Condução autônoma Elétricos Gadgets Mercado Montadoras/Fábricas Tecnologia

Carros elétricos e autônomos podem ser a próxima revolução tecnológica mundial

iphone-5s Carros elétricos e autônomos podem ser a próxima revolução tecnológica mundial

Em 9 de janeiro de 2007, Steve Jobs, CEO da Apple, fez uma apresentação que mudaria para sempre a forma de comunicação das pessoas. Era para ter dado errado, mas o anúncio – bem ensaiado – foi um sucesso e assim nascia o smartphone iPhone, o primeiro do gênero, que levou milhares de pessoas a ficar horas em filas nas lojas para ter o seu.



Naquele mesmo ano, um projeto chamado BlueStar tomava corpo e quase 10 anos depois, na noite de 31 de março de 2016, este mesmo dava o ponta pé inicial para outro tipo de produto que, apesar de não ser o primeiro como no caso do iPhone, impactou imediatamente o mercado de automóveis no mundo, o Tesla Model 3.

É inegável a reviravolta provocada pelo novo dispositivo da Apple, que acabou com a indústria de telefonia celular, que tinha em marcas como Nokia e BlackBerry dois de seus principais expoentes. Ao usar um sistema operacional que se apoia sobre aplicativos, antes exclusivos e que agora podem ser feitos por qualquer pessoa, o iPhone permitiu que as pessoas fizessem um uso mais intenso e amplo do aparelho móvel, que antes servia mais para sua função primordial, que era falar com outras pessoas.

tesla-model-3-primeiro-exemplar-2 Carros elétricos e autônomos podem ser a próxima revolução tecnológica mundial

No início, o smartphone era para poucos, mas então, o novo negócio que surgiu após o iPhone fez com que esse tipo de tecnologia chegasse à todos. Empresas como a Samsung se aproveitaram desse mercado que acabava de surgir e levaram o dispositivo móvel para as massas, que acabou sendo dominado pelo Google através de seu sistema operacional Android.

E o que isso tem a ver com os carros? Embora essa tecnologia permita que os motoristas hoje possam estar de alguma forma (legal) conectados com o mundo e ainda se beneficiar de aplicativos de navegação e compras online em seus dispositivos móveis ou do próprio carro, nos futuros carros elétricos, autônomos e compartilhados, há uma relação muito mais próxima com a revolução do smartphone.

O mercado já analisa esse novo tipo de automóvel como a próxima grande revolução tecnológica após o iPhone. Da mesma forma que a Apple ajudou a criar um novo negócio no mundo da telefonia, que praticamente extinguiu o modelo anterior, os carros elétricos surgem agora como um divisor de águas no mundo automotivo. Antes, o híbrido surgiu como uma aposta para o futuro, mas após 20 anos, não chegou às massas de forma mais ampla.

volvo-drive-me-1 Carros elétricos e autônomos podem ser a próxima revolução tecnológica mundial

Agora, o carro elétrico pode fazer o mesmo que a proposta do iPhone há 10 anos atrás. No entanto, o veículo movido por energia não fará isso sozinho, mas em união com outra tecnologia. Se o dispositivo da Apple precisou de aplicativos para fazer a diferença, o carro elétrico precisará da condução autônoma para chegar a todos. Quando se diz “a todos”, isso significa qualquer pessoa, mesmo que esta não tenha habilitação para dirigir ou mesmo poder aquisitivo para comprar ou alugar um carro.

Com o iPhone surgiram os aplicativos e a evolução destes chegou ao mercado automotivo, onde apps como Waze estão em praticamente quase todos os smartphones de motoristas que precisam se orientar em meio ao trânsito cada vez mais caótico. Apps como o Whatsapp permitem também a comunicação via internet entre as pessoas e não mais com o uso das redes tradicionais de telefonia móvel.

No caso dos carros elétricos autônomos, os aplicativos continuarão à disposição para as mais variadas funções, mas serão aqueles de compartilhamento, onde hoje Uber, Lyft e outras estão presentes, que farão muita diferença para as pessoas sem um automóvel. Basta alguns comandos no smartphone e o carro chegará ao local do usuário, mas só o carro. Isso será possível com a condução autônoma, que move esforços bilionários por parte de empresas como Uber, Waymo e GM (Cruise Automation), por exemplo. Mesmo a gigante chinesa Baidu também está de olho nos automóveis que andam sozinhos.

Essa mudança na forma de locomoção das pessoas já deu os primeiros passos com os aplicativos de transporte pessoal, mas ainda sobre o modelo atual de negócio, que envolve um carro comum e um motorista. Alguns serviços de car sharing destravam carros e permitem seu uso em períodos, mas a devolução precisa ser feita em locais específicos. O mesmo vale para os donos de carros conectados a estes serviços, que alugam seus veículos e geram uma renda extra. Nos autônomos, os automóveis simplesmente irão embora ao fim da viagem.

uber-serviço Carros elétricos e autônomos podem ser a próxima revolução tecnológica mundial

Mas, mais do que uma mudança na forma de locomoção das pessoas e no mercado de automóveis, onde o uso de serviços será uma alternativa à propriedade privada e mesmo ao aluguel por longos períodos, será o impacto na indústria do petróleo. Empresas como a BP (British Petroleum) dizem que os carros elétricos poderão somar de forma positiva, mas quando adicionados compartilhamento e condução autônoma, o impacto destes no cenário mundial toma proporções bem maiores.

Com isso, já é previsto o distanciamento do transporte em relação ao petróleo, graças às melhorias no custo de produção, evolução das baterias e restrição de circulação cada vez maior nos grandes centros. O efeito será muito mais amplo, atingindo desde o varejo até o seguro. Para os tradicionalistas, as projeções podem assustar.

Em 2038, as vendas anuais devem atingir 120 milhões de veículos, mas destes, 65% serão de elétricos. Em 2040, os elétricos cortarão mais de 8 milhões de barris/dia da produção apenas da Arábia Saudita. Uma década antes, boa parte dos principais mercados do mundo terão banido as vendas de carros movidos por gasolina ou diesel, inclusive a China, segundo estimativa da BYD. Ainda assim, a indústria do petróleo promete buscar outras formas de manter sua atuação global nesse novo ambiente previsto para os próximos 30 anos.

[Fonte: Exame/Reuters]

  • Celso

    Discordo da reportagem ao dizer que os veículos elétricos e os veículos autônomos são complementares. Não, são 2 revoluções independentes uma da outra, acontecendo ao mesmo tempo, mas uma poderia ocorrer sem a outra. Bem diferente dos smartphones, em que o surgimento desse permitiu o surgimento dos diversos aplicativos.

  • Deadlock

    Agora a indústria do petróleo está enfrentando governos e não competidores, portanto, reduzir preços para eliminar a concorrência não vai funcionar, parece que dessa vez os elétricos vão decolar..

    • th!nk.t4nk

      Por outro lado a indústria do petróleo já está lucrando com a eletromobilidade. Veja o caso da Shell, uma das empresas que mais investem no setor de energia limpa. Esses caras não são bobos. Bobo é quem nega que a revoluçao está ocorrendo e vai morrer na praia. Pra mim a piada do momento é quando ouço os brasileiros dizendo que “carro elétrico nao é o futuro, pois o futuro é carro a hidrogênio”. Dizem isso sem saber que: 1) todo carro à H2 é elétrico; 2) a tecnologia de H2 já foi superada e engavetada.

  • Diego

    Carro elétrico é utopia sustentável, do ponto de vista ecológico o melhor a ser difundido são veículos movidos a hidrogênio. Essas baterias vão poluir muito mais, tanto na sua concepção, utilização e Descarte, basta avaliar as fontes que são utilizadas para carregá-las: usinas nucleares, térmicas… Isso não é revolução, mas sim enganação, existem artigos respeitáveis que condenam esse tipo de produto.

    • BillyTheKid

      Veículos a hidrogênio também usam baterias, só que menores; o que significa que farão mais ciclos e terão vida útil muito menor. Além disso, hidrogênio precisa de energia pra ser fabricado; mesmo que venha de energia solar ou eólica, é um passo a mais, e cada passo extra na produção de qualquer coisa gera perdas. Por fim, hidrogênio precisa ser transportado e será necessário investir numa infraestrutura pra sua disponibilização. Tudo isso gera mais perdas ainda, poluição, além de custos, que alguém (leia-se: consumidor, você) terá que pagar.

      Logo, faz muito mais sentido você continuar fabricando baterias (que, de qualquer forma, seriam usadas em carros a hidrogênio), cortar um passo na produção do combustível e usar uma infraestrutura de transmissão que grande parte do mundo já possui (rede elétrica) aumentando a eficiência do processo como um todo. Dessa forma, só precisamos de baterias e mais produção elétrica (ambas também necessárias pra produção de hidrogênio).

      Mais uma coisa: carros elétricos com baterias grandes podem ser carregados com energia produzida em casa. Se você tiver painéis solares/baterias domiciliares, que ficarão cada vez mais baratos nas próximas décadas, você não dependerá de hidrogênio/mijolina/etanol socados de impostos pelo nosso querido amado governo ou com preço estipulado pelo cartel de postos da sua cidade. Já pensou que sonho incrível?

      • Diego

        http://g1.globo.com/carros/noticia/2015/10/honda-clarity-e-toyota-mirai-disparam-na-corrida-do-carro-hidrogenio.html

        Eu sugiro que você leia esta materia, realmente não conhece um modelo a hidrogênio, a começar por afirmar que utizam baterias, são cilindros como os de gnv, a autonomia é muito maior que um elétrico movido a bateria.

        • BillyTheKid

          Já eu, sugiro que leia o Wikipedia ou outros artigos sobre carros a hidrogênio. O Toyota Mirai possui uma minúscula bateria de 1.6kWh de níquel-hidreto metálico, a qual armazena energia extra produzida pelo sistema de hidrogênio, bem como a energia dos freios regenerativos, para uso posterior. Em altas velocidades, ele é movido somente ao hidrogênio mesmo.

          Enquanto isso, o Tucson Fuel Cell tem uma bateira ainda menor, de 0.95kWh de polímeros de lítio. E, como você deve saber, baterias tem um limite de ciclos na sua vida útil. Baterias menores geralmente fazem mais ciclos, o que significa mais trocas.

          Me desculpe, você pode defender carros a hidrogênio o quanto você quiser, mas eu não consigo entender a lógica de continuar refém de postos e impostos do governo. Pelo menos energia elétrica eu posso produzir em casa, e de forma muito mais eficiente e limpa que produzir hidrogênio.

          PS: Você sabe de onde vem a maior parte da produção de hidrogênio atualmente? Pesquise por “produção de hidrogênio” e veja os primeiros resultados…

          • Diego

            Contra fatos não há argumentos, querer contrariar o que está descrito pela propria Toyota ? Ser prolixo não demonstra inteligencia, seja razoável. Sem mais!

            • BillyTheKid

              A Toyota afirmou que não tem baterias no Mirai? Então tudo bem, contra fatos não há arugumentos! E tenho certeza que a Toyota tem em sua mente a melhor das intenções para o mundo e todos nós!

              Igual a VW, e várias outras marcas, que adulteravam os softwares dos carros para poluírem mais do que deviam. Bem como a GM, quando defendia o uso do tóxico chumbo na gasolina. Enfim…

              São todas a mesma coisa. Acreditar em empresas privadas, movidas pelo LUCRO, é inocência demais.

              Sem mais!

              • Diego

                Não tente maquiar o seu erro, você fez uma confusão entre hidrogênio e bateria :” Veículos a hidrogênio também usam baterias, só que menores; o que significa que farão mais ciclos” Esse é o cerne da questão e está errado, o carro é híbrido,a energia gerada pelo hidrogênio independe das baterias, estas são complementares , sistema de hidrogênio é um e o de bateria é outro, tão difícil de entender ?
                Hidrogênio é armazenado em cilindros como os de GNV, pesquise antes de afirmar algo, veja o que diz o fabricante: “Na traseira, há dois tanques de fibra de carbono que guardam o hidrogênio líquido. Este alimenta a célula de combustível (no centro do veículo), que reage com o oxigênio do ar, produzindo vapor d’água (que sai do escapamento)”
                Estamos falando especificamente sobre hidrogênio, um sistema que não tem nada a ver com o elétrico, vem você com textos imensos querer afirmar algo que destoa do que o fabricante projetou, beira o ridículo, olha o que você escreveu: “hidrogênio precisa de energia pra ser fabricado; mesmo que venha de energia solar ou eólica”, se for utilizar este argumento nada seria criado no universo, hidrogênio é um combustível limpo, não necessita de baterias e é renovável.
                Você não conhece absolutamente nada e quer se passar por tal.

                • FrankTesl

                  carro à hidrogênio (pelo menos como o Mirai e vários outros semelhantes) É um carro com motor elétrico.

                  O hidrogênio é empregado nas células para produzir eletricidade, e essa eletricidade é armazenada temporariamente em baterias, menores do que as baterias de um carro elétrico puro, mas necessárias para garantir um fluxo contínuo de eletricidade para o motor elétrico.

                  A diferença básica de um carro elétrico puro para um à hidrogênio é que no elétrico puro as baterias são maiores, e no hidrogênio ela pode ser menor por ser continuamente recarregada pela célula de hidrogênio.

                  Um carro com motor à combustão de hidrogênio para atender pessoas comuns seria caro para cumprir requisitos de segurança e seria absolutamente temerário, dadas as necessidades constantes de checagens de segurança e manutenção que são normalmente negligenciadas

          • João Holmes

            O cara acha que existe uma reserva natural onde ele fura e sai hidrogênio. Isso não existe. Todo hidrogênio tem origem industrial. Seja pela reação do gás natural com o CO2 ou pela eletrólise da água. Em ambos os casos, se você tem gás natural ou energia elétrica, para que raios você vai produzir hidrogênio para usar num carro se você poderia usar o gás natural ou a energia elétrica direto nele? Além disso, num cilindro de GNV cabe dez vezes menos hidrogênio do que GNV em termos de massa. Ou seja, muito pouco combustível. Mas esperto é ele e burro é o Elon Musk que resolveu investir em carros elétrico e não a hidrogênio.

            • Diego

              IP do mesmo estado com o mesmo provedor, nada que um sniffer de rede não desvende, seja você mesmo e não utilize um perfil FAKE.

            • Deadlock

              É, o ponto de liquefação do H2 é muito baixo e não se consegue liquefazê-lo (não se consegue carga máxima do cilindro).

            • Charlis

              Excelente comentário!
              O pessoal desconhece um pouco sobre a produção do hidrogênio.
              Me lembrou aqueles videos dos “inventores” que fazem uma moto abastecida com água, rs…
              Se a eletrolise fosse tão fácil assim, estaríamos feitos.

              []s

        • FrankTesl

          Nem de longe um cilindro padrão de GNV atende as especificações de segurança para armazenar hidrogênio, ainda mais em carros de passeio de pessoas comuns. Sem falar nos demais sistemas internos de condução do hidrogênio do tanque para as células.

        • th!nk.t4nk

          O cara me cola uma matéria do Globo (haha) de 2015 afirmando que hidrogênio é o futuro. Tá certinho :)

    • Francisco Helio

      Vão derrubar o que resta da amazônia para construção de hidrelétricas geradoras de energia para os carros elétricos.

      • BillyTheKid

        Ou eles poderiam, sei lá, construir fazendas solares ou eólicas em terrenos pouco férteis e atualmente inúteis? É uma possibilidade também… De qualquer forma, com carros elétricos ou não, cada vez mais usamos aparelhos eletrônicos e computadores todos os dias. Conforme o país enriquece, eventualmente é necessário produzir mais energia elétrica pra atender às necessidades da população, então isso não tem só a ver com carros elétricos.

        • Louis

          Esses dias inauguram uma “fazenda” de energia solar no sertão nordestino, um lugar onde até cacto morre da seca, agora está se criando riqueza na cidade. Só quem é muito limitado intelectualmente fica nesse blá blá blá de que não vai haver energia.

          • Eduardo

            Bah tchê, excelente comentário!!!
            Gostaria ainda de acrescentar que o Brasil é um país litorâneo basicamente. Taca-le catavento por tudo ora bolas! Energia eólica é limpa, todos sabem.

      • Deadlock

        Eu não sei se vc sabe que a Amazônia é uma planície e a instalação de usinas hidrelétricas por lá só significa uma coisa: inundações monstros. Belo Monte já mostrou isso. Amazônia é tratada como vaca sagrada…

        • Cesar

          Belo Monte é usina a fio d’agua. Por isso só vai funcionar quando tiver água. O projeto original foi totalmente desvirtuado.

    • FrankTesl

      isso, vamos construir toda uma infraestrutura nova do zero para produzir, estocar, transportar e abastecer hidrogênio, que deve seguir padrões de segurança e manutenção muitos caros e que não vai possível de aproveitar a estrutura atual para óleo e gás.
      Vamos também equipar carros de passeio de pessoas comuns com células de hidrogênio revestidas de platina e tanques para hidrogênio com padrão de segurança nível NASA, tanto no preço como na complexidade de manutenção, e esperar que todos os consumidores atuais, que chiam para trocar óleo no prazo, paguem esses custos extras para manter seus carros com tanques de hidrogênio seguros. Tudo isso para continuarmos reféns de um novo ~(ou quem sabe o mesmo) cartel que vai dominar toda essa estrutura. Enquanto isso, já é possível HOJE colocar painéis solares nas casas e as tecnologias de baterias já estão maduras e cada vez mais acessíveis em termos de preço.

      • th!nk.t4nk

        O cara viajou legal mesmo. E sabe o que é pior? Tá cheio de gente com esse mesmo papo desinformado a respeito do que ocorre no setor. Tiram do nada a ideia de que “vai faltar energia”, que “carro elétrico polui mais que à combustão” e bla-bla-bla. Tá na hora do povo se atualizar um pouco. Mas suspeito que mais uma vez no Brasil as pessoas só vão se dar conta da revolução da eletromobilidade depois que ela já tiver acontecido no mundo. Daí será muito tarde e o país estará no atraso tecnológico mais uma vez, infelizmente.

        • João Cagnoni

          Falácias e mais falácias… Essa história de que carro elétrico polui pra mim é o fim das discussões hahaha

        • Eduardo

          Sim. É muito mais fácil instalar redutores de poluição (filtros e sei lá o que) em usinas geradoras de energia elétrica do que controlar a poluição de cada carro velho poluindo por aí!

    • Louis

      As fontes de energia renováveis estão evoluindo a passos largos, a medida que vão entrando carros elétricos no mercado.

  • FrankTesl

    e como sempre, para atender aos interesses tacanhos de uma meia dúzia de amigos do rei e políticos sem visão que só pensam na próxima propina, o BRAZEEELLLLL il il il vai ficar de fora de mais essa etapa no desenvolvimento global, afinal não precisamos de modernidades, temos etanol e pre-sal.

    • Thales Sobral

      Vai ficar de fora não, uma hora a gente é arrastado.

  • Wolfpack

    Temos que relativisar esta futurologia. Sim, existe uma pressão na Europa para diminuir a dependência de combustíveis fósseis. Sua matriz de geração enérgica é baseada no carvão, energia nuclear, gás e óleo combustível. A tendência é realmente tirarem das grandes cidades os carros movidos a diesel, etanol e gasolina. Agora, vemos isso muito forte na Europa Central e agora China com problemas com a poluição. Nos demais mercados a história pode demorar mais tempo. se todos optarem por veículos elétricos a geração de energia será pressionada. Países onde a energia elétrica não está dimensionada hoje pra demanda, imagine acrescentar mais esta fonte absurda de consumo. Mais hidroelétricas, usinas termoelétricas e de carvão e óleo. Quais os efeitos disso ao meio ambiente? E outro problema, o descarte do material eletrônico e bateriais. Teríamos como dar um destino correto a tudo aquilo? Materiais pesados, lítio, químicos, seriam separados adequadamente e reutilizados? E sem contar a infraestrutura. Um caminhão de bombeiros ou taxi, ou serviços que não podem parar ou esperar as recargas demoradas de bateria, como faríamos, duplicaríamos a frota? A quem interessa essa onda de eletrificação?

    • Louis

      Microgeração distribuída, logo teremos quase todas as casas gerando energia foto-voltaicas em seus telhados.

      • th!nk.t4nk

        Já é assim onde moro. Aprox. 50% das casas têm painéis fotovoltaicos. E nao é meia dúzia de painéis nao, é cobrindo o telhado todo de ponta a ponta. O preço desses sistemas está caindo muito rápido, logo começarão a popularizar até no Brasil. Mas além disso um incentivo governamental de início ajuda também, claro, pois favorece os investimentos na fabricação local dos painéis.

        • Louis

          E olha que o Brasil tem uma das maiores incidências de raios solares, isso é totalmente favorável. Eu só não coloquei ainda em minha casa porque consumo bem pouca energia, economizo bastante, mas assim que eu comprar um carro elétrico acessível, coloco placas fotovoltaicas.

  • Luis Burro

    Q exagero!O sucesso de IPhone e mais outros produtos é muito mais pela especulação de alienados sobre seus criadores do q as inovações tecnológicas q eles trazem.
    É,realmente a propaganda é a alma do negócio!

    • Louis

      Hoje, concordo que o Iphone não vale o quanto pedem, mas foi o pioneiro no estilo smatphone que se popularizou hoje.
      Quando Jobs anunciou o Iphone, pensei “nossa, que bobeira, quem precisa disso?” Confesso que queimei minha língua.

      • Daniel

        O iPhone foi só copia do que os outros já estavam fazendo. Já tinha smartphone com tela touch e mais um monte de coisa em 2006!

    • Daniel

      Exato, e a noticia erra ao dizer que foi o iPhone que começou tudo isso. Tanto é que, já em 2006 eu tinha um Smartphone com tela sensivel ao toque, reconhecimento de escrita, e varios aplicativos. Sim, o Symbian UIQ3.0 era (e agora ainda mais) bem limitado de aplicativos, mas era possivel desenvolver aplicativos sem precisar passar pela aprovação da maça, que travou muito o desenvolvimento de aplicativos no começo do iPhone.
      O iPhone só foi o primeiro smartphone modinha. E, as “novidades” dos iPhones são sempre “correr atras” do que os concorrentes já desenvolveram e lançaram antes.
      A Apple tem ótimos produtos, mas, não dá pra falar que são pioneiros em muitas coisas, e nem que são os melhores em varios aspectos. Ficam na “média alta” com preços extremamente altos… Mas, pra ostentar servem bem…

  • Wolfpack

    Não se deve comprar tão facilmente como estão vendendo esta idéia. Para políticos e gestores de cidades o melhor dos mundos é tirar da vista dos cidadãos as fontes poluidoras, os carros, e levar a geração de poluição pra bem longe, se possível pra China ou alto mar. O cara que pluga seu tesla na tomada pensa que é mágica aquela energia chegando a sua casa e abastecendo seu carro. Não sabe se vem do carvão norte coreano, óleo sírio, gás russo ou urânio E mesmo, não tem idéia da fonte do lítio que está em seu automóvel! As cidades estarão limpas mas o meio ambiente cntinuará a sofrer. O peso dos automóveis elétricos é outro fator que gera maior desgaste de componentes como pneu, amortecedores, e coxins. Agora, tudo é muito belo e mágico, mas a realidade do carro elétrico se tornar único e aposentar os combustíveis fósseis vai demorar mais do que esperamos. Vai ficar essa coisa utópica de ambientalistas que querem que todos pedalem uma bicicleta no meio da rocinha em guerra ou na marginal do tiete.

    • FrankTesl

      Os carros à gasolina/etanol, caminhões e ônibus diesel não vão sumir magicamente de um dia para outro, mas se formos ficar nessa de “esperar que a infra-estrutura se adapte para depois implantar medidas de incentivo e redução de tributos para carros elétricos”, aí que o Brasil perde espaço e vai ficar a reboque mais uma vez.

      Carros elétricos e com motor combustão conviverão por muito tempo, mas se o Brasil não implantar medidas agora para viabilizar a eletrificação, serão mais algumas décadas perdidas em relação aos países desenvolvidos, e o países menos desenvolvidos que nós vão nos ultrapassar.

    • th!nk.t4nk

      Mesmo que nao existisse energia limpa, e simplesmente usássemos energia provinda de termoelétricas, ainda haveria um tremendo benefício pro meio ambiente. Como? 1) motor elétrico possui rendimento muito superior aos de combustão, logo sua simples troca já diminui a quantidade total de combustíveis fósseis a serem queimados pra abastecer a mesma frota; 2) nas usinas térmicas o controle das emissoes é muito mais severo e eficiente, além de centralizado (mais fácil fiscalizar 1 usina do que 100 mil carros), o que também diminui a quantidade de emissoes. Tudo isso sem considerar nenhuma forma de energia verde heim.

  • Adriano Feroli

    Sou completamente leigo no assunto. Mas me parece que a industria do Petróleo não ficará de braços cruzados. Nos países de terceiro mundo como o Brasil o Petróleo será usado por décadas ainda, há não se que privatize a Petrobras logo e quebre o esquema das usinas de álcool. Creio ser difícil o Brasil embarcar nas próximas duas décadas no carro elétrico, talvez tenhamos que passar pelos Híbridos primeiro.
    Os elétricos tem problema a ser resolvido: autonomia, estrutura de abastecimento, tempo de abastecimento e a fonte de energia elétrica. A industria do Petróleo talvez mova-se no sentido de fornecer combustíveis para usinas ( centralizadas são mais fáceis de controlar a poluição, por meio de filtros ou outro processo)…Ao invés de uma cadeia difusa de uso do combustível, haverá uma centralização na produção com o uso do Petróleo. Posso estar errado, mas é o que se desenha. Vamos pegar o Brasil, as usinas de álcool, podem ser transformadas em usinas elétricas, que por sua vez vão abastecer os carros elétricos.

Quem somos

O Notícias Automotivas é um dos maiores sites automotivos do Brasil, trazendo todas as novidades sobre carros por mais de 11 anos. Saiba mais.

Notícias por email

Send this to a friend