam nas propagandas que circula na mídia”.

Diante disso, o Caoa Chery Tiggo 3x sai de cena com o fim da produção, sendo o crossover baseado no modelo Celer, que gerou o Tiggo 2.  De janeiro a abril, o Tiggo 3x vendeu 3.073 unidades, estando assim na média dos modelos Tiggo 5x e do Tiggo 8, com o Tiggo 7 vendendo pouco menos.

Não se sabe qual era a meta de vendas da Caoa Chery, mas a marca alegou elevação dos custos da operação, dizendo ainda que o Arrizo 6 Pro será importado da China, algo que a CAOA vinha evitando desde que assumiu o controle da Chery no país.

A Caoa Chery informou ao sindicato que 50% do pessoal administrativo e todos os funcionários da produção seriam demitidos e que a fábrica ficará sem produzir até 2025, quando surgirá um novo modelo elétrico para ser feito na instalação.

Para a imprensa, a Caoa Chery disse que modernizará a fábrica para fazer carros híbridos e elétricos, bem como faria lançamentos no segundo semestre e eletrificaria o portfólio até o final de 2023.

O sindicato da região diz que lutará contra as demissões e o fechamento da fábrica junto aos governos. A entidade diz ainda que a proposta indenizatória não é suficiente e que não acredita mais nas promessas da empresa.

[Fonte: Auto Data]

Autor: Ricardo de Oliveira

Técnico mecânico, formado há 26 anos. Há 15 anos trabalha como jornalista no Notícias Automotivas, escreve sobre as mais recentes novidades do setor, frequenta eventos de lançamentos das montadoras e faz nossos testes e avaliações.